Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs)

el

  • 5,336 reproducciones

vhs

vhs
sangue
eritrócitos
hemosedimentação

Estadísticas

reproducciones

reproducciones totales
5,336
reproducciones en SlideShare
5,336
reproducciones incrustadas
0

Actions

Me gusta
0
Descargas
67
Comentarios
3

0 insertados 0

No embeds

Accesibilidad

Categorias

Detalles de carga

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Derechos de uso

© Todos los derechos reservados

Report content

Marcada como inapropiada Marcar como inapropiada
Marcar como inapropiada

Seleccione la razón para marcar esta presentación como inapropiada.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    ¿Está seguro?
    Tu mensaje aparecerá aquí
    Processing...
  • Muiiito Obrigado, me salvou!
    ¿Está seguro?
    Tu mensaje aparecerá aquí
    Processing...
  • Fico feliz de ter ajudado de alguma forma
    ¿Está seguro?
    Tu mensaje aparecerá aquí
    Processing...
  • Agradeco bastante a informacao cedida.
    ¿Está seguro?
    Tu mensaje aparecerá aquí
    Processing...
Publicar comentario
Edite su comentario
  • Ao deixarmos repousar, posicionado verticalmente, uma pipeta de Westergren preenchida com sangue colhido com anticoagulante, se observa que, depois de algum tempo, os eritrócitos sedimentam em seu fundo, formando-se duas fases que correspondem ao plasma (parte superior) e as células sangüíneas constituídas fundamentalmente por eritrócitos (parte inferior). Este processo se denomina eritrosedimentação e a velocidade com que se realiza (VHS ou VSG) pode variar em diversas situações patológicas.
  • Apesar do VHS ser um teste inespecífico, ele é amplamente empregado na prática clínica, pois sua variação é quase sempre sinal de alteração orgânica ou de enfermidade. Assim, devido a freqüente correlação entre a VHS e o grau de atividade da enfermidade, sua determinação é de grande utilidade para acompanhar o curso evolutivo de certas afecções, entre as que se destacam, os processos inflamatórios crônicos (artrite reumatóide, polimialgia reumática e tuberculose, lúpus eritematoso, linfomas)
  • O mecanismo da eritrosedimentação não é bem conhecido. Parece obedecer a interações eletrostáticas entre a superfície dos eritrócitos e diversas proteínas plasmáticas que favorecem (fibrinogênio e globulinas) ou dificultam (albumina) o empilhamento destes corpúsculos vermelhos. As principais macromoléculas que contribuem para o aumento da VHS em ordem decrescente são o fibrinogênio, a alfaglobulina e a gamaglobulina . As principais macromoléculas que contribuem para retardo da VHS são a albumina e a lecitina , porém não há correlação absoluta entre a VHS e algumas das frações protéicas do plasma
  • As principais macromoléculas que contribuem para o aumento da VHS em ordem decrescente são o fibrinogênio, a alfaglobulina e a gamaglobulina . As principais macromoléculas que contribuem para retardo da VHS são a albumina e a lecitina , porém não há correlação absoluta entre a VHS e algumas das frações protéicas do plasma. A intensidade do potencial zeta depende em grande parte da composição protéica do plasma e especialmente da relação entre a concentração de albumina, globulinas e fibrinogênio. Sendo assim, a albumina tende a aumentar o potencial zeta distanciando mais as hemácias, enquanto as globulinas e, sobretudo o fibrinogênio diminuem o potencial zeta favorecendo o empilhamento das hemácias, portanto, aumentando a velocidade de queda dos glóbulos vermelhos. Isto se deve ao fato de que tanto o fibrinogênio como as globulinas têm um maior peso molecular e uma conformação espacial menos esférica que a albumina, o que aumenta a constante dielétrica do plasma e reduz o potencial zeta eritrocitário. De acordo com este mecanismo, o valor normal da VHS resulta do equilíbrio entre as principais proteínas plasmáticas

Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs) Presentation Transcript

  • 1. Estudo da Velocidade deHemossedimentação (VHS) Juliana Hernandez Laboratório de Hematologia Hospital Universitário João de Barros Barreto
  • 2. Velocidade de Hemossedimentação (VHS) Plasma se deposita na parte superior Eritrosedimentação Eritrócitos sedimentamSangue colhido com anticoagulante VHS
  • 3. VHS – Patologias Teste Sua variação é, quase Amplamente Inespecífico sempre, sinal de alteração empregado orgânica ou de enfermidade Processos inflamatórios, infecciosos e neoplásicosAcompanhar ocurso evolutivo de certas doenças
  • 4. Eritrosedimentação - Mecanismo Acontece pela agregação de hemácias e consequente formação de rouleaux Fenômeno de rouleaux ou empilhamento das hemácias; observa-se que as hemácias se dispõem semelhante a pilhas de moedas A formação em rouleaux é limitada pela carga negativa dos eritrócitos, que se repelem e não se agregam.Essa força repulsiva eletrostática, chamada potencial zeta éproduzido por uma intensa carga negativa em nível da superfícieos eritrócitos, em decorrência da sua riqueza em ácido siálico, oque explica porque estas células se mantêm separadas
  • 5. Eritrosedimentação - Mecanismo
  • 6. Eritrosedimentação - Mecanismo VHS Potencial zeta Fibrinogênio>alfaglobulina>gamaglobulina VHS Potencial zeta Albumina>lecitina
  • 7. VHS - Outros fatores 1. Tamanho dos eritrócitos. 2. Diferença de densidade entre os eritrócitos e o plasma. 3. Viscosidade do plasma. 4. Temperatura.
  • 8. Fatores que afetam o VHS A temperatura do local de teste deve ser mantida constante (20 a 25 0C)enquanto o teste está sendo realizado; baixas temperaturas diminuem avelocidade de hemossedimentação;O tubo de sedimentação deve ser mantido exatamente na vertical; mesmopoucos graus de inclinação podem afetar significativamente a VHS;O teste deve ser feito em uma bancada livre de vibrações.;Pipeta mal lavada
  • 9. Obrigada!