Concordância nominal_9º ano
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Concordância nominal_9º ano

on

  • 1,971 reproducciones

 

Estadísticas

reproducciones

reproducciones totales
1,971
reproducciones en SlideShare
1,965
reproducciones incrustadas
6

Actions

Me gusta
1
Descargas
83
Comentarios
1

1 insertado 6

http://prof-lidiane.blogspot.com 6

Accesibilidad

Categorias

Detalles de carga

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Derechos de uso

© Todos los derechos reservados

Report content

Marcada como inapropiada Marcar como inapropiada
Marcar como inapropiada

Seleccione la razón para marcar esta presentación como inapropiada.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    ¿Está seguro?
    Tu mensaje aparecerá aquí
    Processing...
Publicar comentario
Edite su comentario

Concordância nominal_9º ano Presentation Transcript

  • 1. Concordância Nominal Profª Lidiane Rodrigues
  • 2. Concordância Nominal Regra Geral O artigo, o pronome , o numeral e o adjetivo devem concordar em gênero e número com o substantivo ao qual se referem. Ex.: Os nossos dois brinquedos preferidos estão quebrados. artigo (masc.pl.) pronome (masc.pl.) numeral (masc.pl.) substantivo ( masc.pl .) adjetivo ( masc.pl .) Observe que o artigo os , o pronome nossos , o numeral dois e o adjetivo preferidos referem-se ao substantivo (masculino/plural) brinquedos . Por isso é que eles estão todos no masculino plural.
  • 3. Casos especiais de Concordância Nominal I. Adjetivo referente a vários substantivos: 1. Quando o adjetivo vier depois de dois ou mais substantivos do mesmo gênero , há duas possibilidades de concordância:  O adjetivo assume o gênero do substantivo e vai para o plural , ou concorda em gênero e número com o mais próximo . Ex.: O governador recebeu ministro e secretário espanhol. concordou apenas com o mais próximo Ex.: O governador recebeu ministro e secretário espanhóis . masculino/plural
  • 4. 2. Quando o adjetivo vier posposto a dois ou mais substantivos de gêneros diferentes , também há duas possibilidades de concordância:  O adjetivo vai para o masculino plural ou concorda em gênero e número com o substantivo mais próximo. Ex.: Ele apresentou argumento e razão justos. masculino/plural Ex.: Ele apresentou argumento e razão justa . concordou com o substantivo mais próximo Ex.: Ele apresentou razão e argumento justo . concordou com o substantivo mais próximo.
  • 5. 3. Quando o adjetivo vier anteposto a dois ou mais substantivos, concordará com o mais próximo, se funcionar como adjunto adnominal; entretanto se funcionar como predicativo, haverá duas possibilidades: poderá ir para o plural ou concordar com o mais próximo. Ex.: Nunca vi tamanho desrespeito e ingratidão. adjetivo substantivo substantivo adjunto adnominal Ex.: Permaneceu fechada a porta e o portão. predicativo do sujeito (concorda com o mais próximo) Ex.: Permaneceram fechados a porta e o portão. predicativo do sujeito (masculino plural)
  • 6. II. Dois ou mais adjetivos referentes a um substantivo determinado por artigo:  Admitem duas possibilidades: a) O substantivo fica no singular e põe-se o artigo também antes do segundo adjetivo. Ex.: Meu professor ensina a língua inglesa e a francesa. b) O substantivo fica no plural e omite-se o artigo antes do segundo adjetivo: Ex.: Meu professor ensina as línguas inglesa e francesa.
  • 7. Casos particulares de Concordância Nominal 1. As palavras menos , alerta e pseudo são advérbios e ficam invariáveis. Ex.: Os soldados estavam alerta . Há menos pessoas do que prevíamos. 2. As expressões é proibido , é necessário , é bom , é preciso quando se referem a palavras desacompanhadas de determinantes, tomadas, portanto, em sua generalidade, ficam invariáveis . Ex.: É proibido entrada. Cerveja é bom . Coragem é necessário . Porém, se a palavra estiver acompanhada de determinante, com ela devem concordar. Ex.: É proibida a entrada. A cerveja é boa . A coragem é necessária .
  • 8. 3. As palavras bastante , meio , pouco , muito , caro , barato a) Quando têm valor de adjetivo , concordam com o substantivo. Ex.: Serviu-nos meia porção de arroz. Conversamos bastantes vezes a esse respeito. Os automóveis estão caros . As frutas estão baratas . Já é meio-dia e meia . b) Quando têm valor de advérbio ficam invariáveis. Ex.: Maria está meio aborrecida. Os alunos são bastante estudiosos. Esses automóveis custam caro . As laranjas custam barato . Estamos muito cansadas.
  • 9. 4. Os adjetivos anexo , obrigado , incluso , mesmo , próprio , só , leso , quite concordam com o substantivo a que se referem. Ex.: Seguem anexos os documentos da partilha de bens. A carta segue anexa . Os documentos estão inclusos . Ela mesma redigiu a carta. Eles estão sós . Estou quite com você. Muito obrigada – disse ela. Observação: Os advérbios só (equivalente a somente), menos e alerta e as expressões em anexo e a sós são invariáveis. Ex.: Elas só esperam uma nova oportunidade. Leia a carta e veja as fotografias em anexo . As meninas ficaram a sós no quarto.
  • 10. Dicas : 1. Quando a palavra só equivaler a sozinho ela será adjetivo e, portanto, concordará com o substantivo. 2. Quando a palavra só equivaler a somente ela será advérbio e ficará invariável. 3. Quando a palavra bastante equivaler a muitos/ muitas ela será adjetivo e, portanto, concordará com o substantivo. 4. A palavra meio equivalente a metade é adjetivo e concorda com o substantivo. 5. A palavra meio equivalendo a um pouco é advérbio e não varia.
  • 11. Referências bibliográficas FERREIRA, Mauro. Aprender e praticar gramática : teoria, sínteses das unidades, atividades práticas, exercícios de vestibulares: 2º Grau . São Paulo: FTD, 1992. p. 343-352. SARMENTO, Leila L. Gramática em texto . 1. ed. São Paulo: Moderna, 2000. p.470-475. CEREJA, William Roberto & MAGALHÃES, Tereza C. Gramática Reflexiva . São Paulo: Atual, 1999. p. 334-336. MAIA, João D. Português: Série Novo Ensino Médio . São Paulo: Editora Ática, 2003. CIPRO NETO, Pasquale & INFANTE, Ulisses. Gramática da Língua Portuguesa . São Paulo: Scipione, 1997. GIACOMOZZI, Gilio & VALÉRIO, Gildete & FENGA, Cláudia R. Estudos de Gramática . São Paulo: FTD, 1999.