Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                                                  ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      Apesar da fixação dos diversos grupos humano...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      moradias).      Divisão da sociedade:       ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                            Escravos eram         ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução            Pirâmides são                         ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                                                  ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução          Abundância de                           ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                                                  ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                                                  ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                                                  ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                                                  ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução              faraó alimentar a população.        ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                                            Matéri...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                                     Povo de orige...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                                                  ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      organização sócio-econômica, assimilou diver...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      Cada cidade tinha, provavelmente, o estatuto...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      A CIVILIZAÇÃO MICÊNICA      O nome de civili...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                                                  ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução          q   um intenso desenvolvimento comercial...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      No Período Arcaico da história da Grécia (sé...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução                                                  ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      ATENAS      Atenas desenvolveu-se como sendo...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      Com a configuração política da oligarquia, v...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      indivíduos mais ricos se ocupavam das funçõe...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução          q   o segundo reunia os demos do litoral...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      Civilização Grega Arcaica (séculos VIII a VI...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      essa arquitetura, as idéias de proporção e h...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      Em 490 a.C., os persas, sob comando de Mardô...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      contribuir com tropas e navios ou então com ...
Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução      A hegemonia ateniense sobre a Grécia esbarra...
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Apostila Historia
Próxima SlideShare
Cargando en...5
×

Apostila Historia

4,915

Published on

Published in: Educación
0 comentarios
0 Me gusta
Estadísticas
Notas
  • Sea el primero en comentar

  • Be the first to like this

Sin descargas
reproducciones
reproducciones totales
4,915
En SlideShare
0
De insertados
0
Número de insertados
0
Acciones
Compartido
0
Descargas
125
Comentarios
0
Me gusta
0
Insertados 0
No embeds

No notes for slide

Apostila Historia

  1. 1. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução 1_7 Página 1 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução ANTIGÜIDADE ORIENTAL As mais antigas civilizações da história surgiram na Antigüidade Oriental entre os anos 4.000 a.C. e 2.000 a.C. Foram as chamadas civilizações hidráulicas. As Principais civilizações da Antigüidade Oriental foram: q egípcios (Vale do Nilo) q mesopotâmicos (Vale do Tigre e Eufrates) q hebreus (Vale do Jordão) fenícios (Líbano atual) q persas (Planalto do Irã) q hindus (Planície Indo-gangética) q chineses (Vales do Tang-tse e Huang Ho). Estas civilizações apresentaram características comuns como a escrita, a arquitetura monumental, a agricultura extensiva, a domesticação de animais, a metalurgia, a escultura, a pintura em cerâmica, a divisão da sociedade em classes e a religião organizada (estruturada com sacerdotes, lugares para reverenciar os deuses e assim por diante). A invenção da escrita permitiu ao homem registrar e difundir idéias, descobertas e acontecimentos que ocorriam ao seu redor. Esse avanço é responsável por grandes progressos científicos e tecnológicos que possibilitaram o surgimento de civilizações mais complexas. Exemplos de tipo de escrita: q Suméria - cuneiforme (gravação de figuras com estilete sobre tábua de argila) q Egito - hieroglífica (com ideogramas) q Fenícia (atual Líbano) Fonético - (alfabeto)file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (1 of 610) [05/10/2001 22:27:01]
  2. 2. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Apesar da fixação dos diversos grupos humanos em áreas próximas aos rios (abastecimento de água e comunicação) ter ocorrido em regiões distintas, a maioria das civilizações da Antigüidade se desenvolveu no Crescente Fértil. Esta área possui a forma de arco e estende-se do Vale do Jordão à Mesopotâmia, além de abrigar os rios Tigres e Eufrates. A revolução agrícola e a fixação de grupos humanos em locais determinados ocorreram simultaneamente no Crescente Fértil. Neste mesmo período outras civilizações se desenvolveram às margens dos rios Nilo (egípcia), Amarelo (chinesa), Indo e Gânges (paquistanesa e indiana). Página 2 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução ASPECTOS ECONÔMICOS Predomínio da agricultura de subsistência e de regadio, devido ao aumento das comunidades ribeirinhas que tornaram-se conhecidas como civilizações hidráulicas. Neste período, a construção de canais de irrigação que permitiam levar a água onde fosse necessária era de grande importância. Principal atividade: Cultivo de cereais. Comércio e artesanato eram atividades secundárias. Exceção: fenícios, dedicados predominantemente ao comércio marítimo (talassocracia no Mediterrâneo). ASPECTOS SOCIAIS Predomínio da sociedade estamental; nessa, cada grupo social tem uma posição e uma função definida. A posição social é determinada pela hereditariedade. A estrutura é estática (não há mobilidade social) e hierárquica, sendo vinculada às atividades econômicas. Regime de trabalho: A maior parcela da comunidade trabalhava sob um regime de servidão coletiva . As Comunidades camponesas produziam excedentes agrícolas entregues ao Estado sob a forma de impostos (os camponeses não eram escravos já que viviam em comunidades, produziam seus próprios alimentos e construíam suasfile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (2 of 610) [05/10/2001 22:27:01]
  3. 3. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução moradias). Divisão da sociedade: q Soberano e aristocracia (nobres e sacerdotes) q Grupos intermediários (burocratas, militares, mercadores e artesãos). q Camponeses q Escravos utilizados na construção de obras públicas (obras de irrigação, templos, palácios e outros). Exceções: q Fenícios, sociedade de classes (hierarquia baseada na riqueza móvel). q Hindus, sociedade de castas (de origem religiosa e absolutamente impermeável). Página 3 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Particularidades e diferenças dos modelos econômicos e sociais: Mesopotâmia Egito Vale do Sul da Ásia, Norte da China, Tigre e Nilo Planície Indo-gangética o Hwang Ho Eufrates Faraó e os Nobreza = O rei, a classe sacerdotes da família real, aristocrática e a Soberano e família real, altos Falta de evidências burocracia estatal aristocracia oficiais do sacerdotes, faziam parte da palácio oficiais reais nobreza guerreira Sociedade relativamente Clientes = Grupos aberta; Comércio com a cidadãos livres Artesãos/escultores intermediá- habilidade + Mesopotâmia, Sul da Índia trabalhando comerciantes rios ambição = e Afeganistão para a nobreza mobilidade social Camponeses = Plebe = servos, cidadãos livres Fazendeiros plebeus Camponeses pequenas proprietários de (servos) propriedades terras de terrasfile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (3 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  4. 4. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Escravos eram prisioneiros de guerra; camponeses eram submetidos a Escravos recrutamento escravos escravos forçado tanto para serviços militares como para grupos de trabalhos Página 4 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução ASPECTOS RELIGIOSOS Predomínio do politeísmo (acreditavam na existência de inúmeros deuses). Os deuses tinham estreitos vínculos com as atividades e as forças da Natureza. Exceções: q Monoteísmo: hebreus e egípcios durante o reinado do Faraó Amenófis IV q Dualismo: persas (zoroastrismo). Modelos Religiosos : Egito Mesopotâmia Sul da Ásia, Norte da China, Vale do Nilo Tigre e Eufrates Planície Indo-gangética o Hwang Ho Faraó - considerado uma divindade em Hierarquia de forma humana, Rei adorado como um divindades (maiores e Importância da fertilidade provando que os intermediário entre os menores) de acordo = culto à deusa mãe deuses se deuses e os homens com suas funções importavam com a população Crença em vida Divindades imortais e após a morte, Imagens de deuses em Culto às figuras reais poderosas, mas com reflexo da natureza quadros de argila, figuras falecidas, base do culto características humanas cíclica das estações de animais em argila aos ancestrais (hábitos e emoções) e enchentesfile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (4 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  5. 5. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Pirâmides são Lendas e crenças símbolos da populares – história da Confucionismo = crença eternidade da vida criação, humanos com secular na conduta ética e após a morte e do características divinas, na harmonia social poder espiritual e enchentes temporal do Faraó Curto período de Taoísmo = filosofia que monoteísmo = culto preza o viver em Sacerdócio influente ao deus Sol harmonia com as leis da (Amon-Ra) natureza Página 5 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução ASPECTOS POLÍTICOS Estado fortemente centralizado que possuía as terras e controlava a mão-de-obra. A religião justificava o poder absoluto do governante, por isto, neste período, havia predomínio das monarquias despóticas (absolutas) de caráter teocrático. Teocracia é uma forma de governo na qual a autoridade, proveniente de um Deus, é exercida por seus representantes na terra. O Egito Antigo foi um dos exemplos mais extremados de teocracia. Exceção: Fenícios, organizados em cidades-estados monárquicas ou republicanas, controladas por oligarquias mercantis. Modelos Políticos: Egito Mesopotâmia Sul da Ásia, Norte da China, Vale do Nilo Tigre e Eufrates Planície Indo-gangética o Hwang Ho Governo centralizado, O Faraó; rei-deus Cidades-estado chefiadas Pequenos reinos feudais cidades planejadas, com como ditador por guerreiros que se posteriormente unidos prédios e serviços absoluto: Teocracia tornaram reis pela dinastia de Zhou públicos Seqüência de impérios, Monarquia Autocracia altamente alguns formados por centralizada e centralizada e unificação grupos locais e outros hereditária por Ch’in por invasores Período Dinástico, idéia Longa série de Número cada vez maior da permissão dos deuses dinastias familiares de códigos legais para governarfile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (5 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  6. 6. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Página 6 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução ASPECTOS CULTURAIS Forte influência religiosa na vida cultural, principalmente entre egípcios e hebreus. Desenvolvimento científico mais importante entre os egípcios (Matemática e Medicina) e entre os caldeus (Matemática e Astronomia). Arte principal: Arquitetura, tendo a Escultura e a Pintura como artes auxiliares. Escrita predominantemente ideográfica (no Egito: hieróglifos; na Mesopotâmia: cuneiformes). Criação da escrita fonética pelos fenícios. Direito baseado no princípio de Talião. Primeiro conjunto de leis escritas: Código de Hamurabi (Mesopotâmia). MEIO AMBIENTE E SEUS IMPACTOS As civilizações existentes nesse período tinham muitos pontos em comum. Entretanto, as condições ambientais e naturais nas quais viveram fizeram com que cada um desses grupos se desenvolvesse de forma única e independente. Egito Mesopotâmia Sul da Ásia, Norte da China, O Vale do Nilo Tigre e Eufrates Planície Indo-gangética o Hwang Ho Enchentes brandas Enchentes violentas Enchentes e previsíveis = Enchentes periódicas = renovação = pessimismo, medo = renovação e possibilidades e fertilização do solo de desastres fertilização do solo criativas e positivas Muitas regiões Muito tributário = montanhosas e Clima árido = Clima subtropical-úmido = cidades-estado semidesérticas: bom estoque de dificuldades no estoque de dispersas = desunião assentamentos alimentos alimentos e guerras apenas nas margens dos rios Enchentes violentas Rio facilmente Regiões pantanosas Montanhas do Himalaia = proteção = construção de navegável = união = irrigação usada contra invernos rigorosos diques para controlar política e cultural para drenagem as águas Falta de pedras para Monções (ventos) e derretimento Montanhas e Desertos = construção = da neve = suprimentos abundantes desertos = isolamento estruturas de cana e de água isolamento cultural de tijolos de argilafile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (6 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  7. 7. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Abundância de Contato com o Oriente Médio a pedras = arquitetura noroeste permanente Página 7 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução CONTRIBUIÇÕES E REALIZAÇÕES DAS CIVILIZAÇÕES DA ANTIGÜIDADE ORIENTAL Sociedade Região / Período Contribuições / Realizações Cidades-estado, matemática (base 60 e sistemas de Mesopotâmia meridional Sumérios latitude), veículos com rodas, zigurates (templos), (3500-2300 a.C.). escrita cuneiforme, escolas. Irrigação para controlar o rio, expansão de terras Vale do Nilo (Egito) cultiváveis, calendário, medicina, monarquia Egípcios (3100-1200 a.C.) hereditária e centralizada, escrita pictográfica (hieróglifos), tumbas nas pirâmides, mumificação. Mesopotâmia Código de leis de Hamurábi, unificação de toda Babilônicos (1900-1600 a.C.) região mesopotâmica. Turquia e Síria Hititas Metalurgia (ferro) (1800-1200 a.C.) Navegação marítima, alfabeto fonético, comércio Fenícios Líbano atual (1400-800 a.C.) além-mar. Norte da Mesopotâmia Sociedade militarista, engenheiros militares, Assírios (900-612 a.C.) império armado da Mesopotâmia ao Egito. Lídios Turquia (700-550 a.C.) Cunhagem de moedas, sistema monetário. Monoteísmo - conceito de um Deus único, os 10 Hebreus/Judeus/ Terra de Canaã / atual Israel Mandamentos, a criação de um código de valores Israelitas (2.000 a.C.-79 d.C.) éticos e morais; O Velho Testamento. Astronomia, fases lunares = 4 semanas por mês, ano Caldeões Mesopotâmia (612-539 d.C.) solar preciso, astrologia: Zodíaco. Amplo sistema de estradas, unificação de um povo Persas Irã atual (1200-330 d.C.) vasto em um único império, período de paz e de tolerância, regras claras.file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (7 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  8. 8. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução 2_5 Página 1 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > EgitoEGITOA Civilização egípcia data do ano de 4.000 a.C., permanecendo relativamente estável por 35 séculos, apesar deinúmeras invasões das quais foi vítima.Em 1822, o francês Jean François Champollion decifrou a antiga escrita egípcia tornando possível o acesso direto àsfontes de informação egípcias. Até então, o conhecimento sobre o Egito era obtido através de historiadores daAntigüidade greco-romana.O MEIO AMBIENTE E SEUS IMPACTOSLocalizado no nordeste africano de clima semi-árido e chuvas escassas ao longo do ano, o vale do rio Nilo é um oásisem meio a uma região desértica. Durante a época das cheias, o rio depositava em suas margens uma lama fértil na qualdurante a vazante eram cultivados cereais e hortaliças.O rio Nilo é essencial para a sobrevivência do Egito. A interação entre a ação humana e o meio ambiente é evidente nahistória da civilização egípcia, pois graças à abundância de suas águas era possível irrigar as margens durante o períododas cheias. A necessidade da construção de canais para irrigação e de barragens para armazenar água próximo àsplantações foi responsável pelo aparecimento do Estado centralizado.Nilo > agricultura de regadio > construção de obras de irrigação que exigiam forte centralização do poder >monarquia teocráticaEVOLUÇÃO HISTÓRICAA história política do Egito Antigo é tradicionalmente dividida em duas épocas:Pré-Dinástica (até 3200 a.C.): ausência de centralização política.População organizada em nomos (comunidades primitivas) independentes da autoridade central que era chefiada pelosmonarcas. A unificação dos nomos se deu em meados do ano 3000 a.C., período em que se consolidaram a economiaagrícola, a escrita e a técnica de trabalho com metais como cobre e ouro.Dois reinos Alto Egito (sul) e Baixo Egito (norte) surgiram por volta de 3500 a.C. em conseqüência da necessidade dese unir esforços para a construção de obras hidráulicas.Dinástica: forte centralização políticaMenés, rei do Alto Egito, subjugou em 3200 a.C. o Baixo Egito. Promoveu a unificação política das duas terras sob umamonarquia centralizada na imagem do faraó, dando início ao Antigo Império, Menés tornou-se o primeiro faraó. Osnomarcas passaram a ser “governadores” subordinados à autoridade faraônica. file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (8 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  9. 9. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Página 2 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Egito PERÍODOS DA ÉPOCA DINÁSTICA A Época Dinástica é dividida em três períodos: Antigo Império (3200 a.C. – 2300 a.C.) Capital: Mênfis Foi inventada a escrita hieroglífica. Construção das grandes pirâmides de Gizé, entre as quais as mais conhecidas são as de Quéops, Quéfrem e Miquerinos. Esses monumentos, feitos com blocos de pedras sólidas, serviam de túmulos para os faraós. Tais construções exigiam avançadas técnicas de engenharia e grande quantidade de mão-de-obra. Invasão dos povos nômades > fragmentação do poder Médio Império (c. 2040-1580 a.C.) Durante 200 anos o Antigo Egito foi palco de guerras internas marcadas pelo confronto entre o poder central do faraó e os governantes locais – nomarcas. A partir de 2040 a.C., uma dinastia poderosa (a 12ª) passou a governar o País iniciando o período mais glorioso do Antigo Egito: o Médio Império. Nesse período: q Capital: Tebas q Poder político: o faraó dividia o trono com seu filho para garantir a sucessão ainda em vida q Poder central controlava rigorosamente todo o país q Estabilidade interna coincidiu com a expansão territorial q Recenseamento da população, das cabeças de gado e de terras aráveis visando a fixação de impostos q Dinamismo econômico Página 3file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (9 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  10. 10. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Egito Os Hicsos Rebeliões de camponeses e escravos enfraqueceram a autoridade central no final do Médio Império, permitindo aos hicsos - um povo de origem caucasiana com grande poderio bélico que havia se estabelecido no Delta do Nilo – conquistar todo o Egito (c.1700 a.c.). Os hicsos conquistaram e controlaram o Egito até 1580 a.C. quando o chefe militar de Tebas derrotou-os. Iniciou-se, então, um novo período na história do Egito Antigo, que se tornou conhecido como Novo Império. As contribuições dos hicsos foram: q fundição em bronze q uso de cavalos q carros de guerra q tear vertical Novo Império - (c. 1580- 525 a.C.) O Egito expulsou os hicsos conquistando, em seguida, a Síria e a Palestina. q Capital: Tebas. q Dinastia governante descendente de militares. q Aumento do poder dos sacerdotes e do prestígio social de militares e burocratas. q Militarismo e expansionismo, especialmente sob o reinado dos faraós Tutmés e Ramsés. q Conquista da Síria, Fenícia, Palestina, Núbia, Mesopotâmia, Chipre, Creta e ilhas do Mar Egeu. q Afluxo de riqueza e escravos e aumento da atividade comercial controlada pelo Estado. q Amenófis IV promoveu uma reforma religiosa para diminuir a autoridade dos sacerdotes e fortalecer seu poder implantando o monoteísmo (a crença numa única divindade) durante seu reino. q Invasões dos “povos do mar” (ilhas do Mediterrâneo) e tribos nômades da Líbia conseqüente perda dos territórios asiáticos. q Invasão dos persas liderados por Cambises. q Fim da independência política. Com o fim de sua independência política o Egito foi conquistado em 343 a.C. pelos persas. Em 332 a.C. passou a integrar o Império Macedônio e, a partir de 30 a.C., o Império Romano.file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (10 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  11. 11. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Página 4 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Egito ASPECTOS ECONÔMICOS Base econômica: q Agricultura de regadio com cultivo de cereais (trigo, cevada, algodão, papiro, linho) favorecida pelas obras de irrigação. q Agricultura extensiva com um alto nível de organização social e política. q Outras atividades econômicas: criação de animais (pastoreio), artesanato e comércio. ASPECTOS POLÍTICOS Monarquia teocrática: q O governante (faraó) era soberano hereditário, absoluto e considerado uma encarnação divina. Era auxiliado pela burocracia estatal nos negócios de Estado. q Havia uma forte centralização do poder com anulação dos poderes locais devido à necessidade de conjugação de esforços para as grandes construções. q O governo era proprietário das terras e cobrava impostos das comunidades camponesas (servidão coletiva). Os impostos podiam ser pagos via trabalho gratuito nas obras públicas ou com parte da produção. ASPECTOS SOCIAIS q Predomínio das sociedades estamentais (compostas por categorias sociais, cada uma possuía sua função e seu lugar na sociedade). q O Egito possuía uma estrutura social estática e hierárquica vinculada às atividades econômicas. A posição do indivíduo na sociedade era determinada pela hereditariedade (o nascimento determina a posição social do indivíduo). q A estrutura da sociedade egípcia pode ser comparada a uma pirâmide. No vértice o faraó, em seguida a alta burocracia (altos funcionários, sacerdotes e altos militares) e, na base, os trabalhadores em geral . A sociedade era dividida nas seguintes categorias sociais: q O faraó e sua família - O faraó era a autoridade suprema em todas as áreas, sendo responsável por todos os aspectos da vida no Antigo Egito. Controlava as obras de irrigação, a religião, os exércitos, promulgação e cumprimento das leis e o comércio. Na época de carestia era responsabilidade dofile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (11 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  12. 12. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução faraó alimentar a população. q aristocracia (nobreza e sacerdotes). A nobreza ajudava o faraó a governar. q grupos intermediários (militares, burocratas, comerciantes e artesãos) q camponeses q escravo Os escribas, que dominavam a arte da escrita (hieróglifos), governantes e sacerdotes formavam um grupo social distinto no Egito. Página 5 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Egito ASPECTOS CULTURAIS q A cultura era privilégio das altas camadas. q Destaque para engenharia e arquitetura (grandes obras de irrigação, templos, palácios). q Desenvolvimento de técnicas de irrigação e construção de barcos. q Desenvolvimento da técnica de mumificação de corpos. q Conhecimento da anatomia humana. q Avanços na Medicina. q Escrita pictográfica (hieróglifos). q Calendário lunar. q Avanços na Astronomia e na Matemática, tendo como finalidade a previsão de cheias e vazantes. q Desenvolvimento do sistema decimal. Mesmo sem conhecer o zero, os egípcios criaram os fundamentos da Geometria e do Cálculo. q Engenharia e Artes. q Jogavam xadrez. ASPECTOS RELIGIOSOS q Politeísmo q Culto ao deus Sol q As divindades são representadas com formas humanas (politeísmo antropomórfico), com corpo de animal ou só com a cabeça de um bicho (politeísmo antropozoomórfico) q Crença na vida após a morte (Tribunal de Osíris), daí a necessidade de preservar o cadáver, desenvolvimento de técnicas de mumificação, aprimoramento de conhecimentos médico-anatômicos. 3_3 Página 1file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (12 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  13. 13. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Mesopotâmia Mesopotâmia Região do Oriente Médio, localizada entre os rios Tigre e Eufrates (a palavra Mesopotâmia significa entre rios), onde se sucederam as civilizações dos Sumérios, Babilônicos, Assírios e Caldeus. A Mesopotâmia não se unificou sob um governo como no Egito, a região era povoada de cidades-estados independentes que periodicamente exerciam forte hegemonia sobre toda a Mesopotâmia. O meio ambiente e seus impactos Situada entre os rios Tigre e Eufrates, a Mesopotâmia pertencia ao chamado Crescente Fértil. Ao norte, o território é montanhoso, desértico e, portanto, menos fértil; já ao sul, a região é constituída por planícies muito férteis. A aridez do clima obrigou a fixação da população às margens dos rios Tigre e Eufrates, cujas águas permitiram o desenvolvimento da agricultura na região. A construção de obras de irrigação foi fundamental para o aproveitamento dos recursos hídricos disponíveis na área. Além disso, por ser uma região de grande fertilidade em meio à regiões áridas, a Mesopotâmia foi vítima de constantes invasões de povos estrangeiros. Página 2 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Mesopotâmia Evolução histórica e características de cada civilização: POVO CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS Originários do planalto do Irã, fixaram-se na Caldéia. Organizavam-se politicamente em cidades-estado (Ur, Uruk, Lagash, Eridu). Em cada cidade-Estado o poder político era exercido por chefes militares e religiosos (rei-sacerdotes) chamados de patesi . SUMÉRIOS A religião era politeísta. (antes de 2000 a.C.) O templo era não somente o centro religioso como político, administrativo e financeiro. Contribuição cultural: invenção da escrita cuneiforme : sinais abstratos em forma de cunha, feitos em tábuas de argila. Na literatura, destaque para os poemas “O Mito da Criação” e “A Epopéia de Gilgamesh”.file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (13 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  14. 14. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Povo de origem semita que ocupou a parte central da Mesopotâmia, realizando, por volta de 2300 a.C., durante o reinado de Sargão I, a unificação política. ACADIANOS Estabeleceu sua capital em Akkad, daí o nome da civilização acadiana. (antes de 2000 a.C. ) Disputas internas e invasões estrangeiras levaram ao desaparecimento desse Império. Página 3 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Mesopotâmia Grupo de invasores amoritas, vindos do deserto da Arábia Capital: Babilônia.Grande centro urbano da Antigüidade Oriental, eixo econômico e cultural da região. Hamurábi o mais importante rei babilônico unificou politicamente a Mesopotâmia e elaborou o primeiro código de leis escritas: Código de Hamurábi (compilação de PRIMEIRO IMPÉRIO BABILÔNICO procedimentos jurídicos). Neste, está prevista a Lei do Talião (“olho por olho, dente por dente”), abrange quase todos os (2000 a.C. –1750 a.C.) aspectos da vida babilônica (comércio, propriedade, herança, direitos da mulher, família, escravidão etc.). Hamurábi realizou uma reforma religiosa, instituindo o culto a Marduk, principal divindade em honra de quem foi construído um imponente zigurate. Rebeliões internas e invasões que levaram a um enfraquecimento do Império e fragmentação do poder. Ocupou o norte da Mesopotâmia, perto do curso superior do rio Tigre, região rica em madeira e minério (cobre e ferro). Capital: Assur. Principal atividade econômica: pastoreio e comércio. Grande parte da riqueza vinha do saque das regiões conquistadas; existia uma espécie de sistema bancário. Militarismo: Usavam cavalos e armas de ferro e passaram para a história como o povo mais guerreiro da antiguidade. IMPÉRIO ASSÍRIO Formação de um Império. Conquista da Mesopotâmia, da Síria e da Palestina. (1300 a.C.– 612a.C.) Crueldade com os derrotados de guerra (esfolamento vivo nas pedras, corte de orelhas, órgãos genitais e narizes); escravização dos sobreviventes. Governante mais conhecido: Assurbanipal, ampliou asfile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (14 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  15. 15. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução fronteiras do império; ordenou a construção da principal biblioteca da Antigüidade Oriental em Níneve, reunindo importante acervo cultural. Morreu em 631 a.C. passando a ocorrer revoltas dos povos dominados que, chefiados pelos caldeus de Nabopolasar, derrubaram o império por volta de 612 a.C. Origem semita; derrotando assírios, estabeleceu seu poder sobre a Mesopotâmia. Capital: Babilônia. Com o rei Nabucodonosor II o império babilônico atingiu seu apogeu. Ampliou as fronteiras do reino, dominando a Fenícia e a Síria.Vitória sobre o Egito, ocupação do Reino de Judá e Jerusalém com escravização dos hebreus (“O Cativeiro SEGUNDO IMPÉRIO BABILÔNICO da Babilônia”). (612 a.C. – 539 a.C.) Construção de grandes obras públicas: templos e palácios; zigurate (imponente construção em forma de torre com degraus , conhecido como a torre de Babel) e os famosos “Jardins Suspensos da Babilônia”. Com a morte de Nabucodonosor II há o enfraquecimento do reino, tornando-se alvo da expansão persa. Chefiados por Ciro I, os persas invadiram e dominaram a Mesopotâmia, que se tornou uma província do Império Persa. 4_1 Página 1 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Fenícia Fenícia A Fenícia corresponde atualmente à região do Líbano. De recursos naturais escassos, além do clima árido e solo pouco apropriado à atividade agrícola, sua localização geográfica favoreceu fundamentalmente a navegação e o comércio. Essa vocação marítima dos fenícios contou ainda com a ajuda das abundantes florestas de cedro, madeira adequada para a fabricação de embarcações, presentes em seu território. Os fenícios não conheceram, na Antigüidade, a centralização política, organizando-se segundo cidades-estados; unidades autônomas do ponto de vista econômico e administrativo, sendo que as que mais se destacaram foram Biblos, Tiro e Sidon. A principal classe da sociedade fenícia, pelas próprias atividades econômicas dessa civilização, era formada pelos comerciantes e armadores que controlavam a vida econômica e política das cidades-estado. A expansão das atividades comerciais levou os fenícios a controlar a navegação no Mediterrâneo, onde fundaram diversas colônias e feitorias. Entre elas destacam-se Palermo, na Sicília, Cádis e Málaga, na Espanha, e, principalmente, Cartago, no norte da África. A cultura fenícia, dado o caráter “aberto” de suafile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (15 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  16. 16. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução organização sócio-econômica, assimilou diversos componentes de outras culturas. Cabe, destacar, sua mais importante contribuição para a cultura ocidental: a invenção do alfabeto com 22 letras, matriz de nossa escrita atual. 5_24 Página 1 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia Grécia Chamamos de civilização grega, ou civilização helênica aquela que se desenvolveu a partir do extremo sul da Península Balcânica (a Grécia atual) e se difundiu pelas ilhas do Mar Egeu, costa ocidental da Ásia Menor, litoral do Mar Negro e por certos pontos africanos e europeus do Mediterrâneo. As origens da civilização helênica são encontradas nos primitivos povos que habitavam a Península Balcânica, os pelasgos, na civilização egéia e nos povos indo-europeus (aqueus, jônios, eólios e dórios) que, desde mais ou menos 2.000 a.C. começaram a penetrar nos Bálcãs. A CIVILIZAÇÃO EGÉIA A civilização egéia desenvolveu-se, originalmente, nos muitos arquipélagos do Mar Egeu e teve como principal centro a ilha de Creta, daí também ser conhecida por civilização cretense. Os egeus chegaram a ocupar também as costas ocidentais da Ásia Menor e a parte meridional dos Bálcãs. A exigüidade das terras aráveis e das reservas minerais e a facilidade para a navegação (muitas enseadas naturais e ilhas próximas umas das outras) fizeram com que os egeus se notabilizassem como um povo de navegadores. O comércio marítimo foi a base de sua economia. Conseqüentemente, a civilização egéia caracterizou-se por um notável desenvolvimento urbano, sendo que dentre suas cidades a mais importante foi Cnossos, cujos reis recebiam o título de Minos.file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (16 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  17. 17. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Cada cidade tinha, provavelmente, o estatuto de uma cidade-estado, ou seja tinha sua autonomia e soberania política. É provável que essas muitas cidades-estados tenham formado uma espécie de federação, sob a liderança efetiva de Cnossos. Parece-nos fora de dúvida que os Minos (reis de Cnossos) exerciam uma efetiva hegemonia sobre os povos egeus. Alguns historiadores chegam a designar essa civilização como civilização minóica. Página 2 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia As relações das cidades-estados do Egeu eram pacíficas, já que não existiam resquícios arqueológicos de fortificações em nenhuma delas. Já nas cidades egéias do sul da Península Balcânica encontramos fortificações, o que demonstra a preocupação defensiva gerada pelas sucessivas ondas de povos indo-europeus que lá foram chegando. Nossos conhecimentos acerca da civilização egéia são limitados pelo fato de que seus sistemas de escrita ainda não foram plenamente decifrados e, conseqüentemente, temos de contentar-nos com suposições feitas a partir de achados arqueológicos e de documentos escritos que já puderam ser decifrados. Entretanto, algumas afirmações podem ser feitas com relativa segurança: sua religião estava diretamente ligada à natureza e sua principal divindade era representada por uma figura de mulher (a Grande deusa), que era tida como mãe de todos os outros deuses e dos homens. A arte egéia era viva e brilhante, plena de humanismo e individualidade, ou seja, ela se distingue plenamente das artes anteriores e contemporâneas, mesmo porque ela não estava a serviço nem do Estado nem da religião. Embora não tenhamos muitos elementos para conhecer a cultura egéia, é certo que ela exerceu profunda influência junto aos povos mediterrâneos, especialmente através dos gregos, que foram seus principais depositários. Por volta de 1.600 a.C., Cnossos foi destruída por uma aliança de cidades-estados egéias do sul da Grécia, lideradas por Micenas. Página 3 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Gréciafile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (17 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  18. 18. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução A CIVILIZAÇÃO MICÊNICA O nome de civilização micênica é dado ao conjunto dos povos “gregos” (aqueus, jônios e eólios) que assimilaram a cultura egéia e conquistaram boa parte dos domínios egeus, inclusive Cnossos. A designação micênica é devida ao fato de que a cidade de Micenas e seus reis exerciam uma efetiva hegemonia sobre os demais povos “gregos”. Essa hegemonia não foi estabelecida de forma pacífica. As guerras entre as diversas cidades-estados micênicas foram constantes, sendo que, dentre essas guerras, as mais importantes foram entre Micenas e Tebas e entre Micenas e Tróia (esta imortalizada pela Ilíada). Os micênicos, a exemplo dos egeus, tiveram no comércio sua atividade econômica dominante, sendo o comércio o principal difusor da cultura e da civilização micênica pelo Mediterrâneo. A Ilíada e a Odisséia, poemas épicos atribuídos a Homero, e achados arqueológicos, constituem-se as principais fontes históricas para o conhecimento da História micênica, bem como para os primeiros tempos da civilização helênica . A decadência e conseqüente desaparecimento da civilização micênica ocorreram, fundamentalmente, devidos à invasão dos dórios, um povo também indo-europeu, altamente belicoso e que chegou à Península Balcânica por volta do século XII a.C. Como povo tipicamente agrário, os dórios instalaram-se nas melhores e mais férteis terras balcânicas. Tal fato provocou um grande fluxo migratório, bastante desordenado, através do qual os povos micênicos povoaram as terras menos férteis da Grécia, as ilhas do Egeu, partes do litoral ocidental da Ásia Menor e certas regiões em torno do Mar Negro. Esse movimento migracional ficou conhecido como Diáspora Grega. O território da Grécia Antiga (Grécia Continental, Peloponeso ou Grécia Peninsular e Grécia Insular) possui um relevo montanhoso que isola , umas das outras, as poucas planícies mais ou menos férteis lá existentes. Tal situação de relevo, somada ao fato de o litoral ser altamente propício ao desenvolvimento da navegação ( multiplicidade de enseadas naturais propícias ao aproveitamento como portos), ajuda a explicar a vocação mercantil da Grécia. O caráter com o qual ocorreu a Diáspora Grega e o tipo de realidade geográfica dos territórios ocupados pelos migrantes nos ajudam a entender certos aspectos econômicos e políticos das comunidades gregas. Cada planície foi ocupada por um clã cujo chefe, normalmente o mais velho dos homens, exercia uma autoridade quase que absoluta. Inicialmente, a terra era de todos, mas com o crescimento demográfico, a exploração comunal foi passando a ser insuficiente para a população. É o início da propriedade privada, sendo que as terras eram distribuídas por um critério de parentesco em relação ao chefe do clã. As melhores terras eram dadas aos parentes mais próximos, e assim por diante, até que os parentes mais distantes nem sequer recebiam uma propriedade agrária. Em outros termos, podemos afirmar que, com o advento da propriedade privada, configurou-se uma estratificação social, em cujo topo tínhamos uma aristocracia (proprietários das melhores terras). Em situação intermediária, tínhamos os pequenos proprietários (em posse de terras não tão férteis). Na base, havia uma massa de trabalhadores agrários. É importante notar que os descendentes desses primeiros gregos (os participantes da Diáspora) eram sempre homens livres. Só mais tarde viria aparecer a instituição da escravidão por dívidas.file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (18 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  19. 19. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Página 4 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia A GRÉCIA ARCAICA (Séculos VIII a VI a.C) Já que a economia das diversas comunidades gregas era tipicamente agrária, podemos entender que a propriedade da terra era o elemento fundamental na determinação da condição sócio-econômica do indivíduo, bem como de sua participação política na comunidade. Dentro desses parâmetros, é fácil justificar o fato de que, na maioria das cidades-estados gregas, verificamos uma progressiva concentração de poder nas mãos da aristocracia (classe social dos grandes proprietários de terra). Por meio dessas informações pode-se afirmar que houve na Grécia uma evolução política de monarquias para oligarquias.Só que o domínio político e econômico da aristocracia não perdurou indefinidamente sem contestação. A concentração da propriedade fundiária nas mãos da aristocracia, o regime de transmissão da herança apenas para o primogênito e o próprio crescimento vegetativo da população foram responsáveis por uma crescente tensão social que ameaçava desestabilizar o dominío da aristocracia. Nesse contexto podemos entender o desencadeamento do sistema de colonização grega no Mediterrâneo, processo que consistiu na ocupação de terras não-gregas por povos gregos. A invasão dessas terras se concretizava com a instalação de famílias nessas áreas, esses grupos originavam novas cidades-estados. Os gregos , no movimento colonizatório, ocuparam diversos pontos da Ásia Menor ( costa da Anatólia); a região dos estreitos (Mar de Mármora e Mar Negro), onde fundaram Bizâncio; Sicília (onde fundaram, entre outras, as cidades-estados de Siracusa e Agrigento) e no sul da Itália (Tarento, Síbaris, Crotona e Nápoles). As colônias gregas do sul da Itália e Sicília são conhecidas genericamente pelo nome de Magna Grécia. As colônias mantinham estreitas ligações com as terras de origem dos colonos, ou seja, com as cidades-estados na própria Grécia. A colonização grega no Mediterrâneo trouxe consigo diversas consequências, dentre as quais merecem destaque: q a helenização cultural de diversos pontos do Mediterrâneo.file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (19 of 610) [05/10/2001 22:27:02]
  20. 20. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução q um intenso desenvolvimento comercial entre as colônias e as cidades-estados da Grécia. As colônias ficavam em regiões de solo fértil, portanto, tinham uma produção agrária diversificada e abundante, cujos excedentes eram exportados para a Grécia. Clique no mapa para ampliar. Página 5 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia A crescente penetração , na Grécia, de produtos agrícolas coloniais determinou a decadência do sistema agrário tradicional. Inicialmente, os pequenos proprietários viram-se arruinados pela concorrência colonial; depois, a própria aristocracia teve seu poderio econômico abalado.As terras em mãos da aristocracia foram sendo progressivamente aproveitadas para o plantio da vinha e da oliva. Paralelamente, desenvolveu-se a produção do vinho e do azeite. Configurou-se, dessa forma, uma reciprocidade comercial: as colônias forneciam alimentos, a Grécia fornecia vinho e azeite. O trato da vinha e da oliva exigia grandes contingentes de mão-de-obra, fato este que contribuiu para o crescimento da escravidão. Na Grécia, além do escravo obtido por conquista ou compra, havia o escravo por dívidas (o devedor que não podia pagar aquilo que devia era escravizado pelo credor como forma de pagamento). A escravidão por dívidas atingia, fundamentalmente, os pequenos proprietários de terra que, depois de perderem suas propriedades, acabavam perdendo a liberdade. Verificamos que a colonização trouxe consigo um notável desenvolvimento comercial que serviu de estímulo para o incremento da vida urbana e, conseqüentemente, das atividades artesanais. A camada social constituída por indivíduos ligados a atividades urbanas (comércio, artesanato e funções liberais) viu-se fortalecida e multiplicou-se . Resumindo: as necessidades da sociedade aristocrática grega levaram à ocorrência de uma colonização no Mediterrâneo; tal colonização desencadeou um desenvolvimento mercantil e uma crise agrária na Grécia; essa crise significou um enfraquecimento econômico e político da aristocracia; o desenvolvimento mercantil gerou um fortalecimento econômico e político das camadas sociais urbanas. Na Grécia, nesse período (séculos VIII a VI a.C.) o poder econômico concentrava-se cada vez mais nas mãos das camadas urbanas, enquanto o poder político continuava monopolizado pela aristocracia fundiária.Tal contradição, somada às crescentes tensões sociais, serviu de vetor para uma série de transformações políticas que ocorreram nas cidades-estados grega. Essas transformações políticas aconteceram sempre no sentido da evolução de uma oligarquia (governo de poucos) para uma democracia (governo de todos os cidadãos). Os principais agentes dessa evolução política foram os legisladores e os tiranos. Os legisladores eram indivíduos nomeados pela aristocracia para realizarem reformas capazes de aliviar a tensão social e a contestação política. Os tiranos eram líderes que tomavam o poder pela força, geralmente com apoio popular; uma vez no poder, os tiranos realizavam reformas políticas e sociais mais ou menos profundas.file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (20 of 610) [05/10/2001 22:27:03]
  21. 21. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução No Período Arcaico da história da Grécia (séculos VIII a VI a.C.), verificamos uma crescente urbanização econômica e, conseqüentemente, um deslocamento do poder político das mãos da aristocracia fundiária para as mãos das camadas urbanas. Só que tais processos não ocorreram da mesma forma e nem simultaneamente nas diversas cidades-estados gregas. Cada cidade-estado (polis é o termo grego) da Grécia conheceu seu próprio processo evolutivo; duas delas, Esparta e Atenas, foram as mais notáveis e importantes polis do Período Arcaico. Página 6 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia ESPARTA Esparta conheceu um desenvolvimento e uma organização absolutamente singulares em relação às demais “polis” gregas. Essa cidade estava localizada no centro da planície da Lacônia, no fértil vale do rio Eurotas. Nos tempos pré-gregos, aí se desenvolvera a civilização mecênica que, por volta de 1200 a.C., fora conquistadas pelos dórios. A partir da ocupação da Lacônia, os dórios, que deram origem aos espartanos, através de uma série de guerras, foram conquistando os territórios vizinhos, dentre os quais o mais importante foi a planície da Messênia. O imperialismo continental foi uma das características dominantes da história de Esparta. Essa cidade quase não participou do movimento colonizatório grego no Mediterrâneo por ocupar uma região fértil. Seu expansionismo limitou-se ao território da própria Grécia. Essa é uma singularidade de Esparta. Segundo a tradição, a organização sócio-política e econômica de Esparta deve-se a uma “constituição”, que teria sido elaborada por um personagem semilendário chamado Licurgo. Na verdade, a organização espartana não é devida à obra de um único indivíduo e nem foi estabelecida de uma só vez.; ela é resultado de reformas que foram realizadas desde a origem da polis até, mais ou menos, o século VI a.C., quando adquiriu sua feição definitiva. Em seus moldes finais, a sociedade espartana estava estratificada da seguinte maneira: Espartanos ou Espartíatas. Camada que agregava todos os indivíduos que possuíam direitos políticos; provavelmente, os espartíatas eram os descendentes dos dórios que haviam conquistado a Lacônia e dado origem à polis de Esparta. Hilotas Camada constituída de escravos do Estado que descendiam, provavelmente, dos primitivos habitantes da Lacônia (aqueles que a ocupavam quando houve a invasão dos dórios). Periecos Camada composta de indivíduos livres que viviam sob a dominação política dos espartíatas e se dedicavam ao artesanato e à exploração de pequenas propriedades agrárias. Os periecos eram, provavelmente, descendentes dos povos que foram sendo vencidos por Esparta através de suas guerras.file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (21 of 610) [05/10/2001 22:27:03]
  22. 22. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Página 7 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia Os espartíatas, além de serem os únicos a possuir direitos políticos, eram submetidos a um regime especial de vida: o homem espartíata era fundamentalmente um soldado e sua mulher era mãe de outros espartíatas. Para que pudessem ser soldados, os espartíatas tinham sua manutenção, bem como a de suas famílias, assegurada pelo Estado. Cada espartíata, ao completar sua educação militar, recebia do Estado um lote de terra e uma ou mais famílias de hilotas que trabalhavam na terra e produziam o suficiente para a manutenção do espartíata, de sua mulher (também uma espartíata) e de seus filhos. É interessante notar que a sociedade espartíata era absolutamente democrática (todos tinham exatamente os mesmos direitos), os meios de produção pertenciam ao Estado, ou seja, não havia propriedade privada dos meios de produção entre os espartíatas . Os hilotas, como já dissemos, pertenciam ao Estado e eram cedidos aos espartíatas para serem utilizados exclusivamente pelos cidadãos, sendo que seu trabalho era basicamente aproveitado no trato da terra. Os periecos, como homens livres , podiam possuir suas próprias terras ou seus próprios meios de trabalho e sobrevivência. Eram obrigados a pagar tributos para o Estado e a prestar serviço militar, quando convocados. A organização política de Esparta também era singular, em relação às demais existentes na Grécia. O poder político espartano era exercido nos seguinte termos: q A Diarquia era constituída por dois reis que representavam as duas famílias mais importantes de Esparta (os Europôntidas e os Agíadas) e que exerciam funções religiosas e militares. q A Gerúsia era uma assembléia formada por vinte e oito anciões, recrutados dentre as famílias mais tradicionais, e mais os dois reis; a Gerúsia funcionava como um tribunal julgando os infratores da lei. q A Apella era a assembléia de todos os cidadãos; suas funções eram praticamente ilimitadas; era o órgão que tomava todas as decisões em última instância. q O Eforado, ou Conselho dos Cinco Éforos, principal órgão executivo do governo, era formado por cinco cidadãos, eleitos anualmente pela Apella, que deviam fiscalizar a observação da Constituição e das leis. Nos parâmetros dessa organização política, o que verificamos de fato é que os cinco éforos eram os reais detentores do poder e, exatamente por isso, eram trocados todos os anos para que não houvesse a possibilidade de um indivíduo ou um grupo de indivíduos monopolizar o poder em caráter permanente. Página 8 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Gréciafile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (22 of 610) [05/10/2001 22:27:03]
  23. 23. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução ATENAS Atenas desenvolveu-se como sendo o centro político e econômico da planície da Ática; esta região se comunica mais facilmente com o mar do que com o interior do continente, em função de seu relevo. A Ática apresentava um solo relativamente fértil, um boa reserva florestal que fornecia, abundantemente, madeira para a construção naval, grandes reservas de prata e chumbo, muita argila e grandes pedreiras de calcário e mármore. Dentre os recursos naturais disponíveis o ferro era o material mais escasso. Primitivamente, desenvolveram-se diversas comunidades na planície da Ática, que foram progressivamente sendo unificadas em torno de um centro político instalado na Acrópole de Atenas. Tal processo foi gradual e pacífico e recebeu o nome de sinecismo; esse, levou à instalação de uma monarquia. O fortalecimento da aristocracia, formada por grandes proprietários de terra, fez com que a monarquia se transformasse, progressivamente, numa oligarquia aristocrática. Tal evolução aconteceu pacificamente, através do esvaziamento das funções do Basileu, que aos poucos tornou-se apenas um chefe religioso. Simultaneamente, foram surgindo outras magistraturas: o Polemarca, a quem competia a chefia militar; o Arconte, responsável pela administração e os seis Tesmotetas , que eram os juízes e guardiões da lei.Os magistrados eram eleitos anualmente pela Eclésia, assembléia de todos os cidadãos. Havia ainda o Areópago, conselho formado exclusivamente por elementos recrutados dentre a aristocracia, os componentes desse grupo cooperavam com os magistrados na direção da polis. Página 9 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Gréciafile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (23 of 610) [05/10/2001 22:27:03]
  24. 24. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Com a configuração política da oligarquia, verificamos o surgimento de uma nova estratificação social que, ao invés de ser baseada em critérios de nascimento, sustentava-se por critérios determinados a partir das rendas e propriedades dos indivíduos. Essa estratificação ampliou o número de cidadãos e tornou possível aumentar os efetivos militares, e conseqüentemente, o poderio do Estado. O crescimento demográfico, aliado a outros fatores já mencionados, fez com que Atenas empreendesse tenazmente uma ação colonizatória no Mediterrâneo. Tal feito impulsionou as atividades mercantis e fortaleceu as camadas urbanas; ao mesmo tempo, as atividades agrárias conheciam uma radical transformação: o desenvolvimento da vinicultura e das oliveiras. Um fato relevante é que ao lado da aristocracia, até então hegemônica em termos políticos, passa a existir uma camada social ligada às atividades mercantis (comércio e artesanato) , que conheceu um rápido processo de enriquecimento passando a reivindicar uma posição mais atuante no aparelho do Estado. O processo de desenvolvimento mercantil foi acompanhado por uma crise agrária que atingiu, fundamentalmente, os pequenos proprietários que se viam empobrecidos e mesmo escravizados por dívidas. Em síntese, havia uma crescente insatisfação popular que pôde ser utilizada pelas camadas mercantis como instrumento de pressão para a realização de transformações políticas. As primeiras manifestações para a transformação política ocorreram de forma pacífica. A própria estrutura oligárquica, pressionada pelos setores urbanos e populares, formou legisladores encarregados de reformas que aplacassem a tensão sócio-política e permitissem a continuidade do dominío aristocrático. Dracon,o primeiro legislador, em 621 a.C., elaborou as primeiras leis escritas de Atenas; as leis draconianas caracterizaram-se por sua excessiva severidade. Essas regras não chegaram até os documentos escritos; sendo assim, tal legislação não teve seu caráter efetivamente demonstrado. Mais tarde, a simples existência de leis escritas coibiu a arbitrariedade com o qual os juízes (aristocratas) julgavam os não-aristocratas. Pouco após a elaboração das leis draconianas, um segundo legislado, foi constituído: Sólon. Em 594 a.C., Sólon elaborou profunda reformas nas leis de Dracon. Página 10 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia ATENAS Os principais aspectos das reformas de Sólon foram: q amenização da severidade das leis draconianas; q fim da escravidão por dívidas; q devolução das terras que haviam sido tomadas pelos credores dos seus proprietários originais; q estabelecimento de um tamanho limite para as propriedades agrárias; q admissão dos tetas (trabalhadores livres não-proprietários de terra) na Eclésia; q criação do Heliaea (tribunal de justiça do qual todos os cidadãos podiam participar); q as magistraturas passaram a ser exercidas por todos os cidadãos. Vale a pena destacar o fato de que, em Atenas, eram cidadãos apenas os homens livres não-estrangeiros; sendo assim, os estrangeiros e os escravos não possuíam direitos civis. Sólon fez com que todos os cidadãos pudessem exercer as magistraturas; entretanto, na prática,só osfile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (24 of 610) [05/10/2001 22:27:03]
  25. 25. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução indivíduos mais ricos se ocupavam das funções dos magistrados (Basileu, Polemarco, Arconte e Tesmotetas), pois estas exigiam dedicação exclusiva sem remuneração. As reformas de Sólon ampliaram a faixa de participação dos cidadãos ligados às atividades mercantis, atenderam parcialmente os interesses das camadas populares e aboliram a escravidão por dívidas. Só que essa mudanças não foram bem aceitas nem pela aristocracia e nem pelas camadas populares desejosas de reformas mais profundas do que as efetuadas , grande parte da insatisfação do povo estava ligada à estrutura da propriedade fundiária.Apesar desse descontentamento proveniente de diversas camadas sociais, não há como negar que após as reformas de Sólon, Atenas conheceu um período de relativa paz social; fato este que permitiu o desenvolvimento de uma política imperialista, cuja primeira manifestação concreta foi o conjunto de lutas contra Mégara acerca da posse de Salamino. Nessas batalhas, Pisístrato, grande general, foi importantissímo. Em 561 a.c, com ampla base de apoio popular, esse general tomou o poder em Atenas estabelecendo a Tirania , governo de um tirano. Na Grécia Antiga, tirano era o indivíduo que tomava o poder pela força das armas. Pisístrato exerceu a Tirania de 561 a 528 a.C., ou seja, da tomada do poder até sua morte. Com a instalação da Tirania, esse líder não extinguiu a estrutura político-administrativa estabelecida por Sólon, apenas superpôs uma nova e superior esfera de poder, ou seja, o tirano colocou-se acima da estrutura já existente. Página 11 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia Dentre as realizações de Pisístrato, estão: q o enfraquecimento da aristocracia, através do confisco de parte substantiva de suas terras, e a distribuição destas áreas para os cidadãos pobres; q a montagem de uma poderosa frota naval, objetivando o estabelecimento da hegemonia ateniense no Mediterrâneo Oriental. Com a morte de Pisístrato, seus filhos Hiparco e Hípias o sucederam no poder. Pouco após essa sucessão, uma conspiração aristocrática assassinou Hiparco, provocando a adoção de uma política intensamente repressiva por parte de Hípias. Tal forma de liderança causou uma progressiva perda das bases políticas de Hípias, fato que acabou criando as condições necessárias para um movimento insurrecional que derrubou a Tirania. Com o fim dessa forma de governo, o poder foi concentrado nas mãos de um novo legislador, Clístenes, que realizou as reformas que conduziram Atenas à condição de uma Democracia. No início de seu governo, Clístenes sofreu uma intensa oposição da aristocracia, que se aliou a Esparta. Os espartanos chegaram a ocupar Atenas, mas logo foram expulsos; esse evento só contribuiu para o fortalecimento de Clístenes e de suas pretensões reformistas. As reformas de Clístenes instalaram em Atenas uma nova sistemática política, cujas idéias fundamentais eram a igualdade política de todos os cidadãos e a participação direta dos mesmos na máquina governamental. O principal aspecto de suas reformas foi a criação de uma nova estrutura de recrutamento para a participação política. Os cidadãos foram distribuídos em demos (unidades organizacionais de caráter local às quais todos os cidadãos eram obrigados a pertencer formalmente). O conjunto dos demos foi distribuído em três grupos: q o primeiro reunia os demos da cidade de Atenas (nos quais predominavam os indivíduos ligados às atividades de comércio e artesanato, além dos trabalhadores urbanos);file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (25 of 610) [05/10/2001 22:27:03]
  26. 26. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução q o segundo reunia os demos do litoral (que agregavam os navegadores e pescadores); q o terceiro reunia os demos do interior (que agregavam os proprietários rurais grandes e pequenos). Página 12 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia Cada um desses grupos era dividido em dez Tritia (cada qual formada por vários demos). Três tritias (uma de cada grupo) formavam uma Tribo. Essas dez tribos formavam a base para o recrutamento político e militar necessário. É importante saber que em cada tribo havia participação indistinta dos diversos estratos sociais. Cada tribo fornecia uma unidade militar sob o comando de um Estratego , eleito pela própria tribo. A Boulê ou Conselho dos Quinhentos, formada por cinqüenta elementos de cada tribo, passou a ser o principal órgão executivo do governo. As funções legislativas foram integralmente concentradas nas mãos da Eclésia (assembléias de todos os cidadãos). As funções judiciárias pertenciam ao Heliaea (tribunal formado por juízes eleitos anualmente, em número idêntico para cada tribo, pela Eclésia). Com essas reformas, todos os cidadãos, independentemente de sua condição sócio-econômica, passaram a participar diretamente do exercício do poder político. Com isso, Atenas atingiu seu esplendor democrático. Só que o conceito de cidadania era restrito aos homens livres nascidos em Atenas; conseqüentemente, mulheres, escravos e estrangeiros não tinham acesso ao poder político; logo, a democracia ateniense não era o governo de todos, e sim o governo de todos os cidadãos. Ainda assim, as reformas realizadas por Clístenes reduziram muito os níveis de tensão social e contestação política existentes. Página 13 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Gréciafile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (26 of 610) [05/10/2001 22:27:03]
  27. 27. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Civilização Grega Arcaica (séculos VIII a VI a.C) As bases da cultura e da civilização grega devem ser buscadas entre os egeus; os povos indo-europeus que deram origem à nação grega assimilaram aquilo de mais significativo produzido por esse grupo. Em função do desenvolvimento da colonização mediterrânea, particularmente no que diz respeito ao estabelecimento de colônias na Ásia Menor, a civilização grega entrou em contato com as civilizações orientais (egípcia e mesopotâmica principalmente), das quais recebeu fortes influências. A partir desses dois fundamentos, os gregos desenvolveram uma cultura e uma civilização originais, que podem ser consideradas fatores fundamentais da unidade nacional grega. Um segundo fator dessa unidade era a religião. Os gregos praticavam um politeísmo cujos deuses, além de serem representados com formas humanas (Antropomorfismo), eram efetivamente humanizados em seus comportamentos e histórias. Os deuses gregos, além de suas virtudes, possuíam defeitos humanos. A vida dos deuses era contada através de lendas (Mitologia) que, de uma certa forma, foram sistematizadas nos poemas homéricos. O templo era considerado como a casa do deus e, por isso , merecia um cuidado arquitetônico distinto do dado as demais edificações gregas. Cada polis tinha seu deus principal, ao qual era dedicado o mais imponente templo da cidade. Ainda assim, havia alguns templos que adquiriam uma importância que transcendia o âmbito restrito da polis. É o caso do Templo de Apolo, em Delfos, cujo oráculo era consultado indistintamente por todos os gregos; é também o caso do Templo de Zeus, em Olímpia, onde, de quatro em quatro anos, eram realizados os Jogos Olímpicos, atividades nas quais atletas de toda a Grécia tomavam parte. Página 14 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia Em termos de literatura, a poesia épica foi o primeiro ramo desenvolvido. No período arcaico, os poemas homéricos conheceram sua primeira edição; nessa época viveu Hesíodo, poeta de origem campesina, cujas principais obras são: A Teogonia, em que tentou organizar a genealogia dos deuses e Os Trabalhadores e os Dias, em que narra o cotidiano da vida rural grega de seu tempo. Ainda no período arcaico, nasceu a poesia lírica, cujos principais representantes, naquele momento, foram Alceu e a poetisa Safo. Nas suas origens, a ciência e a filosofia se confundiram bastante. No período arcaico, a principal preocupação dos filósofos era a de encontrar o elemento primário da vida, a partir do qual o mundo e o homem teriam surgido. O primeiro dos nomes conhecidos é o de Tales de Mileto, cuja maior especulação dizia respeito à formação das leis que regiam o conhecimento da ciência abstrata. Além disso, Tales desenvolveu uma série de conhecimento práticos, especialmente em Matemática, e formulou a teoria de que a substância primária era a água. Dentre os discípulos de Tales de Mileto, merecem destaque: Anaxímenes que via no ar a substância primária, e Anaximandro, para quem os mundos eram infinitos em sua perpétua inter-relação. Dois outros filósofos merecem destaque: Xenófanes, que acreditava em um único deus que dirigia as forças do mundo e considerava o politeísmo e as lendas acerca da vida dos deuses como simples invenções da imaginação humana, e Pitágoras de Samo, para quem os segredos do universo estão na harmonia dos números. A arquitetura grega manifestou sua máxima produtividade e esplendor na construção dos templos. Parafile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (27 of 610) [05/10/2001 22:27:03]
  28. 28. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução essa arquitetura, as idéias de proporção e harmonia eram fundamentais, partindo delas formaram-se dois estilos básicos: o dórico (severo e funcional) e o jônico (luxuoso e elegante). A escultura exercia um papel efetivamente independente da arquitetura, sendo que a estatuária, trabalhada fundamentalmente em mármore, preocupava-se com o rigor anatômico e com a precisão dos movimentos e detalhes. Página 15 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia AS GUERRAS MÉDICAS OU GRECO PÉRSICAS É fato notável de que, no século VI a.C., as poleis gregas da Anatólia (Ásia Menor) e na Magna Grécia (sul da Itália e Ilha da Sicília) apresentavam maior desenvolvimento econômico e cultural que as da própria Grécia. Destaque maior deve ser dado às principais poleis da Anatólia: Mileto, Éfeso, Samos e Lesbos. Estes eram, sem dúvida, os mais prósperos centros irradiadores da civilização helênica. O Reino Lídio fazia fronteira com as poleis gregas da Anatólia e mantinha intensas relações mercantis com elas. Esse contato fazia com que a Lídia assimilasse, em larga escala, os padrões culturais da civilização helênica; em contrapartida, o Reino Lídio foi estabelecendo uma efetiva hegemonia política sobre a Anatólia.O estabelecimento da hegemonia lídia é facilmente compreensível se levarmos em consideração não só a inexistência de uma unidade política entre as poleis gregas da Anatólia, como também a existência, muitas vezes, de intensas rivalidades entre elas. Em 548 a.C., Ciro, rei dos persas, em sua política imperialista, conquistou o Reino da Lídia e, por extensão, estabeleceu seu domínio político sobre a Anatólia. A sujeição ao Império Persa não alterou, substancialmente, a vida de Anatólia; entretanto, mudou drasticamente os objetivos imperialistas persas. A partir do estabelecimento de seu domínio sobre a Anatólia, os persas passaram a participar, indiretamente, do comércio mediterrâneo. A inserção dos persas nos assuntos mediterrâneos orientais fez com que o imperialismo persa passasse a almejar o domínio dos Bálcãs. Esse objetivo era favorecido pela fragmentação política da Grécia e pelas freqüentes e intensas rivalidades entre as cidades-estados da Grécia. Entre 499 e 494 a.C., as poleis gregas da Anatólia, apoiadas por Atenas, revoltaram-se contra o domínio persa. Esses dominadores, tendo subjugado os povos revoltosos da Anatólia, voltaram sua atenção para os Bálcãs e, nesse contexto, em 492 a.C., conquistaram a Trácia e a Macedônia, cujo governo foi entregue por Dario I a Mardônio e cuja posse serviria de base de apoio para futuras incursões no território grego. Página 16 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Gréciafile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (28 of 610) [05/10/2001 22:27:03]
  29. 29. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução Em 490 a.C., os persas, sob comando de Mardônio e com apoio de Hípias, tirano deposto de Atenas, iniciaram a invasão da Grécia Setentrional, fixando como objetivo primordial a conquista da Ática. Os gregos, graças a uma vitória na Batalha de Maratona, conseguiram rechaçar essa primeira tentativa de conquista empreendida pelos persas; esse povo atravessou uma série de problemas internos em seu Império (revolta do Egito, morte de Dario I e sua sucessão por Xerxes). Essa situação fez com que, por dez anos, os persas não voltassem a ameaçar diretamente o território grego. Esse período de trégua deu aos gregos, a possibilidade de se organizarem melhor, particularmente através da conscientização de diversas cidades-estados de que o problema persa representava uma ameaça para toda a Grécia e não apenas para Atenas. Em 480 a.C., teve início uma nova campanha persa na Grécia. De imediato, Tessália foi tomada e o avanço sobre a Ática iniciado; neste, os persas foram retardados pela passagem no desfiladeiro das Termópilas, graças à ação dos espartanos sob o comando de Leônidas.Esse atraso nas Termópilas permitiu que a população de Ática fosse evacuada para Salamina. Quando os persas tomaram e saquearam Atenas, ela estava despovoada. Em seguida, os invasores pretendiam vencer, definitivamente, os gregos concentrados em Salamina. Desde o final da primeira incursão persa, os atenienses, liderados por Temístocles, haviam montado uma poderosa frota naval, graças à qual foi possível impedir uma derrota na batalha naval de Salamina. Com a perda persa em Salamina, a hegemonia marítima passou para as mãos dos gregos, tal fato foi decisivo para o destino da guerra. Em 479 a.C., os persas tentaram uma nova investida e, desta feita, foram derrotados pelos espartanos em Platéia (Pausânias era o chefe espartano nessa batalha) e pelos atenienses em Mícale. Diante dessas duas derrotas, os persas tiveram de desistir definitivamente da conquista da Grécia, já que seus exércitos e sua frota naval foram quase que totalmente destruídos. Página 17 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia O APOGEU DE ATENAS Após as batalhas de Platéia e Mícale, acabaram as lutas entre gregos e persas no território da Grécia, contudo as guerras continuaram. Em função das pesadas derrotas, a Pérsia precisou de uma trégua para rearticular suas forças, reaparelhar seu exército e sua frota. Nesse mesmo momento os gregos atenienses viam a oportunidade de afastar os persas definitivamente do Mar Egeu. No fim da guerra, Atenas era a cidade-estado em melhores condições para exercer um papel hegemônico entre os gregos. Além de possuir a maior frota naval do Egeu e um poderoso exército, Atenas, após as reformas de Clístenes, vivia uma relativa paz social e, em função dos sucessos nas Guerras Médicas, seu sentimento nacional estava vivo e forte. Para as poleis gregas das ilhas do Egeu e da Anatólia, era vital a continuidade das lutas contra o império persa. Sendo assim, não foi difícil para Atenas, acatando a sugestão de um de seus generais das Guerras Médicas, Aristides, propor e conseguir a formação de uma confederação marítima: a Confederação de Delos. Essa Confederação agregava quase todas as poleis das ilhas do Egeu e da Anatólia sob a presidência de Atenas. Cada membro da Confederação, ou seja, cada polis que dela participava, deviafile:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (29 of 610) [05/10/2001 22:27:03]
  30. 30. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução contribuir com tropas e navios ou então com dinheiro, que viabilizava o recrutamento de tropas e equipagem para a marinha. Por ser a mais rica dentre as cidades-estados que participavam da Confederação de Delos, Atenas sempre exerceu uma efetiva hegemonia sobre todas as poleis que dela participavam. Muito cedo, as poleis gregas do Helesponto e do Mar de Mármora aderiram à Confederação. A atuação bélica da Confederação de Delos foi eficiente, pois, em cerca de vinte anos, ela conseguiu afastar os persas do contato direto com o Mar Egeu. Nos primeiros tempos, a figura dominante em Atenas e, conseqüentemente, na Confederação, foi Cimon e, posteriormente, Péricles, sendo que o último exerceu durante mais de quinze anos um papel absolutamente preponderante na vida ateniense, tanto que os seus tempos ficaram conhecidos sob a designação da Era de Péricles. Em conseqüência das Guerras Médicas e através daConfederação de Delos, Atenas passou a exercer absoluta hegemonia política, militar e econômica em todo o Mediterrâneo Oriental. Essa situação acelerou o ritmo de desenvolvimento mercantil de Atenas, provocando um intenso crescimento de sua população através do aumento considerável do número de metecos (estrangeiros) e de escravos. O desenvolvimento mercantil de Atenas fez com que se tornasse obrigatória a consolidação de sua dominação no Mediterrâneo Oriental. Nesse quadro era natural que a Confederação de Delos se tornasse um império Ateniense, ela passou a existir, uma vez afastado o problema persa, para contribuir para o fortalecimento e enriquecimento de Atenas. Em função dessa realidade é dito que o século V a.C. é o século do apogeu de Atenas e não resta dúvida que essa expansão imperial ateniense inquietou diversas outras poleis na Grécia, particularmente Esparta. Página 18 Matérias > História > História Geral > Antiguidade Clássica > Grécia A GUERRA DO PELOPONESO E A GRÉCIA NO SÉCULO IV a.C.file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (30 of 610) [05/10/2001 22:27:03]
  31. 31. Matérias > História > História Geral > Antiguidade Oriental > Introdução A hegemonia ateniense sobre a Grécia esbarrava, dentre outras coisas, na concepção política do particularismo das cidades-estados. A idéia de nacionalidade, para os gregos antigos, estava ligada à sua polis de origem e não à nação grega. A ação centralizadora de Atenas, de certa forma, opunha-se à concepção de polis. O império ateniense encontrava forte oposição junto às principais polis da Grécia, principalmente no que diz respeito a Esparta e suas aliadas, que formavam a chamada Liga do Peloponeso. Inicialmente, o imperialismo preocupava-se com as terras litorâneas do Mar Egeu; entretanto seu próprio desenvolvimento fez com que as terras do Mediterrâneo Ocidental passassem a ser áreas atrativas. No Mediterrâneo Ocidental, particularmente na Magna Grécia, havia várias poleis; Siracusa por exemplo, mantinha um próspero comércio que chegava à Grécia principalmente através de Corinto, uma polis aliada a Esparta. Conforme Atenas voltava sua atenção imperialista para o Ocidente, entrava em choque com Corinto e, conseqüentemente , agravava suas relações com Esparta. O apoio ateniense à revolta da Córcira, uma colônia de Corinto, foi suficiente para que toda a Liga do Peloponeso entrasse em Guerra com Atenas. Sendo assim, no ano de 431 a.C. iniciava-se a Guerra do Peloponeso. Durante dez anos, Esparta e seus aliados bloquearam, por terra, a Ática, forçando Atenas a buscar seus suprimentos por mar, principalmente na Ásia Menor. Tal bloqueio, bem como as constantes lutas, fizeram com que a população da Ática fosse concentrada dentro dos muros de Atenas. Isso dificultava o abastecimento desse povo e piorava as condições sanitárias de Atenas. Esse contexto tornou muito propícia a ocorrência de várias epidemias que mataram grandes contingentes humanos, inclusive Péricles.file:///C|/html_10emtudo/Historia/html_historia_total.htm (31 of 610) [05/10/2001 22:27:03]

×