0
IV ENCONTRO TECNICO EMPRESARIAL TECALVET 2013

Nutrição e Manejo de frango
na fase inicial
Prof. Dr. Sebastião Aparecido B...
Introdução
Com o avanço tecnológico a primeira semana ganha
cada dia mais importância.
1a semana = 17% ciclo de vida
O con...
Qual o nosso objetivo afinal ???
• Maior qualidade do produto
(maior ganho de peso; rendimento, qualidade de carcaça, etc....
Alimentação in ovo

Objetivos
Adaptar os animais a dietas exógenas
Acelerar o desenvolvimento morfológico
Acelerar o desen...
Alimentação in ovo
Correlação entre peso ao nascimento e peso de abate de
frangos
Peso 1 dia (g)

Peso 21 dias (g)

Peso 4...
Mudanças fisiológicas Pós-eclosão

• Aumento de transportadores de membrana;

Atividade das enzimas digestivas

•Aumento d...
Desenvolvimento da Mucosa
900

600

300

0
-1

1

3

5

7

9

Dias
Enterocitos

Cél. Caliciformes

11
Uni et al.,
1999

13
Jejum pós eclosão
Jejum Pós eclosão
A ausência de ração e/ou água logo após a eclosão pode alterar o
desenvolvimento morfológico do trato ga...
Jejum Pós eclosão
O jejum pós-eclosão prolongado afeta o crescimento muscular.
O catabolismo tecidual, devido à deficiênci...
Jejum Pós eclosão
Resposta Imune

Adaptado de Dibner et al.,1998
Jejum Pós eclosão
Desempenho de frangos de corte submetidos a diferentes
períodos de jejum
Jejum, h

GP, g

CR, kg

Mort, ...
Ração no nascedouro e transporte

A presença de nutrientes no lúmen é fator estimulante do crescimento dos
vilos e das cri...
Digestão e absorção
Proteina

Carboidrato

Gordura !!!
Nutrição pós eclosão

Rações tradicionais a base de milho e farelo de soja, ricas
em CHO
A digestão dos CHO, Lipídios e Pr...
Nutrição pós eclosão
Lipídios

Síntese 5%

Circulação
enterohepática

Colesterol

la
rcu
eci
er

ção

Sais biliares

nde
G...
Nutrição pós eclosão
Lipídios

Adaptado de Maiorka 2002
Nutrição pós eclosão
Lipídios

Adaptado de Maiorka 2002
Nutrição pós eclosão
Lipídios
Digestibilidade e Energia Metabolizável Aparente corrigida para nitrogênio (EMAn) do
óleo de...
Nutrição pós eclosão
Gorduras Peroxidadas
Impacto da qualidade da ração pre inicial sobre o
desempenho do frango

Días

0
...
Nutrição pós eclosão
Proteínas
Rações para pintos de corte à base de milho e
farelo de soja devem ter no mínimo 21% de PB
...
Nutrição pós eclosão
Proteínas
Niveis de nutrientes indicados em diferentes tabelas de referencia
NRC ,
1994

TAB BRAS
200...
Nutrição pós eclosão
Proteínas
Impacto da qualidade do farelo de soja na digestibilidade da energia e da
matéria seca da d...
Nutrição pós eclosão
Proteínas
Impacto da qualidade do farelo de soja no desempenho de frangos na fase
inicial (1 a 21 dia...
Nutrição pós eclosão
Carboidratos

Nos primeiros dias após a eclosão a
capacidade de digerir amido e dissacarídeos é
limit...
Nutrição pós eclosão
Carboidratos

Adaptado de Sorbara 2003
Nutrição pós eclosão
Sódio
Níveis maiores de Na+ da dieta estimulam aumento no
consumo de água
O consumo de água apresenta...
Nutrição pós eclosão
Sódio
Níveis de Sódio nas rações de frangos de
Sódio
Total
%

Agua
ml

0,10

213 c

0,22

Consumo
Raç...
Nutrição pós eclosão
Balanço eletrolítico
Efeitos da relação eletrolítica Na+K-Cl na ração sobre o ganho de peso
e a conve...
Forma física da ração
Granulometria e Forma física da ração
Preferência alimentar(livre escolha) de frangos alimentados com dietas
com diferente...
Granulometria e Forma física da ração

Efeito do DGM da dieta nas respostas metabólicas de frangos de 7 dias de
idade
DGM ...
Granulometria e Forma física da ração

Tamanho das partículas: Dieta pré-inicial
Forma física importante fator no consumo ...
Granulometria e Forma física da ração
Desempenho de frangos alimentados com diferentes
formas físicas da ração aos 7 dias ...
Manejo na fase pré-inicial
Manejo na primeira semana
Necessidades das aves
Ambiente adequado – temperatura
Água
Ração
Oxigênio
Luz
Cama seca
S...
Manejo na primeira semana
 Baixo custo
 Eficiente

Vedar bem para evitar
correntes de ar

Pré aquecer a pinteira 24 hora...
Melhorar o conforto térmico
das aves

Tecnologia + Manejo correto = Resultado!
Garantir um bom espaço para aves
Manejo na primeira semana

Estresse nos primeiros dias diminui o
desenvolvimento da mucosa intestinal
e da resposta imune ...
Variações de Temperaturas e qualidade do ar
Ventilação mínima pressão negativa
Utilizar anti-câmaras para quebra da veloci...
As aves na primeira semana já
demonstram uma certa sonolência
acima de 1.000 – 1.500 ppm CO2

Ambiência - Abafamento

Aves...
A importância da água
: Bebedouros
Nipples:
1 semana = 60 ml
2 semana = 70 ml
3 semana = 80 ml
4 semana = 90 ml
5 semana =...
A importância da água
Efeito do consumo de água (20% restrito) sobre o peso corporal de
frangos na fase inicial
Cons. Agua...
A importância da ração

Papelão com ração entre as linhas
Soltar os pintos sobre o papelão
A importância da ração

Primeira avaliação após alojamento - 4 a 6 horas depois do alojamento
Amostrar 100 pintinhos
Verif...
101g

Comida é a fonte de
nutrientes para o crescimento

92g

85g

57g
A importância da ração

REMUNERAÇÃO
GARANTIDA

SINAL DE ALERTA

LOTE 1

LOTE 2

LOTE 3

LOTE 4

LOTE 5

LOTE 6

LOTE 7

Pe...
Razões para utilizar uma dieta pré inicial

•

Anatomia e fisiologia do trato digestorio do pintainho;

•

Menor valor ene...
Questionamentos das empresas

•

Uma ração a mais para formular e para fábricar;

•

Ingredientes a mais para se comprar e...
Período para se usar a dieta pré inicial

•

A ração pre inicial deve ser fornecida entre 4 e 12 dias de idade da ave;

•
...
Ferramentas relacionadas a qualidade do alimento
Pré-limpeza
Mesa dessimétrica
Silos para segregação
Laboratório via úmida...
Ingredientes para a fase pré inicial
•

Evitar gorduras saturadas e de cadeia longa;

•

Evitar ingredientes de baixa dige...
Faça uso das novas tecnologias disponiveis

BSA – Assessoria Agroindustrial - borgessa@terra.com.br
Ingredientes para a fase pré inicial
Ingredientes especiais para dietas pré iniciais de pintos
ENERGÉTICOS

PROTÉICOS

Mil...
Ingredientes para a fase pré inicial

Usar vitaminas com niveis de segurança(vit
organicos(Se); niveis mais altos de colin...
Resultados especialidades
Efeito das especialidades na pré inicial sobre desempenho

GMD

CA

IEP

Controle

66,471

1,609...
Resultados especialidades
Efeito das especialidades sobre: GPD, CA, IEP

Controle

Controle

Teste

Teste

Media pós
teste...
Resultados especialidades

Efeito das especialidades na primeira semana sobre o
desempenho de frangos de corte ao abate (6...
Resultados especialidades

Efeito das especialidades na primeira semana sobre os custos
de frangos de corte ao abate
Contr...
Implicações

Parece ser pertinente o fornecimento tanto de ração
como de água o mais precocemente possível após
a eclosão,...
Implicações

A utilização de fontes de carboidratos de rápida
disponibilização e de proteína de alto valor
biológico podem...
Implicações

Utilização de rações com DGMs muito baixos devem
ser evitados pois as aves apresentam preferência
por partícu...
Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Sebastião Borges
Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Sebastião Borges
Próxima SlideShare
Cargando en...5
×

Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Sebastião Borges

3,458

Published on

Palestra realizada no IV Encontro Técnico Empresarial Tecalvet 2013

Published in: Estilo de vida
0 comentarios
0 Me gusta
Estadísticas
Notas
  • Sea el primero en comentar

  • Be the first to like this

Sin descargas
reproducciones
reproducciones totales
3,458
En SlideShare
0
De insertados
0
Número de insertados
0
Acciones
Compartido
0
Descargas
162
Comentarios
0
Me gusta
0
Insertados 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Sebastião Borges"

  1. 1. IV ENCONTRO TECNICO EMPRESARIAL TECALVET 2013 Nutrição e Manejo de frango na fase inicial Prof. Dr. Sebastião Aparecido Borges Consultor Técnico Científico TECTRON borgessa@terra.com.br 41 9968 1826
  2. 2. Introdução Com o avanço tecnológico a primeira semana ganha cada dia mais importância. 1a semana = 17% ciclo de vida O conhecimento das mudanças fisiológicas da ave pós eclosão é uma ferramenta indispensável na tomada de decisão do manejo, nutrição e tecnologias a serem usadas nessa fase.
  3. 3. Qual o nosso objetivo afinal ??? • Maior qualidade do produto (maior ganho de peso; rendimento, qualidade de carcaça, etc.) • Reduzir o custo de produção (Redução na mão-de-obra, etc). • Aumentar a lucratividade.
  4. 4. Alimentação in ovo Objetivos Adaptar os animais a dietas exógenas Acelerar o desenvolvimento morfológico Acelerar o desenvolvimento enzimático Procedimentos 18o dia de incubação (transferência) Solução rica em Aa e CHO
  5. 5. Alimentação in ovo Correlação entre peso ao nascimento e peso de abate de frangos Peso 1 dia (g) Peso 21 dias (g) Peso 42 dias (g) 34,4 c 552 c 1872 b 38,2 bc 579 bc 1902 b 42,0 b 606 ab 1996 a 45,7 a 627 a 2039 a P=0,0001 P=0,0001 P=0,0001 Adaptado de TZSCHENTKE (2002)
  6. 6. Mudanças fisiológicas Pós-eclosão • Aumento de transportadores de membrana; Atividade das enzimas digestivas •Aumento da produção e atividade das enzimas digestivas pancreática e de membrana; Adaptado de Nitsan et al., 1991
  7. 7. Desenvolvimento da Mucosa 900 600 300 0 -1 1 3 5 7 9 Dias Enterocitos Cél. Caliciformes 11 Uni et al., 1999 13
  8. 8. Jejum pós eclosão
  9. 9. Jejum Pós eclosão A ausência de ração e/ou água logo após a eclosão pode alterar o desenvolvimento morfológico do trato gastrintestinal Ração e água Água O “turnover” celular é de Ração Maiorka et al., 2003 96 horas = 10% do ciclo Jejum de produção
  10. 10. Jejum Pós eclosão O jejum pós-eclosão prolongado afeta o crescimento muscular. O catabolismo tecidual, devido à deficiência energética parece ativar o mecanismo de eliminação de núcleos das células musculares (apoptose), diminuindo o diâmetro das mesmas Pophal et al., 2003 Alteração na hiperplasia. atividade das células satélites - menor O que resulta em menor peso de músculo peitoral à maturidade. Imunoglobulinas maternais representam 20% da proteína do saco vitelino. Estes produtos devem ser usados para proteção do neonato. Dibner et al., 1998
  11. 11. Jejum Pós eclosão Resposta Imune Adaptado de Dibner et al.,1998
  12. 12. Jejum Pós eclosão Desempenho de frangos de corte submetidos a diferentes períodos de jejum Jejum, h GP, g CR, kg Mort, % 7 dias 42 dias 42dias 42dias 0 142a 2069a 3877a 4,36 6 142a 2065a 3878a 4,39 12 140a 2056ab 3851a 5,73 18 132b 2019bc 3781b 5,77 24 127c 2019bc 3794b 5,29 30 126c 1999c 3740b 5,28 36 118d 1975c 3664c 6,23 Gonzales et al. (2003)
  13. 13. Ração no nascedouro e transporte A presença de nutrientes no lúmen é fator estimulante do crescimento dos vilos e das criptas e da atividade enzimática. Práticas usuais do manejo de incubação podem retardar o contado de algumas aves com alimento em até 48 horas; isso pode reduzir em até 15% o peso corporal final das aves. A alimentação precoce dentro do nascedouro além de diminuir esta perda, aumenta a uniformidade das aves. (Sklan et al., 2000). Fornecer ao menos 25g por ave ????
  14. 14. Digestão e absorção
  15. 15. Proteina Carboidrato Gordura !!!
  16. 16. Nutrição pós eclosão Rações tradicionais a base de milho e farelo de soja, ricas em CHO A digestão dos CHO, Lipídios e Proteínas é altamente adaptável a sua concentração na dieta As enzimas que finalizam a digestão localizam-se na superfície luminal dos enterócitos
  17. 17. Nutrição pós eclosão Lipídios Síntese 5% Circulação enterohepática Colesterol la rcu eci er ção Sais biliares nde Gra um vol ed Ducto biliar comum Reciclagem através da circulação portal Vesícula biliar 5% perdido nas fezes Duodeno Gotícula de gordura Íleo terminal Micela Sais biliares são encontrados em maior quantidade em excretas de aves jovens  circulação enterohepática ineficiente  consequentemente há uma taxa reduzida na síntese de sais biliares. Marzooqi & Leeson, (1999); Leeson & Summers, (2001)
  18. 18. Nutrição pós eclosão Lipídios Adaptado de Maiorka 2002
  19. 19. Nutrição pós eclosão Lipídios Adaptado de Maiorka 2002
  20. 20. Nutrição pós eclosão Lipídios Digestibilidade e Energia Metabolizável Aparente corrigida para nitrogênio (EMAn) do óleo de soja e sebo bovino em frangos de diferentes idades Idade Digestibilidade (%) EMAn (kcal/kg) Óleo de soja Sebo Bovino Óleo de soja Sebo Bovino 1 semana 86,4b 41,9b 8.158b 3.966b 3 semana 95,7ª 64,0ª 9.029ª 6.061ª Adaptado de Mossab et al. (2000) Na terceira semana a secreção de sais biliares e lipase melhoram resultando em um aumento na utilização da gordura
  21. 21. Nutrição pós eclosão Gorduras Peroxidadas Impacto da qualidade da ração pre inicial sobre o desempenho do frango Días 0 Peróxido, meq/kg 2 4 7 21 393 a 383 a 382 a 349 b 42 1.314 a 1.306 a 1.293 a 1.220 b 49 1.635 a 1.639 a 1.609 ab 1.532 b Cabel et al., 1988
  22. 22. Nutrição pós eclosão Proteínas Rações para pintos de corte à base de milho e farelo de soja devem ter no mínimo 21% de PB para que a glicina + serina não sejam limitantes Schutte et al. (1997) Recomendações do nivel de glicina + serina em dietas de pintos de corte NRC, 1994 Schutte et TAB BRAS TAB BRAS al., 1997 2000 2011 Glicina +Serina 1,25 1,90 1,44 1,946
  23. 23. Nutrição pós eclosão Proteínas Niveis de nutrientes indicados em diferentes tabelas de referencia NRC , 1994 TAB BRAS 2000 Sklan e Noy, 2003 TAB BRAS 2011 EM, kcal/kg 3200 2950 3000 2960 PB % 23 22 23 22,40 Lisina % 1,10 1,31 1,08 1,460 Met+Cist 0,90 0,93 0,91 1,051
  24. 24. Nutrição pós eclosão Proteínas Impacto da qualidade do farelo de soja na digestibilidade da energia e da matéria seca da dieta (3 a 7 dias) Trat Energia Matéria Seca Soja 44 76.4 b 70.6 b Soja 46 76.7 ab 72.1 a Soja 48 77.9 a 73.0 a P< 0.04 0.003 Reg No No Adaptado de Gerber et al, 2004
  25. 25. Nutrição pós eclosão Proteínas Impacto da qualidade do farelo de soja no desempenho de frangos na fase inicial (1 a 21 dias) Trat Cons (g) Soja 44 1101 746 b 1.48 b Soja 46 1104 756 b 1.46 ab Soja 48 1135 794 a 1.43 a P< 0.05 0.005 0.003 Reg No No No Adaptado de Gerber et al, 2004 GPeso (g) CA (g/g)
  26. 26. Nutrição pós eclosão Carboidratos Nos primeiros dias após a eclosão a capacidade de digerir amido e dissacarídeos é limitada nas aves (Noy e Sklan, 1995)
  27. 27. Nutrição pós eclosão Carboidratos Adaptado de Sorbara 2003
  28. 28. Nutrição pós eclosão Sódio Níveis maiores de Na+ da dieta estimulam aumento no consumo de água O consumo de água apresenta uma correlação com consumo de ração (R= 0,77) que apresenta uma alta correlação com ganho de peso (R= 0,82) e a conversão alimentar (R= 0,90) Isto pode trazer benefícios quanto a questão da adaptação do TGI à alimentação exógena Maiorka et al., (2004)
  29. 29. Nutrição pós eclosão Sódio Níveis de Sódio nas rações de frangos de Sódio Total % Agua ml 0,10 213 c 0,22 Consumo Ração g 1 - 7 dias G. Peso g C.A. g/g 124 b 67 c 1,85 b 282 a 139 ab 104 b 1,34 a 0,34 303 ab 148 a 116 ab 1,28 a 0,46 322 a 147 a 119 a 1,24 a 0,40 0,40 0,38 Exigência, % 0,44 Maiorka et al., 1998
  30. 30. Nutrição pós eclosão Balanço eletrolítico Efeitos da relação eletrolítica Na+K-Cl na ração sobre o ganho de peso e a conversão alimentar em frangos de corte de 1 a 7 dias de idade 1,55 140 135 R2 = 0,85 Pmax = 277 1,5 130 1,45 125 1,4 120 YCA = 1,5773 - 0,0016X + 0,0000033X2 1,35 R 2 = 0,86 Pmin = 246 1,3 40 140 mEq/kg Conversão alimentar Borges 240 Ganho de peso 115 110 340 Ganho de peso (g) Conversão alimentar YGP = 108,4450 + 0,1834X - 0,0003X2
  31. 31. Forma física da ração
  32. 32. Granulometria e Forma física da ração Preferência alimentar(livre escolha) de frangos alimentados com dietas com diferentes tamanhos de partículas 150 100 0,360mm 0,473mm 50 0,768mm 0 1-7 dias 1-14 dias Efeito Linear Adaptado de Dahlke e Maiorka, 2003 1-24 dias O desempenho melhora linearmente com o DGM
  33. 33. Granulometria e Forma física da ração Efeito do DGM da dieta nas respostas metabólicas de frangos de 7 dias de idade DGM (µm) (%) 561 783 997 Prob. EMAn (kcal/kg) Retenção de N (%) 2.782 b 2.779 b 2.844 a 0,06 50 c 57 b 59 a 0,01 Retenção de MS 72 c 75 b 77 a 0,01 O desempenho melhora linearmente com o DGM Adaptado de Krabbe, 2000
  34. 34. Granulometria e Forma física da ração Tamanho das partículas: Dieta pré-inicial Forma física importante fator no consumo na primeira semana Dietas peletizadas (pelete 1,5 a 2,0 mm) = melhor desempenho do que rações fareladas Consumo afeta estrutura morfológica=desempenho Farelada ↑ DGM x Peletizada ou Triturada??? Ração farelada com DGM próximo a 0,970mm aumentou peso dos órgãos internos (Krabbe, 2000)
  35. 35. Granulometria e Forma física da ração Desempenho de frangos alimentados com diferentes formas físicas da ração aos 7 dias de idade Ração Farelada Pelet-Trit Micro Pelet C.V. (%) Adaptado de Freitas et al., 2009 CR (g) 132,25 141,95 138,47 4,96 GP (g) 123,87 b 134,95 a 133,18 a 3,13 CA (g/g) 1,07 1,05 1,04 5,22
  36. 36. Manejo na fase pré-inicial
  37. 37. Manejo na primeira semana Necessidades das aves Ambiente adequado – temperatura Água Ração Oxigênio Luz Cama seca Sem poeira Densidade adequada
  38. 38. Manejo na primeira semana  Baixo custo  Eficiente Vedar bem para evitar correntes de ar Pré aquecer a pinteira 24 horas antes da chegada dos pintainhos; medir a temperatura da cama para verificar se esta adequada
  39. 39. Melhorar o conforto térmico das aves Tecnologia + Manejo correto = Resultado!
  40. 40. Garantir um bom espaço para aves
  41. 41. Manejo na primeira semana Estresse nos primeiros dias diminui o desenvolvimento da mucosa intestinal e da resposta imune das aves (Morgulis 2002).
  42. 42. Variações de Temperaturas e qualidade do ar Ventilação mínima pressão negativa Utilizar anti-câmaras para quebra da velocidade e temperatura do ar e acondicionamento Pré aquecer o ar antes de entrar na área do pinteira Timer: 1 minuto ligado e 4 minutos desligado
  43. 43. As aves na primeira semana já demonstram uma certa sonolência acima de 1.000 – 1.500 ppm CO2 Ambiência - Abafamento Aves cegas – amônia 100ppm Alta condensação – pintos melados, cama úmida
  44. 44. A importância da água : Bebedouros Nipples: 1 semana = 60 ml 2 semana = 70 ml 3 semana = 80 ml 4 semana = 90 ml 5 semana = 100 ml 6 semana = 110 ml 7 semana = 120 ml  Potável CLORADA E FRIA , Perda de H2O é crítica: Desidratação, Desuniformidade Refugagem e Morte
  45. 45. A importância da água Efeito do consumo de água (20% restrito) sobre o peso corporal de frangos na fase inicial Cons. Agua Período (dias) 1- 7 1 - 14 1 – 21 100% 177 442 1163 80% 141 416 1118 Prob .001 .001 NS Restrição de 1 a 7 dias Adaptado de Cura et. al., 2006
  46. 46. A importância da ração Papelão com ração entre as linhas Soltar os pintos sobre o papelão
  47. 47. A importância da ração Primeira avaliação após alojamento - 4 a 6 horas depois do alojamento Amostrar 100 pintinhos Verifique a temperatura das patas Verifique a temperatura da cama cama fria = pata fria = baixo consumo, baixa uniformidade Segunda avaliação – 24 horas após o alojamento Papo cheio e elástico - >95% = pintos comeram e beberam Papo cheio e duro – apenas comeram e não encontraram água Papo muito dilatado – apenas beberam e não encontraram ração Papo vazio – pinto a espera de um milagre
  48. 48. 101g Comida é a fonte de nutrientes para o crescimento 92g 85g 57g
  49. 49. A importância da ração REMUNERAÇÃO GARANTIDA SINAL DE ALERTA LOTE 1 LOTE 2 LOTE 3 LOTE 4 LOTE 5 LOTE 6 LOTE 7 Peso 7 Dias 0,145 0,157 0,169 0,181 0,193 0,205 0,217 Peso Abate 2,700 2,772 2,844 2,916 2,988 3,060 3,132 OBS - CADA GRAMA A MAIS NA PRIMEIRA SEMANA EQUIVALEM A 6 GRAMAS A MAIS NO ABATE.
  50. 50. Razões para utilizar uma dieta pré inicial • Anatomia e fisiologia do trato digestorio do pintainho; • Menor valor energetico do alimento (milho) em pintainhos de 7 a 10 dias de idade comparados com frangos; • Uso adequado do saco vitelinico; • Consumo do alimento.
  51. 51. Questionamentos das empresas • Uma ração a mais para formular e para fábricar; • Ingredientes a mais para se comprar e desconhecimento dos mesmos; • Uma ração a mais para distribuir no campo - logistica; • Custo das raçoes especiais para essa fase.
  52. 52. Período para se usar a dieta pré inicial • A ração pre inicial deve ser fornecida entre 4 e 12 dias de idade da ave; • Há estudos que mostram as necessidades da dieta pre inicial até o desaparecimento do saco vitelinico; • Porém, ha estudos que mostram que até 12 dias de idade ha grandes transformaçoes fisiologicas na ave moderna.
  53. 53. Ferramentas relacionadas a qualidade do alimento Pré-limpeza Mesa dessimétrica Silos para segregação Laboratório via úmida ou NIRs Segregar milho e Fs para pintinhos
  54. 54. Ingredientes para a fase pré inicial • Evitar gorduras saturadas e de cadeia longa; • Evitar ingredientes de baixa digestibilidade como farinha de pena, sangue, ingredientes com fatores antinutricionais…. • Aditivos, antioxidantes, antibióticos, anticoccidianos, adequados a fase; • Usar produtos processados, extrusados, espandidos, peletizados e moidos; • Usar cereais de alta digestibilidade (amilopectina) e evitar cereais de inverno (aveia, trigo, etc…); • Adequar a granolumetria e ou a forma fisica da ração as necessidades do animal.
  55. 55. Faça uso das novas tecnologias disponiveis BSA – Assessoria Agroindustrial - borgessa@terra.com.br
  56. 56. Ingredientes para a fase pré inicial Ingredientes especiais para dietas pré iniciais de pintos ENERGÉTICOS PROTÉICOS Milho Farinha de vísceras Proteína de batata ou arroz Milho pré-gel Células vermelhas Conc prot de soja Arroz Plasma bovino, suino Farelo de soja Hipro Arroz gelatinizado Farinha de peixe Soja extrusada Óleo vegetal Ovo integral, albumina Glúten de milho (60%) Glicose Farinha de salmão 65% Extrutec 40% Maltodextrina Ma c arrão PROTÉICOS F visc hidrolizado Spray Dry Hipro 65%
  57. 57. Ingredientes para a fase pré inicial Usar vitaminas com niveis de segurança(vit organicos(Se); niveis mais altos de colina; E, C) e minerais Metabolitos nutricionais; Ácidos orgânicos; Glutamina e outros aminoácidos não tradicionais; Estimuladores de consumo, aromatizantes, flavorizantes; Óleos essenciais e extratos vegetais; Enzimas para combater fatores antinutricionais e melhorar digestibilidade da energia, proteína e aminoácidos; Probióticos, prebioticos e simbióticos; Adsorventes de micotoxinas.
  58. 58. Resultados especialidades Efeito das especialidades na pré inicial sobre desempenho GMD CA IEP Controle 66,471 1,609 395,67 Teste NC TECMAX 66,258 1,571 404,00
  59. 59. Resultados especialidades Efeito das especialidades sobre: GPD, CA, IEP Controle Controle Teste Teste Media pós teste Media pós teste Controle Teste Media pós teste Teste: enzimas, metabolitos nutricionais
  60. 60. Resultados especialidades Efeito das especialidades na primeira semana sobre o desempenho de frangos de corte ao abate (630.000 frangos) Idade PM GPD CA CAC* IEP Controle 43,91 2674,76 60,87 1,849 1,799 316,18 Optifeed Poultry 42,69 2569,86 60,14 1,804 1,784 323,40 * CAC – Conversão alimentar corrigida para 2,5kg
  61. 61. Resultados especialidades Efeito das especialidades na primeira semana sobre os custos de frangos de corte ao abate Controle Com Optifeed Consumo de ração/ave 2,5 kg PV 4,498 kg 4,460 kg Custo da ração/kg R$ 0,820 R$ 0,821 Custo Alimentação por ave R$ 3,688 R$ 3,662 Custo por kg de frango vivo produzido R$ 1,475 R$ 1,465 Custo Alimentar de 1 milhão de aves/mês R$ 3.687.950,00 R$ 3.661.660,00 Receita liquida por mês R$ 26.290,00
  62. 62. Implicações Parece ser pertinente o fornecimento tanto de ração como de água o mais precocemente possível após a eclosão, para evitar atraso no desenvolvimento do trato gastrintestinal e do sistema imune
  63. 63. Implicações A utilização de fontes de carboidratos de rápida disponibilização e de proteína de alto valor biológico podem melhorar as condições de adaptação da ave e seu desempenho final Níveis adequados de eletrólitos na dieta estimulam aumento no consumo de água, consumo de ração e ganho de peso
  64. 64. Implicações Utilização de rações com DGMs muito baixos devem ser evitados pois as aves apresentam preferência por partículas maiores A utilização de aditivos especiais parece ser uma ferramenta auxiliar importante no desenvolvimento inicial da ave e seu desempenho
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×