Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Reciclagem energética_apresentação

314 visualizaciones

Publicado el

  • Sé el primero en comentar

  • Sé el primero en recomendar esto

Reciclagem energética_apresentação

  1. 1. “ASPECTOS POSITIVOS DA UTILIZAÇÃO DA RECICLAGEM ENERGÉTICA COMO UMA FERRAMENTA CONJUGADA A ESTRUTURA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL” Bruno Henrique Nunes Orientador: Sérgio Luiz Cabrini
  2. 2. Agenda I) Relato Circunstanciado II) Reflexão: O que é Lixo? III) A política nacional de resíduos sólidos (PNRS) IV) Reciclagem energética e seus aspectos positivos V) Quebra de paradigmas VI) Conclusão
  3. 3. I) Relato circunstanciado Propósito Hipótese Objetivo Valor agregadoPerspectiva de Processo Aspectos positivos
  4. 4. Pesquisa Exploratória Qualitativa Aplicada
  5. 5. Objetivos específicos Esclarecer mitos e verdades Pontuar aspectos positivos Apresentar o conceito
  6. 6. II) Reflexão: O que é lixo? “Espera mil anos e verás que será precioso até o lixo deixado atrás por uma civilização extinta” . Isaac Asimov, escritor e bioquímico “O homem é o que pensa o dia inteiro. Encha-se alguém de lixo, e tudo o que produzirá será monturo”. Ralph Waldo Emerson, escritor “Aquilo que se varre para tornar limpo um ambiente; Cisco, sujeira, Imundície; Ralé; Coisa sem serventia” . Mini dicionário da língua portuguesa “O lixo não existe, sendo o atual conceito do mesmo uma visão equivocada acerca dos materiais (...) todo lixo pode ser aproveitado de alguma forma”. Sabetai Calderoni, economista
  7. 7. Lixo no Mundo  Metade do mundo não coleta lixo  Estima-se em 1,4 Bilhões de toneladas a quantidade de Resíduos sólidos urbanos (RSU) produzidos anualmente pela população*. *7 bilhões de habitantes
  8. 8. 1 2Proporção do lixo alocado em local propício
  9. 9. Brasil  consumo e descarte no país são inéditos De 2012 a 2013 o país apresentou o maior crescimento diário de produção de lixo dos últimos 10 anos: O crescimento da população no período foi de 9,65% enquanto a geração de resíduos cresceu a alarmantes 21%.
  10. 10. III) Lei nº 12.305/2010 - Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) O objetivo da mesma é dispor sobre os princípios, objetivos, instrumentos e diretrizes relacionados à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, impondo os mesmos às pessoas físicas e jurídicas, ligadas direta ou indiretamente à produção de resíduos
  11. 11. Principais termos Resíduos sólidos: material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d’água, ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível; (Brasil, 2010) Rejeitos: resíduos sólidos que, depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperação por processos tecnológicos disponíveis e economicamente viáveis, não apresentem outra possibilidade que não a disposição final ambientalmente adequada; (Brasil, 2010) Disposição final ambientalmente adequada: distribuição ordenada de rejeitos em aterros,observando normas operacionais específicas de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança e a minimizar os impactos ambientais adversos. (Brasil, 2010)
  12. 12. Perspectiva de processo • Art. 9º - Na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade: não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos (Brasil, 2010)
  13. 13. IV) Reciclagem energética Recuperação de parte da energia Diferente de incineração e queima a céu aberto
  14. 14. 1) Diminuição de volume (90%) e massa (75%) dos materiais Aspectos positivos da Reciclagem energética
  15. 15. 2) Aproveitamento do potencial energético do lixo
  16. 16. 3) Processo não necessita de tratamento prévio do material
  17. 17. 4) As instalações das usinas de recuperação energética são razoavelmente compactas e produzem baixo ruído
  18. 18. 5) A tecnologia é aprovada pelo IPCC
  19. 19. Reciclagem energética no mundo “A cidade que transforma lixo em energia enfrenta escassez do mesmo”
  20. 20. V) Quebra de paradigmas • Sobre a poluição gerada pelas Unidades de recuperação energética (URE)
  21. 21. 2 • Sobre a deterioração definitiva do material
  22. 22. 3 • Sobre a reciclagem energética acabar com empregos
  23. 23. 4 • Sobre o alto investimento em maquinário
  24. 24. VI) Conclusão • A reciclagem energética vale a pena • A perspectiva de processo deve ser SEMPRE preservada • Perspectiva sistêmica e Sinergia • Unidades de reciclagem X Usinas energéticas
  25. 25. Bibliografia Principal • ALENCAR, E. “Brasil tem o maior aumento na produção de lixo em 10 anos”. O Globo: 2014. Disponível em <http://oglobo.globo.com/sociedade/sustentabilidade/brasil-tem-maior-aumento- na-producao-de-lixo-em-10-anos-13478594>. Acesso em 11 de novembro de 2014 às 17h14; • ASSOCIALÇAO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS (ABRELPE). ”Atlas brasileiro de emissões de GEE e potencial energético na destinação de resíduos sólidos”; ABRELPE, 2013; • ASSOCIALÇAO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS (ABRELPE)., INSTITUTO SÓCIO-AMBIENTAL DOS PLÁSTICOS (PLASTIVIDA).”Caderno informativo de recuperação energética”. Site PLASTIVIDA, 2012. Disponível em < http://www.abrelpe.org.br/noticias_detalhe.cfm?NoticiasID=1252>. Acesso em 11 de novembro de 2014 às 19h58; • BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política nacional de Resíduos Sólidos. 2010. Disponível em <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=636>. Acesso em 11 de novembro de 2014 às 17h39;
  26. 26. Perguntas
  27. 27. Bruno.nunes.1987@gmail.com /bruno.henriquenunes.7 /brunohenriquenunes @bhnunes 19 9 8147 0746
  28. 28. Backup 1 Como elaborar um artigo científico. , UFSC. Disponível em< http://www.bu.ufsc.br/ArtigoCientifico.pdf> . Acessado em 03 de dezembro de 2014.
  29. 29. Backup 2 • Custo: Para uma planta que converta 75,000 Ton/ano US $28.5 milhões = R$73.4 milhões Garcia, A. “Starting out in waste-to-energy – What factors must be considered when building a New WTE plant?”. Waste Management World. Disponível em <http://www.waste-management-world.com/articles/print/volume-9/issue-4/features/starting-out-in-waste-to-energy-what- factors-must-be-considered-when-building-a-new-waste-to-energy-facility.html >. Acessado em 03 de dezembro de 2014
  30. 30. Backup 3 FREIRE, M.”Estudo prévio de viabilidade econômica e energética para implantação de usina de incineração para resíduos sólidos urbanos no Brasil”.USP, 2013.
  31. 31. Backup 4 Custo operacional/manutenção Investimento inicial FREIRE, M.”Estudo prévio de viabilidade econômica e energética para implantação de usina de incineração para resíduos sólidos urbanos no Brasil”.USP, 2013.
  32. 32. Backup 5
  33. 33. Backup 6

×