Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de Santo Antônio do Monte - MG.

5.068 visualizaciones

Publicado el

Apresentação realizada no III Seminário do Laboratório de Inovação às Condições Crônicas Internacional de Atenção às Condições Crônicas em Santo Antônio do Monte, por Juliana Ferreira Silva Lacerda, coordenadora de Atenção Primária à Saúde e por Tarcília Antônia de Oliveira Rodrigues
Agente Comunitário de Saúde UBS Ponte Nova.
Belo Horizonte, 12 de novembro de 2014.

Publicado en: Salud y medicina
  • Inicia sesión para ver los comentarios

Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de Santo Antônio do Monte - MG.

  1. 1. TERRITORIALIZAÇÃO, CADASTRO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO FAMILIAR DO MUNÍCIPIO DE SANTO DO MONTE – MG. Juliana Ferreira Silva Lacerda Coord. de Atenção Primária à Saúde Tarcília Antônia de Oliveira Rodrigues Agente Comunitário de Saúde UBS Ponte Nova
  2. 2. SuperGcie: 1.125,780 KM² População (IBGE, 2010): 25.975 habitantes 13.197 homens 12.778 mulheres 22.686 alfabe^zados IDH (2005):0,724 Vegetação: cerrado e mata atlân^ca Santo Antônio do Monte
  3. 3. INTRODUÇÃO o LIACC o Organização dos processos de trabalho nas UBS’s do município de Santo Antônio do Monte -­‐ MG TERRITORIALIZAÇÃO CADASTRO FAMILIAR MACROPROCESSOS CLASSIFICAÇÃO DE RISCO FAMILIAR E ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO DAS CONDIÇÕES CRÔNICAS PROGRAMAÇÃO E AGENDA
  4. 4. OBJETIVOS o Definir o território do município o Manter os cadastros familiar atualizados o Promover a classificação de risco das famílias o Priorizar e avaliar os atendimentos e visitas domiciliares de acordo com o risco
  5. 5. TERRITORIALIZAÇÃO: ASPECTOS DELINEADOS o Iden^ficação de informantes chaves que determinam o processo de trabalho das equipes o Rever os pontos de apoio da comunidade o Existência de Barreiras geográficas (linha férrea e Rodovia) o Presença de excedentes populacionais
  6. 6. MAPA ATUAL MAPA IDEAL
  7. 7. RECADASTRAMENTO o SIAB: 26.592 habitantes o IBGE: – 2010: 25.975 habitantes – População es^mada em 2013: 27.556 habitantes – Área da unidade territorial (km²) 1.125,780 km² – Aproximadamente 171 Km de BH Fonte: IBGE, 2014
  8. 8. RECADASTRAMENTO o O Município de Santo Antônio do Monte é composto por 08 equipes de Atenção Primária a Saúde o 06 urbanas e 02 rurais o Cobertura municipal: 97%
  9. 9. 2500 2000 1500 1000 500 0 UBS MAC UBS SVP UBS SL UBS NSF UBS Centro UBS DB UBS PN UBS SJR < 1 1 a 6 7 a14 15 a 19 20 a 49 50 a 59 > 60 POPULAÇÃO POR FAIXA ETÁRIA NAS UBS’S Fonte: SIAB, 2014
  10. 10. DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E IDEAL CONSTRUÇÃO ESF TIPO POPULAÇÃO ATUAL POPOLUÇÃO COM O NOVO DESENHO Planalto I -­‐ 2.433 Geraldo Luís de Castro I -­‐ 2.245 São Lucas e São Vicente II 2.834/ 4.086 2.808 / 2.597 N. Sra. de Fa^ma I 3.601 3.000 Mangabeiras I -­‐ 2.575 São José dos Rosas I 1.495 1.495 Ponte Nova I 1.320 1.320 Fonte: SIAB, 2014
  11. 11. DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E IDEAL Fonte: SIAB, 2014 AMPLIAÇÃO E REFORMA ESF TIPO POPULAÇÃO ATUAL POPULAÇÃO COM NOVO DESENHO Maria Angélica de Castro I 4.732 3.680 Centro I 4.822 2.925 Dom Bosco I 3.781 3.702
  12. 12. ATUAÇÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE NO PROCESSO DE TERRITORIALIZAÇÃO, CADASTRO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO 1. Mapeamento do território visando iden^ficar: o Aspectos econômicos, sociais e culturais o Condições crônicas o Entrevista com informantes chaves avaliando os seguintes itens:
  13. 13. ENTREVISTA AO INFORMANTE CHAVE o Localização e acesso à unidade o Atendimento na sala de vacina, farmácia e sala de cura^vo o Atendimento programado (consultas, grupos opera^vos e outros): duração do atendimento, habilidade do profissional o Horário de funcionamento o Encaminhamento para consultas de especialidades o Lembretes aos usuários sobre atendimentos agendados ou programados e busca a^va em caso de falta o Informações prestadas por telefone o Realização de exames laboratoriais o Atendimento em situações de urgência: tempo de espera, resolu^vidade o Manutenção e limpeza da unidade o Visitas domiciliares, ações preven^vas, controle de zoonoses o Atendimento de Álcool e Drogas no CAPS o Recepção e acolhimento na unidade: a^tude rela^va a cortesia, respeito, sensibilidade e simpa^a; sala de espera o Compreensão sobre a orientação feita após o atendimento, prescrição de medicamentos ou solicitação de exames o Atendimento de Doença Mental no CAPS o Tempo de espera para consultas programadas ou de urgência o Sa^sfação com relação ao atendimento das necessidades do cidadão
  14. 14. 2. Recadastramento o Revisão da Ficha de Cadastro da Família – Ficha A o Introduzindo novos campos para auxiliar no conhecimento da situação de saúde individual e classificação das condições crônicas. o Imunização o Tabagismo o Uso Excessivo de Álcool o Alimentação Adequada o A^vidade Gsica o Todos os membros da família fazem escovação diária dos dentes?
  15. 15. o Transição nas UBSs: o U^lização simultânea da ficha A e SIAB com alimentação do e-­‐SUS
  16. 16. CLASSIFICAÇÃO DE RISCO CRITÉRIOS SÓCIO-­‐ECÔNOMICOS CRITÉRIOS CLÍNICOS VERIFICAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
  17. 17. PORCENTAGEM DE CLASSIFICAÇÃO DO RISCO DAS FAMÍLIAS DE SANTO ANTÔNIO DO MONTE 46,81% 19,43% 28,34% 5,40% SEM RISCO BAIXO RISCO MÉDIO RISCO ALTO RISCO Fonte: Mapa de Classificação de Risco da Família, 2014
  18. 18. MAPA DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DAS FAMÍLIAS
  19. 19. ABORDAGEM FAMILIAR A família cons^tui um sistema aberto, dinâmico e complexo, cujos membros pertencem a um mesmo contexto social e dele compar^lham. É o lugar do reconhecimento da diferença e o aprendizado quanto ao unir-­‐se e separar-­‐se; é a sede das primeiras trocas afe^vo-­‐emocionais e da construção da iden^dade (Fernandes e Curra).
  20. 20. “ Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-­‐la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos. ” Fernando Pessoa
  21. 21. Obrigada! Juliana Ferreira Silva Lacerda Coordenadora da Atenção Primária em Saúde Membro do Grupo Condutor do LIACC E-­‐mail: julianalacerda03@gmail.com Tarcília Antônia de Oliveira Rodrigues Agente Comunitária de Saúde E-­‐mail: tarciliaorodrigues@hotmail.com

×