Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Dinâmicas de identidade e exclusão

938 visualizaciones

Publicado el

Apresentação do artigo DINÂMICAS DE IDENTIDADE E EXCLUSÃO: A INTOLERÂNCIA SIMBÓLICA EM REDES SOCIAIS DIGITAIS. IX SIMPÓSIO NACIONAL ABCiber. Eixo temático 10 - Identidade/Subjetividade.

Publicado en: Educación
  • Sé el primero en comentar

  • Sé el primero en recomendar esto

Dinâmicas de identidade e exclusão

  1. 1. DINÂMICAS DE IDENTIDADE E EXCLUSÃO: A INTOLERÂNCIA SIMBÓLICA EM REDES SOCIAIS DIGITAIS ......................................................................................................................................................................................... Profa. Dra. Cíntia Dal Bello Eixo Temático 10 – Subjetividade / Identidade
  2. 2. Identidade, alteridade e perfil • LOCUS: Plataformas ciberespaciais de relacionamento e projeção subjetiva. • Identidades digitais: perfis. • Figuras de alteridade: amigos, fãs, seguidores, contatos. • O outro como audiência e capital social - difícil mensuração como "bem". • Dinâmica relacional e o conceito de Identidade no contexto pós- moderno. • Lógica quantitativa e a superficialidade das relações tele-existenciais. • EM QUESTÃO: o comportamento “normalizado” de "limpar" a timeline, deletando pessoas que não são mais merecedoras de participar de sua rede de relações.
  3. 3. Tensões políticas – o reflexo nas microrrelações • Polarização dos projetos políticos x Incompatibilidades ideológicas. • Incapacidade generalizada de estabelecer uma zona democrática real de debate. • Mensagens de intolerância: ridicularização, desmerecimento da posição política alheia, ressignificação de fatos e discursos, caricaturização. • Tanto a mídia tradicional quanto a Internet foram movimentadas nesta gigantesca luta pelo controle do rumo dos fatos e, não menos importante, sua interpretação. • No âmbito microfísico dos relacionamentos interpessoais estabelecidos via redes, a publicação ostensiva de mensagens ofensivas levou muitos a "limparem" suas timelines, deletando amigos, parentes, conhecidos e desconhecidos de seus perfis.
  4. 4. “LIMPAR” a timeline • Direito inalienável de escolher com quem conviver e que tipo de mensagem receber em sua rede? • Estudos Culturais - dinâmicas de identidade e diferença (HALL, 2000, 2004; SILVA, 2000; WOODWARD, 2000), o “deletar” reflete a intolerância simbólica que se alimenta de uma concepção essencialista e dicotômica de identidade. “Direita” e “esquerda” interpelam os sujeitos a assumirem determinadas posições e lugares-de-fala que, no extremo, não permitem a convivência com seu oposto.
  5. 5. “LIMPAR” a timeline • A proposta desta pesquisa pauta-se na percepção de que pensamentos e comportamentos com traços fascistas (lato sensu) estão conquistando larga escala de admiradores e defensores. • Tais traços, embora proeminentes no discurso de extrema direita, encontram ressonância na prática cotidiana da sociabilidade digital, quando a aversão ao diferente e a incapacidade de dialogar com a alteridade dentro da atmosfera democrática termina na execução da "limpeza" da timeline.
  6. 6. Algumas questões • Tal comportamento em rede, quer venha de partidários ou simpatizantes de direita ou de esquerda, não contribui para um isolamento irracional em pólos incomunicáveis? • A violência simbólica e irrefletida do "deletar" virtual é, de algum modo, prenúncio de que o descarte daquele que é considerado diferente, tal como se pode observar em projetos antidemocráticos que marcaram a modernidade, não está a um passo de sair das redes para assomar às ruas? • Um caminho: situar o problema da identidade e da diferença nos processos de identificação em rede.
  7. 7. Identidade e diferença nos Estudos Culturais • Identidade e diferença são termos que não podem ser tomados separadamente. Relacionam-se dentro de processos de identificação que determinam posições-de-sujeito e lugares-de-fala em que os indivíduos podem exprimir “quem são”. • Nesse sentido, identidade é estratégia simbólica que demarca, por meio da afirmação do que “é”, tudo aquilo que “não é”. Por ser marcada pela diferença, a identidade é relacional (WOODWARD, 2000, p. 8). • Ela depende do estabelecimento de fronteiras delineadas social, cultural e simbolicamente entre o “nós”, ou seja, aqueles com os quais partilham-se similaridades, ou o senso de “mesmidade”, e os “outros”, aqueles em que as características que se sobressaem não permitem que sejam reconhecidos como semelhantes.
  8. 8. Identidade e diferença nos Estudos Culturais • Identidades adquirem sentido por meio dos sistemas simbólicos que são mobilizados em sua representação (WOODWARD, 2000, p. 8). • É possível pensar as identidades a partir de concepções essencialistas e não-essencialistas. No primeiro caso, a identidade comparece como algo imutável, constituído a partir da “essência” de um passado histórico ou um traço biológico partilhado que determina o sentido de pertença dos indivíduos.
  9. 9. Identidade e diferença nos Estudos Culturais • No segundo, os critérios essencialistas que definem a pretensa autenticidade das identidades são relativizados pela percepção de discrepâncias e contradições. Nesse sentido, a identidade não é fixa, contínua ou unificada; antes, são plurais e movem-se entre discursos globais e locais, negociando com largo repertório de representações simbólicas, reelaborando narrativas, disputando visibilidade mediática e reconhecimento. Eis a crise de identidade que caracteriza a pós-modernidade. • Nesta segunda concepção, a identidade é fluída: trata-se tanto de tornar-se quanto de vir-a-ser. “Isso não significa negar que a identidade tenha um passado, mas reconhecer que, ao reinvindicá-la, nós a reconstruímos e que, além disso, o passado sofre uma constante transformação. Esse passado é parte de uma ‘comunidade imaginada’, uma comunidade de sujeitos que se apresentam como sendo ‘nós’” (WOODWARD, 2000, p. 28).
  10. 10. Identidade e diferença nos Estudos Culturais • O sistema binário constitutivo da diferença, entretanto, não deve ser tomado como absoluto: para Hall, em sua fluidez, a identidade desliza entre as posições que ocupa e as quais se opõe. “Ao ver a identidade como uma questão de ‘tornar-se’, aqueles que reinvindicam a identidade não se limitariam a ser posicionados pela identidade: eles seriam capazes de posicionar a si próprios e de reconstruir e transformar as identidades históricas, herdadas de um suposto passado comum” (WOODWARD, 2000, p. 28). • Silva (2000) assevera que identidade e diferença evocam relações sociais que exprimem, no fundo, relações de poder. “Na disputa pela identidade está envolvida uma disputa mais ampla por outros recursos simbólicos e materiais da sociedade. A afirmação da identidade e a enunciação da diferença estão, pois, em estreita conexão com relações de poder. [...] Podemos dizer que onde existe diferenciação - ou seja, identidade e diferença - aí está presente o poder” (SILVA, 2000, p. 81).
  11. 11. Impressões • Identidade x Alteridade = processos contínuos de identificação. • Identidade-perfil: lugar-de-fala em que o indivíduo pode assumir uma posição-de-sujeito. • A constituição da identidade-perfil envolve um embate entre a práxis líquida da identificação com a concepção moderna de identidade. • Na polarização entre “nós” e “eles”, a diferenciação traduz um embate que não é, apenas, discursivo. Estão em disputa relações de poder. • Nesse sentido, “limpar” a timeline sinaliza um comportamento de intolerância que reflete e, ao mesmo tempo, estimula posicionamentos antidemocráticos que podem transbordar do digital para as ruas.
  12. 12. Referências • DAL BELLO, Cíntia. Cibercultura e subjetividade: uma investigação sobre a identidade em plataformas virtuais de hiperespetacularização do eu, 2009. 130 p. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: http://www.sapientia.pucsp. br/tde_busca/ arquivo.php? codArquivo=9410. • ________. Subjetividade e tele-existência na era da comunicação virtual: o hiperespetáculo da dissolução do sujeito nas redes sociais de relacionamento, 2013, 227 p. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013. • HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos sociais. Petrópolis: Vozes, 2000. • _______. A identidade cultural na pós-modernidade. 9 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. • SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: ________. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos sociais. Petrópolis: Vozes, 2000. • TRIVINHO, E. A dromocracia cibercultural: lógica da vida humana na civilização mediática avançada. São Paulo: Paulus, 2007. (Coleção Comunicação). • _________. Visibilidade mediática, melancolia do único e violência invisível na cibercultura: significação social-histórica de um substrato cultural regressivo da sociabilidade em tempo real na civilização mediática avançada. In: XIX Encontro Nacional da COMPÓS, 19., 2010, Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.compos.org.br/data/biblioteca_287.pdf. Acesso em: 25 ago. 2011. • WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos sociais. Petrópolis: Vozes, 2000.
  13. 13. Cíntia Dal Bello é Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e participa do Centro Interdisciplinar de Pesquisas em Comunicação e Cibercultura (CENCIB). Leciona para as turmas de Publicidade e Propaganda e Mídias Sociais Digitais do Centro Universitário Belas Artes e de Publicidade e Propaganda e Jornalismo da Universidade Nove de Julho. É autora do blog Cibercultura, Consumo e Publicidade. cintia.dalbello@gmail.com. www.cintiadalbello.blogspot.com.br

×