Se ha denunciado esta presentación.
Se está descargando tu SlideShare. ×

Protocolo para Diagnóstico de Populações Achatina fulica

Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Próximo SlideShare
Amplitude Geográfica
Amplitude Geográfica
Cargando en…3
×

Eche un vistazo a continuación

1 de 27 Anuncio

Más Contenido Relacionado

Presentaciones para usted (20)

A los espectadores también les gustó (20)

Anuncio

Similares a Protocolo para Diagnóstico de Populações Achatina fulica (20)

Anuncio

Más reciente (20)

Protocolo para Diagnóstico de Populações Achatina fulica

  1. 1. Invasão Achatina fulica Detecção difícil • Populações são pouco vigorosas (MEAD, 1961); • Podem inicialmente estar em locais distantes, não visíveis. Problemas Manejo Informações inacessívei Impactos não evidentes Controle ineficiente
  2. 2. Espécie generalista Controle padronizado inviável Ação de Controle adaptada à realidade específica com base nas características ecológicas e biológicas
  3. 3. Diagnóstico local Protocolo padronizado Essencial - comparações
  4. 4. Diagnóstico local Ações de Controle População recente ou antiga? Declínio espontâneo ?
  5. 5. É considerada baixa = 7 a 32 caramujos/m2 É considerada alta = mais que 102 caramujos/m2 1. Densidade
  6. 6. 2. Distribuição horizontal e vertical
  7. 7. Jovens – 500m – 6 meses Dispersão Adultos sedentários Os indivíduos voltam para área de origem??? Há migração em massa e ciclo de migração ??? Essas informações caracterizam o comportamento e são importantes para definir o correto manejo e ações educativas!!!
  8. 8. Competição Mecanismos que favorecem: distribuição, ter ritorialidade, dispersão Fischer & Latoski (Pibic) Novo estudo: Influência da densidade no desenvolvimento e dispersão
  9. 9. 3. Distância do co-específico mais próximo
  10. 10. Comunicação química Presença de Semioquímicos Volátil? Contato?
  11. 11. Semioquímicos contato Intraespecífico Interespecífico Semioquímicos - voláteis Novo estudo: Moléculas atrativas Estudos podem ajudar a definir quais substâncias são atrativas.
  12. 12. 4. Tamanho da concha Alguns autores relacionam essa característica com a idade aproximada dos animais.
  13. 13. Tamanho adultos Maturidade das gônadas Importante!!!: Hipótese declínio espontâneo Nering, 2006 (pibic)
  14. 14. 5. Presença de deformidades e manchas no corpo e na concha Idade e saúde da População Diferentes fenótipos Má formações Homozigose? Toxicidade ? Exaustão de recursos? Influência solo? Podem informar sobre declínio da população, presen ça de doenças.
  15. 15. Concha com cicatriz e descalcificação Mancha no corpo Podem caracterizar presença de predadores ou quedas Presença de Bactérias Nering, 2007 e 2008 (TCC
  16. 16. Doenças - microbiologia Muco = Proteção!!! Temporal e Espacial – podem haver grande variação de características levando em conta o estado de estresse do animal. Nering, 2007 e 2008 (TCC) Aeromonas hydrophila
  17. 17. 5. Atividade (repouso, estivando ou ativo) e comportamento (forrageando, copulando, raspando concha do co- específico)
  18. 18. Canibalismo Cálcio ou superpopulação? Nering, em preparação
  19. 19. 6. Presença de ovos Importante para caracterizar recolonização e tamanho da população. Para o controle é fundamental para evitar novas infestações.
  20. 20. 6. conchas de animais mortos
  21. 21. Estivação Enterramento e desenterramento Força Física – 6,7x o peso Reações adversas ao meio aquático Fischer, 2009 no prelo
  22. 22. 1. Tamanho da área vistoriada 2. Tipo de Solo 3. Plantas - sítio de repouso, oviposição e alimentação 4. Plantas não utilizadas 5. Demais substratos com e sem caramujo 6. Terrenos vizinhos 7. Condições climáticas 8. Fauna associada IMPORTANTE!
  23. 23. Recursos alimentares Preferência e consumo de resíduos sólidos orgânicos. Existência de plantas ou recursos não consumidos. Fischer et al (2008)
  24. 24. Fauna Associada Megalobulimus Latoski e Cristo (em preparação) Há registros de morte do caramujo nativo quando em convivência em mesmo terrário (Laboratório) Risco de controle incorreto. Catação realizada sem discriminação de espécies, prejudican do a fauna nativa.
  25. 25. Fauna Associada Predação? ?
  26. 26. 1. Biologia, ecologia e comportamento do animal 2. Chegada do animal 3. Se vê o animal como problema 4. Avaliação de impactos econômicos, de saúde e ambientais 5. Métodos de controle 6. Distinção entre o caramujo invasor e os nativos. IMPORTANTE: • Questionários semiestruturados; • Aplicar a moradores nativos; • Repassar informações e conceitos corretos durante a abordagem.
  27. 27. Acesse www.conexaocaramujo.com.br

×