Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.
Seminário	
  Educação	
  para	
  a	
  Cidadania	
  Global	
  
SP,	
  12	
  de	
  maio	
  de	
  2016	
  
Base Nacional Comum:
Desafios e perspectivas
Alice	
  Andrés	
  Ribeiro	
  
Secretária	
  Execu-va	
  
Movimento	
  pela	
...
O Movimento
O Movimento pela
Base Nacional Comum
Grupo não governamental formado por profissionais
e pesquisadores da educação que des...
Quem faz parte?
Aléssio Costa Lima
Alex Canziani
Alejandra Velasco
Aléssio Lima
Ana Inoue
Andrea Guida
André Stábile
Angel...
Principais contribuições
ü  Articulação para incluir a Base Nacional Comum no Plano Nacional
de Educação
ü  Proposição d...
Por quê consideramos importante?
ü  É lei
ü  Equidade
ü  Reorganização sistêmica
O que é a Base Nacional Comum?
São os conhecimentos e habilidades essenciais aos quais
todos os estudantes brasileiros têm o direito de ter acesso e
se a...
Com ela os sistemas educacionais, as escolas
e os professores terão um importante norte,
e as famílias poderão participar ...
O que?
•  Disponível para todos no site
basenacionalcomum.mec.gov.br
•  Obrigatória para todas as
escolas de educação bási...
Leituras críticas BNC
Movimento pela Base Nacional Comum
O Movimento comemora o fato de o Brasil ter
superado a fase de discutir se precisa ou não ter
uma Base. Agora, entramos na...
A qualidade da Base é inegociável para nós.
Acreditamos que é importante dialogar com o
processo estabelecido. E, ainda que o Movimento
perceba a necessidade de reali...
Portanto, fazemos críticas construtivas e
propostas concretas do que precisa ser
melhorado
Os pontos a seguir são um resumo de todas as
frentes de leitura crítica realizadas pelo
Movimento. Os relatórios completos...
Leitura crítica BNC (1ª Versão)
Pontos de atenção
1. Coerência: falta clareza sobre os princípios norteadores da Base e é ...
6. Ensino Médio: o documento atual não dialoga com iniciativas já em curso nos estados, que
buscam flexibilizar o EM. A ex...
Comparativo V.1 e V.2:
Leitura crítica BNC
Pontos de atenção – detalhamento, exemplos e
propostas
•  Organização por etapas/fases (EI, EF1, EF2 e...
Obrigada!
basenacionalcomum@gmail.com
Para maiores informações:
www.movimentopelabase.org.br
	
  
Próxima SlideShare
Cargando en…5
×

“Base Nacional Comum: Desafios e Perspectivas” - Alice Ribeiro

Alice Ribeiro, secretária-executiva do Movimento pela Base Nacional Comum, apresenta os objetivos do movimento e as suas contribuições para a construção da Base Nacional Comum Curricular.

  • Inicia sesión para ver los comentarios

“Base Nacional Comum: Desafios e Perspectivas” - Alice Ribeiro

  1. 1. Seminário  Educação  para  a  Cidadania  Global   SP,  12  de  maio  de  2016  
  2. 2. Base Nacional Comum: Desafios e perspectivas Alice  Andrés  Ribeiro   Secretária  Execu-va   Movimento  pela  Base  Nacional  Comum    
  3. 3. O Movimento
  4. 4. O Movimento pela Base Nacional Comum Grupo não governamental formado por profissionais e pesquisadores da educação que desde 2013 atua para facilitar e acelerar a construção de um currículo nacional de qualidade. Mobilizar atores em torno da causa 1 Produzir estudos e pesquisas para subsidiar esse debate 2 Envolver os professores em toda as fases de elaboração 3
  5. 5. Quem faz parte? Aléssio Costa Lima Alex Canziani Alejandra Velasco Aléssio Lima Ana Inoue Andrea Guida André Stábile Angela Dannemann Anna H. Altenfelder Anna Penido Antônio A. Batista Antonio Ibañez Ruiz Artur Bruno Beatriz Cardoso Beatriz Ferraz Carmem Neves César Callegari Cleuza Repulho David Saad Denis Mizne Dianne Mello Dorinha Rezende Eduardo Deschamps Egon Rangel Fábio Meirelles Francisco Cordão Frederico Amâncio Guiomar N. de Mello Isabel Cristina Santana Joane Vilela João Roberto Costa José Fernandes de Lima Kátia Smole Lúcia Couto Lucila Ricci Luiz Carlos Menezes Magda Soares Maria do Pilar Lacerda Maria H. de Castro Maria Inês Fini Mário Jorge Carneiro Mariza Abreu Miguel Thompson Mirela Carvalho Mônica Pinto Mozart N. Ramos Naércio Menezes Nilma Fontanive Osvaldo T. da Silva Patrícia Diaz Patrícia Mota Guedes Paula Louzano Paulo Schmidt Pedro Villares Apoio institucional: Abave Cenpec Comunidade Educativa Cedac Fundação Lemann Fundação Roberto Marinho Instituto Ayrton Senna Instituto Inspirare Instituto Natura Instituto Unibanco Todos Pela Educação Undime Priscila Cruz Raimundo Feitosa Raph Gomes Raul Henry Ricardo Henriques Ricardo Martins Ricardo P. de Barros Rodrigo Mendes Ruben Klein Simone André Suely Menezes Teresa Pontual Tereza Perez Thiago Peixoto Vera Cabral  
  6. 6. Principais contribuições ü  Articulação para incluir a Base Nacional Comum no Plano Nacional de Educação ü  Proposição de princípios a serem observados na construção da Base Nacional Comum ü  Produção de mais de 25 documentos de referência (pesquisas; estudos de caso; traduções de documentos internacionais) ü  Articulação com atores chave do setor ü  Realização de eventos estratégicos para a ampliação do conhecimento sobre o tema ü  Parcerias internacionais para a qualificação técnica do debate ü  Realização de leituras críticas do documento preliminar, com diagnóstico de pontos críticos e propostas de como melhorar
  7. 7. Por quê consideramos importante? ü  É lei ü  Equidade ü  Reorganização sistêmica
  8. 8. O que é a Base Nacional Comum?
  9. 9. São os conhecimentos e habilidades essenciais aos quais todos os estudantes brasileiros têm o direito de ter acesso e se apropriar durante sua trajetória na Educação Básica, ano a ano, desde a educação infantil até o ensino médio.
  10. 10. Com ela os sistemas educacionais, as escolas e os professores terão um importante norte, e as famílias poderão participar e acompanhar mais de perto da vida escolar de seus filhos.
  11. 11. O que? •  Disponível para todos no site basenacionalcomum.mec.gov.br •  Obrigatória para todas as escolas de educação básica •  Parte integrante dos currículos das redes e escolas •  Construída pelo MEC, junto com professores, estados e municípios e com participação da sociedade por meio de consulta pública Currículo das escolas Currículo das redes BNC
  12. 12. Leituras críticas BNC Movimento pela Base Nacional Comum
  13. 13. O Movimento comemora o fato de o Brasil ter superado a fase de discutir se precisa ou não ter uma Base. Agora, entramos na discussão de que Base é essa.
  14. 14. A qualidade da Base é inegociável para nós.
  15. 15. Acreditamos que é importante dialogar com o processo estabelecido. E, ainda que o Movimento perceba a necessidade de realizar mudanças significativas, entendemos que é possível chegar a um documento final de qualidade, a partir do primeiro e segundos rascunhos. que é possível chegar  
  16. 16. Portanto, fazemos críticas construtivas e propostas concretas do que precisa ser melhorado
  17. 17. Os pontos a seguir são um resumo de todas as frentes de leitura crítica realizadas pelo Movimento. Os relatórios completos estão publicados em nosso site.
  18. 18. Leitura crítica BNC (1ª Versão) Pontos de atenção 1. Coerência: falta clareza sobre os princípios norteadores da Base e é preciso ser mais explícito sobre os critérios usados para fundamentar determinadas escolhas. Há inconsistências entre o que dizem os textos introdutórios e os objetivos de aprendizagem. 2. Progressão: é necessário mostrar com mais clareza a evolução do grau de complexidade das habilidades que os alunos devem desenvolver ano a ano. Deve haver ainda maior coerência no sequenciamento dos objetivos ao longo dos anos e entre as áreas do conhecimento. 3. Foco no essencial: o documento está muito extenso. É preciso enxugá-lo, garantindo que realmente foque nas aprendizagens essenciais para todos. Há ainda a necessidade de ter maior clareza sobre quanto tempo, de fato, os objetivos ocupam (e dar maior precisão para o debate sobre a divisão 60-40%, que não está clara). 4. Clareza: é necessário que TODOS os objetivos de aprendizagem deixem claro o que é direito que o aluno aprenda. Necessidade de um glossário para alinhamento de termos e expressões. 5. Desenvolvimento integral: Apesar de valorizar em sua introdução a “sociabilidade, curiosidade, atitudes éticas”, entre outras habilidades, a versão preliminar da BNC não avança nessa direção.
  19. 19. 6. Ensino Médio: o documento atual não dialoga com iniciativas já em curso nos estados, que buscam flexibilizar o EM. A expectativa é de que uma revisão da BNC resulte em um documento mais enxuto e que viabilize percursos diferentes para os alunos, permitindo escolhas e trilhas diversas – inclusive técnicas e profissionais. 7. Educação Infantil: o documento atribui pouca ênfase a intencionalidade educativa e acaba deixando muito genérica a compreensão de quais são efetivamente as aprendizagens presentes em cada um dos objetivos formulados. Somada a essa preocupação, a ausência de intencionalidades e orientações educativas especificas para as faixas etárias de 0 a 3 anos e de 3 a 5 anos também não contribui para a atuação do professor. Por fim, destaca-se a importância de incorporar elementos do desenvolvimento da linguagem oral e escrita desde a Educação Infantil, criando as bases para o trabalho de alfabetização no ensino fundamental - além de iniciar também a abordagem de elementos de outras áreas do conhecimento: científico, matemático, conhecimento de mundo. 8. Alfabetização: foram identificados problemas de rigor, clareza e progressão nos objetivos de aprendizagem de Língua Portuguesa dos três primeiros anos do ensino fundamental. 9. Processo: é importante que haja transparência com relação aos prazos, critérios e pessoas envolvidas no processo de construção da Base e, especialmente, que sua qualidade não seja arriscada no processo. Leitura crítica BNC Pontos de atenção identificados no documento preliminar
  20. 20. Comparativo V.1 e V.2:
  21. 21. Leitura crítica BNC Pontos de atenção – detalhamento, exemplos e propostas •  Organização por etapas/fases (EI, EF1, EF2 e EM): maior foco no aluno e não nas disciplinas; •  Objetivos de Aprendizagens organizados em tabelas; •  Foram incorporados eixos formativos que sinalizam um esforço de organizar o documento em torno de elementos que levam ao desenvolvimento integral dos alunos (como “ética e pensamento crítico” e “solidariedade e sociabilidade”, entre outros). •  Na Educação Infantil, a Base apresenta agora objetivos de aprendizagem para três fases do desenvolvimento infantil; •  No Ensino Médio: indicação de maior flexibilidade e sinaliza a integração da etapa com a educação profissional e tecnológica; •  Língua Portuguesa, uma das áreas mais críticas na primeira versão, foi reorganizada segundo eixos de Leitura, Escrita, Oralidade e Conhecimentos sobre a Língua e Norma. •  Em História mudanças significativas no sentido de incorporar elementos que haviam ficado de fora. Um primeiro olhar sobre a v2:
  22. 22. Obrigada! basenacionalcomum@gmail.com Para maiores informações: www.movimentopelabase.org.br  

×