Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.
Próxima SlideShare
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Siguiente
Descargar para leer sin conexión y ver en pantalla completa.

0

Compartir

Descargar para leer sin conexión

Casos clínicos

Descargar para leer sin conexión

  • Sé el primero en recomendar esto

Casos clínicos

  1. 1. Casos Clínicos Um homem de 21 anos é trazido ao setor de emergência pela polícia depois de ter sido encontrado sentado no meio de uma rua de grande movimento. À guisa de explicação, o paciente fala: “As vozes me disseram para fazer isso”. Relata que no último ano sentiu que “as pessoas não são quem elas dizem ser”. Começou a se isolar em seu quarto e largou a escola. Afirma que ouve vozes lhe dizendo para fazer “coisas más”. Geralmente existem duas ou três vozes falando, e muitas vezes comentam entre si seu comportamento. Nega estar usando drogas ou álcool, embora relate ter fumado maconha ocasionalmente no passado. Diz que interrompeu essa prática nos últimos seis meses porque “deixa as vozes mais altas”. Nega qualquer problema médico e não está tomando medicamento. Em um exame do estado mental, percebeu-se que o paciente está sujo e desalinhado, com má higiene. Parece um pouco nervoso no ambiente e caminha em torno da sala do exame, sempre com as costas para a parede. Afirma que seu humor está “ok”. Seu afeto é congruente, apesar de embotado. Sua fala tem velocidade, ritmo e tom normais. Seus processos de pensamento são tangenciais, e ocasionalmente se notam associações desorganizadas. Seu conteúdo de pensamento é positivo para delírios e alucinações auditivas. Ele nega qualquer ideação suicida ou homicida. Um homem de 27 anos é trazido ao setor de emergência pelos amigos e pelo colega de quarto. Eles afirmam que o paciente não tem dormido nas últimas 3 ou 4 semanas e que perceberam que ele fica acordado à noite, limpando o apartamento. Adquiriu um novo computador e um aparelho de DVD, embora o colega de quarto afirme que ele não tem dinheiro para comprar esse tipo de coisa. O paciente tem se vangloriado para os amigos de que dormiu com três mulheres diferentes na última semana, mas esse não é seu comportamento habitual, e tem estado muito irritável e explosivo. Tem bebido “um monte de álcool” nas últimas semanas, o que não é característico. Os amigos afirmam não tê-lo visto usar drogas e acreditam que não tenha problema médico nem tome qualquer medicamento prescrito. Não estão a par de qualquer história familiar de transtornos médicos ou psiquiátricos. Em um exame do estado mental, o paciente se mostra alternadamente irritável e exaltado. Está usando uma camisa laranja forte e uma calça vermelha, e suas meias não formam um par. Fica caminhando pela sala e se recusa a sentar quando convidado pelo examinador. Sua fala é rápida e alta, e é difícil interrompê-lo. Afirma que seu humor está “ótimo”, e está muito zangado com seus amigos por tê-lo obrigado a vir ao hospital. Fala que provavelmente insistiram nisso por “estarem com inveja do meu sucesso com as mulheres”. Afirma que está destinado a algo grandioso. Seus processos de pensamento são tangenciais. Nega qualquer ideação suicida ou homicida, alucinações ou delírios.
  2. 2. Uma mulher de 55 anos chega a um psiquiatra queixando-se de ter o humor deprimido nos últimos três meses. Refere que seu humor tem sido constantemente baixo (3 em uma escala de 1 a 10, sendo 10 o melhor que já sentiu), e descreve sua condição como “eu não sou assim”. Também percebeu uma redução de energia e um ganho de peso de uns três quilos no mesmo período de tempo, embora seu apetite não tenha aumentado. Nunca consultou um psiquiatra antes e lembra de jamais ter se sentido assim deprimida por tanto tempo. Afirma não ter problema médico, pelo que sabe, e que não toma medicamento. Sua história familiar é positiva para uma história de esquizofrenia em uma tia materna. No exame do estado mental, a paciente parece deprimida e cansada, embora tenha uma variação normal do afeto. Seus processos de pensamento são lineares e lógicos. Não apresenta risco de suicídio, nem de homicídio, e não relata alucinações ou delírios. Seu exame físico revela uma pressão arterial de 110/ 70mmHg e uma temperatura de 36,5. Sua glândula tireóide está difusamente aumentada, mas não dolorosa. Seu coração bate em velocidade e ritmo regulares. Ela apresenta cabelo áspero e quebradiço, mas nenhuma erupção. Qual é o diagnóstico mais provável? Qual é o próximo passo diagnóstico?

Vistas

Total de vistas

2.392

En Slideshare

0

De embebidos

0

Número de embebidos

673

Acciones

Descargas

8

Compartidos

0

Comentarios

0

Me gusta

0

×