Se ha denunciado esta presentación.
Se está descargando tu SlideShare. ×

As escolas de Joana

Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Cargando en…3
×

Eche un vistazo a continuación

1 de 30 Anuncio

As escolas de Joana

Descargar para leer sin conexión

O livro conta a história de uma menina de oito anos que vive na zona rural com seu pai, mãe e dois irmãos. Sua escola é longe de onde mora, mas para ela nem parece, pois se diverte com as coisas que vê pelo caminho. No percurso, encontra sua tia costureira, suas primas, que vão com ela para escola e sua avó, que é merendeira. Todos sempre têm algo interessante para ensinar à garota: trava-línguas, brincadeiras, matemática no cotidiano e regras de convivência. Este conto foi escrito baseado nas vivências de infância da autora e ilustradora Jamile Menezes, para mostrar que criança não aprende só na escola, mas com tudo e todos ao seu redor.

O livro conta a história de uma menina de oito anos que vive na zona rural com seu pai, mãe e dois irmãos. Sua escola é longe de onde mora, mas para ela nem parece, pois se diverte com as coisas que vê pelo caminho. No percurso, encontra sua tia costureira, suas primas, que vão com ela para escola e sua avó, que é merendeira. Todos sempre têm algo interessante para ensinar à garota: trava-línguas, brincadeiras, matemática no cotidiano e regras de convivência. Este conto foi escrito baseado nas vivências de infância da autora e ilustradora Jamile Menezes, para mostrar que criança não aprende só na escola, mas com tudo e todos ao seu redor.

Anuncio
Anuncio

Más Contenido Relacionado

Presentaciones para usted (20)

Similares a As escolas de Joana (20)

Anuncio

Más reciente (20)

As escolas de Joana

  1. 1. As escolas de Joana copyright texto e ilustrações © 2015 Jamile Menezes PROJETO GRÁFICO E CAPA Jamile Menezes REVISÃO DO TEXTO Kelvin Marinho Cadu Oliveira IMPRESSÃO E ACABAMENTO Empresa Gráfica da Bahia - EGBA Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) P 436 Pereira, Jamile Menezes As escolas de Joana/ Jamile Menezes Pereira: ilustração da autora..- Valença-BA: [s:n], 2015 28p; il. ISBN: 978-85-919950-0-4 “ Este livro foi apresentado como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Artes Visuais na UFRB, 2015.” 1.Aprendizagem- Literatura infantojuvenil 2. Livro e leitura. 3.Atividades criativas na sala de aula. I. Título CDD 23 ed. 028.9 O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura (Prêmio Cultura na Palma da Mão/PABB) via Lei Aldir Blanc, redirecionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.
  2. 2. Para todas as crianças, inclusive as que vivem dentro de cada adulto. “Quem pra chegar na escola leva uma vida... Pra quem essa vida já é uma escola” (Anderson Cunha / Sertanília)
  3. 3. ra uma vez uma menina chamada Joana. Ela morava na zona rural com seu pai, sua mãe e seus dois irmãos. Lá, os trabalhos do dia começavam assim que o sol nascia: seu pai ia para a roça, sua mãe cuidava da casa, ela e seus irmãos ajudavam os pais em alguma tarefa. Joaninha era uma criança de oito anos, mas já sabia que tinha responsabilidades e cumpria todos os seus deveres. Sua escola era bem longe de onde morava, mas para ela nem parecia, pois era uma menina observadora e sensível que se divertia inventando histórias e músicas com as coisas que via pelo caminho. E
  4. 4. Um dia, Joana acordou cedo e foi tomar seu café da manhã. Na mesa tinha bolo de fubá, biscoitos, café com leite, suco de acerola e pão com manteiga: tudo feito pela sua mãe. Depois, arrumou a casa, lavou os pratos e foi fazer seu dever de casa, da matéria de geografia.
  5. 5. Era para fazer um desenho sobre o relevo, mas Joaninha não entendeu direito e pediu ajuda ao seu pai, que disse: – Olha aquele lugar bem alto onde fica a igreja, filha. Lembre-se da praia onde a gente tomou banho nas suas férias e da roça de banana, que é bem plana. Joana imaginou, lembrou de tudo e disse: – Sim, papai, lembrei. E agora? E seu pai disse, um pouco confuso: – Olha, eu sei que isso é relevo, mas o nome eu não lembro... Tem tempo que eu saí da escola. Só sei que a igreja fica na montanha, a roça de banana fica numa plan... planagem... – Planalto, planície, montanha e mar! É isso mesmo! Agora eu me lembrei da professora explicando! Valeu, papai!
  6. 6. Joana saiu de casa bem cedo para chegar na escola no horário. Passou na casa da sua tia, que estava costurando, mas parou para cumprimentá-la. – Oi, titia! Que jarro bonito na sua mesa! E sua tia disse, sorrindo: – Oi, minha linda! Por falar em jarro, vou te ensinar um trava-língua: “Em cima da mesa tem um jarro Dentro do jarro tem uma aranha nem a aranha arranha o jarro nem o jarro arranha a aranha”. – Vou treinando no caminho para a escola! Joaninha foi pensando em como as palavras podem ter significados diferentes só por causa de uma letra.
  7. 7. Joana passou pela roça de cacau do seu pai, onde ela aprendeu que as copas das árvores não são só verdes: podem ser vermelhas, roxas e até amarelas. Depois, ela passava por uma casa de farinha e todos paravam de raspar mandioca por um instante para vê-la passar. Joaninha era tímida, apenas sorria e andava bem rápido, porque não gostava de ser olhada por tanta gente.
  8. 8. Joana encontrava sua prima Ana e iam juntas para a escola. Então, as duas caminhavam em direção a um pasto cheio de bois, mas andavam devagar, pois às vezes os bois corriam atrás delas. Seguiam até perto da vargem, uma planície inundada que fica na margem de um rio, e chamavam sua outra prima, Eva. Enquanto esperavam embaixo de uma árvore, trocavam cartinhas falando de amizade, com versinhos e desenhos que elas mesmas faziam uma para outra.
  9. 9. jaqueiras, pés de jambo, seriguela, c a c a u , jabuticaba e várias outras frutas. Eva morava num lugar be m a l t o e rodead o d e árvores:
  10. 10. Chegando na escola, Joana foi direto falar com a merendeira, que era sua avó. As crianças da escola costumavam fazer fila para pedir “bença, tia Tonha!”, mas só Joana dizia “bença, vovó!” e conversava sobre sua mãe e sobre seus irmãos com a simpática senhora que trabalhava há muito tempo fazendo a merenda.
  11. 11. Quando começou a aula de matemática, Joana sentiu um frio na barriga: era a matéria de que menos gostava. Nunca entendeu para quê tanto número, não sabia fazer conta de cabeça e sempre usava os dedos dos pés quando a conta era muito grande. Nesse dia, a aula era sobre divisão e a professora falou tanto número, tanto “noves fora, zero” que Joana ficou com dor de cabeça. Os números não entravam de jeito nenhum na mente dela e, de tanto eles baterem para entrar, a cabeça doeu. Então, ela pediu licença, saiu da sala e foi conversar com a sua avó.
  12. 12. – Poxa, vovó! Eu odeio matemática! Nunca vou usar isso na vida! Quando eu crescer, quero ser artista! Eu adoro desenhar com Ana e Eva, mas a gente briga por causa dos hidrocores: uma quer pegar mais que as outras e aí discutimos. Parece que elas não sabem dividir as coisas... – Mas, Joaninha, você disse que não gosta de matemática, que não vai usá-la para nada, mas acabou de dar um exemplo de como os números são importantes. – Oxe, vovó, nada a ver! Eu tô falando de desenho, de briga... O que isso tem a ver com matemática? – Ô, minha netinha... Pegue uns hidrocores ali que eu vou te explicar.
  13. 13. Joana foi até a sala e pegou um estojo com 24 hidrocores. Então sua avó começou a explicar: – Aqui temos 24 hidrocores, certo? Se você e suas primas quiserem desenhar e cada uma tiver que ter a mesma quantidade, o que vocês devem fazer? – Brigar? – Não, menina, que maluquice! Vocês têm que dividir! 24 hidrocores divididos para três pessoas, quanto dá? Então, a menina foi separando um para cada, dividindo em três grupos com oito cores.
  14. 14. Aos poucos, Joana percebeu: o que ela estava fazendo também era matemática. É possível percebê-la no cotidiano, não só com hidrocores, mas com as frutas, com os brinquedos, com as datas, com as horas... Por falar em horas, já estava quase na hora do recreio quando Joaninha agradeceu à avó, pois agora não odiava tanto os números: eles estão em todo lugar e não têm como fugir. Então, a garota foi feliz para a sala e conseguiu resolver todas as contas de divisão que a professora passou. Quando deu a hora do recreio, ela saiu mais alegre ainda para brincar.
  15. 15. Brincadeiras são coisas sérias e quem desobedece às ordens acaba bagunçando tudo e ninguém brinca. Sem perceber, Joana foi aprendendo regras de convivência: a respeitar o colega, a ajudar o próximo e a segurar na mão de todo mundo. No recreio, Joaninha chamou Ana e Eva para brincarem de “Adoleta”, “Amarelinha”, “Chicotinho queimado”, “Três-três passará” e “Pobre de marré deci”. Elas aprendiam essas brincadeiras com as crianças mais velhas e brincavam seguindo as mesmas regras, mesmo sem entender.
  16. 16. O recreio acabou e a professora pediu aos alunos para retornarem à sala. Joana voltou pensativa, lembrando-se de tudo que tinha acontecido durante o dia, dos seus pais que só tinham estudado até o quinto ano e sabem mais coisas do que ela, que estuda na escola há um tempão. Lembrou-se da conversa que teve com sua avó e se perguntou como ela entendia tanto de matemática sem ter estudado quase nada. Pensou na professora e em como deve ser difícil ensinar várias matérias para tanta gente e depois ficou sorrindo sozinha, lembrando-se das brincadeiras com suas primas e das quedas que tinha tomado, brincando de pega-pega. Agora ela estava ali, de pé, pronta para aprender mais coisas com a professora, com sua avó, com suas amigas e com todo mundo que ela conhecia.
  17. 17. A aula de português começou e a professora pediu para que todos escrevessem um texto sobre o que tinham aprendido durante o dia. Alguns escreveram rapidinho, entregaram e foram embora. A aula acabou e Joana já estava escrevendo a segunda página, então a professora se aproximou e perguntou o que ela tanto escrevia. O texto de Joaninha dizia o seguinte:
  18. 18. Hoje eu aprendi que acordar cedo é ruim, mas também é bom porque dá para fazer um bocado de coisas. Aprendi que a comida que mamãe faz é mais gostosa, porque ela faz com muito carinho para que todo mundo coma bastante e não fique com fome. Aprendi com minha tia que temos que tomar cuidado com as palavras, porque às vezes queremos dizer uma coisa e dizemos outra. Aprendi também que papai e vovó são bem inteligentes, mesmo não tendo estudado na escola tanto tempo que nem eu, porque, toda vez que eu pergunto uma coisa, eles sabem. Aprendi que meus irmãos são chatos, mas quando eu preciso de alguém para me ajudar nos trabalhos, eles me ajudam. Aprendi com o povo da casa de farinha que sempre vai ter alguém olhando para você, mesmo que você não queira. Aprendi com os bois que, mesmo com pressa, é importante andar devagar. Aprendi com minhas primas que é muito bom ter amigos, porque a gente pode conversar, brincar, escrever cartas e, mesmo que a gente brigue por causa dos hidrocores, tudo bem, porque 24 dividido por 3 dá 8.
  19. 19. Aprendi que na hora da brincadeira todo mundo é igual, porque até as meninas do 5º ano brincam com quem é do 3º, os meninos brin- cam com as meninas e todo mundo se diverte. Aprendi com a professora que deve ser chato ensinar pra muita gente, porque ficam gritando na sala e a cabeça dela deve doer. Mas ela é legal porque consegue ensinar muitas coisas legais também. Hoje mesmo ela me ensinou que o texto deve começar com letra maiúscula e afastado da margem, não sei por que, mas eu escrevi assim, pois papai disse que a gente tem que obedeser aos mais velhos. Obs: Agora a professora me disse que obedecer é com c e não com s. Ela tá aqui do meu lado lendo meu texto, disse que é lindo o que eu escrevi e escorreu uma lágrima do olho dela. Será que ela tá triste porque eu demorei? Vou entregar logo antes que ela chore mais. Um beijo, pró, te amo! Quero tirar 10, viu? Ass: Joana
  20. 20. A nossa vida também é uma escola. E você, o que aprendeu hoje?
  21. 21. Crie seu próprio livro ilustrado! Utilize folhas de ofício; Dobre ao meio; Perfure com ajuda de um adulto; Deixe os furos no meio das folhas; Coloque fitas entre os furos; Faça um laço; Use sua criatividade para decorar!
  22. 22. Conte sua história! Depois de fazer seu livrinho, responda às perguntas a seguir e crie sua própria história, falando sobre sua família, escola e amigos(as). 1. Sua escola é longe da sua casa? Desenhe as pessoas e lugares que você vê no caminho. 2. Você conhece algum trava-língua? Escreva e ensine para seus/suas amigos(as). 3. Você já escreveu uma carta? Desenhe o(a) seu/sua melhor amigo(a) e escreva uma cartinha para ele(a). 4. Desenhe a merenda que você mais gosta. 5. Qual a matéria que você mais gosta e a que menos gosta? Por quê? 6. Desenhe o(a) funcionário(a) mais legal da sua escola. 7. Qual a brincadeira que você mais gosta? Desenhe você e seus/suas amigos(as) brincando e escreva como se brinca. 8. Escreva um texto falando sobre o que você aprendeu hoje e com quem. Solte sua imaginação, escreva e desenhe sobre sua vida!
  23. 23. Para a família e educadores(as)
  24. 24. A contação de histórias é uma forma de passar conteúdos didáticos e relacionar temas interdisciplinares, estimulando o desenvolvimento cognitivo e incentivando a busca pelas memórias, a oralidade e o ato performático de criar e interagir. O ensinamento de valores, costumes e crenças típicos de cada cultura também pode ser transmitido através da contação, pois a educação vai além do ato de ler e escrever: é também a forma como enfrentamos as demandas estabelecidas pela sociedade, como a convivência com pessoas diferentes e o trabalho em grupo. A literatura infantil surge como uma ferramenta imprescindível para a formação do indivíduo, pois é possível despertar sua sensibilidade e percepção através do contato com outros mundos, pessoas e circunstâncias. A família e educadores(as) podem mediar esta relação mesmo antes da criança saber ler, através de rodas de leituras, pois assim ela poderá desenvolver o hábito de ouvir e prestar atenção. Neste momento, a entonação da voz, o gesto, a interação e o encantamento são essenciais para despertar a imaginação dos ouvintes. A utilização desta técnica em sala de aula enriquece o conteúdo, dinamiza a explanação e fortalece a relação entre o(a) educador(a) e os(as) educandos(as), além de desenvolver a criatividade e o pensamento crítico, abrindo caminhos para novas aprendizagens e valorizando as vivências dos(as) envolvidos(as). A importância da contação de histórias
  25. 25. Sugestões de temas para aulas Este livro pode ser utilizado em sala de aula para introduzir objetos de conhecimento de vários componentes curriculares. Converse com os(as) educandos(as) sobre o que acharam da história e relacione com os temas sugeridos abaixo. Geografia: O relevo no cotidiano da criança; Ciências: Estrutura da árvore (caule, raiz, folhas); Explicar por que as copas das árvores possuem várias cores. História: Pesquisar a história das brincadeiras populares; Casas de farinha: como surgiram, para que servem, ainda existem? Português: Trabalhar o gênero de cartas; Apresentar trava-línguas e parlendas; Matemática: Divisão de dezenas; Números no cotidiano.
  26. 26. Jamile Menezes, natural de Valença-BA, é arte-educadora, ilustradora e designer. Gosta de desenhar desde a infância e sempre quis ser artista e professora. Sua família tem músicos e fotógrafos que incentivam e valorizam os seus trabalhos artísticos, por isso cursou Artes Visuais na UFRB e fez uma especialização em Arte Educação na UFBA. Interpreta a Boneca Zazá, contando histórias e brincando com crianças, para relembrar essa fase tão mágica que foi sua infância na zona rural, com seu pai, sua mãe, seus dois irmãos e suas primas, divertindo-se no caminho para a escola, assim como a personagem Joana. Essa história foi escrita inspirada em suas vivências, para mostrar que criança não aprende só na escola, mas com tudo e todos ao seu redor. Contato: jamile.artefoto@gmail.com instagram.com/jammenezes facebook.com/bonecazamilia Sobre a autora e ilustradora
  27. 27. Joana é uma menina de 8 anos que mora na zona rural com sua família. Sua escola é longe de onde ela mora, mas o caminho é muito divertido. Essa história foi escrita inspirada nas vivências da infância da autora e ilustradora, para mostrar que criança não aprende só na escola, mas com tudo e todos ao seu redor. Apoio financeiro:

×