Se ha denunciado esta presentación.
Se está descargando tu SlideShare. ×

Enogastronomia Espanha

Cargando en…3
×

Eche un vistazo a continuación

1 de 22
1 de 22

Más Contenido Relacionado

Libros relacionados

Gratis con una prueba de 30 días de Scribd

Ver todo

Enogastronomia Espanha

  1. 1. Espanha regiões vinícolas Prof. Paulo Ferretti
  2. 2. Mapa vinícola da Espanha
  3. 3. Características  Maior extensão vinícola do mundo (1,2 milhões de hectares)  68 regiões oficiais (denominación de origen ou indicación geográfica)  denominación de origen calificada: Rioja.
  4. 4. Regulamentação espanhola  As “Denominaciones de Origen” e “Indicaciones Geográficas” constituem o sistema utilizado no país para o reconhecimento de uma qualidade superior, conseqüência de características próprias e diferenciadas, devido à geografia em que se produz as matérias primas e se elaboram os produtos, somados à influência do fator humano que participa das mesmas.
  5. 5. Vinos de Calidad con Indicación Geográfica É uma qualificação surgida igualmente a partir da Ley de la Viña y el Vino.  São vinhos elaborados em uma região determinada, com uvas procedentes da mesma qualidade, relacionadas ao “meio geográfico, ao fator humano no que se refere à produção da uva, à elaboração do vinho ou ao seu envelheciminto. São identificados mediante termo Vino de calidad de..., seguido do nome do lugar onde se produziu”.
  6. 6. Vinos con Denominación de Origen (DO)  São vinhos espanhóis de prestígio que se originam de áreas de produção delimitada e son elaborados em função de parâmetros de qualidade e tipicidade, estando regulamentada cada DO por um Conselho Regulador que se encarrega de zelar por aspectos relevantes como as variedades de uvas autorizadas, os rendimentos por hectares, as formas de elaboração e os tempos de envelhecimento.  Para que um vinho possa ser amparado pela Denominación de Origen, a zona de produção deverá ter sido reconhecida previamente, ao menos com uma permanência de 5 anos, como vinos de calidad con indicación geográfica.
  7. 7. Regulamentação: Vinos con Denominación de Origen Calificada (DOCa)  Esta categoria está reservada aos vinhos que alcançam alta qualidade durante un extenso periodo de tiempo. A primeira denominação a conseguir foi Rioja, em abril de 1991.  Entre os requisitos necessários para alcançar este status inclui: que tenham passado ao menos10 anos desde o reconhecimento como DO, que todos os produtos sejam comercializados, engarrafados a partir de vinícolas situadas na zona de produção e que sigam um adequado sistema qualitativo de seus organismos de controle e padrão.
  8. 8. Regulamentação: Vinos de Pago É uma das novidades da Ley de la Viña y el Vino (2003) 1. O Vino de Pago caracteriza-se por possuir características particulares e únicas relacionadas diretamente à sua localização (solo, clima, uva...). Sua extensão máxima não poderá igualar-se ou ultrapassar os limites municipais do território em que se localiza. 2.No caso de a totalidade do pago se encontrar dentro de um terrítório que possua a denominación de origen calificada ele também poderá receber o nome de vino de pago calificado contanto que cumpra os requisitos exigidos à tal denominación. 3. Todo o processo (cultivo até engarrafamento) dos vinos de pago deve ser desenvolvido por pessoa ou empresa que seja da mesma localidade de origem do vinho. 4. Tanto as uvas quanto os processos de viti e vinicultura deverão ocorrer na mesma localidade. 5. Deve ser implantado no processo de produção do vino de pago um sistema de qualidade integral, desde o cultivo da videira até a comercialização do vinho. 6. Cada vino de pago deverá contar com um orgão de gestão, sujeito à legislação das comunidades autonomas.
  9. 9. Sistema de envelhecimento  Vino Joven: Também conhecido como Vino del Año, é elaborado para imediata comercialização. Não passa pelo processo de envelhecimento em madeira, ou pelo menos por menor período do que o tiempo establecido legalmente para os vinos de Crianza.   Vino de Crianza: O vinho tinto deve ter passado por um processo de envelhecimento de dos anos, con um mínimo de seis meses em madeira (algumas regiões como Rioja insistem en doze meses) e deve ser posto à venda no seu terceiro ano. Os vinhos rosados e brancos, devem permanecer um ano na vinícola, sendo que seis meses em madeira. Sua comercialização se realiza no segundo ano a partir da safra.
  10. 10. Sistema de envelhecimento  Vino de Reserva: O tinto deve permanecer três anos na vinícola, sendo ao menos um em madeira. Se comercializa depois de quatro anos. Os vinhos rosados e brancos devem ficar dois anos na vinícola, seis meses madeira,e vendidos no seu terceiro ano.  Vino Gran Reserva: Só chegam a esta etapa de envelhecimento as melhores safras. O tinto deve passado ao menos dois anos em madeira e três em garrafa. Podem ser comercializados a partir do sexto ano da safra. Os vinhos rosados e brancos permanecem na vinícola durante quatro anos e ao menos seis meses em madeira. São comercializados também no sexto ano.
  11. 11.  Vasto vinhedo da cepa Tempranillo nos solos argilosos da Rioja Alavesa
  12. 12. A principal uva  Tempranillo  Tinta de Toro  Tinto fino  Tinta del pais  Ull de lebre  Aragonês
  13. 13. Principais regiões  Rioja  Ribera del Duero  Jerez, Xéres, Sherry  Galícia  Priorato  Penedés  Navarra  Toro  Jumilla
  14. 14. Região da Rioja
  15. 15. Vinhas da Sandeman, plantadas na albariza, solo calcário típico de Jerez.
  16. 16.  Videiras da cepa Pedro Ximènes, na propriedade de Bodegas Alvear
  17. 17. História e grandes vinhos Marques de Riscal Marques de Murrieta Bodegas Vega Sicilia Codorniú e Freixenet
  18. 18. Marques de Riscal
  19. 19. Cava de Codorniu no Penedés.
  20. 20. VEGA SICILIA

×