Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Artículo de José Antonio Llorente en Valor Económico

692 visualizaciones

Publicado el

Valor Económico, el diario financiero más influyente de Brasil, dedica media página de su sección de Opinión a este artículo de José Antonio Llorente sobre los desafíos de Brasil en la Cumbre Iberoamericana en Veracruz.

Publicado en: Economía y finanzas
  • Sé el primero en comentar

  • Sé el primero en recomendar esto

Artículo de José Antonio Llorente en Valor Económico

  1. 1. Sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de dezembro de 2014 | Valor | A13 É pelos 20 centavos sim! Cúpula reúne grupos de países que caminham a velocidades diferentes. Por José Llorente “Os EUA são a melhor casa de um quarteirão ruim. O ciclo global está dessincronizado”. De Vincent Reinhart, economista-chefe para os Estados Unidos do Morgan Stanley, para quem a mudança da política monetária pelo Fed deslanchará um ‘teste de estresse em tempo real’ David Kupfer As decisões de investimento concentram-se em reestruturação patrimonial Acoluna passada, “O Câmbio e o Saldo”, de 10 de novembro últi-mo, enfocou os im-pactos da trajetória da taxa de câmbio sobre as decisões de pro-dução dos agentes econômicos. Sugeriu-se que quanto mais vo-látil for essa trajetória, menores em grau ou mais lentos em rit-mo serão os seus efeitos sobre essas decisões devido ao fato primordial de que para bens co-mercializáveis as expectativas quanto ao nível futuro da taxa de câmbio são mais relevantes do que o seu nível corrente. Nesta coluna, a reflexão é dire-cionada para a relação entre a tra-jetória da taxa de câmbio e as de-cisões de investir. Embora o fator expectacional mantenha a sua primazia, é importante ter claro que tratar do investimento requer um quadro analítico mais amplo. Em primeiro lugar, o cálculo eco-nômico deixa de se referir apenas a valores correntes e esperados de custos e receitas e passa a refletir também valores presentes e futu-ros dos diferentes ativos envolvi-dos na formação de capital, alar-gando os horizontes temporais e aumentando as exigências dos agentes em termos do grau de confiança na economia. Em segundo lugar, enquanto nas decisões de produção a volati-lidade do câmbio afeta mais in-tensamente os bens comercializá-veis, nas decisões de investimento seu alcance recai sobre a totalida-de da economia. Isso porque todo e qualquer investimento engloba um conjunto de bens de capital que, sendo comercializáveis, po-dem e, pelo menos em parte, são importados pelo país. Em terceiro lugar, a decisão de investimento é tomada em mó-dulos e, portanto, é mais indivisí-vel, mais irreversível e mais cru-cial para o sucesso dos negócios do que as decisões de produção. A imprevisibilidade quanto à ta-xa de câmbio futura afeta a esti-mativa do custo do investimento e tende a provocar uma preferên-cia por adiar a aquisição do ativo à espera de que mais à frente fi-que mais claro para qual valor a taxa de câmbio está efetivamente rumando. É a chamada preferên-cia pela flexibilidade. A preferência pela flexibilida-de ajuda a explicar porque no Brasil as decisões de investimen-to concentram-se em operações de reestruturação patrimonial que aumentam a eficiência do capital já imobilizado em detri-mento de investimentos em ati-vos realmente novos (green-field), que teriam impacto muito maior sobre a produtividade e o dinamismo da economia. Essa é a essência da hipótese da rigidez estrutural que há anos sustento como a maior mazela enfrentada pelo sistema produtivo brasilei-ro. Vem daí, por exemplo, uma possível razão para o aparente paradoxo representado pela convivência de um nível de utili-zação da capacidade instalada relativamente alto (81,5% cf. CNI, média do primeiro semestre de 2014) com o quadro de virtual estagnação exibido pela econo-mia brasileira no período. Sem pretender sequer arranhar os termos do debate que a teoria econômica reserva para o processo de formação de expectativas, é possível delinear uma explicação. Olhando para trás, percebe-se que nos quatro últimos anos está em curso uma trajetória de desvalori-zação do real em relação ao dólar em degraus de aproximadamente vinte centavos ao ano. Esse proces-so não é linear, havendo um overshooting de outros quinze centavos que, por sua vez, é reverti-do dentro de cada período. Esse movimento pode ser depreendido simplesmente da análise da evolu-ção dos valores das médias móveis de 6 meses e dos máximos das ta-xas de câmbio nominais nesses in-tervalos tomando-se como refe-rência o final do mês de junho de cada ano, a saber: em 2011, R$ 1,61 e R$ 1,67; em 2012, R$ 1,87 e R$ 2,02; em 2013; R$ 2,05 e R$ 2,22 e em 2014, R$ 2,28 e R$ 2,43. No entanto, a despeito dessa trajetória, os agentes se baseiam em um modelo expectacional que associa aumento da inflação hoje com valorização do real amanhã, pois entendem que a âncora cambial ainda é parte ativa da estratégia de estabiliza-ção monetária. Por isso, quando vêem a inflação em ascensão an-tecipam que o real irá se valori-zar (via aumento da taxa de ju-ros) e passam a exercer a prefe-rência pela flexibilidade. Resul-tado: as decisões de investimen-to são adiadas em toda a econo-mia, incluindo as atividades de serviços nas quais as decisões de produção podem ser mais imu-nes à volatilidade do câmbio, mas não as de investimento. Essa (falta de) dinâmica é par-ticularmente preocupante dian-te do fato de que o ciclo de inves-timento em andamento na eco-nomia brasileira está apoiado na expansão da infraestrutura sen-do, portanto, muito capital-in-tensivo e envolvendo muita tec-nologia incorporada nos bens de Provavelmente ninguém fez tanto pela integra-ção ibero-americana co-mo o recém-falecido Roberto Gómez Bolaños, com seus inesquecíveis personagens Chaves e Chapolin Colorado. Em espanhol ou português, ele con-seguiu nos mostrar um pouco da realidade da nossa região em ca-da uma de suas histórias. E talvez esse seja o ambiente que muitos esperam encontrar no México, sua terra natal, durante a XXIV Cúpula Ibero-americana, hoje e amanhã na cidade de Veracruz. Mesmo com a Educação e a Ino-vação como eixos centrais do en-contro, o panorama econômico da região para o próximo ano sem dúvida marcará grande parte das discussões. E a participação confir-mada de pelo menos 20 presiden-tes parece endossar ainda mais a importância do debate. No ano passado, no Panamá, um número ainda menor esteve presente. Porém,estanãoseráumadiscus-são fácil em uma Ibero-América que caminha a duas velocidades: de um lado estão os países da Aliança do Pacífico. Chile, Colôm-bia, México e Peru chegam ao en-contro com perspectiva de cresci-mento que vai desde 2%, no Chile, até os quase 4,8% na Colômbia, de acordo com o FMI, e com a firme in-tenção de seguir investindo em processos de liberalização econô-mica. E apoiados por uma econo-mia mexicana revitalizada que pre-vê um crescimento acima do 3%. Do outro lado, o bloco do Mer-cosul, mais propenso ao prote-cionismo, chega a Veracruz com um cenário mais pessimista: com exceção do Paraguai e Uruguai (com crescimentos em torno ao 4% e 2,8%, respectivamente), Bra-sil, Argentina e Venezuela aguar-dam por um ano difícil. Argenti-na e Venezuela com números ne-gativos de crescimento, enquan-to o Brasil terá que se esforçar muito para superar o 1%. Entre esses dois blocos, países como a Bolívia, Panamá ou Repú-blica Dominicana esperam, de acordo com o FMI, crescimentos espetaculares acima de 5%. Diante de um cenário tão desi-gual, somado à ausência confir-mada de Cristina Kirchner, o Bra-sil tem o desafio de dar um passo a frente e assumir o papel de pro-tagonista no México. Quer pela simples necessidade de fortalecer os laços comerciais com os seus “vizinhos prósperos”, ou porque capital. Estrategicamente, isso implica perceber que para reto-mar uma taxa mais robusta de in-vestimento não basta lubrificar os circuitos regulatórios e de fi-nanciamento que vem travando a aceleração dessas obras. Se as indústrias fornecedoras não lo-grarem reverter mesmo que par-cialmente o hiato de competiti-vidade que se acumulou nos úl-timos anos, e principalmente, não intensificarem o ritmo de inovação, as pesadas importa-ções de bens de capital poderão contaminar o processo de inves-timento com o virus da prefe-rência pela flexibilidade. Nesse ponto, cabe lembrar as manifestações de junho de 2013 cuja irrupção foi motivada — o que não quer dizer explicada — pelo aumento de vinte centavos de real nos preços das passa-gens de ônibus. Com relação à taxa de câmbio, cabem mani-festações similares em favor de uma condução mais decidida da política cambial. É pelos vin-te centavos sim! Ironias à parte, feliz ano velho para todos nós. David Kupfer é professor licenciado e membro do Grupo de Indústria e Competitividade do Instituto de Economia da UFRJ (GIC-IE/UFRJ) e assessor da presidência do BNDES. Escreve mensalmente às segundas-feiras. E-mail: gic@ie.ufrj.br) www.ie.ufrj.br/gic. As opiniões expressas são do autor e não necessariamente refletem posições do BNDES. o crescimento de toda a região necessita de um “Brasil saudável”, especialmente diante de um ce-nário internacional de redução na demanda de matérias-primas. Mas não é só isso. As melhores perspectivas do México — impul-sionado pela recuperação dos Es-tados Unidos — ameaçam roubar os investimentos que poderiam vir para o Brasil. E o Brasil não se pode dar ao luxo de perder um trem que já avança a uma veloci-dade maior que a sua. A presença da Espanha pode ser útil tanto por ser o segundo maior investidor estrangeiro no Brasil, como pela necessidade de viabilizar o acordo entre o Merco-sul e a União Europeia. E Veracruz pode abrir novos caminhos. Como dizem os especialistas, a Espanha saiu do poço mas ainda está no purgatório. Ainda que os sinais de recuperação convidem ao otimismo, o fantasma de 23% de desemprego reflete o fato que, al-gumas vezes, a economia melhora sem melhorar a vida das pessoas. Assim, também a Espanha es-pera que o Brasil seja esse sócio que tanto precisa, para continuar sendo um dos principais desti-nos da suas empresas, mas tam-bém para ter mais e maiores in-vestimentos brasileiros. Depois de um período de des-confiança, os primeiros sinais do segundo mandato de Dilma Rousseff têm sido bem recebidos pelos empresários no Brasil. Ago-ra essa mensagem deve chegar aos vizinhos da Ibero-América e do mundo. E a cúpula ibero-ame-ricana será essa oportunidade. Mas, junto a estas complexida-des econômicas, existe também o desafio político de liderança regio-nal. Com o México atravessando dificuldades institucionais e a pró-pria Espanha em um processo de transição política e econômica, a região requer que a diplomacia brasileira assuma, como já fez no passado, a liderança que lhe cor-responde. O Brasil deve ser o gran-de articulador da região diante dos diferentes blocos e foros inter-nacionais. Isto também é parte do fortalecimento institucional que se espera deste governo nos espa-ços internacionais. Hoje, mais do que nunca, a diplomacia tem a oportunidade de se consolidar co-mo questão de Estado, acima de qualquer outra questão, social, econômica ou política. Apesar das complexidades polí-ticas que o país enfrenta hoje, a Cú-pula Ibero-americana é a oportu-nidade que o Brasil tem para colo-car em prática o seu compromisso assumido com a inovação e educa-ção. O país é, junto com a Espanha e Portugal, o único da região a in-vestir mais de 1% de seu PIB em pesquisa e desenvolvimento tec-nológico. É verdade que deveria (e deve) ser mais, porém é inegável que este é um país de grandes em-presários e com uma inesgotável capacidade para inovar. E, em mo-mentos em que as grandes empre-sas do país se encontram no centro de uma crise provocada por obscu-ras gestões é importante não es-quecer o seu papel como referên-cia para toda Ibero-América. Manter a constância em ciclos de crescimento depende da capa-cidade para inovar. Para transfor-mar riqueza em mais riqueza. E se existe uma parte do continente que deseja manter o seu ciclo de prosperidade, existe outra que de-seja muito retomá-lo. E no meio está o Brasil, o gigante do qual to-dos esperam alguma coisa. Sem dúvida, a Cúpula de Vera-cruz pode ser o momento espera-do para que o país retome o cami-nho do crescimento e a liderança a partir da educação, da inovação e da integração ibero-americana. Como bem dizia o personagem Chaves “acho que é bem difícil amar inimigos, mas amar os idio-tas é quase impossível”. José Antonio Llorente é sócio fundador e presidente da Llorente & Cuenca. Cartas de Leitores Desafios do Brasil em Veracruz Frase do dia Corrupção e trens Após excelente trabalho, a Polí-cia Federal encerrou as investiga-ções e acusou 33 pessoas como suspeitas de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, evasão fiscal, fraude licitatória, formação de quadrilha e outros crimes no cartel de trens em São Paulo, durante o governo do PSDB (1998 - 08). Entre os acusa-dos, então ex diretores de em-presas como Siemens e Bombar-dier, o deputado federal José Aníbal (PSDB) e o ex presidente da CPTM. Por aí se vê o tamanho da corrupção, licitações frauda-das, obras superfaturadas e des-vio de verbas públicas que impe-ram no país, sangrando os cofres públicos em bilhões de dólares. Seja o partido político que for, a corrupção é um crime nefasto, com gravíssimas consequências para toda a sociedade e que não pode ficar impune'. Renato Khair renatokhair@uol.com.br Nova equipe O governo por enquanto caiu na real e não chama mais os analis-tas econômicos de pessimistas. E dando mostras de que quem vai mandar mesmo na economia não será mais a Dilma, mas sim o novo indicado para o ministério da Fazenda, Joaquim Levy, final-mente a comunicação do Planal-to se alinha com a do mercado e de forma realista reduz de 2% pa-ra 0,8% a projeção de crescimen-to do PIB para 2015. Até quando a presidente vai obedecer esta nova ordem, eu não sei. Mas, que é um bom começo, e melhor ain-da para o país, que se respeite as regras do mercado, isso eu não tenho dúvidas. Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com ● Ao projetar um crescimento de 0,8% para o PIB em 2015, pratica-mente coincidindo com o bole-tim Focus (0,77%) e incorporan-do à proposta de Lei de Diretri-zes Orçamentárias (LDO) de 2015, ora encaminhada ao rela-tor da matéria no Congresso, a equipe econômica do segundo mandato da presidente Dilma mostra sua disposição em traba-lhar com as perspectivas de mer-cado, bem distante, portanto, das projeções delirantes que vi-goraram nos últimos anos e que sempre se chocaram com a reali-dade. Tal novidade deve ser sau-dada como um grande avanço na direção certa. Dirceu Luiz Natal dirluna@gmail.com Previdência O crescimento da expectativa de vida do brasileiro é um dado muito importante, refletindo o momento que estamos passan-do. Mas isto cria um problema para que o sistema previdenciá-rio continue funcionando. Este é um assunto que exige avaliação na busca de alternativas que pos-sam evitar crises futuras, por fal-ta de verba para cobrir as apo-sentadorias. Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br Diante de um cenário tão desigual, o Brasil tem o desafio de dar um passo a frente e assumir o papel de protagonista. O crescimento da região necessita de um “Brasil saudável”, em especial diante de um cenário internacional de redução na demanda de matérias-primas Opinião Correspondências para Av. Francisco Matarazzo, 1.500 - Torre New York - CEP 05001-100 - Água Branca - SP ou para cartas@valor.com.br, com nome, endereço e telefone. Os textos poderão ser editados.

×