Publicidad
Uma biografia de Freud.pdf
Uma biografia de Freud.pdf
Uma biografia de Freud.pdf
Uma biografia de Freud.pdf
Publicidad
Uma biografia de Freud.pdf
Uma biografia de Freud.pdf
Uma biografia de Freud.pdf
Uma biografia de Freud.pdf
Uma biografia de Freud.pdf
Publicidad
Uma biografia de Freud.pdf
Uma biografia de Freud.pdf
Próximo SlideShare
Sigmund freudSigmund freud
Cargando en ... 3
1 de 11
Publicidad

Más contenido relacionado

Más de Luiz Henrique Pimentel Novais Silva(20)

Publicidad

Último(20)

Uma biografia de Freud.pdf

  1. 1 O interesse pela biografia de Freud tem uma motivação maior do que simples- mente a de se conhecer datas e fatos re- lativos à sua pessoa. A teoria que ele criou parece estar inextricavelmente as- sociada às peculiaridades da sua vida e conhece-las é, pois, essencial para bem compreender-se o que ele produziu teo- ricamente. Jacob, o pai de Freud, nasceu em 1815 na Tismênica, cidadezinha que fi- cava localizada na Galícia Oriental, pro- víncia do antigo Império Austro- Húngaro. Amalie Nathason, sua mãe, também nasceu lá, em 1835. Assim, ela era cerca de 20 anos mais nova que o marido e foi, como se verá, a terceira esposa do pai de Freud. As gerações mais antigas da família tinham o sobrenome Freide, que, em al- gum momento, mudaram para Freud, talvez por motivos religiosos. Ainda jo- vem, ele também mudou seu prenome, de Sigismund para Sigmund, por razões que não são bem conhecidas. O avô de Freud era mascate e tinha o costume de levar o filho Jacob (que viria ser o pai de Freud) em suas andanças, o que deve ter possibilitado a este adqui- rir uma visão de mundo além da estrita cultura judaica. O pai de Freud comerci- ava lãs entre as províncias da Galícia e da Moravia, e num certo momento mu- dou-se da primeira para a segunda, onde Freud viria a nascer. Aos dezesseis anos, ainda em Tismênica, desposou Sally Ka- ner com quem teve dois filhos: Emma- nuel (nascido em 1832) e Philippe (nascido em 1836). Sally faleceu em 1852, após o que Jacob parece ter vagado por vários lugares na Europa e ter tido uma breve união com uma outra mulher, chamada Rebeca, da qual tem-se poucas notícias. Em 1855, casou-se novamente com a- quela que viria a ser a mãe de Sigis- mund. Nesta época ele já era avô porque seu filho mais velho do primeiro casa- mento já tivera o primeiro de seus fi- lhos, John, nascido em 1854. Uma se- gunda filha dele, Pauline, nasceria em 1856 e uma terceira, Berta, em 1859. Freud nasceu as 18:30 horas do dia 06 de maio de 1856, uma terça-feira, em Freiberg, uma cidadezinha de 6.000 ha- bitantes, no nordeste da Morávia. A ci- dade estava localizada em território do que era, na época, o Império Austro- Húngaro, mas que com as mudanças de fronteiras posteriores fica hoje localiza- da na República Tcheca. Freiberg, atu- almente Pribor, dista 240 km. de Viena, para onde a família de Freud se mudou, quando ele tinha pouco mais de três a- de Frieberg a Londres Uma biografia de Freud
  2. 2 nos de idade, e lá se estabeleceu, depois de ter passado alguns meses em Leipzig. O Império Austro-Húngaro era, na época, uma vasta extensão de terras que incluía, além das atuais Áustria e Hun- gria, parte do norte da Itália e daquilo que veio a ser a Iugoslávia, além de ou- tros territórios vizinhos. O Império or- gulhava-se de seu poderio, tinha um Imperador jovem - Francisco José - e uma bonita Imperatriz - Sissi. Freud viveu quase toda a sua vida em Viena e só deixou a cidade em 1938, um ano antes de sua morte, vitimado pela perseguição que os nazistas movi- am aos judeus e da qual tanto ele como sua família foram alvos. Sua filha Ana chegou a ser presa e interrogada pela Gestapo e quatro de suas cinco suas ir- mãs morreram em campos de concen- tração. Graças ao reconhecimento inter- nacional com que já contava e às inter- venções do embaixador dos Estados Unidos, William Bullitt, e da condessa Marie Bonaparte, da Grécia, os alemães permitiram a emigração de Freud para Londres. Suas obras, no entanto, foram proibidas de circular e queimadas em praça pública. O fato de ter vivido em Viena não foi sem conseqüências benéficas. Em fins do século XVIII e início do XIX a cidade era exuberante em todos os sen- tidos. As artes e as ciências estavam em pleno florescimento e ela disputava com Paris a liderança mundial da cultura. Lá trabalharam os principais luminares de vários campos do conhecimento e, na Medicina, quase todos foram professo- res de Freud. Sigismund foi o primeiro filho do terceiro casamento de seu pai e teve sete irmãos, dos quais apenas ele e o caçula, Alexander, exatamente dez anos mais novo que ele, eram homens. Aquele que seria o terceiro homem (Julius, o segundo filho de Amalie), morreu ainda recém nas- cido, quando Sigismund contava deze- nove meses de idade. Refletindo o espí- rito da época e já demonstrando gosto pelas analogias, de que foi pródigo, Freud comparava sua família a um livro, do qual ele e o irmão constituíam a capa que protegia páginas, as irmãs Ana, Ro- sa, Marie, Adolphine e Paula. Quando Sigismund nasceu, sua mãe tinha vinte e um anos e seu pai, mais de quarenta. Seu sobrinho e principal com- panheiro de infância era um ano e meio mais velho que ele e Pauline, a sobrinha, apenas seis meses mais nova. Muitos autores-biógrafos acham que esta pecu- liar constituição da família tenha sido muito intrigante para a criança e tenha motivado algumas das as suas futuras teorias. A família era de posses modestas e quando o ramo de negócios de seu pai entrou em crise este foi forçado a mu- dar-se para Viena, onde ele continuou no mesmo ramo de atividade, mas pro- vavelmente passou a receber também ajuda de Emmanuel e Philippe, que ha- viam emigrado para Manchester, na In- glaterra, onde tinham se tornado relati- vamente prósperos.
  3. 3 Freud parece ter sido, desde peque- no, muito devotado aos estudos. Por sete anos seguidos foi o primeiro de sua turma e graduou-se no Gymnasium com louvor, aos 17 anos. Leu Shakespeare desde pequeno e para ler o Dom Quixo- te no original, aprendeu sozinho o espa- nhol. Sua aversão pela música, no entan- to, era proverbial, no que parece ter contado com apoio dos que o cercavam. Quando entravam em conflito o piano da irmã e os estudos dele, a família sem- pre se decidia em favor do segundo. No entanto, quando adulto, costumava ir à opera de Viena. Na infância, Freud teve uma babá que o levava à missa católica, mas ele nunca chegou a aderir a qualquer con- vicção religiosa. Ao contrário, escreveria mais tarde, em 1927, o texto O futuro de uma Ilusão, no qual consideraria as religi- ões como falácias. Por toda a vida, no entanto, conservou hábitos judeus. Ao completar trinta anos de idade, seu pai presenteou-lhe com uma Bíblia, que ele parece ter lido apenas com interesse ci- entífico. Em sua juventude Freud era inclina- do à especulação, a qual foi depois subs- tituída por apaixonada defesa do empi- rismo e à qual retornaria em seus textos do final da vida. Depois de cogitar de uma carreira de Direito, cogitação que logo abandonou, estudou Medicina, in- gressando na Universidade de Viena em 1873, graduando-se a 30 de março de 1881. Os oito anos que passou na Fa- culdade, quando o seu curso podia ter sido concluído em cinco, não foram de- vidos à insuficiência de seus dotes inte- lectuais, mas aos interesses diversifica- dos que o levaram a atividades a que não estava obrigado, inclusive aulas de filosofia, com Franz Brentano. Segundo ele, sua decisão pela Medicina foi toma- da ao ouvir uma conferência de Karl Brühl sobre o poema de Göethe, ’Da Natureza’. É interessante observar que ela tenha sido motivada não por uma sessão em que se exibisse um conheci- mento empírico da Natureza, mas por uma que a tratava de forma especulativa. Mais tarde ele diria que “em nenhum momento sentia uma inclinação especial pela carreira de médico... e era movido, antes, por uma espécie de curiosidade dirigida para o gêne- ro humano do que para os objetos naturais’ e que ‘depois de 41 anos de atividade médica, meu auto-conhecimento me diz que nunca fui realmente um médico no sentido próprio. Tornei- me médico ao ser compelido a me desviar de meu propósito original; e o triunfo de minha vida consiste em eu ter, depois de uma longa e tortuo- sa jornada, encontrado o caminho de volta para minha trajetória inicial”. (Pós-Escrito de 1927 a “Um Estudo Autobiográfico”, ESB., Imago Editora, Vol. XX). Entre 1876 e 1882 Freud trabalhou no laboratório de fisiologia de Ernst Brücke, o qual abandonou a conselho do mestre, premido por necessidades financeiras. A partir de 1882 prestou serviços em diversos departamentos do Hospital Geral de Viena, de modo espe- cial no de neuropatologia, então chefia-
  4. 4 do pelo Dr. Scholz. Aos 29 anos tor- nou-se professor de neuropatologia. Em 1884 recebeu de um laboratório farmacêutico, para estudos, amostras de uma planta originária da América do Sul, a coca. Sem saber ainda dos malefícios do seu princípio ativo, a cocaína, entusi- asmou-se com as suas propriedades eu- forisantes e anestésicas e pensou que ela poderia ser útil no tratamento da neuras- tenia. Ao usá-la na tentativa de tratar um colega de trabalho no laboratório de fi- siologia, o qual adquirira um vício pela morfina, acabou ocasionando a substitu- ição daquela dependência pela da cocaí- na, da qual aquele amigo veio a falecer. Deixou escapar por pouco o reconhe- cimento do efeito anestésico dela e o mérito a respeito coube a Koeller, um oftalmologista, que a usou com esse propósito em cirurgias oculares. Como precisava ganhar dinheiro, en- tre outras razões porque desejava casar- se, Freud acabou acatando o conselho de Brücke e começou a atender pacien- tes. Iniciou sua clínica como neurologis- ta e logo se interessou pela histeria, à época muito incidente e ainda misterio- sa. Freqüentemente a enfermidade con- fundia-se com condições neurológicas porque seus sintomas às vezes consisti- am em paralisias, espasmos, tremores etc. O tratamento dela envolvia, então, eletroterapia, massagens, repouso e... sugestão hipnótica. Em 1892 um prestigioso médico vi- enense, Joseph Breuer (1845-1925), que conhecera no laboratório de Brücke, re- latou-lhe o tratamento de um caso de histeria que havia conduzido dez anos antes - entre dezembro de 1880 e junho de 1882 -, no qual utilizara a hipnose de um modo diferente do tradicional. Empre- gara-a não para produzir sugestão, mas para possibilitar uma conversação minu- ciosa com a paciente - que passou à história da psicanálise com o codinome de Ana O -, durante a qual ela conseguia acesso a lembranças que já haviam sido perdidas na vida de vigília, mas que guardavam relações com seus sintomas. Ao recor- dá-las a moça experimentava as emo- ções que deveriam ter sido desencadea- das pelas situações originais, mas que por quaisquer motivos não haviam sido expressas então. Dessa maneira ele veri- ficou que rastreando os sintomas até su- as origens eles desapareciam, sem que nenhuma sugestão tivesse de ser feita nesse sentido. A esse modo novo de u- sar a hipnose ele denominou método catár- tico. Breuer deparou-se, contudo, com o que julgou ser uma complicação do seu método: a paciente desenvolveu fortes emoções eróticas a seu respeito e ele, assustado, abandonou o caso e essa forma de tratar. Freud sentiu-se vivamente interessa- do pelo método e começou a praticá-lo, verificando que os fatos relatados por Breuer ocorriam com regularidade e e- ram comuns a todas as pessoas. Sob hipnose era possível recuperar lembran- ças perdidas que ao serem recordadas mobilizavam emoções que haviam sido retidas à época dos acontecimentos ori-
  5. 5 ginais. Os sentimentos eróticos surgiam sempre, mesmo quando o hipnotizador não oferecesse qualquer pretexto para tal, fato que mais tarde ele viria a deno- minar transferência e que se tornaria a pe- dra angular da terapia psicanalítica. Abandonando a hipnose, Freud cria- ria o método das associações livres, uti- lizado atualmente. A partir daí e de ou- tras experiências mais, ele observara que mantendo as pacientes recostadas sobre um divã e deixando-as falar livremente sobre tudo que lhes ocorresse à mente, poderia chegar a resultados parecidos com os do método catártico. Observou que tanto hipnotizadas quanto em vigília as pacientes apresentavam dificuldades e mesmo oposições em resgatar recorda- ções penosas e chamou a isso de resistên- cia. Na hipnose procurava vence-las de modo ativo, por meio de sugestões, per- suasões e pressões; com a paciente a- cordada tentava supera-las conversando sobre elas, tornando-as conscientes, isto é, realizando uma análise psíquica, como dizia na época. Depois de vencer a barreiras que se antepunham a um judeu, recebeu uma bolsa para estagiar em Paris, com Char- cot, no hospital de La Salpetiere, onde esteve entre outubro de 1885 e março de l886. Lá aprendeu que a histeria po- dia ser criada e removida por meio da hipnose, prática que não era bem vista no meio científico de Viena. Com o fito de aperfeiçoar-se na sugestão hipnótica voltou à França em 1889, desta vez a Nancy, onde estagiou com Liebault e Bernheim. Na volta de seu estágio em Paris, a- briu seu consultório em Viena, na R- thausstrasse, em 07 de abril de 1886 e em setembro do mesmo ano casou-se com Marta Bernays, de Hamburg, com a qual achava-se comprometido desde ju- nho de 1882. Com ela trocou uma copi- osa correspondência, hoje inteiramente publicada. (Mais de 900 cartas!). Parece ter tido uma vida conjugal fe- liz da qual resultaram seis filhos. [Ma- thilde (1887), Jean Martin (1889), Oliver (1891), Ernst (1892), Sophie (1893) e Ana (1895)], dos quais só a última se- guiu seus passos e se tornou psicanalista. Freud publicou em 1893, juntamente com Breuer, os Estudos Sobre a Histeria, nos quais pode-se ver a passagem pro- gressiva do método catártico para o das associações livres. Neles, Breuer lançou sua famosa idéia dos estados hipnoides, para justificar que as emoções ficassem retidas originariamente, à qual Freud a- deriu a princípio e rejeitou logo depois. Por tais estados ele entendia certas con- dições especiais que alteravam a estrutu- ra normal da consciência, como aquelas geradas pela fadiga, pelo susto, pela dis- persão etc., que dificultavam e expressão emocional. Em 1897 Freud iniciou sua auto- análise, baseada em seus sonhos, a qual não só foi-lhe de grande valia pessoal como contribuiu para uma melhor compreensão de muitos pontos de sua teoria. Sua obra A Interpretação dos Sonhos
  6. 6 (ESB, Editora Imago, vols. IV e V, 1974), que publicou em 1899, datada de 1900, foi, em parte pelo menos, resultado dela e relata como exemplos muitos de seus sonhos. Neste mesmo ano Freud conheceu Emil Fliess, um obscuro otorrinolarin- gologista de Berlim que acreditava na relação das neuroses com a mucosa na- sal e por quem desenvolveu uma grande (e injustificada!) admiração. São também de Fliess as idéias de uma periodicidade masculina e outra, feminina e a da bisse- xualidade. (Essa última, adotada por Freud, irá jogar um importante papel na sua teoria das neuroses). A partir de en- tão é a ele que Freud passa a comunicar suas idéias emergentes e a submeter seus manuscritos. Fliess passa a ser o seu pú- blico privado e seu referencial. Esse encan- tamento parece ter fornecido dimensão transferencial à auto-análise que Freud desenvolvia então mas nos primeiro a- nos do novo século rompeu com essa ligação, depois de um longo período de divergências que foi minando-a. Até 1891 Freud morou com sua fa- mília no número 8 da Maria Theresiens- trasse e a partir dai na 19, Bergasse, de onde só saiu em 1938, para transferir-se para Londres. Nesse endereço ele aten- deu seus pacientes, escreveu seus traba- lhos, reuniu seus seguidores e criou sua família, por quase 40 anos. Freud escreveu em alemão, língua fa- lada na Áustria, o que tem motivado vá- rias questões quanto à tradução de sua obra para outros idiomas. Vários auto- res, entre os quais Bruno Bethelheim, P- B Pontalis e Kemper, entre nós, escre- veram sobre o fato e mostraram que, entre outros problemas, as nuanças de certas palavras alemãs não têm exatos equivalentes em outros idiomas, o que muitas vezes levou os tradutores a false- ar as idéias do autor. De fato, o idioma alemão é mais apto para expressar vi- vências interiores do que, por exemplo, o inglês, mais afeito ao que é objetivo, técnico e pragmático. Aos poucos ele foi se convencendo do papel da vida sexual na etiologia das neuroses, ao mesmo tempo em que foi refinando suas concepções sobre a se- xualidade e diferenciando-a da mera ge- nitalidade. Em 1894 suas teses a respeito já estavam bem sedimentadas e como Breuer não as referendou, começou a dar-se um afastamento entre eles, o qual se completaria em 1896. Pouco depois, Freud elaboraria suas teorias sobre as defesas, as quais iriam consolidar as i- déias sobre o inconsciente reprimido. Até 1897 Freud acreditava que o neurótico, quando criança, fora vítima de abuso sexual por parte de um adulto ou de uma criança maior, mas aos pou- cos foi mudando esse ponto de vista, já que tal ocorrência, embora relatada por eles, em geral não encontrava compro- vação na realidade. Constatou, então, que os episódios relatados pelos pacien- tes eram meras fantasias, conseqüência de impulsos interiores, e que a realidade psíquica não era uma cópia fiel da reali- dade fática. Abrira, assim, as portas para
  7. 7 a compreensão da vida de fantasias, a qual viria a ter tão grande importância em suas teorias. As décadas de 1890 e 1900 foram cruciais para o desenvolvimento da Psi- canálise. Depois de ter publicado com Breuer os Estudos Sobre a Histeria, em 1899 veio à luz A Interpretação dos sonhos; em 1902 tornou-se professor da Univer- sidade de Viena e iniciou, com alguns discípulos, a Sociedade Psicológica das Quartas-Feiras, que logo se tornou Soci- edade Psicanalítica de Viena; em 1905 , no caso Dora, ele reconheceu de modo explícito o papel da transferência; em 1910 nasceu a Internacional Psycho- Analytical Association (IPA), que existe até hoje. Mas, mesmo depois, continuou a produzir idéias. Em 1914 concebeu a tese do narcisismo; em 1920 formulou a segunda tópica; em 1923 chegou a uma nova tese sobre os impulsos, dividindo- os em pulsões de vida e de morte. Sua paixão pelo passado levou a co- lecionar pequenas peças e estatuetas an- tigas, as quais mantinha cuidadosamente arrumadas em seu gabinete de trabalho. Quando de sua imigração, os nazistas, provavelmente considerando-as velharias, permitiram que fossem levadas consigo para Londres, onde repousam no Freud Museum, na casa onde morreu. O interesse de Freud pela arqueolo- gia não deve causar surpresa, pois ele mesmo registrou, já quase no final da vida, em 1937, que “seu trabalho [do analis- ta] de construção, ou, se preferir-se, de recons- trução, assemelha-se muito à escavação, feita por um arqueólogo, de alguma morada que foi destruída e soterrada, ou de algum antigo edifí- cio. Os dois processos são de fato idênticos, exce- to pelo fato de que o analista trabalha em me- lhores condições e tem mais material à sua dis- posição para ajudá-lo, já que aquilo com que está tratando não é algo destruído, mas algo que ainda está vivo — e talvez por outra razão também. Mas assim como o arqueólogo ergue as paredes do prédio a partir dos alicerces que permaneceram de pé, determina o número e a posição das colunas pelas depressões no chão e reconstrói as decorações e as pinturas murais a partir dos restos encontrados nos escombros, assim também o analista procede quando extrai suas inferências a partir dos fragmentos de lem- branças, das associações e do comportamento do sujeito da análise”. (Construções em Análise. ESB, 1974, vol. XXIII. p. 293). Neste mesmo ano de 1923 foi aco- metido por um câncer na mandíbula, o qual o molestou pelo resto da vida e que motivou mais de trinta cirurgias. Mesmo assim, continuou atendendo e escreven- do e alguns de seus mais importantes trabalhos são posteriores a esta época. Em 1938 os alemães invadiram a Áustria e ele foi perseguido. Contudo, os nazistas permitiram a ele que emi- grasse. Seu destino foi a Inglaterra, onde morreu a 23 de setembro de 1939, na casa de número 20, de Maresfield Gar- den, Londres. Lá ainda produziu vários artigos, deixando sem concluir o Esboço de Psicanálise (ESB, Imago Editora, vol. XXIII), no qual trabalhava ao expirar. Freud foi cremado e suas cinzas repou-
  8. 8 sam em Londres, no interior de um vaso grego, pertencente à sua coleção de pe- ças arqueológicas antigas.
  9. 9 Cronologia de Freud 1815- Nasce Jacob Schlomo, pai de Freud 1832- Nasce Emmauel, meio-irmão de Freud 1835- Nasce Amalie Nathason, mãe de Freud 1836- Nasce Philippe, meio-irmão de Freud. 1855- Nasce John, o sobrinho Casamento de Jacob e Amalie. 1856- Nasce Sigmund Freud, a 6 de maio. 1859- Outubro: Freud muda-se para Viena. 1865- Freud entra para o Gynasium 1870- Única volta de Freud a Frieberg 1873- Gradua-se no Gynasium; Ingressa no curso de Medicina, na Universidade de Viena. 1876-1882- Atua no laboratório de Brücke 1878- Muda seu prenome para Sigmund. 1881- Obtém seu grau em Medicina. 1882- Breuer termina o caso Ana O; Começa a trabalhar no Hospital Psiquiátrico, sob orientação de Theodor Meynert. 1884-885- Experimentos com a cocaína. 1885-1886- Estagia com Charcot 1886- Abre seu primeiro consultório; Casa-se com Martha Bernays; Conhece Emil Fliess 1887-1888- Estuda o uso da hipnose. 1889- Estagia com Liebault e Bernheim 1889-1890- Inicia amizade com Fliess 1891- Muda-se para Bergasse, 19 1893-1894- Publica com Breuer os Estudos sobre a Histeria 1894- Rompe com Breuer. 1895- Analisa os próprios sonhos 1896- Primeiro uso do termo Psicanálise 1897- Começa sua auto-analise. 1899- Publica A Interpretação dos Sonhos. 1900- Rompe com Fliess 1901- Inicia a análise de Dora 1902- Torna-se professor da Universidade de Viena; Funda a Sociedade Psicológica das Quartas-feiras. 1905- Publica vários importantes trabalhos. Entre eles: Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade, Os Chistes e Suas Relações com o Inconsciente, Fragmentos da Análise de um Caso de Histeria 1909- Visita os Estados Unidos 1906- Inicia amizade com Carl Gustav Jung 1910- Funda a International Psycho-Analytical Association 1913- Rompe com Jung. 1923- Primeira operação no maxilar, para controlar um câncer. 1933- Hitler torna-se Chanceler da Alemanha 1938- A casa de Freud e a Associação Vienense de Psicanálise são vasculhadas; Ana Freud é presa e interrogada pela Gestapo. Emigra para a Inglaterra 1939- Morre em Londres, a 23 de setembro
Publicidad