Se ha denunciado esta presentación.

Relações ventilação perfusão

4

Compartir

Cargando en…3
×
1 de 28
1 de 28

Relações ventilação perfusão

4

Compartir

Descargar para leer sin conexión

Descripción

Explicações sobre as alterações da ventilação e perfusão

Transcripción

  1. 1. Relações Ventilação – Perfusão FAREC – Faculdade do Recife Estágio supervisionado Professor: Leonardo Matos Aluna: Jéssica Cecília
  2. 2. Transporte de Oxigênio para os tecidos A Po2 sofre redução conforme o gás se move da atmosfera na qual vivemos para as mitocrôndias, onde é utilizado.
  3. 3. Transporte de Oxigênio para os tecidos A Po2 do gás alveolar é determinada pelo equilíbrio entre dois processos: 1- Remoção de O2 pelo sangue capilar pulmonar (determinada pela demanda metabólica dos tecidos); 2- A renovação contínua pela ventilação alveolar. # A taxa de remoção de O2 do pulmão é comandada pelo consumo de O2 dos tecidos e varia pouco em condições de repouso. Na prática, a Po2 alveolar é amplamente determinada pelo nível de ventilação alveolar.
  4. 4. Transporte de Oxigênio para os tecidos Causas da Hipoxemia: 1. Hipoventilação 2. Limitação da difusão 3. Shunt 4. Desequilíbrio entre ventilação-perfusão
  5. 5. 1- Hipoventilação Se a ventilação alveolar for anormalmente baixa, a Po2 alveolar cai. Por motivos similares, a Pco2 se eleva. Isso é conhecido como hipoventilação. Causas: • Fármacos que deprimem o estímulo central dos músculos respiratórios; • Danos à parede torácica ou paralisia dos músculos respiratórios; • Alta resistência para mobilizar o ar.
  6. 6. 1- Hipoventilação A hipoventilação promove aumento da Pco2 alveolar e, consequentemente, Pco2 arterial. Pco2 = Vco2 X K VA Isso quer dizer que, se a ventilação alveolar for reduzida à metade, a Pco2 é dobrada, uma vez que o estado de equilíbrio seja estabelecido.
  7. 7. 1- Hipoventilação Equação do gás alveolar: PAO2 = PIO2 – PAco2 + F R A queda na Po2 alveolar é ligeiramente maior do que a elevação na Pco2 durante a hipoventilação. Pois as reservas de CO2 são em grade quantidade em forma de bicarbonato no sangue e no liquido intersticial. A hipoventilação sempre reduz a Po2 alveolar e arterial, exceto quando a pessoa respira uma mistura de O2 enriquecida.
  8. 8. 2 - Difusão
  9. 9. 3- Shunt • Outra razão pela qual a Po2 do sangue arterial é inferior ao do gás alveolar é o sangue desviado. • Shunt se refere ao sangue que entra no sistema arterial sem passar pela áreas ventiladas do pulmão. • Uma característica importante do shunt é a impossibilidade de abolir a hipoxemia por meio do fornecimento de O2 a 100% à pessoa, pois o sangue desviado que contorna os alvéolos ventilados nunca exposto à Po2 alveolar mais alta, continuando, portanto, a reduzir a Po2 arterial.
  10. 10. 3- Shunt • Normalmente, um shunt não resulta em elevação da Pco2 do sangue arterial, mesmo que o sangue desviado seja rico em CO2. O motivo disso é que os quimiorreceptores percebem qualquer elevação da Pco2 arterial e respondem aumentando a ventilação o que reduz a Pco2 do sangue não desviado até a Pco2 arterial se normalize. # A hipoxemia aumenta o estímulo respiratório.
  11. 11. 4 – Relação Ventilação - Perfusão • Em caso de desequilíbrio entre a ventilação e o fluxo sanguíneo em várias regiões do pulmão, o resultado será o comprometimento da transferência de O2 quanto de CO2. • Em qualquer unidade pulmonar a concentração de O2 é determinada pela razão entre a ventilação e o fluxo sanguíneo V/Q (não apenas para o O2, mas para qualquer outro gás em equilíbrio). • Por isso a relação V/Q desempenha papel tão importante na troca gasosa.
  12. 12. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar O gás inspirado possui Po2 de 150mmHg e Pco2 de 0. O sangue venoso misto que penetra na unidade possui Po2 de 40mmHg e Pco2 de 45mmHg. A Po2 alveolar de 100mmHg é determinada pelo equilíbrio entre a adição de O2 pela ventilação e a remoção pelo fluxo sanguíneo. A Pco2 alveolar normal de 40mmHg é determinada de maneira semelhante.
  13. 13. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar
  14. 14. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar SITUAÇÕES: 1. Redução da relação pela obstrução da ventilação com o fluxo sanguíneo inalterado: O O2 diminuirá e Co2 se elevará. Quando a ventilação for totalmente abolida (V/Q =0). Os valores finais dos gases precisam ser iguais ao do sangue misto.
  15. 15. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar
  16. 16. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar SITUAÇÕES: 2. Aumento da relação pela obstrução gradativa do fluxo sanguíneo: O O2 se eleva e o CO2 cai. Dessa forma, à medida que ocorrem alterações na relação V/Q da unidade, a composição gasosa se aproxima daquela do sangue venoso misto ou do gás inspirado.
  17. 17. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar
  18. 18. Troca gasosa regional do pulmão A ventilação aumenta lentamente da região superior para a inferior do pulmão, e o fluxo sanguíneo, com mais rapidez. Em consequência disso, a relação V/Q é anormalmente alta na parte superior do pulmão (onde o fluxo sanguíneo é mínimo) e muito menos na base. Como consequência, a relação V/Q diminui nas regiões pulmonares interiores, e todas as diferenças entre as trocas gasosas decorrem desse fato.
  19. 19. Troca gasosa regional do pulmão
  20. 20. Efeito do desequilíbrio V/Q na troca gasosa total O desequilíbrio entre a ventilação e o fluxo sanguíneo afeta a troca gasosa pulmonar geral, isto é, a capacidade de captação de O2 e de eliminação de CO2.
  21. 21. Efeito do desequilíbrio V/Q na troca gasosa total
  22. 22. Efeito do desequilíbrio V/Q na troca gasosa total
  23. 23. Distribuições das relações V/Q
  24. 24. Distribuições das relações V/Q
  25. 25. Desequilíbrio entre V/Q como causa da retenção de CO2 Causado pela alteração entre a ventilação e o fluxo sanguíneo. Neste caso o pulmão se torna menos eficiente na sua troca gasosa, causando hipoxemia e hipercapnia, com os demais fatores permanecendo inalterados.
  26. 26. Medida do desequilíbrio entre V/Q A diferença da Po2 alvéolo-capilar, obtida por meio da subtração da Po2 arterial da então chamada Po2 alveolar “ideal”, a qual corresponde à Po2 que o pulmão teria se não apresentasse ventilação-perfusão desigual e tivesse trocando gases na mesma taxa de troca respiratória, como o pulmão real. PAo2 = PIo2 – PAco2 +F R
  27. 27. Medida do desequilíbrio entre V/Q Exemplo: Formula: PAo2 = PIo2 – PAco2 +F R Um paciente que respira ar ao nível do mar apresente Po2 arterial de 50mmHg, Pco2 arterial de 60mmHg e uma razão de troca respiratória de 0,8. PAo2 = 149 – 60 + F = 7,4mmHg 0,8 Assim, a diferença da Po2 alvéolo-capilar é de cerca de (74-50) = 24mmHg. É anormalmente alta indicando um desequilíbrio. #Valor normal: 5 a 10mmHg
  28. 28. RESUMÃO

Descripción

Explicações sobre as alterações da ventilação e perfusão

Transcripción

  1. 1. Relações Ventilação – Perfusão FAREC – Faculdade do Recife Estágio supervisionado Professor: Leonardo Matos Aluna: Jéssica Cecília
  2. 2. Transporte de Oxigênio para os tecidos A Po2 sofre redução conforme o gás se move da atmosfera na qual vivemos para as mitocrôndias, onde é utilizado.
  3. 3. Transporte de Oxigênio para os tecidos A Po2 do gás alveolar é determinada pelo equilíbrio entre dois processos: 1- Remoção de O2 pelo sangue capilar pulmonar (determinada pela demanda metabólica dos tecidos); 2- A renovação contínua pela ventilação alveolar. # A taxa de remoção de O2 do pulmão é comandada pelo consumo de O2 dos tecidos e varia pouco em condições de repouso. Na prática, a Po2 alveolar é amplamente determinada pelo nível de ventilação alveolar.
  4. 4. Transporte de Oxigênio para os tecidos Causas da Hipoxemia: 1. Hipoventilação 2. Limitação da difusão 3. Shunt 4. Desequilíbrio entre ventilação-perfusão
  5. 5. 1- Hipoventilação Se a ventilação alveolar for anormalmente baixa, a Po2 alveolar cai. Por motivos similares, a Pco2 se eleva. Isso é conhecido como hipoventilação. Causas: • Fármacos que deprimem o estímulo central dos músculos respiratórios; • Danos à parede torácica ou paralisia dos músculos respiratórios; • Alta resistência para mobilizar o ar.
  6. 6. 1- Hipoventilação A hipoventilação promove aumento da Pco2 alveolar e, consequentemente, Pco2 arterial. Pco2 = Vco2 X K VA Isso quer dizer que, se a ventilação alveolar for reduzida à metade, a Pco2 é dobrada, uma vez que o estado de equilíbrio seja estabelecido.
  7. 7. 1- Hipoventilação Equação do gás alveolar: PAO2 = PIO2 – PAco2 + F R A queda na Po2 alveolar é ligeiramente maior do que a elevação na Pco2 durante a hipoventilação. Pois as reservas de CO2 são em grade quantidade em forma de bicarbonato no sangue e no liquido intersticial. A hipoventilação sempre reduz a Po2 alveolar e arterial, exceto quando a pessoa respira uma mistura de O2 enriquecida.
  8. 8. 2 - Difusão
  9. 9. 3- Shunt • Outra razão pela qual a Po2 do sangue arterial é inferior ao do gás alveolar é o sangue desviado. • Shunt se refere ao sangue que entra no sistema arterial sem passar pela áreas ventiladas do pulmão. • Uma característica importante do shunt é a impossibilidade de abolir a hipoxemia por meio do fornecimento de O2 a 100% à pessoa, pois o sangue desviado que contorna os alvéolos ventilados nunca exposto à Po2 alveolar mais alta, continuando, portanto, a reduzir a Po2 arterial.
  10. 10. 3- Shunt • Normalmente, um shunt não resulta em elevação da Pco2 do sangue arterial, mesmo que o sangue desviado seja rico em CO2. O motivo disso é que os quimiorreceptores percebem qualquer elevação da Pco2 arterial e respondem aumentando a ventilação o que reduz a Pco2 do sangue não desviado até a Pco2 arterial se normalize. # A hipoxemia aumenta o estímulo respiratório.
  11. 11. 4 – Relação Ventilação - Perfusão • Em caso de desequilíbrio entre a ventilação e o fluxo sanguíneo em várias regiões do pulmão, o resultado será o comprometimento da transferência de O2 quanto de CO2. • Em qualquer unidade pulmonar a concentração de O2 é determinada pela razão entre a ventilação e o fluxo sanguíneo V/Q (não apenas para o O2, mas para qualquer outro gás em equilíbrio). • Por isso a relação V/Q desempenha papel tão importante na troca gasosa.
  12. 12. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar O gás inspirado possui Po2 de 150mmHg e Pco2 de 0. O sangue venoso misto que penetra na unidade possui Po2 de 40mmHg e Pco2 de 45mmHg. A Po2 alveolar de 100mmHg é determinada pelo equilíbrio entre a adição de O2 pela ventilação e a remoção pelo fluxo sanguíneo. A Pco2 alveolar normal de 40mmHg é determinada de maneira semelhante.
  13. 13. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar
  14. 14. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar SITUAÇÕES: 1. Redução da relação pela obstrução da ventilação com o fluxo sanguíneo inalterado: O O2 diminuirá e Co2 se elevará. Quando a ventilação for totalmente abolida (V/Q =0). Os valores finais dos gases precisam ser iguais ao do sangue misto.
  15. 15. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar
  16. 16. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar SITUAÇÕES: 2. Aumento da relação pela obstrução gradativa do fluxo sanguíneo: O O2 se eleva e o CO2 cai. Dessa forma, à medida que ocorrem alterações na relação V/Q da unidade, a composição gasosa se aproxima daquela do sangue venoso misto ou do gás inspirado.
  17. 17. Efeito da alteração V/Q de uma unidade alveolar
  18. 18. Troca gasosa regional do pulmão A ventilação aumenta lentamente da região superior para a inferior do pulmão, e o fluxo sanguíneo, com mais rapidez. Em consequência disso, a relação V/Q é anormalmente alta na parte superior do pulmão (onde o fluxo sanguíneo é mínimo) e muito menos na base. Como consequência, a relação V/Q diminui nas regiões pulmonares interiores, e todas as diferenças entre as trocas gasosas decorrem desse fato.
  19. 19. Troca gasosa regional do pulmão
  20. 20. Efeito do desequilíbrio V/Q na troca gasosa total O desequilíbrio entre a ventilação e o fluxo sanguíneo afeta a troca gasosa pulmonar geral, isto é, a capacidade de captação de O2 e de eliminação de CO2.
  21. 21. Efeito do desequilíbrio V/Q na troca gasosa total
  22. 22. Efeito do desequilíbrio V/Q na troca gasosa total
  23. 23. Distribuições das relações V/Q
  24. 24. Distribuições das relações V/Q
  25. 25. Desequilíbrio entre V/Q como causa da retenção de CO2 Causado pela alteração entre a ventilação e o fluxo sanguíneo. Neste caso o pulmão se torna menos eficiente na sua troca gasosa, causando hipoxemia e hipercapnia, com os demais fatores permanecendo inalterados.
  26. 26. Medida do desequilíbrio entre V/Q A diferença da Po2 alvéolo-capilar, obtida por meio da subtração da Po2 arterial da então chamada Po2 alveolar “ideal”, a qual corresponde à Po2 que o pulmão teria se não apresentasse ventilação-perfusão desigual e tivesse trocando gases na mesma taxa de troca respiratória, como o pulmão real. PAo2 = PIo2 – PAco2 +F R
  27. 27. Medida do desequilíbrio entre V/Q Exemplo: Formula: PAo2 = PIo2 – PAco2 +F R Um paciente que respira ar ao nível do mar apresente Po2 arterial de 50mmHg, Pco2 arterial de 60mmHg e uma razão de troca respiratória de 0,8. PAo2 = 149 – 60 + F = 7,4mmHg 0,8 Assim, a diferença da Po2 alvéolo-capilar é de cerca de (74-50) = 24mmHg. É anormalmente alta indicando um desequilíbrio. #Valor normal: 5 a 10mmHg
  28. 28. RESUMÃO

Más Contenido Relacionado

Audiolibros relacionados

Gratis con una prueba de 30 días de Scribd

Ver todo

×