Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Auto da barca do inferno fidalgo

52.499 visualizaciones

Publicado el

Texto dramático, Gil Vicente, Fidalgo, Auto da Barca do Inferno

Publicado en: Educación

Auto da barca do inferno fidalgo

  1. 1. Representam o estatuto social do Fidalgo:  o manto (a vaidade pela condição social;  o pajem (todos os que o servem e sobre os quais ele exerce a tirania) e  a cadeira (os bens materiais e o poder). 
  2. 2. O Fidalgo começa por parar junto à barca do Diabo, depois dirige-se à do Anjo e, finalmente, regressa à do Diabo.
  3. 3.  No início da cena, o Fidalgo está muito descontraído e seguro, depois, quando se afasta da barca do Diabo, começa a revelar preocupação e, ao mesmo tempo, irritação, pois chama e ninguém lhe responde.
  4. 4.  Quando começa a falar com o Anjo, tenta recuperar a segurança, no entanto, ao perceber que não lhe é permitido entrar na barca do paraíso, mostra-se desanimado e um pouco arrependido de ter confiado no seu “estado”.
  5. 5.  Perto do final, chega a mostrar-se humilde perante o Diabo, imploralhe que o deixe regressar à vida e, finalmente, mostra-se com o seu destino. resignado
  6. 6.  “Ó poderoso dom Anrique”;  “Vejo-vos eu em feição /pera ir ao nosso cais…”  “Embarqu’a vossa doçura”  “todos bem vos serviremos”.
  7. 7.  Com o Diabo, usa o argumento de ter deixado na terra quem reze por ele;  Com o Anjo usa o argumento de ser fidalgo.
  8. 8. Defendendo-se com as rezas de outrem, mostra que viveu tão confiante na sua importância e tão habituado a que os outros fizessem tudo por ele que nem lhe ocorre que as orações não seriam suficientes para o salvar.  O argumento apresentado ao Anjo mostra a arrogância e presunção do Fidalgo. 
  9. 9.  Gil Vicente pretende criticar a prática errada da religião dos que acreditavam que orações, missas e práticas superficiais eram mais válidas do que as obras e a fé.
  10. 10. A alusão à condenação do pai do Fidalgo alarga a crítica à classe social, dando a entender que os nobres são condenados, geração após geração.
  11. 11. O Diabo, divertido, ri do Fidalgo, chama-lhe tolo e mostra-lhe como está enganado em relação ao desgosto da mulher e da amante.
  12. 12.  Alarga-se a crítica às mulheres, atribuindo-lhes falsidade, hipocrisia e mostrando que o fingimento é transmitido de mães para filhas.
  13. 13.  9.1 – Crimes que lhe são imputados: o Fidalgo é acusado de ter vivido a seu prazer, de ser presunçoso e vaidoso e de ter sido tirano para o povo.
  14. 14.  O longo manto e o pajem carregando a cadeira revelam vaidade e ostentação, tal como a reação inicial face ao Diabo e depois face ao Anjo revelam a arrogância de quem sempre esteve habituado a que obedecessem às suas ordens.
  15. 15.  É no estatuto de nobre que o Fidalgo confia como razão para ser salvo, tal como sempre confiou ao longo da vida. É por isso que, quando o Anjo o interpela, ele apresenta como único argumento para a salvação o facto de ser “fidalgo de solar” e é por isso que desdenha da barca a que chama “cortiço” e exige que o tratem por “Vossa Senhoria”.
  16. 16.  Da vida sentimental ficamos a saber que além da mulher tinha uma amante, no entanto, sabemos também que afinal, ele que era tão poderosa, era igualmente enganado por elas.
  17. 17.  O Fidalgo é uma personagem-tipo, na medida em que representa a nobreza e os seus vícios de tirania, presunção, arrogância e ostentação.  É exatamente, por isso que, tal como aconteceu com seu pai, é condenado ao Inferno.
  18. 18.  Direta: o Autocaracterização – apresenta-se, defende-se, reconhece a condenação e aceita a sentença. o Heterocaracterização – é acusado pelo Diabo de vida imoral e de prazer que levava; é acusado pelo Anjo de tirania e de vaidade que demonstrava; sentença: embarcar na barca do Diabo.  Indireta: o Linguagem – confiante; vaidoso; desiludido. o Símbolos – cadeira, manto, pajem.
  19. 19.  Registos de língua:  Informal -“Pardeos aviado estou” (v.70)  Formal - “Porém a que terra passais?”(v.33)  Figuras:  Antítese - “Segundo lá escolheste/assi cá vos contentai” (vv. 56-57) Eufemismo – “Vai pera a ilha perdida” (v. 27) Ironia – “Embarque vossa doçura/que cá nos entenderemos” (vv. 125-126) Metáfora – “Oh que maré tão de prata” (v. 108) Repetição – “chegar a ela! Chegar a ela!” (v. 181)    
  20. 20.  De situação – “Pera lá vai a senhora?” (v. 29)  De linguagem – “que gericocins salvanor” (v.72)  De caráter – “Sou fidalgo de solar/é bem que me recolhais” (v. 81-82)
  21. 21.  Cais – simboliza o lugar onde chegam as personagens após a morte, a fim de serem julgadas.  Barcas – simbolizam a viagem para o Céu ou para o Inferno, consoante o Bem ou o Mal praticado durante a vida terrena.  Diabo/Anjo – simbolizam o (condenação) e o Bem (salvação).  Rio – simboliza o percurso para a Glória ou para a Perdição. Mal
  22. 22.  Com esta cena, Gil Vicente pretende criticar a nobreza em geral, pondo a descoberto a sua corrupção, vaidade e presunção. O dramaturgo realça ainda a exploração dos mais desfavorecidos e a tirania com que os fidalgos tratam o povo, facto considerado grave, dado que os poderosos deviam proteção aos fracos. Por fim, denuncia a infidelidade conjugal que põe em causa os valores morais da família.
  23. 23. https://www.youtube.com/watch?v=L3ZO2cJQoT4 Auto da Barca do Inferno - VicenTeatro Com o Diabo, usa o argumento de ter deixado na terra quem reze sempre por ele;  com o Anjo usa o argumento de ser fidalgo. 

×