Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Mucosa oral

9.851 visualizaciones

Publicado el

Mucosa oral: formação, desenvolvimento, características e classificações.

Publicado en: Salud y medicina
  • Sé el primero en comentar

Mucosa oral

  1. 1. MUCOSA ORAL
  2. 2. DEFINIÇÕES A MUCOSA reveste as diversas regiões da cavidade oral (exceção à coroa dos dentes) e é constituída por: ▪ Entre ambos há uma lâmina basal 2 EPITÉLI O LÂMINA PRÓPRIA
  3. 3. DESENVOLVIMENT O ▪ O epitélio da mucosa oral é derivado do ectoderma, e a lâmina própria origina-se do ectomesênquima. ▪ 3ª semana de vida intrauterina  a cavidade oral primitiva é revestida por epitélio delgado e ectomesênquima subjacente. ▪ 4ª semana  Ectomesênquima com maior número de células indiferenciadas. ▪ 7ª semana  Com a formação do sulco vestibular, o epitélio oral fica dividido. 3
  4. 4. DESENVOLVIMENT O ▪ 9ª semana  Formação das papilas fungiformes. ▪ 11ª semana  Formação das papilas filiformes, e origem do palato. ▪ 14ª semana  Epitélio oral bastante estratificado. ▪ 20ª semana  Áreas se tornam paraqueratinizadas. ▪ Aos 6 meses de vida  A mucosa perde a sua continuidade, formando-se epitélio juncional na interface entre o esmalte e o restante da mucosa. 4
  5. 5. 5
  6. 6. EPITÉLIO ORAL 6 ▪ O epitélio da mucosa da boca é do tipo estratificado pavimentoso. ▪ Prolifera-se constantemente, sendo originadas novas células na parte mais profunda e descamadas outras na superfície. ▪ Células do epitélio oral  QUERATINÓCITOS Durante o deslocamento das células fonte do estrato basal, sofrem modificações: acumulam filamentos intermediários (tonofilamentos), e no caso dos epitélios queratinizados, o citoplasma acaba repleto de filamentos de queratina.
  7. 7. EPITÉLIO ORAL 7 ▪ Dois aspectos fundamentais do epitélio oral: ▪ Adjacente à lâmina própria, encontra-se o estrato basal, que constitui o estrato progenitor do epitélio. ▪ Numerosas junções intercelulares são observadas entre os queratinócitos, especialmente desmossomos e também hemidesmossomos. PROLIFERAÇÃO MATURAÇÃO
  8. 8. 8 ▪ ESTRATO BASAL: ▪ A camada basal é formada por células que sintetizam DNA e sofrem mitoses; ▪ Formam uma única camada de células; ▪ É formada por uma zona clara (lâmina lúcida) logo abaixo das células epiteliais, e com uma zona escura (lâmina densa). EPITÉLIO ORAL
  9. 9. 9
  10. 10. EPITÉLIO ORAL 10 ▪ O estrato que segue o basal em direção à superfície é: 1. Constituído por queratinócitos arredondados ou poliédricos; 2. Apresenta maior quantidade de desmossomos que se estabelecem entre as células; 3. Aspecto “espinhoso”  ESTRATO ESPINHOSO
  11. 11. EPITÉLIO ORAL 11 ▪ Acima do estrato espinhoso, os queratinócitos são maiores; ▪ Apresentam maior quantidade de tonofibrilas e grânulos do que no estrato espinhoso, e outros grânulos que se coram fortemente com corantes básicos  ESTRATO GRANULAR ▪ Queratinócitos acima do estrato granular são mais achatados e seu citoplasma não apresenta grânulos, mas são totalmente queratinizados  ESTRATO CÓRNEO
  12. 12. 12
  13. 13. EPITÉLIO ORAL 13 ▪ Epitélio totalmente queratinizado  ORTOQUERATINIZADO ▪ Epitélio com queratinização incompleta  PARAQUERATINIZADO ▪ Epitélio NÃO QUERATINIZADO Queratinócitos mais superficiais apresentam núcleo achatado Queratinócitos do estrato basal são menores e os do espinhoso, apresentam menos hemidesmossomos
  14. 14. EPITÉLIO ORAL 14 ▪ Além dos queratinócitos, há outros tipos de células que constituem o epitélio, as quais são chamadas de NÃO QUERATINÓCITOS e são: 1. Melanócitos; 2. Células de Langerhans; 3. Células de Meckel; 4. Além de neutrófilos e linfócitos.
  15. 15. EPITÉLIO ORAL 15 ▪ Melanócitos: ▪ Penetram no epitélio, entre os queratinócitos do estrato basal; ▪ A melanina produzida é transferida para os queratinócitos; ▪ Apresentam Retículo Endoplasmático Granular e Complexo de Golgi bem desenvolvidos  origem dos melanossomas, grânulo que contêm o pigmento melanina.
  16. 16. 16
  17. 17. EPITÉLIO ORAL 17 ▪ Células de Langerhans: ▪ São células apresentadoras de antígenos, mas não possuem capacidade fagocitária. ▪ São encontradas em todas as regiões do epitélio oral (EXCETO epitélio juncional)
  18. 18. EPITÉLIO ORAL 18 ▪ Células de Merckel: ▪ Localizam-se no estrato basal do epitélio oral e estão adjacentes a terminações nervosas amielínicas; ▪ Desempenham função de receptores mecânicos da mucosa oral. ▪ Células Sanguíneas: ▪ Rotineiramente são encontrados linfócitos infiltrados entre os queratinócitos do epitélio oral; ▪ Podem ser encontrados também mastócitos e neutrófilos.
  19. 19. LÂMINA PRÓPRIA 19 ▪ Lâmina própria  tecido conjuntivo subjacente ao epitélio ▪ Podem ser reconhecidas duas camadas: ▪ Células: Fibroblastos, Macrófagos, Mastócitos, Células sanguíneas A- Mais superficial, constituída de tecido conjuntivo frouxo: PAPILAR B- Mais profunda, constituída de tecido conjuntivo denso: RETICULAR
  20. 20. LÂMINA PRÓPRIA 20 ▪ Fibroblastos: ▪ São células sintetizadoras de proteínas para exportação, possuindo, assim, Retículo Endoplasmático Rugoso e Complexo de Golgi bem desenvolvidos; ▪ Secretam os precursores de colágeno, elastina, proteoglicanos e glicoproteínas constituintes da matriz extracelular.
  21. 21. 21
  22. 22. LÂMINA PRÓPRIA 22 ▪ Macrófagos: ▪ Células fagocíticas originadas a partir dos monócitos; ▪ Participam nas reações imunológicas como apresentadoras de antígenos. ▪ Mastócitos: ▪ Células globosas que apresentam grânulos que armazenam heparina e histamina; ▪ Membrana plasmática possui receptores de membrana para IgE.
  23. 23. LÂMINA PRÓPRIA 23 ▪ Células sanguíneas: ▪ Mais comumente encontrados neutrófilos e eosinófilos; ▪ Porém podem ser encontrados também linfócitos e plasmócitos.
  24. 24. DEFINIÇÕES Com base em critérios funcionais, a mucosa oral pode ser dividida em 3 tipos principais: 24 MUCOSA MASTIGATÓRIA MUCOSA DE REVESTIMENTO OU DE REFLEXÃO MUCOSA ESPECIALIZADA MUCOSA ORAL
  25. 25. MUCOSA DE REVESTIMENTO 25 ▪ Composta por uma delgada camada de epitélio e uma lamina própria adjacente; ▪ Estrato basal: uma camada basal de células cúbicas; ▪ Estrato intermediário / camada espinhosa: aparência oval e levemente achatada; ▪ Estrato superficial: suas células são achatadas, muitas apresentando um pequeno núcleo oval ▪ Essas três camadas formam o epitélio não queratinizado da mucosa bucal.
  26. 26. MUCOSA DE REVESTIMENTO 26 ▪ Lábios: ▪ Revestidos por um epitélio de superfície úmida, com células estratificadas pavimentosas, não queratinizadas e associadas com glândulas seromucosas da lâmina própria. ▪ A mucosa não queratinizada dos lábios é diferenciado por um bordo vermelho conhecido por vermelhão dos lábios  o epitélio é delgado, contém eleidina e os vasos sanguíneos estão próximos da superfície capilar.
  27. 27. MUCOSA DE REVESTIMENTO 27 ▪ Palato mole: ▪ Altamente vascularizado, é mais róseo do que a mucosa queratinizada do palato duro; ▪ Abaixo do tecido do tecido conjuntivo da lâmina própria está a submucosa. ▪ Bochechas: ▪ Apresenta um epitélio estratificado pavimentoso, não queratinizado, lâmina própria e submucosa subjacente; ▪ A submucosa contem adipócitos e glândulas mistas.
  28. 28. 28
  29. 29. MUCOSA DE REVESTIMENTO 29 ▪ Face ventral da língua: ▪ Também apresenta lâmina própria e submucosa; ▪ Submucosa: as fibras musculares estão localizadas em baixo da superfície da língua. ▪ Assoalho da boca: ▪ Uma membrana não queratinizada recobre o assoalho da boca e aparece pouco aderida à lamina própria; ▪ Na mucosa da língua a superfície adjacente esta firmemente aderida.
  30. 30. 30
  31. 31. MUCOSA MASTIGATÓRIA 31 ▪ É encontrada nas regiões da boca expostas diretamente ao atrito dos alimentos durante a mastigação; ▪ Caracteriza-se por um epitélio queratinizado e compreende a mucosa gengival e a mucosa que recobre o palato duro.
  32. 32. MUCOSA MASTIGATÓRIA 32 ▪ Mucosa gengival: ▪ A gengiva constitui parte da mucosa oral e também participa do periodonto de proteção; ▪ A gengiva inserida recobre o processo alveolar em todos os seus lados; ▪ Sua superfície apresenta depressões rasas alternadas entre elevações, resultando em um pontilhado característico  Casca de laranja ▪ O epitélio gengival dependendo da região, pode ser paraqueratinizado ou ortoqueratinizado; ▪ Tem os quatro estratos descritos para os epitélios queratinizados, todos eles bem definidos.
  33. 33. 33
  34. 34. MUCOSA MASTIGATÓRIA 34 ▪ Mucosa do palato duro: ▪ É a parte da mucosa oral que recobre a porção anterior do palato; ▪ Sua superfície apresenta rugas palatinas; ▪ O seu epitélio é queratinizado;
  35. 35. MUCOSA ESPECIALIZADA 35 ▪ A mucosa que recobre o dorso da língua está exposta ao atrito alimentar  epitélio queratinizado. ▪ Entretanto, como tem as papilas, é considerada uma mucosa especializada.
  36. 36. MUCOSA ESPECIALIZADA 36 ▪ Papilas filiformes: ▪ São as mais numerosas e ocupam quase a totalidade do dorso lingual; ▪ Epitélio ortoqueratinizado e possui numerosos Melanócitos e Células de Langerhans; ▪ O epitélio é acompanhado por um cone de tecido conjuntivo; ▪ Possuem uma fina sensibilidade tátil; ▪ Não possuem botões gustativos  apenas papel mecânico durante a mastigação.
  37. 37. MUCOSA ESPECIALIZADA 37 ▪ Papilas fungiformes: ▪ São menos numerosas e encontram-se esparsas; ▪ São visíveis macroscopicamente como pequenas estruturas arredondadas de cor vermelha; ▪ Na sua superfície superior, que é recoberta por epitélio paraqueratinizado, são encontrados alguns botões gustativos; ▪ No centro da papila, o tecido conjuntivo intensamente vascularizado, subjacente ao epitélio, é a causa da intensa cor vermelha.
  38. 38. PAPILAS FILIFORMES PAPILAS FUNGIFORMES 38
  39. 39. MUCOSA ESPECIALIZADA 39 ▪ Papilas valadas: ▪ Denominadas também caliciformes ou circunvaladas; ▪ São rodeadas por um sulco circular ou vallum; ▪ Apresentam uma porção central de tecido conjuntivo frouxo altamente vascularizado e inervado, revestido por epitélio; ▪ Epitélio do lado superior é ortoqueratinizado e não tem botões gustativos; ▪ Os botões localizam-se nas superfícies laterais do epitélio.
  40. 40. 40
  41. 41. 41 • No fundo do sulco, abrem-se ductos excretores de glândulas salivares menores  von Ebner; • Únicas glândulas salivares menores serosas; • Apresentam, assim, uma secreção muito fluida, que, ao ser secretada no fundo do sulco, arrasta as partículas que estariam obstruindo os botões gustativos encontrados nas paredes desse sulco.
  42. 42. MUCOSA ESPECIALIZADA 42 ▪ Botões gustativos: ▪ Estão presentes no epitélio que reveste a superfície superior das papilas fungiformes e as superfícies laterais das papilas valadas e foliadas; ▪ Estendem-se, desde a lâmina basal até a superfície epitelial, comunicando-se com a cavidade oral por um poro.
  43. 43. MUCOSA ESPECIALIZADA 43 ▪ Células dos botões gustativos: ▪ Células escuras ou do tipo I, as mais finas, que se localizam na periferia do botão; função de suporte; ▪ Células claras ou do tipo II, de função desconhecida, aparentemente também de suporte; ▪ Células intermediárias ou do tipo III, que são as células neuroepiteliais do botão gustativo.
  44. 44. SUPRIMENTOS VASCULAR E NERVOSO ▪ O suprimento sanguíneo da mucosa oral é extremamente rico e é derivado da artéria carótida externa pelos ramos maxilar, lingual e facial; ▪ Terminações linfáticas se reúnem na camada reticular da lâmina própria para formar linfáticos coletores que seguem o trajeto venoso; ▪ A mucosa oral é inervada, sendo sensorial e contendo também elementos do sistema autônomo; ▪ Os principais nervos originam-se dos ramos maxilar e mandibular do trigêmeo, fibras do facial, glossofaríngeo e vago. 44
  45. 45. FUNÇÕES DA MUCOSA ORAL 1. Proteger e recobrir os tecidos mais profundos da cavidade oral  apreensão e mastigação dos alimentos; barreira contra invasão de microrganismos; 2. Função sensorial: existem receptores para temperatura, tato, dor, assim como receptores especializados na sensação gustativa; 3. Função secretora: produção de saliva pelas numerosas glândulas salivares existentes em toda cavidade oral. 45
  46. 46. REFERÊNCIAS 46 ▪ Avery JK. Fundamentos de histologia e embriologia bucal. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2001. ▪ Katchburian E, Arana V. Histologia e embriologia oral. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2012.

×