Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Detectando a Pré Eclampsia no 1º Trimestre

433 visualizaciones

Publicado el

Promotion of PlGF 1-2-3

Publicado en: Ciencias
  • Sé el primero en comentar

  • Sé el primero en recomendar esto

Detectando a Pré Eclampsia no 1º Trimestre

  1. 1. TRIAGEM DE PRÉ-ECLÂMPSIA COM O KIT PlGF 1-2-3TM SOLUÇÕES PARA TRIAGEM PRÉ-NATAL DA LÍDER MUNDIAL EM SAÚDE MATERNAL E FETAL
  2. 2. UMA NOVA ERA NO TRATAMENTO DA PRÉ-ECLÂMPSIA COM O KIT PlGF 1-2-3TM A pré‑eclâmpsia é uma complicação da gestação marcada pela alta pressão sanguínea e altos níveis de proteinúria. Se não tratada, a pré-eclâmpsia pode resultar em eclâmpsia, uma condição séria capaz, em alguns casos, de levar à morte. A pré-eclâmpsia também afeta o fluxo sanguíneo da placenta, frequentemente resultando em bebês com crescimento limitado ou nascidos prematuramente. Essa condição, se evitada, resultaria em importantes benefícios para a saúde materna e do feto. O próximo passo da triagem e do tratamento da pré-eclâmpsia
  3. 3. O ensaio PlGF 1-2-3 da PerkinElmer é o kit de triagem de pré-eclâmpsia para primeiro trimestre mais sensível existente.[2] Quando usado juntamente com um programa abrangente de triagem de primeiro trimestre que inclua o histórico médico da mãe e a pressão arterial média, é possível identificar mulheres com alto risco de pré-eclâmpsia muito antes dos sintomas aparecerem. O ensaio PlGF 1-2-3™ também pode ser usado no segundo e no terceiro trimestres de gestação para uma reavaliação, monitoramento ou diagnóstico eficientes.[3] PlGF 1-2-3TM – O ensaio PlGF de 2a geração
  4. 4. COMPREENDENDO A PRÉ-ECLÂMPSIA - CAUSA E EFEITO Apesar da causa direta da pré-eclâmpsia ser desconhecida, os pesquisadores concordam que, caso sintomas como alta pressão sanguínea e proteinúria ocorram entre as semanas 20 e 37, há um alto risco disso afetar negativamente a placenta. A pré-eclâmpsia de início precoce também está associada a nascimentos prematuros e restrição do crescimento fetal, sendo que a prematuridade é responsável pela maioria das despesas de tratamento relacionadas com a pré-eclâmpsia. Se a síndrome HELLP ou eclâmpsia ocorrerem juntamente com a pré- eclâmpsia, o tratamento em UTI será inevitável. A boa notícia é que o tratamento com aspirina é altamente eficaz na prevenção de pré- eclâmpsia precoce e prematura.[4, 5] Pré-eclâmpsia precoce e prematura – placentação deficiente
  5. 5. Insuficiência placentárias 1 Pré-eclâmpsia 2 Restrição do crescimento fetal 3 Nascimento prematuro 4 Natimorto A insuficiência placentária encontra-se presente em praticamente todas as principais síndromes obstétricas” ROMERO, AM J OBSTET GYNECOL. 2011.
  6. 6. As insuficiências placentárias são muito mais comuns do que a síndrome de Down > A pré-eclâmpsia é muito mais comum do que todas as aneuploidias combinadas > Tanto a mãe quanto o bebê são afetados
  7. 7. Cronologia da triagem da pré-eclâmpsia, tratamento Com aspirina e aparecimento dos diferentes tipos de pré-eclâmpsia. *A PerkinElmer não endossa ou recomenda pesquisas, medicamentos ou tratamentos. Todas as informações apresentadas são apenas para fins informativos e não devem ser consideradas como orientação médica. Para saber as recomendações específicas ao país, consulte o profissional de saúde de sua localidade. SEMANA DE GESTAÇÃO Triagem de pré-eclâmpsia O Tratamento com aspirina para mulheres positivas na triagem deve ser iniciado antes das 16 semanas*
  8. 8. *A PerkinElmer não endossa ou recomenda pesquisas, medicamentos ou tratamentos. Todas as informações apresentadas são apenas para fins informativos e não devem ser consideradas como orientação médica. Para saber as recomendações específicas ao país, consulte o profissional de saúde de sua localidade. SEMANA DE GESTAÇÃO Podem aparecer os seguintes sintomas de pré-eclâmpsia: pressão sanguínea alta e proteinúria PRÉ ECLÂMPSIA DE INÍCIO MUITO PRECOCE §  É necessário realizar o parto <32 semanas §  Prevalência 0.2% Pré-eclâmpsia de início muito precoce
  9. 9. *A PerkinElmer não endossa ou recomenda pesquisas, medicamentos ou tratamentos. Todas as informações apresentadas são apenas para fins informativos e não devem ser consideradas como orientação médica. Para saber as recomendações específicas ao país, consulte o profissional de saúde de sua localidade. SEMANA DE GESTAÇÃO PRÉ ECLÂMPSIA DE INÍCIO PRECOCE §  É necessário realizar o parto <34 semanas §  Prevalência 0.4% Pré-eclâmpsia de início precoce Pré-eclâmpsia precoce Pré-eclâmpsia tardia PRÉ ECLÂMPSIA PRECOCE §  É necessário realizar o parto <37 semanas §  Prevalência 0.7% PRÉ ECLÂMPSIA TARDIA §  É necessário realizar o parto <37 semanas §  Prevalência 2%
  10. 10. NOVO PROTOCOLO DE TRIAGEM DESDE FATORES MATERNOS ATÉ UMA TRIAGEM COMBINADA EFICAZ A combinação certa O programa de triagem combinada da pré-eclâmpsia é a forma mais eficaz de identificar mulheres com alto risco de desenvolver pré-eclâmpsia nos primeiros estágios da gestação. O programa consiste no teste sanguíneo com o PlGF 1-2-3™, avaliação do histórico médico da mãe, medição da pressão arterial média e, se disponível, ultrassonografia com Doppler das artérias uterinas.
  11. 11. 1º trimestre – o momento perfeito O prazo para a triagem da pré-eclâmpsia é o primeiro trimestre, quando a terapia com baixas doses de aspirina apresenta os melhores resultados na prevenção da pré- eclâmpsia. Para obter a máxima eficácia, a terapia com aspirina deve ser iniciada antes das 16 semanas de gestação em mulheres com alto risco de pré-eclâmpsia.[10] Quatro etapas simples O programa de triagem combinada é composto de quatro etapas simples, que requerem um treinamento rápido e o mínimo investimento adicional em equipamentos para programas de triagem. 1. Registrar o histórico médico, peso e altura. 2. Colher a amostra sanguínea para medição com o PlGF 1‑2‑3™. 3. Medir a pressão sanguínea duas vezes, em ambos os braços simultaneamente. 4. Se possível, medir o índice Doppler de pulsatilidade da artéria uterina;
  12. 12. REGISTRAR O HISTÓRICO MÉDICO EXAME DE SANGUE PlGF 1-2-3 MEDIR A PRESSÃO SANGUÍNEA §  Primeira gestação? §  Histórico de pré-eclâmpsia prévio ou familiar? §  Etnia? §  Hipertensão crônica? §  Fumante? §  Peso e altura? Fazer duas medições simultâneas em ambos os braços Ultrassom se possível, medir o índice Doppler de pulsatilidade da artéria uterina
  13. 13. HISTÓRICO MÉDICO PlGF 1-2-3TM PRESSÃO SANGUÍNEA ULTRASSOM* SOFTWARE PARA CÁLCULO DE RISCOS BAIXO RISCO Monitoramento da gestação normal ALTO RISCO Maior monitoramento da gestação Tratamento com aspirina *O cálculo dos riscos pode ser realizado sem ultrassom, caso o acesso a ele seja limitado” com o no exemplo abaixo.
  14. 14. Triagem combinada da pré-eclâmpsia – a primeira etapa para melhorar a detecção Quando se trata de prevenir eficazmente a pré-eclâmpsia, o programa de triagem combinada tem desempenho superior aos dos métodos de triagem que baseiam-se apenas no histórico da mãe. A eficácia da triagem da pré-eclâmpsia também depende da combinação de marcadores.[13] O histórico médico e o exame de sangue podem ajudar a identificar 88% dos casos de pré‑eclâmpsia de início muito precoce e 66% dos casos de pré‑eclâmpsia precoce. Taxas similares de detecção podem ser alcançadas através do histórico médico, PlGF 1‑2‑3™ e MAP. Caso o UTPI esteja disponível, a taxa de detecção é próxima dos 100% para a PE de início muito precoce e de 75%–80% para a PE precoce.[13] Estes são apenas alguns exemplos; outras combinações são possíveis. FPR (Taxa de Falsos Positivos) = 10% neste exemplo.
  15. 15. O QUE OS MÉDICOS PRECISAM SABER Quem deve passar pela triagem de pré-eclâmpsia? Todas as gestantes devem ser avaliadas no início de suas gestações para evitar o desenvolvimento da pré-eclâmpsia. Elas também devem ter acesso à triagem, mesmo que não haja fatores de risco maternos ou histórico de pré-eclâmpsia. Por quê? A detecção e o tratamento da pré-eclâmpsia nos estágios iniciais da gravidez sempre traz mais vantagens que a abordagem convencional do manejo da pré-eclâmpsia, de ‘esperar para ver o que acontece’.
  16. 16. O que as mulheres devem saber? Apesar da triagem da pré-eclâmpsia ser crítica para proteger a saúde da mãe e do bebê, muitas mulheres não sabem da existência da pré-eclâmpsia ou da triagem combinada da pré-eclâmpsia com o ensaio PlGF 1-2-3™. Elas precisam saber que a pré-eclâmpsia pode afetar qualquer gestação. E também devem ser informadas de que algumas gestações apresentam mais risco de desenvolver pré‑eclâmpsia do que outras. A triagem combinada de pré-eclâmpsia com o ensaio PlGF 1-2-3™ é uma forma eficiente de avaliar esse risco. Na verdade, mulheres com histórico de pré-eclâmpsia apresentam um risco três a quatro vezes maior de desenvolver hipertensão crônica do que as mães sem histórico de pré- eclâmpsia, além do risco duas vezes maior de ter doença cardíaca isquêmica, tromboembolismo venoso e derrame cerebral.[16]
  17. 17. ASPRE – ASPIRINA EM BAIXAS DOSES PARA A PREVENÇÃO DA PRÉ-ECLÂMPSIA Os resultados do ensaio mostraram que a taxa de desenvolvimento de pré-eclâmpsia de início precoce caiu 82% e a de pré- eclâmpsia precoce, 62% em mulheres que receberam o tratamento com aspirina e que tinham alto risco de desenvolver a doença. Para identificar as mulheres do grupo de alto risco, o ASPRE empregou um programa de triagem combinada para primeiro trimestre, que incluiu o ensaio PlGF 1-2-3™ da PerkinElmer. A aspirina em baixas doses é eficiente na redução do risco da pré-eclâmpsia – especialmente nas formas iniciais da doença. Os melhores resultados são alcançados com uma dose de 150 mg de aspirina por dia.[17] No ensaio ASPRE, o tratamento com aspirina foi iniciado após a triagem de PE por volta da semana 12 e encerrado na semana 36.
  18. 18. Apesar do tratamento com aspirina não ser uma cura para a pré-eclâmpsia, um número menor de mulheres sofrerá com esta séria doença se for administrada aspirina em baixa dose no início da gravidez.[5] Tratamento com aspirina de acordo com o design do estudo ASPRE[5] A PerkinElmer não endossa ou recomenda pesquisas, medicamentos ou tratamentos. Todas as informações apresentadas são apenas para fins informativos e não devem ser consideradas como orientação médica. Para saber as recomendações específicas ao país, consulte o profissional de saúde de sua localidade.
  19. 19. O que torna o ASPRE especial? O ASPRE foi o maior ensaio prospectivo, randomizado e controlado por placebo já realizado sobre o uso profilático da aspirina em mulheres com maior risco de pré-eclâmpsia. Financiado pela União Europeia e administrado pela Fetal Medicine Foundation, já foram estudadas mais de 30.000 gestações no Reino Unido, Bélgica, Itália, Espanha, Grécia e Israel. Nenhum outro estudo clínico sobre aspirina em baixas doses e pré-eclâmpsia se comparam à dimensão e à abrangência do ASPRE.
  20. 20. O QUE OS LABORATÓRIOS PRECISAM SABER Utilize o PlGF 1-2-3TM e entre em uma nova era O kit de alta sensibilidade PlGF 1-2-3™ da PerkinElmer é o único ensaio capaz de oferecer o nível de precisão exigido pelo revolucionário ensaio ASPRE. O PlGF 1-2-3™ é também o primeiro ensaio otimizado para a triagem da pré-eclâmpsia no primeiro trimestre, o que o torna a escolha mais sensata nessa nova era do melhor manejo da pré-eclâmpsia.
  21. 21. PlGF 1-2-3TM – o ensaio ASPRE • Opções de kits com 48 e 96 testes • Sensibilidade de 1,9 pg/mL • Tempo de incubação de 20 min com o DELFIA® Xpress • Controles nativos de CE-IVD sérico na gravidez • Validade clínica demonstrada no estudo ASPRE • O mesmo kit de ensaio CE-IVD pode ser aplicado no 1°, 2° e 3° trimestres • Tecnologia DELFIA® comprovada O estudo ASPRE escolheu o DELFIA®Xpress e o ensaio PlGF 1‑2‑3™ da PerkinElmer porque sensibilidade e precisão são muito importantes nas triagens.[2] Para saber mais sobre o ASPRE, visite ASPRE.perkinelmer.com
  22. 22. Referências [1] Kuklina EV, et al. Hypertensive Disorders and Severe Obstetric Morbidity in the United States. Obstet Gynecol 2009; 113:1299-306 [2] Hanses T, Korpimäki T, Ahola T. Performance of a next generation PlGF 1-2-3 assay. ECPM 14. Study performed for Wallac Oy, Turku, Finland. [3] O'Gorman N, Wright D, Rolnik DL, Nicolaides KH, Poon LC. Study protocol for the randomised controlled trial: combined multimarker screening and randomised patient treatment with aspirin for evidence-based pre-eclampsia prevention (ASPRE). BMJ Open. 2016 Jun 28;6(6). [4] Roberge S, Villa P, Nicolaides K, Giguère Y, Vainio M, Bakthi A, Ebrashy A, Bujold E. Early administration of low-dose aspirin for the prevention of preterm and term preeclampsia: a systematic review and meta-analysis. Fetal Diagn Ther. 2012;31(3):141-6 [5] Poon LC, Nicolaides KH et al. The ASPRE study NEJM (in press) [6] Poon LC et al. First-Trimester Prediction of Hypertensive Disorders in Pregnancy Hypertension 2009; 53: 812-818 [7] Melchiorre, Sharma, Thilaganathan. Cardiovascular implications in preeclampsia. Circulation. 2014 Aug 19;130(8):703-14. [8] Wright D, Akolekar R, Syngelaki A, Poon LC, Nicolaides KH. A competing risks model in early screening for preeclampsia. Fetal Diagn Ther. 2012;32(3):171-8. [9] Wright D, Syngelaki A, Akolekar R, Poon LC, Nicolaides KH. Competing risks model in screening for preeclampsia by maternal characteristics and medical history. Am J Obstet Gynecol 2015; 213: 62.e1-10. [10] Bujold E, Roberge S, Lacasse Y, Bureau M, Audibert F, Marcoux S, Forest JC, Giguère Y. Prevention of preeclampsia and intrauterine growth restriction with aspirin started in early pregnancy: a meta-analysis. Obstet Gynecol. 2010 Aug;116 [11] NICE guidelines 2010 [12] ACOG committee opinion 2015 [13] O'Gorman N, Wright D, Poon LC, Rolnik DL, Syngelaki A, de Alvarado M, Carbone IF, Dutemeyer V, Fiolna M, Frick A, Karagiotis N, Mastrodima S, de Paco Matallana C, Papaioannou G, Pazos A, Plasencia W, Nicolaides KH. Multicenter screening for pre-eclampsia by maternal factors and biomarkers at 11-13 weeks' gestation: comparison with NICE guidelines and ACOG recommendations. Ultrasound Obstet Gynecol. 2017 Jun;49(6): 756-760 [14] Poon LC, Zymeri NA, Zamprakou A, Syngelaki A, Nicolaides KH.Protocol for measurement of mean arterial pressure at 11-13 weeks' gestation. Fetal Diagn Ther. 2012;31(1):42-8.
  23. 23. [15] https://fetalmedicine.org/training-n-certification/certificates-of-competence/preeclampsia-screening-1 [16] Bellamy L, Casas JP, Hingorani AD, Williams DJ. Pre-eclampsia and risk of cardiovascular disease and cancer in later life: systematic review and meta-analysis. Br Med J. 2007;335:974. [17] Beaufils M, Uzan S, Donsimoni R, Colau JC Prevention of pre-eclampsia by early antiplatelet therapy. Lancet 1985; 1: 840 [18] Caron N, Rivard GE, Michon N, Morin F, Pilon D, Moutquin JM, Rey E. Low-dose ASA response using the PFA-100 in women with high-risk pregnancy. J Obstet Gynaecol Can. 2009 Nov;31(11):1022-7. [19] Roberge S, Nicolaides K, Demers S, Hyett J, Chaillet N, Bujold E.The role of aspirin dose on the prevention of preeclampsia and fetal growth restriction: systematic review and meta-analysis. Am J Obstet Gynecol. 2017 Feb;216(2):110-120.e6. [20] De Berardis G, Lucisano G, D'Ettorre A, Pellegrini F, Lepore V, Tognoni G, Nicolucci A. Association of aspirin use with major bleeding in patients with and without diabetes. JAMA. 2012 Jun 6;307(21):2286-94. [21] Ayala DE, Ucieda R, Hermida RC.Basky. Chronotherapy with low-dose aspirin for prevention of complications in pregnancy. Chronobiol Int. 2013 Mar;30(1-2):260-79. [22] Bulas do PlGF.

×