Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Formação PLANTAS EXÓTICAS INVASORAS: uma ameaça à biodiversidade

337 visualizaciones

Publicado el

Formação sobre PLANTAS EXÓTICAS INVASORAS: uma ameaça à biodiversidade, para professores
Co-organizado pelo FAPAS e Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra
30 de Março de 2019

Publicado en: Medio ambiente
  • Sé el primero en comentar

Formação PLANTAS EXÓTICAS INVASORAS: uma ameaça à biodiversidade

  1. 1. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt PLANTAS EXÓTICAS INVASORAS: uma ameaça à biodiversidade Elizabete Marchante Embaixadora
  2. 2. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Resumo 10h30 Plantas invasoras: Introdução, Impactes, Legislação, etc. 14h (ou antes) Principais espécies de plantas invasoras em Portugal: identificação e controlo 17h Sugestão de actividades a desenvolver em escolas Debate/questões/comentários ao longo da sessão
  3. 3. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt O que são? • Plantas NATIVAS (≈ espontâneas, indígenas, autóctones) • Plantas EXÓTICAS (≈ introduzidas, alóctones) Richardson et al., 2000, Div & Dist. 6: 93-107 Pyšek et al., 2004, Taxon, 53(1): 131-143
  4. 4. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Richardson et al., 2000, Div & Dist. 6: 93-107 Pyšek et al., 2004, Taxon, 53(1): 131-143 O que são? Planta INVASORA Planta INFESTANTE 4 NEM TODAS AS EXÓTICAS SÃO INVASORAS
  5. 5. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Plantas invasoras – como chegam até nós? As pessoas viajam e transportam muitos produtos por todo o mundo Introduções intencionais: ornamentais, alimentos, matérias primas, etc. Introduções acidentais: sementes e propágulos misturados com outros produtos, etc.
  6. 6. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Plantas invasoras – de onde vêm? De todo o mundo! MAS MUITAS vêm de regiões/países com climas mediterrânicos Mapa de: http://www.mednscience.org/mediterranean_ecosystem
  7. 7. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Mas a maioria das plantas exóticas não são invasoras...
  8. 8. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Processo de invasão biológica Tamanhodapopulação estímulo introdução naturalização invasão % espécies exóticas: introduzidas, naturalizadas e invasoras ? tempo ?
  9. 9. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Crescimento muito rápido Principais características Menos de 1 ano!Menos de 8 meses, com muitos cortes!
  10. 10. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Produção de numerosas sementes, algumas com grande longevidade no solo, e/ou estratégias de dispersão eficazes Principais características
  11. 11. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Produção de numerosas sementes, algumas com grande longevidade no solo, e/ou estratégias de dispersão eficazes Principais características
  12. 12. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Boas competidoras por recursos (água, luz, nutrientes, espaço, etc.) Principais características
  13. 13. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Boas competidoras por recursos (água, luz, nutrientes, espaço, etc.) Principais características
  14. 14. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Ausência de inimigos naturais Principais características
  15. 15. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Reprodução vegetativa muito eficiente Principais características
  16. 16. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Espécies adaptadas e favorecidas pelo fogo: germinação de sementes e/ou rebentamento de touças Principais características 1 ano após o incêndio de 15 Outubro 2017
  17. 17. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Espécies adaptadas e favorecidas pelo fogo: germinação de sementes e/ou rebentamento de touças Principais características 1 ano após o incêndio de 15 Outubro 2017
  18. 18. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt 1 ano após o incêndio de 15 Outubro 2017
  19. 19. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Grande distribuição na região de origem Algumas destas características contribuem para o comportamento invasor de algumas plantas exóticas Muitas destas características são as que procuramos nas espécies para utilizar como ornamentais ou para fins florestais... Invasão! Principais características
  20. 20. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt E quais os impactes que as plantas invasoras promovem? Porque são uma ameaça?
  21. 21. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Ecológicos – ameaça à biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas (competição com espécies nativas, alteração dos ciclos de nutrientes, água, etc.) – impactes nos serviços dos ecossistemas (alimentos, fornecimento de água e recursos diversos, regulação do clima, cheias, doenças, etc.) – alteração/uniformização dos ecossistemas/paisagens – alteração dos regimes de fogo – alteração das cadeias ecológicas/alimentares • Económicos (Europa: > 12 000 milhões €/ano, EC 2008): – produtividade - espécies que invadem áreas agrícolas, florestais ou piscícolas (aquáticas), pragas, epidemias, etc. – gestão e controlo de invasoras e recuperação de sistemas invadidos – turismo, etc. Impactes das plantas invasoras
  22. 22. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Ecológicos – ameaça à biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas (competição com espécies nativas, alteração dos ciclos de nutrientes, água, etc.) – impactes nos serviços dos ecossistemas (alimentos, fornecimento de água e recursos diversos, regulação do clima, cheias, doenças, etc.) – alteração/uniformização dos ecossistemas/paisagens – alteração dos regimes de fogo – alteração das cadeias ecológicas/alimentares • Económicos (Europa: > 12 000 milhões €/ano, EC 2008): – produtividade - espécies que invadem áreas agrícolas, florestais ou piscícolas (aquáticas), pragas, epidemias, etc. – gestão e controlo de invasoras e recuperação de sistemas invadidos – turismo, etc. Impactes das plantas invasoras
  23. 23. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Impactes das plantas invasoras Blackburn, TM, Bellard, C, Ricciardi, A. 2019. Alien versus native species as drivers of recent extinctions. Front Ecol Environ. doi:10.1002/fee.2020
  24. 24. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Ecológicos – ameaça à biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas (competição com espécies nativas, alteração dos ciclos de nutrientes, água, etc.) – impactes nos serviços dos ecossistemas (alimentos, fornecimento de água e recursos diversos, regulação do clima, cheias, doenças, etc.) – alteração/uniformização dos ecossistemas/paisagens – alteração dos regimes de fogo – alteração das cadeias ecológicas/alimentares • Económicos (Europa: > 12 000 milhões €/ano, EC 2008): – produtividade - espécies que invadem áreas agrícolas, florestais ou piscícolas (aquáticas), pragas, epidemias, etc. – gestão e controlo de invasoras e recuperação de sistemas invadidos – turismo, etc. Impactes das plantas invasoras Célia Laranjeira
  25. 25. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Ecológicos – ameaça à biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas (competição com espécies nativas, alteração dos ciclos de nutrientes, água, etc.) – impactes nos serviços dos ecossistemas (alimentos, fornecimento de água e recursos diversos, regulação do clima, cheias, doenças, etc.) – alteração/uniformização dos ecossistemas/paisagens – alteração dos regimes de fogo – alteração das cadeias ecológicas/alimentares • Económicos (Europa: > 12 000 milhões €/ano, EC 2008): – produtividade - espécies que invadem áreas agrícolas, florestais ou piscícolas (aquáticas), pragas, epidemias, etc. – gestão e controlo de invasoras e recuperação de sistemas invadidos – turismo, etc. Impactes das plantas invasoras Herbário UA
  26. 26. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Ecológicos – ameaça à biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas (competição com espécies nativas, alteração dos ciclos de nutrientes, água, etc.) – impactes nos serviços dos ecossistemas (alimentos, fornecimento de água e recursos diversos, regulação do clima, cheias, doenças, etc.) – alteração/uniformização dos ecossistemas/paisagens – alteração dos regimes de fogo – alteração das cadeias ecológicas/alimentares • Económicos (Europa: > 12 000 milhões €/ano, EC 2008): – produtividade - espécies que invadem áreas agrícolas, florestais ou piscícolas (aquáticas), pragas, epidemias, etc. – gestão e controlo de invasoras e recuperação de sistemas invadidos – turismo, etc. Impactes das plantas invasoras Vitor Carvalho
  27. 27. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Ecológicos – ameaça à biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas (competição com espécies nativas, alteração dos ciclos de nutrientes, água, etc.) – impactes nos serviços dos ecossistemas (alimentos, fornecimento de água e recursos diversos, regulação do clima, cheias, doenças, etc.) – alteração/uniformização dos ecossistemas/paisagens – alteração dos regimes de fogo – alteração das cadeias ecológicas/alimentares • Económicos (Europa: > 12 000 milhões €/ano, EC 2008): – produtividade - espécies que invadem áreas agrícolas, florestais ou piscícolas (aquáticas), pragas, epidemias, etc. – gestão e controlo de invasoras e recuperação de sistemas invadidos – turismo, etc. Impactes das plantas invasoras Francisco Caetano
  28. 28. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Ecológicos – ameaça à biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas (competição com espécies nativas, alteração dos ciclos de nutrientes, água, etc.) – impactes nos serviços dos ecossistemas (alimentos, fornecimento de água e recursos diversos, regulação do clima, cheias, doenças, etc.) – alteração/uniformização dos ecossistemas/paisagens – alteração dos regimes de fogo – alteração das cadeias ecológicas/alimentares • Económicos (Europa: > 12 000 milhões €/ano, EC 2008): – produtividade - espécies que invadem áreas agrícolas, florestais ou piscícolas (aquáticas), pragas, epidemias, etc. – gestão e controlo de invasoras e recuperação de sistemas invadidos – turismo, etc. Impactes das plantas invasoras
  29. 29. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Ecológicos – ameaça à biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas (competição com espécies nativas, alteração dos ciclos de nutrientes, água, etc.) – impactes nos serviços dos ecossistemas (alimentos, fornecimento de água e recursos diversos, regulação do clima, cheias, doenças, etc.) – alteração/uniformização dos ecossistemas/paisagens – alteração dos regimes de fogo – alteração das cadeias ecológicas/alimentares • Económicos (Europa: > 12 000 milhões €/ano, EC 2008): Impactes das plantas invasoras
  30. 30. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Ecológicos – ameaça à biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas (competição com espécies nativas, alteração dos ciclos de nutrientes, água, etc.) – impactes nos serviços dos ecossistemas (alimentos, fornecimento de água e recursos diversos, regulação do clima, cheias, doenças, etc.) – alteração/uniformização dos ecossistemas/paisagens – alteração dos regimes de fogo – alteração das cadeias ecológicas/alimentares • Económicos (Europa: > 12 000 milhões €/ano, EC 2008): – produtividade - espécies que invadem áreas agrícolas, florestais ou piscícolas (aquáticas), pragas, epidemias, etc. Impactes das plantas invasoras (1)
  31. 31. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Ecológicos – ameaça à biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas (competição com espécies nativas, alteração dos ciclos de nutrientes, água, etc.) – impactes nos serviços dos ecossistemas (alimentos, fornecimento de água e recursos diversos, regulação do clima, cheias, doenças, etc.) – alteração/uniformização dos ecossistemas/paisagens – alteração dos regimes de fogo – alteração das cadeias ecológicas/alimentares • Económicos (Europa: > 12 000 milhões €/ano, EC 2008): – produtividade - espécies que invadem áreas agrícolas, florestais ou piscícolas (aquáticas), pragas, epidemias, etc. – gestão e controlo de invasoras e recuperação de sistemas invadidos Impactes das plantas invasoras (1)
  32. 32. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Ecológicos – ameaça à biodiversidade e equilíbrio dos ecossistemas (competição com espécies nativas, alteração dos ciclos de nutrientes, água, etc.) – impactes nos serviços dos ecossistemas (alimentos, fornecimento de água e recursos diversos, regulação do clima, cheias, doenças, etc.) – alteração/uniformização dos ecossistemas/paisagens – alteração dos regimes de fogo – alteração das cadeias ecológicas/alimentares • Económicos (Europa: > 12 000 milhões €/ano, EC 2008): – produtividade - espécies que invadem áreas agrícolas, florestais ou piscícolas (aquáticas), pragas, epidemias, etc. – gestão e controlo de invasoras e recuperação de sistemas invadidos – turismo de natureza, etc. Impactes das plantas invasoras (1)
  33. 33. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Diminuição disponibilidade água nos lençóis freáticos – espécies muito exigentes no seu consumo, quer pelas suas características, quer pelas densidades elevadas que atingem • Impactes na saúde pública – espécies tóxicas, “cortantes”, que provocam doenças, alergias, ou funcionam como vectores de pragas Impactes das plantas invasoras
  34. 34. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Diminuição disponibilidade água nos lençóis freáticos – espécies muito exigentes no seu consumo, quer pelas suas características, quer pelas densidades elevadas que atingem • Impactes na saúde pública – espécies tóxicas, “cortantes”, que provocam doenças, alergias, ou funcionam como vectores de pragas Impactes das plantas invasoras
  35. 35. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Diminuição disponibilidade água nos lençóis freáticos – espécies muito exigentes no seu consumo, quer pelas suas características, quer pelas densidades elevadas que atingem • Impactes na saúde pública – espécies tóxicas, “cortantes”, que provocam doenças, alergias, ou funcionam como vectores de pragas Impactes das plantas invasoras
  36. 36. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Estética da paisagem… • Impactes socioculturais • “Festa da mimosa” (década 70 a 1988)… • Safaris fotográficos • Aproveitamento para lenha, cestaria, etc. • … Impactes das plantas invasoras
  37. 37. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Estética da paisagem… Impactes das plantas invasoras
  38. 38. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Estética da paisagem… Impactes das plantas invasoras
  39. 39. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Estética da paisagem… • Impactes socioculturais • “Festa da mimosa” (década 70 a 1988)… • Safaris fotográficos Impactes das plantas invasoras (3)
  40. 40. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Estética da paisagem… • Impactes socioculturais • “Festa da mimosa” (década 70 a 1988)… • Safaris fotográficos • Aproveitamento para lenha, cestaria, etc. Impactes das plantas invasoras
  41. 41. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt • Estética da paisagem… • Impactes socioculturais • “Festa da mimosa” (década 70 a 1988)… • Safaris fotográficos • Aproveitamento para lenha, cestaria, etc. • … Impactes das plantas invasoras As espécies invasoras são uma das maiores ameaças ao bem-estar ambiental e económico do planeta GISP (Global Invasive Species Programme)
  42. 42. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Agenda 2030) Objetivo 15.8 - Até 2020, implementar medidas para evitar a introdução e reduzir significativamente o impacto de espécies exóticas invasoras nos ecossistemas terrestres e aquáticos, e controlar ou erradicar as espécies prioritárias.
  43. 43. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Espécies exóticas invasoras a nível global Turbelin, AJ, Malamud, BD, Francis, RA. 2017. Mapping the global state of invasive alien species: patterns of invasion and policy responses. Global Ecol. Biogeogr. 26, 78–92
  44. 44. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt 772 669 56 47 0 100 200 300 400 500 600 700 800 900 Baseado em: Marchante et al 2014, Almeida 2018 Nºdeespécies Exóticas naturalizadas (casuais) Potencial desconhecido Potencialmente invasoras Invasoras Plantas invasoras – SITUAÇÃO EM PORTUGAL ? • Ca. 3300 espécies NATIVAS • Ca. 770 espécies EXÓTICAS naturalizadas; destas, ca. 50 INVASORAS
  45. 45. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Legislação – Decreto-Lei n.º 565/99 Introdução intencional de espécies exóticas na natureza Exceções “económicas” - agricultura, horticultura, interesse zootécnico (DL n.º 28039, 14-09-1937 DL n.º165/74, 22 de abril DL n.º 205/2003, 12 de setembro Despacho 20194/2009; nº 4, artigo 19º, DL 16/2009, 14 janeiro) Regulamento (UE) Nº 1143/2014 de 22 Outubro 2014 Regulamento de Execução (UE) nº 2016/1141, de 13 julho, e nº 2017/1263, de 12 julho 
  46. 46. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Acacia dealbata Link Acacia karroo Hayne Acacia longifolia (Andrews) Willd. Acacia mearnsii De Wild. Acacia melanoxylon R. Br. Acacia pycnantha Bentham Acacia retinodes Schlecht. Acacia cyanophylla Lindl Ailanthus altissima (Mill.) Swingle Arctotheca calendula (L.) Levyns Azolla filiculoides Lam. Carpobrotus edulis (L.) N. E. Br. Conyza bonariensis (L.) Cronq. Datura stramonium L. Eichhornia crassipes (Mart.) Solms Elodea canadensis Michx Erigeron karvinskianus DC. Eryngium pandanifolium Cham. & Schlecht. Galinsoga parviflora Cav. Hakea salicifolia (Vent.) B.L. Burtt Hakea sericea Schrader Ipomoea acuminata (Vahl) Roemer & Schultes Myriophyllum brasiliense Cambess. Oxalis pes-caprae L. Pittosporum undulatum Vent. Robinia pseudoacacia L. Senecio bicolor (Willd.) Tod. subsp. cineraria (DC.) Chater Spartina densiflora Brongn. Tradescantia fluminensis Velloso Cortaderia selloana (J. A. & J. H. Schultes) Aschers & Graebner. Arundo donax L. Opuntia spp. Legislação – Decreto-Lei n.º 565/99 (Anexo I)
  47. 47. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Principais plantas invasoras em Portugal - Identificação e controlo - Invasoras.pt
  48. 48. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Comecemos pelas acácias…
  49. 49. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Folhas recompostas (folha composta cujo eixo se ramifica em eixos de 2ª ordem apenas 1 gema/ gomo na axila do pecíolo)
  50. 50. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Filódio (Pecíolo dilatado e achatado)
  51. 51. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Acácias Distribuir vários exemplares “mini-chave” disponível online em invasoras.pt
  52. 52. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Acacia spp. – folhas recompostas espinheiro-karro (Acacia karroo) Mimosa (Acacia dealbata) Acácia-negra (Acacia mearnsii)Austrália (Acacia melanoxylon)
  53. 53. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Acacia spp. - folhas recompostas espinheiro-karro (Acacia karroo) Mimosa (Acacia dealbata) Acácia-negra (Acacia mearnsii)Austrália (Acacia melanoxylon)
  54. 54. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Acacia spp. – filódios (e flores) A. longifolia A. salignaA. retinodes A. melanoxylonA. cyclops A. pycnantha
  55. 55. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt mimosa (Acacia dealbata) – Austrália Invade principalmente vales e zonas montanhosas, margens de cursos de água e vias de comunicação
  56. 56. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Como controlar? Metodologia(s) a seleccionar deve(m) ter em conta as características da(s) espécie(s) invasora(s) e da área invadida, recursos disponíveis, etc. Exemplo da mimosa
  57. 57. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Vídeo
  58. 58. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Vídeo
  59. 59. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt controlo de continuidade: arranque; deixar crescer e descascar; cortes sucessivos; dependendo dos locais, pulverização com fitocida, gradagens, fogo controlado, ensombramento, etc. Germinação: arranque, corte com motorroçadora < 20cm, gradagens, fitocida
  60. 60. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt E ainda… Controlo natural (em fase de testes) Melanterius spp. – gorgulhos australianos, específicos para género Acacia (A. mearnsii, A. dealbata, A. decurrens, A. baileyana e A. pycnantha); libertado M. maculatus na África-do-Sul, em 2001, para A. dealbata Alimentam-se e colocam ovos nas sementes imaturas reduzindo a sua viabilidade
  61. 61. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Controlo de outras acácias… Controlo mais ou menos semelhante a mimosa, mas: - Nalgumas os descasques são mais difíceis (A. melanoxylon, A. mearnsii, e arbustivas) - Nalgumas as pulverizações são menos eficientes (espécies com filódios) - Algumas rebentam menos de touça e/ou raiz (A. longifolia e A. pycnantha)
  62. 62. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt austrália (Acacia melanoxylon) – Austrália Invade principalmente vales e zonas montanhosas, margens de cursos de água e vias de comunicação
  63. 63. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt acácia-de-espigas (Acacia longifolia) – Austrália Invade principalmente dunas costeiras, cabos e margens de linhas de água
  64. 64. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Controlo biológico – Trichilogaster acaciaelongifoliae
  65. 65. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Trichilogaster acaciaelongifoliae contra Acacia longifolia • Galhador australiano (Hymenoptera: Pteromalidae), 3mm • Introduzido há mais de 30 anos na África-do-Sul • Mono-específico - afecta A. longifolia (galhas esporádicas e sub- desenvolvidas em A. melanoxylon e Paraserianthes lophantha) • Ciclo de vida anual: • 362 dias dentro de galhas; • Emergência de ♀, procuram gemais florais (vegetativas); • oviposição e morte após 2-3 dias • galhas desenvolvem-se em vez de flores (e ramos) – IMPEDE formação de SEMENTES (e crescimento vegetativo)
  66. 66. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Controlo biológico – Trichilogaster acaciaelongifoliae Marchante et al., 2017. First report of the establishment of the biocontrol agent Trichilogaster acaciaelongifoliae for control of invasive Acacia longifolia in Portugal. EPPO Bulletin. 47 (2): 274–278. doi:10.1111/epp.12373
  67. 67. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Controlo biológico-Trichilogaster acaciaelongifoliae López-Núñez, F.A., Heleno, R.H., Ribeiro, S., Marchante, H., Marchante, E. 2017. Four-trophic level food webs reveal the cascading impacts of an invasive plant targeted for biocontrol. Ecology, 98 (3): 782–793 ? Inquilinos/ Parasitóides Galhadores Plantas
  68. 68. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Controlo biológico – Trichilogaster acaciaelongifoliae César de Sá, N., Castro, P., Carvalho, S., López-Núñez, F.A., Marchante E. & Marchante, H. 2018. Mapping the flowering of an invasive plant using Unmanned Aerial Vehicles: is there potential for biocontrol monitoring? Frontiers in Plant Sciences. 9: 293.
  69. 69. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Invade principalmente dunas costeiras e margens de vias de comunicação do sul do país. acácia (Acacia saligna) – Austrália
  70. 70. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt acácia (Acacia pycnantha) – Austrália Invade principalmente locais secos e perturbados, por ex. margens de vias de comunicação; florestas secas esclerófilas, solos arenosos ou rochosos.
  71. 71. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt acácia-negra (Acacia mearnsii) – Austrália Invade principalmente áreas perturbadas, margens de linhas de água e áreas urbanas
  72. 72. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt acácia-virilda (Acacia retinodes) – Austrália Invade principalmente áreas perturbadas, margens de vias de comunicação; por vezes, dunas costeiras.
  73. 73. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Espinheiro-karroo (Acacia karroo) – África-do-sul Aparece pontualmente, a espalhar perto de Faro, Serra da Arrábida e Odemira.
  74. 74. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt chorão-das-praias (Carpobrotus edulis) – África do Sul Invade principalmente dunas costeiras, cabos e taludes onde foi plantado
  75. 75. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt chorão-das-praias (Carpobrotus edulis) Sementes e propagação vegetativa: Continuidade!
  76. 76. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt háquea-picante (Hakea sericea) – Austrália Invade principalmente áreas perturbadas ou semi- naturais, junto a áreas onde foi plantada (e.g., sebes)
  77. 77. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt háquea-picante (Hakea sericea) Corte + fogo controlado, destroçamento, gradagemSementes acumuladas na planta, libertadas quando morre (arde)
  78. 78. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt espanta-lobos (Ailanthus altissima) – China Invade principalmente junto a vias de comunicação, áreas perturbadas, espaços urbanos; tem aumentado em florestas ribeirinhas
  79. 79. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Ailanthus altissima, espanta-lobos
  80. 80. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt espanta-lobos (Ailanthus altissima) Injecção de fitocida Injecção de fitocida, por furos ou entalhes (outras espécies)Vídeo
  81. 81. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt robínia (Robinia pseudoacacia) – América do Norte Invade principalmente áreas perturbadas, margens de vias de comunicação e de linhas de água, subcoberto de comunidades arbóreas degradadas,…
  82. 82. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt penachos (Cortaderia selloana) –América doSul Invade principalmente dunas costeiras, margens de vias de comunicação e áreas perturbadas
  83. 83. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt erva-das-pampas (Cortaderia selloana) Arranque; Corte rente + espera + glifosato; remover plumas INÍCIO Setembro para sacos
  84. 84. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt canas (Arundo donax) – Ásia temperada? Europa oriental? Invade zonas húmidas (margens de linhas de água, zonas pantanosas…); áreas agrícolas e margens de estradas. Corte + espera + aplicação fitocida; cortes repetidos; arranque de rizomas
  85. 85. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt bons-dias (Ipomoea acuminata) – regiões tropicais Invade principalmente áreas perturbadas (e.g., edifícios abandonados) e taludes onde foi plantada. Corte + (espera +) aplicação fitocida; arranque
  86. 86. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt azedas (Oxalis pes-caprae) – África do Sul Invade principalmente áreas de cultivo e abandonadas
  87. 87. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt erva-da-fortuna (Tradescantia fluminensis) – América do Sul Invade principalmente sítios sombrios e húmidos, comum no sub-coberto de matas geridas, bosques naturais, áreas perturbadas, etc Arranque manual (enrolamento) Vídeo
  88. 88. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt jacinto-de-água (Eichhornia crassipes) – rio Amazonas Invade principalmente canais de irrigação, lagoas e lagoachos
  89. 89. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt figueira-da-índia (Opuntia spp.) – América tropical Invade principalmente zonas áridas, rochosas ou costeiras; também zonas perturbadas, como margens de vias de comunicação, jardins, etc.
  90. 90. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt vitadínia-das-floristas (Erigeron karvinskianus) – México e Sul da América tropical Invade principalmente muros, fendas de rochas, empedrados e espaços ajardinados perturbados.
  91. 91. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt pinheirinha (Myriophyllum aquaticum) – América Sul Invade principalmente Lagoas, valas, linhas de água, pântanos e solos encharcados
  92. 92. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Detecção precoce
  93. 93. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Elódea-africana (Lagarosiphon major) – África do Sul Invade principalmente habitats de água doce parada ou com pouca corrente, com substratos lodosos ou arenosos
  94. 94. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt
  95. 95. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt
  96. 96. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Sanguinária do Japão (Fallopia japonica) – Ásia (Japão, Coreia e China) Invade principalmente margens de rios e ribeiras e áreas degradadas, no Norte do país.
  97. 97. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt vassoura-de-folha-estreita(Baccharis spicata)-América-Sul Áreas urbanas, terrenos expectantes e abandonados. Terá entrado pelo Porto de Leixões em 2015 Fotos de Marisa Graça
  98. 98. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt salvina-molesta (Salvinia molesta) – América do Sul Invade principalmente zonas húmidas de água doce, lagoas e ribeiros
  99. 99. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt etc. … plantas potencialmente invasoras… polígono-de-jardim lantana Qual o problema de uma planta sozinha? • mimosa - árvores isoladas • erva-das-pampas - milhares de sementes transportadas pelo vento • árvore-do-céu - muitas sementes e propagação vegetativa •Espécies com comportamento invasor esporádico/começam a dispersar •Espécies Invasoras noutros locais com clima semelhante ao nosso •Espécies de géneros com plantas invasoras •… tempo e estímulos…
  100. 100. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Gestão de plantas invasoras Como perder a guerra contra as invasoras em 6 passos • Ter mais olhos que barriga – PRIORIDADES • Subestimar (e desconhecer) o inimigo • Virar costas ao inimigo • Acreditar em receitas milagrosas • Ignorar o regime de fogo • Descurar controlos de continuidade/manutenção
  101. 101. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Francisco Caetano
  102. 102. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt
  103. 103. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Prevenção + Detecção precoce & Resposta Rápida  erradicação… – Educação e sensibilização ambiental são essenciais – Não usar espécies invasoras – Não introduzir novas espécies sem avaliar potencial invasor Gestão de Plantas Invasoras (resumido!)
  104. 104. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Prevenção + Detecção precoce & Resposta Rápida  erradicação… – Educação e sensibilização ambiental são essenciais – Não usar espécies invasoras – Não introduzir novas espécies sem avaliar potencial invasor Estabelecer PRIORIDADES (cartografia inicial; espécies; áreas; objectivos; etc.)  áreas em início de invasão, árvores isoladas e pequenos núcleos. Gestão de Plantas Invasoras (resumido!) Ex. Matriz prioridades: Critérios para priorização das intervenções (Rainha e Moça 2011) LINHA DE ÁGUA (LA) PONTOS CAMINHOS (C) PONTOS Linha água permanente 2 Caminho com perturbação 2 Linha água temporária 1 Caminho sem perturbação 1 Sem linha de água 0 Sem caminho 0 POSIÇÃO (P) PONTOS FACTORES FACILITAÇÃO (FF) (viveiros) PONTOS Topo encosta (>650m) 2 Sim 2 Base encosta (<650m) 1 Não 1 TIPOLOGIA (T) PONTOS FACTORES PERTURBAÇÃO (FP) (corte, fogo, etc) PONTOS Individuo isolado 3 Núcleo em expansão 2 Sim 10 Núcleo consolidado 1 Não 0
  105. 105. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Prevenção + Detecção precoce & Resposta Rápida  erradicação… – Educação e sensibilização ambiental são essenciais – Não usar espécies invasoras – Não introduzir novas espécies sem avaliar potencial invasor Estabelecer PRIORIDADES (cartografia inicial; espécies; áreas; objectivos; etc.)  áreas em início de invasão, árvores isoladas e pequenos núcleos Gestão deve considerar SEMPRE controlos de CONTINUIDADE! (muitas sementes ou com grande longevidade, rebentamento de touça ou raiz, etc.)  Gestão de áreas invadidas deve ser a médio/longo prazo. PERSISTÊNCIA! Gestão de Plantas Invasoras (resumido!) 0 20 40 60 80 100 120 controlo inicial 1º controlo 2º controlo 3º controlo 4º controlo nº médio jornas/ hectare nº médio jo Nºjornas/hectare
  106. 106. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Prevenção + Detecção precoce & Resposta Rápida  erradicação… – Educação e sensibilização ambiental são essenciais – Não usar espécies invasoras – Não introduzir novas espécies sem avaliar potencial invasor Estabelecer PRIORIDADES (cartografia inicial; espécies; áreas; objectivos; etc.)  áreas em início de invasão, árvores isoladas e pequenos núcleos Gestão deve considerar SEMPRE controlos de CONTINUIDADE! (muitas sementes ou com grande longevidade, rebentamento de touça ou raiz, etc.)  Gestão de áreas invadidas deve ser a médio/longo prazo. PERSISTÊNCIA! Apostar na sustentabilidade (não focar nas invasoras, nativas adaptadas, fogo, ODS, preservação biodiversidade, corredores ecológicos, manutenção, etc.) Identificação correcta da espécie  metodologias de controlo adequadas  aplicação correcta das metodologias de controlo. Gestão de Plantas Invasoras (resumido!)
  107. 107. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt
  108. 108. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Prevenção + Detecção precoce & Resposta Rápida  erradicação… – Educação e sensibilização ambiental são essenciais – Não usar espécies invasoras – Não introduzir novas espécies sem avaliar potencial invasor Estabelecer PRIORIDADES (cartografia inicial; espécies; áreas; objectivos; etc.)  áreas em início de invasão, árvores isoladas e pequenos núcleos Gestão deve considerar SEMPRE controlos de CONTINUIDADE! (muitas sementes ou com grande longevidade, rebentamento de touça ou raiz, etc.)  Gestão de áreas invadidas deve ser a médio/longo prazo. PERSISTÊNCIA! Apostar na sustentabilidade (não focar nas invasoras, nativas adaptadas, fogo, ODS, preservação biodiversidade, corredores ecológicos, manutenção, etc.) Identificação correcta da espécie  metodologias de controlo adequadas  aplicação correcta das metodologias de controlo. Muito importante: monitorizar, avaliar, registar, publicitar! Rever e modificar plano de gestão se necessário! GESTÃO ADAPTATIVA! Gestão de Plantas Invasoras (resumido!)
  109. 109. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Gambusia holbrooki Eriocheir sinensis Procambarus clarkii Só para não esquecer… Dryocosmus kuriphilus
  110. 110. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Só para não esquecer… Gambúsia (Gambusia holbrooki) Tartaruga-da-Flórida Foto: José TeixeiraVespa asiática
  111. 111. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Todos somos intervenientes neste processo. Todos podemos ajudar! “PREVENÇÃO É A MELHOR OPÇÃO” 1. Aprender a identificar as plantas (animais) invasoras e NÃO as UTILIZAR O que podemos fazer?
  112. 112. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Todos somos intervenientes neste processo. Todos podemos ajudar! “PREVENÇÃO É A MELHOR OPÇÃO” 1. Aprender a identificar as plantas invasoras e NÃO as UTILIZAR 2. Ao comprar plantas, preferir as nativas; se optar por exóticas informar-se sobre o seu potencial invasor O que podemos fazer?
  113. 113. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt ...Cuidado com poluição genética…
  114. 114. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Todos somos intervenientes neste processo. Todos podemos ajudar! “PREVENÇÃO É A MELHOR OPÇÃO” 1. Aprender a identificar as plantas invasoras e NÃO as UTILIZAR 2. Ao comprar plantas, preferir as nativas; se optar por exóticas informar-se sobre o seu potencial invasor 3. Ao passear no campo, verificar que as roupas e sapatos não trazem sementes ou outros propágulos de plantas invasoras O que podemos fazer?
  115. 115. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt
  116. 116. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Todos somos intervenientes neste processo. Todos podemos ajudar! “PREVENÇÃO É A MELHOR OPÇÃO” 1. Aprender a identificar as plantas invasoras e NÃO as UTILIZAR 2. Ao comprar plantas, preferir as nativas; se optar por exóticas informar-se sobre o seu potencial invasor 3. Ao passear no campo, verificar que as roupas e sapatos não trazem sementes ou outros propágulos de plantas invasoras 4. Ao limpar os jardins/espaços verdes/terrenos de cultivo, não deitar restos de exóticas na natureza O que podemos fazer?
  117. 117. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt
  118. 118. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt 5. Organizar ou participar em ações de controlo, palestras, atividades de sensibilização, ou outras, sobre plantas invasoras O que podemos fazer?
  119. 119. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt 5. Organizar ou participar em ações de controlo, palestras, atividades de sensibilização, ou outras, sobre plantas invasoras O que podemos fazer?
  120. 120. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt 5. Organizar ou participar em ações de controlo, palestras, atividades de sensibilização, ou outras, sobre plantas invasoras O que podemos fazer?
  121. 121. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt 5. Organizar ou participar em ações de controlo, palestras, atividades de sensibilização, ou outras, sobre plantas invasoras 6. Mapa de avistamentos de plantas invasoras - projeto de Ciência Cidadã, disponível: http://invasoras.pt/mapa-de-avistamentos/ O que podemos fazer?
  122. 122. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt 5. Organizar ou participar em ações de controlo, palestras, atividades de sensibilização, ou outras, sobre plantas invasoras 6. Mapa de avistamentos de plantas invasoras - projeto de Ciência Cidadã, disponível: http://invasoras.pt/mapa-de-avistamentos/ 7. DESAFIOS Invasoras.pt - Quem quer ser cidadão-cientista? O que podemos fazer?
  123. 123. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt 5. Organizar ou participar em ações de controlo, palestras, atividades de sensibilização, ou outras, sobre plantas invasoras 6. Mapa de avistamentos de plantas invasoras - projeto de Ciência Cidadã, disponível: http://invasoras.pt/mapa-de-avistamentos/ 7. DESAFIOS Invasoras.pt - Quem quer ser cidadão-cientista? 8. Linha SOS Ambiente e Território: 808 200 520; sepna@gnr.pt O que podemos fazer?
  124. 124. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Sugestão de actividades a desenvolver em escolas
  125. 125. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Mais info em: http://invasoras.pt/desafios2019/
  126. 126. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Invasoras.pt 1- Aprende a reconhecer as plantas invasoras que vês
  127. 127. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt DESAFIO 1- MAPEAMENTO: Mapear Invasoras frequentes em Portugal 1- registar-se no site: https://goo.gl/forms/bsLWsoEQmNG0WmMl1 2- aprender a identificar algumas espécies invasoras 3- reportar as invasoras que encontrarem (app ou site) 4- submeter muitos avistamentos 
  128. 128. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt DESAFIO 1- MAPEAMENTO: Mapear Invasoras frequentes em Portugal
  129. 129. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt DESAFIO 2 - FENOLOGIA: Monitorizar a fenologia das plantas invasoras 1- registar-se no site: https://goo.gl/forms/bsLWsoEQmNG0WmMl1 2- aprender a identificar algumas espécies invasoras 3- seleccionar 1 (ou mais) plantas invasoras perto da escola/casa 4- fazer download da App Epicollect5 e +Add project “Desafio2” 5- todos os meses tirar 2 fotos da(s) planta(s) seleccionada(s) (geral e pormenor) e submeter através da App Epicollect5 “Desafio2”
  130. 130. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt DESAFIO 3 - DETECÇÃO: Detectar novas invasoras que chegaram há pouco 1- registar-se no site https://goo.gl/forms/bsLWsoEQmNG0WmMl1 2- aprender a identificar as novas espécies invasoras 3- procurá-las nos locais onde podem aparecer 4- reportar as que encontrarem (app ou site)
  131. 131. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt DESAFIO 4 - DIVULGAÇÃO: Divulgar o tema das invasões biológicas 1- registar-se no site https://goo.gl/forms/bsLWsoEQmNG0WmMl1 2- identificar público-alvo (a quem dirigem a vossa mensagem?) 3- identificar a mensagem que querem comunicar 4- escolher o meio de comunicação/formato (vídeo, poster, palestra, etc. 5- dar asas à imaginação  6- enviar-nos o link para o vosso trabalho através do formulário https://goo.gl/forms/LrQrJbokWjRdPy6J2
  132. 132. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Outras propostas… Actividade prática com visita de estudo a área invadida Peddy-paper com invasoras Exposição sobre plantas (espécies) invasoras Mapear as plantas invasoras do concelho/região da escola Palestra ou debate sobre plantas invasoras Notícia para jornal/rádio local ou da escola Experiência sobre germinação, crescimento, competição, avaliação de banco de sementes, etc. Controlar e monitorizar uma área invadida (voluntariado ambiental) Bioblitz incluindo espécies invasoras, etc. Pensar em: público-alvo, duração, divulgação, outputs a produzir, avaliação, etc.
  133. 133. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Referências Almeida, JD. 2018. New additions to the exotic vascular flora of continental Portugal.— Fl. Medit. 28: 259-278. ISSN: 1120-4052 printed, 2240-4538 online. Blackburn, TM, Bellard, C, Ricciardi, A. 2019. Alien versus native species as drivers of recent extinctions. Front Ecol Environ. doi:10.1002/fee.2020 César de Sá, N., Castro, P., Carvalho, S., López-Núñez, F.A., Marchante E. & Marchante, H. 2018. Mapping the flowering of an invasive plant using Unmanned Aerial Vehicles: is there potential for biocontrol monitoring? Frontiers in Plant Sciences. 9: 293. EC 2008: European Commission (EC), Towards an EU Strategy on Invasive Species López-Núñez, F.A., Heleno, R.H., Ribeiro, S., Marchante, H., Marchante, E. 2017. Four-trophic level food webs reveal the cascading impacts of an invasive plant targeted for biocontrol. Ecology, 98 (3): 782–793. DOI: 10.1002/ecy.1701 Marchante, H., Morais, M., Freitas, H. & Marchante, E. 2014. Guia prático para a identificação de Plantas Invasoras em Portugal. Imprensa da Universidade de Coimbra. Coimbra. 207 pp. DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0786-3 Marchante, H., López-Núñez, F.A., Freitas, H., Hoffmann, J.H., Impson, F., Marchante, E. 2017. First report of the establishment of the biocontrol agent Trichilogaster acaciaelongifoliae for control of invasive Acacia longifolia in Portugal. EPPO Bulletin. 47 (2): 274–278. doi:10.1111/epp.12373 Ministério do Ambiente. 1999. Decreto-lei n.º 565/99 de 21 de Dezembro. In: Diário da República - I Série - A. 295: 9100-9114. Parlamento Europeu e Conselho (2014). Regulamento (UE) nº 1143/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho de 22 de outubro de 2014 relativo à prevenção e gestão da introdução e propagação de espécie exóticas invasoras. Pyšek P, Richardson DM, Rejmanek M, Webster GL, Williamson M, Kirschner J (2004) Alien plants in checklists and floras: towards better communication between taxonomists and ecologists. Taxon 53 (1):131-143 Richardson DM, Pyšek P, Rejmánek M, Barbour MG, Panetta FD, West CJ (2000) Naturalization and invasion of alien plants: concepts and definitions. Divers Distrib 6:93-107 Turbelin, AJ, Malamud, BD, Francis, RA. 2017. Mapping the global state of invasive alien species: patterns of invasion and policy responses. Global Ecol. Biogeogr. 26, 78–92
  134. 134. Porto | 30 Março 2019 | Plantas invasoras www.invasoras.pt Obrigada! Até dia 11 de Maio  Mais informação: invasoras.pt https://www.facebook.com/InvasorasPt | https://www.instagram.com/invasoraspt/ emarchante@uc.pt

×