Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Paulo carmoICNFvespa_asiatica

188 visualizaciones

Publicado el

Apresentação de Paulo Carmo no Seminário “Gestão de Espécies Invasoras” - “Evolução do problema da vespa-asiática em Portugal”
O Seminário foi organizado no âmbito do Mestrado em Recursos Florestais da Escola Superior Agrária de Coimbra, e decorreu no dia 21 de Dezembro de 2018 na ESAC.
Dúvidas/ questões podem ser enviadas para: hmarchante@esac.pt

Publicado en: Medio ambiente
  • Sé el primero en comentar

  • Sé el primero en recomendar esto

Paulo carmoICNFvespa_asiatica

  1. 1. Paulo Carmo / ICNF Coimbra - ESAC, 21.12.2018
  2. 2. Vespula germanica Vespa crabro Vespa crabro Vespa crabro Sphecidae
  3. 3. Triagem de avistamentos de vespa
  4. 4. Espécie diurna, com um ciclo biológico anual, com máxima actividade no verão, quando ataca em massa as colmeias
  5. 5. Devido a uma estratégia de reprodução muito agressiva e elevada capacidade de disseminação a presença da Vespa velutina representa:  risco para a apicultura: Efeito directo - predação directa Efeito indirecto - diminuição da actividades das abelhas perante a presença da Vespa velutina com enfraquecimento e morte final da colmeia  risco para a produção agrícola: Efeito indirecto - diminuição da actividade polinizadora das abelhas Efeito directo - impacto sobre culturas de fruteiras  risco para o ambiente: Efeito directo - impactos na biodiversidade (espécies de vespas nativas/populações de outros insectos) Efeito indirecto - diminuição da entomofauna autóctone e redução na polinização de espécies da vegetação natural ou cultivada.  risco para o bem estar e a segurança dos cidadãos: Agressividade - individualmente não é mais agressiva para o ser humano do que a vespa autóctone mas, perante uma ameaça ou vibração até 5 metros, produz-se uma resposta de grupo que pode perseguir a fonte da ameaça durante cerca de 500 metros Grande tamanho dos ninhos/localização em zonas urbanas ou periurbanas - receio por parte dos cidadãos
  6. 6. • Apresentado publicamente em Janeiro de 2015 • Revisto em Janeiro de 2018, na sequência de despacho do MAFDR • Despacho n.º 8813/2017 do MAFDR, de 06.10.2018, cria a Comissão de Acompanhamento para a Vigilância, Prevenção e Controlo da Vespa velutina (CVV) • Despacho n.º 11351/2017, de 27.12.2018, altera o anterior, para integrar representantes das Regiões Autónomas
  7. 7. Objetivos:  garantir o bem estar e a segurança dos cidadãos  proteção da atividade agrícola  proteção do efetivo apícola  minimização dos impactos sobre a biodiversidade Medidas/actividade:  Desenho e implementação de um sistema de vigilância  Identificação de formas de controlo  Formação dos intervenientes no plano  Destruição dos ninhos detectados  Actualização contínua da informação  Divulgação e sensibilização pública
  8. 8. Entidades intervenientes no Plano
  9. 9. Cronograma
  10. 10. Cronograma (cont.)
  11. 11. Comunicação de suspeitas/detecções • Participação online, através do portal www.sosvespa.pt, acessível diretamente ou a partir dos portais do ICNF, da DGAV, do INIAV, das DRAP, do SEPNA/GNR e de algumas Câmaras Municipais. • Comunicação via Smartphone (www.sosvespa.pt), temporariamente fora de serviço
  12. 12. • Preenchimento de formulário (Anexo IV do Plano de Ação para a Vigilância e Controlo da Vespa velutina em Portugal), disponível online para impressão nos locais já indicados, bem como disponível nas Juntas de Freguesia. • Contacto através da linha SOS AMBIENTE (808 200 520) - o observador será informado do procedimento a seguir para a efectiva comunicação da suspeita.
  13. 13. Fichas/auxiliares de identificação/folhetos
  14. 14. • A localização dos ninhos é tarefa difícil, pois normalmente estão localizados nas copas das árvores, a alturas que podem atingir os 30 m • A localização dos ninhos é particularmente importante ocorrer antes do final de Julho/Agosto, altura em que se inicia a criação de fundadoras nos ninhos • Um ninho embrionário ou definitivo bem destruido, com eliminação total da colónia, interrompe definitivamente o ciclo reprodutivo da Vespa velutina • A adequada destruição de ninhos é o combate mais eficaz contra a Vespa velutina • A destruição de ninhos só deve ser feita por pessoal devidamente protegido e instruído para o efeito. Localização e destruição de ninhos
  15. 15. Cuidados a ter • SENTIDO DE RESPONSABILIDADE: Um ninho de vespas não justifica que alguém se coloque em situação de risco de acidente. A segurança das pessoas está em primeiro lugar • Destruir um ninho não é o mesmo que destruir uma colónia. Destruir uma colónia significa matar a(s) fundadora(s) existente(s) no ninho, bem como todas as obreiras e machos lá existentes • Ao cair da noite todas os indivíduos estão no ninho, podendo então actuar-se com máxima eficácia, destruindo toda a colónia, o que é fundamental para evitar a relocalização do ninho • Independentemente da técnica utilizada na destruição de ninhos é importante proceder à monitorização da presença (ou não) de vespas originárias do ninho num período de 24 horas Localização e destruição de ninhos
  16. 16. • Destruição por meios mecânicos (captura e esmagamento) • Destruição por incineração (com maçarico a gás – potência mínima de 150 kw) • Destruição com biocidas (insecticidas/pesticidas homologados) • Destruição com S02 (anidrido sulfuroso) Evitar: • Destruição de ninhos durante o dia, por ser menos eficaz • Utilização de jacto de água, armas de fogo ou qualquer outro método que não destrua a totalidade da colónia, incluindo a ou as fundadoras desse ninho, pondo em perigo a integridade física dos cidadãos nos dias seguintes Localização e destruição de ninhos
  17. 17. Há vários modelos de armadilhas para a Vespa velutina: • Comerciais ( várias empresas especializadas) • Artesanais ( modelos desenvolvidos por processos de construção simples e com materiais acessíveis e baratos) Utilização como: - meio de luta - vigilância activa A captura em massa descontrolada poderá provocar efeitos colaterais noutras espécies, pelo que este método só deve ser utilizado local e excepcionalmente para limitar o impacto caso haja predação em apiários. A armadilhagem poderá ser interessante para a captura de fundadoras, não existindo ainda um atractivo específico (nomeadamente feromonas).
  18. 18. • Dados da Plataforma SOSVespa Extraídos a 11 Dez 2018 Vespas Ninhos Total validados Total validados destruídos % Até 31.12.2014 15 14 208 203 187 92,1 2015 498 494 3400 3363 2422 72,0 2016 251 161 2858 2646 1937 73,2 2017 594 313 6470 5412 4229 78,1 2018 509 237 5804 4970 3762 75,7 Total Nacional 1867 1219 18740 16594 12538 75,6
  19. 19. Os dados da Plataforma SOSVespa ilustram a progressão da Vespa velutina de norte para sul e de oeste para este concentrada na zona litoral, evidenciando um movimento progressivo através da dispersão natural em virtude da capacidade de voo das vespas adultas (30km por dia das “rainhas”) e também uma dispersão descontínua (aos saltos), para territórios não contínuos, devido certamente a movimentos mediados pelas actividades humanas (transporte de bens e mercadorias). Esta dispersão induzida pelo homem é imprevisível. A implementação de um sistema nacional de detecção precoce e resposta rápida, alargada em rede a todo o território, poderá permitir a detecção de populações emergentes e contribuir para uma possível erradicação - rede de vigilância activa.
  20. 20. Rede de captura permanente com a localização dos centróides numa malha de 30x30 = 900km² Previa-se a instalação de 90 armadilhas entomológicas na zona tampão (ZTA), 3 por cada malha, 34 armadilhas (1 por cada malha) na zona invadida sujeita a intervenções de destruição (ZIN) e 63 (uma por malha), na zona não invadida (ZNI), totalizando o número de 187 . Utilizam-se armadilhas e iscos comerciais disponíveis no mercado nacional em toda a rede de monitorização a instalar. O modelo foi escolhido tendo por base a disponibilidade e a homogeneidade exigida para uma rede de vigilância extensível a toda a zona de intervenção, assegurando a possibilidade de análise comparativa dos dados, dando consistência científica aos dados recolhidos. Vigilância activa
  21. 21. Vigilância activa 1. Conhecimento do ciclo biológico; 2. Comportamento biológico nas áreas de disseminação/ocupação; 3. Definição do plano de capturas; 4. Redefinição medidas preventivas e de luta de uma forma mais efetiva. A monitorização das áreas já afectadas permitirá, por outro lado, a avaliação das respostas da espécie às medidas de controlo entretanto implementadas
  22. 22. Gesvespa - POSEUR-03-2215-FC-000008 • envolvimento – instituições do SI&ID regional (IPB, IPVC e UTAD) – Comunidades Intermunicipais (Alto Minho, Ave, Cávado e Tâmega e Sousa) – FNAP – DGAV • NUT Norte e os concelhos adjacentes da NUT Centro • 178 apiários sentinela • Ficha de Identificação – “Vespa crabro Linnaeus, 1758 e Vespa velutina Lepeletier, 1836 Características para identificação, com lupa binocular” http://www.iniav.pt/fotos/editor2/ficha_identificacao_vespa_velutina_ vespa_crabro_marco_2015.pdf • brochura em formato A5 com 30 páginas (em curso) • filme de 4 minutos (em curso)
  23. 23. Necessidades de investigação: • Reprodução, etologia, genética e sanidade da Vespa velutina; • Avaliação de potenciais riscos sanitários para o efetivo apícola; • Análise da estrutura paisagística enquanto factor que influencia a disseminação da espécie; • Modelos preditivos para a evolução da disseminação da espécie; • Metodologias para a detecção precoce de ninhos; • Métodos de controlo (eliminação de espécimes e destruição de ninhos) com realce para iscos biocidas, feromonas e utilização de drones.
  24. 24. Obrigado pela atenção! paulo.carmo@icnf.pt

×