Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Refletir, Reformar, Reengajar: Um perfil para os Partidos do Século XXI

118 visualizaciones

Publicado el

Este guia foi desenvolvido para os líderes de partidos políticos e para as atividades do Instituto Democrático Nacional (NDI) com financiamento da Fundação Nacional para a Democracia. O objetivo deste guia é identificar as áreas de desconexão entre os partidos políticos e os cidadãos, e destacar as
áreas de reforma. O documento inclui três seções:
 Recomendações Chave para partidos políticos;
 Um esboço para a reforma do partido, que inclui estudos de casos e experiências pessoais de praticantes do partido do mundo todo; e
 Folhas de Trabalho e Perguntas Críticas para ajudar os partidos a pensar através de aplicações
práticas para as sugestões destacadas no esboço.

  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Responder 
    ¿Estás seguro?    No
    Tu mensaje aparecerá aquí
  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (Unlimited) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/qURD } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/qURD } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/qURD } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/qURD } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/qURD } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/qURD } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Responder 
    ¿Estás seguro?    No
    Tu mensaje aparecerá aquí
  • Sé el primero en recomendar esto

Refletir, Reformar, Reengajar: Um perfil para os Partidos do Século XXI

  1. 1. 2 Refletir, Reformar, Reengajar: Um perfil para os Partidos do Século XXI _________________________________________________ Por The National Democratic Institute Primeira Edição Copyright © 2017 The National Democratic Institute (NDI) Todos os direitos reservados Parte deste trabalho poderá ser reproduzida e/ou traduzida para fins não comerciais, desde que o NDI seja reconhecido como fonte do material e sejam enviadas as cópias de quaisquer traduções.
  2. 2. 3 O Instituto Democrático Nacional (NDI) é uma organização sem fins lucrativos, organização não governamental apartidária que responde às aspirações das pessoas em todo o mundo para viver em sociedades democráticas que reconhecem e promovem os direitos humanos básicos. Desde a sua fundação em 1983, o NDI e seus parceiros locais trabalharam para apoiar e reforçar as instituições e práticas democráticas, reforçando os partidos políticos, organizações cívicas e parlamentos, salvaguardando as eleições, e promovendo a participação cívica, a transparência e a responsabilidade no governo. Com funcionários e políticos profissionais voluntários de mais de 100 nações, o NDI reúne indivíduos e grupos para compartilhar ideias, conhecimento, experiências e competências. Os parceiros recebem ampla exposição às melhores práticas no desenvolvimento democrático internacional que pode ser adaptada às necessidades dos seus próprios países. A abordagem multinacional da NDI reforça a mensagem de que, enquanto não exista um único modelo de democracia, certos princípios são compartilhados por todas as democracias. O trabalho do Instituto mantém os princípios consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos. Também promove o desenvolvimento de canais de comunicação institucionalizada entre os cidadãos, instituições políticas e oficiais eleitos, e reforça a sua capacidade de melhorar a qualidade de vida de todos os cidadãos. Para mais informações sobre o NDI, visite o www.ndi.org. Esta publicação foi possível através do apoio prestado pelo National Endowment for Democracy (NED). As opiniões aqui expressas são dos autores e não refletem necessariamente os pontos de vista da NED.
  3. 3. 4 Agradecimentos As informações e pontos de vista, a partir da publicação, foram tomadas de ambas, a Conferência de Partidos do Século XXI, realizada em Bruxelas, em Janeiro de 2017, e o Blog de Partidos do Século XXI. Os Participantes da conferência incluíram: membros de partidos políticos da Europa e muito além; membros da comunidade de assistência de partidos políticos e ativistas de partidos políticos. Os colaboradores do blog incluem: Gerhard Anger; Thomas Carothers; Josep M. Colomer; Dalton Russell; Governador Howard Dean; Uffe Elbaek; Birgitta Ohlsson; Tilak Pathak; Sandra Pepera; Susan Scarrow; Christophe Sente e Jan Marinus Wiersma. Um grande obrigado a todos que participaram. Francesca Binda, Presidente da Binda Consulting International, elaborou este plano e o projeto foi coordenado por Iain Gill, consultor político internacional do Partido. Contribuições adicionais foram feitas por: Luke Akal, Coordenador da Rede Liberal Africana; Martin Ängeby, Secretário-Geral do Centro Liberal Internacional Sueco; Hans van Baalen, deputado do VVD, Países Baixos, e o Presidente da Aliança dos Democratas e Liberais na Europa; Cecilia Bylesjö, Diretora de Programas no centro de Oslo para a Paz e Direitos Humanos; Gary Klaukka, Diretor de Programa nos Partidos Políticos, participação e representação no Programa Internacional IDEA; e Shannon O'Connell, Consultor Sénior, Gênero e Política na Fundação Westminster para a Democracia. Além disso, o modelo utiliza declarações e artigos de Pedro Sánchez, Secretário-Geral do Partido Socialista Operário Espanhol, e de Sandra Pepera, Diretora de Gênero, Mulheres e Democracia na NDI. Na NDI, esta iniciativa foi gerida por Philippa Madeira com contribuições adicionais por Ivan Doherty e Walter Keady.
  4. 4. 5 TABELA DE CONTEÚDOS Agradecimentos 4 Como usar este guia 6 Recomendações Chave 7 Introdução 9 Objetivos deste documento 10 A ideologia no Século XXI 12 Definindo as Ideologias Tradicionais 12 Ideologia Política - Um novo quadro analítico 13 Suécia, Exemplo histórico: Desde as ideologias tradicionais de esquerda/direita à GAL/TAN 14 A ideologia no Século XXI- Exemplos do Continente Africano 17 Como combater o populismo? 18 A Representação Política Moderna 21 A importância da Igualdade de Gênero em um Partido Político 23 Partidos Políticos: Porteiros do Status Quo 25 A participação das mulheres nos partidos políticos 26 A Importância da Diversidade nos Partidos Políticos: Uma perspectiva Britânica 29 Mídias Sociais e Partidos Políticos no Século XXI 32 Pagando por Democracia 34 Parceria, Lei e Perspectivas de uma Organização de Assistência de Partido 35 Conclusão 36 Folhas de Trabalho 40 Relações dos Cidadãos: Identificando Setores da População 40 Conectando Políticas de volta à Ideologia 43 Perguntas Críticas: A ideologia no Século XXI 47 Perguntas Críticas: Inclusão e Finanças do Partido 49 Perguntas Críticas: Filiação Partidária 50 Fluxo de dinheiro nos Partidos 52 Oferta versus demanda de Contribuição de Cidadão 53 Ideologia: Onde mente seu Partido? 55 O que o dinheiro significa para seu Partido? 58
  5. 5. 6 COMO USAR ESTE GUIA Este guia foi desenvolvido para os líderes de partidos políticos e para as atividades do Instituto Democrático Nacional (NDI) com financiamento da Fundação Nacional para a Democracia. O objetivo deste guia é identificar as áreas de desconexão entre os partidos políticos e os cidadãos, e destacar as áreas de reforma. O documento inclui três seções:  Recomendações Chave para partidos políticos;  Um esboço para a reforma do partido, que inclui estudos de casos e experiências pessoais de praticantes do partido do mundo todo; e  Folhas de Trabalho e Perguntas Críticas para ajudar os partidos a pensar através de aplicações práticas para as sugestões destacadas no esboço. Este documento pode ser lido do início ao fim, ou os usuários podem ler as seções de maior interesse, utilizando as folhas de trabalho anexas ao texto do documento. Líderes de partidos políticos e defensores da reforma encontrarão conselhos práticos e sugestões neste guia que os ajudará a lutar e implementar a reforma do partido. Muitas das recomendações foram desenvolvidas durante a Conferência de Partidos do Século XXI em Bruxelas, em Janeiro de 2017, onde os dirigentes se reuniram para discutir os desafios que os partidos políticos enfrentam no Século XXI e as possíveis maneiras de superá-los.
  6. 6. 7 RECOMENDAÇÕES CHAVE PARA PARTIDOS DE MENTALIDADE REFORMISTA Liderar pelo exemplo. Os partidos políticos devem desenvolver estruturas internas verdadeiramente democráticas e práticas se quiserem ganhar a confiança de uma população cada vez melhor informada e informada. Pensar criativamente sobre o termo “ideologia”. A menos que a ideologia for traduzida em escolhas políticas específicas, ela permanecerá como uma noção abstrata e sem sentido para os eleitores. Os partidos devem assegurar que suas políticas estão endereçando as necessidades das pessoas, e não simplesmente as necessidades das elites. Criar mecanismos formais para avaliar regularmente as políticas, valores e prioridades. Dando espaço dentro das estruturas partidárias para ativistas conduzidos por valores para ajudar a criar novos mecanismos de legislação formal, ou fortalecer os mecanismos existentes, é extremamente importante na promoção da peculiaridade de abordagem e objetivos. Ideias que moldam as políticas partidárias devem estar enraizadas em valores de membros e partidários do partido político. Na renovação de ideologia e políticas, os partidos políticos deveriam fornecer ideias que inspirem e unam os cidadãos eleitores com um sentido comum de crenças e valores. Em vez de demitir novos movimentos de cidadãos e partidos, os partidos tradicionais devem reconhecer as preocupações dos cidadãos’. Muitos cidadãos sentem que os partidos tradicionais e líderes partidários estão fora de contato e secretos. Para alterar essa percepção, os partidos políticos deveriam se reconectar com os cidadãos envolvendo-os no desenvolvimento de soluções viáveis para os desafios do Século XXI. Abraçar e compreender as tecnologias de comunicação do Século XXI. A ascensão das mídias sociais e o aumento do acesso à internet mudou a forma como os cidadãos recebem informações, se relacionam uns com os outros e se comprometem em atividades políticas. A fim de permanecerem relevantes, as instituições políticas devem desenvolver estratégias de comunicação de mídia social que engaje os cidadãos de uma forma significativa. Priorizar explicitamente a igualdade de gênero dentro das organizações políticas. Os partidos políticos devem assegurar que as mulheres sejam fornecidas com o espaço para exercer sua voz e agência – para serem iguais e parceiras ativas na organização e representação do partido, incluindo através da criação de mecanismos adequados para assegurar a tolerância zero para o assédio e discriminação. Por exemplo, os partidos podem:  Mandato de 50% de representação feminina e masculina em todos os órgãos de decisão do partido.  Revisar o regulamento interno e estatutos para eliminar os obstáculos à participação política das mulheres.  Estabelecer a tolerância zero para a violência contra as mulheres politicamente ativas.  Compreender e eliminar normas informais e processos que limitem a representação significativa de mulheres dentro do partido.
  7. 7. 8  Financiamento de Apoio e iniciativas de financiamento que promovam uma maior participação das mulheres nas instituições políticas. Desenvolver e implementar estratégias para atingir os grupos de cidadãos marginalizados. Uma característica fundamental da democracia é que todos os cidadãos sejam capazes de expressar suas vozes e influenciem as decisões que afetam suas vidas. Isto inclui segmentos da população tradicionalmente excluídos do poder político, devido a preconceitos e estereótipos sociais. A diversidade nos partidos deve ser substancial em termos de indivíduos de todas as origens, contribuindo para políticas e processos de tomada de decisão, o acesso a cargo público, e oportunidades para representar o partido para públicos mais amplos. Priorizar a transparência e a responsabilização. Se os partidos políticos tem a esperança de rebater às medidas anticorrupção, de cidadãos e movimentos que prometem limpar a política, suas próprias fontes de financiamento devem ser mais transparentes. (Ou seja, os partidos devem ser claros e honestos sobre o que os seus patrocinadores são, o que esses doadores recebem em troca por sua contribuição(s), e como as doações e os fundos públicos são gastos).
  8. 8. 9 INTRODUÇÃO Os partidos políticos no Século XXI enfrentam vários desafios existenciais, incluindo:  Por que cada vez mais cidadãos excluídos não veem parte do ativismo como um mecanismo para dar voz às suas preocupações?  Como os partidos com ideologias desenvolvidas, plataformas, programas e um historial de serem responsáveis pelas mudanças de decisões competem contra a ascensão de movimentos populistas, muitos dos quais são movidos por questões individuais?  Dada a exclusão dos cidadãos com partidos tradicionais, como eles podem levantar recursos legítimos para continuar suas operações?  Como os partidos políticos podem manter-se com a mudança das expectativas dos cidadãos, no que diz respeito à comunicação e à divulgação?  Como podem os partidos políticos refletir um compromisso para o empoderamento das mulheres através de seus objetivos políticos, cultura organizacional e estruturas institucionais? Não há respostas fáceis para estas perguntas. Este documento nem pretende fingir que existem prescrições ou técnicas “tamanho único”. Ao invés, esta é a reflexão e pensamento consolidado de ativistas políticos, profissionais e acadêmicos reunidos pelo Instituto Democrático Nacional (NDI) como parte dos Partidos do Século XXI: A Iniciativa de Renovação do Partido. Até agora, a iniciativa tem três fases: um blog on-line para que os expertos se pronunciem sobre os desafios que enfrentam os partidos e suas possíveis soluções; a Conferência de Partidos do Século XXI em Bruxelas, a Bélgica, que reuniu especialistas de partidos políticos e líderes do mundo todo para discutirem o caminho a seguir; e este guia, que sintetiza os artigos do blog e as discussões da Conferencia do Século XXI com outros estudos de caso e dicas práticas para atingir os desafios que enfrentam os partidos políticos democráticos no Século XXI. Resolver conflitos políticos internos e responder à mudança geopolítica requer de instituições democráticas fortes que possam mediar o partidarismo, assegurar os direitos das minorias, respeitar o estado de direito, e, por isso, conter o apelo de populistas e extremistas. O objetivo desta iniciativa em curso é ajudar a aumentar a resistência democrática através do trabalho com os partidos políticos, tornar-se mais sensível às necessidades dos cidadãos e criar oportunidades multipartidária e consenso multiétnico. Vários sucessos recorrentes ou “melhores práticas” que surgiram podem ajudar a líderes partidários de mentalidade reformista a pensarem através de seus próprios desafios e conceitos como resultado dessa iniciativa:  Os atores políticos e líderes bem-sucedidos refletem e dão voz às preocupações dos eleitores.  A profissionalização do ativismo político tem espremido ativistas amadores, que se voltam para micro questões ou participam de movimentos de protesto ou populistas para encontrar ou recuperar sua voz.  O ativismo político pode ser incentivado através de maior capacidade e envolvimento significativo.  A inovação das estruturas partidárias e procedimentos internos acomodam mudanças tecnológicas e sociais, e podem tornar os partidos mais atraentes ao suporte potencial.  Restaurar os partidos como instituições confiáveis na idade da informação requer altos níveis de transparência e de responsabilização.
  9. 9. 10  Diálogo Público e educação cívica e, em muitos casos, a reforma interna do partido, são necessários para restaurar o lugar privilegiado dos partidos na democracia.  A ideologia continua sendo importante, porém muitos cidadãos alegam que a maioria dos partidos tradicionais são muito semelhantes e não mais representam ideologias únicas ou valores para os que uma vez fizeram campanha. Para preencher este vazio, novos movimentos de cidadãos e partidos, muitas vezes, propõem alternativas que não são enquadradas na língua tradicional da ideologia.  A representação diversificada e a participação das mulheres são cruciais para os partidos políticos. Nenhuma reforma dos itens descritos neste documento podem ser plenamente atingidos sem isso.  A promoção e o empoderamento das mulheres, incluindo mulheres jovens, por e dentro de partidos políticos é crucial para o sucesso destas organizações em longo prazo. Nenhuma reforma dos itens descritos neste documento podem ser plenamente atingidos sem isso. Objetivos deste Projeto Este guia apresenta estudos de caso e melhores práticas que foram discutidos e identificados durante a Conferência de Partidos do Século XXI. As perspectivas seguem as melhores práticas para partidos democráticos estabelecidos e sociedades democráticas emergentes. As informações contidas neste documento fornecem os partidos com insights práticos e exemplos de esforços de reforma que podem empreender para tornarem-se organizações mais contemporâneas, relacionáveis, inclusivas e abertas. As folhas de trabalho prático, que acompanham este documento, podem ser utilizadas pelos partidos políticos para ajudá-los a compreender melhor os assuntos e fornecer perguntas úteis aos funcionários do partido na medida em que considerem as soluções para os desafios que enfrentam. Embora vários temas inter-relacionados surgissem durante esta iniciativa, este projeto está dividido nas seguintes seções:  A ideologia no Século XXI: Em todo o mundo, dois fenômenos são evidentes: 1. O suporte para partidos populistas e não tradicionais, tanto do lado esquerdo como direito estão em ascensão; e 2. O aumento no consenso internacional, multipartidário entre todos os partidos políticos democráticos levou a muitas semelhanças entre os partidos, e tem causado dificuldades nos cidadãos em identificarem as diferenças entre os diversos partidos e plataformas. Além disso, nas democracias novas e emergentes, as noções tradicionais de ideologia têm um papel limitado nos desafios de fazer a democracia cumprir. Esta seção examina como os partidos políticos podem usar ideologia como uma ferramenta para desenvolver políticas que reflitam os valores de seus adeptos e sócios. O objetivo é ajudar os partidos a pensarem em como eles podem alterar e reinterpretar as ideologias tradicionais, e o que essas mudanças significam para os seus apoiantes.  A Representação Política Moderna: movimentos populares e de cidadãos repudiam a relação tradicional entre partidos e cidadãos ao redor do mundo. Essas pessoas ou grupos, muitas vezes chamam a membros do partido e líderes para serem mais representativos da sociedade em que vivem. Esta seção desafia os partidos políticos a compreenderem que, no Século XXI, as organizações que fracassaram em incluírem a metade da população mundial como membros e líderes semelhantes não podem chamar-se instituições democráticas modernas. Os partidos políticos devem levar a sério a participação significativa das mulheres e compreender que a reestruturação da igualdade de gênero é uma forma de desenvolvimento organizacional e
  10. 10. 11 envolve o desenvolvimento e a implementação de uma agenda de crescimento. Quando os partidos procuram deliberadamente aumentar a participação e influência das mulheres, expandem o alcance, pedido e capacidade interna, tornando-os organizações mais competitivas. Esta seção examina também a necessidade dos partidos políticos a diversificarem sua base de apoio e aumentarem o compromisso de grupos minoritários e marginalizados. Os cidadãos estão procurando novos modos de participar e influenciar a política, exigindo comunicações significativas, de duas vias com os políticos e o governo. Estes desafios oferecem uma oportunidade aos partidos de redesenharem a sua relação com os cidadãos e apoiantes, respondendo às preocupações de movimentos massivos de cidadãos e adaptando seus métodos de comunicação para endereçar a mudança de necessidades do cidadão.  Pagando por Democracia: Pagando por Democracia no Século XXI, é muitas vezes um ato de equilíbrio entre orientar demandas por transparência, revisando métodos de captação de recursos tradicionais, e identificando e descomplicando interesses arraigados dentro dos partidos e dos sistemas de financiamento político como um todo. Além disso, a forma como são financiados os partidos pode ser uma barreira importante à representação variada. No entanto, mesmo a legislação financeira detalhada e bem-equilibrada é insuficiente, a menos que esteja combinada com fortes mecanismos de controle e de execução, e exige sanções que sejam o suficientemente severas para evitar violações.
  11. 11. 12 A IDEOLOGIA NO SÉCULO XXI Acadêmicos e praticantes semelhantes se uniram à discussão sobre se os partidos políticos estão enfrentando uma “crise de ideologia”. As perguntas incluem: A ideologia é um conceito ocidental com nenhuma relevância nas democracias novas e emergentes? O Século XXI é uma era pós-ideológica? As ideologias do partido nacional podem fornecer uma orientação adequada aos desafios da política moderna complexa e muitas vezes supranacional? Nesta era tecnológica, onde a concorrência de ideias viaja ao redor do mundo instantaneamente, as ideologias são muito inflexíveis para se manterem? As ideologias ocidentais tradicionais de Conservadorismo, Liberalismo, e Socialdemocracia foram desenvolvidas nos séculos XVIII e XIX, em resposta aos franceses e às revoluções industriais. Dado que estas ideologias nasceram e se desenvolveram na Europa há mais de duzentos anos, é compreensível que os partidos políticos nas democracias novas e emergentes ao redor do mundo sejam, na melhor das hipóteses, confusas sobre se estas ideologias se aplicam a eles ou, na pior das hipóteses, rejeitam a noção de “ideologia” considerando-a como um “conceito ocidental”. Além disso, novas construções ideológicas continuaram surgindo, incluindo partidos verdes e alternativas ideológicas. No entanto, ambas as ideologias tradicionais e mais modernas são essencialmente uma coleção de ideias. Uma ideologia é um conjunto unificado de crenças e valores que ajudam a interpretar e definir à sociedade. Todos os cidadãos têm valores e crenças que enquadram suas ideias políticas, mesmo se eles não as chamarem de “ideologia”. A planilha “The GAL-TAN Spectrum” ajuda os partidos a orientarem seus valores de acordo com as expectativas do cidadão moderno e multidimensional. Definindo as Ideologias Tradicionais O conservadorismo moderno promove a retenção das instituições sociais tradicionais do seu contexto cultural. Os conservadores têm procurado diversas vezes preservar instituições, incluindo a religião, a monarquia, o governo parlamentarista, os direitos de propriedade e hierarquia social, enfatizando a estabilidade e continuidade. Não existe um conjunto de políticas único que seja universalmente considerado como conservador, porque o significado de conservadorismo depende do que é considerado tradicional em um determinado lugar e tempo. O liberalismo moderno se baseia em ideias de liberdade e igualdade. Os liberais defendem uma ampla variedade de pontos de vista dependendo da sua compreensão desses princípios, mas, geralmente, apoiam ideias e programas, tais como a liberdade de expressão, liberdade de imprensa, liberdade de religião, livre mercado, direitos civis, sociedades democráticas, governos seculares, igualdade de gêneros, e cooperação internacional. A democracia social moderna apoia intervenções económicas e sociais para a promoção da justiça social. Está caracterizada por um compromisso de políticas destinadas a reduzir a desigualdade, a opressão de grupos desfavorecidos e a pobreza; incluindo o suporte para serviços públicos universalmente acessíveis como cuidados de pessoas idosas, crianças, educação, saúde, e compensação de trabalhadores.
  12. 12. 13 Em regiões fora da Europa, particularmente na África e na Ásia, os partidos políticos que foram criados nas vésperas da independência, ou que eram herdeiros do poder colonial, inicialmente a unificação de ideias avançadas de libertação e de nacionalismo. Em muitos países, a religião ou etnia formam ideias políticas e são utilizados pelos partidos políticos para mobilizar apoio. No mundo Muçulmano, por exemplo, muitos partidos islamistas competem eficazmente em eleições democráticas. Independentemente da ideologia, estes exemplos mostram que as ideias têm a capacidade de inspirar à ação, e são formados pelas circunstâncias e contexto do ambiente político. Na medida em que evolui o ambiente político, no entanto, as ideias dos partidos políticos também deveriam evoluir. No entanto, os partidos, eventualmente, devem ir além da simples questão política, pois eles podem ser desproporcionalmente prejudiciais às mulheres e grupos marginalizados. Muitas vezes a ‘única questão’ em torno da qual os líderes buscam o apoio é profundamente impactante para as populações vulneráveis, como, por exemplo, reverter o direito ao aborto, bloqueando a imigração, atiçando a islamofobia, ou usando retórica misógina e fanática. Na Europa, como com outras regiões do mundo onde os partidos políticos têm uma longa história de coerência ideológica, novas ideias, movimentos e ideologias alternativas estão desafiando a tradição. Talvez, como Martin Ängeby, Secretário-Geral do Centro Liberal Internacional Sueco sugere, que o tradicional quadro ideológico esquerda/direita é irrelevante para muitos partidos políticos, demonstrando que as ideologias são conceitos de vida, que devem ser revisadas e atualizadas de tempos em tempos. Ideologia Política - Um novo quadro analítico Por Martin Ängeby, Secretário Geral no Centro Liberal Internacional Sueco Tem sido argumentado de diversas maneiras que a ideologia está morta. Alguns têm argumentado que o liberalismo venceu a batalha de ideias, enquanto outros diziam que a ideologia não é relevante para a realidade atual e o desenvolvimento tecnológico. Olhando para a falta de rigor dos movimentos populistas na articulação de posições políticas coerentes, também levou as pessoas a acreditarem que a ideologia não é mais relevante. O problema de compreender a ideológica atual dividida é um resultado da própria divisão esquerdo-direita dominante que tem sido o principal eixo em países democráticos para a maior parte do século passado. Na Suécia, uma nova forma de classificar os partidos entrou em debate. Em vez da escala tradicional da esquerda para a direita, o novo espectro GAL-TAN tem o objetivo de ajudar a esclarecer o posicionamento político e potencial para a construção de SUGESTÃO DE PRATICANTE
  13. 13. 14 alianças entre os partidos. GAL representa as siglas em inglês para Verde-Alternativo-Libertário e TAN representa as siglas em inglês para Tradicional-Autoritário-Nacionalista. O modelo analítico foi introduzido por Hooghe Marks & Wilson, em 20021 . A linha divisória dentro deste quadro analítico não é sobre política redistributiva e o estado de bem-estar, trata-se de valores sociais e culturais, em que a visão da imigração e o pluralismo são importantes. Em essência, o espectro esquerda-direita, perdeu muito da sua relevância. Em muitos lugares, os partidos em cada extremidade estão se aproximando, muitas vezes causando antigos rivais para formar novas alianças. Recomendação para os partidos:  Ter avaliações periódicas das políticas, valores e prioridades do seu partido, e decidir se eles ainda se alinham com sua ideologia tradicional do partido. Se não for assim, como pode a identidade ideológica do partido mover-se ao longo do espectro GAL-TAN?  Comparar estas políticas e prioridades para os outros partidos, observando as semelhanças – e possíveis aberturas para consenso -- e esclarecer as diferenças.  Reavaliar constantemente as prioridades da base do seu partido, levando em consideração a dimensão GAL-TAN. Suécia, Exemplo histórico: Desde as ideologias tradicionais de esquerda/direita à GAL/TAN Por Martin Ängeby, Secretário-Geral no Centro Liberal Internacional Sueco Desde 1921-1988, a Suécia tinha uma presença estável de cinco partidos no Parlamento, com os socialistas, socialdemocratas, dois partidos liberais e um conservador. Os governos normalmente estariam formados por socialdemocratas com o apoio parlamentar dos socialistas (em tempos prósperos), e com os liberais (em tempos que necessitassem medidas de austeridade). Ocasionalmente (1973-79, 1991-94, 2006-10), o centro-direita superou à esquerda e foram capazes de formar uma maioria de governos de centro direita. 2010 viu a entrada dos democratas Suecos sociais conservadores/nacionalistas no Parlamento. Eles cresceram após a eleição, em 2014, e criaram uma crise governamental no outono de 2014 votando no orçamento da aliança de centro-direita, enquanto os sociais-democratas tinham formado um governo de minoria com os verdes. Após a negociação com a aliança de centro-direita, foi feito um acordo de que o centro-direita iria apresentar orçamentos separados, de modo que se assegurasse que o orçamento do governo seria o vencedor da votação parlamentar, independentemente dos votos dos Democratas Suecos. Parte deste acordo, chamado de Acordo de Dezembro, foi um compromisso por parte dos socialdemocratas e verdes para fazerem o mesmo se a aliança de centro-direita fosse maior do que a reunida de esquerda após as eleições 2018. 1 Hooghe, Lisbet, Gary Marks e Carole J. Wilson (2002). ”As posições esquerda / direita da estrutura European Integration. ”Estudos Políticos Comparados, 35 (8): 965-989
  14. 14. 15 O Acordo de Dezembro foi altamente impopular. Os eleitores de centro-direita sentiram que a aliança era mole sobre as políticas económicas e aumento de impostos. Os nacionalistas sentiram que eram excluídos injustamente da influência. As pesquisas mostram os Democratas Suecos crescendo ainda mais após as eleições de 2018. É evidente que uma nova maioria no parlamento não será formada para a esquerda ou direita tradicional, e a opção centrista também parece improvável. Isto fará com que os partidos mais tradicionais formem alianças não tradicionais. Por exemplo, os Conservadores e os democratas- cristãos (pequenos), anteriormente parte da aliança de centro-direita, começaram as negociações com os nacionalistas Democratas Suecos. Da mesma forma, os socialdemocratas têm a esperança de se tornarem líderes do governo com o apoio dos verdes e liberais – dois partidos distantes dos socialdemocratas na escala GAL-TAN. A ideologia -- como a democracia -- é um conceito que precisa ser renovado, nutrido e periodicamente avaliado. As noções tradicionais da ideologia de partido político podem estar desatualizadas e não respondendo aos desafios políticos do Século XXI, mas isso não significa que a ideologia é menos necessária; o oposto é verdadeiro. Qualquer “crise de ideologia” é que os partidos políticos são incapazes de fornecer ideias que inspirem e unam os cidadãos eleitores com um sentido comum de crenças e valores. Os cidadãos muitas vezes concluem que os partidos de procura de ampla base são muito similares e fazem parte de uma cabala de sistema que oferece pouco no caminho de soluções reais para desafios diários. Aqui reside uma corda bamba de sortes. O apelo aos círculos eleitorais requer maior flexibilidade política, mas como os partidos competitivos promovem políticas flexíveis, se tornam cada vez mais indistinguíveis uns do outros. Como Hans van Baalen deputado do VVD, Holanda, e presidente da Aliança dos Liberais e Democratas Europeus (ALDE) na Europa, nos lembra, “se os cidadãos não reconhecem o seu partido, não votarão por você”. Se os partidos são indistinguíveis, que opções permanecem para aqueles que têm sérias preocupações sobre algum elemento do status quo? Uma pesquisa conduzida pelo NDI na região do Oriente Médio/África do Norte por mais de cinco anos mostra que a maioria dos cidadãos tem apenas uma vaga compreensão do que distingue um partido político de outro. Nos últimos anos, houve uma explosão de partidos novos ou reconstituídos em alguns países da região como resultado de uma democracia aumentada, muitos dos quais não têm conseguido apresentar ideias que inspirem. A exceção a este fracasso é um número de partidos islamistas que apresentam valores e crenças claros que moldam seus programas políticos. Enquanto a identificação nem sempre se traduz para apoiar, alguns partidos islamistas ao longo da região têm o reconhecimento de “marca” que os distingue dos seus concorrentes. ‘Mais distinções ideológicas e batalhas de ideias são necessárias para atender os eleitores’, “o que você defende”. A menos que a ideologia for traduzida em escolhas políticas específicas, ela permanecerá como uma noção abstrata e sem sentido para os eleitores. As diferenças ideológicas devem definir objetivos políticos de partidos políticos. Amiúde, os partidos políticos abandonam a ideologia à “A ideologia é uma resposta, não uma pergunta. ” - Rasmus Nordqvist, membro do Parlamento Dinamarquês, O Partido Alternativo
  15. 15. 16 conveniência política. Quando as partes perdem a distinção ideológica estão pedindo aos eleitores a escolherem entre duas marcas: como Pepsi e Coca-Cola, eles ainda estão ambos na cola. Um modo para os partidos políticos dar forma ou renovar suas ideias é envolvendo diretamente aos cidadãos no processo. O Partido Alternativo Dinamarquês foi criado em 2013 com a intenção de criar uma democracia mais comprometida e engajada. Todas as políticas do partido são colaborativas, desenvolvidas em laboratórios políticos na Dinamarca, abertos a todos os cidadãos. O fundador do partido, Elbæk Uffe, observou: “O programa político apresentado não descansou em ideologias ou dogmas ultrapassados, mas em valores e imaginação distante”. No entanto, é importante manter em mente que o tipo de alcance utilizado para ideias colaborativas poderia ter barreiras de gênero. Por exemplo, as reuniões da câmara municipal e outros fóruns públicos podem ser assustadores para as mulheres, especialmente em sociedades onde as mulheres são desencorajadas da ação pública, ou com alta segregação de gênero, ou mesmo inacessíveis por causa do tempo, localização, falta de estruturas de assistência infantil, etc. Soluções criativas para obter a retroalimentação das mulheres são, por vezes, necessárias. No Sudão, por exemplo, o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas2 concluiu que as mulheres estavam desconfortáveis participando em reuniões com estilo da câmara municipal sobre a reforma constitucional, mas quando as mulheres membros do Parlamento (MP) eram anfitriãs de ‘chás’ em suas casas, as mulheres constituintes eram muito mais próximas das suas opiniões. A ideologia é um conjunto de ideias em longo prazo que fornece um partido político com um conjunto políticas baseadas em valor no curto prazo, que podem ser articuladas em disputas políticas. A planilha “Conectando Políticas de volta à ideologia” fornece um simples, mas útil, visual da relação entre os valores, as políticas e a ideologia. “Perguntas críticas para os partidos políticos: A ideologia no Século XXI” fornece perguntas para ajudar os partidos a pensarem sobre como a ideologia se conecta com seus valores e políticas. Os valores podem legitimar as posições dos indivíduos; elas definem uma ambição do partido e determinam a sua estratégia. Dando espaço dentro das estruturas partidárias a ativistas movidos por valores para ajudar a formar a abordagem do partido à política de desenvolvimento é extremamente importante na promoção de plataformas distintas e únicas que ressoam com os membros do partido e simpatizantes. Como Lucas Akal, o coordenador da Rede Liberal Africana mostra no ensaio abaixo sobre sua experiência pessoal, a consulta ampla de partido para ajudar líderes partidários a entenderem os valores das pessoas não só conectam um partido político aos eleitores, mas também ajuda a informar a política realista de soluções que respondem às preocupações dos cidadãos. 2 Jason Gluck, "Conflito e Constituições: Garantindo os Direitos das Mulheres" (painel, Instituto de 12 de abril de 2017)
  16. 16. 17 A ideologia no Século XXI- Exemplos do Continente Africano By Luke Akal, Coordenador da Rede Liberal Africana Em uma época de populismo crescente e outros pontos de vista pseudopolíticos, as atuais tendências parecem indicar uma clara separação das raízes ideológicas dos principais partidos políticos. Mesmo os partidos não tão tradicionais parecem estar perdendo adeptos de núcleo com esta onda de ascensão de tudo o que é popular. A perspectiva africana é, no entanto, interessantemente diferente. Neste continente, muitas vezes você encontra uma confirmação próxima entre ideologia e política. A filosofia ainda pode informar a decisão política. Independentemente de outras tendências globais, os valores políticos são importantes para muitas organizações do Partido Africano. Um exemplo disso é a recente evolução da Gâmbia. Este pequeno país da África Ocidental com uma população de pouco mais de 1,8 milhões de pessoas, finalmente superou a síndrome endêmica do homem forte sofrido por muitos estados do continente. A luta contra e a vitória sobre esta terrível doença não foram vencidas em nome dos africanos pela chamada imposição ocidental. Em vez disso, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental realizou a sua própria luta trabalhando para a liberação de gambianos. O Presidente do Senegal, Macky Sall, um estado membro do bloco líder regional, assumiu a liderança. Seu partido, estabelecido na ideologia liberal, comprometeu-se com a sua posição sobre a cooperação regional e uma maior integração. Como resultado, os senegaleses, costa-marfinenses e japoneses, entre outros, pressionaram a Gâmbia a garantir que o resultado das eleições democráticas fosse mantido. Na África do Sul, a Aliança Democrática embarcou em uma consulta em toda a organização do país após as eleições nacionais de 2014. Os membros da equipe, os representantes públicos e todas as estruturas forneceram os dados de uma forma coordenada, o que informou a estratégia dos tomadores de decisão para as eleições locais de 2016. Esta ampla consulta pode ter sido um dos fatores que permitiu que a máquina do partido ganhasse registro de vitórias e controle sobre novos grandes municípios, incluindo Joanesburgo, Pretória, e Nelson Mandela Bay. Os valores servem de ponte entre questões que afetam a vida quotidiana e as políticas do partido, e são um importante ponto de ligação com os eleitores alvo. Sugestões para reflexão:  Só em tempos de crise os valores e a ideologia se tornam importantes novamente?  Enquanto um momento de crise pode ser a chamada de atenção necessária na maioria das vezes desesperadas, seu partido deve usar suas estruturas para avaliação regular. Tanto os complementos organizativos bem como o político deveriam rever e fornecer entrada para dirigir o partido.  Considere o conjunto de políticas atual do seu partido. O que relata isso e que processos as determinam?  Que relevante é a comunicação do seu partido no atual discurso nacional e regional? Está bem integrado com a plataforma do partido? Experiência pessoal
  17. 17. 18  A máquina profissional e politicamente do partido unida em um conjunto de valores enraizados na ideologia?  Os valores podem permanecer críticos e ser comunicados de um modo que ressoe com os corações e mentes dos eleitores. A ideologia não é considerada “sexy” e pode ser uma dura venda neste mundo pós-moderno. Os partidos políticos que fracassaram em atender os riscos às preocupações baseadas no valor dos cidadãos perdendo apoio a movimentos populistas, com uma ideologia de homogeneidade ou “mesmice”. As partes tentando apelar para a base eleitoral mais ampla possível são muitas vezes vistas como não tendo princípios, abandonando os valores originais para ganho eleitoral. O sucesso dos movimentos populistas, ou ações de protesto, demonstram que as pessoas têm perspectiva ou valores e preocupações ideologicamente definíveis. Os populistas são distintos e alegam que as elites políticas tradicionais estão fora de contato e secretas. Para mudar esta opinião e demonstrar que eles não são secretos ou elite, as partes deveriam envolver os cidadãos no processo de definição de políticas e de tomada de decisão dos ciclos. Quando os cidadãos comuns não fazem mais parte do processo de formulação ou ciclo de tomada de decisão, os partidos e os políticos parecem opacos e inconsistentes. Como Hans van Baalen lembra abaixo, reconectar com os cidadãos envolve escutá-los -- mesmo que você não concorde com eles. Como combater o populismo? Por Hans van Baalen, deputado do VVD, Países Baixos, e Presidente da Aliança dos Democratas e Liberais na Europa Como podemos lutar contra o populismo? Em primeiro lugar, os partidos têm de reconectar-se com os cidadãos, endereçando e reconhecendo os problemas que os cidadãos estão enfrentando. Em vez de varrer os problemas para debaixo do tapete e minimizá-los, as partes devem comprometer-se e abraçá-los. Para nos distinguirmos dos populistas, que só criam ruído e medo, as partes devem oferecer soluções direcionadas à realidade e assumir a responsabilidade. Além disso, é importante pensar cuidadosamente sobre como as mensagens dos partidos chegam aos eleitores. Se os cidadãos não reconhecerem o seu partido, não votarão por você. Portanto, é importante para chegar a novos grupos, especialmente jovens, e incorporar efetivamente os tipos de comunicação que eles usam em comunicações de partido (por exemplo: mídia social, ou publicidade durante um show popular de radio). Além disso, abrir debate na câmara municipal sobre diversas questões atraentes poderia substituir os encontros políticos tradicionais, reuniões a porta fechada, e a colaborar com as forças de opinião similar (ou seja, sociedade civil, líderes comunitários, empresas ou partidos irmãos de outros países)3 . Estes são os primeiros passos para em direção de uma campanha permanente para expandir uma base eleitoral do partido e mobilizar apoio. 3As partes devem reconhecer e enfrentar possíveis barreiras de gênero a esses tipos de atividades e vias de comunicação, incluindo: barreiras estruturais como acesso à tecnologia, capacidade de viajar, disponibilidade de puericultura; e barreiras individuais, como socialização ou estigma cultural vinculado à participação em certas tipos de fóruns. Experiência pessoal
  18. 18. 19 Para derrotar os populistas nas pesquisas, é importante produzir resultados e oferecer soluções visíveis e pragmáticas para questões que são mais importantes para os eleitores. Como Pedro Sánchez, Secretário-Geral do Partido Socialista de Operários Espanhol observou na Conferencia de Partidos do Século XXI, os partidos não devem se enfocar no populismo, mas sim nas soluções para as pessoas que votam em populistas. Em vez de criticar os líderes populistas, as partes deveriam olhar internamente, a fim de reconquistarem muitos desses eleitores. Algumas dicas úteis para chegar à frente 1. Saia e fale com o público! Não confie em apenas falar com pessoas do seu partido para aconselhamento; eles compartilham sua visão de mundo e crenças ideológicas. Encontre pessoas que não concordem com você e pergunte-lhes por que. 2. Se os líderes partidários são amplamente vistos como representativos da população que você representa, o partido deveria fazer sérias mudanças para ampliar sua base interna e externa. 3. Organize reuniões na Câmara Municipal comunitária aberta e concentre-se em assuntos de interesse para o seu público-alvo. Use voluntários para fazer algum trabalho preliminar atrás de cenas, por exemplo, ‘enquetes na rua’ para apurar questões-chave que as pessoas quiserem falar antes das reuniões. Entre em parceria com organizações não governamentais (ONGs), escolas e universidades para dar credibilidade e diversidade à Câmara Municipal. 4. Atribua pessoas do seu partido para serem embaixadores de alcance de comunidades específicas – mulheres, jovens, populações rurais, comunidades lésbicas, gays, bissexuais, transgênero e intersexuais (LGBTI), minorias religiosas, etc. Deixe-os ser o rosto do seu partido em eventos da comunidade, treinamentos e fazer campanhas. 5. Crie um espaço acolhedor para as mulheres e minorias para ter sucesso. Certifique-se que o código de conduta do seu partido inclua proteção contra a discriminação das minorias. Ganhar a confiança dos cidadãos significa reconhecer suas preocupações reais e assumir a responsabilidade para resolver problemas de forma realista. Os eleitores são generosos em suas expectativas do que é realista, mas eles estão frustrados por partidos políticos fornecendo promessas insinceras que nunca são cumpridas. Em muitos países, novos movimentos ou partidos políticos que apresentam rostos “frescos” com nenhuma experiência política prévia, estão acessando na frustração dos cidadãos com os partidos tradicionais. Observadores da corrida presidencial de 2015 na Argentina perceberam que a derrota de Mauricio Macri sobre o candidato populista Peronista foi, em parte, devido ao apoio de ativistas e jovens profissionais que nunca tinham tido atividade política antes de 2015. Em 2014, um partido esloveno de não políticos, Stranka Mira Ceraja (SMC), foi eleito para formar um governo de seis semanas após a fundação do partido. Enquanto o aumento estratosférico do SMC é um caso excepcional, ele demonstra que, quando os eleitores estão frustrados com o status quo, eles vão tirar vantagem de opções alternativas. Enquanto os partidos tentam cortejar os eleitores que enfraquecem suas políticas e perdem a distinção ideológica. Todos os partidos parecem serem os mesmos na oposição e governo. Porque todos eles parecem ser o mesmo, fracassam em inspirar aqueles que procuram por princípios alternativos ou atores políticos. Enquanto o compromisso e o acordo são virtudes importantes em uma democracia, se as ações das partes não representarem as reais aspirações dos cidadãos, a confiança dos adeptos será erodida e os eleitores procurarão aqueles que escutaram e refletiram as suas prioridades.
  19. 19. 20 Além disso, o chamado ‘movimento para o meio’, em grande parte retirou questões sociais e políticas relacionadas com a igualdade da agenda política, principalmente porque os grupos demográficos mais susceptíveis de serem afetados por estas políticas não foram representados no debate. Questões de saúde materna, proteções de violência doméstica, seguro-desemprego, emprego para os jovens, quotas de gênero, acesso à educação, direitos políticos e culturais para populações minoritárias, e assim por diante, foram deixados para trás com um mínimo de consideração das consequências em longo prazo. O agravamento das desigualdades sociais e económicas que têm resultado são os principais impulsionadores do crescimento o extremismo político e populismo.
  20. 20. 21 A REPRESENTAÇÃO POLÍTICA MODERNA Em todo o mundo, os cidadãos têm uma relação desconfortável com os partidos políticos. A maioria das pessoas reconhece que os partidos são importantes para a democracia, mas faltam informações significativas sobre os objetivos ou valores dos partidos. Os eleitores são muitas vezes incapazes de dizer a diferença entre muitos partidos políticos que não conseguem comunicar programas diferenciados. Quando os partidos se comunicam com os eleitores, geralmente em tempo de eleições, eles fazem promessas grandiosas que os eleitores dispensam como irreais. Em muitos países, a desconexão entre partidos e cidadãos tem sérias implicações para a sobrevivência da própria democracia. A pesquisa mostrou que as condições económicas e de segurança se deterioram em países propensos a conflitos, o déficit de confiança nas instituições democráticas em geral, e particularmente os partidos políticos, cresce. Comprometer cidadãos em uma maneira significativa não só fortalece os partidos políticos como organização, reforça todo o processo democrático. As pessoas têm demonstrado que estão interessadas em causas, ativismo, política, e vida democrática. No entanto, alguns partidos têm fracassado em atrair como veículo de todas essas coisas. Muitos partidos desenvolvem culturas internas que desencorajam membros comprometidos por novos ativistas – tais como mulheres, jovens mulheres, homens jovens e outros grupos marginalizados – protegendo as suas raízes históricas, incluindo [metodologias tradicionais], interesses tribais e redes personalizadas que muitas vezes refletem normas do gênero masculino, e destituem novas ideias e inovações. Além disso, houve uma profissionalização do ativismo político, com empresas oferecendo consultoria estratégica, e ignorando ou limitando a capacidade dos partidários sérios de contribuírem de modo significativo. Essas tendências podem impedir a participação das mulheres defender uma rede ‘old boys’ que é difícil de penetrar. Por exemplo, as mulheres são geralmente mais ativas em atividades de raiz como voluntariado de partido, e intermediar papéis estratégicos organizacionais pode ser um caminho de filiação ativa à liderança. A desconfiança dos políticos tem de ser resolvida através da responsabilização e transparência mais rigorosa. A experiência pessoal, da Espanha, na página seguinte, mostra como um líder de partido político compreendeu que uma parte da cultura interna precisou mudar a fim de se reconectar com os cidadãos e restaurar a confiança entre os adeptos. Se os partidos políticos não refletem as circunscrições que alegam representar ou os eleitores que desejam atrair, carecem de credibilidade para falar e agir em nome desse eleitorado. Muitos partidos políticos em todo o mundo continuam sendo clubes de elite que não refletem a diversidade de suas comunidades. As sociedades estão se tornando cada vez mais diversificadas, e a tecnologia está mudando a forma como as pessoas se comunicam, identificam e se engajam. A diversidade de comunidades exige que os partidos políticos desenvolvam políticas internas e externas que reflitam as preocupações de minorias e grupos marginalizados. As mulheres não são uma minoria; na verdade, em muitos países, elas representam a maioria dos eleitores. Contudo, as mulheres são marginalizadas na maioria das instituições políticas em todo o mundo. No Século XXI, a voz e ações das mulheres na política devem ser promovidas. Este é seu direito, mas o aumento da diversidade que a sua inclusão traz contribui para partidos políticos mais fortes e bem-sucedidos. Existem muitas maneiras para promover a participação das mulheres na política, incluindo sistemas de eleição que são mais amigáveis às mulheres, o uso de quotas por gênero, as listas
  21. 21. 22 de candidatas só mulheres, financiamento público vinculado ao número mínimo de candidatos do sexo feminino em locais vencíveis, a adoção de mecanismos adequados para assegurar a tolerância zero para o assédio e a discriminação, e muitas mais. Excertos da apresentação da Conferência do Século XXI pelo Dr. Pedro Sánchez, líder do Partido Socialista Obrero Espanhol Como podemos enfrentar a política de desconfiança que vemos hoje? Especialmente para partidos estabelecidos, a resposta é simples, porém complexa. Liderar pelo exemplo e transformar os partidos para revigorar a democracia. Trabalhar dentro do sistema. A razão do declínio da União Europeia (UE) é que as instituições estão falhando em responder adequadamente à crise de emprego, refugiados, etc. Além disso, as democracias nos Estados-Membros da UE são imperfeitas. O que deveríamos fazer na Europa é fortalecer a democracia representativa nos Estados-membros. Para atingir isso, as partes devem liderar pelo exemplo. A maioria dos cidadãos não se sente representada por partidos ou parlamentos. As pessoas sentem que os partidos políticos e os políticos, apenas trabalham para si próprios. A maioria das pessoas vê a impunidade como o maior problema. Isto conduziu a um aumento de representantes populistas, de extrema-direita e extrema-esquerda na UE após as últimas eleições. Na Espanha, no dia 15 de Maio de 2011, o movimento Indignados realizou uma reunião pública no centro de Madri, pedindo “uma verdadeira democracia”. Os manifestantes estavam dizendo que não havia nenhuma mudança e nenhuma democracia real, e que “partidos socialistas” não agiam como socialistas quando estavam no governo. O movimento Indignados foi, de certa forma, um meio construtivo de expressar descontentamento. Um enorme fracasso do PSOE foi que nós não vimos o impacto destes protestos. O movimento do 15 de Maio resultou na criação de dois novos partidos -- Podemos e Ciudadanos. Em apenas dois anos, o sistema político foi mudado de um sistema bipartidário para um com quatro partidos. No final, o debate político foi também transformado de falar apenas sobre questões de esquerda/direita para um novo quadro que é a nova política versus a velha política. O que sobre o PSOE? Se a democracia é trata sobre a deliberação e de tomada de decisões, em seguida, a questão-chave é engajar-se mais com a democracia participativa e aumentar a representatividade dentro do PSOE. Para evitar a personalização da política e para evitar dinastias, a gente limita as condições de funcionários partidários (não só para candidatos a primeiro ministro [PM] ou Prefeitos de cidades grandes. Há um limite de partidos de três termos), e operam primários online em cada nível -- mesmo para funcionários partidários. O meu partido tem uma história de 140 anos, eu fui o primeiro Secretário Geral eleito pelo sistema primário do meu partido. Embora imperfeito, o sistema primário é uma das melhores maneiras de evitar a profissionalização da política. Para “Praticar o que pregamos” o PSOE se tornou o primeiro partido político no país a estabelecer um relacionamento com a Transparência Internacional (TI), Espanha. Estabelecendo essa relação, o partido decidiu liberar recursos financeiros e outros documentos internos – através da TI – ao público. Em um ano, o partido passou de um três na escala de transparência da TI para 10. Em breve, outros partidos Espanhóis assinaram seus próprios memorandos de entendimento com a organização. Experiência Pessoal
  22. 22. 23 Procuramos também garantir a igualdade de gênero. Estabelecemos listas de candidatos do sexo masculino e feminino. Mas essa tática não foi tão bem sucedida como poderia ter sido. Para combater a crise de representação tentamos ter líderes masculinos e femininos representados tanto para novos membros bem como para neutralizar o patriarcado. Para ser mais responsável no nível partidário, eu fiz um compromisso pessoal como um líder que levou à minha demissão, como disse, desistiria se não conseguisse. Ao longo dos anos, também tive o objetivo de criar debates abertos com membros do partido e tomai perguntas de deputados nas “assembleias abertas” mensais, durante as quais eu podia falar sobre o que os membros queriam. Temos de mudar a nossa maneira de falar sobre a ideologia. “Temos que encontrar causas que lutam”. Por exemplo, a força Podemos foi a identificação com uma plataforma anti-vício. Deveríamos falar mais sobre objetivos e menos sobre os meios. Os populistas atraem muitos eleitores. Temos de interagir com os eleitores e mostrar que nós entendemos suas preocupações e assumiremos suas causas. Devemos parar de focalizar no populismo e focar em soluções para pessoas que votam em populistas. Em vez de criticarmos os populistas, devemos criticar a nós mesmos e ganhar de volta muitos desses eleitores que são ex- progressistas. Entre essas abordagens, incentivos financeiros e sanções foram recentemente introduzidas em alguns países para promover a participação política das mulheres. Gary Klaukka, oficial do Programa de Partidos Políticos, Participação e Programa de Representação na IDEA Internacional em Estocolmo fornece exemplos de como o financiamento público aos partidos políticos podem ser vinculados aos seus esforços para recrutar e promover as mulheres como candidatas e oficiais eleitas. A importância da Igualdade de Gênero em um Partido Político Gary Klaukka, Oficial de Programa de Partidos Políticos, Participação e Programa de Representação na IDEA Internacional No ano passado, as mulheres compuseram cerca de 23 por cento dos parlamentares em todo o mundo. Isto é certamente menos da metade, mas o número tem vindo aumentando continuamente com quotas por gênero, entre outras medidas, tendo um impacto. Os partidos políticos estão em uma posição chave sendo capazes de aumentar o número de mulheres parlamentares no mundo todo. Afinal, as partes são aquelas que selecionam os indivíduos que querem enviar como candidatos às eleições. Cerca de 25 países têm ligado a atribuição do financiamento público dos partidos políticos à representação da mulher. Enquanto essas iniciativas são relativamente recentes, a IDEA Internacional está estudando o fenômeno e lançará um relatório sobre ele no outono de 2017. Deixe-nos olhar um punhado de exemplos positivos ao redor do mundo. Chile conecta diversos aspectos do financiamento público à participação e representação das mulheres. Pelo menos 10 por cento das subvenções públicas dadas a partidos políticos têm de ser gastas com a melhoria na participação das mulheres na política. Além disso, para cada mulher eleita para o parlamento, o partido recebe financiamento adicional. A proporção de mulheres na Câmara de Deputados chilena aumentou de 7,5% em 1997 para 15,8% nas eleições de 2013.
  23. 23. 24 A Irlanda tem tomado uma posição forte na vinculação do financiamento público para a proporção de mulheres candidatas. Se qualquer uma das partes tiver menos de 30 por cento dos candidatos de qualquer gênero, eles perdem 50% de seu financiamento público. Este limite vai aumentar para 40% a partir de 2023 em diante. A proporção de mulheres no Dáil Éireann – a Câmara de Deputados do legislativo Irlandês – passou de 12% em 1997 para 22% em 2016. Enquanto não estiver aplicado, no Quénia, os partidos políticos não são elegíveis para o financiamento público se mais de dois terços dos seus líderes de partido interno forem do mesmo sexo. A proporção de mulheres na Assembleia Nacional passou de 3% em 1997 para quase 20% no ano passado. Na Colômbia, 5% do financiamento público é atribuído às partes com base no número de mulheres eleitas, e 15 por cento do financiamento público anual vai para promover a inclusão de mulheres. A percentagem de mulheres na Câmara dos Deputados passou de 8,4% em 2006 para quase 20% no ano passado. Em todos os exemplos de países, é difícil estabelecer uma correlação direta entre a prestação do financiamento público e o aumento da representação da mulher. Esta conexão será analisado em mais detalhe na pesquisa da IDEA Internacional. Qual é o benefício que os partidos políticos podem pedir, de terem restrições impostas sobre suas despesas? Existem numerosos partidos políticos ao redor do mundo que têm regras auto impostas em aumentar a representatividade das mulheres como candidatas. Através da introdução de incentivos de financiamento público, os partidos políticos recebem incentivos monetários para trazer mais candidatas mulheres. Mesmo quando não considerando a principal razão da igualdade para querer ter a paridade de género nas instituições representativas, tendo uma parte mais igual, que represente à sociedade de forma mais ampla, também pode se traduzir em mais votos nas urnas. Ou, como Justin Trudeau, o Primeiro Ministro do Canadá, disse há dois anos, quando perguntado por que ele pensou que era importante que seu gabinete tivesse um equilíbrio de gênero: “Porque é 2015”. Mas os incentivos financeiros são limitados a alguns casos. Além disso, estes são menos convincentes em contextos onde o financiamento privado domina às eleições. Muitos líderes de governo – especialmente na Europa e no Canadá – abriram o caminho para promover a paridade de gênero na política. Em 2008, o Primeiro Ministro Jose Zapatero fez história quando abriu um novo gabinete espanhol com mais mulheres que homens. Segundo aponta Gary Klaukka, o Primeiro Ministro canadense Justin Trudeau entendeu que, em 2015, metade da população deveria ser representada como metade dos ministros do governo. A única maneira para que a paridade de gênero na política e governação seja alcançada é através de partidos políticos tomando este aspecto da reforma a sério e promover ativamente as mulheres como tomadoras de decisões influentes em todos os níveis de suas organizações. Em 2017, 23 países tinham lugares reservados para mulheres em assembleias legislativas e 54 países tinham legislado quotas para candidatos ou listas de eleições. Nem todos essas foram aplicadas. Além disso, muitos dirigentes partidários viam estas quotas como teto, não o chão que foram destinados a ser. Os dirigentes menos bem sucedidos em recrutar e promover as mulheres, frequentemente lamentam que as mulheres “não querem se envolver em política” ou “não podemos encontrar mulheres para lançar como candidatas”. Essa perspectiva não reconhecer os vieses inerentes contra a participação política das mulheres, muitas das quais são incorporados nas formas em que os partidos políticos conduzem negócios e se envolvem na concorrência política.
  24. 24. 25 Finalmente, os líderes dos partidos políticos são os porteiros do status quo e assumem a responsabilidade de fazer as alterações necessárias para assegurar uma verdadeira igualdade. Partidos Políticos: Porteiros do Status Quo4 Excertos de Partidos Políticos: Porteiros do Status Quo por Sandra Pepera, Diretora de Gênero, Mulheres e Programas de Democracia no Instituto Democrático Nacional A grande maioria dos partidos políticos foi estabelecida como instituições de membros do sexo masculino e seu funcionamento interno reflete a persistência dos papéis de gênero encontrados nas sociedades de acolhimento. Globalmente, as mulheres representam cerca de 40-50 por cento dos membros do partido, mas apenas 10 por cento mantem posições de liderança. Dentro dos partidos, as mulheres tendem a carecer de acesso às redes de influência e/ou recursos no mesmo nível que seus homólogos masculinos. Enquanto as quotas podem aumentar a representação das mulheres, eles permanecem, em grande parte, voluntárias ou impostas. Além disso, muitas mulheres têm encontrado a cultura e organização interna dos partidos políticos inóspitas, discriminatórias e inseguras. Muitas vezes, comumente aceitas, mas o comportamento corrupto dentro dos partidos – tais como a troca de bens materiais para posições de poder – muda de forma ou se torna exacerbada para as mulheres; elas podem encontrar pedidos de favores sexuais, ao invés de dinheiro, a fim de avançar, o que se torna uma forma de violência que impacta e pode impedir sua capacidade de participar de forma igual5 . Para mover os partidos políticos de porteiros para o status quo de se tornarem trampolins libertadores e solidários para a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres, as partes podem:  priorizar explicitamente a igualdade de gênero;  providenciar o apoio ativo para a liderança das mulheres em todas as áreas do partido;  estabelecer a tolerância zero para o assédio sexual nos espaços do partido;  apreciar as dimensões de gênero de folga e oposição enfrentada por militantes; e  adotar as melhores práticas de trabalho do Século XXI para a inclusão de gênero6 . Ele também ajudaria se as organizações de assistência dos partidos fornecessem um conjunto completo de assistência técnica e de programas de apoio que atacassem as heranças de séculos anteriores, tais como o clientelismo, o sexismo e a impunidade, enquanto promovem novas normas e padrões para o futuro com base na inclusão, mérito e igualdade de acesso aos recursos e redes. É importante compreender a profundidade das estruturas de poder de gênero nos partidos e nas sociedades onde trabalhamos, e endereçar mais sistemicamente os vieses inconscientes que todos carregamos. Muitas partes estão dispostas a irem além da sua obrigação legal de promover a participação das mulheres, e muito poucos têm regras internas de partido que garantam a representação das mulheres 4 Este trecho foi republicado da publicação do blog Partidos Políticos: Guardiões do Status Quo, por Sandra Pepera, Diretora de Programas de Gênero, Mulheres e Democracia no Instituto Nacional Democrático. Disponível no blog do 21st Century Parties. 5 Para mais informações, consulte a iniciativa #NotTheCost da NDI. 6 Por exemplo, EDGE, a principal metodologia de avaliação global e padrão de certificação comercial para igualdade de gênero. Essa certificação é cada vez mais procurada por organizações fora do setor privado. SUGESTÃO DE PRATICANTE
  25. 25. 26 nas posições significativas do partido. Os candidatos e representantes eleitos são a expressão mais visível e pública do compromisso de um partido com a paridade de gênero. Mas o compromisso mais transformador para assegurar a igualdade na estrutura interna do partido, onde as decisões são tomadas e os recursos são alocados. As Regras internas do partido, que são conhecidas por todos, fazem os partidos políticos se tornarem mais transparentes e acessíveis. Enquanto as regras podem não ser sempre seguidas, é impossível segurar as partes responsáveis por não programarem regras que não existem em primeiro lugar. A seguir estão algumas dicas práticas, da Shannon O'Connell, Consultora Sénior, Gênero e Política, sobre como abordar os desafios internos do partido político para a participação das mulheres. A participação das mulheres nos partidos políticos Por Shannon O'Connell, Consultora Sénior, Gênero e Política A questão para esforços muito deliberados para aumentar a participação da mulher e o total compromisso em partidos políticos é persuasivo. Portanto, o que você e o seu partido podem fazer para buscar a igualdade de gênero em sua organização? A lista a seguir fornece algumas dicas sobre como abordar este assunto.  Primeiro, decidir que mudanças estruturais que você vai aprovar. As estruturas que você está trabalhando atualmente com o provável conteúdo, mesmo involuntariamente, dos obstáculos à participação das mulheres e das formas de preconceito de gênero. Para dar o exemplo mais óbvio, qual é o custo real para ser um candidato do seu partido? Realmente. E como muitas mulheres de sua sociedade têm esse tipo dinheiro vivo pessoal neste momento, com nada melhor para gasta-lo do que uma campanha eleitoral?  Identificar – especificamente – o que você vai fazer como organização para trazer as mulheres, para fazer com que se sintam bem-vindas e ajudar a prepará-las para a drenagem de recursos e dificuldades da política. As opções são ilimitadas. O Partido Trabalhista Australiano tem uma política de paridade onde cada gênero deve ser representado por não menos de 40 por cento nas eleições. O Partido Ação Nacional do México tem um programa de treinamento e recrutamento de candidatos robusto para as mulheres. O Partido Trabalhista no Reino Unido fez ganhos significativos somente com listas de candidatas mulheres. Outras opções incluem lugares reservados nos órgãos executivos do partido, grupos de política focada em questões que afetam às mulheres, mecanismos de captação de recursos especiais para mulheres candidatas, mesmo reembolso de despesas com creche para candidatas e trabalhadores do partido. Há uma abundância de bons exemplos lá fora. Pense sobre o que vai fazer uma diferença real no seu ambiente social e político.  Examinar seus processos de tomada de decisão internos, particularmente aqueles que envolvem a seleção de candidatos ou destino do dinheiro. Quantos destes são ‘informais’, ou seja, não existem regras de procedimento, critérios claros para as escolhas feitas, as decisões são tomadas em reuniões fechadas ou em reuniões para as quais não é elaborada uma ata, não há nenhuma agenda ou ordem do dia e/ou não há supervisão ou processo de avaliação? Enquanto mais destes você tenha, menor será a probabilidade de alcançar a igualdade entre gêneros (ou de gerir um partido político particularmente favorável para esse assunto). SUGESTÃO DE PRATICANTE
  26. 26. 27  O mesmo vai para uma cultura interna combativa ou mesmo violenta. Quantos dos seus processos internos de partido são altamente conflituosos, envolvem debates sem regras contêm desnecessariamente um alto nível de antagonismo, ou até mesmo incluem intimidação física e insultos retóricos? Se estes estiverem presentes em seu partido você tem mais problemas que a desigualdade de gênero, mas estes são os principais motivos para manter as mulheres longe. Pense sobre como o negócio é conduzido em seu partido, bem como se esses comportamentos podem estar contribuindo para a violência no ambiente eleitoral. Transforme estes em processos mais inclusivos e humanizados. Rapidamente. Você não está fazendo nenhum favor a ninguém com esse tipo de organização envolvida na política.  Pergunte: o que é que o nosso partido está dizendo e, mais importante, fazendo? Um elemento essencial na implementação desses tipos de inovações é que os partidos políticos têm de querer essa mudança, e a chamada para o investimento de recursos e sistemas necessários para que isso aconteça tem que vir de cima. Homem ou mulher, se o partido não for proativo, procure e implemente mecanismos reais de mudança, realmente não acontecerá. Há uma antiga expressão sobre liderança: o peixe apodrece pela cabeça. Isto significa que se a liderança falhar, a organização também a seguirá. Assim, se o peixe apodrece pela cabeça, ele cresce da mesma maneira.  Tenha um plano. Escreva-o. Compartilhe-o com outras pessoas e obtenha a opinião deles. Lembre-se de que esta é uma estratégia de desenvolvimento organizacional que você está implementando. Este tipo de mudança deliberada exige um plano claro e bem sustentado e comunicado. E, como parte desse plano, você deve antecipar uma folga de algum tipo em algum momento. A mudança é assustadora e alguns dentro do partido podem se sentir ameaçados e passados para trás. Antecipe, mas se esforce para evitar que o lançamento do processo de reformas seja feito o mais consultivo e inclusivo como for possível.  E lembre-se: o que você está implementando quando busca a igualdade de gênero é uma agenda de crescimento. Você sairá melhor e mais forte. Estes tipos de esforços raramente são simples ou fáceis, mas sempre valem a pena. Agora, vá lá e comece a trabalhar para conseguir que as mulheres trabalhem na política e no seu partido político! Boa sorte! Embora muitas vezes lentos, alguns partidos estão a fazendo progressos em garantir a representação das mulheres nos órgãos internos nos estatutos escritos. Por exemplo, todos os principais partidos políticos alemães têm regras internas: o Partido Verde tem uma presidência cogerida homem/mulher, o Partido Social Democrata tem uma quota de 40% para todas as posições do partido, e o partido da União Democrática Cristã repete as eleições internas se a quota de 33 por cento para as mulheres não é atingida. Nos Estados Unidos, as regras de seleção de delegado para o Partido Democrata determinou que as delegações de estado do partido deverão ser representados por mulheres e homens por igual para a Convenção Nacional de 2016. Vários partidos políticos nas democracias novas e emergentes, particularmente na América Latina, também tem regras de representação interna, mas, infelizmente, nem sempre implementam essas regras. Às vezes, os primeiros grupos de mulheres a entrar na política partidária quando as estruturas são postas em pratica para aumentar a representação da mulher são a elite feminina, ou até mesmo membros femininos da família dos atuais líderes partidários. Assim como deveria haver um maior esforço para recrutar mais mulheres, deve haver um esforço deliberado para incluir uma variada faixa
  27. 27. 28 de mulheres – e muitas vezes o mesmo ou táticas semelhantes podem ser usadas para assegurar este tipo de diversidade. Como Shannon O'Connell aponta acima, as regras internas não são suficientes. Os partidos políticos podem muitas vezes serem espaços públicos ‘protegidos’, permitindo e possibilitando que aconteça a violência contra as mulheres dentro de suas fileiras. O crescimento de dados e as evidências mostram que a violência contra as mulheres politicamente ativas é um grande obstáculo à sua participação plena e igual; a interminável impunidade de perpetradores e a falta de conhecimento sobre as formas desta violência contribuem ao problema. Esta violência não é restrita a danos físicos, mas também inclui violência psicológica, econômica ou sexual, bem como ameaças ou coação. Ele engloba uma série de atos que são projetados para controlar, limitar ou impedir a participação política plena e igual das mulheres, e pode ocorrer tanto em pessoa bem como on-line. Assim, torna-se extremamente importante para os partidos políticos passar ou revisar seu regimento interno, a fim de proteger as mulheres membros e líderes das mulheres contra a violência; no entanto, elas também deverão criar mecanismos de disputa internos do partido em geral, e em particular para qualquer violência de gênero. As Mulheres na política são frequentemente alvos de ataques violentos e hostis por causa de sua participação. O reconhecimento desta violência tem aumentado nos últimos anos, particularmente como a sua visibilidade aumentou com o surgimento das mídias sociais7 . Em 2016, um estudo de mulheres parlamentares, conduzida pela União Interparlamentar, revelou que a maioria das mulheres parlamentares sofreram alguma forma de comportamento hostil ou violenta contra elas. Quase a metade das mulheres inquiridas referiram terem sido abusadas nas redes sociais e muitas relataram observações sexistas direcionadas a elas pelos colegas do sexo masculino -- muitas vezes do seu próprio partido político. Não é que as mulheres não estejam interessados na política, mas que enfrentam níveis de violência diversos e desproporcionados quando entram em ambientes políticos, o que afeta os modos de participar ou até mesmo impede totalmente sua participação. O NDI elaborou estratégias e oportunidades para fazer que a violência contra mulheres ativas politicamente seja inaceitável como qualquer outra forma de violência na sua Chamada Global para a Ação, publicada como: #NotTheCost: Detendo a violência contra as Mulheres na Guia Política.8 Por último, os ativistas que são sinceros sobre o aumento significativo da representação das mulheres nos partidos políticos precisam ser mais assertivos e estratégicos para alcançar a igualdade dentro dos seus partidos. Conduzir “auditorias de gênero” nos estatutos do partido, das bases de dados do partido e registros de toda a liderança e filiações -- do nível mais local ao nível nacional -- é o primeiro passo para compreender as lacunas nas regras processos e práticas do partido. Para manter as partes responsáveis pela sub-representação, os ativistas devem ser capazes de provar a existência de comportamentos discriminatórios. A igualdade de representação não acontecerá por acidente, deve ser exigido pelos homens e mulheres que apresentam fatos baseados na evidência9 . A diversidade dentro dos partidos políticos: Uma característica fundamental da democracia é que todos os cidadãos são capazes de expressarem a sua voz e influenciarem as decisões que afetam suas vidas. Isto inclui segmentos da população tradicionalmente excluídos do poder político, devido a preconceitos 7 Veja também É o mundo deles, desde que não estejam online. Mulheres jovens e política, Sandra Pepera, DemWorks, 2017 8 Saiba mais sobre a iniciativa #NotTheCost da NDI aqui. 9 O NDI está atualmente atualizando sua ferramenta de avaliação do partido político Win With Women, que concentra informações sobre como as operações, sistemas ou cultura de uma parte ajudam ou dificultam o status geral das mulheres dentro das fileiras do partido. A ferramenta de avaliação atualizada estará disponível no início de 2018
  28. 28. 29 e estereótipos sociais. Em muitos países, as pessoas enfrentam a exclusão com base em sua orientação sexual ou identidade de gênero. Esta exclusão pode assumir uma variedade de formas, tanto na vida privada e pública, e muitas vezes, impede que membros de comunidades LBGTI tenham uma voz na arena política. As barreiras à participação política podem incluir as leis que criminalizam explicitamente o comportamento homossexual ou organização política; a falta de proteção legal contra a discriminação, muitas vezes, oferecida a outros grupos minoritários da sociedade, ou simplesmente preconceito contra esse segmento da população que resulta em intimidações violentas ou uma incapacidade para avançar na esfera econômica e política. Enquanto os partidos políticos tentam recrutar membros, apoiantes e eleitores, no seu melhor interesse de serem inclusivos, cada vez mais as mulheres e a juventude estão dando uma voz dentro dos partidos e, na mudança de normas, as comunidades LGBTI também estão sendo trazidas. A folha de trabalho “Repensar as Abordagens Organizacionais e Identificar os Setores da População” fornece perguntas úteis para ajudar a compreender como diferentes grupos se relacionam com o partido. Garantir que as estruturas internas e práticas sejam sensíveis à diversidade é importante. Por exemplo, como, quando e onde encontrar executivos do partido é importante porque estes fatores ativam ou impedem que militantes estudantis, cuidadores de crianças e idosos, bem como subempregados participem. Utilizar a tecnologia pode ampliar as oportunidades para a participação de diversos grupos através de fóruns on- line e atualizações de redes sociais10 . Compreender quem, dentro do partido, obtém beneficio do financiamento de partidos políticos ajuda os partidos a avaliarem o apoio concreto a diversos grupos. “Perguntas Críticas para os Partidos Políticos: Inclusão e Finanças do Partido” fornece um guia de perguntas a fazer. Como a Harriet Shone, Chefe do Escritório Internacional, Liberais Democratas do Reino Unido (UK) observa abaixo, “a diversidade não é apenas sobre a representação... é uma questão de compromisso”. A Importância da Diversidade nos Partidos Políticos: Uma perspectiva Britânica Por Harriet Shone, Chefe do Escritório Internacional, Dos Liberais Democratas Reino Unido Durante o seu pico de pós-guerra, os partidos políticos foram verdadeiros movimentos de massa, com milhões de membros. Os membros eram leais e envolvidos, e os votos eram confiáveis. Em 1953, o Partido Conservador britânico, com 2,8 milhões de membros, foi uma das maiores organizações da Europa. Durante o mesmo período, o Partido Trabalhista tinha mais de um milhão de membros e os liberais bem mais de cem mil. Enquanto os números de associação têm diminuído nos últimos anos, os partidos ainda são a os veículos políticos mais práticos. Não existe atualmente nenhum método melhor para a mobilização de eleitores ou de recrutamento de futuros líderes. Então, o que as partes podem fazer para que os cidadãos voltem para a política partidária, pelo menos como eleitores? Um ponto de partida seria garantir que as partes representem todas as pessoas para as quais elas alegam falar. Os partidos políticos modernos estabelecidos continuam sendo maioritariamente dominados por homens brancos, com alarmantemente poucos ‘futuros líderes’ a subirem às fileiras. 10 Porém, o excesso de confiança na tecnologia para alcançar novos grupos pode ignorar aqueles com acesso menos regular, por exemplo. as mulheres nos países em desenvolvimento têm uma probabilidade 25% menor de estar online e costumam usar a Internet de maneira diferente. As partes devem desagregar por sexo os usuários com quem interagem para garantir que estejam atingindo números iguais de homens e mulheres Experiência Pessoal
  29. 29. 30 Essa falta de diversidade irrita jovens eleitores que são largamente ignorados pelos políticos e, em especial, mais preocupados com a sub-representação das mulheres, minorias étnicas e sexuais do que as gerações anteriores. Para os Liberais Democratas, abordar a falta de diversidade significava enfrentando nossas próprias deficiências. Apesar de uma plataforma progressista e, inclusive, ainda sem ter atraído às mulheres e as minorias étnicas de forma tão eficaz como outras partes. Isso obrigou-nos a implementar uma agenda de cima para baixo, favorecendo grupos sub-representados na seleção do banco de destino, e as seleções de candidatos em eleições de comissão vital internas. Lentamente, isso tem impactado a imagem do partido. A recente eleição extraordinária de Richmond Park, onde o nosso candidato Sarah Olney venceu o mandato parlamentar, foi um marco para o partido, trazendo uma talentosa e promissora Membro do Parlamento feminino ao grupo, depois de mais de 18 meses com um partido parlamentar do sexo masculino. Nós estamos agora, por uma questão de princípio, selecionando mulheres e membros de etnias pouco representadas como candidatos na maioria dos locais vencedores no esforço de construir sobre esse resultado. Crucialmente, vimos também uma diversificação das nossas estruturas internas, com as eleições internas de Dezembro de 2016, resultando nas mais diversas estruturas de comissão interna do partido. Importante decisões internas estão agora sendo feita por um grupo diversificado de muita mais pessoas do que em qualquer outro período da nossa história. Enquanto as regras de cima para baixo estão sendo aplicadas, temos o prazer de ver que uma mudança cultural no partido significa que só tínhamos de aplicar o critério da diversidade em uma eleição do Comitê, e mais de 50% dos eleitos para o nosso Comitê maior, o Conselho Federal, foram as mulheres que corriam sobre a sua própria vontade. Com o nosso presidente de partido e Sede (HQ) mostrando liderança sobre a questão, temos visto membros do partido, em todos os níveis, tomando a causa e agindo para antecipar qualquer intervenção do partido HQ. No entanto, a diversidade não é apenas de representação. Como as menos representadas estão também as menos engajadas, é uma questão de compromisso. Para envolver pessoas de todos os credos, etnias e origens em política, os partidos devem abandonar a velha noção de que as pessoas irão abordá-los e, em vez disso, procurá-los. Isso significa fazer campanha nas comunidades; indo a mesquitas, igrejas, sinagogas e centros comunitários, falando – e ouvindo – às pessoas, sem esperar um retorno político imediato. Os Liberais Democratas nomearam a diversidade regional champions para supervisionar esta divulgação e estabeleceram um comitê de diversidade para garantir que há uma abordagem a este programa de divulgação. Este é um investimento de processo lento e constante de tempo e esforço, mas a única forma de um partido político para diversificar a sua base de apoio no longo prazo. Os partidos políticos não estão indo a qualquer lugar; você ainda precisa aderir a um partido para se tornar Primeiro Ministro. No entanto, se os partidos quiserem reengajar os seus cidadãos, e ganhar de volta os membros, eles precisam se tornar sérios sobre a diversidade. A ascensão de movimentos de cidadãos e campanhas específicas em questão sugere que os partidos políticos nas democracias mais antigas também estão falhando em engajar os cidadãos de uma forma significativa. Muitas vezes, os líderes de partido político acham que as pessoas vão aderir a eles, porque eles têm uma boa ideia. Especialistas em partidos políticos estão em conflito sobre se o declínio da filiação em partidos políticos apresenta uma crise ou se o declínio reflete a realidade do Século XXI que a tecnologia mudou a forma pela qual os cidadãos se envolvem em política. A planilha “Perguntas Críticas
  30. 30. 31 para Partidos Políticos: Filiação Partidária”, ajuda aos partidos a pensarem sobre o que significa a adesão para seu partido, simpatizantes e cidadãos em geral. Como o estudo de caso dos Liberais Democratas britânicos mostra, os partidos precisam fazer um esforço para chegarem aos cidadãos; eles não virão procurar por você. Há muitas questões e organizações concorrentes que estão dispostas a ouvir os cidadãos e envolvê-los em atividades que sejam importantes para eles, não para você. As pessoas usadas para juntar os partidos e acessar às informações e por razões sociais; hoje os cidadãos podem encontrar essas coisas fora dos partidos. Evidência dos últimos acontecimentos políticos sugerem que os “não eleitores” tradicionais, geralmente jovens, ignoram os partidos políticos estabelecidos e expressam sua frustração pela sabedoria política convencional derrubada. A eleição nos Estados Unidos, o surgimento de partidos populistas e movimentos cívicos na Europa e ao redor do mundo, indicam que as pessoas estão interessadas em questões políticas e atividades, mas não encontram que principais partidos políticos sejam o veículo apropriado para sua contratação. Importante, a inclusão de pessoas dentro de um partido não pode ser uma fachada ou pro forma. Isto é ainda mais importante para as mulheres e as minorias, que são muitas vezes utilizados como – ou percebido para serem - fichas dentro do partido. A participação delas deve ser substancial em termos de contribuição para a política e processos de tomada de decisão, o acesso a cargo público, e oportunidades para representar o partido para públicos mais amplos. Envolver os cidadãos podem assumi muitas formas e pode ser feito em diferentes níveis utilizando métodos tradicionais ou inovadores. A Folha de Trabalho “Oferta versus contribuição de Cidadão” é um guia útil sobre como as partes podem solicitar a entrada dos cidadãos. Em 2016 um novo partido na Arménia, “Bright Arménia”, lançou um “tour de escuta” em um esforço proativo para criar um canal de forma para o compromisso do cidadão. Enquanto ouvir é um componente importante da comunicação, refletir a contribuição dos cidadãos nas políticas e ações do partido, demonstra que o partido também tem ouvido, e cuida o que os cidadãos têm para dizer. O Partido Alternativo Dinamarquês – como destacado anteriormente neste documento – terceiriza todas as suas políticas, de modo a formalizar a entrada do cidadão nas políticas. Nas Filipinas, o partido Akbayan desenvolve sua agenda política, com a contribuição de grupos setoriais de consulta, que consultam com organizações locais da sociedade civil e movimentos de cidadãos em políticas concretas e ações11 . A comunicação é uma rua de mão dupla e exige engajamento e resposta, não apenas emitindo uma mensagem e esperando pelo melhor. Comunicar-se com apoiadores e eleitores tem mudado drasticamente no Século XXI. Nos últimos anos, se conectar com as pessoas nas redes sociais tem ajudado os movimentos populistas ignorar a mídia tradicional e chegar a cidadãos frustrados. Em muitos países, os partidos políticos continuam investindo recursos preciosos em jornais de partido tradicionais ou meios de comunicação. O número de leitores de jornais partidários está em declínio na maioria dos países e os partidos que confiam em suas próprias redes para entregar sua mensagem estão simplesmente “pregando aos convertidos”. A maioria de partidos do mundo tem Web sites, mas não os atualizam ou os tratam como uma ferramenta de comunicação para entregar mensagens de partido sem recolher informações das pessoas que visitam o 11 As ONGs são um aliado particularmente importante no envolvimento com as mulheres, que tendem a ser mais ativas na sociedade civil do que na política. As ONGs geralmente têm credibilidade onde as partes podem ser vistas como corruptas ou fora dos limites.
  31. 31. 32 site. Em nenhum lugar isso é um conceito de duas vias de comunicação mais importante do que quando se usam as redes sociais. Como aponta abaixo Iain Gill, consultor do Partido Político Internacional, as redes sociais têm estado muito na vanguarda da mudança política nos últimos anos, e os partidos precisam se adaptar – especialmente se eles quiserem o apoio dos eleitores mais jovens. Mídias Sociais e Partidos Políticos no Século XXI Por Iain Gill, Consultor do Partido Político Internacional Sugerir que os partidos políticos estão tendo uma crise de modernidade seria um eufemismo. A filiação Partidária, o engajamento e a participação dos eleitores estão em declínio em todo o mundo enquanto a apatia, aquiescência e desilusão estão aumentando. A combinação desses fatores e o surgimento das redes sociais têm permitido aos movimentos de cidadãos se tornarem mais numerosos, mais atraentes e mais eficazes. Por conseguinte, as instituições políticas formais estão lutando para permanecerem relevantes. De acordo com a Oficina Britânica de Estatísticas Nacionais, 83% dos cidadãos do Reino Unido disse que ‘tendem a não confiar’ em partidos políticos. Na década de 1950, uma pessoa em cada dez era membro de um partido político. Agora, há mais pessoas que identificam sua religião como ‘Jedi’ do que membros existentes no Partido Conservador. Para sobreviver, os partidos políticos devem se ajustar à mudança de clima social e político. Os recentes avanços na tecnologia de computadores, interconectividade e acesso à internet demonstrou ser um potente instrumento de mudança e transformação. As redes sociais têm estado na vanguarda de muitos movimentos políticos no mundo todo, e, por conseguinte, os partidos devem estar preparados para a utilização sustentada e eficaz da internet. A chamada “Primavera Árabe”, que começou na África do Norte através das redes sociais, viu a queda de três regimes despóticos. Embora o acesso continua intermitente em algumas áreas, a nova tecnologia vai em breve ver alguns dos países menos conectado se tornar o melhor conectado em poucos anos. As redes sociais oferecem uma ferramenta gratuita para os partidos chegarem a milhões de eleitores. No entanto, não é tão simples como a configuração de uma conta e permitir que ela seja executada. As redes sociais requerem trabalho diário. Você precisa se comunicar com a plataforma de escolha do seu público. As pessoas querem ouvir de você quando saírem, não onde você quer que eles sejam encontrados. Alguns dos sites de redes sociais mais populares nos que você deveria estar presente são Facebook, Twitter e YouTube. As pessoas não visitam a sua Web site regularmente, por isso, se você deseja se conectar com as pessoas online você deve atendê-las onde eles passam a maior parte de tempo. Estão aqui algumas dicas para estar à frente: → Em ambientes políticos com a mídia controlada pelo estado, as redes sociais permitem aos partidos manterem o controle sobre suas comunicações políticas. → Interaja com seus seguidores: não basta utilizar a plataformas de redes sociais para enviar informações para seus seguidores, mas usar cada oportunidade para responder às suas perguntas e comentários em uma conversa. SUGESTÃO DE PRATICANTE
  32. 32. 33 → entenda para quem você está direcionando sua mensagem – membros do partido, mídia, eleitores. Cada um requer uma mensagem diferente, por exemplo, celulares – mensagens de voz e SMS – podem ser ferramentas de divulgação eficazes para em ambientes rurais. → Não sobrecarregue os seguidores com informações apenas. Certifique-se de que você fornece oportunidades para que eles se envolvam e se sintam comprometidos. Pedir-lhes para assinar uma petição, compartilhar uma história, dar seus pensamentos sobre uma questão política ou compartilhar um link com seus seguidores. → Toma trabalho: as redes sociais não são um conjunto de propostas de pôr e esquecer. Por alguma razão, muitas pessoas pensam que tudo o que é necessário é o trabalho inicial criando a “presença”. Para que seu perfil online trabalhe para você, precisa atenção, agilidade e trabalho contínuo. → Ligar os mundos online e offline: toda atividade do partido deve ter acesso elementos gratuitos on- line e off-line trançados juntos. Isto pode incluir a postagem de fotos e um caso da vida real no Facebook, criando um hashtag (#) único para que os participantes tweetem durante um evento ou realização de eventos ao vivo on-line, como uma ‘Câmara Municipal Twitter’. → Obtenha seu partido e representantes públicos para criar seus próprios perfis no twitter handles para compartilhar as notícias atualizadas do partido. Os ativistas tendem a responder a solicitações de voluntários se solicitados por um representante eleito, em vez de pelos membros de sua equipe. No entanto, é igualmente importante para o partido ter em mente que, para mulheres representantes, o ativismo/divulgação online pode ser um campo minado. Segundo a União Interparlamentar, 80 por cento de mulheres parlamentares relataram serem alvo de ataques psicológicos online, incluindo ameaças de violência, estupro e morte. Os partidos devem estar dispostos a ajudar líderes mulheres a lidarem com a reação violenta e riscos de segurança e psicológicos que vêm com o fato de ser uma figura pública feminina na internet12 . As redes sociais tornaram-se um componente essencial da estratégia de divulgação para os partidos políticos no mundo todo. Mesmo em países onde a conexão da internet ainda é baixa, as redes sociais se tornaram uma ferramenta poderosa para alcançar jovens cidadãos e reunir informação. No Paquistão, por exemplo, o Pakistan Muslim League-Nawaz usa as redes sociais para alcançar os eleitores, anunciar notícias e obter feedback sobre as novas políticas. No Século XXI, investir tempo para desenvolver e manter uma estratégia de comunicação de redes sociais é um ingrediente fundamental de uma Representação Política Moderna. No entanto, em muitas partes do mundo, particularmente em áreas de baixo acesso à internet, existe uma significativa disparidade de gênero no acesso. Uma pesquisa Intel de 201313 indica que as mulheres dos países em desenvolvimento têm 25 por cento menos probabilidade de estarem on-line que os homens. As redes sociais são poderosas, mas os líderes partidários devem se lembrar de atingir às mulheres, populações rurais e mais velhas pode exigir alguns passos adicionais. 12 Para mais informações, consulte o Guia "Tech4Parties" da NDI, www.tech4parties.org. 13 Mulheres e a web: colmatar a lacuna na Internet e criar novas oportunidades globais em países de baixa e média renda
  33. 33. 34 PAGANDO POR DEMOCRACIA A fim de competir efetivamente no processo democrático, os partidos políticos precisam de financiamento. No Século XXI, o custo da política está aumentando e pagando por Democracia criando uma crença entre muitos cidadãos de que os partidos políticos estão corrompidos; uma crença que é reforçada pelos escândalos intermináveis envolvendo dinheiro e política. Nenhum problema causa mais descontentamento aos partidos políticos, tanto do ponto de vista organizativo e do ponto de vista estratégico, e como desafio de gestão de relações públicas. Ao longo dos anos, mais e mais países estão fornecendo financiamento público aos partidos políticos. Hoje, cerca de 80 por cento dos membros no mundo todo fornecem alguma forma de financiamento aos concorrentes dentro do sistema político. O objetivo subjacente de que o financiamento público é a obtenção de um sistema que não só preserva as oportunidades para todos os cidadãos a participarem igualmente, mas também permite fundos suficientes para uma concorrência sustentável entre os partidos políticos, tanto em atividades eleitorais bem como representativas. Idealmente, o financiamento deve: ser distribuídos de forma adequada e atempada; aplicar pro rata à regra, oposição, e novos partidos emergentes e recentemente estabelecidos; aliviar candidatos, partidos políticos e funcionários eleitos de influência desproporcional dos grandes doadores; e cidadãos livres além de outros membros do partido da pressão por parte dos partidos para dar apoio financeiro. O financiamento público não começa, no entanto, a cobrir os custos reais da política -- especialmente para cada um dos candidatos que aspiram a cargos públicos. Em uma análise do custo da política parlamentar em seis países, a Westminster Foundation for Democracy (DQA) constata que garantir uma nomeação na lista de um partido pode ser um custo proibitivo para a maioria dos indivíduos. Em Gana, por exemplo, os candidatos relatam gastar tanto como GHS 12.000 (mais de USD 30.000) no processo primário, além de um processo igualmente dispendioso com a Comissão Eleitoral. No Quirguistão, o custo estimado para garantir um lugar na lista de um partido é estimado em mais de US$ 200.000. Na Nigéria, espera-se que os potenciais candidatos façam pagamentos aos delegados e oficiais poderosos do partido se quiserem sair vitorioso em convenções de nomeação. A DQA postula legitimamente que os candidatos que investem tanto dos seus recursos pessoais, ou dos fundos de outros, procurarão formas de recuperar esses fundos uma vez eleitos. Enquanto alguns partidos políticos têm taxas oficiais de nomeação que são proibitivas, na prática muitos aproveitam os processos competitivos. Existem, contudo, alguns países como o Quênia, que têm tarifas reduzidas para as mulheres, para ajudar a incentivar à sua participação. O alto custo pessoal de concorrer ao escritório tem um impacto desproporcional sobre as mulheres candidatas. Desde que a candidatura é uma aposta e porque as mulheres tendem a fazer menos dinheiro e têm menos acesso e controle sobre a riqueza pessoal, a possibilidade de perder dinheiro torna-se um dos maiores obstáculos para as mulheres que estão considerando a possibilidade de concorrer. Mesmo apenas a percepção do custo alto, muitas vezes, impede as mulheres de concorrerem – embora alguns estudos indicam que mulheres candidatas são capazes de captarem recursos com tanto sucesso como os homens, um relatório de 2013 de candidatas do sexo feminino e os legisladores dos Estados Unidos encontraram a hesitação número um na concorrência a um cargo foi a de arrecadação de fundos.

×