Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.
HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA
CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO
DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA
Solange Tavares Rubim de Pinho
Salvador
2007
Solange Tavares Rubim de Pinho
Professora Adjunta de Psiquiatria Infanto-Juvenil do Departamento de Pediatria
da Faculdade...
❖ O ser humano, mesmo em períodos
anteriores à invenção da escrita, já procurava
compreender as peculiaridades do seu
comp...
❖ Povos antigos, como os mesopotâmicos, os egípcios, os
hebreus, os persas, os gregos primitivos, os chineses e os
hindus,...
❖ O filósofo Platão (427-347 A.C.) contribuiu para o desenvolvimento do
pensamento do homem com a concepção de realidade p...
Na medicina, o grande expoente da
Grécia antiga foi Hipócrates (460-
377 a.C.), por ter atribuído às
doenças causas natura...
❖ Na Idade Média, evidenciou-se com clareza o conflito conhecimento–
fé.
Com o declínio da civilização greco-romana, o hom...
A Renascença caracterizou-se pelo redirecionamento do
homem em busca da apreensão da realidade.
O cientista Johann Weyer (...
❖ No século XVII, quando o raciocínio indutivo se aliou ao julgamento
intuitivo, a doença mental, gradativamente, desvincu...
❖ Philippe Pinel (1745-1826), médico francês,
libertou os doentes das correntes e separou-os
dos demais internos, quando d...
❖ Na década de 1860, as observações de Charcot (1825-1893), médico
neurologista na Salpêtrière, atraíram as atenções para ...
❖ Estabeleceram-se marcantes discussões entre organicistas e idealistas a partir
do século XIX.
❖ A teoria organicista, se...
Entendiam que corpo e alma – soma e psyché – eram instâncias distintas, mas
atuavam conjuntamente na determinação do fenôm...
A importância do psiquiatra alemão Emil Kraepelin (1855-1926) deve-se
ao fato de ter ele demonstrado a necessidade de a ps...
❖ Coube ao suíço Adolph Meyer (1866-1950) impulsionar a psiquiatria americana
nas primeiras décadas do século XX.
❖ Para e...
Sigmund Freud (1856-1939), médico austríaco, destacou-se como a mais
representativa figura da psicanálise, tendo desempenh...
O psiquiatra alemão Eugen Bleuler (1857-1939), em 1924, estudou sobre a
demência precoce, para a qual propôs o nome esquiz...
Até o fim da II Guerra Mundial, os métodos terapêuticos em psiquiatria eram
pouco eficazes, usando-se, largamente, o eletr...
❖ A síntese da clorpromazina (neuroléptico) por Charpentier, em 1950, e
sua aplicação nas psicoses por Jean Delay e Pierre...
❖ A psiquiatria social, que explica a doença mental como produto principalmente do
modelo social, passou a ocupar um espaç...
❖ O avanço da psiquiatria demonstra a complexidade do ser humano e a
impossibilidade de ser ele avaliado sob um único pont...
❖A neuroquímica, a genética molecular, a psicofarmacologia, a
psicopatologia quantitativa, a psiconeuroendocrinologia, a
p...
❖ Vem crescendo em ritmo acelerado o uso da neuroimagem em psiquiatria,
com o desenvolvimento de métodos capazes de fornec...
No Brasil, essas novas tecnologias já estão
disponíveis, e muitas pesquisas têm sido realizadas,
possibilitando a aplicaçã...
Figura: Esquizofrenia
Autor: Desconhecido
Próxima SlideShare
Cargando en…5
×

HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA - CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA

20 visualizaciones

Publicado el

HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA - CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA

Publicado en: Salud y medicina
  • Sé el primero en comentar

HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA - CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA

  1. 1. HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA Solange Tavares Rubim de Pinho Salvador 2007
  2. 2. Solange Tavares Rubim de Pinho Professora Adjunta de Psiquiatria Infanto-Juvenil do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina – Universidade Federal da Bahia (Ufba); Doutora em Medicina Interna pela Fundação Bahiana para o Desenvolvimento das Ciências (FBDC). ❖ Simone Tavares Rubim de Pinho Lima Historiadora, Analista de Assuntos Culturais na Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb). ❖ Nadja Maria Maia Bióloga; Psicoterapeuta Reichiana. ❖ Marlene Lage Cajazeira Ramos Bibliotecária, Especialista em Metodologia do Ensino Superior
  3. 3. ❖ O ser humano, mesmo em períodos anteriores à invenção da escrita, já procurava compreender as peculiaridades do seu comportamento. ❖ Os doentes mentais eram freqüentemente torturados, temidos ou mesmo discriminados pelos indivíduos considerados normais. ❖ Não raro as doenças eram atribuídas a influências malignas sobrenaturais. ❖ Não existia separação entre o sofrimento físico e o mental, nem tampouco entre medicina, religião e magia (ALEXANDER & SELESNICK, 1968; KAPLAN & SADOCK, 1986) Figura: Medicina e Magia Fonte: www.esoterikha.com
  4. 4. ❖ Povos antigos, como os mesopotâmicos, os egípcios, os hebreus, os persas, os gregos primitivos, os chineses e os hindus, seguiram dando ênfase à religião e à magia em suas práticas médicas. ❖ As doenças mentais eram, geralmente, consideradas como males decorrentes de castigo por faltas morais ou da entrada de um espírito do mal no organismo do indivíduo (WHITWELL, 1936) Paralelamente a essas idéias, que dominaram por séculos na maior parte das culturas por todo o planeta, novos conceitos foram introduzidos desde a Antiguidade Clássica.
  5. 5. ❖ O filósofo Platão (427-347 A.C.) contribuiu para o desenvolvimento do pensamento do homem com a concepção de realidade psíquica, reconhecendo a existência de uma inter-relação entre corpo, raciocínio, desejo e emoção. ❖ Seu discípulo, o filósofo e cientista Aristóteles (384-322 a.C.), ofereceu ao mundo relevantes descrições do conteúdo da consciência (ALEXANDER & SELESNICK, 1968; KAPLAN & SADOCK, 1986; STONE, 1999) Figura: Platão Autor: Michelangelo
  6. 6. Na medicina, o grande expoente da Grécia antiga foi Hipócrates (460- 377 a.C.), por ter atribuído às doenças causas naturais. Hipócrates relacionou os distúrbios mentais a alterações no cérebro (KAPLAN et al., 1980) Os romanos desempenharam um papel importante por terem registrado os escritos médicos dos gregos, transmitindo relevantes conhecimentos às civilizações futuras (WHITWELL, 1936) Fonte: www.cerebromente.org.br
  7. 7. ❖ Na Idade Média, evidenciou-se com clareza o conflito conhecimento– fé. Com o declínio da civilização greco-romana, o homem retomou a crença no sobrenatural. ❖ A Igreja incumbiu-se de cuidar do homem e de suas doenças, usando o exorcismo a fim de expulsar o demônio dos corpos, isto é, para tratar perturbações humanas. ❖ Os loucos eram recolhidos em casas de internamento, juntamente com prostitutas, mendigos e criminosos. ❖ Em 1409, surgiu o primeiro hospício, em Valencia, na Espanha. ❖ No período da Inquisição (século XII) concepções mágicas e teológicas levaram à fogueira indivíduos portadores de doença mental (ALEXANDER & SELESNICK, 1968; WHITWELL, 1936).
  8. 8. A Renascença caracterizou-se pelo redirecionamento do homem em busca da apreensão da realidade. O cientista Johann Weyer (1555-1588) descreveu algumas entidades diagnósticas em psiquiatria, tais como: ❖ Psicoses tóxicas ❖ Psicoses senis ❖ Paranóia ❖ Epilepsia ❖ Depressão ❖ Folie à deux (KAPLAN & SADOCK, 1986). Figura: Paranóia Fonte: atuleirus.weblog.com.pt
  9. 9. ❖ No século XVII, quando o raciocínio indutivo se aliou ao julgamento intuitivo, a doença mental, gradativamente, desvinculou-se do misticismo e da religião. ❖ Nessa ocasião, a psiquiatria começou a caracterizar-se como um ramo da medicina. ❖ Paulo Zacchia (1584-1659), estudioso de medicina legal, acreditava que só o médico tinha competência para avaliar a condição mental do indivíduo. ❖ Empirismo, racionalismo, observação e classificação marcaram o período do Iluminismo – século XVIII –, possibilitando um maior entendimento dos distúrbios psiquiátricos, assim como a busca de um contato mais humano com os portadores de insanidade mental. ❖ Nesse período, loucos, criminosos, prostitutas e vagabundos eram trancados em asilos, onde vigorava um sistema repressivo (ALEXANDER & SELESNICK, 1968; KAPLAN & SADOCK, 1986).
  10. 10. ❖ Philippe Pinel (1745-1826), médico francês, libertou os doentes das correntes e separou-os dos demais internos, quando dirigiu o Bicêtre e, mais tarde, a Salpêtrière em Paris. ❖ Em 1801, Pinel fez a primeira alusão ao que mais tarde ficou conhecido como transtorno de personalidade (ALEXANDER & SELESNICK, 1968; KAPLAN et al., 1980). O método de Pinel foi aplicado por seu discípulo Jean Etienne Esquirol (1772- 1840),que enfatizou o papel das emoções na origem da doença mental (EY et al.). Fonte: www.ch-charcot56.fr
  11. 11. ❖ Na década de 1860, as observações de Charcot (1825-1893), médico neurologista na Salpêtrière, atraíram as atenções para os fatores psicológicos como mecanismos causadores da histeria. ❖ Ele utilizou a hipnose, posteriormente aprofundada nos estudos de Freud (KAPLAN et al., 1980; ZILBOORG, 1941; EY et al) ❖ No início do século XIX, Johann Reil (1759-1813) foi o primeiro a usar o termo psiquiatria, referindo-se ao tratamento da mente. ❖ Posteriormente, já em meados desse século, a psiquiatria firmou-se como especialidade, ganhando orientação científica e acadêmica (STONE, 1999; KAPLAN et al., 1980)
  12. 12. ❖ Estabeleceram-se marcantes discussões entre organicistas e idealistas a partir do século XIX. ❖ A teoria organicista, segundo a qual as doenças mentais seriam decorrentes de causas cerebrais, foi defendida por: Griesinger (1817-1868), Maudsley (1838-1918), Von Krafft-Ebing (1840-1902), Wernicke (1848-1905), Korsakov (1854-1900) e Cerletti (1877-1963), dentre outros. ❖ A concepção denominada idealista – que afirmava serem os distúrbios mentais decorrentes de mecanismos psicológicos – teve representante como: Freud (1856-1939), Jung (1884-1958), Melanie Klein (1882-1960), Karen Horney (1885-1952) Otto Rank (1884-1939) (ALEXANDER & SELESNICK, 1968; PALOMBA, 2003)
  13. 13. Entendiam que corpo e alma – soma e psyché – eram instâncias distintas, mas atuavam conjuntamente na determinação do fenômeno saúde–doença. Esses grandes mestres romperam à dicotomia que prevalecia, até então, abraçando a concepção unicista ❖ Esquirol (1772-1840), ❖ Herbart (1776-1841), ❖ Jean Pierre Falret (1794-1870), ❖ Morel (1809-1873), ❖ William James (1842-1910), ❖ Eugen Bleuler (1856-1939) ❖ Gilles de La Tourette (1857-1904) (PALOMBA 2003; MAYER-GROSS et al., 1972)
  14. 14. A importância do psiquiatra alemão Emil Kraepelin (1855-1926) deve-se ao fato de ter ele demonstrado a necessidade de a psiquiatria incorporar o modelo médico, com a descrição detalhada dos sintomas e a organização dos achados clínicos. Sistematizou as síndromes e estabeleceu o diagnóstico nosológico, isolando as duas formas básicas de adoecimento psíquico – demência precoce e loucura maníaco-depressiva – e distinguindo as demências senis da paralisia geral (ZILBOORG, 1941).
  15. 15. ❖ Coube ao suíço Adolph Meyer (1866-1950) impulsionar a psiquiatria americana nas primeiras décadas do século XX. ❖ Para ele, era possível entender melhor o indivíduo considerando não apenas os aspectos constitucionais, mas também os fatores ambientais (ALEXANDER & SELESNICK, 1968; STONE, 1999)
  16. 16. Sigmund Freud (1856-1939), médico austríaco, destacou-se como a mais representativa figura da psicanálise, tendo desempenhado papel importante na compreensão da mente humana. Coube a ele desenvolver a teoria e a técnica do tratamento psicanalítico.
  17. 17. O psiquiatra alemão Eugen Bleuler (1857-1939), em 1924, estudou sobre a demência precoce, para a qual propôs o nome esquizofrenia, e descreveu os sintomas que considerou fundamental na identificação da doença (STONE, 1999; KAPLAN et al., 1980) No que se refere aos estudos das patologias, destacaram-se Karl Jaspers (1883-1979), Kurt Schneider (1887-1967) e Henri EY (1900-1977). Coube a Alfred Binet (1857-1911) e a Hermann Rorschach (1884-1922) a criação de testes para avaliação de inteligência e personalidade respectivamente (PALOMBA, 2003; ALEXANDER & SELESNICK, 1968) Eugen Bleuler
  18. 18. Até o fim da II Guerra Mundial, os métodos terapêuticos em psiquiatria eram pouco eficazes, usando-se, largamente, o eletrochoque no período de 1937 a 1945, quando teve início a era farmacoterápica (RIGONATTI & ROSA, 2001)
  19. 19. ❖ A síntese da clorpromazina (neuroléptico) por Charpentier, em 1950, e sua aplicação nas psicoses por Jean Delay e Pierre Deniker, em 1952, mudaram toda a terapêutica até então utilizada. ❖ Em 1957, surgiram os antidepressivos, dentre eles o inibidor da monoaminoxidase, sintetizado por Klein, e a imipramina, por Kuhn. J. F. Cade descobriu a utilidade do carbonato de lítio no tratamento da mania em 1949, o qual passou a ser testado e utilizado por Mogens Schou na Europa a partir de 1956, como estabilizador de humor. ❖ Quanto aos benzodiazepínicos, sintetizados em 1958 por Sternbach, que descobriu suas propriedades tranqüilizantes. ❖ Nas décadas de 1960, 1970 e 1980, houve a grande expansão da psicanálise, seguida do aparecimento de uma série de linhas psicoterápicas: psicodrama, terapia comportamental, musicoterapia e outras (PALOMBA, 2003)
  20. 20. ❖ A psiquiatria social, que explica a doença mental como produto principalmente do modelo social, passou a ocupar um espaço relevante no final dos anos 1960 (LANGSLEY, 1980). ❖ A Classificação Internacional das Doenças (CID-10) se iniciou em 1893 como Classificação de Bertillon ou Lista Internacional de Causas de Morte. ❖ Na sexta revisão, incluiu-se uma seção dedicada aos transtornos mentais. Os critérios para o diagnóstico vêm sendo, progressivamente, aprimorados. ❖ Na década de 70, foram criados os Critérios Diagnósticos para Uso em Pesquisas Psiquiátricas (APB, 2003). ❖ Atualmente, são utilizados a CID, da OMS, 10ª revisão (1992), e o Diagnostic and Statistic Manual of Mental Disorders quarta revisão (DSM-IV), da American Psychiatric Association (1994). ❖ Trata-se de uma metodologia descritiva, aplicada a um sistema ateórico na definição e classificação das doenças. Essa transformação levou a uma melhora na concordância diagnóstica e na confiabilidade dos achados (BASTOS, 2000).
  21. 21. ❖ O avanço da psiquiatria demonstra a complexidade do ser humano e a impossibilidade de ser ele avaliado sob um único ponto de vista. ❖ A integração dos conhecimentos, com abrangência biopsicossocial, é necessária para a compreensão do indivíduo na sua totalidade. ❖ Tem ocorrido grande progresso na psicofarmacologia com o surgimento de novos agentes para o tratamento farmacológico de psicoses, depressão, agitação, ansiedade, insônia, enfermidades e quadros demenciais. ❖ As novas drogas, além de mais eficazes, têm melhor perfil quanto a efeitos secundários e vêm melhorando a qualidade de vida de pacientes portadores de transtornos neuropsiquiátricos. ❖ Tais substâncias têm menor potencial de interação medicamentosa, o que acarreta maior adesão dos pacientes aos tratamentos (GORENSTEIN & SCAVONE, 1999)
  22. 22. ❖A neuroquímica, a genética molecular, a psicofarmacologia, a psicopatologia quantitativa, a psiconeuroendocrinologia, a psicoimunologia, a bioestatística, a informática e a epidemiologia clínica vêm promovendo o reencontro da psiquiatria com o modelo médico (BASTOS, 2000). ❖ A revolução tecnológica possibilitou o acesso não apenas à maquinária de modificação, composição e síntese de substâncias orgânicas e inorgânicas, mas também a aparelhos computadorizados, com medição e observação macroscópica e microscópica, o que vem contribuindo para o surgimento de novas drogas e o desvendamento dos mecanismos bioquímicos dos transtornos mentais.
  23. 23. ❖ Vem crescendo em ritmo acelerado o uso da neuroimagem em psiquiatria, com o desenvolvimento de métodos capazes de fornecer imagens cada vez mais nítidas do cérebro humano. ❖ As investigações efetuadas de aspectos anatômicos estruturais, usando a ressonância magnética, a tomografia computadorizada por emissão de pósitrons e fóton única, além da ressonância magnética espectroscópica e funcional, mostraram-se adequadas para o estudo de mudanças na dinâmica funcional do cérebro, assim como capazes de possibilitar a investigação de alterações em vias neuroquímicas, antes e após a administração de medicamentos. ❖ Essas novas tecnologias em neuroimagem permitem detectar as mínimas alterações na estrutura e no metabolismo de áreas cerebrais específicas. ❖ Elas contribuíram, decisivamente, para mudar as classificações dos transtornos, sem, contudo, reduzir os sintomas psiquiátricos a elementos puramente biológicos (ROCHA et al., 2001)
  24. 24. No Brasil, essas novas tecnologias já estão disponíveis, e muitas pesquisas têm sido realizadas, possibilitando a aplicação clínica da neuroimagem à neuropsiquiatria (BUSSATO FILHO et al., 2001) As novas tecnologias são elementos poderosos no exercício da arte médica psiquiátrica. Cabe ao profissional utilizar-se delas, sem esquecer, contudo, do contato humano, da relação médico–paciente (PERESTRELLO, 1989)
  25. 25. Figura: Esquizofrenia Autor: Desconhecido

×