Se ha denunciado esta presentación.
Descobrir 
o 
Equilíbrio
A 
CONCENTRAÇÃO 
ABSOLUTA 
EXIGE 
QUE 
ESTAS 
VOZES 
INTERIORES 
SEJAM 
SILENCIADAS.
“A 
capacidade 
de 
fazer 
regressar 
voluntariamente 
uma 
atenção 
divagante, 
uma 
e 
outra 
vez, 
cons9tui 
a 
própria...
Mas, 
como 
vimos, 
se 
perguntar 
a 
alguém; 
Estás 
a 
pensar 
noutra 
coisa 
além 
de 
no 
que 
estás 
a 
fazer 
agora?...
Para 
onde 
vagueiam 
os 
nossos 
pensamentos… 
Para 
onde 
vagueiam 
os 
nossos 
pensamentos 
quando 
não 
estamos 
a 
pe...
A 
nossa 
atenção 
sele8va 
desselecciona 
os 
circuitos 
das 
preocupações 
emocionais, 
o 
8po 
mais 
poderoso 
de 
dist...
Não 
é 
a 
tagarelice 
das 
pessoas 
à 
nossa 
volta 
que 
cons8tuiu 
a 
fonte 
mais 
poderosa 
das 
distrações, 
mas 
ant...
As 
nossa 
configurações 
neu r o n a i s 
h a b i t u a i s 
permitem 
um 
pouco 
de 
divagação 
enquanto 
nos 
relaciona...
Claro 
que 
este 
desligar 
parcial 
implica 
riscos: 
um 
e s t u d o 
s o b r e 
mi l 
condutores 
feridos 
em 
acidente...
hOp://www.brunopatricialima.com/pt/queroinformacoes
Decobrir o equilibrio
Próxima SlideShare
Cargando en…5
×

Decobrir o equilibrio

309 visualizaciones

Publicado el

Os objectivos que temos hoje e as acções para os concretizar, é que nos vão levar a estar onde queremos amanhã. Deixa-me que te mostre aqui por escrito o perfil e o percurso de uma pessoa de sucesso neste negócio. http://www.brunopatricialima.com/pt/queroinformacoes

Publicado en: Liderazgo y gestión
  • Sé el primero en comentar

  • Sé el primero en recomendar esto

Decobrir o equilibrio

  1. 1. Descobrir o Equilíbrio
  2. 2. A CONCENTRAÇÃO ABSOLUTA EXIGE QUE ESTAS VOZES INTERIORES SEJAM SILENCIADAS.
  3. 3. “A capacidade de fazer regressar voluntariamente uma atenção divagante, uma e outra vez, cons9tui a própria raiz do juízo, do carácter e da vontade.” Por William James (psicólogo americano)”
  4. 4. Mas, como vimos, se perguntar a alguém; Estás a pensar noutra coisa além de no que estás a fazer agora? A probabilidade muda muito, dependendo da a8vidade em causa. Um inquérito aleatório a milhares de pessoas verificou que o foco no aqui e agora e de longe mais elevado., compreensivelmente quando estava a fazer amor. A segunda ocasião, bastante afastada da primeira, era quando estavam a fazer exercício Dsico, seguida de estar a falar com alguém e , depois, a tocar um instrumento. Em contrapar8da, a divagação mental era mais frequentemente enquanto estavam a trabalhar, em frente ao computador em casa, ou durante a viagem de ou para o trabalho.
  5. 5. Para onde vagueiam os nossos pensamentos… Para onde vagueiam os nossos pensamentos quando não estamos a pensar em nada em par8cular? Basicamente, são todos acerca de <<mim>> . O <<mim>>, propôs William James, tece o nosso sen8do do eu contando a nossa história – encaixando bocados dispersos da vida numa narra8va coesa.
  6. 6. A nossa atenção sele8va desselecciona os circuitos das preocupações emocionais, o 8po mais poderoso de distração. Reagir ao que está a acontecer, ou um foco a8vo de qualquer 8po, desliga o <<mim>>, enquanto um foco passivo nos traz de volta a esta confortável zona de reflexão
  7. 7. Não é a tagarelice das pessoas à nossa volta que cons8tuiu a fonte mais poderosa das distrações, mas antes a tagerelice das nossa próprias mentes. A c onc e n t r a ç ã o absoluta exige que estas vozes interiores sejam silenciadas. Vamos fazer um exercício.
  8. 8. As nossa configurações neu r o n a i s h a b i t u a i s permitem um pouco de divagação enquanto nos relacionamos com o mundo – ou apenas o relacionamento mínimo enquanto estamos á deriva -­‐, como quando sonhamos acordados enquanto conduzimos.
  9. 9. Claro que este desligar parcial implica riscos: um e s t u d o s o b r e mi l condutores feridos em acidentes verificou que cerca de metade disse que a sua mente estava a vaguear no momento anterior ao acidente; quanto mais intensos os pensamentos disrup8vos, maior a probabilidade de o condutor ter causado o acidente.
  10. 10. hOp://www.brunopatricialima.com/pt/queroinformacoes

×