Se ha denunciado esta presentación.
Se está descargando tu SlideShare. ×

Desmistificando o Gerenciamento por Projetos - Walter Cunha

Ad

Desmistificando o Gerenciamento de Projetos
Programa de Desenvolvimento de Líderes - CGU
WALTER CUNHA
Diretor de Planejame...

Ad

Palestrante
• Natural: Fortaleza-CE
• Cargo: AFFC-CGU TI (2009)
• Graduação: Engenharia Eletrônica
ITA 2000
• Pós: Ger. Pr...

Ad

Palestrante
• 2001 a 2006 – 1 Ten Eng Eln FAB (Manaus/AM - SIVAM)
• Laboratório de Informática, Redes, Segurança e Telecom...

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Cargando en…3
×

Eche un vistazo a continuación

1 de 33 Anuncio
1 de 33 Anuncio

Más Contenido Relacionado

Más de Walter Cunha (20)

Desmistificando o Gerenciamento por Projetos - Walter Cunha

  1. 1. Desmistificando o Gerenciamento de Projetos Programa de Desenvolvimento de Líderes - CGU WALTER CUNHA Diretor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional - DIPLAD
  2. 2. Palestrante • Natural: Fortaleza-CE • Cargo: AFFC-CGU TI (2009) • Graduação: Engenharia Eletrônica ITA 2000 • Pós: Ger. Projetos FGV 2006 • Emerging Leaders: Harvard Kennedy School Nov/2018 * • Contato: walter.cunha@cgu.gov.br
  3. 3. Palestrante • 2001 a 2006 – 1 Ten Eng Eln FAB (Manaus/AM - SIVAM) • Laboratório de Informática, Redes, Segurança e Telecomunicações • 2006 a 2009 – ATRFB-TI (Fortaleza-CE) • Projetos de Infraestrutura de TI, Agente de Registro • 2009 a 2011 – AFC-CGU-TI (Brasília- DF) • Projetos de Usuários de TI, Projetos de Infraestrutura de TI • 2012 a 2015 – Chefe de Divisão de Projetos de Rede • Projetos e Contratações de Infraestrutura de TI • 2016 – Engenharia de TI (Novo Datacenter, IPv6, etc) • Desde 2016 – Diretor da DIPLAD (COPAV e CODIN)
  4. 4. Objetivos Por meio de uma abordagem agnóstica: • Mostrar que o Gerenciamento de Projetos (básico) não é estranho ao nosso dia-a-dia • Tentar quebrar as barreiras que dificultam o emprego estruturado dessa abordagem e, por consequência, o usufruto dos benefícios • Despertar o interesse para os próximos módulos (mais técnicos)
  5. 5. Histórico do GP • Primórdios da civilização - Pirâmides, Muralha da China, Templos, etc • Século XIX - Primeira revolução industrial • Década de 1870 – Estrada de ferro transcontinental (EUA) • Iníc. Séc. XX - Frederick Taylor (1856-1915) e Henry Gantt (1861-1919) • Segunda Guerra – PERT (Program Evalution and Review Technique) e o CPM (Critical Path Method) • 1969, no auge dos projetos espaciais da NASA, nasce o PMI (EUA)
  6. 6. Profissões Populares (Grosso Modo) • Em torno de 2000 – Consultor • Em torno de 2010 – Gerente de Projetos • Final desta década – Coach Como a administração pública está sempre atrasada em pelo menos 10 (dez) anos atrasada em relação a iniciativa privada... Deveremos estar nos aproximando da era dos Gerentes de Projetos do Governo.
  7. 7. Tipos de Trabalho • Orientado à Tarefa (seu quadrado) • Orientado à Processo (operação) • Orientado à Projeto (inovação) • = Orientação à Entrega e à Mudanças *Pode-se trabalhar um Processo como um Projeto de elevado grau de Repetibilidade
  8. 8. Minha História com o GP
  9. 9. Minha História com o GP • Até 2005 – Condução Adhoc de Projetos • Projeto era sinônimo de diagramas • Entre 2005 e 2006 – Pós em Gerenciamento de Projetos pela FGV • Evolução da mentalidade Operacional para Gerencial/Tática • Entre 2012 e 2015 – Chefe de Divisão da Equipe de Projetos e Contratações de Infraestrutura de TI da CGU • Desde 2016 – Diretor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional da CGU
  10. 10. Projetos de Destaque • Contratações de TI (como Supervisor) • Colocation – Embratel (Operação de Guerra para a Migração) • Redes Sem Fio • DIPLAD/CODIN (como Patrocinador) • Implantação da Gestão de Riscos • PGD 2.0
  11. 11. Projetização das Contratações de TI • ~ 90% das soluções do Quadrante Mágico do Gartner (por um custo razoável) • Relativa Previsibilidade no Cronograma das Entregas (Projetização) • Apropriação do Processo pelas Partes Interessadas • Proatividade em relação aos normativos e tecnologias (Domínio do Tema) • Influência nos Outros setores (Organização “Contamina”) • ARP e IRP com vários pedidos de adesão A Equipe de Projetos deve ser “apenas” a “Barriga de Aluguel” (às vezes, temos que fazer o “DNA” para comprovarmos a paternidade)
  12. 12. Projetização • Processo Mapeado Contínua e Evolutivamente • Adoção de Ferramentas de Projeto (Quem gerencia é o Gerente!) • Reuniões de Acompanhamento Semanais • Registro das Ações, Diário de Bordo (não é controle de ponto)* • Registros e Revisitação de Lições Aprendidas • Cálculo/Documentação de Suporte às Decisões • Gerência de Capacidade (Patamares de Carga) • Costura de Acordos de Níveis de Serviço entre as áreas • A ativação do “Cowboy Mode” deve ser exceção
  13. 13. Exemplos no Dia-a-Dia
  14. 14. Exemplos no Dia-a-Dia • Reforma Doméstica • Viagem de Férias • Casamento • Pós no Exterior • Passar num Processo Seletivo/Certificação • Auditoria • Contratação
  15. 15. Exemplos no Dia-a-Dia Uber+Waze • $ - Estima a cada instante • T - Estima a cada instante • Avaliação da Qualidade: Efetiva • Surpresas Desagradáveis: mínimas Táxi Comum • $ - Só se sabe ao final • T - Só sabe ao final • Avaliação da Qualidade: Existe? • Surpresas Desagradáveis: praticamente sempre
  16. 16. Falando um pouco mais do Waze... • Apresenta propostas de percursos para o destino final, antes de você prosseguir (mais rápido, mais longo, etc) - TAP • Ele te informa quando o percurso mudou e qual o custo da mudança • O que diferencia o Waze dos antigos mapas físicos? • O que diferencia o Waze dos antigos GPS? • O Waze aprende (lições) com a rede (buracos, blitz, preferências, etc) • Só mostra em detalhes o trecho do percurso imediatamente a frente • Olhando a situação do percurso você pode conscientemente desistir • Vale a pena ligar o Waze para andar poucos metros?
  17. 17. Podemos inferir que... Nós gostamos dos benefícios da Abordagem por Projetos, apenas não queremos ter o “trabalho” de gerar os insumos necessários Afinal... “Quanto o trabalho não é meu o meu empenho é máximo”. (Próprio Autor)
  18. 18. Pseudo Projetos
  19. 19. Pseudo Projetos • Não se sabe quando começou • Não se sabe quando (e SE) vai terminar • Não se sabe o que ele vai entregar • Tem muitos e nenhum responsável ao mesmo tempo • “Vamos deixar do jeito que está para ver como é que fica” • Gerenciamento Orientado a Sustos • A próxima entrega é sempre optar por continuar o “projeto” ou por propor um novo (pseudo) projeto
  20. 20. Pseudo Projeto: Etapas • Euforia • Tenho muito tempo e plena esperança que vou entregar algo de valor • Perdimento • Já passou (por volta de) metade do tempo e ainda não tenho ideia do que vou entregar • Desespero • O tempo tá acabando, sei que não vou entregar nada de valor, e preciso arranjar logo alguém para colocar a culpa
  21. 21. Gerenciamento de Projetos
  22. 22. Gerenciamento de Projetos é • (Transparecer) Previsibilidade • (Cultivar a) Resiliência • (Gerar e Consumir) Lições Aprendidas • (Promover a) Integração De que adianta um monte de iniciativas sem as correspondentes acabativas?
  23. 23. Gerenciar Projetos é • Entender o Objetivo da Demanda • Dividir a Demanda em Etapas Menores • Para cada Etapa estabelecer um Entregável bem definido • Fazer Estimativas • Monitorar/Reportar e • Fazer uso racional das Lições Aprendidas (Análise Crítica)
  24. 24. E se é “tão bom” porque não se faz? • Resistência à (aparente) perda • Não necessariamente à mudança • (Aparentemente) vou fazer além do que eu já faço • Ao saberem o que estou fazendo vão poder me cobrar (ainda mais) • Porque, de fato, eu não quero que nada mude • Falta de Comprometimento/Rotatividade em Demasia
  25. 25. Resistências para Iniciar • Você quer que eu adivinhe o prazo/custo? (até artista fornece) • Para que controlar se sempre muda? • Aqui, cada um gerencia o seu próprio trabalho • Para que eu tenho que iniciar agora se é só para o fim do ano? • Informar? Todo mundo já tá sabendo! • Vai dar muito trabalho fazer (e custo de não fazer?) • “Jaque” vai sair, vamos acrescentar mais isso e aquilo... • Nós nunca fizemos isso! (e que tal aprender?)
  26. 26. Síndromes Comuns ao Iniciar • Iniciativa (sem Acabativa) • Primeira/Última Milha • Parálise (Alergia a Plano de Ação) • “Acadêmico”/Eterno Leitor • Fuga ao Tema • Pintar o Alvo • Serialização • Inconformismo/Remar para trás • Inércia/Pearl Harbor • Rascunho/Portão do Enem • Cortadores de Lenha • Cliente como Isopor
  27. 27. Frameworks e Ferramentas
  28. 28. Frameworks de Projeto Populares • PMBoK • PRINCE2 • RUP • Design Thinking • Scrum • Cowboy Mode
  29. 29. Ferramentas • Não gerenciam projetos (afinal, existiam projetos antes da informática) • Apenas automatizam várias tarefas ordinárias para o Gerente de Projetos • Não confundir dificuldade por falta de automatização com a dificuldade analítica • Para a primeira, você pode usar a informática e/ou o “módulo estagiário”
  30. 30. Ferramentas Existentes na CGU • Excel (representação unidimensional) • Dotproject (estéril) • Microsoft Planner (Limitado) • Trello* • RedMine (CGUProj) • Clarity (Analítico e Ágil) – clarity.cgu.gov.br
  31. 31. Então, o que Gerente de Projeto faz? Ele implanta/implementa coisas! Reflexão... “Para fazer um simples muro, você pode chamar um pedreiro. Para fazer mil muros, você pode continuar chamando pedreiros. Contudo, para fazer um prédio ou uma ponte, quem você chamaria?”. (Próprio Autor)
  32. 32. Quero saber mais! • Participe da Comunidade Gerenciamento de Projetos do Yammer • Agende Benchmark na DIPLAD/CODIN e/ou na Contratações de TI • Participe dos Próximos Módulos* • Fundamentos de Gerenciamento de Projetos (PMBoK) • CA PPM (Clarity) • Elaboração de Estimativas • Análise de Valor Agregado * Será aberta uma enquete no Yammer
  33. 33. Obrigado!

×