Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Os impactos da revolução digital nos negócios: da gestão de conteúdo para a curadoria

372 visualizaciones

Publicado el

Os impactos da revolução digital nos negócios: da gestão de conteúdo para a curadoria

Publicado en: Internet
  • Sé el primero en comentar

Os impactos da revolução digital nos negócios: da gestão de conteúdo para a curadoria

  1. 1. Empresas 3.0 Os impactos da revolução digital nos negócios: da gestão de conteúdo para a curadoria Carlos Nepomuceno 27/10/15 V 1.0.0
  2. 2. Vídeo sobre o PPT aqui:
  3. 3. Novo estudo sobre impactos da Revolução Cognitiva Digital nas áreas de Negócio, vou começar pelas mais atingidas no curto prazo e depois ir caminhando para as demais.
  4. 4. Podemos dizer que existem diferentes tipos de impactos da atual Revolução Cognitiva. A área de produção de conteúdo sofre o impacto de nível 1: o mais radical e em menor tempo.
  5. 5. As áreas de negócio de conteúdo conseguem ver os efeitos incrementais de curto prazo, mas têm tido dificuldade para perceber os efeitos mais disruptivos de médio e longo prazo que vão mudar radicalmente o modelo de negócio. Muitas empresas já ficaram e ficarão pelo caminho.
  6. 6. As áreas de negócio: INTANGÍVEIS TANGÍVEIS CÓDIGOS HUMANOS (Conteúdo) CÓDIGOS INUMANOS (software) TRANSFORMADOS BRUTOS DISTRIBUÍDOS
  7. 7. O setor de negócios que vem sendo mais atingido na primeira etapa da Revolução Cognitiva Digital é o do Intangíveis, em particular o da área de produção de conteúdo (mídia, entretenimento, educação, entre outros).
  8. 8. O setor de negócios da produção de conteúdo é o mais atingido no curto prazo, pois uma Revolução Cognitiva começa as mudanças sociais justamente por ele, ao alterar canais de distribuição, formas de armazenamento e, no caso atual, o próprio modelo de validação de conteúdo.
  9. 9. O setor dos Intangíveis de Conteúdo é todo aquele que atende a demandas de manutenção ou mudança de percepção. O setor de conteúdo, apenas muda a percepção do consumidor, mesmo que os códigos sejam em um meio tangível: livro, jornal impresso, etc. Tirando os colecionadores, as pessoas compram livros pelo conteúdo.
  10. 10. Revoluções Cognitivas atingem fortemente o setor da venda de conteúdo no curto prazo, pois há um novo meio de distribuição. O Netflix é um bom exemplo desse efeito.
  11. 11. Revoluções Cognitivas atingem fortemente o setor da venda de conteúdo no curto prazo, pois não há mais limites do armazenamento. Os blogs são um bom exemplo desse efeito.
  12. 12. Revoluções Cognitivas Disruptivas atingem fortemente o setor da venda de percepções no médio e longo prazo, pois há uma nova forma de validação de conteúdo. O Wikipédia, o Facebook e o Youtube são bons exemplos desse efeito.
  13. 13. A nova validação de conteúdo tem as seguintes características: Gestor Curador Consumidor Prosumidor Filtra para publicar Publica para filtrar Cuida do conteúdo Cuida da relação da produção do conteúdo ANTES AGORA
  14. 14. Revoluções Cognitivas no passado, como a do papel impresso, em 1450, alteraram de forma incremental o modelo de venda de código produzido pelos copistas, que trabalhavam em papéis manuscritos que perderam lugar para o impresso. Foi uma alteração apenas no modelo de distribuição e na capacidade de armazenamento.
  15. 15. Os novos impressores, a partir de 1450, tornaram a distribuição de códigos mais barata, mas não houve uma alteração do modelo produtivo. A validação de conteúdo continuou bem próxima.
  16. 16. A Revolução Cognitiva Digital não é igual a do papel Impresso, considerada Incremental, pois não há apenas uma mudança de distribuição de conteúdo e aumento de armazenamento, mas também uma mudança no modelo de produção, pois muda-se a forma de validação de conteúdo, a partir das novas possibilidades tecnológicas.
  17. 17. A forma de Validação do Conteúdo do que ia ser publicado foi a mesma entre o manuscrito e impresso (depois de 1450), havia um gestor de conteúdo que autorizava o material, houve apenas uma mudança de canal.
  18. 18. A Revolução Cognitiva Digital cria, assim, de forma disruptiva um novo modelo de Validação de Conteúdo. Saímos de uma gestão de conteúdo para uma curadoria. Não é uma mudança incremental, mas disruptiva!
  19. 19. O novo modelo de validação de conteúdo elimina a necessidade de um gestor centralizado e humano.
  20. 20. O novo modelo de validação de conteúdo introduz o gestor descentralizado (o prosumidor, via cliques) e inumano (algoritmos).
  21. 21. O prosumidor tanto pode colocar um conteúdo próprio, como pode alterar o conteúdo dos demais, bem como ser um editor, classificando-o, a partir de seus critérios.
  22. 22. O algoritmo, programado pelo curador de conteúdo, procura tornar relevante o trabalho dos prosumidores, com o objetivo de reduzir fraudes e vandalismos.
  23. 23. Quanto mais prosumidores houverem e quanto mais o algoritmo gerar relevância (personalização) com pouco ruído (fraudes e vandalismos) mais a Plataforma Digital de Conteúdo gerará valor.
  24. 24. O novo modelo de validação de conteúdo faz com que o antigo editor perca a função.
  25. 25. O novo modelo de validação de conteúdo reduz o custo e aumenta o benefício, o que a torna atraente para o consumo.
  26. 26. Toda vez que há na sociedade uma percepção de uma relação melhor de custo/benefício há uma atração tanto do consumidor como de novos empreendedores em direção a essa tendência.
  27. 27. O novo modelo tende de sair de periférico para hegemônico e o atual modelo de hegemônico para periférico.
  28. 28. Se imaginarmos o futuro uma organização produtora de conteúdo de vídeos será muito mais parecida com o Youtube do que com a Rede Globo.
  29. 29. Se imaginarmos o futuro uma organização produtora de conteúdo de textos será muito mais parecida com o Wikipédia do que com o Jornal O Globo.
  30. 30. A principal mudança na área de negócios de conteúdo é que o gestor deixa de ser realizar a gestão e passa a curadoria de conteúdo. Ele não é mais o responsável pelo conteúdo, mas pelo ambiente em que o conteúdo será produzido.
  31. 31. O antigo gestor de conteúdo avaliava o material que ia ser publicado e procurava ser o mais preciso possível dentro dos limites físicos do canal.
  32. 32. O novo negócio de conteúdo permite que tudo seja publicado e fornece um ambiente para que os consumidores apontem o que deve ser privilegiado, não tendo mais limites físicos do canal.
  33. 33. Por que temos uma mudança tão radical na área de negócios de conteúdo?
  34. 34. O aumento demográfico de 1 para 7 bilhões nos últimos 200 anos tornou as atividade de conteúdo cada vez mais complexa. Houve um aumento da demanda, mas uma incapacidade da oferta.
  35. 35. M Mais sobre Nepomuceno:
  36. 36. O livro de Carlos Nepomuceno propõe interessante análise para os líderes contemporâneos. Quem quer compreender a internet para reinventar o processo de tomada de decisão encontrará aqui as respostas. Pierre Levy. “
  37. 37. CAPACITAÇÃO Formação de analista estratégico para inovação participativa
  38. 38. CONSULTORIA Criação de Projetos de Inovação Participativa cnepomu@gmail.com
  39. 39. http://www.youtube.com/cnepomuceno http://pt.slideshare.net/cnepomuceno/ www.nepo.com.br https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno cnepomu@gmail.com @cnepomuceno
  40. 40. Portfólio de consultoria/capacitação
  41. 41. Onde tenho dado aulas
  42. 42. CRIE UM NÚCLEO DE INOVAÇÃO PARTICIPATIVA EM SUA CIDADE cnepomu@gmail.com

×