Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Osteocondrites e osteocondroses

Doença de Iselin;
Depressão de Freiberg;
Doença de Kohler;
Müller-Weiss
Mouchet
Buschke
Doença de Sever

  • Sé el primero en comentar

  • Sé el primero en recomendar esto

Osteocondrites e osteocondroses

  1. 1. DR. ANDRÉ CIPRIANO OSTEOCONDRITES OSTEOCONDROSES
  2. 2. - DEFINIÇÃO - ANATOMIA - PATOGÊNESE - HISTOLOGIA - HISTÓRIA NATURAL - CLASSIFICAÇÃO - EXAME FÍSICO - DIAGNÓSTICO ROTEIRO
  3. 3. Doenças autolimitadas que acometem, predominantemente, crianças e adolescentes, topograficamente, no centro de ossificação epifisária, apresentando-se com aspecto de infarto ósseo. *VARSHNEY DEFINIÇÃO
  4. 4. 1. Epifisite por tração do 5º metatarso  Doença de Iselin; 2. Cabeça 2º metatarsal  Depressão de Freiberg; 3. Navicular infantil Doença de Kohler; 4. Navicular adulto Müller-Weiss 5. Tálus  Mouchet 6. Cuneiforme medial  Buschke 7. Apofisite do calcâneo  Doença de Sever; ANATOMIA
  5. 5. FISIOPATOLOGIA EXATA: • Etiologia vascular • Trauma súbito • Microtrauma de repetição CAUSAS PROVÁVEIS: predisposição genética, fatores ambientais, embolismo, processos infecciosos e causas mecânicas. PATOGÊNESE
  6. 6. • Necrose osteocartilaginosa • Revascularização • Formação de tecido de granulação • Reabsorção osteoclástica do trabeculado necrótico • Formação de osso lamelar HISTOLOGIA
  7. 7. • Subdiagnosticada • Bom prognóstico • Caráter autolimitado (3 anos) • Dor crônica se cura parcial ou falha do tratamento conservador • Predileção: sexo masculino, com exceção de Freiberg que acomete mais meninas após os 12 anos de idade. HISTÓRIA NATURAL
  8. 8. SIFFER • Articulares (Ex: Freiberg, Kohler) • Extra-articulares (Ex: Sever) • Fisárias CLASSIFICAÇÃO
  9. 9. • Assintomático ou com exame físico marcado por dor ou hipersensibilidade no local do osso acometido • Associação: eritema, edema e alterações na marcha (claudicação antálgica). ATENÇÃO Semelhança com processos infecciosos pode ocasionar o diagnóstico equivocado. EXAME FÍSICO
  10. 10. • Isalin / Sever estão relacionadas com um fator comum: esportes que envolvem corridas, saltos e mudanças de direção. • Anamnese e exames radiográficos normalmente são suficientes(exames laboratoriais não se alteram), DIAGNÓSTICO • Radiografia: núcleo de ossificação diminuído, morfologia irregular, fragmentação e opacidade aumentada • RNM / TC não são usados de forma rotineira
  11. 11. • Displasia condroectodérmica; • Epifisite tuberculosa; • Mucopolissacaridose (tipo I ao VII); • Epifisite transitória aguda; • Condroblastoma; • Osteomielite; • Especificamente para Iselin – osso de Vesalius (sesamoide fibular curto), fratura de Jones. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
  12. 12. CONSERVADOR • PRICE (remissão ocorre na maior parte dos casos) CIRÚRGICO (falência do tratamento conservador) • Freiberg: ressecção da cabeça do osso metatarsal ou curetagem com preenchimento com enxerto esponjoso - Outra opção: osteotomia, com ressecção de cunha de base dorsal, para extensão da cabeça metatarsal, conforme descrita por Gauthier e Elbaz. • Iselin: ressecção do fragmento proximal TRATAMENTO
  13. 13. • Classicamente não é necessário uso de implantes. Formões delicados e curetas são suficientes. • Decúbito dorsal com ou sem coxim ipsilateral se mostra suficiente. • VIAS DE ACESSO: • Iselin: via lateral na topografia da base do 5º osso metatarsal; • Freiberg: acesso entre 2º e 3º osso metatarsal. CIRURGIA
  14. 14. • Acesso para osteocondrite de Iselin: inicia-se imediatamente proximal ao processo estiloide da base do quinta metatarso e prossegue distalmente (transição da pele dorsal com plantar). • À dissecção profunda, deve-se expor a fáscia sobre o abdutor do quinto dedo e incisioná-lo longitudinalmente.
  15. 15. • Acesso para osteocondrite de Freiberg: longitudinal entre o segundo e o terceiro metatarsos, estendendo-o da articulação metatarsofalangeana à articulação tarsometatarsal. • Proteger os nervos intermetatarsais e as veias superficiais • Nenhum músculo deve ser incisionado.
  16. 16. • Não existe um protocolo padrão. • Sugere-se analgesia simples, antibioticoprofilaxia com cefalosporina de 1ª geração por 24-48h. • Restrição de carga, com acompanhamento radiográfico. PÓS-OPERATÓRIO
  17. 17. • Deiscência; • Necrose de pele; • Infecção; • Persistência do quadro álgico*; • Eventos tromboembólicos*; *Desfechos incomuns COMPLICAÇÕES
  18. 18. - OSTEOCONDRITES. http://drfernandodelmonte.com/wp-content/uploads/2017/03/Osteocondrites-do- Pe.pdf 1 AO Surgery reference. Acesso em 10 de outubro de 2016. Disponível em https://www2. aofoundation.org/wps/portal/surgery. 2. FEHR, SD et al.Freiberg Disease: Background, Epidemiology, Etiologyhttp://emedicine. medscape.com/article/1236085-overview#showall. Updated: Mar 24, 2015. 3. HERRING, JA. Tachdjian’s Pediatric Orthopaedics, 4th Edition. 2008. 4. NOFFSINGER, MA et al.Calcaneal Apophysitis (Sever Disease): Background, Pathophysiology, Etiology. http://emedicine.medscape.com/article/1237477-overview. Updated Sep 07, 2016 5. VARGAS, B et al. Kohler Disease: Practice Essentials, Pathophysiology, Etiology.http:// emedicine.medscape.com/article/1234753-overview#showall. Updated: Jul 26, 2016. 6. VARSHNEY, MK et al. Osteochondroses: Overview, Classification, Pathophysiology. http://emedicine.medscape.com/article/1254668-overview#showall. Updated: Nov 02, 2015. REFERÊNCIAS
  19. 19. OBRIGADO

×