Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.
1
GLOBALIZAÇÃO E NEOLIBERALISMO AMEAÇADOS DE COLAPSO NO
MUNDO
Fernando Alcoforado*
O inevitável resultado do neoliberalism...
2
extremamente endividadas. A China se beneficiaria da mão de obra barata de 1,4 bilhão
de pessoas. Alemanha e China faria...
3
também evidente que a entropia que ocorre no mundo material se reflete, também, na
atividade econômica. O neoliberalismo...
Próxima SlideShare
Cargando en…5
×

Globalização e neoliberalismo ameaçados de colapso no mundo

36 visualizaciones

Publicado el

O inevitável resultado do neoliberalismo foi o aumento do denominado desequilíbrio global no comércio, na poupança e no investimento. Este desequilíbrio foi responsável pela crise que eclodiu nos Estados Unidos em 2008 e se espalhou pelo mundo e comprometeu o sistema financeiro dos Estados Unidos, Reino Unido e Europa com débitos insustentáveis. O desequilíbrio coloca duas questões perigosíssimas: 1) poderia inundar as economias do Ocidente com muito crédito cujo sistema financeiro seria levado ao colapso; e, 2) mais estrategicamente, o risco acumulado e a instabilidade no mundo ficariam centrados em um arranjo entre estados nacionais sobre débitos e taxas de câmbio que então colapsariam. Este perigo ainda existe. Para evitar os problemas da globalização, a financeirização da economia mundial precisaria ser revertida, além de incentivar a volta de indústrias e serviços para o Ocidente para criar empregos de alto salário nos países desenvolvidos. Haveria enormes obstáculos sociais e políticos para executar essas medidas.

Publicado en: Economía y finanzas
  • Sé el primero en comentar

  • Sé el primero en recomendar esto

Globalização e neoliberalismo ameaçados de colapso no mundo

  1. 1. 1 GLOBALIZAÇÃO E NEOLIBERALISMO AMEAÇADOS DE COLAPSO NO MUNDO Fernando Alcoforado* O inevitável resultado do neoliberalismo foi o aumento do denominado desequilíbrio global no comércio, na poupança e no investimento. Este desequilíbrio foi responsável pela crise que eclodiu nos Estados Unidos em 2008 e se espalhou pelo mundo e comprometeu o sistema financeiro dos Estados Unidos, Reino Unido e Europa com débitos insustentáveis. Este desequilíbrio forçou países como a Grécia a ter que adotar uma política de austeridade imposta pelo Banco Central Europeu sob pressão dos bancos alemães credores de sua dívida e deixou muitos países neoliberais com endividamento impagável. Para os países que transferiram para fora do seu território grande parte de suas indústrias e alimentaram o consumo com o aumento do crédito, o resultado foi sempre o de ter que lidar com déficits com o comércio, alto endividamento governamental e instabilidade no setor financeiro. O superávit comercial da Ásia como resto do mundo, da Alemanha com a Europa, a implacável acumulação de capital dos exportadores de petróleo à custa de outros povos endividados- nada disto são consideradas anomalias. Isto foi que permitiu os Estados Unidos, Reino Unido e países do sul da Europa Ocidental se endividarem além dos limites. É preciso entender que o neoliberalismo só existe porque alguns países não praticam o neoliberalismo como a Alemanha, China e Japão que perseguem o que seus críticos chamam de ”neo mercantilismo” com a manipulação do seu comércio, do investimento e de posições da moeda para acumular grande volume de dinheiro de outros países. Os principais déficits no balanço de pagamentos em conta corrente estão nos Estados Unidos e em muitos países da Europa. Os países superavitários são a China, o resto da Ásia, Alemanha, Japão e países produtores de petróleo. O desequilíbrio coloca duas questões perigosíssimas: 1) poderia inundar as economias do Ocidente com muito crédito cujo sistema financeiro seria levado ao colapso; e, 2) mais estrategicamente, o risco acumulado e a instabilidade no mundo ficariam centrados em um arranjo entre estados nacionais sobre débitos e taxas de câmbio que então colapsariam. Este perigo ainda existe. Se os Estados Unidos não financiarem seus débitos, então o Dólar entraria em colapso. A mútua dependência entre a China e os Estados Unidos e, em menor escala, da Alemanha com o resto da Eurozona poderia assegurar que o “gatilho” nunca seria puxado. Tudo que aconteceu após a crise mundial de 2008 com o crescimento das reservas internacionais deve ser vista como uma medida adotada pelos países para se protegerem do colapso da economia dos Estados Unidos. Para comprometerem a globalização os países podem usar o protecionismo, manipular a moeda ou fazer o calote da dívida. O governo Donald Trump está adotando o protecionismo que ameaça a globalização e o livre mercado. Para evitar os problemas da globalização, a financeirização da economia mundial precisaria ser revertida, além de incentivar a volta de indústrias e serviços para o Ocidente para criar empregos de alto salário nos países desenvolvidos. Com isto, haveria o encolhimento da complexidade do sistema financeiro, os salários cresceriam e a participação do setor financeiro na formação do PIB seria reduzida, bem como a confiança no crédito. Haveria enormes obstáculos sociais e políticos para executar essas medidas. Os ricos se oporiam a aumentar salários e regulamentar as finanças. Haveria vencedores e perdedores com a adoção dessas medidas. A Alemanha se beneficiaria da condição de credora com a colonização da Grécia e da Espanha cujas economias estão
  2. 2. 2 extremamente endividadas. A China se beneficiaria da mão de obra barata de 1,4 bilhão de pessoas. Alemanha e China fariam, portanto, o bloqueio de uma solução de escape para evitar os problemas da globalização. Esta situação que não poderia ser administrada pacificamente representaria o colapso da globalização. Sem a solução de escape para evitar os problemas da globalização o provável é a estagnação da economia mundial. Os parágrafos acima representam a opinião de Paul Mason exposta em seu livro Post Capitalism – A Guide to our future (New York: Farrar, Straus and Giroux, 2015). Os fatos da realidade demonstram que são poucos os que ganham com a globalização, entre os quais, estão o sistema financeiro globalizado que aufere lucros astronômicos graças à ausência de regulamentação econômica e financeira global e poucos países periféricos como China, Índia, Coreia do Sul e outros países asiáticos que conseguem atrair investimentos estrangeiros graças à mão de obra barata e legislação nacional favorável. Em contrapartida, perdem com a globalização neoliberal os países capitalistas centrais (Estados Unidos, da União Europeia e Japão) e outros países periféricos que enfrentam problemas de desindustrialização, aumento do desemprego, estagnação econômica e endividamento público crescente. A ascensão de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos deixou evidenciada sua repulsa à globalização em seu discurso de posse ao assumir uma postura nacionalista quando afirmou que por muitas décadas os Estados Unidos enriqueceram a indústria estrangeira em detrimento da indústria americana, tornaram outros países ricos, enquanto a riqueza, força e confiança de seu país se dissipava no horizonte, que “uma a uma, as fábricas fecharam e deixaram nosso território, sem nunca pensar nos milhões e milhões de trabalhadores americanos que foram abandonados. A riqueza de nossa classe média foi tirada de seus lares e então redistribuída por todo o mundo”. O nacionalismo de Trump fica marcado em seu discurso ao afirmar que “deste dia em diante, será apenas a América em primeiro lugar, a América em primeiro lugar” e que protegerá os Estados Unidos da devastação causada pelos países que roubam suas empresas e destroem seus empregos e que “traremos nossos empregos de volta. Traremos de volta nossa riqueza”. A chegada de Donald Trump à Casa Branca pode provocar avanço do protecionismo nos Estados Unidos e no mundo, o fim da globalização do sistema produtivo e do livre comércio e a deterioração das relações econômicas com a China. O avanço do protecionismo nos Estados Unidos a ser adotado pelo governo Trump com o objetivo de defender as empresas e os empregos norte-americanos fará com que o mesmo ocorra, também, no mundo como contrapartida. Trump afirmou que seguirá duas regras simples: comprar produtos americanos e contratar americanos. O fim da globalização do sistema produtivo se materializará com o fim da liberdade de comércio que impedirá as empresas americanas se instalarem a seu critério em países onde auferem maiores lucros. A deterioração das relações econômicas com a China reside no fato de ela ser acusada por Trump de “roubar” empresas e empregos dos Estados Unidos. Não há dúvidas que o sistema capitalista é um sistema que opera de acordo com o princípio da entropia porque apresenta a tendência universal de evoluir para uma crescente desordem e autodestruição. Ressalte-se que a entropia é uma grandeza termodinâmica que mede o grau de irreversibilidade de um sistema encontrando-se geralmente associada ao que se denomina por "desordem" de um sistema termodinâmico. Entropia mede o grau de desordem de um sistema. Parece
  3. 3. 3 também evidente que a entropia que ocorre no mundo material se reflete, também, na atividade econômica. O neoliberalismo ao negar a regulação do sistema capitalista mundial colabora no sentido de levar o sistema à autodestruição. É por tudo isto que se torna um imperativo a implantação de uma sociedade sustentável em escala mundial que é aquela que satisfaz as necessidades da geração atual sem diminuir as possibilidades das gerações futuras de satisfazer as delas e, desta forma, contribuir para a construção da paz mundial. A nova Sociedade Sustentável Global deve ser capaz de regular a economia mundial e as relações internacionais baseadas em um Contrato Social Planetário visando promover a prosperidade econômica global com base no modelo de desenvolvimento sustentável em benefício de todos os seres humanos. Este Contrato Social Planetário deveria resultar da vontade da Assembleia geral da ONU que se constituiria no novo Parlamento Mundial que elegeria um Governo Mundial representativo da vontade de todos os povos do mundo. *Fernando Alcoforado, 77, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015) e As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016). Possui blog na Internet (http://fernando.alcoforado.zip.net). E-mail: falcoforado@uol.com.br.

×