Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Intolerância à lactose

4.895 visualizaciones

Publicado el

seminário apresentado a disciplina Bioquímica Básica

Publicado en: Salud y medicina
  • Sé el primero en comentar

Intolerância à lactose

  1. 1. Faculdade de Tecnologia e Ciência Disciplina: Bioquímica Básica Vitória da Conquista 2013 Discente: Ilca Rocha Silva
  2. 2. CONCEITO  A lactose é o açúcar presente no leite e seus derivados formada por dois carboidratos monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo portanto um dissacarídeo.  Intolerância à lactose é a incapacidade de digerir a lactose, resultado da deficiência ou ausência da enzima intestinal chamada lactase. Esta enzima possibilita decompor o açúcar do leite em carboidratos mais simples, para a sua melhor absorção.
  3. 3. ESTRUTURA QUÍMICA DA LACTOSE
  4. 4. CLASSIFICAÇÃO Há três tipos de intolerância à lactose, que são decorrentes de diferentes processos. São eles:  Deficiência congênita da enzima;  Diminuição enzimática secundária a doenças intestinais;  Deficiência primária ou ontogénetica.
  5. 5.  Defeito genético muito raro, no qual a criança nasce sem a capacidade de produzir lactose. Como o leite materno possui lactose, a criança é acometida logo após o nascimento. DEFICIÊNCIA CONGÊNITA DA ENZIMA
  6. 6.  Bastante comum em crianças no primeiro ano de vida e ocorre devido a diarreia persistente, pois há morte das células da mucosa intestinal (produtoras de lactase). Assim o indivíduo fica com deficiência temporária de lactose até que estas células sejam repostas. DIMINUIÇÃO ENZIMÁTICA SECUNDÁRIA A DOENÇAS INTESTINAIS
  7. 7.  Estatisticamente é o mais comum na população. Com o avançar da idade, existe a tendência natural à diminuição da produção a lactase. DEFICIÊNCIA PRIMÁRIA OU ONTOGÉNETICA
  8. 8. CAUSAS E SINTOMAS  Devido a essa deficiência, a lactose não digerida continua dentro do intestino e chega ao intestino grosso, onde é fermentada por bactérias, produzindo ácido láctico e gases. A presença da lactose e destes compostos nas fezes e no intestino grosso aumenta a pressão osmótica (retenção de água no intestino), causando diarreia ácida e gasosa, flatulência excessiva (excesso de gases), cólicas e aumento do volume abdominal.
  9. 9. E O CÁLCIO?
  10. 10.  Como o leite e seus derivados são as principais fontes de cálcio da nossa dieta, a ingestão desse nutriente pode ficar prejudicada em indivíduos com intolerância à lactose. Porém existem alternativas para aumentar esse aporte de cálcio na dieta.
  11. 11. SINTOMAS Os sintomas típicos incluem:  dor abdominal,  sensação de inchaço abdominal,  flatulência,  diarreia,  borborigmos e,  particularmente nos jovens, vômitos.
  12. 12. DIAGNÓSTICO Além da avaliação clínica, o diagnóstico da intolerância à lactose pode contar com três exames específicos:  teste de intolerância à lactose,  teste de hidrogênio na respiração  teste de acidez nas fezes.
  13. 13.  O primeiro é oferecido pelo SUS gratuitamente. O paciente recebe uma dose de lactose em jejum e, depois de algumas horas, colhe amostras de sangue para medir os níveis de glicose, que permanecem inalterados nos portadores do distúrbio.  O segundo considera o nível de hidrogênio eliminado na expiração depois de o paciente ter ingerido doses altas de lactose e o terceiro leva em conta a análise do nível de acidez no exame de fezes.
  14. 14. TRATAMENTO  As pessoas com intolerância a lactose não necessitam de uma dieta extremamente rigorosa, basta que se tenha alguns cuidados básicos sobre o que deve comer. Se os sintomas forem devidos só à não digestão de lactose: substituição do leite por iogurte e queijo e / ou a ingestão de cápsulas de lactase podem resolver o problema
  15. 15. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MATTAR, Rejane; MAZO, C. F. Daniel. Intolerância à lactose: mudança de paradigramas com a biologia molecular. Departamento de gastroenterologia da Faculdade de medicina de São Paulo. SãoPaulo.2010. Intolerância à lactose, má digestão de lactose ou alergia à lactose . www.virtual.epm.br. 2001. SILVEIRA TR, PRETTO FM. Intolerância à lactose: diagnóstico e tratamento. Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul. 2003. VOET, D. Fundamentos de bioquímica: a vida em nível molecular. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008. 215 p. SEM LACTOSE. Suplementação de cálcio na dieta sem lactose. Disponível em: http://www.semlactose.com acessado em 15/03/2009.
  16. 16. O B R I G A D A

×