Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Jb news informativo nr. 2104

67 visualizaciones

Publicado el

.

Publicado en: Arte y fotografía
  • Sé el primero en comentar

  • Sé el primero en recomendar esto

Jb news informativo nr. 2104

  1. 1. JB NEWS Filiado à ABIM sob nr. 007/JV Editoria: Ir Jeronimo Borges Academia Catarinense Maçônica de Letras Academia Maçônica de Letras do Brasil – Arcádia de B. Horizonte Loja Templários da Nova Era nr. 91(Florianópolis) - Obreiro Loja Alferes Tiradentes nr. 20 (Florianópolis) - Membro Honorário Loja Harmonia nr. 26 (B. Horizonte) - Membro Honorário Loja Fraternidade Brazileira de Estudos e Pesquisas (J. de Fora) -Correspondente Loja Francisco Xavier Ferreira de Pesquisas Maçônicas (P. Alegre) - Correspondente O JB News está sendo editado em Maceió participando da XLV CMSB 2016 Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.104– Maceió (AL) - quarta-feira, 6 de julho de 2016 Bloco 1 -Almanaque Bloco 2 -IrAilton Elisiário Prefeito da Cultura (Coluna semanal) Bloco 3 -IrManoel Miguel – A Egrégora Bloco 4 -IrValdemar Sansão – Veneralato, Início de um Caminho Bloco 5 -IrAlfonso Rametta dos Santos Neto – Regularidade e Reconhecimento Maçônico Bloco 6 -IrPedro Juk – Perguntas & Respostas – do IrRodrigo Alcântara Tessarini – (Panorama-SP) Bloco 7 - Destaques JB – O Prumo de Hiram - Breviário Maçônico -
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 2/29  1325 - Maomé IV torna-se o sexto rei nasrida de Granada, na sequência do assassinato do seu pai Ismail I. Reinará até 1333.  1483 - Ricardo III é coroado Rei de Inglaterra.  1484 - O navegador português Diogo Cão descobre a foz do Rio Congo.  1560 - O Tratado de Edimburgo é assinado entre Escócia e Inglaterra.  1785 - O dólar é escolhido por unanimidade como moeda oficial dos Estados Unidos.  1885 - Louis Pasteur testa com sucesso sua vacina anti-rábica em Joseph Meister, um garoto que fora mordido por um cão com raiva.  1891 - É fundada a cidade de Teresópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro.  1917 - Primeira Guerra Mundial — Tropas árabes lideradas por T. E. Lawrence(Lawrence da Arábia) e Auda ibu Tayi derrotam os Turcos e capturam a cidade de Aqaba, na Revolta Árabe.  1919 - O dirigível britânico R-34 aterra em Nova Iorque, completando a primeira travessia do Atlântico.  1928 - Estreou nos Estados Unidos o primeiro filme totalmente falado, "Lights of New York".  1932 - Abertura da 1º edição do Festival de Veneza.  1934 - Foi criado o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  1939 - As empresas e negócios pertencentes a judeus que ainda operavam na Alemanha foram obrigadas a fechar: o Holocausto anunciava-se. Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. 1 – ALMANAQUE Hoje é o 188º dia do Calendário Gregoriano do ano de 2016– (Lua Nova) Faltam 178 para terminar este ano bissexto Dia da Criação do IBGE e dia do Estado na Lituânia Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebeu a presente mensagem, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias. Obrigado. Colabore conosco para evitar problemas na emissão de nossas mala direta diária. EVENTOS HISTÓRICOS (fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki) Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 3/29  1942 - Segunda Guerra Mundial: Anne Frank e sua família, judeus, passam a se esconder dos nazistas no anexo secreto no escritório do pai da menina, em Amsterdam.  1945 - Fundação da Igreja Católica Apostólica Brasileira: Dom Carlos Duarte Costa Bispo da Igreja Católica Apostólica Romana, funda no Rio de Janeiro a ICAB.  1957 - John Lennon e Paul McCartney se encontram pela primeira vez em Liverpool, Inglaterra, no que seria o embrião da banda The Beatles.  1964 - A República do Malawi torna-se independente e adopta a sua bandeira.  1967 - Guerra de Biafra — forças nigerianas invadem Biafra, dando início à guerra.  1977 - Uma reunião entre representantes dos governos brasileiro, paraguaio e uruguaio, realizada em Brasília, discutiu o aproveitamento da Usina Hidrelétrica de Itaipu.  1975 - O arquipélago de Comores declara independência da França.  1988  Ulysses Guimarães, presidente em exercício do Brasil, concedeu, pela primeira vez na história do país, asilo político a um guerrilheiro sul-africano, vítima do apartheid.  O Brasil e a Argentina decidiram liberar o trânsito de turistas na fronteira entre os dois países, com a suspensão das tarifas alfandegárias.  A plataforma de petróleo escocesa de Piper Alpha no Mar do Norte é destruída em uma explosão e um incêndio; morreram 167 pessoas.  2006 - Um Airbus A310 operando como S7 Airlines 778 transportando 203 pessoas sofreu um acidente no Aeroporto Internacional de Irkutsk, na Sibéria; morreram 124 pessoas.  2009 - O jogador de futebol português Cristiano Ronaldo foi apresentado como novo reforço do Real Madrid, no estádio do clube, o Santiago Bernabéu. 80 mil pessoas foram assistir à chegada do atleta. Este foi o maior público para a apresentação de um jogador de futebol, superando os 75 mil torcedores que viram Diego Maradonachegar ao Napoli, em 1984. 1879 Circula, em Laguna, o primeiro número do jornal “A Verdade” cuja existência foi até 1885 1900 Ato, desta data, assinado pelo governador de Santa Catarina, Felipe Schmidt, determinava que o “Registro Torrens” passasse a denominar-se “Comissariado Geral do Estado” 1819 Falece Ir.'.Thomas Smith Webb, importante ritualista, que organizou os rituais simbólicos e os Graus do Real Arco Americano. 1830 Fundação da Grande Loja da Flórida, F. & A.M, USA. 1969 Fundado o Grande Capítulo dos Mações do Real Arco de Israel 1971 Falecimento do Ir.'. Louis Armstrong, membro da Lodge Montgomery (Prince Hall), o mais famoso intérprete de jazz do seu tempo. históricos de santa Catarina Extraído de “Datas Históricas de Santa Catarina” do Jornalista Jali Meirinho e acervo pessoal Fatos maçônicos do dia Fonte: O Livro dos Dias 20ª edição (Ir João Guilherme) e acervo pessoal
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 4/29 O Irmão Ailton Elisiário, é membro da Academia Paraibana de Letras Maçônicas. Publicação simultânea desta crônica às quartas-feiras no JB News, Jornal da Paraíba e Paraiabaonline. prof.elisiario@uol.com.br PREFEITO DA CULTURA Há 31 anos passados falecia na data de 28.06.1985, em Campina Grande, o professor e político Evaldo Cavalcanti da Cruz. Nascido campinense em 21.08.1931, foi ocupante fundador da Cadeira 28 da Academia de Letras de Campina Grande, que tem por patrono o poeta Zeferino Lima, sendo sucedido pelo jornalista Geovaldo Carvalho. Prefeito eleito da cidade, Evaldo Cruz governou Campina Grande no período 1973- 1977, consagrando-se como o Prefeito da Cultura, tantas foram suas ações priorizando a cultura campinense. Com visão futurista, o turismo e a cultura foram dois eixos importantes de sua administração. Quando ainda muito jovem aflorou em Evaldo a predileção pelas artes, notadamente a Sétima Arte. Frequentava com assiduidade as sessões dos cines Capitólio e Babilônia e fazia a crítica cinematográfica no Diário da Borborema sob o pseudônimo de Zama. Aficionado também pelas histórias em quadrinhos, ao tempo em que lia as revistas Epopeia e Flash Gordon, também desenhava seus próprios quadrinhos com histórias de terror e ficção científica. Essa natureza artística de Evaldo deu-lhe os fundamentos de sua gestão pública. Sua formação em Direito lhe ampliou a visão administrativa, sedimentada no exercício de 2 – Prefeito da Cultura Ailton Elisiário
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 5/29 Professor de Finanças Públicas das então Universidades Federal da Paraíba e Regional do Nordeste e de Promotor Público da Comarca local. Tive não só a felicidade de tê-lo como professor naquela disciplina, mas também de tê-lo como colega de trabalho em ambas as Universidades. Com Evaldo foram recuperados o Teatro Municipal Severino Cabral e o Museu de Artes Assis Chateaubriand, foram criados o Museu do Algodão e o Centro Turístico da Estação Velha, foi decretado o Hino de Campina Grande e realizado o I Festival Nacional de Teatro Amador que deu origem ao I Festival de Inverno de Campina Grande, hoje com 41 anos de vida ativa ininterrupta, tendo à frente a ativista cultural Eneida Agra Maracajá. São palavras de Eneida na 4ª edição da revista Campina Século e Meio: “Se as cores da época eram de incertezas e perplexidades, a inteligência, competência e sensibilidade de Evaldo Cruz apostaram na cultura. Ele entendia que a cultura tem o poder de comunicar, atenuar tensões, desarmar os ânimos, resolver as idiossincrasias, renovar, despertar potenciais e ser agente de prosperidade, humanizar e reduzir o papel do poder público. Por isso superou limitações”. Reconhece-se que ao lado do exuberante trabalho cultural de Evaldo, ele também se destacou pela grande mudança urbanística da cidade, transformando o Açude Novo no Parque do Açude Novo ou Parque Evaldo Cruz, instituindo nele o Centro Geodésico de Campina Grande. De certo inspirado na simbologia maçônica do ponto dentro do círculo, o Centro Geodésico que ocupa o leito do circular Açude Novo, é uma grande circunferência imaginária contendo um obelisco no seu centro, do qual partem raios em direção a todos os quadrantes da cidade. Evaldo era filiado à Loja Maçônica Regeneração Campinense. Nela foi iniciado em 19.08.1955 e por ela foi condecorado com a Medalha Tiradentes em 21.04.1975, a mais alta Comenda da Loja, criada para agraciar pessoas que tenham relevantes serviços prestados à comunidade campinense. Evaldo Cruz não tem só esse parque com seu nome. Há uma rua também no Bairro da Catingueira, por propositura dos vereadores Feliz Araújo Filho e Maria Lopes Barbosa, conforme Lei nº 1.309/1985. Nossas homenagens ao acadêmico Evaldo Cruz.
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 6/29 Irmão Manoel Miguel MM da Loja Colunas de São Paulo, 4145 CIM 293-759 - GOB/GOSP – São Paulo Rua Lopes de Oliveira, 297 – Barra Funda – São Paulo Sessões as 1ª e 3ª quartas-feiras de cada mês, 20:00h – REAA. Cel./WZ: 19 98401-0686 Escritor – Palestrante – Coach em Saúde e Estilo de Vida Autor do livro: Viver Mais Com Saúde e Felicidade A EGRÉGORA “Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador. Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado. Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim. Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. ” João 15:1-5, L∴ da L∴. Caminhando pela senda Maçônica tenho a oportunidade de visitar muitas Lojas, buscando compartilhar com os irmãos o que tenho de melhor, e, ao mesmo tempo, absorver deles o que têm de melhor como alimento para a minha alma. E nessa caminhada, muito se fala em egrégora. Quando visito uma Loja, logo que chego, a forma como sou recebido pelos irmãos, a forma como me apresento, o caminhar, a troca de olhares, as perguntas e respostas, vão determinando o ambiente que me espera, como um cálice pronto para receber um bom vinho. Os irmãos que aguardam minha visita esperam coisas boas de mim, ao passo que a recíproca é verdadeira. Durante a visita, uma energia nos liga e nos faz funcionar, como uma interface entre computadores, softwares e aparelhos diversos, que se aproveita da energia elétrica formando a ligação e a comunicação entre todas as máquinas conectadas ao mesmo sistema. Maquinas, por vezes, tão diferentes, mas se comunicando como se fossem iguais, ou seja, as diferenças foram esquecidas, deixadas de lado, aplainadas pela interface engenhosamente projetada previamente em algum lugar, por uma mente superior. Pois bem. A egrégora é a interface projetada pelo Grande Arquiteto do Universo, que habita todo ser humano, capaz de fazê-lo interagir harmoniosamente ou não com seus semelhantes, de acordo com sua capacidade e habilidade de lidar com as diferenças entre si. 3 – A Egrégora Manoel Miguel
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 7/29 Você já parou para imaginar as diferentes egrégoras que se formam em diferentes ambientes? Por exemplo, visitando um velório em função da morte de um amigo, um parente, um ente querido, a dor e o sentimento de perda, o vazio que se sente é muito forte. Todos estão tristes com o passamento de uma pessoa tão querida, uma energia contagiante liga todos a tudo e choramos, consolamos, abraçamos, etc. Saindo um pouco daquele local, procure visitar outros ajuntamentos de pessoas que estão velando outros mortos desconhecidos. Veja que, enquanto não nos habituarmos com aquelas pessoas, enquanto não colhermos informações sobre o falecido, enquanto não procurarmos estabelecer uma interface, uma ligação à realidade daquele grupo, é quase impossível sentir algo ali. Depois de conectados, sentimos a mesma dor que eles estão sentindo. Parece até que já nos conhecemos por longa data. Houve uma conexão. Criou-se uma egrégora. Vamos então sair da casa do luto e ir para a casa da festa, da comemoração, do aniversário de um parente nosso. Nossa! Quanta alegria!!! Todos cantam, vibram ao som da boa música, flores, bexigas coloridas, bandeirinhas, um tema escolhido determina a tonalidade que enfeita o ambiente. Todos riem, todos cantam, todos dançam. É impossível não nos envolvermos. Em pouco tempo estaremos conectados, embalados na mesma harmonia. Se sairmos dali e formos para uma festa onde não conhecemos ninguém das pessoas, até a recepção pode não ocorrer, e, caso ocorra, enquanto não houver conexão, interface, egrégora, não nos sentiremos bem e as pessoas também não se sentirão bem com um estranho no ninho. Na igreja é a mesma coisa.... E na Loja? Seria diferente? Claro que não. É tudo igual! Somos filhos da Videira Verdadeira, nascemos para estarmos conectados e produzirmos frutos. A Loja é um corpo formado por vários órgãos diferentes, ligados pelo mesmo sistema metabólico, com objetivo de produzir energia para fazer o corpo andar, falar, trabalhar, sorrir, dançar, cantar, chorar, dormir, etc. Apesar de os órgãos e sistemas que os compõem serem diferentes, o objetivo é o mesmo. Funções diferentes, níveis de metabolismo e frequências diferentes, mas todos ligados para formar um só corpo, uma só vibração, uma só harmonia, que caracteriza um corpo diferente do outro. Nenhum corpo é igual ao outro, embora são todos seres humanos. Nenhuma Loja é igual, tampouco deve ser igual, ainda que pertençam à mesma Potência. E é isso que é legal na intervisitação, podermos entrar em uma Loja tão diferente da nossa e conseguirmos nos conectar como se fôssemos dali. É maravilhoso!!! De cada Loja colhemos exemplos, experiências de tudo o que podemos fazer ou evitar para a saúde de nossa própria Loja. As Lojas são sustentadas pelas Colunas da Sabedoria, Força e Beleza, mas a egrégora do corpo sagrado que a forma a partir das vibrações de cada irmão será determinante para garantir a sua saúde, estabilidade e longevidade. Quando a egrégora da Loja é saudável, não precisa muito tempo para se descobrir: a sessão flui harmonicamente, ninguém está preocupado se um ou outro irmão derrapou na ritualística, cada um desempenha sua função sem se preocupar com a forma como o outro irmão está desempenhando a função dele, não há cruzamento de palavras entre as colunas ou entre colunas e oriente, não há conversação paralela... tudo transcorre de forma justa e perfeita, como deveria ser. Todos estão tão imbuídos de boas vibrações, idênticas entre si, que formam acima deles, no plano dos 7 Elohim da criação, a egrégora da Loja de São João, justa e perfeita, aquela que um dia todos frequentarão no plano superior. Quando isso acontece, todos saem da seção já sentindo saudades
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 8/29 daquele encontro. Que coisa harmoniosa!!! Que alegria inexplicável!!! Que união!!! Alguém pensa em pedir seu Quit Placet de uma Loja assim? De forma alguma. Alguém pensa em desistir de ser Maçom quando pertence a uma Loja com essa harmonia? Nem pensar. Pelo contrário, sentir-se-ão motivados a frequentar os cursos promovidos pela Loja ou pela Potência, para melhorarem a ritualística e se aperfeiçoarem, procurarão entender os regimentos, as constituições, as cartilhas ritualísticas e os rituais, com vontade de cada vez mais contribuir para o sucesso da Loja. Isso é o amor que se espera na Maçonaria. Tem duas armas destrutivas de Lojas, que estão causando muito estrago na formação da egrégora: crítica e negativismo. A crítica é um câncer em nosso meio. Ela não ajuda em nada. Só mata. A relação entre irmãos durante a sessão é diferente da relação professor-aluno aplicada no mundo profano. Dentro da Loja somos irmãos e estamos ali por um objetivo comum: construir o Templo sagrado e, para isso, tem que formar uma boa egrégora. Se precisar melhorar alguma coisa, isso deverá ser feito sem o instrumento maligno da crítica. Quem quiser ter sucesso na vida em qualquer área deverá se abster de criticar. Já o negativismo, puxa sempre para baixo. Temos que fugir das pessoas negativas, que somente sabem reclamar, ver o lado ruim da vida e da Loja. Elas são como um fio terra que rouba energia e faz a Loja definhar, o contrário da egrégora. Quando tivermos irmãos negativos no quadro, é preciso que os demais membros da Loja sejam tolerantes, mas ao mesmo tempo se revestirem de positivismo para neutralizar o negativismo da minoria. A Loja tem de ser rica em tudo, principalmente em positivismo e egrégora. Loja sem egrégora una, é o mesmo que um corpo sem vida, gelado. Uma Loja com egrégora saudável é um fogo que purifica e queima o mal do negativismo e da crítica. De acordo com a Encyclopedia of Ancient and Forbidden Secrets, a egrégora seria ambiente ou personalidade que se desenvolve entre grupos independentes, a partir da somatória harmônica dos desejos e objetivos de cada participante. É a sensação da presença de uma energia ou ser superior, percebida quando circulamos por um local específico, em relação à atmosfera externa a esse local, ou mesmo quando visitamos um clube ou associação de pessoas que já estão reunidos por um certo tempo. Os religiosos de algumas correntes dogmáticas a chamam de “a presença de Deus”. No sentido oculto, mágico ou esotérico, a egrégora é a energia formada a partir da somatória das forças vibracionais de cada pessoa presente num ajuntamento, grupo ou associação, sendo percebida como uma entidade superior, poderosa e confortante, presente durante um encontro harmônico. A egrégora é a alma ou Mente do Grupo. Aos que desejam estudar um pouco mais sobre egrégora, sugiro a leitura do livro Gênese – Síntese – Evolução, do Irmão Rubens Augusto Vieira, da ARLS Austeridade e Justiça 1782, Or.’. Sete Lagoas, MG, conforme bibliografia abaixo. Autor: Manoel Miguel M∴M∴ - CIM 293759 – Membro da ARLS Colunas de São Paulo 4145 – GOB/GOSP, Or∴ de São Paulo. BIBLIOGRAFIA Gênese – Síntese – Evolução – Universo – Maçonaria – Maçom, autor Rubens Augusto Vieira 33° - Membro da ARLS Austeridade e Justiça, 1782 – GOB/MG – Or∴ de Sete Lagoas-MG – (Pedidos desse livro com o Ir∴ Hans Raem – E-mail: hansraem@gmail.com ). A SIMBÓLICA MAÇÔNICA, Autor Jules Boucher – Ano 2015 – Editora Pensamento. Encyclopedia of Ancient and Forbidden Secrets – Compiled by Organization for Spiritual Teaching – USA.
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 9/29 MENSAGEM DO DIA – VENERALATO, INÍCIO DE UM CAMINHO Valdemar Sansão Dia 04 de julho VENERALATO, INÍCIO DE UM CAMINHO O bom Venerável Mestre não é aquele que sempre resolve os problemas que ocorrem em sua Loja, mas sim aquele cujos problemas nunca ocorrem em sua Loja. Guia de seus Irmãos - As condições essenciais para o desempenho das funções de V∴M∴, além de reputação ilibada, são: ser sincero, leal e verdadeiro; ser afável no trato, inabalável e intransigente em seus princípios: ter sido regularmente iniciado, elevado e exaltado nos graus da Maçonaria Universal, ser amante da Sabedoria e versado na nobre ciência da Arte Real. Deve ter sido eleito, de acordo com as Leis da Grande Loja pelos MM∴MM∴ da sua Loja, aberta em sessão de Eleição. Estar consciente da responsabilidade de repensar as atitudes e o funcionamento das estruturas buscando o bem dos Obreiros, da Loja e da Maçonaria; tendo como critério habitual o discernimento maçônico, servindo-se do Conselho de Mestres Instalados. Declara, então, aceitar o cargo de Venerável Mestre da Loja e promete cumprir criteriosa e imparcialmente todos os deveres que lhe forem impostos, como Guia de seus Irmãos, com todas as energias e inteligência de que dispõe, durante o período para o qual foi eleito, até que, legalmente eleito, seja empossado o seu sucessor. É então revestido com Colar e Avental, insígnias de um Mestre Instalado que se constitui na mais elevada honra que uma Loja pode conferir aos seus membros. Recebe a joia que pertence ao cargo, que indica o alto senso de retidão que deve nortear sua conduta. Requisitos - O V∴M∴ deverá ser escolhido dentre os IIr∴ que já foram VVig∴, pelas suas qualidades pessoais, capacidade de representação social, grau de cultura e principalmente pelos seus conhecimentos e abnegação às causas da Loja e da Maç∴, ou seja, seus méritos maçônicos e profanos. Não se deve absolutamente eleger um Ir∴ para cargo tão importante, apenas baseado na sua Antiguidade. O que importa na escolha é o preenchimento pleno de todas as condições. O bom 4 - Veneralato, Início de um Caminho Valdemar Sansão
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 10/29 V∴M∴ lidera naturalmente a sua Loja e distribui a todos os obreiros sem distinções, o aconchego da sua palavra amiga, os conselhos de sua sabedoria, a prudência da sua posição e o estímulo da sua vontade. A sua autoridade é respaldada em estatutos que lhe dão poderes especiais, como por exemplo: a inatacabilidade, porém, a principal condição que dá o respeito à sua investidura é o preenchimento de todos os requisitos já aludidos. A sua autoridade é inata. Salve Venerável Mestre! – Analisando as mais diversas formas de postura e de condução de seus mandatos, concluímos que o V∴M∴ é uma figura que assume destaque e proporções especiais. As suas atribuições se definem em dois planos: O Administrativo e o Esotérico. No Plano administrativo, o V∴M∴ é o presidente da sociedade civil, que é a Loja, é o seu administrador geral, e o seu representante junto a Potência ou Obediência a que a Loja se subordina. No Plano esotérico, adquire a condição de guia espiritual dos obreiros, transformando- se num verdadeiro sacerdote da Ordem. Não será um bom V∴M∴ o obreiro que não tiver condições de reunir toda esta fórmula, e assim sendo, não terá possibilidades de conduzir a sua Loja por destinos gloriosos. Não se deve absolutamente eleger um Irmão para este cargo tão importante, apenas baseado na sua Antiguidade. O que mais importa na escolha é os seus conhecimentos e a abnegação às causas da Loja e da Maçonaria, ou seja, seus méritos maçônicos e profanos. O Peso do Malhete - A seguir, coloca-se em suas mãos o Malhete que foi sempre o emblema da autoridade entre os Obreiros da Loja. Deve ser ele aplicado sobre o Cinzel simbólico da educação, para desbastar as irregularidades de toda sorte que possam surgir numa Loja, do mesmo modo que, materialmente e bem trabalhado, alisa as superficialidades ásperas e irregulares dos materiais. Serve para executar as Baterias, conceder, pedir ou cassar a palavra dos Irmãos, chamar a atenção dos Irmãos. Não se fazem sinais com os Malhetes. “Sob Malhete” expressão que significa que o Venerável queira dar andamento de um assunto, após uma sindicância maior. Deveres - Além das atribuições administrativas previstas nos Regimentos Gerais das Potências e das esotéricas e litúrgicas previstas nos Rituais, o V∴M∴ deve ainda: I – Planejar com antecedência as atividades da sua Oficina, organizando cronogramas de trabalhos produtivos e eficazes; II – Cuidar para que seus Aprendizes, Companheiros e mesmo os Mestres recebam ensino maçônico de qualidade e treinamento litúrgico e ritualístico competente; III – Coordenar e distribuir as tarefas e obrigações da Loja aos obreiros de modo que todos tenham participações igualitárias nas atividades da Loja; IV – Orientar e fiscalizar os seus administradores oficiais no sentido que todos cumpram as suas obrigações administrativas e deveres litúrgicos. V – Zelar pela boa imagem da sua Oficina no meio Maçônico e cultivar o bom conceito dos seus Obreiros no mundo profano. Liderança –. Nas Lojas MMaç∴ a liderança do V∴M∴ é de fundamental importância para a direção dos trabalhos, realização de projetos, dinamismo e união dos IIr∴, até porque cada maçom em particular se considera um líder e o confronto de líderes pode gerar conflitos. É importante, também distinguir liderança e autoritarismo. São concepções distintas. O autoritário é impositivo, dominador, arrogante, despótico e se impõe pelo poder que detém. O líder, por sua vez, é ético, confiável, sensato cheio de energia, humilde, ansioso por aprender e se destaca pela competência em tratar com pessoas e coisas. Afinal, o que é liderança e qual a razão do tema? Liderança é a capacidade de fazer com que todos remem na mesma direção, estimulada pelo V∴M∴.
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 11/29 Alguns maçons quando são eleitos V∴M∴ de suas Lojas e após assumirem os seus cargos, presumem que serão seguidos, naturalmente, pelos irmãos do quadro. Este é o primeiro engano. Outros acreditam que a leitura de livros sobre liderança os tornará aptos para o exercício da função de V∴M∴. Segundo engano. Ao invés de oferecer o material sobre liderança, ofereça um projeto operacional capaz de dar rumo a loja, desde que haja participação e comprometimento de todos os membros do quadro na sua implementação. Se o resultado de um projeto desses ou de outro qualquer for positivo e aceito por todos, fará com que o condutor do projeto, no caso o V∴M∴, seja considerado por todos os Irmãos do quadro e de outras lojas, um líder. Na verdade, os próprios líderes pouco dizem como tornar-se um líder, porque não existe fórmula alguma para a liderança. Há uma frase célebre: Não importa o que o líder faz, mas sim o que o líder é. O líder deve utilizar não só a cabeça, mas também o coração. A liderança, em sua essência, deve tocar o coração e a alma. Ela está, quase sempre, fundamentada em uma conexão emocional e não racional. A Loja deve eleger um determinado caminho e um propósito, estabelecendo objetivos e metas claras na mente de todos os Irmãos. Significa, ainda, que o V∴M∴ deve escolher cuidadosamente os membros para compor sua “Diretoria” e que conduza todos numa só direção. Os objetivos e metas devem ser alcançados por meio de ações empreendidas por todos os Irmãos e não ações executadas por um pequeno grupo deles. Planejar significa programar uma sequência de eventos que permitam que os Irmãos saibam, exatamente, aquilo que vai acontecer e que se espera que cada um faça. Planejamento de trabalho do V∴M∴ refere-se às realizações específicas que realmente deseja. Portanto, caríssimos Irmãos, para o exercício pleno da liderança é preciso seguir alguns princípios fundamentais: 1. Um programa de trabalho claro e definido. 2. Uma filosofia individual. 3. Relações duradouras. Aqueles que desejam ser líderes precisam compreender, assimilar e implantar estes princípios de liderança. O preço da escolha – O V∴M∴ é a soma da vontade e da capacidade de escolha dos Irmãos, que podem dizer qualquer coisa, menos que “a cigana os enganou” na escolha de seu Guia. Conclusão – Os ignorantes de seu destino e de seus deveres, imbuídos de ideias negativas, que tudo deprime, que tudo complica, se vão. Um valor maior se levanta com lucidez e vem dizer a todos: “De pé e a ordem meus Irmãos”; é chegado o momento de demonstrar nossa Fé, nossa sobrevivência, nosso valor. O poder do Grande Arquiteto do Universo, a Sua Sabedoria, não permitirá que a inércia e o imobilismo devastem nossa Loja, nossa Fraternidade. P.S. Não há coisa tão fácil como dar conselho; nem mais difícil do que saber dá-lo. A Loja será aquilo que seus Obreiros dela fizerem.
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 12/29 Ir Alfonso Rametta dos Santos Neto, CIM- 30.148 - MI da Loja Maçônica 4 de Agosto 269 Rito de York Americano (GLMMG) Montes Claros MG, aardsn@gmail.com Regularidade e Reconhecimento Maçônico Este sem dúvida alguma é o tema mais polêmico e com certeza mais separatista, segregador, divisor e separatista que todos os maçons, principalmente aqui no Brasil têm conhecimento. Se um irmão deseja causar um tumulto ou incitar a desarmonia inconforme num ambiente maçônico ou profano, basta recitar estes dois vocábulos, Regularidade e Reconhecimento. Assim, sem tomar partido algum, sem difundir idéia ou filosofia que venha a ferir, a moral ou mesmo os princípios de qualquer que seja a instituição maçônica brasileira, bem como de qualquer irmão, vamos neste artigo expor algumas idéias e princípios próprios, mas embasados em nossos princípios antigos, que possam também nortear os rumos desta discussão, que segundo os mais otimistas, terá um fim, não se sabendo precisar um período ou época, uma vez que muitos são os combustíveis e sentimentos, bem como vontades e posições que aquecem e apimentam esta discussão. Podemos dizer que Regularidade Maçônica é o estado em que um Homem pode ser reconhecido como Maçom, e ou, que uma instituição ou organismo (Grandes Lojas ou Grandes Orientes) possa ser reconhecido (a) como Instituição ou Organismo Maçônico, e ambos portadores, portanto, de todos os direitos concernentes e inerentes à Maçonaria. Assim sendo, no campo do Reconhecimento Maçônico, fica então subentendido que este por sua vez dada à regularidade seria então uma circunstancia advinda desta ou não, pois o que percebemos tanto aqui em âmbito nacional, quanto pelo mundo a fora, é que nem sempre um está atado ao outro, sendo assim, nesta vastidão plural maçônica, para alguns a Regularidade obedece a critérios específicos e irrevogáveis, o que se afastando destes, a instituição ou obreiro não tem prerrogativa ou possibilidade de ser considerado Regular; já na seara do Reconhecimento, este está vinculado aos Tratados e Convenções, que em muitos casos usam o simples critério da afinidade e necessidade de se expandir relações diplomáticas 5 – Regularidade e Reconhecimento Maçônico Alfonso Rametta dos Santos Neto
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 13/29 entre instituições e pessoas, bem como de se expandir territórios de atuação, pode este ser atado aos critérios da regularidade, e como se é feito em sua maioria, Regularidade diretamente ligada ao Reconhecimento ou Vice Versa, mas também este pode estar vinculado somente a interesses pessoais e ou outras necessidades sociais e operacionais de cada Ordem, Organismo, Potencia e Instituição, bem como também das relações entre os indivíduos que as compõem. Nestes caminhos e meandros que possam nos levar há uma luz mais concreta, concisa e talvez com uma coerência que nos aproximara, dos princípios basais da Maçonaria que é de Agrupar Homens de bem, livres, de bom costume, independente de, sua religião, cor, classe social, e etc. é que desde os princípios da ordem, mesmo quando não se existia esta organização institucional e obediencial, é que fugindo dos princípios da moral, da ética, da probidade, do credo em um ser superior, bem como da prática da benevolência, tornaria assim qualquer Maçom,Loja ou Instituição Maçonica; irregulares se não tivesse vinculo direto com esses princípios. Após a organização das lojas empíricas em Ordens ou Obediências e ou Potencias Maçônicas, isso quando da concepção, criação e fundação da Grande Loja Unida da Inglaterra (GLUI), esta passou adotar preceitos diretamente extraídos destes critérios empíricos supracitados, para determinar se um organismo ou individuo ligado a este pode ou não ser considerado regular ou reconhecido como maçônico no âmbito institucional, ou maçom no âmbito de seus membros. Princípios Fundamentais Para Reconhecer Como Regulares Maçons e Instituições Maçônicas (Grandes Lojas e Grandes Orientes) A Regularidade e o Reconhecimento de origem: uma Instituição Maçônica e ou um Maçom; deverá ser regularmente fundada (o) bem como iniciado por uma Grande Loja ou Grande Oriente devidamente reconhecida (o); e em caso especifico para a fundação das instituições que esta seja fundada por pelo menos três Lojas regularmente constituídas; A crença num ser superior, criador de todo este universo o qual a Maçonaria chama de GADU (Grande Arquiteto Do Universo) e em sua vontade revelada são condições essenciais para a admissão de novos membros, bem como para considerar qualquer instituição que utilize titulação de Maçônica, como sendo regular e reconhecida; Todos os iniciados devem prestar suas Obrigações sobre o Livro da Lei Sagrada, ou com os olhos fixos sobre este livro aberto, pelo qual é expressa a revelação do Alto, pela qual a consciência do indivíduo que se inicia está irrevogavelmente ligada; bem como todos os atos institucionais só devem ocorrer se tiverem sido praticados após a devida evocação das bênçãos e benesses do GADU; A Grande Loja ou Grande Oriente, bem como as Lojas filiadas a estes, particularmente, serão compostas apenas por homens maiores de idade, livres e de bom costume, de moral ilibada; estas instituições e seus indivíduos não poderão manter relações com Lojas mistas ou femininas;
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 14/29 A Grande Loja ou Grande Oriente exercerá o seu poder soberano sobre as Lojas de sua jurisdição, possuindo autoridade incontestável sobre os três graus simbólicos, sem qualquer subordinação direta ou indireta a qualquer outro organismo de finalidade maçônica, como por exemplo, um Supremo Conselho ou a outra Potência que reivindique um controle ou vigilância sobre esses graus, nem repartirá sua autoridade com estes órgãos; As Três Grandes Luzes da Maçonaria (Livro da Lei, Esquadro e Compasso) serão sempre expostas nos trabalhos ritualísticos da Grande Loja ou Grande Oriente, bem como nos trabalhos ritualísticos das Lojas sob sua jurisdição; a principal Luz é o Livro da Lei Sagrada; Toda e qualquer discussão de ordem religiosa e política, bem como de qualquer tipo de assunto que venha a causar desarmonia e cisões são interditadas nas Lojas e nos eventos os quais sejam organizados por esta; Os princípios dos Antigos Landmarks, Old Charges, usos e costumes da Maçonaria Antiga (Operativa) e Moderna (Especulativa), serão estritamente observados, sendo estes princípios norteadores para sempre que seja necessário se avaliar a regularidade ou o reconhecimento de uma potência, loja ou maçom. Além dos critérios anteriormente expostos, existem outros que podem ser observados e levados em consideração para se determinar a regularidade ou o reconhecimento de um maçom, de uma loja ou de organizações obedienciais maçônicas, os seguintes critérios: No caso dos Maçons em especifico, seu reconhecimento ou sua regularidade estarão intrinsecamente ligados aos das instituições que estes venham a fazer parte, uma vez que não se existe um maçom, caso não exista uma loja ou organismo maçônico; já no caso das lojas maçônicas e dos demais organismos de cunho maçônico, estes demais critérios são bem mais específicos. Regularidade e Reconhecimento De Origem Um Grande Oriente ou Grande Loja necessita, para ser regular e reconhecido; do reconhecimento e da transmissão da Tradição por outro Grande Oriente ou Grande Loja previamente regular e reconhecido junto às outras Potências, tendo assim uma Regularidade e Reconhecimento de Origem; Respeito Às Antigas Regras, Obrigações e Princípios Maçônicos A principal regra a ser seguida é a Constituição de Anderson, de 1723, formulada por Anderson, Payne e Desagulliers, para a recém-fundada Grande Loja de Londres. Pode-se, no entanto, levantar cinco pontos fundamentais para Regras que devam ser respeitadas: Absoluto respeito aos antigos deveres, que estão reunidos em forma de Landmarks; Só é possível aceitar homens livres, respeitáveis e de bons costumes que se comprometam a por em prática um ideal de Liberdade, Igualdade e Fraternidade;
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 15/29 Ter sempre como objetivo o aperfeiçoamento do Homem, e como conseqüência, de toda a Humanidade; A Maçonaria exige de todos os seus membros a prática escrupulosa dos seus rituais, como modo acesso ao seu Conhecimento especifico, através de práticas iniciáticas que lhe são próprias; A Maçonaria impõe a todos os seus membros o mais absoluto respeito às opiniões e crenças de cada um, proibindo categoricamente toda discussão, proselitismo ou controvérsia política ou religiosa em suas Lojas. Além das condições anteriores, para que uma Obediência ou Instituição Maçônica seja regular, ela deve ser reconhecida por outras, geralmente após um tempo de observação. No entanto o reconhecimento não é incondicional, pois caso o Grande Oriente ou Grande Loja desvie-se destes preceitos, ele deixa de ser regular, perdendo o reconhecimento. Ao longo da histórica organizada da maçonaria especulativa, algumas instituições e organismos maçônicos tiveram seu reconhecimento e regularidade colocados em check pela GLUI, isto porque se desviaram dos princípios e preceitos citados acima. É sabido por todos que tudo o que foi exposto acima, parece de certa forma, que a maçonaria não é uma instituição unida, e que soa até de certa forma hipócrita, o fato de nos chamarmos de irmão, se necessitamos de todos estes mecanismos para nos reconhecer e reconhecer nossas instituições como sendo maçônicas e nós sermos reconhecidos maçons. Não existe explicitamente, nem nos Landmarks, nem na constituição de Anderson, a forma nominal de organismo ou instituição, bem como de obreiro que seja detentor de toda a verdade a ponto de ditar o que é certo ou não em maçonaria, bem como de posse hereditária da maçonaria universal e seus princípios; o que todos estes documentos nos mostram é que desde os tempos mais remotos a maçonaria para ser considerada como tal e seus membros para ser reconhecidos como maçons, jamais poderiam se afastar de crer em Deus, de serem cidadãos de ordem publica, respeitados, de moral incontestável, e as instituições que além de abrigar homens maiores de idade com estes caracteres, que não se afastassem destes princípios e praticas milenares. Assim meus amados irmãos não precisaram a todo instante ficar colocando em teste, ou a prova, a origem maçônica de nossos irmãos, uma vez que, aqui no Brasil principalmente, existem diversos organismos, com pessoas excelentes a frente, praticando toda esta gama de princípios e regras, que não são considerados como Regulares e ou Reconhecidos; aliada a estas normas reguladoras e regulamentares, fica o bom censo e o respeito, e de mais a mais, como bem dito, estes critérios são para observância e não dizem que este ou aquele organismo, bem como este ou aquele irmão jamais serão reconhecidos e regulares, as coisas no mundo mudam, e evoluem, assim como a maçonaria vem evoluindo, desde que não fuja das bases empíricas e antropológicas de nossa ordem, toda evolução é bem vinda desde que agregue valor e harmonia. Para findar este nosso artigo, digo o seguinte, no mundo profano todos que fomos iniciados e temos em nosso cerne os princípios maçônicos, somos irmãos perante o GADU, já as relações inter instituições, além destes critérios tem também caracteres diplomáticos e não cabe a nós obreiros ficar discutindo o que nossos Grãos Mestres ficam resolvendo no ápice da pirâmide, é certo que aqui na base, temos é que nos reconhecer como tal e por em pratica a boa convivência e respeito, a fim de sempre demonstrar a sociedade que a maçonaria sempre foi e continuara sendo esta fraternidade, que alem de agregar bons indivíduos, lutara sempre pelo bem e pelo censo comum. Tríplice e Fraternal Abraço a Todos os Meus Irmãos Independente De Loja, Potência ou Rito.
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 16/29 Este Bloco é produzido pelo Ir. Pedro Juk, às segundas, quartas e sextas-feiras Loja Estrela de Morretes, 3159 - Morretes – PR Questões sobre o Rito Escocês Antigo e Aceito Em 08/11/2015 o Respeitável Irmão Rodrigo Alcântara Tessarini, Loja “Deus, Pátria e Família”, 142, REAA, GLMESP, Oriente de Panorama, Estado de São Paulo, solicita esclarecimentos para o que segue: rodrigopanorama@yahoo.com.br Nestes últimos tempos, estive estudando as origens e particularidades do Rito Escocês Antigo e Aceito. Várias dúvidas me surgiram! Dentre elas: 1 - A cor do REAA é vermelha, isto todos os livros e trabalhos que li afirmam isto categoricamente. Porém onde o AZUL predomina em vários templos e aventais de Mestres Maçons. Por que isto ocorre? 2 - Existe ou não a formação do Pálio na abertura do Livro da Lei, pelo irmão que abre e lê o trecho da sagrada escritura? 3 - Os Diáconos portam bastão ou não? O Irmão Mestre de Cerimônia deve portar espada (já que nosso Rito é de origem francesa), ou o bastão? 4 - Qual a posição dos irmãos Mestre de Cerimônias e Hospitaleiro? Já que existe uma inversão nas Grandes Lojas em relação ao GOB, ou vice e versa? 5 - A leitura do Livro da Lei no Grau de Aprendiz é feita no Salmo 133 ou no Evangelho de São João, capítulo 1, versículos 1 ao 5? 6 - Existe pé (direito ou esquerdo) para entrar no Templo no início dos trabalhos? 7 - O triplo Tau que existe no avental dos mestres instalados, estão na “posição correta”? A parte horizontal deveria ser para cima, e não para baixo? Isto existe no REAA ou é um enxerto de outro Rito? Certo que o Irmão me ajudará em minhas dúvidas, desde já agradeço sua atenção. Pude ler seu livro “Exegese Simbólico para o Aprendiz Maçom”, confesso que fiquei surpreso com seu conhecimento em Maçonaria. Também assisti a uma palestra sua no Oriente de Dracena, no mês de Novembro de 2012, onde pude apreciar seu vasto conhecimento na nossa Sublime Ordem. Não esqueça: envie sua pergunta identificada pelo nome completo, Loja, Oriente, Rito e Potência. 6 – Perguntas & Respostas Pedro Juk
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 17/29 Considerações: 1 – Infelizmente no Brasil ainda vivemos essa contradição, particularmente no Grande Oriente do Brasil e nas Sereníssimas Grandes Lojas Estaduais. Como bem dito, a verdadeira história acadêmica já derrubou essas contradições, conquanto por mera teimosia e em nome de uma falsa tradição o REAA por aqui anda todo azulado. Embora alguns críticos e articulistas que se acham doutos teimem ainda em explicar essa anomalia (geralmente baseados em rituais enxertados e viciados no erro como se fossem documentos primários) a verdadeira origem dessa contradição em solo tupiniquim foi adquirida principalmente por ocasião da cisão de 1.927 que deu origem às Grandes Lojas Estaduais. Naquela oportunidade, Mário Marinho Béhring, personagem principal desse episódio, em busca de reconhecimento internacional para a Obediência recém-criada, acabaria anexando muitos costumes do Craft Norte Americano no Rito Escocês. Dentre esses caráteres, à moda das Lojas Azuis (simbolismo) do Rito de York americano (que é filho espiritual inglês), os aventais escoceses no Brasil ganhariam esse matiz azulado. Assim, ao longo dos tempos muitos Irmãos egressos das Grandes Lojas Estaduais influenciariam paulatinamente a adoção desse costume também no Grande Oriente do Brasil ao ponto de na contramão da história termos hoje nessas duas Obediências aventais e paredes do Templo Escocês completamente azulado. Provas e argumentos acadêmicos que mostram esse equívoco já foram apresentados à exaustão. Agora se os que “acham bonito” assim não entendem e detém o poder para manter esse erro crasso em evidência, o que fazer então? O mais contraditório de tudo isso é que vivemos numa Instituição que investiga a Verdade. 2 – No REAA genuinamente não existe formação de pálio algum, muito menos os Diáconos portam bastões. Genericamente esse enxerto foi adquirido aqui no Brasil por miscelâneas de rituais e ritos. Formação de pálio é autêntica no Rito Adonhiramita e com espadas. Daí pela profusão de rituais (cada um querendo deixar a sua marca) os que “acham bonito” inseriram essa prática no REAA que, infelizmente ainda perduram em muitos rituais brasileiros. Nesse sentido o GOB já extirpou dos rituais escoceses essa prática, muito embora e de quando em quando apareçam ainda os defensores desse costume inadequado no escocesismo. No que se aplica essa prática (do pálio) nos rituais das Sereníssimas Grandes Lojas, além da influência acima mencionada, também aparece o modismo equivocado de copiar procedimentos do Craft Americano através do Rito de York. Não do pálio em si, entretanto do cruzamento das varas (bastões) que os Diáconos portam nas cerimônias das Lojas Azuis Norte Americanos em determinadas ocasiões (veja o Ducan’s ritual). A soma de tudo isso acabou sendo objeto desse enxerto no escocesismo aqui no Brasil quando, equivocadamente, adotaram-se bastões para os Diáconos do Rito Escocês e, para se formar com eles o tal pálio, juntaram à prática alienígena o Mestre de Cerimônias com seu respectivo bastão. Como o hábito do uso do cachimbo faz entortar a boca inventaram um pálio para o escocesismo, agora, entretanto formado com bastões. 3 – Em parte essa questão já se encontra respondida no item número 02 acima. O Mestre de Cerimônias originalmente é o único Oficial que porta bastão como objeto de trabalho no simbolismo do REAA. Sem dúvida a origem do Rito é francesa, mas nesse caso o Mestre de Cerimônias que, dentre outros, tem como ofício conduzir Irmãos em Loja faz uso nessa oportunidade do bastão. Espadas no Rito em questão são comuns aos Cobridores e aos Expertos, além da Flamejante que é comum em algumas situações ao Venerável ou a um Ex-Venerável. No que concerne ao uso da Espada e às Comissões de Recepção para formação da Abóbada de Aço e da Guarda de Honra ao Pavilhão Nacional esse costume não pode ser tratado como autenticidade do Rito já que esses protocolos de recepção são genéricos às Obediências
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 18/29 e não podem ser considerados como particularidade, criação ou parte integrante da doutrina e do modus operandi de um Rito específico. Ainda; no que concerne o uso litúrgico da Espada, esta não pode ser avaliada de modo laudatório como um objeto que identifica ou mesmo que seja peculiar à origem de um Rito específico. 4 – O Mestre de Cerimônias como parte integrante da Beleza da Loja tem assento na Coluna do Sul próximo a grade do Oriente. Quanto ao Hospitaleiro esse toma assento na mesma posição do Mestre de Cerimônias, porém na Coluna do Norte. Esse posicionamento pode ser observado na evolução dos rituais escoceses na França a partir de 1.804 (primeiro Ritual para o simbolismo escocês) ao longo do Século XIX e início do Século XX. No tocante aos lugares desses Oficiais em Loja ainda existem as relações com o misticismo integrante na doutrina do Rito e a decoração da Abóbada, bem como das Colunas Zodiacais. Destarte que se leve sempre em conta essa relação e a localização dos Astros sob o ponto de vista do hemisfério Norte – berço de onde é oriunda a Maçonaria. Daí inversões desnecessárias se contradizem a realidade topográfica e astronômica da Loja, cuja alegoria representa um segmento disposto sobre o equador imaginário da Terra e orientado pelos pontos cardeais. 5 – Esse é outro equívoco que provavelmente foi oriundo do Craft Norte Americano aqui inserido no REAA por ocasião do reconhecimento pretendido por Béhring conforme aspectos já comentados no item 01 dessa lauda considerativa. A despeito de outras origens do uso do Salmo 133 na Maçonaria desde a Inglaterra já no período dos “Aceitos” que seria posteriormente abandonado, a Maçonaria Norte-Americana (Lojas Azuis - Rito de York), filha da Maçonaria Inglesa, adotaria a leitura desse Salmo durante uma passagem iniciática na cerimônia de Iniciação de um Aprendiz Admitido. Todavia essa prática acabaria sendo levada para o Rito Escocês no Brasil e inserida na abertura do Livro da Lei no Primeiro Grau, indo completamente contra a tradição do REAA que tem como original a leitura do Evangelho de São João, Cap. 1, 1 a 5. Essa prática acabou quase que se generalizando por aqui ao ponto de se enraizar em muitos rituais das Obediências brasileiras até hoje. A questão é quase como a cor do avental – a teimosia persiste. Pior ainda é que os pseudos ritualistas com isso dão prova de que não conhecem nada, mas absolutamente nada da doutrina do simbolismo escocês, sobretudo da alegoria que envolve o teatro da Natureza. Talvez um dia as coisas possam ser colocadas nos seus devidos lugares. 6 – Nunca. Isso é pura invenção. O que existe é o rompimento da Marcha do Grau de Aprendiz que no Rito Escocês é executado com o pé esquerdo. Agora simplesmente ingressar ou sair do recinto, bem como do Oriente, tanto faz qual pé será usado. O resto é mera especulação – pura bobagem de alguns que acham que o Templo é repositório de credos pessoais e ilações duvidosas. 7 – A despeito de que cerimônia de Instalação e Mestre Instalado é outro enxerto em se tratando de REAA, o procedimento por aqui acabou como prática consuetudinária. O ato de Instalação do Mestre da Loja é originário da Maçonaria Inglesa e, por extensão, da Norte Americana. Esse costume também pegou carona na cisão de 1.927 por razões óbvias ao ponto de estar hoje estratificado na base da nossa Maçonaria. No REAA, Rito de origem francesa, instalação significa simplesmente a posse de um Mestre que foi eleito para dirigir uma Loja. É o Venerável Mestre no exercício do seu cargo. Concluído o tempo como Venerável, na França ele será simplesmente um Ex-Venerável, já que o título honorífico de Mestre Instalado é costumeiramente conhecido e usado no Craft Inglês e Norte Americano. Infelizmente ainda uma boa parcela desses Mestres Instalados brasileiros ainda “acha” que esse título honorífico é qualificado como um Grau – mera especulação, pois a Maçonaria universalmente aceita é composta por três Graus – Aprendiz, Companheiro e Mestre. Dito isso, os símbolos mencionados na questão e que vão inseridos no avental de um Mestre Instalado (Venerável e Ex-Venerável) não são intitulados “Taus”, muito menos eles mencionados como invertidos. Isso é pura invenção. O símbolo nada mais é do que uma representação pictográfica do Nível (Primeiro Vigilante) e do Prumo (Segundo Vigilante).
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 19/29 Sua origem especulativa ou mística - se assim se pode dizer - está na descrição, em alguns casos, da verdadeira lenda criada para a instalação inglesa. Em linhas gerais é o Sinal com que H acalmou e organizou os construtores do Templo, cuja atitude deixou B, a Rainha, maravilhada diante do Rei Salomão. Ratifico: isso é apenas uma exposição lendária e não é unânime em toda a Moderna Maçonaria, mesmo a da Grã Bretanha. Assim esse símbolo pictográfico deu origem a um Sinal que envolve o Nível e o Prumo que em muitos casos ele é ensinado de modo contraditório, já que o Prumo, seguindo a lei da física é sempre representado de cima para baixo como perpendicular ao Nível, nunca ao contrário (o Mano sabe do que eu estou falando, já que não posso aqui detalhar essa ação e movimento desse Sinal sem ser antes execrado pelos puristas de plantão). Trocando em miúdos, o símbolo não é um “Tau” e sim uma composição do elemento horizontal com o vertical, cuja origem literal está sim num instrumento operativo amplamente usado pelos construtores medievais (Maçonaria de Ofício ou Operativa) durante o erguimento das construções. Esse instrumento era geralmente de madeira ou ferro e composto por um segmento de base horizontal que tinha preso a ele ligado na sua porção mediana um segmento vertical que tinha nele preso um fio de prumo com seu respectivo pêndulo. Esse conjunto tinha aparência de uma letra “T”, porém invertida o que lhe custaria essa alcunha de “tau invertido”. Esse instrumento denominado de Nível/Prumo era aplicado principalmente nos cantos da construção, cuja base horizontal dele, desde que o pêndulo coincidisse com o seu centro, determinava o nivelamento da base da construção enquanto que essa mesma coincidência definia também pelo segmento vertical a aprumada do canto. À época não existia o nível de bolha tal qual hoje conhecemos. Inclusive sob o aspecto alegórico é que não se recomenda na decoração da Loja o uso do nível de bolha, senão aquele já mencionado que representa o instrumento do passado. Dadas essas considerações é que esse tal de “Tau invertido” aparece em alguns aventais maçônicos. Entretanto ele nada mais é do que o instrumento Nível/Prumo, tanto sob o aspecto lendário e especulativo já aqui mencionado bem como sob o aspecto prático haurido da época operativa dos Construtores Medievais, ancestrais da Moderna Maçonaria. Daí ele, o símbolo, é sempre representado com uma base horizontal (nível) para baixo tendo sobre o meio dele fixado um segmento perpendicular que indica a verticalidade (prumo). Igualmente a questão não é a de inverter o símbolo como o Irmão menciona na questão, porém executar o Sinal a ele inerente de modo coerente com a Lei Natural – pelo efeito da gravidade, no planeta Terra, seguindo a ordem natural das coisas, um Prumo sempre apontará o seu pêndulo na direção do o solo, cuja verificação da verticalidade é de cima para baixo. Finalizando, devo salientar que os meus apontamentos até aqui não visam sob qualquer hipótese desrespeitar e criticar rituais dessa ou daquela Obediência. As questões comentadas apenas buscam a coerência e a razão dos fatos, mesmo que eles sejam simbólicos e alguns hauridos do pensamento humano. T.F.A. PEDRO JUK – jukirm@hotmail.com - Fev/2016
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 20/29 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GLSC - http://www.mrglsc.org.br Data Nome Oriente 01.07.1977 Alferes Tiradentes, nr. 20 Florianópolis 07.07.1999 Solidariedade Içarense, nr. 73 Içara 07.07.2005 Templários da Nova Era, nr. 91 Florianópolis 10.07.2007 Obreiros da Maravilha, nr. 96 Maravilha 12.07.1980 XV de Novembro, nr. 25 Imbituba 21.07.1993 Liberdade Criciumense, nr. 55 Criciuma 28.072006 Anhatomirim, nr. 94 Florianópolis 31.07.1975 Obreiros de Hiram, nr. 18 Xanxerê 31.07.2007 Acácia Palhocense, nr. 97 Palhoça GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Loja Oriente 02.07.01 Renovação - 3387 Florianópolis 03.07.78 Flor da Acácia - 2025 Itajaí 08.07.10 Lealdade - 3058 Florianópolis 13.07.01 Frat. Alcantarense - 3393 Biguaçú 14.07.2006 Acadêmica Razão e Virtude nr. 3786 (Rito Moderno) Brusque - SC 17.07.02 Colunas da Serra - 3461 Joinville 17.02.02 Mestres da Fraternidade-3454 Florianópolis 17.07.97 Compasso das Águas -3070 São Carlos 23.07.1875 Luz e Caridade - 327 São Francisco do Sul 26.07.05 Frat. Acad. Ciência e Artes - 3685 Jaraguá do Sul 29.07.96 Estrela Matutina - 2965 Florianópolis Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mês de julho 7 – Destaques (Resenha Final)
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 21/29 GOSC https://www.gosc.org.br Amizade ‘’Amigo é alguém que fala ao nosso coração. Mesmo se houver uma diferença nas habilidades, papéis ou posições, há uma visão de igualdade que não permite nenhum sentimento de superioridade ou inferioridade. Há tal proximidade respeitosa que um não invade a personalidade do outro. As fraquezas são vistas como algo alheio que, na hora apropriada, deixarão de existir. Você não necessita provar-se para um amigo, pois você é amado como é, e o que você é basta.’’ José Aparecido dos Santos TIM: 044-9846-3552 E-mail: aparecido14@gmail.com Visite nosso site: www.ourolux.com.br "Tudo o que somos é o resultado dos nossos pensamentos". Data Nome da Loja Oriente 04/07/1999 Giuseppe Garibaldi Florianópolis 04/07/2002 Léo Martins São José 11/07/2009 Universitária Luz de Moriah Chapecó 11/07/2009 Passos dos Fortes Xaxim 12/07/2006 Colunas Da Concórdia Concórdia 18/07/2003 Ardósia do Vale Rio do Sul 21/07/1973 Silêncio de Elêusis Chapecó 22/07/1981 Acácia da Ilha Florianópolis 24/07/2013 Triângulo Força e União Cocal do Sul 25/07/1995 Gitahy Ribeiro Borges Florianópolis 26/07/1980 União da Fronteira São Miguel do Oeste 27/07/1981 Arquitetos do Oriente Xanxerê 27/07/2009 Luz da Acácia Capivari de Baixo
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 22/29 CMSB-2016 O Irmão Fernando Zamora, Grão-Mestre da Grande Loja Estado do Acre, em franca atividade na Plenária da XLV (45ª) CMSB, que se realiza em Maceió das Alagoas juntamente com o editor do JB News. Registro da salutar companhia, na alegre ”Noite da Alagoanidade” realizada no Centro de Eventos de Maceió na noite de segunda-feira.
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 23/29 Instalação e Posse do novo Venerável Mestre da Loja Lara Ribas (do correspondente Irmão Borbinha) - Na última quarta-feira (29/06) foi realizada a Sessão Magna de Instalação do Venerável da Loja Lara Ribas-66 (GOSC). A chapa Composta pelo VM - Ir:. Ismael Rogério da Silva, 1o Vig:. Márcio Ramos, 2o Vig:. Murilo Chiarelli e Tes:. Jorge Luiz Espindola. A Sessão foi Presidida Pelo M:.I:. da Loja, Irmão Maycon Rodrigo Baldessari e tendo também 4 MM:.II:. da A:.R:.B:.L:.S:. - Lealdade, Ação e Vigilância (LAV) - GOSC como Instaladores. Representando o Grão Mestre, estava o Delegado da 1a Delegacia Ilha Norte, Irmão Renato José Thiesen. Após a Sessão todos foram comemorar com um delicioso ágape. Acompanhe outros destaques da Sessão de Instalação.
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 24/29
  25. 25. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 25/29
  26. 26. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 26/29
  27. 27. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 27/29 O Prumo de Hiram O Pentagrama: Maçônico? Satânico? Ou o que? Um amigo que é cristão me questionou sobre o meu envolvimento com a maçonaria. “Eu pensei que você fosse um cristão”, disse ele. “Por que você está em um lugar desse, maçônico? Todo mundo sabe que eles usam um pentagrama”. Este absurdo tem aos montes na internet. O pentagrama, ou estrela de cinco pontas, é na verdade um símbolo comum. Ele aparece 27 vezes na bandeira do Brasil e 50 vezes na bandeira americana, embora os teóricos da conspiração, aparentemente esquecendo o que este símbolo significa, afirmam que as estrelas foram colocadas na bandeira dos EUA pelo bruxo “George Washington durante uma de suas missas negras ou rituais satânicos”. [...] Leia o restante deste texto no link abaixo: http://www.oprumodehiram.com.br/o-pentagrama-maconico/ Vejam as outras seções em http://www.oprumodehiram.com.br
  28. 28. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 28/29 Ir Marcelo Angelo de Macedo, 33∴ MI da Loja Razão e Lealdade nº 21 Or de Cuiabá/MT, GOEMT-COMAB-CMI Tel: (65) 3052-6721 divulga diariamente no JB News o Breviário Maçônico, Obra de autoria do saudoso IrRIZZARDO DA CAMINO, cuja referência bibliográfica é: Camino, Rizzardo da, 1918-2007 - Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014 - ISBN 978-85.370.0292-6) BREVIÁRIO MAÇÔNICO – 6 de julho INSÍGNIAS A Insígnia é a materialização de um estado de dinâmica; o profissional portará uma insígnia que definirá sua atividade; é, portanto, um distintivo, um sinal, um emblema, uma identificação. Maçonicamente, é a identificação do posto e cargo que o maçom exerce dentro da Loja. Como exemplo, diremos que a Insígnia do Aprendiz é o seu imaculado avental. Os aventais, as faixas, as medalhas, os colares, as joias e comendas são Insígnias; cada Grau possui as suas peculiares. Na Maçonaria Filosófica, que abrange dez vezes mais cargos e graus que a Maçonaria Simbólica, as Insígnias são em maior número e variações. A tendência do novel maçom é munir-se de um “distintivo” que o identifique no mundo profano. Na atualidade, há exageros, pois – além do clássico distintivo aposto na lapela – usam-se (indevidamente) desenhos na gravata, anéis, fivela nos cintos, logotipos nos papeis, medalhas; para as mulheres, os adereços costumeiros, como broches, medalhões etc. Se de um lado é louvável que o maçom sinta orgulho de sê-lo, por outro não passa de exibição e ostentação. Não há nenhum interesse que o maçom se identifique no mundo profano, pois o seu “distintivo” deve ser a sua personalidade e o seu comportamento, aliados ao seu conhecimento. A sobriedade, no maçom, é uma virtude. RIZZARDO DA CAMINO
  29. 29. JB News – Informativo nr. 2.104 – Maceió (AL) quarta-feira, 6 de julho de 2016 Pág. 29/29 Maceió. Sede da 45ª CMSB.

×