Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.
No folclore popular hebreu ela é tida como a primeira esposa de   Adão. Ela o abandonou partindo do Jardim do Éden, em fun...
A EVOLUÇÃO DO MITO NA DEGENERAÇÃO DA IMAGEM FEMININA   Três anjos foram enviados para convencê-la a retornar ao   Éden, po...
A imagem mais conhecida de Lilith é a que nos foi passada     através da cultura hebraica, uma vez que os hebreus      for...
Na Suméria e na Babilônia, Lilith era, ao mesmo tempo,   cultuada e também identificada com os aspectos   negativos da Mãe...
Pode ser que, em função de sua  longínqua associação noturna e  representações artísticas da  Antiguidade, tenha surgido a...
A palavra Lilith vem do sumério Lulu, que   significa “libertinagem”, e também pode   ser interpretada como “licenciosidad...
Na Era Medieval, Lilith foi bem  reconhecida como uma entidade  malévola, na boca dos camponeses  supersticiosos manipulad...
Em Isaías 34:14 temos: “E as feras     do deserto se encontrarão com   hienas; e o sátiro clamará ao seu   companheiro; e ...
Assim, a transformação de uma deusa  sagrada e ctônica (do útero de uma terra  enegrecida) se deu no modelo hebraico  sob ...
NO EGITO ANTIGO Associações com   Isis e Hator
SIX – SIX – SIX   SEX – SEX – SEX SEXY – SEXY – SEXY SEXO – SEXO – SEXOPODER - SEXO - PRAZER
A “loucura”, manifestando-se nos transtornos mentais em mulheres, pode estar    relacionada à repressão violenta da libido...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAShttp://www.slideshare.net/ojrbentes/lilith-a-lua-negra-a-senhora-do-destino             http://w...
Lilith - A primeira mulher mítica a ter consciência do seu papel no processo da individuação feminina
Lilith - A primeira mulher mítica a ter consciência do seu papel no processo da individuação feminina
Lilith - A primeira mulher mítica a ter consciência do seu papel no processo da individuação feminina
Lilith - A primeira mulher mítica a ter consciência do seu papel no processo da individuação feminina
Lilith - A primeira mulher mítica a ter consciência do seu papel no processo da individuação feminina
Lilith - A primeira mulher mítica a ter consciência do seu papel no processo da individuação feminina
Lilith - A primeira mulher mítica a ter consciência do seu papel no processo da individuação feminina
Lilith - A primeira mulher mítica a ter consciência do seu papel no processo da individuação feminina
Próxima SlideShare
Cargando en…5
×
Próxima SlideShare
Lilith_ Individuação!
Siguiente
Descargar para leer sin conexión y ver en pantalla completa.

3

Compartir

Descargar para leer sin conexión

Lilith - A primeira mulher mítica a ter consciência do seu papel no processo da individuação feminina

Descargar para leer sin conexión

A sabedoria feminina integrando seus conteúdos sombrios e manifestando seu direito de pertencer e existir.

Ensaio desenvolvido para uma palestra de 2012.
Nem todas as fontes de pesquisa são confiáveis, algumas carecem de detalhes e veracidade. As melhores estão em inglês, sendo atualmente traduzidas para um trabalho de campo mais profundo que será posteriormente publicado em diversos formatos.

Por ora, este trabalho nos serve de ponto de partida para nossos questionamentos a respeito da evolução do mito e da libertação feminina, bem como a evolução das relações do Feminino com seu Animus.

Um pedido especial àqueles que forem utilizar este trabalho como referência:
* Por favor, sempre citem a fonte de pesquisa *

Para mais artigos sobre Lilith, acessem http://www.luciaurea.com

Audiolibros relacionados

Gratis con una prueba de 30 días de Scribd

Ver todo

Lilith - A primeira mulher mítica a ter consciência do seu papel no processo da individuação feminina

  1. 1. No folclore popular hebreu ela é tida como a primeira esposa de Adão. Ela o abandonou partindo do Jardim do Éden, em função de um requerimento negado por Deus, ao seu direito de pertencer e existir como igual em relação ao seu homem, pelo equilíbrio entre Feminino e Masculino, representados em seu discurso de também querer ficar por cima durante a relação sexual; e foi posteriormente demonizada após sua “expulsão” do paraíso hebreu, como conseqüência de sua ousadia, segundo a visão patriarcal.Esta lida é encontrada em algumas versões do Gênesis, no Antigo Testamento, segundo o reconhecimento de que Lilith havia sido criada por Deus com a mesma matéria prima de Adão, e por isso, era sua igual. Deus decide então, dar uma segunda esposa para suprimir a solidão de Adão: Eva, sendo esta feita de sua costela, e tendo portanto, um status menor na hierarquia da existência.Na modernidade, esse evento levou à popularização da idéia de que Lilith foi a primeira mulher mítica a ter consciência de sua importância e papel no Feminino Arquetípico, e por essa razão, se impôs contra o sistema patriarcal.
  2. 2. A EVOLUÇÃO DO MITO NA DEGENERAÇÃO DA IMAGEM FEMININA Três anjos foram enviados para convencê-la a retornar ao Éden, porém ela, ofendida, se recusou a voltar, unindo-se aos “anjos caídos” e casando-se com Samael, que posteriormente seria transformado, pela tradição cristã canônica, em Lúcifer.Sob a forma de Samael, Lúcifer tentou a Eva, enquanto Lilith tentava a Adão, seduzindo-os ao adultério. Desde então, segundo o mito, o homem, em sua condição humana, foi expulso do paraíso divino e Lilith, por sua vez, passou a ser “condenada” a destruir a humanidade, por ser esta a resultante do Sexo, o Pecado Original, ironicamente regido por Lilith como o Rito da Vida e da Fertilidade.O homens, filhos do adultério de Adão com Eva, passaram a ser perseguidos, principalmente os que cometiam adultério; e as crianças, descendentes da maldição de seus pais originais, seriam por ela devoradas; e os recém casados, seduzidos por sua vingança.
  3. 3. A imagem mais conhecida de Lilith é a que nos foi passada através da cultura hebraica, uma vez que os hebreus foram aprisionados e reduzidos à servidão durante o Império Babilônico, onde Lilith era cultuada. É bastante provável que os hebreus vissem a Lilith como um símbolo de algo negativo e desprezível.E é desta forma que sua transformação, de Deusa para um status deturpado, foi elaborada pelo modelo hebraico religioso. Assim surgiram as lendas vampirescas, posteriormente adaptadas e manipuladas pela Igreja Católica: Lilith dava à luz a cem filhos por dia, súcubus quando femininos e íncubus quando masculinos, ou lilims, como eram conhecidos. Acreditava-se que eles se alimentavam da energia desprendida do corpo humano durante o ato sexual e também de seu sangue. Eram dotados do dom de manipular os sonhos humanos, e seriam os responsáveis pelas poluções noturnas em meninos.
  4. 4. Na Suméria e na Babilônia, Lilith era, ao mesmo tempo, cultuada e também identificada com os aspectos negativos da Mãe Terrível, sendo igualmente equiparada em poder com demônios e espíritos malignos.É possível que esta brecha tenha sido aproveitada pelos hebreus para recontar o mito, afim de prevenir, fortalecer e proteger psicologicamente a seu povo.Seus símbolos mais utilizados eram a Lua e a coruja, pois assim como a lua ela seria uma deusa de fases boas e ruins; e também, assim como a coruja, poderia enxergar e caçar durante a noite, podendo ser este um significado para representar o inconsciente, simbolizado pelos aspectos noturnos da coruja e da Lua.Alguns estudiosos a comparam a várias deusas da fertilidade, como também com deusas terríveis, devido ao sincretismo com outras culturas.
  5. 5. Pode ser que, em função de sua longínqua associação noturna e representações artísticas da Antiguidade, tenha surgido a denominação screech owl, sob o animal totêmico da coruja, também relacionada à sabedoria feminina lunar.Há uma famosa tradução inglesa, da Bíblia KJV ou King James Version, em Isaías 34:14: The screech owl also shall rest there. (Tradução: a coruja também deve descansar lá.)
  6. 6. A palavra Lilith vem do sumério Lulu, que significa “libertinagem”, e também pode ser interpretada como “licenciosidade amorosa”, como também “aquela que se apoderou da Luz.”
  7. 7. Na Era Medieval, Lilith foi bem reconhecida como uma entidade malévola, na boca dos camponeses supersticiosos manipulados pelo cristianismo, em crenças como: deixar um amuleto com o nome dos três anjos que tentaram levá-la de volta ao Éden, Sanvi, Sansavi e Samangelaf, para que ela não tirasse a vida do crente; assim como para as mulheres, era dada a crendice para que acordassem seus maridos se sorrissem enquanto dormiam, pois os mesmos estariam sob os efeitos do poder da deusa.
  8. 8. Em Isaías 34:14 temos: “E as feras do deserto se encontrarão com hienas; e o sátiro clamará ao seu companheiro; e Lilite pousará ali, e achará lugar de repouso para si.” É clara a associação desta passagem com o mito do deus Pan, demonizado juntamente com Apolo para o simbolismo de Lúcifer, posteriormente criado pela Igreja cristã.Nas traduções modernas da Bíblia a palavra Lilite é substituída por demônio ou bruxa do deserto.
  9. 9. Assim, a transformação de uma deusa sagrada e ctônica (do útero de uma terra enegrecida) se deu no modelo hebraico sob o título de demônio sexual.E assim, igualmente, surgiram as lendas sobre as vampiras fêmeas, muito antes de Byron recriar o mito do vampiro sedutor no período romântico: Lilith dava à luz a cem lilims por dia, súcubus quando fêmeas e íncubus quando machos.Uma vez possuído por um súcubo, dificilmente um homem saía com vida. Neste aspecto, Lilith era relacionada ao rito do canibalismo.
  10. 10. NO EGITO ANTIGO Associações com Isis e Hator
  11. 11. SIX – SIX – SIX SEX – SEX – SEX SEXY – SEXY – SEXY SEXO – SEXO – SEXOPODER - SEXO - PRAZER
  12. 12. A “loucura”, manifestando-se nos transtornos mentais em mulheres, pode estar relacionada à repressão violenta da libido.A histeria, a síndrome do pânico, as esquizofrenias, as paranóias, gerando sofrimento como alucinações auditivas e visuais, manias de perseguição, dores sem causa aparente, complexo de culpa por acreditar que “praticou o mal”, como também o sexo como símbolo do mal, inclusive tentativas consecutivas de suicídio, sensações de ser inadequada ou estar marginalizada, podem ser uma resultante psíquica de uma força arquetípica muito poderosa reprimida no inconsciente feminino, e que pede para ser integrada, através da aceitação do instinto, da sexualidade, da intuição, da inteligência e da criatividade.Desconfianças paranóides de tudo e de todos: dos filhos, do marido, da família, dos amigos, do amor, da capacidade de amar dos homens e do Divino.
  13. 13. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAShttp://www.slideshare.net/ojrbentes/lilith-a-lua-negra-a-senhora-do-destino http://www.slideshare.net/Betamasc/lilith-individuao http://pt.wikipedia.org/wiki/Lilith http://www.gnosisonline.org/textos-especiais/lilith-a-lua-negra/ Estudo revisado e editado por Luciaurea Kaha Escritora e analista junguiana MÚSICA Silentium by Serpent Musick/Sérvia www.luciaureakaha.wordpress.com
  • CarlosAlves101

    Nov. 23, 2018
  • atilalutz

    Jun. 14, 2018
  • CintiaLins

    Feb. 26, 2016

A sabedoria feminina integrando seus conteúdos sombrios e manifestando seu direito de pertencer e existir. Ensaio desenvolvido para uma palestra de 2012. Nem todas as fontes de pesquisa são confiáveis, algumas carecem de detalhes e veracidade. As melhores estão em inglês, sendo atualmente traduzidas para um trabalho de campo mais profundo que será posteriormente publicado em diversos formatos. Por ora, este trabalho nos serve de ponto de partida para nossos questionamentos a respeito da evolução do mito e da libertação feminina, bem como a evolução das relações do Feminino com seu Animus. Um pedido especial àqueles que forem utilizar este trabalho como referência: * Por favor, sempre citem a fonte de pesquisa * Para mais artigos sobre Lilith, acessem http://www.luciaurea.com

Vistas

Total de vistas

2.654

En Slideshare

0

De embebidos

0

Número de embebidos

14

Acciones

Descargas

115

Compartidos

0

Comentarios

0

Me gusta

3

×