Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Industrialização do Brasil - Professor Menezes

0 visualizaciones

Publicado el

  • Sé el primero en comentar

Industrialização do Brasil - Professor Menezes

  1. 1. INDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL Professor Menezes
  2. 2. 1500 a 1808 Proibição da industrialização Nesta época se fazia restrição ao desenvolvimento de atividades industriais no Brasil. Apenas uma pequena indústria para consumo interno era permitida, devido às distâncias entre a metrópole e a colônia. Eram, principalmente, de fiação, calçados, vasilhames. Na segunda metade do Sec XVIII algumas indústrias começaram a crescer, como a do mármore e a têxtil. Portugal já possuía essas indústrias, abrindo assim uma concorrência ao comércio da corte e poderiam tornar a colônia independente financeiramente, adquirindo a possibilidade da independência política. Assim, em 5 de janeiro de 1785, D. Maria I assinou um Alvará extinguindo todas as manufaturas têxteis da colônia, exceto a dos panos grossos para uso dos escravos e trabalhadores.
  3. 3. 1808 a 1930 Primeiro período da industrialização Primeira fase (1808 – 1850) - Em 1808, chegando ao Brasil a família real portuguesa, D. João VI revogou o alvará, abriu os portos ao comércio exterior e fixou taxa de 24% para produtos importados, exceto para os portugueses que foram taxados em 16%. Em 1810, através de um contrato comercial com a Inglaterra, foi fixada em 15% a taxa para as mercadorias inglesas por um período de 15 anos Em 1844, o então Ministro da Fazenda, Manuel Alves Branco, decretou uma lei (Lei Alves Branco) que ampliava as taxas de importação para 20% sobre produtos sem similar nacional e 60% sobre aqueles com similar nacional. Assim, algumas atividades industriais do país foram protegidas.
  4. 4. Primeira fase (1808 – 1850 - Em 1848, a indústria têxtil obteve incentivos fiscais e, no ano seguinte, as matérias-primas necessárias à indústria do país receberam isenção das taxas alfandegárias. Mas nem esses incentivos foram suficientes para alavancar o desenvolvimento industrial..
  5. 5. Segunda fase (1850 – 1930) - Em 1850, é assinada a Lei Eusébio de Queirós, proibindo o tráfico intercontinental de escravos (embora o tráfico interprovincial continuasse, destacando-se a transferência de escravos da decadente economia nordestina para o Oeste Paulista, que vivia a ascensão da cafeicultura) e que trouxe duas consequências importantes para o desenvolvimento industrial: - Os capitais que eram aplicados na compra de escravos ficaram disponíveis e parte deles foram aplicados no setor industrial; - A cafeicultura, que estava em pleno desenvolvimento, necessitava de mão de obra, abrindo espaço para a introdução dos imigrantes, que também eram mão-de-obra mais qualificada, e que viriam a atender as necessidades da industrialização nas cidades.
  6. 6. Segunda f a s e ( 1 8 5 0 – 1 9 3 0 ) - O setor que mais cresceu foi o têxtil, favorecido em parte pelo crescimento da cultura do algodão em razão da Guerra de Secessão dos Estados Unidos, entre 1861 e 1865. Na década de 1880 ocorreu o primeiro surto industrial quando a quantidade de estabelecimentos passou de 200, em 1881, para 600, em 1889. Esse primeiro momento de crescimento industrial inaugurou o processo de substituição de importações. Entre julho de 1914 e novembro 1918 ocorreu a 1ª Guerra Mundial e, a partir dai, vamos constatar que os períodos de crise foram favoráveis ao nosso crescimento industrial. Nesses períodos a exportação do café era prejudicada e havia dificuldade em se importar os bens industrializados, estimulando dessa forma os investimentos e a produção interna, basicamente indústria de bens de consumo
  7. 7. O outro foi marcado pela Revolução de 1930, com Getúlio Vargas, quando começou uma mudança na política interna, afastando do poder do estado oligarquias tradicionais que representavam os interesses agrários-comerciais. Getúlio Vargas adotou uma política industrializante, com a substituição de mão-de-obra imigrante pela nacional. A mão-de- obra passou a ser a imigrante européia e movimentos migratórios de nordestinos. Vargas investiu forte na criação da infra-estrutura industrial: indústria de base e energia. Destacando-se a criação de: Conselho Nacional do Petróleo (1938) Companhia Siderúrgica Nacional (1941) Companhia Vale do Rio Doce (1943) Companhia Hidrelétrica do São Francisco (1945) Foram fatores que contribuíram para o desenvolvimento industrial a partir de 1930: o grande êxodo rural, devido a crise do café, com o aumento da população urbana que foi constituir um mercado consumidor e mão de obra.
  8. 8. A redução das importações em função da crise mundial e da 2ª Guerra Mundial, que favoreceu o desenvolvimento industrial, livre de concorrência estrangeira. Aumento das exportações devido à 2ª Guerra Mundial. A iniciativa privada, mais precisamente a indústria de autopeças, foi que deu início à indústria automobilística do Brasil. De 1891 até o final da década de 1940 a indústria automobilística nacional manteve-se da importação de veículos. Para os políticos, era preciso desenvolver o parque automotivo brasileiro. O então presidente da República, Getúlio Vargas, proíbe a importação de veículos montados e cria obstáculos à importação de peças. Foi Juscelino Kubitschek, presidente empossado em 31 de janeiro de 1956, que deu o impulso à implantação definitiva da indústria automotiva:
  9. 9. Parte da mão-de-obra imigrante vai para a indústria
  10. 10. CSN (produção de aço)
  11. 11. Vale do Rio Doce (mineração)
  12. 12. A idéia de criar a Fábrica Nacional de Motores surgiu em 1939, no período da história brasileira chamado de Estado Novo. Era o governo do presidente Getúlio Vargas, que desejava transformar o Brasil em uma economia industrializada
  13. 13. Romi-Isetta (1956)
  14. 14. 1957 – Kombi – Volkswagen
  15. 15. DKW-Vemag (1961)
  16. 16. Ford – F100 (1957)
  17. 17. Jeep Willys – F100 (1952)
  18. 18. Brasil 3100 – Chevrolet (1958)
  19. 19. FIM

×