Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.
Análise da obra romântica:

A moreninha,
de Joaquim M. Macedo
•O romance A moreninha, tem origem
folhetinesca.
De origem francesa: “Feuilleton”, veio a ser
conhecido no Brasil como uma...
O Romantismo

•A obra, sob o caráter romântico, evidencia a
importância da utilização dos valores morais
genuínos, present...
Cenário
•Ilha de Paquetá, não mencionada pelo
autor, mas sabe-se através de pesquisas e
estudos que foi esta ilha ,localiz...
Ilha de Paquetá
Narrador
•O narrador presente na narrativa é observador,
pois não participa da história.
•Há citações da descrição esféric...
Linguagem
• A linguagem usada pelo autor é simples e
objetiva, porém com várias aplicações
rebuscadas. A narrativa é ágil ...
Tempo
• O tempo cronológico em que toda a história
ocorre é de três semanas e meia,
aproximadamente.

• É mais ou menos li...
Personagens
principais

Cenas da novela A Moreninha
Carolina,
A Moreninha
• Recebe esse apelido por possuir um tom de pele que
contrasta com o tom pálido das européias, significando a
nacionalidad...
Augusto
• Augusto é um estudante do quinto ano de
medicina, com aproximadamente 22 anos de
idade.
• Um rapaz romântico, namorador,...
Personagens secundários
Compõem o quadro da sociedade burguesa do séc. XIX, tendo como pano de
fundo os escravos.
• D. Ana...
D. Ana
• Paula:
Ama-de-leite de Carolina; incentivada por Keblerc, bebeu vinho e
ficou bêbada.
• Keblerc:
Alemão que, diante das ...
Filipe, Leopoldo e
Fabrício
Contexto Histórico
• Chegada da Corte Portuguesa no Rio de
Janeiro. Trazendo influências européias para
a burguesia brasil...
Contexto social
• Valorização da burguesia.
• Sociedade escravocrata
O papel social da mulher
Esses romances tinham como público-alvo as mulheres burguesas.
Porque tinha-se o costume ,na époc...
Cenas importantes
A aposta
• A narrativa se inicia, relatando o episódio
em que os quatro estudantes ,
principalmente Filipe, apostam que
Au...
Infância
• Carolina e Augusto já se conheciam.
• Quando crianças, eles selaram uma promessa, na
qual juraram que iriam se ...
Dia de Sant’ Ana
• O dia de Sant’ Ana foi o início da concretização
do romance de Carolina e Augusto. É uma
comemoração , na qual, os quatr...
A gruta
• A gruta, que fica sob a Pedra da Moreninha, é
a parte mítica da história. Os enigmas e
também suas resoluções, estão vin...
O Camafeu e a Esmeralda

Broche de camafeu
• Para resgatar os sentimentos de fidelidade e honra, o
autor lançou mão do artifício de uma promessa que
não poderia ser ...
Os breves

breve
Clímax
• O clímax do romance, ocorre quando Carolina
fala que Augusto deve procurar a menina que
ele jurou se casar na inf...
Desfecho
Como todo bom romance
romântico, o desfecho dá-se
no final da história quando
Augusto e Carolina já estão
de casa...
O autor
Joaquim Manuel de
Macedo (Itaboraí, 24
de junho de 1820 —
Rio de Janeiro, 11 de
abril de 1882) foi um
médico e esc...
• Em 1844, Joaquim Manuel de Macedo, formou-se em
Medicina no Rio de Janeiro, e no mesmo ano estreou na
literatura com a p...
A Moreninha da vida real
• E A Moreninha existiu? Supõe-se que a
verdadeira identidade da moreninha é Maria
Catarina de Ab...
Intertextualidade
Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo
Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo
Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo
Próximo SlideShare
Cargando en…5
×

de

Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 1 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 2 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 3 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 4 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 5 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 6 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 7 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 8 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 9 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 10 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 11 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 12 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 13 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 14 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 15 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 16 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 17 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 18 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 19 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 20 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 21 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 22 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 23 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 24 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 25 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 26 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 27 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 28 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 29 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 30 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 31 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 32 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 33 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 34 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 35 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 36 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 37 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 38 Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo Slide 39
Próximo SlideShare
A Moreninha
Siguiente
Descargar para leer sin conexión y ver en pantalla completa.

54 recomendaciones

Compartir

Descargar para leer sin conexión

Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo

Descargar para leer sin conexión

Libros relacionados

Gratis con una prueba de 30 días de Scribd

Ver todo

Audiolibros relacionados

Gratis con una prueba de 30 días de Scribd

Ver todo

Análise Literária do Livro "A Moreninha" de Joaquim Manuel Macedo

  1. 1. Análise da obra romântica: A moreninha, de Joaquim M. Macedo
  2. 2. •O romance A moreninha, tem origem folhetinesca. De origem francesa: “Feuilleton”, veio a ser conhecido no Brasil como uma categoria literária presente nos jornais da época. A obra era publicada de forma parcial e sequenciada, fazendo com que o final de cada parte deixasse um mistério no ar, para que o leitor tivesse a vontade de adquirir o jornal seguinte.
  3. 3. O Romantismo •A obra, sob o caráter romântico, evidencia a importância da utilização dos valores morais genuínos, presentes na alma humana. • Foi considerada a primeira obra expressiva deste movimento literário no Brasil. • Apresenta o sentimentalismo ,próprio desse movimento e, idealização de um lugar perfeito, propício a concretização do amor. • Individualismo, emoção, heroísmo.
  4. 4. Cenário •Ilha de Paquetá, não mencionada pelo autor, mas sabe-se através de pesquisas e estudos que foi esta ilha ,localizada na Baía de Guanabara, na cidade de Rio de Janeiro, o cenário do Romance, A moreninha. •A descrição do cenário da cidade grande com sua festividades e costumes sugerem um romance urbano.
  5. 5. Ilha de Paquetá
  6. 6. Narrador •O narrador presente na narrativa é observador, pois não participa da história. •Há citações da descrição esférica dos personagens(psicologicamente) e também da descrição plana(ação dos personagens). • •É narrado em 3ª pessoa.O narrador está em toda parte em todos os momentos , portanto é um narrador onisciente.
  7. 7. Linguagem • A linguagem usada pelo autor é simples e objetiva, porém com várias aplicações rebuscadas. A narrativa é ágil em seus desdobramentos e prende a atenção do leitor segundo o direcionamento do narrador. • Apresenta alguns estrangeirismos:’C’est trop fort!’ expressão de origem francesa que significa :É demais! ‘ robe de chambre ‘, que significa roupão, de origem também francesa.
  8. 8. Tempo • O tempo cronológico em que toda a história ocorre é de três semanas e meia, aproximadamente. • É mais ou menos linear, ou seja, obedece até certo ponto a cronologia natural dos fatos, incorporando em alguns momentos a técnica do flashback.
  9. 9. Personagens principais Cenas da novela A Moreninha
  10. 10. Carolina, A Moreninha
  11. 11. • Recebe esse apelido por possuir um tom de pele que contrasta com o tom pálido das européias, significando a nacionalidade imposta pelo autor. • É uma menina inquieta, gosta de estar em toda a parte, astuta, engraçada. • Tem aproximadamente 16 anos,mora com sua avó, D. Ana É irmã de Filipe, amigo de Augusto. Pertence à classe alta da sociedade na época. • Possui o corpo esbelto, cabelos longos e negros, olhos e sorriso chamativos.
  12. 12. Augusto
  13. 13. • Augusto é um estudante do quinto ano de medicina, com aproximadamente 22 anos de idade. • Um rapaz romântico, namorador, alegre, jovial. A princípio se considera inconstante com as moças, mas que acaba revelando que guarda um amor verdadeiro por uma menina que conhecera a 8 anos. • Amigo de Filipe, Leopoldo e Fabrício, também estudantes de medicina.
  14. 14. Personagens secundários Compõem o quadro da sociedade burguesa do séc. XIX, tendo como pano de fundo os escravos. • D. Ana: Avó de Filipe e de Carolina, por quem tem uma afeição imensa. Tem sessenta anos, cheia de bondade. • Rafael: Escravo, criado de Augusto, espécie de pajem ou moleque de recados. É quem lhe prepara os chás e quem lhe atura o mau humor, levando castigos corporais (bolos) por quase nada. • Tobias: Escravo, criado de D. Joana, prima de Filipe. O negro tem dezesseis anos, é bemapessoado, falante, muito vivo quanto à questão de dinheiro.
  15. 15. D. Ana
  16. 16. • Paula: Ama-de-leite de Carolina; incentivada por Keblerc, bebeu vinho e ficou bêbada. • Keblerc: Alemão que, diante das garrafas de vinho, prefere ficar com elas a tomar parte na festa que se desenrola na ilha. Embriaga-se, mas não perturba o clima de harmonia em que se desenvolve a história. • Os estudantes amigos de Augusto: Fabrício, Felipe e Leopoldo. • As moças e senhoras da comemoração do dia de Sant’Ana: D. Quinquinha, D. Gabriela, D.Violante, D. Clementina.
  17. 17. Filipe, Leopoldo e Fabrício
  18. 18. Contexto Histórico • Chegada da Corte Portuguesa no Rio de Janeiro. Trazendo influências européias para a burguesia brasileira.
  19. 19. Contexto social • Valorização da burguesia. • Sociedade escravocrata
  20. 20. O papel social da mulher Esses romances tinham como público-alvo as mulheres burguesas. Porque tinha-se o costume ,na época, de as mães de família os lerem em voz alta em torno da mesa de jantar.
  21. 21. Cenas importantes
  22. 22. A aposta • A narrativa se inicia, relatando o episódio em que os quatro estudantes , principalmente Filipe, apostam que Augusto iria ficar apaixonado por mais de quinze dias por uma mesma moça, sem se cansar dela. • Se Augusto ficasse apaixonado e, perdesse a aposta, deveria, como prêmio, escrever um romance sobre a experiência que ele vivera.
  23. 23. Infância • Carolina e Augusto já se conheciam. • Quando crianças, eles selaram uma promessa, na qual juraram que iriam se casar no futuro. • Nenhum dos dois esqueceu disso, no entanto, eles não se reconhecem quando se reencontram na festa de Sant’Ana.
  24. 24. Dia de Sant’ Ana
  25. 25. • O dia de Sant’ Ana foi o início da concretização do romance de Carolina e Augusto. É uma comemoração , na qual, os quatro estudantes vão para uma ilha, que é a Ilha de Paquetá, festejar na casa de D. Ana. Lá começa uma trama, onde ocorrem muitos acontecimentos corriqueiros da sociedade burguesa.Evidencia o ócio dessa classe.
  26. 26. A gruta
  27. 27. • A gruta, que fica sob a Pedra da Moreninha, é a parte mítica da história. Os enigmas e também suas resoluções, estão vinculados à essa região da Ilha. Circula pela gruta uma lenda indígena, que é uma expressão nacionalista.
  28. 28. O Camafeu e a Esmeralda Broche de camafeu
  29. 29. • Para resgatar os sentimentos de fidelidade e honra, o autor lançou mão do artifício de uma promessa que não poderia ser quebrada. • Isso ao mesmo tempo foi o obstáculo para o amor de Augusto e Carolina, mas também foi o ponto essencial para dar emoção à história. Fazendo com que eles vencessem os empecilhos e tornando-os heróis. • A promessa feita na infância, foi selada com a troca de presentes entre os dois. • Carolina entregou-lhe um botão de esmeralda e Augusto entregou a ela uma espécie de broche de camafeu, ambos colocados em breves.
  30. 30. Os breves breve
  31. 31. Clímax • O clímax do romance, ocorre quando Carolina fala que Augusto deve procurar a menina que ele jurou se casar na infância, porém ele diz que ama Carolina e não a outra menina. Ele se desespera, mas depois ela lhe revela na gruta, que é a mulher a quem ele tinha prometido se casar na infância.
  32. 32. Desfecho Como todo bom romance romântico, o desfecho dá-se no final da história quando Augusto e Carolina já estão de casamento marcado e Augusto perde a aposta que havia feito com Filipe, tendo que escrever um romance. Essa situação de um romance, que tem como tema um romance, constitui uma metalinguagem.
  33. 33. O autor Joaquim Manuel de Macedo (Itaboraí, 24 de junho de 1820 — Rio de Janeiro, 11 de abril de 1882) foi um médico e escritor brasileiro: romancista, poeta, cronista literário, dramaturgo e, segundo José de Alencar: ‘um mestre’.
  34. 34. • Em 1844, Joaquim Manuel de Macedo, formou-se em Medicina no Rio de Janeiro, e no mesmo ano estreou na literatura com a publicação daquele que viria a ser seu romance mais conhecido, “A Moreninha“, que lhe deu fama e fortuna imediatas. • Abandonou a medicina e criou uma forte ligação com Dom Pedro II e com a Família Imperial Brasileira, chegando a ser preceptor e professor dos filhos da Princesa Isabel. • Macedo também atuou decisivamente na política, tendo militado no Partido Liberal, servindo-o com lealdade e firmeza de princípios, como o provam seus discursos parlamentares, conforme relatos da época. Nos últimos anos de vida padeceu de problemas mentais, morrendo pouco antes de completar 62 anos.
  35. 35. A Moreninha da vida real • E A Moreninha existiu? Supõe-se que a verdadeira identidade da moreninha é Maria Catarina de Abreu Sodré, com quem Joaquim Manuel de Macedo se casou depois de 10 anos de namoro. D. Maria Catarina era primairmã do poeta Álvares de Azevedo (18321879). Ela era filha única.
  36. 36. Intertextualidade
  • drykafontes

    Sep. 15, 2020
  • ThiagoBarbosa194

    Feb. 14, 2020
  • ultraconservador1

    Oct. 30, 2019
  • KellyZinilli

    Aug. 24, 2019
  • MelissaRocha33

    Aug. 19, 2019
  • MizaelSilva15

    Aug. 13, 2019
  • JniorSampaio4

    Jun. 19, 2019
  • JhonatanSantana12

    Jun. 3, 2019
  • SamKiller3

    May. 13, 2019
  • AnaFernandes375

    Apr. 28, 2019
  • ChrislainecarolinyDe

    Mar. 12, 2019
  • AndreysOliveira

    Dec. 4, 2018
  • jarbasbonifacio

    Oct. 28, 2018
  • ThiagoFelipe63

    Sep. 12, 2018
  • Elciene123

    Sep. 3, 2018
  • MariaMayer15

    Jun. 5, 2018
  • WellingtonSilva121

    May. 9, 2018
  • deylannepenha

    Mar. 11, 2018
  • BrendaSilva78

    Jul. 13, 2017
  • KarenMirandaSousa

    Jul. 3, 2017

Vistas

Total de vistas

84.605

En Slideshare

0

De embebidos

0

Número de embebidos

16

Acciones

Descargas

1.185

Compartidos

0

Comentarios

0

Me gusta

54

×