Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Drogas vasoativas

Seminário apresentado pela R2 de Enfermagem Mariana Barros

  • Sé el primero en comentar

Drogas vasoativas

  1. 1. Drogas Vasoativas Enfª R2 Mariana Barros Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade Residência Maio 2015
  2. 2. Objetivos • Conhecer as principais características farmacológicas de algumas drogas vasoativas. • Identificar os principais vasodilatadores e catecolaminas. • Compreender os principais cuidados de enfermagem a pacientes em uso de drogas vasoativas.
  3. 3. Revisando...
  4. 4. Drogas Vasoativas São substâncias que apresentam efeitos vasculares periféricos, pulmonares ou cardíacos, sejam eles diretos ou indiretos, atuando em pequenas doses e com respostas dose- dependente de efeito rápido e curto, através de receptores situados no endotélio vascular. VasopressoresCatecolaminas
  5. 5. Receptores
  6. 6. • Indicação: baixo DC com volemia controlada ou aumentada, choque cardiogênico, instabilidade hemodinâmica. • Dose-dependente • Efeito colateral: taquicardia, aumento da RVP e da PAP. Aumento do fluxo renal: 1 a 2 mcg/kg/min Inotrópico: 2,5 a 10 mcg/kg/min Vasopressor (aumento da PA): > 10 mcg/kg/min DOPAMINA
  7. 7. Contraindicação: Taquiarritmia Ventricular e Fibrilação Ventricular Solução Padrão • SF 0,9% e SG 5% - 200mL • Dopamina 50mg/10mL – 5 ampolas (50mL) ATENÇÃO!! não se administra juntamente com soluções alcalinas. (Ex. Bicarbonato de Sódio).
  8. 8. • Administração em veia de grosso calibre e de preferência AVC. • Administrar em BIC. • Rigor no gotejamento – efeitos dose-dependentes. • Manter extremidades do paciente aquecidas. Cuidados de Enfermagem
  9. 9. • Indicação: hipotensão e alguns tipos de choque. • Efeito vasopressor e inotrópico + • Em altas doses: ocorre vasoconstricção periférica com aumento da RVS. • Efeito colateral: vasoconstricção importante, arritmia, PCR e morte súbita. NORADRENALINA
  10. 10. Solução Padrão: • SG 5% - 180 mL • Noradrenalina 4mg/mL – 4ampolas (20mL) • Fotossensível, controle frequente da PA, aquecer membros, cuidado com o extravasamento da droga.
  11. 11. Cuidados de enfermagem • Armazenar em temperatura ambiente (15-30ºc). • Não congelar. • Proteção à luz. • Administrar em BIC e em veia de grosso calibre • A PA deve ser monitorizada a cada 15 minutos - ajuste da dose. • A função renal também deve ser monitorizada através de dosagens de uréia, creatinina e volume de diurese.
  12. 12. • Indicação: PCR, crise asmática grave e choque anafilático. • Interage com receptores α e β • Dose-dependente, com características vasopressoras, e estimulando a liberação de noradrenalina. • Induz aumento FC e do volume sistólico, e aumenta de forma significativa a RVP. ADRENALINA Aumento da PA e da função cardíaca
  13. 13. Efeitos Colaterais: arritmias, dor torácica, cefaleia e tontura. Solução Padrão: • SG 5% - 188mL • Adrenalina 1mg – 12 ampolas (12mL)
  14. 14. Cuidados de Enfermagem • Deve ser administrada com o auxílio de bombas de infusão. • Administrada através de uma veia central (de grosso calibre). • Monitorize a função respiratória, cardíaca (faça ECG), débito urinário;
  15. 15. • Indicação: baixo DC, IAM, POI e pré-operatório do Tx cardíaco, choque cardiogênico, IC descompensada, insuficiência do VE. • Aumento da contratilidade miocárdica sem interferir na RVS). • Possui efeito direto no coração e pouco efeito vascular periférico. • Inotrópico + DOBUTAMINA
  16. 16. • Promove vasodilatação e aumenta o fluxo das artérias coronárias. Reduz a impedância aórtica à ejeção ventricular – aumentando o DC, consumo de oxigênio pelo miocárdio e aumenta o volume sistólico. Solução Padrão • SF 0,9% - 230mL • Dobuta 250mg/20mL – 1ampola (20mL)
  17. 17. • Administração em veia de grosso calibre ou na circulação central. • Monitorar a frequência e o ritmo cardíaco; a pressão arterial e a velocidade de infusão; • Monitoração eletrocardiográfica. Cuidados de enfermagem
  18. 18. • Indicação: Insuficiência cardíaca sem hipotensão, insuficiência coronariana, angina instável e hipertensão. • Ação venosa predominante • Contraindicação: Hemorragia cerebral, tamponamento cardíaco, NÃO pode ser associado ao sildenafil. NITROGLICERINA (tridil)
  19. 19. • Efeitos colaterais: Hipotensão ortostástica, taquicardia, cefaleia e síncope, palpitação. • Recomendações: Administrar em frasco de vidro, PVC pode adsover 30% a 80% do princípio ativo. Solução Padrão • SG a 5% - 240mL • Nitroglicerina 50mg/10mL – 1 ampola 10mL
  20. 20. Cuidados de Enfermagem • Observar aspecto da solução antes e durante a administração. • Administrar as drogas com bomba de infusão. • A nitroglicerina intravenosa - interfere com o efeito anticoagulante da heparina.
  21. 21. NITROPUSSIATO de SÓDIO (nipride)
  22. 22. NITROPUSSIATO de SÓDIO (nipride) • Dilatação venosa e arteriolar. A sua ação vasodilatadora se deve ao aumento da liberação de óxido nítrico (NO), relaxando a musculatura lisa vascular. • Indicação: Crises hipertensivas, emergências hipertensivas, PO de cirurgia de grande porte, ICC. • Contraindicação: Hipertensão compensatória. NÃO pode ser associado ao sildenafil.
  23. 23. Solução Padrão • SG 5% - 248mL • Nitropussiato 50mg – 1 ampola (2mL)
  24. 24. Cuidados de Enfermagem • Não interromper subitamente a infusão - (efeito rebote). • ATENÇÃO a intoxicação por cianeto pode-se manifestar através da acidose metabólica, falta de ar, confusão mental e morte. • O frasco deve ser envolvido por material opaco, pois a droga é FOTOSSENSÍVEL, e deve-se utilizar equipo próprio.
  25. 25. REFERÊNCIAS BRODY; LARNER; MINNEMAN; NEU; Farmacologia humana da molécula a clínica. Rio de Janeiro: guanabara koogan, 2010. PEDROSA, L.C; OLIVEIRA JUNIOR. Doenças do coração: diagnóstico e tratamento. São paulo: revinter, 2011 SILVA, M.C.A; FERRAZ, S; COUTINHO, R.Q; PEDROSA, L; BARROS, F. Pauta de conduta do Unicordis: fundamentos para a boa prática médica em cardiologia. 1º Edição, p. 201-208, Recife, 2012; SMELTZER, S. C.; BARE, B. G. Brunner & Suddarth, tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 12º ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012; WOODS, S.L; FROELICHER, E.S.S; MOTZER, S.U. Enfermagem em cardiologia. 4º edição, Recife, 2005;
  26. 26. OBRIGADA

×