Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Conceito de Saúde 2

13.791 visualizaciones

Publicado el

Apresentação de Rondinelli Salvador Silva no Núcleo de Estudos em Saúde Pública de Marília/SP : http://www.nespmarilia.blogspot.com

  • Sé el primero en comentar

Conceito de Saúde 2

  1. 1. Rondinelli Salvador Silva Coordenador Científico Nacional DENEM
  2. 2. Conceito de Saúde I • Modelo Místico-Religioso • Modelo Biomédico • Modelo Biopsicossocial
  3. 3. Modelo Biomédico Patologia Clínica médica Saúde é definida negativamente: Ausência de doença Livre de valores Aplica-se indiferentemente a todas as espécies Ausência defeitos em um sistema físico
  4. 4. Infecciosas Não-infecciosas Clínica Médica: tempo de duração Agudas Crônicas Modelo Biomédico Risco Fatores etiológicos Fatores de risco Multicausalidade
  5. 5. Sóci o- políti co cultu ral Bioló gico Físic o Ambiente Externo ou Meio ambiente Ambiente Interno Fatores hereditários ou congênitos Defesas específicas Alterações organicas já existentes História Natural da Doença Modelo Processual
  6. 6. História Natural da Doença Modelo Processual Pré-Patogênese Patogênese: SER HUMANO AG MAH Horizonte Clínico Morte Cronificação Cura com sequela Cura Determinantes Nível Sub-clínico Nível Clínico Avanço: um processo de múltiplas e complexas determinações
  7. 7. Contextualização • Crise d0 Estado • Crise da Clínica • Incorporação da Psicologia Clínica • Movimentos por Direitos Civis
  8. 8. Repercussões do Biopsicossocial • Avanço no entendimento clínico do processo saúde- doença. • Busca por soluções biológicas/não-biológicas para problemas não biológicos. • Fragmentação das políticas de saúde • Humanização
  9. 9. Fragmentação das Políticas de Saúde • Políticas construídas em função de grupos sociais • Aquisição de direitos via Judiciário: HIV • Perda de foco quanto aos elementos essenciais no agravo a saúde. • Burocratização do SUS na distribuição de recursos.
  10. 10. Humanização • Conceito Sintoma • Responsabilização do Profissional e/ou do Sistema de Saúde pelas más condições deste. • Origem no Movimento por Direitos Civis femininos nos anos 1960 • Adoção como Príncipio a partir dos anos 1980 • Política Pública e ação social a partir dos anos 1990
  11. 11. Política Nacional de Humanização
  12. 12. Análise da Cartilha HumanizaSus • - Fragmentação do processo de trabalho e das relações entre os • diferentes profissionais; • - Fragmentação da rede assistencial dificultando a complementaridade • entre a rede básica e o sistema de referência; • - Precária interação nas equipes e despreparo para lidar com a • dimensão subjetiva nas práticas de atenção • - Sistema público de saúde burocratizado e verticalizado • - Baixo investimento na qualificação dos trabalhadores, especialmente • no que se refere à gestão participativa e ao trabalho em equipe;
  13. 13. Análise da Cartilha HumanizaSUS • - Desrespeito aos direitos dos usuários; • - Formação dos profissionais de saúde distante do debate e • da;formulação da política pública de saúde; • - Controle social frágil dos processos de atenção e gestão do SUS; • - Modelo de atenção centrado na relação queixa- conduta.
  14. 14. Proposta de Reorganização do SUS • Basicamente Proposta de Mudanças da Gestão em Saúde • Conceito de Tecnologia: Emerson Merhy • Tecnologia Leve • Tecnologia Leve-Dura • Tecnologia Dura
  15. 15. Determinação do Social do Processo Saúde Doença “Um efeito adverso à saúde é provocar, promover, facilitar ou exacerbar uma anormalidade estrutural e/ou funcional, com a implicação de que a anormalidade tem o potencial de abaixar a qualidade de vida, causar doença incapacitante ou levar à morte prematura.” (US National Academy of Sciences)
  16. 16. Determinação SocialAs oportunidades – probabilidades com que contam as pessoas para satisfazerem suas necessidades e desejos não diferem de forma aleatória, nem devido a outros fatores ambientais, genéticos ou biológicos. São calculadamente diferentes principalmente porque tem sua base na estrutura social, especialmente nos processos de produção e distribuição de bens escassos. Potencialidades Riscos PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
  17. 17. Histórico da Determinação • Contribuições de Percival Pott (1713-1788): câncer de escroto em ex-limpadores de chaminés (importância da anamnese ocupacional; importância do tempo de latência) • Contribuições de Louis René Villermé (1782- 1863): “... descrição comparativa das similaridades e diferenças entre trabalhadores da mesma atividade mas que trabalham em diferentes locais, e trabalhadores do mesmo estabelecimento, mas em atividades diferentes...” • Contribuições de William Farr (1807-1883): estudos de mortalidade geral e específica (doenças respiratórias) em áreas de mineração; idéia de “risco
  18. 18. CONCEPÇÃO DE SAÚDE Concepção biológica Concepção Processo Saúde Doença Caso Definido “a priori” Classificação de patologias Não definido “a priori” Identificado no modo de andar a vida Determinação do caso Alterações fisiopatológicas Resultantes do modo de vida das pessoas Expressão do caso Indivíduo doente Indivíduos que vivem, adoecem, morrem segundo a sua inserção na organização social Coletivo Somatória de indivíduos Expressão do resultado das tensões sociais que formam classes e frações de classes
  19. 19. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Concepção biológica Concepção processo SD Objeto do trabalho Indivíduo doente Indivíduos como expressão da forma peculiar de viver, adoecer e morrer das diferentes classes sociais. Coletivos Divisão técnica de trabalho Especialização médica Solução multidisciplinar de problemas de saúde Processo de trabalho Individual Coletivo. Em equipe Produto Cura de doentes Alteração do perfil de morbimortalidade das diferentes classes e frações de classes sociais - enfrentamento das desigualdades Relação de trabalho Alienado Consciência sanitária da população e dos trabalhadores
  20. 20. Caso Clínico José Carlos, 45 anos, casado, vigia noturno, tabagista 1 maço/dia/30anos, etilista (3 cervejas/dia). Comparece a consulta referindo Cefaléia Occipital constante há 1 ano. Traz consigo resultado de exame realizado há 02 meses com glicemia de jejum 150mg/dl. Relata que ultimamente se sente pressionado e estressado em função da inversão do padrão de sono e da necessidade de conseguir outro emprego uma vez que a sua filha de 16 anos encontra-se grávida (2 meses). Ao exame paciente ansioso PA 150x90mmHg, FC=85bpm, FR=20, AAA, eupneico, orientado no tempo e no espaço, peso= 96kg, altura= 1,70m, IMC = 33kg/m2 2brnf sem sopros mvfd sem ra
  21. 21. Caso Clínico Ao exame paciente ansioso PA 150x90mmHg, FC=85bpm, FR=20, AAA, eupneico, orientado no tempo e no espaço, peso= 96kg, altura= 1,70m, IMC = 33kg/m2 2brnf sem sopros mvfd sem ra Abdome globoso, flácido, rha presentes normoativos sem massas palpáveis. Fígado palpável a 2cm do rebordo costal direito. Bordas lisas, doloroso. Hipótese diagnósticas: HAS/Obesidade, Esteato- hepatite não alcoólica, Sindrome Metabólica.
  22. 22. Condutas Típicas Orientações sobre mudanças de estilo de vida e prática regular de exercícios físicos. Reforçar a importância da dieta e reeducação alimentar Necessidade de perda de peso Enfatizar necessidade de abandono do tabagismo Solicitação de nova glicemia de jejum, perfil hepático, perfil lipídico, eletrocardiograma, controle pressórico e retorno em uma semana.

×