SlideShare una empresa de Scribd logo
INSUFICIÊNCIA
RENAL AGUDA E
CRÔNICA
DRA MARIA JOSÉ GONZALEZ PARADA
CLÍNICA MÉDICA UNILUS
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
INSUFICIENCIA RENAL AGUDA
 ENTIDADE POTENCIALMENTE GRAVE MULTIFATORIAL---- DE
ELEVADA MORBIMORTALIDADE E QUE DEVE SER PRONTAMENTE
IDENTIFICADA PARA QUE SEJAM INSTITUÍDAS MEDIDAS CLÍNICAS
VISANDO SUA REVERSÃO E REDUÇÃO DE SUAS COMPLICAÇÕES
INJÚRIA RENAL AGUDA
SÍNDROME CARACTERIZADA PELA DETERIORAÇÃO ABRUPTA DA
FUNÇÃO RENAL QUE RESULTA NA INCAPACIDADE DOS RINS EM
EXCRETAR ESCÓRIAS NITROGENADAS
MANTER A HOMEOSTASE HIDROELETROLÍTICA E
CONCENTRAÇÃO URINÁRIA ADEQUADA
INJÚRIA RENAL AGUDA
 ASSOCIADA COM OLIGÚRIA EM 2/3 DOS CASOS
 OLIGÚRIA MENOR QUE 500 ML / DIA OU 0,5 ML/KG /HORAS
 AUMENTO DE MORBIMORTALIDADE
 CRONIFICAÇÃO EM MAIS DE 20% DAS IRAS
INJÚRIA RENAL AGUDA
 PRINCIPAIS PARÂMETOS DIAGNÓSTICOS----
--- CREATININA SÉRICA E
DÉBITO URINÁRIO
INJÚRIA RENAL AGUDA
 DIVIDIAS EM TRÊS GRUPOS GERAIS DE ACORDO COM A
FISIOPATOLOGIA DO ENVOLVIMENTO RENAL
 PRÉ- RENAL
 RENAL
 PÓS -RENAL
INJÚRIA RENAL AGUDA
 PRINCIPAIS FATORES DE RISCO
 IDADE
 SEXO MASCULINO
 DOENÇA RENAL CRÔNICA/ PROTEINÚRIA
 DIABETES MELLITUS
 INSUFICIÊNCIA CARDÍACA
 SEPSE****
 DESIDRATAÇÃO
 INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA
 HIPERURICEMIA
INJÚRIA RENAL AGUDA
 CREATININA E O DÉBITO URINÁRIO
CREATININA --- BIOMARCADOR MAIS UTILIZADO NO CONTEXTO DA
IRA
ELEVAÇÃO EM ESTÁGIOS MAIS TARDIOS DA DISFUNÇÃO
CÁLCULO DO CLEARANCE E OU TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR
NÃO TEM VALIDADE FORA DO STEADY –STATE OU SEJA DO
(ESTADO
DE EQUILÍBRIO)
DÉBITO URINÁRIO--- PARÂMETRO DE EXTREMA IMPORTÂNCIA
REDUÇÃO DO DÉBITO URINÁRIO OCORRE ANTES DA ELEVAÇÃO DA
CREATININA SÉRICA
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
DIAGNÓSTICO DA INJÚRIA RENAL
AGUDA
 CRITÉRIO DE RIFLE
 CRITERIO DE AKIN
 CRITÉRIO DE KDIGO
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 KIDNEY DISEASES IMPROVING GLOBAL GUIDELINES
 (KDIGO)--- PROPOSTA EM MARÇO DE 2012 REÚNE O RIFLE E O
AKIN
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
CAUSAS PRÉ RENAIS-
30 A 60%
INSUFICIENCIA RENAL
AGUDA
CAUSAS RENAIS-20 A
40%
DOENÇAS
VASCULARES
GLOMERULONEFRITES NEFRITE INTERSTICIAL
NECROSE TUBULAR
AGUDA
CAUSAS PÓS RENAIS-1
A 10%
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
CAUSAS PRÉ RENAIS
INSUFICIENCIA RENAL
AGUDA
CAUSAS RENAIS
DOENÇAS
VASCULARES
GLOMERULONEFRITES NEFRITE INTERSTICIAL
NECROSE TUBULAR
AGUDA
CAUSAS PÓS RENAIS
INSUFICIENCIA RENAL AGUDA
NECROSETUBULAR
AGUDA
ISQUEMIA
TOXINAS
PIGMENTOS
INJURIA RENAL AGUDA
PRÉ –
RENAL
GERALMENTE CAUSAS
HEMODINÂMICAS
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 ASPECTOS---
HIPOPERFUSÃO RENAL--- FATORES HEMODINÂMICOS COM
PARÊNQUIMA RENAL PRESERVADO
SEM LESÃO TUBULAR
50 A 60% DOS CASOS DE IRA
PROGNÓSTICO RENAL EXCELENTE---- QUANTO MENOR
TEMPO DE PERSITÊNCIA DO AGENTE CAUSAL
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 NORMALMENTE OS FINS FILTRAM UMA QUANTIDADE DE ENORME
DE QUANTIDADE DE PLASMA---EQUIVALENTE A 30 VEZES O
VOLUME PLASMÁTICO---- APROXIMADAMENTE 120 LITROS
 25% DO DÉBITO CARDÍACO SÃO DESTINADOS AOS RINS QUE
REPRESENTAM APENAS 5% DA MASSA CORPÓREA
 APESAR DE ENORMES AS PROPORÇÕES DESSA PERFUSÃO E
FILTRAÇÃO, OS RINS CONSEGUEM POR UM DELICADO TRABALHO
DE AJUSTE –FINO DE EXCREÇÃO DE SÓDIO E ÁGUA--- MANTER
RIGOROSAMENTE CONSTANTE O VOLUME EXTRA- CELULAR
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 TEMOS A AUTO- REGULAÇÃO RENAL MANTIDA ATÉ UMA PRESSÃO
DE 80MMHG DE PRESSÃO ARTERIAL MÉDIA E TAMBÉM
DEPENDENDO DAS COMORBIDADES DO PACIENTE E DA IDADE
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 HIPOPERFUSÃO RENAL--- ATIVAÇÃO DO SRAA* ( SISTEMA RENINA
ANGIOTENSINA ALDOSTERONA)--- VASOCONSTRICÇÃO
PERIFÉRICA---PIORA DA PERFUSÃO ( CASO NÃO HAJA CORREÇÃO
DA DEPLEÇÃO VOLÊMICA)
 NA DEPLEÇÃO VOLÊMICA--- QUE CAUSA INJÚRIA PRÉ – RENAL O
SISTEMA TUBULAR ESTÁ FUNCIONANTE ---
ALIÁS HIPERFUNCIONANTE
 PRINCIPAL CARACTERÍSTICA DA INJÚRIA PRÉ – RENAL É SER
REVERSÍVEL--- CASO O FLUXO SANGUÍNEO RENAL SEJA
RESTAURADO
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 SISTEMA TUBULAR PROXIMAL HIPERFUNCIONANTE NA IRA PRÉ –
RENAL--- POR ISSO HÁ REABSORÇÃO DE MUITA URÉIA
EXEMPLO --- URÉIA DE 220 E CREATININA DE 2,0--- PORTANTO A
EXCREÇÃO DE URÉIA SERÁ BAIXA
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 CAUSAS DE INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA PRÉ RENAL—
 1-REDUÇÃO DO VOLUME INTRA- VASCULAR
-HEMORRAGIAS
-PERDAS GASTRO INTESTINAIS
-PERDAS RENAIS E INSENSÍVEIS
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 2- REDUÇÃO DO DÉBITO CARDÍACO----
- INSUFICIÊNCIA CARDÍACA--- IAM COM CHOQUE
CARDIOGÊNICO--- SÍNDROME CÁRDIO-RENAL
- TAMPONAMENTO CARDÍACO
3-REDUÇÃO DO VOLUME PLASMÁTICO EFETIVO—
-SÍNDROMES HIPOALBUMINÊMICAS (SÍNDROME NEFRÓTICA-
HEPATOPATIAS)
- PERDAS PARA O TERCEIRO ESPAÇO--- EXEMPLO—GRANDES
QUEIMADOS
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 INJÚRIA RENAL AGUDA --- DIAGNÓSTICO---
HISTÓRIA E QUADRO CLÍNICO COMPATÍVEL---
EXEMPLO---- DESIDRATAÇÃO---- GECA-----
DOSE ELEVADA DE DIURÉTICOS
---LABORATÓRIO---
SISTEMA TUBULAR DE REABSORÇÃO E CONCENTRAÇÃO
URINÁRIA
HIPERFUNCIONANTES---- ABSORÇÃO DE URÉIA-CREAT-
OU SEJA URÉIA E CREATININA ELEVADAS--- SÓDIO
REABSORVIDO
E CONSEQUENTEMENTE SÓDIO URINÁRIO BAIXO
AUMENTO DA OSMOLARIDADE URINÁRIA
INSUFICIENCIA RENAL AGUDA
 ELEVAÇÕES DE URÉIA E CREATININA---(U/C MAIOR QUE 40:1)
 UNA ( MEQ/L)_ MENOR QUE 20 MEQ/L--- SÓDIO URINÁRIO
 FENAU MENOR QUE 1%-- URINÁRIO
 FEUREIA U MENOR QUE 35%-- URINÁRIO
 DENSIDADE URINÁRIA MAIOR QUE 1020
 OSMOLARIDADE URINÁRIA MAIOR QUE 500 MOSM/L
 CILINDROS HIALINOS
INSUFICIENCIA RENAL AGUDA
 TRATAMENTO---
HIDRATAÇÃO– VIA ENTERAL OU PARENTERAL
CORREÇÃO DA CAUSA DE BASE
CORREÇÃO DAS ALTERAÇÕES METABÓLICAS DECORRENTES---
EXISTE A POTENCIAL TRANSIÇÃO DE PRÉ-RENAL PARA NTA
INTRÍNSECA) SE PERSITÊNCIA—
DIÁLISE É RARAMENTE
FREQUENTEMENTE DE BOM PROGNÓSTICO
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
INSUFICIÊNCIA RENAL
AGUDA
PÓS –RENAL
-CAUSAS OBSTRUTIVAS-
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 ASPECTOS GERAIS
OBSTRUÇÃO ESTRUTURAL OU FUNCIONAL DAS VIAS
URINÁRIAS---QQ ALTURA DO SISTEMA
CAUSAS PÓS – RENAIS DEVEM SER EXCLUÍDAS EM
TODOS
OS PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
PROGNÓSTICO BOM SE HOUVER PRONTA INTERVENÇÃO
E
DESOBSTRUÇÃO DE VIA URINÁRIA
ETIOLOGIAS OBSTRUTIVAS PODEM SER
INTRATUBULARES OU
EXTRA RENAIS
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 OBSTRUÇÃO INTRATUBULAR- AUMENTO DA PRESSÃO NO SISTEMA
COM REDUÇÃO DA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR
 PRECIPITAÇÃO DE CRISTAIS INSOLÚVEIS--- FOSFATO-OXALATO-
METROTREXATO—INDINAVIR—ÁCIDO ÚRICO
 PRECIPITAÇÃO DE PROTEÍNAS--- HEMOGLOBINA—MIOGLOBINA—
PARAPROTEÍNAS ( PODEM EVOLUIR COM NTA)
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
INSUFICIENCIA RENAL AGUDA
 ETIOLOGIAS:
OBSTRUÇÃO EXTRA-RENAL DE QUALQUER PARTE DA
VIA URINÁRIA ( PELVE RENAL/ URETERES/BEXIGA/URETRA)
CÁLCULOS DE VIAS URINÁRIAS-
COÁGULOS INTRAVESICAIS
TUMORES DE VIAS URINÁRIAS P/ COMPRESSÃO
EXTRÍNSECA
DOENÇAS PROSTÁTICAS—
HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA
ADENOCARCINOMA
RETRAÇÕES RETROPERITONEAIS
BEXIGA NEUROGÊNICA
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 QUADRO CLÍNICO COMPATÍVEL– AVALIAR “BEXIGOMA” EM HOMENS
 OLIGÚRIA DOR ABDOMINAL
 HISTÓRIA DE ALTO RISCO PARA FATORES OBSTRUTIVOS
 MEDICAÇÕES EM USO
 PARÊNQUIMA RENAL PRESERVADO
 ULTRASSONOGRAFIA/TOMOGRAFIA ---ACHADO DE DILATAÇÃO
PIELO
CALICIAL BILATERAL---- UNILATERAL + IDENTIFICAÇÃO DO
FATOR OBSTRUTIVO
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 LABORATÓRIO---
ELEVAÇÕES DE ESCÓRIAS NITROGENADAS
BIOQUÍMICA URINÁRIA--- COMPATÍVEIS COM DISFUNÇÃO
TUBULAR DEVIDO AO AUMENTO DA PRESSÃO NO SISTEMA
ELEVAÇÕES DE URÉIA E CREATININA (U/C MENOR QUE 20)
FENA MAIOR QUE 1%-- URINÁRIA
FEURÉIA MAIOR QUE 50% -- URINÁRIA
DENSIDADE URINÁRIA MENOR QUE 1010
OSMOLARIDADE URINÁRIA MENOR QUE 250
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 TRATAMENTO----
DESOBSTRUÇÃO– REVERSÃO DO PROCESSO OBSTRUTIVO NO
MENOR TEMPO POSSÍVEL
INSTALAÇÃO E REVERSÃO EM ATÉ DUAS SEMANAS—
POTENCIAL DE REVERSÃO TOTAL DA IRA
CORREÇÃO DOS DISTÚRBIOS HIDRO-ELETROLÍTICOS ASSOCIADOS
RARAMENTE HÁ NECESSIDADE DE HEMODIÁLISE
QUANDO A CAUSA É CORRIGIDA
EM ETIOLOGIAS RELACIONADAS A OBSTRUÇÃO INTRA –TUBULAR
UMA
PARTE DOS CASOS PODERÁ EVOLUIR PARA NECROSE TUBULAR
AGUDA
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 OBSTRUÇÃO INTRA –TUBULAR --- AUMENTO DA PRESSÃO INTRA-
TUBULAR COM REDUÇÃO DA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR
 PRECIPITAÇÃO DE PROTEÍNAS– HEMOGLOBINA—MIOGLOBINA—
PARAPROTEÍNAS ( PODEM EVOLUIR COM NTA)
 PRECIPITAÇÃO DE CRISTAIS INSOLÚVEIS– FOSFATO-OXALATO
METROTHEXATO –INDINAVIR—ÁCIDO ÚRICO
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
INJÚRIA RENAL AGUDA RENAL
OU
INJÚRIA RENAL INTRÍNSECA
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
CAUSAS PRÉ RENAIS-
30 A 60%
INSUFICIENCIA RENAL
AGUDA
CAUSAS RENAIS-20 A
40%
DOENÇAS
VASCULARES
GLOMERULONEFRITES NEFRITE INTERSTICIAL
NECROSE TUBULAR
AGUDA
CAUSAS PÓS RENAIS-1
A 10%
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 OCORRE PERDA DA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO URINÁRIA
 PROGNÓSTICO MAIS GRAVE DO QUE AS FORMAS PRÉ E PÓS
RENAIS
 FORMAS OLIGÚRICAS E NÃO OLIGÚRICAS
 PROTÓTIPO DA LESÃO HISTOLÓGICA--- NECROSE TUBULAR AGUDA
 DIVERSAS ETIOLOGIAS COMO JÁ VISTO ANTERIORMENTE PODEM
LE
VAR A NECROSE TUBULAR AGUDA
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 MECANISMOS DIVERSOS
INJÚRIA ISQUÊMICA—EX– HIPOVOLEMIA POR HDA----
DEPLEÇÃO DE ATP DAS CÉLULAS TUBULARES– A REGIÃO
MEDULAR TEM MENOR PO2
INJÚRIA TUBULAR DIRETA---AGENTES NEFROTÓXICOS E
CITOCINAS INFLAMATÓRIAS , A LESÃO PODE OCORRER
EM DIVERSOS SEGMENTOS DO SISTEMA TUBULAR E COM
MAIOR OU MENOR GRAVIDADE—DEPENDENDO DA INTEN
SIDADE DO INSULTO
REVERSÃO DA IRA---- 7 A 14 DIAS ( REEPITELIZAÇÃO)
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 DADOS DIAGNÓSTICOS----
DADOS DA HISTÓRIA PARA DEFINIÇÃO DA CAUSA DE BASE
SOLICITAR– URÉIA-CREATININA—SÓDIO—POTÁSSIO—
SEDIMENTO URINÁRIO
SÓDIO URINÁRIO
GASOMETRIA ARTERIAL
HEMOGRAMA
EXAMES DE IMAGEM SE NECESSÁRIOS PARA A
INVESTIGAÇÃO
BIÓPSIA RENAL EM CASOS SELECIONADOS
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
 APRESENTAÇÃO CLÍNICA
REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA
INSUFICIÊNCIA CARDÍACA
EDEMA PULMONAR AGUDO– CONGESTÃO PULMONAR
DERRAME PERICÁRDICO
ARRITMIAS (HIPERCALEMIA)
SANGRAMENTO (LESÕES GÁSTRICAS, ESOFÁGICAS,ETC)
ACIDOSE METABÓLICA
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA
 PODEMOS CLASSIFICAR A DOENÇA RENAL EM 5 ESTÁGIOS ,
DEFINIDOS PELA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR
 A. PACIENTES COM FATORE DE RISCO PARA IRC
 B. PACIENTES COM DANOS RENAL COMPROVADO POR
PROTEINÚRIA PERSISTENTE
SEDIMENTO URINÁRIO ANORMAL
BIOQUÍMICA SÉRICA E URINÁRIA ALTERADA
ALTERAÇÃO POR EXAMES DE IMAGEM
INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA
ESTÁGIO TFG , Ml MINUTO POR 1.73 M QUADRADO
0 MAIOR QUE 90
1 90
2 60 A 89
3 30 A 59
4 15 A 29
5 MENOR QUE 15
INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA
 O TERMO FALÊNCIA RENAL CRÔNICA SE APLICA PARA UM
PROCESSO DE PERDA IRREVERSSÍVEL SIGNIFICATIVA DO
NÚMERO
DE NÉFRONS, E CORRESPONDE EM GERAL AOS ESTÁGIOS 3-5
INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA
 CAUSAS MAIS COMUNS DE DRC
DOENÇA DIABÉTICA GLOMERULAR
GLOMERULONEFRITES
NEFROPATIA HIPERTENSIVA
GLOMERULOPATIA PRIMÁRIA COM HIPERTENSÃO
DOENÇA RENAL VASCULAR E ISQUÊMICA
DOENÇA POLICÍSTICA RENAL
OUTRAS NEFROPATIAS TUBULOINTERSTICIAIS

Más contenido relacionado

La actualidad más candente

Insuficiência renal
Insuficiência renalInsuficiência renal
Insuficiência renal
Anderson Santana
 
Síndromes de vias biliares
Síndromes de vias biliaresSíndromes de vias biliares
Síndromes de vias biliares
pauloalambert
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
Cíntia Costa
 
Aparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físicoAparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físico
Alinny Cunha
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Claudia Beatriz Barreto
 
Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal
Jucie Vasconcelos
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Patricia Nunes
 
Ins renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônicaIns renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônica
pauloalambert
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Sinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioSinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinário
Paulo Alambert
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
cuidadoaoadulto
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Aula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECGAula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECG
Wesley Rogerio
 
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e GastrectomiaSAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
Andressa Carmo
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
Paulo Alambert
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
Patricia Nunes
 
Anticoagulante e Antiagregante
Anticoagulante e AntiagreganteAnticoagulante e Antiagregante
Anticoagulante e Antiagregante
resenfe2013
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
Fernanda Marinho
 
Insuficiência renal crónica
Insuficiência renal crónicaInsuficiência renal crónica
Insuficiência renal crónica
Lénise Parreira
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
resenfe2013
 

La actualidad más candente (20)

Insuficiência renal
Insuficiência renalInsuficiência renal
Insuficiência renal
 
Síndromes de vias biliares
Síndromes de vias biliaresSíndromes de vias biliares
Síndromes de vias biliares
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
 
Aparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físicoAparelho geniturinário e exame físico
Aparelho geniturinário e exame físico
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 
Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 
Ins renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônicaIns renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônica
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Sinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioSinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinário
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Hipertensão Portal
 
Aula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECGAula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECG
 
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e GastrectomiaSAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
 
Anticoagulante e Antiagregante
Anticoagulante e AntiagreganteAnticoagulante e Antiagregante
Anticoagulante e Antiagregante
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
 
Insuficiência renal crónica
Insuficiência renal crónicaInsuficiência renal crónica
Insuficiência renal crónica
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 

Similar a Insuficiência Renal Aguda e Crônica

Antihipertensivos
AntihipertensivosAntihipertensivos
Antihipertensivos
Oswaldo A. Garibay
 
Valvulopatia Mitral
Valvulopatia MitralValvulopatia Mitral
Valvulopatia Mitral
mmolina
 
Valvulopatia Mitral
Valvulopatia MitralValvulopatia Mitral
Valvulopatia Mitral
mmolina
 
H.d.a.curs oddddd
H.d.a.curs odddddH.d.a.curs oddddd
H.d.a.curs oddddd
Guido A MP
 
Tto jina
Tto jinaTto jina
Tto jina
Marlon Galán
 
17. GOTA 2012
17. GOTA 201217. GOTA 2012
17. GOTA 2012
CFUK 22
 
Insuficiencia renal aguda
Insuficiencia renal agudaInsuficiencia renal aguda
Insuficiencia renal aguda
iiassmiin
 
PANCREATITIS AGUDA.pptx
PANCREATITIS AGUDA.pptxPANCREATITIS AGUDA.pptx
PANCREATITIS AGUDA.pptx
Olocomeu1
 
Patología Recto Anal benigna - hemorroides - absceso - fistula - fisura 2014
Patología Recto Anal benigna - hemorroides  - absceso - fistula - fisura 2014Patología Recto Anal benigna - hemorroides  - absceso - fistula - fisura 2014
Patología Recto Anal benigna - hemorroides - absceso - fistula - fisura 2014
Mario Fernando Cantelli Zuñiga
 
Insuficiencia respiratoria aguda, IRA
Insuficiencia respiratoria aguda, IRAInsuficiencia respiratoria aguda, IRA
Insuficiencia respiratoria aguda, IRA
joel cordova
 
Sindrome Apnea Obstructiva del sueño
Sindrome Apnea Obstructiva del sueñoSindrome Apnea Obstructiva del sueño
Sindrome Apnea Obstructiva del sueño
Azusalud Azuqueca
 
Abordaje y manejo inicial en el servicio de URGENCIASparala IRC.pptx
Abordaje y manejo inicial en el servicio de URGENCIASparala IRC.pptxAbordaje y manejo inicial en el servicio de URGENCIASparala IRC.pptx
Abordaje y manejo inicial en el servicio de URGENCIASparala IRC.pptx
adrianajumaldo
 
SINDROMES DE MALABSORCIÓN.ppt
SINDROMES DE MALABSORCIÓN.pptSINDROMES DE MALABSORCIÓN.ppt
SINDROMES DE MALABSORCIÓN.ppt
DENNYSPRIETO2
 
Enfermedades respiratorias.pptx
Enfermedades respiratorias.pptxEnfermedades respiratorias.pptx
Enfermedades respiratorias.pptx
FrancianeOliveiraAlm1
 
10. escleroderma
10. escleroderma10. escleroderma
10. escleroderma
CFUK 22
 
Escleroderma
EsclerodermaEscleroderma
Escleroderma
CFUK 22
 
10c inf-agudappt
10c inf-agudappt10c inf-agudappt
10c inf-agudappt
rximenadelrocio
 
Aines 2013
Aines 2013Aines 2013
Patologia ano rectal benigna
Patologia ano rectal benignaPatologia ano rectal benigna
Patologia ano rectal benigna
Francisco Bracamonte
 
Emergencias pacientes hemorragia digestiva - CICAT-SALUD
Emergencias pacientes hemorragia digestiva - CICAT-SALUDEmergencias pacientes hemorragia digestiva - CICAT-SALUD
Emergencias pacientes hemorragia digestiva - CICAT-SALUD
CICAT SALUD
 

Similar a Insuficiência Renal Aguda e Crônica (20)

Antihipertensivos
AntihipertensivosAntihipertensivos
Antihipertensivos
 
Valvulopatia Mitral
Valvulopatia MitralValvulopatia Mitral
Valvulopatia Mitral
 
Valvulopatia Mitral
Valvulopatia MitralValvulopatia Mitral
Valvulopatia Mitral
 
H.d.a.curs oddddd
H.d.a.curs odddddH.d.a.curs oddddd
H.d.a.curs oddddd
 
Tto jina
Tto jinaTto jina
Tto jina
 
17. GOTA 2012
17. GOTA 201217. GOTA 2012
17. GOTA 2012
 
Insuficiencia renal aguda
Insuficiencia renal agudaInsuficiencia renal aguda
Insuficiencia renal aguda
 
PANCREATITIS AGUDA.pptx
PANCREATITIS AGUDA.pptxPANCREATITIS AGUDA.pptx
PANCREATITIS AGUDA.pptx
 
Patología Recto Anal benigna - hemorroides - absceso - fistula - fisura 2014
Patología Recto Anal benigna - hemorroides  - absceso - fistula - fisura 2014Patología Recto Anal benigna - hemorroides  - absceso - fistula - fisura 2014
Patología Recto Anal benigna - hemorroides - absceso - fistula - fisura 2014
 
Insuficiencia respiratoria aguda, IRA
Insuficiencia respiratoria aguda, IRAInsuficiencia respiratoria aguda, IRA
Insuficiencia respiratoria aguda, IRA
 
Sindrome Apnea Obstructiva del sueño
Sindrome Apnea Obstructiva del sueñoSindrome Apnea Obstructiva del sueño
Sindrome Apnea Obstructiva del sueño
 
Abordaje y manejo inicial en el servicio de URGENCIASparala IRC.pptx
Abordaje y manejo inicial en el servicio de URGENCIASparala IRC.pptxAbordaje y manejo inicial en el servicio de URGENCIASparala IRC.pptx
Abordaje y manejo inicial en el servicio de URGENCIASparala IRC.pptx
 
SINDROMES DE MALABSORCIÓN.ppt
SINDROMES DE MALABSORCIÓN.pptSINDROMES DE MALABSORCIÓN.ppt
SINDROMES DE MALABSORCIÓN.ppt
 
Enfermedades respiratorias.pptx
Enfermedades respiratorias.pptxEnfermedades respiratorias.pptx
Enfermedades respiratorias.pptx
 
10. escleroderma
10. escleroderma10. escleroderma
10. escleroderma
 
Escleroderma
EsclerodermaEscleroderma
Escleroderma
 
10c inf-agudappt
10c inf-agudappt10c inf-agudappt
10c inf-agudappt
 
Aines 2013
Aines 2013Aines 2013
Aines 2013
 
Patologia ano rectal benigna
Patologia ano rectal benignaPatologia ano rectal benigna
Patologia ano rectal benigna
 
Emergencias pacientes hemorragia digestiva - CICAT-SALUD
Emergencias pacientes hemorragia digestiva - CICAT-SALUDEmergencias pacientes hemorragia digestiva - CICAT-SALUD
Emergencias pacientes hemorragia digestiva - CICAT-SALUD
 

Más de pauloalambert

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
pauloalambert
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
pauloalambert
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
pauloalambert
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
pauloalambert
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
pauloalambert
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
pauloalambert
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
pauloalambert
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
pauloalambert
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
pauloalambert
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
pauloalambert
 

Más de pauloalambert (20)

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 

Último

INFORMACION DE ENFERMERIA TECNICA Y SALUD
INFORMACION DE ENFERMERIA TECNICA  Y  SALUDINFORMACION DE ENFERMERIA TECNICA  Y  SALUD
INFORMACION DE ENFERMERIA TECNICA Y SALUD
floresroldankatheryn
 
Eventos Adversos y Seguridad del Paciente en Odontología
Eventos Adversos y Seguridad del Paciente en OdontologíaEventos Adversos y Seguridad del Paciente en Odontología
Eventos Adversos y Seguridad del Paciente en Odontología
Jorge Enrique Manrique-Chávez
 
2. Historia Clínica Perinatal Básica (HCPB).ppt
2. Historia Clínica Perinatal Básica (HCPB).ppt2. Historia Clínica Perinatal Básica (HCPB).ppt
2. Historia Clínica Perinatal Básica (HCPB).ppt
alex94rm
 
Cuándo derivar a un paciente para ablación de fibrilación auricular
Cuándo derivar a un paciente para ablación de fibrilación auricularCuándo derivar a un paciente para ablación de fibrilación auricular
Cuándo derivar a un paciente para ablación de fibrilación auricular
Alejandro Paredes C.
 
Guía canina biomecanica en tipos de oclusion
Guía canina biomecanica en tipos de oclusionGuía canina biomecanica en tipos de oclusion
Guía canina biomecanica en tipos de oclusion
ESTIBALIZALPAZ
 
Atencion de enfermeria en el serv triage
Atencion de enfermeria en el serv triageAtencion de enfermeria en el serv triage
Atencion de enfermeria en el serv triage
JessLedesma4
 
Exégesis Bíblica Cuaderno de Trabajo.pdf
Exégesis Bíblica Cuaderno de Trabajo.pdfExégesis Bíblica Cuaderno de Trabajo.pdf
Exégesis Bíblica Cuaderno de Trabajo.pdf
GiovannyPrezGandaril
 
Programa de escuela sabatica tercer trimestre 2024
Programa de escuela sabatica tercer trimestre 2024Programa de escuela sabatica tercer trimestre 2024
Programa de escuela sabatica tercer trimestre 2024
ericksongp
 
Campaña SPR, OPV .........................
Campaña SPR, OPV  .........................Campaña SPR, OPV  .........................
Campaña SPR, OPV .........................
ruby619513
 
Catálogo Suplemetos - Productos - NitroFuelShop
Catálogo Suplemetos - Productos - NitroFuelShopCatálogo Suplemetos - Productos - NitroFuelShop
Catálogo Suplemetos - Productos - NitroFuelShop
magicwayventas
 
INTOXICACION POR SALICILATOS GOLDFRANK pdf
INTOXICACION POR SALICILATOS GOLDFRANK pdfINTOXICACION POR SALICILATOS GOLDFRANK pdf
INTOXICACION POR SALICILATOS GOLDFRANK pdf
LuceroDuran9
 
INSTITUTO LUIS FELIPE DE LAS CASAS GRIEVE - REYNA CASTILLO RUCONA ( APLICACIO...
INSTITUTO LUIS FELIPE DE LAS CASAS GRIEVE - REYNA CASTILLO RUCONA ( APLICACIO...INSTITUTO LUIS FELIPE DE LAS CASAS GRIEVE - REYNA CASTILLO RUCONA ( APLICACIO...
INSTITUTO LUIS FELIPE DE LAS CASAS GRIEVE - REYNA CASTILLO RUCONA ( APLICACIO...
istlfreynacastillo
 
Cromosomopatías en pediatria , las principales.pdf
Cromosomopatías en pediatria , las principales.pdfCromosomopatías en pediatria , las principales.pdf
Cromosomopatías en pediatria , las principales.pdf
CamilaGmezMeja
 
La familia como efecto positivo en la salud mental.pdf
La familia como efecto positivo en la salud mental.pdfLa familia como efecto positivo en la salud mental.pdf
La familia como efecto positivo en la salud mental.pdf
ssuser248d4c
 
ENFERMEDAD AMILOIDOSIS INTITUTO SUPERIOR TECNOLOGICO PISCO
ENFERMEDAD AMILOIDOSIS INTITUTO SUPERIOR TECNOLOGICO PISCOENFERMEDAD AMILOIDOSIS INTITUTO SUPERIOR TECNOLOGICO PISCO
ENFERMEDAD AMILOIDOSIS INTITUTO SUPERIOR TECNOLOGICO PISCO
angelabustamantec7
 
APUNTES_DE_QUIROPRAXIA.AADULTO MAYOR pdf
APUNTES_DE_QUIROPRAXIA.AADULTO MAYOR pdfAPUNTES_DE_QUIROPRAXIA.AADULTO MAYOR pdf
APUNTES_DE_QUIROPRAXIA.AADULTO MAYOR pdf
MiNeyi1
 
Síndrome de down y la alimentacion1.pptx
Síndrome de down y la alimentacion1.pptxSíndrome de down y la alimentacion1.pptx
Síndrome de down y la alimentacion1.pptx
AlbertoGutierrez878764
 
CONDILOMA ACUMINADO EN VARÓN ADULTO.pptx
CONDILOMA ACUMINADO EN VARÓN ADULTO.pptxCONDILOMA ACUMINADO EN VARÓN ADULTO.pptx
CONDILOMA ACUMINADO EN VARÓN ADULTO.pptx
Eduardo Apellidos
 
SEMANA 09 - ROL DEL TECNICO DE ENFERMERIA EN SOP.pptx
SEMANA 09 - ROL DEL TECNICO DE ENFERMERIA EN SOP.pptxSEMANA 09 - ROL DEL TECNICO DE ENFERMERIA EN SOP.pptx
SEMANA 09 - ROL DEL TECNICO DE ENFERMERIA EN SOP.pptx
ElenaNizaHurtado
 
el autismo causas, consecuencias y prevencion.pptx
el autismo causas, consecuencias y prevencion.pptxel autismo causas, consecuencias y prevencion.pptx
el autismo causas, consecuencias y prevencion.pptx
mseminariotrelles24
 

Último (20)

INFORMACION DE ENFERMERIA TECNICA Y SALUD
INFORMACION DE ENFERMERIA TECNICA  Y  SALUDINFORMACION DE ENFERMERIA TECNICA  Y  SALUD
INFORMACION DE ENFERMERIA TECNICA Y SALUD
 
Eventos Adversos y Seguridad del Paciente en Odontología
Eventos Adversos y Seguridad del Paciente en OdontologíaEventos Adversos y Seguridad del Paciente en Odontología
Eventos Adversos y Seguridad del Paciente en Odontología
 
2. Historia Clínica Perinatal Básica (HCPB).ppt
2. Historia Clínica Perinatal Básica (HCPB).ppt2. Historia Clínica Perinatal Básica (HCPB).ppt
2. Historia Clínica Perinatal Básica (HCPB).ppt
 
Cuándo derivar a un paciente para ablación de fibrilación auricular
Cuándo derivar a un paciente para ablación de fibrilación auricularCuándo derivar a un paciente para ablación de fibrilación auricular
Cuándo derivar a un paciente para ablación de fibrilación auricular
 
Guía canina biomecanica en tipos de oclusion
Guía canina biomecanica en tipos de oclusionGuía canina biomecanica en tipos de oclusion
Guía canina biomecanica en tipos de oclusion
 
Atencion de enfermeria en el serv triage
Atencion de enfermeria en el serv triageAtencion de enfermeria en el serv triage
Atencion de enfermeria en el serv triage
 
Exégesis Bíblica Cuaderno de Trabajo.pdf
Exégesis Bíblica Cuaderno de Trabajo.pdfExégesis Bíblica Cuaderno de Trabajo.pdf
Exégesis Bíblica Cuaderno de Trabajo.pdf
 
Programa de escuela sabatica tercer trimestre 2024
Programa de escuela sabatica tercer trimestre 2024Programa de escuela sabatica tercer trimestre 2024
Programa de escuela sabatica tercer trimestre 2024
 
Campaña SPR, OPV .........................
Campaña SPR, OPV  .........................Campaña SPR, OPV  .........................
Campaña SPR, OPV .........................
 
Catálogo Suplemetos - Productos - NitroFuelShop
Catálogo Suplemetos - Productos - NitroFuelShopCatálogo Suplemetos - Productos - NitroFuelShop
Catálogo Suplemetos - Productos - NitroFuelShop
 
INTOXICACION POR SALICILATOS GOLDFRANK pdf
INTOXICACION POR SALICILATOS GOLDFRANK pdfINTOXICACION POR SALICILATOS GOLDFRANK pdf
INTOXICACION POR SALICILATOS GOLDFRANK pdf
 
INSTITUTO LUIS FELIPE DE LAS CASAS GRIEVE - REYNA CASTILLO RUCONA ( APLICACIO...
INSTITUTO LUIS FELIPE DE LAS CASAS GRIEVE - REYNA CASTILLO RUCONA ( APLICACIO...INSTITUTO LUIS FELIPE DE LAS CASAS GRIEVE - REYNA CASTILLO RUCONA ( APLICACIO...
INSTITUTO LUIS FELIPE DE LAS CASAS GRIEVE - REYNA CASTILLO RUCONA ( APLICACIO...
 
Cromosomopatías en pediatria , las principales.pdf
Cromosomopatías en pediatria , las principales.pdfCromosomopatías en pediatria , las principales.pdf
Cromosomopatías en pediatria , las principales.pdf
 
La familia como efecto positivo en la salud mental.pdf
La familia como efecto positivo en la salud mental.pdfLa familia como efecto positivo en la salud mental.pdf
La familia como efecto positivo en la salud mental.pdf
 
ENFERMEDAD AMILOIDOSIS INTITUTO SUPERIOR TECNOLOGICO PISCO
ENFERMEDAD AMILOIDOSIS INTITUTO SUPERIOR TECNOLOGICO PISCOENFERMEDAD AMILOIDOSIS INTITUTO SUPERIOR TECNOLOGICO PISCO
ENFERMEDAD AMILOIDOSIS INTITUTO SUPERIOR TECNOLOGICO PISCO
 
APUNTES_DE_QUIROPRAXIA.AADULTO MAYOR pdf
APUNTES_DE_QUIROPRAXIA.AADULTO MAYOR pdfAPUNTES_DE_QUIROPRAXIA.AADULTO MAYOR pdf
APUNTES_DE_QUIROPRAXIA.AADULTO MAYOR pdf
 
Síndrome de down y la alimentacion1.pptx
Síndrome de down y la alimentacion1.pptxSíndrome de down y la alimentacion1.pptx
Síndrome de down y la alimentacion1.pptx
 
CONDILOMA ACUMINADO EN VARÓN ADULTO.pptx
CONDILOMA ACUMINADO EN VARÓN ADULTO.pptxCONDILOMA ACUMINADO EN VARÓN ADULTO.pptx
CONDILOMA ACUMINADO EN VARÓN ADULTO.pptx
 
SEMANA 09 - ROL DEL TECNICO DE ENFERMERIA EN SOP.pptx
SEMANA 09 - ROL DEL TECNICO DE ENFERMERIA EN SOP.pptxSEMANA 09 - ROL DEL TECNICO DE ENFERMERIA EN SOP.pptx
SEMANA 09 - ROL DEL TECNICO DE ENFERMERIA EN SOP.pptx
 
el autismo causas, consecuencias y prevencion.pptx
el autismo causas, consecuencias y prevencion.pptxel autismo causas, consecuencias y prevencion.pptx
el autismo causas, consecuencias y prevencion.pptx
 

Insuficiência Renal Aguda e Crônica

  • 1. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA DRA MARIA JOSÉ GONZALEZ PARADA CLÍNICA MÉDICA UNILUS
  • 3. INSUFICIENCIA RENAL AGUDA  ENTIDADE POTENCIALMENTE GRAVE MULTIFATORIAL---- DE ELEVADA MORBIMORTALIDADE E QUE DEVE SER PRONTAMENTE IDENTIFICADA PARA QUE SEJAM INSTITUÍDAS MEDIDAS CLÍNICAS VISANDO SUA REVERSÃO E REDUÇÃO DE SUAS COMPLICAÇÕES
  • 4. INJÚRIA RENAL AGUDA SÍNDROME CARACTERIZADA PELA DETERIORAÇÃO ABRUPTA DA FUNÇÃO RENAL QUE RESULTA NA INCAPACIDADE DOS RINS EM EXCRETAR ESCÓRIAS NITROGENADAS MANTER A HOMEOSTASE HIDROELETROLÍTICA E CONCENTRAÇÃO URINÁRIA ADEQUADA
  • 5. INJÚRIA RENAL AGUDA  ASSOCIADA COM OLIGÚRIA EM 2/3 DOS CASOS  OLIGÚRIA MENOR QUE 500 ML / DIA OU 0,5 ML/KG /HORAS  AUMENTO DE MORBIMORTALIDADE  CRONIFICAÇÃO EM MAIS DE 20% DAS IRAS
  • 6. INJÚRIA RENAL AGUDA  PRINCIPAIS PARÂMETOS DIAGNÓSTICOS---- --- CREATININA SÉRICA E DÉBITO URINÁRIO
  • 7. INJÚRIA RENAL AGUDA  DIVIDIAS EM TRÊS GRUPOS GERAIS DE ACORDO COM A FISIOPATOLOGIA DO ENVOLVIMENTO RENAL  PRÉ- RENAL  RENAL  PÓS -RENAL
  • 8. INJÚRIA RENAL AGUDA  PRINCIPAIS FATORES DE RISCO  IDADE  SEXO MASCULINO  DOENÇA RENAL CRÔNICA/ PROTEINÚRIA  DIABETES MELLITUS  INSUFICIÊNCIA CARDÍACA  SEPSE****  DESIDRATAÇÃO  INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA  HIPERURICEMIA
  • 9. INJÚRIA RENAL AGUDA  CREATININA E O DÉBITO URINÁRIO CREATININA --- BIOMARCADOR MAIS UTILIZADO NO CONTEXTO DA IRA ELEVAÇÃO EM ESTÁGIOS MAIS TARDIOS DA DISFUNÇÃO CÁLCULO DO CLEARANCE E OU TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR NÃO TEM VALIDADE FORA DO STEADY –STATE OU SEJA DO (ESTADO DE EQUILÍBRIO) DÉBITO URINÁRIO--- PARÂMETRO DE EXTREMA IMPORTÂNCIA REDUÇÃO DO DÉBITO URINÁRIO OCORRE ANTES DA ELEVAÇÃO DA CREATININA SÉRICA
  • 12. DIAGNÓSTICO DA INJÚRIA RENAL AGUDA  CRITÉRIO DE RIFLE  CRITERIO DE AKIN  CRITÉRIO DE KDIGO
  • 16. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  KIDNEY DISEASES IMPROVING GLOBAL GUIDELINES  (KDIGO)--- PROPOSTA EM MARÇO DE 2012 REÚNE O RIFLE E O AKIN
  • 18. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA CAUSAS PRÉ RENAIS- 30 A 60% INSUFICIENCIA RENAL AGUDA CAUSAS RENAIS-20 A 40% DOENÇAS VASCULARES GLOMERULONEFRITES NEFRITE INTERSTICIAL NECROSE TUBULAR AGUDA CAUSAS PÓS RENAIS-1 A 10%
  • 19. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA CAUSAS PRÉ RENAIS INSUFICIENCIA RENAL AGUDA CAUSAS RENAIS DOENÇAS VASCULARES GLOMERULONEFRITES NEFRITE INTERSTICIAL NECROSE TUBULAR AGUDA CAUSAS PÓS RENAIS
  • 21. INJURIA RENAL AGUDA PRÉ – RENAL GERALMENTE CAUSAS HEMODINÂMICAS
  • 22. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  ASPECTOS--- HIPOPERFUSÃO RENAL--- FATORES HEMODINÂMICOS COM PARÊNQUIMA RENAL PRESERVADO SEM LESÃO TUBULAR 50 A 60% DOS CASOS DE IRA PROGNÓSTICO RENAL EXCELENTE---- QUANTO MENOR TEMPO DE PERSITÊNCIA DO AGENTE CAUSAL
  • 23. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  NORMALMENTE OS FINS FILTRAM UMA QUANTIDADE DE ENORME DE QUANTIDADE DE PLASMA---EQUIVALENTE A 30 VEZES O VOLUME PLASMÁTICO---- APROXIMADAMENTE 120 LITROS  25% DO DÉBITO CARDÍACO SÃO DESTINADOS AOS RINS QUE REPRESENTAM APENAS 5% DA MASSA CORPÓREA  APESAR DE ENORMES AS PROPORÇÕES DESSA PERFUSÃO E FILTRAÇÃO, OS RINS CONSEGUEM POR UM DELICADO TRABALHO DE AJUSTE –FINO DE EXCREÇÃO DE SÓDIO E ÁGUA--- MANTER RIGOROSAMENTE CONSTANTE O VOLUME EXTRA- CELULAR
  • 24. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  TEMOS A AUTO- REGULAÇÃO RENAL MANTIDA ATÉ UMA PRESSÃO DE 80MMHG DE PRESSÃO ARTERIAL MÉDIA E TAMBÉM DEPENDENDO DAS COMORBIDADES DO PACIENTE E DA IDADE
  • 25. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  HIPOPERFUSÃO RENAL--- ATIVAÇÃO DO SRAA* ( SISTEMA RENINA ANGIOTENSINA ALDOSTERONA)--- VASOCONSTRICÇÃO PERIFÉRICA---PIORA DA PERFUSÃO ( CASO NÃO HAJA CORREÇÃO DA DEPLEÇÃO VOLÊMICA)  NA DEPLEÇÃO VOLÊMICA--- QUE CAUSA INJÚRIA PRÉ – RENAL O SISTEMA TUBULAR ESTÁ FUNCIONANTE --- ALIÁS HIPERFUNCIONANTE  PRINCIPAL CARACTERÍSTICA DA INJÚRIA PRÉ – RENAL É SER REVERSÍVEL--- CASO O FLUXO SANGUÍNEO RENAL SEJA RESTAURADO
  • 26. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  SISTEMA TUBULAR PROXIMAL HIPERFUNCIONANTE NA IRA PRÉ – RENAL--- POR ISSO HÁ REABSORÇÃO DE MUITA URÉIA EXEMPLO --- URÉIA DE 220 E CREATININA DE 2,0--- PORTANTO A EXCREÇÃO DE URÉIA SERÁ BAIXA
  • 27. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  CAUSAS DE INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA PRÉ RENAL—  1-REDUÇÃO DO VOLUME INTRA- VASCULAR -HEMORRAGIAS -PERDAS GASTRO INTESTINAIS -PERDAS RENAIS E INSENSÍVEIS
  • 28. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  2- REDUÇÃO DO DÉBITO CARDÍACO---- - INSUFICIÊNCIA CARDÍACA--- IAM COM CHOQUE CARDIOGÊNICO--- SÍNDROME CÁRDIO-RENAL - TAMPONAMENTO CARDÍACO 3-REDUÇÃO DO VOLUME PLASMÁTICO EFETIVO— -SÍNDROMES HIPOALBUMINÊMICAS (SÍNDROME NEFRÓTICA- HEPATOPATIAS) - PERDAS PARA O TERCEIRO ESPAÇO--- EXEMPLO—GRANDES QUEIMADOS
  • 29. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  INJÚRIA RENAL AGUDA --- DIAGNÓSTICO--- HISTÓRIA E QUADRO CLÍNICO COMPATÍVEL--- EXEMPLO---- DESIDRATAÇÃO---- GECA----- DOSE ELEVADA DE DIURÉTICOS ---LABORATÓRIO--- SISTEMA TUBULAR DE REABSORÇÃO E CONCENTRAÇÃO URINÁRIA HIPERFUNCIONANTES---- ABSORÇÃO DE URÉIA-CREAT- OU SEJA URÉIA E CREATININA ELEVADAS--- SÓDIO REABSORVIDO E CONSEQUENTEMENTE SÓDIO URINÁRIO BAIXO AUMENTO DA OSMOLARIDADE URINÁRIA
  • 30. INSUFICIENCIA RENAL AGUDA  ELEVAÇÕES DE URÉIA E CREATININA---(U/C MAIOR QUE 40:1)  UNA ( MEQ/L)_ MENOR QUE 20 MEQ/L--- SÓDIO URINÁRIO  FENAU MENOR QUE 1%-- URINÁRIO  FEUREIA U MENOR QUE 35%-- URINÁRIO  DENSIDADE URINÁRIA MAIOR QUE 1020  OSMOLARIDADE URINÁRIA MAIOR QUE 500 MOSM/L  CILINDROS HIALINOS
  • 31. INSUFICIENCIA RENAL AGUDA  TRATAMENTO--- HIDRATAÇÃO– VIA ENTERAL OU PARENTERAL CORREÇÃO DA CAUSA DE BASE CORREÇÃO DAS ALTERAÇÕES METABÓLICAS DECORRENTES--- EXISTE A POTENCIAL TRANSIÇÃO DE PRÉ-RENAL PARA NTA INTRÍNSECA) SE PERSITÊNCIA— DIÁLISE É RARAMENTE FREQUENTEMENTE DE BOM PROGNÓSTICO
  • 32. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA PÓS –RENAL -CAUSAS OBSTRUTIVAS-
  • 33. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  ASPECTOS GERAIS OBSTRUÇÃO ESTRUTURAL OU FUNCIONAL DAS VIAS URINÁRIAS---QQ ALTURA DO SISTEMA CAUSAS PÓS – RENAIS DEVEM SER EXCLUÍDAS EM TODOS OS PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA PROGNÓSTICO BOM SE HOUVER PRONTA INTERVENÇÃO E DESOBSTRUÇÃO DE VIA URINÁRIA ETIOLOGIAS OBSTRUTIVAS PODEM SER INTRATUBULARES OU EXTRA RENAIS
  • 34. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  OBSTRUÇÃO INTRATUBULAR- AUMENTO DA PRESSÃO NO SISTEMA COM REDUÇÃO DA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR  PRECIPITAÇÃO DE CRISTAIS INSOLÚVEIS--- FOSFATO-OXALATO- METROTREXATO—INDINAVIR—ÁCIDO ÚRICO  PRECIPITAÇÃO DE PROTEÍNAS--- HEMOGLOBINA—MIOGLOBINA— PARAPROTEÍNAS ( PODEM EVOLUIR COM NTA)
  • 36. INSUFICIENCIA RENAL AGUDA  ETIOLOGIAS: OBSTRUÇÃO EXTRA-RENAL DE QUALQUER PARTE DA VIA URINÁRIA ( PELVE RENAL/ URETERES/BEXIGA/URETRA) CÁLCULOS DE VIAS URINÁRIAS- COÁGULOS INTRAVESICAIS TUMORES DE VIAS URINÁRIAS P/ COMPRESSÃO EXTRÍNSECA DOENÇAS PROSTÁTICAS— HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA ADENOCARCINOMA RETRAÇÕES RETROPERITONEAIS BEXIGA NEUROGÊNICA
  • 37. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  QUADRO CLÍNICO COMPATÍVEL– AVALIAR “BEXIGOMA” EM HOMENS  OLIGÚRIA DOR ABDOMINAL  HISTÓRIA DE ALTO RISCO PARA FATORES OBSTRUTIVOS  MEDICAÇÕES EM USO  PARÊNQUIMA RENAL PRESERVADO  ULTRASSONOGRAFIA/TOMOGRAFIA ---ACHADO DE DILATAÇÃO PIELO CALICIAL BILATERAL---- UNILATERAL + IDENTIFICAÇÃO DO FATOR OBSTRUTIVO
  • 38. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  LABORATÓRIO--- ELEVAÇÕES DE ESCÓRIAS NITROGENADAS BIOQUÍMICA URINÁRIA--- COMPATÍVEIS COM DISFUNÇÃO TUBULAR DEVIDO AO AUMENTO DA PRESSÃO NO SISTEMA ELEVAÇÕES DE URÉIA E CREATININA (U/C MENOR QUE 20) FENA MAIOR QUE 1%-- URINÁRIA FEURÉIA MAIOR QUE 50% -- URINÁRIA DENSIDADE URINÁRIA MENOR QUE 1010 OSMOLARIDADE URINÁRIA MENOR QUE 250
  • 39. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  TRATAMENTO---- DESOBSTRUÇÃO– REVERSÃO DO PROCESSO OBSTRUTIVO NO MENOR TEMPO POSSÍVEL INSTALAÇÃO E REVERSÃO EM ATÉ DUAS SEMANAS— POTENCIAL DE REVERSÃO TOTAL DA IRA CORREÇÃO DOS DISTÚRBIOS HIDRO-ELETROLÍTICOS ASSOCIADOS RARAMENTE HÁ NECESSIDADE DE HEMODIÁLISE QUANDO A CAUSA É CORRIGIDA EM ETIOLOGIAS RELACIONADAS A OBSTRUÇÃO INTRA –TUBULAR UMA PARTE DOS CASOS PODERÁ EVOLUIR PARA NECROSE TUBULAR AGUDA
  • 40. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  OBSTRUÇÃO INTRA –TUBULAR --- AUMENTO DA PRESSÃO INTRA- TUBULAR COM REDUÇÃO DA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR  PRECIPITAÇÃO DE PROTEÍNAS– HEMOGLOBINA—MIOGLOBINA— PARAPROTEÍNAS ( PODEM EVOLUIR COM NTA)  PRECIPITAÇÃO DE CRISTAIS INSOLÚVEIS– FOSFATO-OXALATO METROTHEXATO –INDINAVIR—ÁCIDO ÚRICO
  • 41. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA INJÚRIA RENAL AGUDA RENAL OU INJÚRIA RENAL INTRÍNSECA
  • 42. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA CAUSAS PRÉ RENAIS- 30 A 60% INSUFICIENCIA RENAL AGUDA CAUSAS RENAIS-20 A 40% DOENÇAS VASCULARES GLOMERULONEFRITES NEFRITE INTERSTICIAL NECROSE TUBULAR AGUDA CAUSAS PÓS RENAIS-1 A 10%
  • 43. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  OCORRE PERDA DA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO URINÁRIA  PROGNÓSTICO MAIS GRAVE DO QUE AS FORMAS PRÉ E PÓS RENAIS  FORMAS OLIGÚRICAS E NÃO OLIGÚRICAS  PROTÓTIPO DA LESÃO HISTOLÓGICA--- NECROSE TUBULAR AGUDA  DIVERSAS ETIOLOGIAS COMO JÁ VISTO ANTERIORMENTE PODEM LE VAR A NECROSE TUBULAR AGUDA
  • 44. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  MECANISMOS DIVERSOS INJÚRIA ISQUÊMICA—EX– HIPOVOLEMIA POR HDA---- DEPLEÇÃO DE ATP DAS CÉLULAS TUBULARES– A REGIÃO MEDULAR TEM MENOR PO2 INJÚRIA TUBULAR DIRETA---AGENTES NEFROTÓXICOS E CITOCINAS INFLAMATÓRIAS , A LESÃO PODE OCORRER EM DIVERSOS SEGMENTOS DO SISTEMA TUBULAR E COM MAIOR OU MENOR GRAVIDADE—DEPENDENDO DA INTEN SIDADE DO INSULTO REVERSÃO DA IRA---- 7 A 14 DIAS ( REEPITELIZAÇÃO)
  • 47. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  DADOS DIAGNÓSTICOS---- DADOS DA HISTÓRIA PARA DEFINIÇÃO DA CAUSA DE BASE SOLICITAR– URÉIA-CREATININA—SÓDIO—POTÁSSIO— SEDIMENTO URINÁRIO SÓDIO URINÁRIO GASOMETRIA ARTERIAL HEMOGRAMA EXAMES DE IMAGEM SE NECESSÁRIOS PARA A INVESTIGAÇÃO BIÓPSIA RENAL EM CASOS SELECIONADOS
  • 48. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA  APRESENTAÇÃO CLÍNICA REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EDEMA PULMONAR AGUDO– CONGESTÃO PULMONAR DERRAME PERICÁRDICO ARRITMIAS (HIPERCALEMIA) SANGRAMENTO (LESÕES GÁSTRICAS, ESOFÁGICAS,ETC) ACIDOSE METABÓLICA
  • 50. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA  PODEMOS CLASSIFICAR A DOENÇA RENAL EM 5 ESTÁGIOS , DEFINIDOS PELA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR  A. PACIENTES COM FATORE DE RISCO PARA IRC  B. PACIENTES COM DANOS RENAL COMPROVADO POR PROTEINÚRIA PERSISTENTE SEDIMENTO URINÁRIO ANORMAL BIOQUÍMICA SÉRICA E URINÁRIA ALTERADA ALTERAÇÃO POR EXAMES DE IMAGEM
  • 51. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA ESTÁGIO TFG , Ml MINUTO POR 1.73 M QUADRADO 0 MAIOR QUE 90 1 90 2 60 A 89 3 30 A 59 4 15 A 29 5 MENOR QUE 15
  • 52. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA  O TERMO FALÊNCIA RENAL CRÔNICA SE APLICA PARA UM PROCESSO DE PERDA IRREVERSSÍVEL SIGNIFICATIVA DO NÚMERO DE NÉFRONS, E CORRESPONDE EM GERAL AOS ESTÁGIOS 3-5
  • 53. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA  CAUSAS MAIS COMUNS DE DRC DOENÇA DIABÉTICA GLOMERULAR GLOMERULONEFRITES NEFROPATIA HIPERTENSIVA GLOMERULOPATIA PRIMÁRIA COM HIPERTENSÃO DOENÇA RENAL VASCULAR E ISQUÊMICA DOENÇA POLICÍSTICA RENAL OUTRAS NEFROPATIAS TUBULOINTERSTICIAIS