Planejamento e Gerenciamento da Construção Civil

1.650 visualizaciones

Publicado el

Apresentação referente aos capítulos 5 e 6 do Livro

Publicado en: Ingeniería
  • Sé el primero en comentar

Planejamento e Gerenciamento da Construção Civil

  1. 1. Planejamento e Gerenciamento da Construção Civil Capítulos 5 e 6
  2. 2. Integrantes do Grupo  Eduardo Zibellini  Elaine Maria  Luiz Shinji Kosoegawa  Lucas Silva  Mario Sérgio Almeida  Tania Barboza  Vinicius Fernandes Engenharia Civil – 7º D
  3. 3. CAPÍTULO 5 Modelo de Planejamento e Controle da Produção para Empresas de Construção
  4. 4. INTRODUÇÃO  Implementação de ações para melhorias dos sistemas de Planejamento e Controle da Produção  Construção de um modelo geral de planejamento  FINANCIAMENTO: Programa HABITARE da FINEP
  5. 5. INTRODUÇÃO  “Gestão da Qualidade na Construção Civil: estratégias, recursos humanos e melhorias de processos em pequenas empresas.”  DESENVOLVIMENTO: NORIE da UFRGS
  6. 6. MODELO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO
  7. 7. O MODELO
  8. 8. PREPARAÇÃO DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO
  9. 9.  Primeira Etapa  Norte para etapas seguintes  Permite análise das decisões tomadas nos estágios preliminares A PREPARAÇÃO
  10. 10. INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS
  11. 11. INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS A) Planejamento estratégico do empreendimento B) Projetos e especificações C) Projeto de Leiaute
  12. 12. INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS D) Projeção de receitas E) Orçamento discriminado F) Alternativas identificadas frente à avaliação do processo de planejamento
  13. 13. REALIZAÇÃO
  14. 14. REALIZAÇÃO A) Tomar decisões preliminares B) Estabelecer padrões de planejamento C) Detalhar restrições D) Definir estratégia de ataque
  15. 15. REALIZAÇÃO
  16. 16. PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO
  17. 17.  Primeiro planejamento de caráter tático  Plano de longo prazo da obra  Programação de recursos Classe 1 PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO
  18. 18. ETAPAS
  19. 19. ETAPAS A) Coletar informações B) Preparar Plano de Longo Prazo C) Gerar fluxo de caixa D) Difundir Plano de Longo Prazo
  20. 20. ETAPAS E) Programar recursos CLASSE 1 F) Difundir Programação de recursos CLASSE 1 G) Comprar materiais CLASSE 1 H) Contratar mão-de-obra I) Comprar/Alugar equipamentos
  21. 21. REALIZAÇÃO
  22. 22. PLANEJAMENTO DE MÉDIO PRAZO
  23. 23.  Segundo nível de planejamento tático  Faz a interligação entre os planos mestres (Planos de Longo prazo) com os planos operacionais (Planos de Curto Prazo)  Identifica os problemas no ambiente produtivo PLANEJAMENTO DE MÉDIO PRAZO
  24. 24. ETAPAS
  25. 25. ETAPAS A) Coletar informações Plano gerado a partir de informações do Plano de Longo Prazo e de informações retro - alimentadas do Plano de Curto Prazo. B) Analisar Fluxos Fixos Reduzir os conflitos das equipes C) Preparar e Difundir Plano de Médio Prazo A partir de diagrama de GANTI ou desdobramentos dos processos constantes no Plano de Longo Prazo
  26. 26. ETAPAS D) Programas e Difundir recursos Classes 2 e 3 -Classe 2 – ciclo de aquisições inferior a 30 dias e de média frequência -Classe 3 – pequeno ciclo e alta frequência de aquisição E) Contratar mão-de-obra Dentro do prazo para não prejudicar a preparação do Plano de Curto Prazo
  27. 27. ETAPAS F) Comprar/Alugar Equipamentos Para a execução das atividades programadas no médio e curto prazo G) Disponibilizar recursos Classes 2 e 3 Rastreamento, entrega, conferência e notificação ao setor de suprimentos referente aos recursos adquiridos
  28. 28. REALIZAÇÃO
  29. 29. PLANEJAMENTO DE CURTO PRAZO
  30. 30.  Orientar diretamente a execução da obra  Normalmente ciclo semanais  Obras muito rápidas ou com muita incerteza – até ciclos diários PLANEJAMENTO DE CURTO PRAZO
  31. 31. ETAPAS
  32. 32. ETAPAS A) Coletar informações Fluxo de trabalho das equipes de produção e dos fluxos de materiais da obra B) Preparar Plano de Curto Prazo Proteção da produção dos efeitos da incerteza C) Difundir Plano de Curto Prazo Dois estágios: 1º Engenheiro e os encarregados 2º Encarregados e demais funcionários
  33. 33. ETAPAS D) Alocar Recursos CLASSES 1, 2 e 3 Deve obedecer o itinerário de análise dos fluxos físicos realizada no médio prazo E) Executar a obra - Ocorre durante o di-a-dia de acordo com o planejamento. - São identificadas as razões pelas quais as metas planejadas não estão sendo cumpridas - A correção dos desvios deve ser registrada nos relatórios.
  34. 34. REALIZAÇÃO
  35. 35. AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO
  36. 36. ETAPAS A) Identificação de problemas Realizar uma reunião de avaliação. Preparação de um relatório geral. B) Desenvolvimento de alternativas Para próximos empreendimentos da empresa ou próximas etapas da obra.
  37. 37. RESUMO DO CAPÍTULO 5
  38. 38. CAPÍTULO 6 Diretrizes para o Desenvolvimento de Sistemas de Planejamento e Controle da Produção
  39. 39. EQUIPE DE DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO  Viável que seja formada pelos usuários diretos do sistema PCP (Diretor/Engenheiro/Estagiário/Metre-de-Obras)  Função da Equipe: 1ª PRINCIPAL 2ª FUNDAMENTAL
  40. 40. UTILIZAÇÃO DE UM PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE PCP
  41. 41. UTILIZAÇÃO DE UM PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE PCP  Prioridades deste plano: datas, horários e local de desenvolvimento das atividades necessárias para o PCP  Como prepara-lo: através de calendários de reuniões  Datas – Marco do Plano
  42. 42. UTILIZAÇÃO DE UM PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE PCP  Revisão do Plano : Metas poderão ser impostas  Seminário Inicial Formal : Disponibilizar conhecimentos teóricos e práticos que facilitem nas discurssões.  Divulgação do Processo de Mudança : Informar o objetivo de tal mudança.
  43. 43. ESTABELECER PROGRAMA DE TREINAMENTO
  44. 44. OBJETIVO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO  Direcionados aos funcionários que irão utilizar o sistema.  Módulos de treinamento : Auxilia na tomada de decisões  Objetivo Geral da diretriz : um saber agir responsável e reconhecido, que implica mobilizar, integrar, transferir conhecimentos, recursos, habilidades, que agreguem valor econômico e valor social ao individuo.
  45. 45. AUXILIAR OS FUNCIONÁRIOS NO GERENCIAMENTO DO TEMPO NECESSÁRIO À IMPLEMENTAÇÃO DA MUDANÇA
  46. 46. O AUXÍLIO  FALTA DE TEMPO X FALTA DE FLEXIBILIDADE DE TEMPO: Excesso de atividades que determinado funcionário está executando durante o seu período de trabalho;  Eficiência do funcionário ao longo do tempo
  47. 47. ESTABELECER ALTERNATIVAS DE PARTICIPAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO
  48. 48. DELEGAÇÃO E ATRIBUIÇÃO DE TAREFAS 1 - O sistema só é implantado quando os líderes estão cientes dos resultados positivos; 2 - O plano de desenvolvimento é suficiente discutido com todos os envolvidos; 3 - Exigências de qualidade e de cumprimento de prazo por parte do cliente ou de seu representante. 4 - Amadurecimento dos conceitos relativos ao modelo de PCP
  49. 49. UTILIZAR TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA MINIMIZAR O TEMPO DE PREPARAÇÃO DOS PLANOS
  50. 50. UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO  Diminuição de carga de trabalho utilizando sistemas computacionais  Redução no tempo de preparação dos planos  Arquivo eletrônico pode auxiliar também no ganho de tempo.
  51. 51. UTILIZAR O SISTEMA DE INDICADORES DO PCP PARA AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO
  52. 52. UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE INDICADORES - PCP  Verificação se o sistema está sendo operacionalizado (sistema de indicadores do PCP para avaliação);  Indicadores divulgados e debatidos em reuniões de planejamento;  Funcionários treinados para interpretar o significado dos indicadores;  Estabelecimento de reuniões periódicas (tomada de decisões em conjunto).
  53. 53. CONSIDERAR OS PROBLEMAS EXTERNOS NA PROTEÇÃO DA PRODUÇÃO
  54. 54. CONTRATEMPOS  PROBLEMAS EXTERNOS: intempéries do tempo e interferência por parte do cliente, são causadas por fatores naturais, tornando-se difícil sua solução  Planos alternativos para as equipes cujos pacotes de trabalho possam ser afetados por essa fonte de incerteza.
  55. 55. ANALISAR OS DADOS PRELIMINARES
  56. 56. ANÁLISE DE DADOS PRELIMINARES  Através da interpretação desses dados preliminares podemos indicar: Deficiência na implementação do sistema (hierarquização e definição errônea de uma meta operacional causada por um problema de compreensão pelo responsável.  Antecipação dos problemas
  57. 57. RESUMO DO CAPÍTULO 6

×