Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.

Iconografia budista

123 visualizaciones

Publicado el

Arte Budista.

Publicado en: Arte y fotografía
  • Sé el primero en comentar

  • Sé el primero en recomendar esto

Iconografia budista

  1. 1. Iconografia Budista Em Samjusangen-do um templo budista do Japão existe uma estátua curiosa do bodisatva Avalokitesvara. Essa estátua representa o botisatva da compaixão que na China é conhecida como Guanyin e no Japão como Kannon. A estatua representa Kannon com mil braços formado por mil estatuetas menores cada uma representando uma pessoa que a bodisatva retira do sofrimento do samsara. Quase todas as mil estatuas ainda encontram-se intactas já que o material utilizado para a criação da obra foi madeira de cipreste japonês. Além das cerca de mil estátuas existem ainda vinte e oito estátuas que representam divindades guardiãs, e as estátuas dos deuses xintoístas Raijin e Fujin. A obra foi concluída no ano 1164 no reinado do Imperador Go-Shirakawa no Período Heian da história nipônica. As estátuas de Kannon sentada, as mil estátuas de Kannon em pé, os 28 Guardiões, Raijin e Fujin são todos Tesouros Nacionais do Japão. Os 28 Guardiões de Avalokitesvara: Nijūhachibushū ou Ninju-Hachibushu, do japonês “espíritos”, são os vinte-e-oito (28) guardiões de Senju Kannon (em sânscrito Avalokitesvara, em mandarim Guanyin). Os 28 Guardiões são um grupo de divindades que acompanham a bodisatva Avalokitesvara e fazem parte da iconografia budista mahayana. A prática de representar Avalokitesvara ou Guanyin com vinte e oito guardiões surgiu na Dinastia Tang chinesa. O Templo Budista de Sanjusangen-do em Quioto no Japão, Sanjusangen-do em japonês significa a “Sala do Rei de Lótus”. O Templo também é conhecido como Rengeouin. Os 28 Guardiões correspondem a deuses hindus que receberam nomes nipônicos, porém essas divindades não recebem nenhum culto, apenas são reproduzidos artisticamente. As 28 Divindades variam no Japão de acordo com a seita e com a religião. Os Templos que retratam Kannon e os Guardiões são raros no Japão. Os principais templos nipônicos são Sanjusangendo em Kyoto, Jōroku-ji em Shiga, e Kofuku-ji em Nara. Em Nara apenas oito dos 28 guardiões ainda estão intactos. As 28 Divindades correspondem aos 4 Reis Celestiais dos Pontos Cardeais, aos 2 Reis Nio, às 8 Legiões Guardiãs do Budismo, a deuses dragões, deuses guardiões dos 6 Mundos do Budismo e a outras divindades. No total são 30 divindades destarte alguns membros de um desses grupos sejam integrantes de outros grupos, totalizando 28. Essas 28 divindades são variáveis de acordo com a seita e o templo budista. Os 28 Guardiões de Avalokitesvara em Sanjusangendo, Quito, Japão: Raijin & Fujin; Reis Nio; As Oito Legiões; Os Quatro Reis Celestiais; Outros Deuses. Raijin e Fujin: As estátuas dos deuses Raijin e Fujin, da tempestade e do vento respectivamente, não fazem parte dos 28 Guardiões de Avalokitesvara. Essas divindades xintoístas foram acrescentadas ao panteão de divindades protetoras do Budismo por serem muito populares no Japão. Raijin: deus do raio, do relâmpago e do trovão. Ele utiliza um tambor para causar tempestades e é representado portando um raio ou com um chakra com símbolos elétricos nas costas. Fujin: deus do vento e dos furacões. Ele é representado como um homem de pele escura vestindo pele de leopardo e carregando um saco onde aprisiona os ventos. Os Reis Nio: Os reis Nio são na verdade a transformação do deus hindu Vajradhara em duas divindades. Agyo é representado com a boca aberta enquanto Ungyo com a boca fechada. A boca aberta tem a finalidade de afastar os maus espíritos e a boca fechada atrair os bons. Os templos budistas da China e Japão apresentam essas duas entidades nas entradas dos recintos sagrados com objetivo de repelir o mal e atrair o bem.
  2. 2. Misshaku-Kongorikishi ou Agyo (Em sânscrito Vajradharas). Naraenkengo-o ou Ungyo (em sânscrito Vajradharas). Os Quatro Reis dos Pontos Cardeais: Os Shitenno são os quatro guardiões do Budismo que protegem contra os maus espíritos. Carregam armaduras e quatro emblemas celestiais. Os Shitenno são identificados com os quatro pontos cardeais e são liderados por Taishukuten. Os Shitenno são: Taishukuten ou Taishokuten (em sânscrito Indra): É o líder do Shitenno, sendo responsável pela proteção do centro. Tamonten ou Bishamontein (em sânscrito Vaisravana): Além de fazer parte do Shitenno, faz parte das 8 Legiões ou Guardiões do Budismo e é um dos 7 Deuses da Sorte Nipônicos. Originário da Índia é o chefe dos Yaksas e dos Rakshasas. Os Rakshasas são divindades poderosas da mitologia hindu. Rei do Norte, sua cor é a preta, reina sobre a estação do Inverno. Seu elemento é a terra e é o responsável pela saúde dos homens. Porta um Trishula ou tridente identificado com Shiva e uma pagode. As pagodes são os templos budistas e elas guardam os sutras, livros sagrados. Por isso Bishamonten é o guardião dos templos e dos livros sagrados. Jikokuten ou Jikoku (em sânscrito Dhrtarastra): É o Rei do Leste, protetor da nação e regente da primavera. Seu elemento é a água e sua cor é a azul. É o senhor dos Ghardarvas e dos Pisacas. Ele é conhecido também como Toho-ten, Tōhō-tem ou Tohoten. Zochoten (em sânscrito Virudhaka): É o Rei do Sul e senhor do verão. Seu elemento é o fogo e a cor é a vermelha. Também identificado com Kumbhanda. É o senhor da prosperidade. Em Sanjusangendo é chamado de Birubakusha-tennō. Komokuten (em sânscrito Virupaksa): É o Rei do Oeste e da estação do outono. Representa o 3º olho, a visão transcendental. Sua cor é a branca e seu elemento é o metal. Reina sobre a estação do outono. É o senhor dos nagas e dos putanas. Também é o justiceiro dos Shitenno. Também chamado de Birurokusha ou Birurokusha-tennō.
  3. 3. As Legiões de Guardiões do Budismo: As Oito Legiões guardiãs do budismo correspondem a um grupo de oito divindades de origem hindu que povoam os 6 mundos do samsara. Assim como no Ocidente existiam seres como os centauros, os titãs, os gigantes, os semideuses, as ninfas, as musas, etc.; entre os budistas e hindus existem “raças” de divindades que servem os deuses (devas). Essas divindades são os apsaras, nagas, yaksas, gandharvas, asuras, garudas, kimnaras e mahoragas. Ten (em sânscrito Deva): são os seres celestiais que habitam o 6º nível de existência, o Paraíso. Também conhecido como Gobujyōgo-ten ou Gobujou. Os Apsaras ou Tennin são os auxiliares dos devas (deuses). Ryu (em sânscrito Naga): são os dragões e serpentes liderados por Komokten. No Japão também são conhecidos como Sakararyu-ō, Shagara ou Sakara Ryuu. Konpira-ō / Yasha (em sânscrito Yaksa): são os espíritos guerreiros das matas. O líder é Tamonten. O nome da estátua na iconografia budista japonesa é Kubanda. Em Sanjusangendo Konpira-o é representado como um músico portando um instrumento musical. Kendatsuba (em sânscrito Gandharva): são os músicos, médicos e protetores das crianças na mitologia hindu. São representados pelos 12 animais do Zodíaco chinês. O líder dos Gandharvas é Jikokuten. Na imagem acima Kendatsuba é representado com o Dharmachakra símbolo do budismo conhecido como a roda dos oito caminhos. Ashura, Ashura-ō ou Shura (em sânscrito Asura): são os semideuses que disputaram com os devas o controle do universo. Os Asuras praticam o bem e o mal, e habitam o 4º nível de existência, o inferno dos guerreiros, ou Asura. Os asuras lutam contra os devas que são comandados por Taishakuten (em sânscrito Indra). Karura ou Karura-ō (em sânscrito Garuda): São os homens-águia. Os Garudas são inimigos naturais dos dragões (nagas). Kinnara ou Kinnara-ō (em sânscrito Kimnara): são os músicos e dançarinos celestiais. Representado como homem com cabeça de cavalo. O líder dos Kimnara é Tamonten. Magoraka ou Magoraka-ō (em sânscrito Mahoraga): são os músicos que possuem corpos serpentiformes. O nome da estátua na iconografia budista é Hibakara.
  4. 4. Outras Divindades: em Sanjusangendo as outras divindades guardiãs do budismo correspondem a: Jinmo-ten, Manzensha-ō, Hippakara-ō e Konjikikujyaku-ō; Sanshitai-shō, Nandaryu-ō. Kondai-ō (essa divindade carrega uma espada apontada paralelamente ao horizonte), Mansen-ō (porta um tridente), Makeishūra-ō (essa divindade parece ser Shiva), Daibon-ten, Daibon-tenno ou Daibon-tennō; Daibenkudoku-ten ou Kichijoten (em sânscrito Lakshimi). Lakshimi é a deusa da beleza, da sorte e do mérito. Lakshimi é a deusa da fortuna da Índia, e a esposa de Vixnu. Para os budistas ela é esposa de Bishamonten e filha do Rei Dragão e Kishimojin (em sânscrito Hariti). Ela é uma das 7 Deusas da Felicidade xintoísta. Mawara-nyo ou Mawara-ō (em sânscrito Maha-bala). É uma divindade de origem hindu, mas com poucas informações sobre ela. Basu ou Basusen (em sânscrito Vasu). Basu é um eremita budista que peregrina pelo deserto salvando as pessoas que desviaram do seu caminho. Essa divindade aparece junto a Lacximi (Kichijoten). Ele é representado como um idoso carregando um livro, os segredos dos sutras, e o pergaminho é feito de fibras de folhas de palmeira.

×