Se ha denunciado esta presentación.
Se está descargando tu SlideShare. ×

Processo de consolidação óssea.pptx

Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Próximo SlideShare
sindrome compartimental.pptx
sindrome compartimental.pptx
Cargando en…3
×

Eche un vistazo a continuación

1 de 18 Anuncio
Anuncio

Más Contenido Relacionado

Más reciente (20)

Anuncio

Processo de consolidação óssea.pptx

  1. 1. Leidiva Correia dos Santos leidiva2013@gmail.com Estudante de medicina 5º ano
  2. 2. Introdução 2 ▪ Quando um osso é fraturado um processo de reparação óssea é desencadeado, denominado consolidação. ▪ A consolidação óssea é a união mecânica dos fragmentos ósseos que permite a restauração fisiológica do tecido e a recuperação da função do osso. Esse processo é composto de uma sequência de eventos divididos em diferentes estágios. É um biológico, que ocorre de forma expontânea. ▪ Apresenta as seguintes fases: hematoma, fase inflamatória, calo mole (fibrosa), calo duro (ossificação) e remodelação óssea.
  3. 3. ▪ O médico responsável só conseguirá determinar qual o melhor tratamento para a lesão após a primeira fase, por conta do sangramento do osso. ▪ A partir daí o tratamento pode ser iniciado para garantir a cicatrização correta da fratura, onde podem ocorrer duas possibilidades, a depender da estabilidade que o tratamento causará na estrutura danificada. ▪ O sucesso do tratamento está relacionado com a capacidade das extremidades ficarem próximas e se regenerarem adequadamente. Essa consolidação pode acontecer de forma natural, apenas com a imobilização ou não do membro afetado, ou com a ajuda de placas e parafusos específicos para manter as partes próximas e proporcionar a reconstrução. 3
  4. 4. 1. Tipos de consolidação óssea
  5. 5. Consolidação Primária: ▪ Também chamada de Endocondral, ocorre no osso tipo esponjoso, peculiar a alguns ossos ou na região metafisária dos ossos longos. Neste tipo de consolidação, não há formação de calo ósseo. Para que ocorra no osso do tipo cortical, necessita que o método utilizado para estabilização óssea não permita mobilidade no foco de fratura (estabilidade absoluta) . 5
  6. 6. Neste tipo de consolidação as extremidades do osso são mantidas próximas com a ajuda de um recurso externo. O osso se reconstrói com o passar do tempo, de dentro pra fora, sem formação de calo ósseo na lesão. Esse tipo de abordagem é geralmente aplicada em fraturas de articulações (cotovelos, joelhos, tornozelos e antebraços), pois ajuda a garantir a mobilidade com mais rapidez. 6
  7. 7. Recebe também a denominação de Intermembranosa, acontece, exclusivamente, no osso cortical. Neste tipo de consolidação sempre há formação de calo ósseo. Necessita que o método utilizado para estabilização óssea permita mobilidade no foco de fratura (estabilidade relativa) . Consolidação Secundária Nesse caso, pode ser utilizado gesso, fios de kirschner, placas, ou hastes intramedulares. Representa uma grande vantagem com relação ao anterior, pois permite a utilização dos tecidos próximos para o processo de regeneração. 7
  8. 8. 2.Etapas da consolidação óssea
  9. 9. 9 Hematoma e Inflamação • Quando o osso quebra ocorre um sangramento. Esse sangue forma o hematoma fraturario e uma resposta inflamatória se inicia. Após o rompimento dos vasos sanguíneos ocorre uma necrose óssea perto das extremidades dos fragmentos da fratura, com vasodilatação e hiperemia nas partes moles que circundam a fratura. • Com o novo crescimento de elementos vasoformadores e capilares para dentro do hematoma, ocorre a infiltração de lucócitos, monócitos, macrófagos e mastócitos; com o objetivo de remoção do coágulo e dos restos celulares. Ao mesmo tempo os osteoclastos iniciam a absorção do osso necrótico. • Esses dois primeiros processo duram aproximadamente duas semanas.
  10. 10. 10 Calo mole • Depois disso começa a formação do calo ósseo, que se inicia quando os condroblastos e fibroblastos desenvolvidos pelo periósteo irão dar origem a um tecido fibrocartilaginoso chamado calo mole, este tecido irá servir como uma “cola biológica”, colando as extremidades ósseas e aumentando a estabilidade do segmento. • Esse estágio ocorre aproximadamente três semanas após a fratura. A dor e o edema diminuem e os fragmentos não conseguem se mover. Ao final desse estágio a estabilidade presente no local afetado já é adequada para se prevenir o encurtamento. Deve-se tomar cuidado extra pois ainda é possível que haja angulação no local da fratura.
  11. 11. 11 Calo duro • Quando as extremidades da fratura estão unidas pelo calo mole, se inicia o estágio do calo duro. Nessa fase os fragmentos estão firmemente unidos por uma neoformação óssea, que termina 3 ou 4 meses após a fratura. • O calo mole é convertido em um tecido calcificado e rígido por meio de ossificação intramembranosa e da ossificação endocondral de aparecimento mais tardio, na fase final de formação do calo ósseo a partir de condrócitos que se diferenciam das células indiferenciadas. A ação dos osteoblastos (células responsáveis pela produção de tecido ósseo) é muito importante nessa fase, já que produzem uma nova matriz óssea. Inicialmente essa matriz é desordenada e irregular, provocando a formação de um calo ósseo calcificado. Esse tecido ósseo formado ainda é imaturo.
  12. 12. 12 Remodelação • Se inicia a partir da 8ª semana após a lesão e tem duração de alguns meses ou até anos, dependendo de varios fatores. • Nesta fase há substituição do tecido ósseo imaturo por tecido ósseo maduro. Ocorre regularidade na distribuição das fibras da matriz, seguindo as orientações das linhas de força. caracteriza-se pela intensa atividade osteoblástica e osteoclástica. • Esse estágio termina quando o osso retoma completamente à sua morfologia original, incluído a restauração do canal medular. • Esta fase respeita a lei de Wolff que diz que o osso se remodela depositando osso onde necessário e reabsorvendo-o onde desnecessário.
  13. 13. 13
  14. 14. 14 3.FATORES QUE INTERFEREM NO TEMPO DE CONSOLIDAÇÃO DAS FRATURAS
  15. 15. 15 • Estabilidade do foco da fratura ou fator mecânico:É o principal dos fatores que interferem no tempo da consolidação óssea. A mobilidade no foco de fratura determinará, dependendo do osso envolvido, o tipo de consolidação óssea. Existem dois tipos de estabilização óssea, absoluta e relativa . A estabilização absoluta é obrigatoriamente cirúrgica, não permite mobilidade no foco de fratura, portanto não haverá formação de calo ósseo. Na estabilização relativa, quer seja no tratamento conservador ou no cirúrgico, permite-se certo grau de mobilidade no foco de fratura, e logo haverá formação de calo ósseo. Figura 1. Fratura Transtrocanteriana com componente subtrocantérico. Figura 2. Osteossíntese com placa longa utilizando estabilização absoluta. Nas figuras 1 e 2 acima, após 16 meses a fratura encontra-se consolidada clinicamente, e não é possível visualizar calo ósseo, pois o método empregado não permite mobilidade no foco de fratura (estabilidade absoluta).
  16. 16. 16 ▪ Vascularização: Fatores intrínsecos e extrínsecos, que de certa forma possam alterar a vascularização sistêmica ou local, podem alterar significativamente a viabilidade e consequentemente o tempo de consolidação óssea ▪ Idade: A idade é um fator que interfere, quer seja de maneira positiva ou negativa, na consolidação óssea. Nos casos dos idosos, muitas vezes há uma lentificação do metabolismo, bem como déficit de algumas substâncias essenciais e menor solicitação mecânica, aumentando assim o tempo para a consolidação da fratura. ▪ Qualidade óssea: A qualidade do osso é um fator que também tem influência na consolidação óssea. Algumas doenças como osteoporose, osteodistrofia renal, entre outras; o uso de medicações, bisfosfonados, calcitonina, corticóides; hábitos como o tabagismo ou o sedentarismo,a nutrição podem agir alterando o tempo de consolidação, favorecendo-o ou dificultando-o
  17. 17. COMPLICAÇÕES NA CONSOLIDAÇÃO ÓSSEA • Consolidação viciosa: o osso cicatriza em uma posição anatômica incorreta, que pode ter implicação apenas estética ou até provocar a limitação ou perda da função do membro afetado. Crianças tem maior capacidade de recuperar a anatomia normal após a consolidação viciosa de uma fratura, devido ao rápido metabolismo e remodelação óssea. • Pseudoartrose: A pseudoartrose é definida como a ausência de consolidação óssea no tempo médio estimado para consolidação.São sinais clínicos de pseudoartrose a dor e a mobilidade no foco de fratura. São sinais radiográficos a ausência de formação de calo ósseo ou calo ósseo exuberante (pseudoartrose hipertrófica), bordas dos fragmentos arredondadas e perda óssea. • A pseudoartrose está relacionada a uma falha no processo de consolidação do osso fraturado. Isto pode estar relacionado a vários fatores, e alguns dos principais são:Instabilidade mecânica, Vascularização deficiente no local da fratura, Tratamento e acompanhamento inadequados ou tardio da fratura, Presença de lacuna entre os fragmentos do osso. É importante considerar que alguns fatores, como presença de diabetes, nutrição inadequada e tabagismo exercem influências negativas sobre o processo de cicatrização. • Retardo de consolidação é definido como um atraso no tempo médio de consolidação óssea, porém existe uma evolução do processo de consolidação em radiografias seriadas. Apresenta evolução benigna, cursando, normalmente, com consolidação óssea, podendo evoluir para cura ou sequela
  18. 18. Figura 7. Pseudoartrose hipertrófica. Figura 8. Pseudoartrose hipotrófica. Treatment of Distal Radio Vicious Consolidation

×