Se ha denunciado esta presentación.
Utilizamos tu perfil de LinkedIn y tus datos de actividad para personalizar los anuncios y mostrarte publicidad más relevante. Puedes cambiar tus preferencias de publicidad en cualquier momento.
1
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
2
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
Os seres humanos, premidos pelo medo do desconhecido,
sempre pensaram em devolver à natureza o que ...
CREMAÇÃO, INUMAÇÃO E
EXUMAÇÃO
4
CREMAÇÃO
Cremação vem de cremare, significando incinerar ou
queimar.
É a combustão do corpo de forma rápida, feita em forn...
INUMAÇÃO E EXUMAÇÃO
O verbo inumar quer dizer
sepultar ou enterrar. É
isso que, com maior
frequência, acontece no
Ocidente...
7
DADOS HISTÓRICOS
DA CREMAÇÃO
DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO
A cremação é um dos processos mais antigos praticados
pelo homem.
Em algumas sociedades este ...
DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO
Nessas civilizações, como a cremação era considerada um
destino nobre aos mortos, o sepultame...
DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO
Em 1867, foi promulgada uma lei que tornava obrigatório
incinerar as pessoas mortas por doenç...
DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO
Mas a prática
permaneceu usual no
mundo oriental: indianos
e japoneses sempre
foram adeptos d...
DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO
12
Cerimónia de cremação nas margens do Ganges, na Índia.
DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO
Desde o princípio, mesmo invocando-
se pretexto de salubridade pública, a
cremação foi tida c...
DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO
Na Segunda metade do século XX, por volta dos anos 70, já se
registavam cerca de 300 mil crem...
DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO
O incremento de aceitação da idéia de
cremação é observado em várias
partes do mundo.
Nos paí...
16
VISÃO ESPÍRITA
DA CREMAÇÃO
VISÃO ESPÍRITA DA CREMAÇÃO
O Espiritismo não proíbe a cremação de cadáveres, mesmo
porque nada é proibitivo no Espiritismo...
VISÃO ESPÍRITA DA CREMAÇÃO
Nosso corpo material, que é energia densificada,
liga-se ao Espírito, Ser Inteligente de essênc...
VISÃO ESPÍRITA DA CREMAÇÃO
Para dar vida ao corpo carnal, o perispírito se liga a
ele, célula a célula, elemento a element...
VISÃO ESPÍRITA DA CREMAÇÃO
Sendo assim, o fenómeno da morte nada mais é do
que o desligamento de todos os fios fluídicos d...
21
MORTE ENCEFÁLICA E
DESENCARNAÇÃO
MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO
Na morte encefálica ocorre uma alta
pressão e, por isso, o sangue deixa
de circular no cé...
MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO
Ao Espiritismo cabe analisar um fenómeno ligado à morte,
mas que não ocorre necessariamen...
MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO
Questão 154: - “A separação da alma e do corpo é
dolorosa?”
“Não; o corpo, frequentemente...
MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO
Questão 155-a: - “A separação se verifica instantaneamente,
numa transição brusca? Há uma...
MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO
Para uns, é bastante
rápido e pode dizer-se
que o momento da
morte é também o da
libertaç...
MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO
É lógico admitir que, quanto mais o Espírito estiver
identificado com a matéria, mais sof...
MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO
“Não, pois isso depende da sua elevação. Aquele que já
está depurado se reconhece quase i...
MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO
Nas mortes violentas, por suicídio, acidente, ferimentos,
etc., o Espírito é surpreendido...
MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO
Morrer não é libertar-se facilmente. Para quem varou a
existência na Terra entre abstinên...
31
SITUAÇÃO DO ESPÍRITO NO
MOMENTO DA CREMAÇÃO
SITUAÇÃO DO ESPÍRITO NO MOMENTO DA CREMAÇÃO
Se com a morte, como vimos, o Espírito está totalmente
desconectando do corpo ...
SITUAÇÃO DO ESPÍRITO NO MOMENTO DA CREMAÇÃO
Emmanuel, no livro “O Consolador”, psicografado por Chico
Xavier, quando lhe p...
Léon Denis (“O Problema do Ser”), diz: “Em tese geral, a
cremação provoca desprendimento mais rápido, mais
brusco e mais v...
Chico Xavier: “Já ouvimos Emmanuel a esse
respeito, e ele diz que a cremação é legítima para
todos aqueles que a desejem, ...
Se pudéssemos, pediríamos tempo para os mortos. Se a lei
divina fornece um prazo de noves meses para que a alma
possa rena...
37
CONCLUSÃO
CONCLUSÃO
Muito mais importante que semelhantes cuidados seria
cultivarmos uma existência equilibrada, marcada pelo
esforç...
CONCLUSÃO
Chico Xavier informa-nos que 72 horas seria o tempo ideal,
mas, 48 horas, com oração, equilíbrio emocional e fé ...
CONCLUSÃO
Há, todavia, Espíritos que se apegam ao corpo, mormente,
quando não têm esclarecimentos e desencarnam em
process...
Próximo SlideShare
Cargando en…5
×

de

Cremação Slide 1 Cremação Slide 2 Cremação Slide 3 Cremação Slide 4 Cremação Slide 5 Cremação Slide 6 Cremação Slide 7 Cremação Slide 8 Cremação Slide 9 Cremação Slide 10 Cremação Slide 11 Cremação Slide 12 Cremação Slide 13 Cremação Slide 14 Cremação Slide 15 Cremação Slide 16 Cremação Slide 17 Cremação Slide 18 Cremação Slide 19 Cremação Slide 20 Cremação Slide 21 Cremação Slide 22 Cremação Slide 23 Cremação Slide 24 Cremação Slide 25 Cremação Slide 26 Cremação Slide 27 Cremação Slide 28 Cremação Slide 29 Cremação Slide 30 Cremação Slide 31 Cremação Slide 32 Cremação Slide 33 Cremação Slide 34 Cremação Slide 35 Cremação Slide 36 Cremação Slide 37 Cremação Slide 38 Cremação Slide 39 Cremação Slide 40
Próximo SlideShare
Corpo físico
Siguiente
Descargar para leer sin conexión y ver en pantalla completa.

3 recomendaciones

Compartir

Descargar para leer sin conexión

Cremação

Descargar para leer sin conexión

Ponte de Luz ASEC

Cremação

  1. 1. 1
  2. 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2
  3. 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Os seres humanos, premidos pelo medo do desconhecido, sempre pensaram em devolver à natureza o que da natureza é. O mais comum é devolver à terra . Contudo, há também a cremação. Os aspectos religiosos têm um peso muito grande na forma como nos desfazemos desses restos mortais. O cristianismo, por exemplo, opõe-se a qualquer tipo de destino que não seja a terra. Epidemias, necessidade de espaço e outras considerações acabaram resultando na escolha também da cremação. 3
  4. 4. CREMAÇÃO, INUMAÇÃO E EXUMAÇÃO 4
  5. 5. CREMAÇÃO Cremação vem de cremare, significando incinerar ou queimar. É a combustão do corpo de forma rápida, feita em forno especial, que produz calor de 1.100º c a 1.370º c. Os ossos se reduzem a cinzas, que podem ser guardadas em urnas. É um método muito antigo e asséptico, pois ocupa pouco espaço e do corpo sobram apenas cinzas, que são desfeitas com facilidade. 5
  6. 6. INUMAÇÃO E EXUMAÇÃO O verbo inumar quer dizer sepultar ou enterrar. É isso que, com maior frequência, acontece no Ocidente. Exumar, que é um verbo composto por ex + humus (terra), e significa desenterrar ou retirar de dentro da terra. 6
  7. 7. 7 DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO
  8. 8. DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO A cremação é um dos processos mais antigos praticados pelo homem. Em algumas sociedades este costume era considerado corriqueiro e fazia parte do quotidiano da população, por se tratar de uma medida prática e higiénica. Alguns povos utilizavam a cremação para rituais fúnebres: os gregos, por exemplo, cremavam seus cadáveres por volta de 1.000 A.C. os romanos, seguindo a mesma lista de tradição, adotaram a prática por volta do ano 750 A.C. 8
  9. 9. DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO Nessas civilizações, como a cremação era considerada um destino nobre aos mortos, o sepultamento por inumação ou entumulamento era reservado aos criminosos, assassinos, suicidas e aos fulminados por raios (considerada até então uma "maldição" de Júpiter). As crianças falecidas mesmo antes de nascerem os dentes também eram enterradas. No Japão, a cremação foi adotada com o advento do Budismo, em 552 D.C, importado da China. Como em outras localidades, ela foi aceite primeiramente pela aristocracia e a seguir pelo povo. Incentivados pela falta de lugares para sepultamento, pois o Japão possui pouquíssimo espaço territorial, os japoneses incrementaram significativamente a prática. 9
  10. 10. DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO Em 1867, foi promulgada uma lei que tornava obrigatório incinerar as pessoas mortas por doenças contagiosas para um controlo sanitário eficaz e eficiente, bem como para racionalizar e obter melhor uso da terra. Os cidadãos passaram a considerar normal cremar todos os mortos e todas as religiões passaram a recomendá-la. Porém, há religiões que não recomendam a cremação. A Igreja Católica, por exemplo, permite a cremação se não for feita com a intenção materialista , de negação da ressurreição dos corpos, mas até recomenda «vivamente» a prática de enterrar os corpos. 10
  11. 11. DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO Mas a prática permaneceu usual no mundo oriental: indianos e japoneses sempre foram adeptos da cremação. 11 Em Bali, os corpos flutuam em chamas pelas ruas até um terreno, onde eles são transferidos para um recipiente.
  12. 12. DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO 12 Cerimónia de cremação nas margens do Ganges, na Índia.
  13. 13. DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO Desde o princípio, mesmo invocando- se pretexto de salubridade pública, a cremação foi tida como contrária à fé cristã, por atentar basicamente contra o dogma da imortalidade da alma e da ressurreição dos corpos, tomando-se tal prática como destruição total e definitiva dos homens, após a morte. Por esses motivos, houve muita hostilidade contra o catolicismo, num Congresso sobre Cremação, em 1882. E o Código Canónico de 1917 proibiu expressamente a prática das cremações. 13
  14. 14. DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO Na Segunda metade do século XX, por volta dos anos 70, já se registavam cerca de 300 mil cremações anuais, na Inglaterra, representando quase que a metade do total das mortes ocorridas, e havendo mais de 190 crematórios em operação. Esse avanço foi feito, em vários aspectos da matéria, após a Segunda Grande Guerra, inclusive melhorando-se a arquitetura e desenvolvendo-se os “jardins da recordação”, ligados a cada crematório, onde as cinzas do morto podiam ser enterradas, guardadas ou espalhadas. Ao mesmo tempo, inovações técnicas não foram negligenciadas, de tal forma que o processo pelo qual o morto era reduzido a cinzas passou a ser executado numa velocidade cada vez maior. 14
  15. 15. DADOS HISTÓRICOS DA CREMAÇÃO O incremento de aceitação da idéia de cremação é observado em várias partes do mundo. Nos países escandinavos (Suécia, Noruega, Dinamarca, Islândia e Finlândia) e em todos os países da Europa onde há sociedades de cremação, os crematórios são instalados nas áreas mais densamente povoadas e tem aumentado o número de cremações. O progresso foi ainda maior na Austrália e na Nova Zelândia onde, em cada caso, as cremações vão além de 30% do total das mortes. 15
  16. 16. 16 VISÃO ESPÍRITA DA CREMAÇÃO
  17. 17. VISÃO ESPÍRITA DA CREMAÇÃO O Espiritismo não proíbe a cremação de cadáveres, mesmo porque nada é proibitivo no Espiritismo, pois é uma Doutrina de liberdade mas, antes de tudo, uma Doutrina da conscientização. Recomenda, todavia, muita cautela para aqueles que venham adotar o procedimento da cremação de cadáveres, em substituição a inumação. PORQUÊ? 17
  18. 18. VISÃO ESPÍRITA DA CREMAÇÃO Nosso corpo material, que é energia densificada, liga-se ao Espírito, Ser Inteligente de essência sublimada, através do perispírito, elemento mediador entre os dois corpos de naturezas extremamente diferentes. O perispírito é um envoltório semimaterial do Espírito, constituído de substância etérea e sutil, mais fluídica do que material, sendo que esta parte material é muito menos densa do que a matéria do corpo de carne. 18
  19. 19. VISÃO ESPÍRITA DA CREMAÇÃO Para dar vida ao corpo carnal, o perispírito se liga a ele, célula a célula, elemento a elemento, como se existissem feixes de fios fluídicos, estabelecendo a conexão celular material com o Espírito. Assim, tudo o que se passa no corpo material, o Espírito toma conhecimento através da ligação existente e, no sentido inverso, todas as decisões, ordens, desejos, vontades e até mesmo todos os sentimentos do Espírito chegam à estrutura celular ou nela se refletem, através do mesmo canal fluídico. 19
  20. 20. VISÃO ESPÍRITA DA CREMAÇÃO Sendo assim, o fenómeno da morte nada mais é do que o desligamento de todos os fios fluídicos do perispírito, liberando o Espírito do cárcere material. Uma vez ocorrido tal desligamento no processo da morte, o Espírito não pode voltar a animar aquele que foi o seu veículo de carne. 20
  21. 21. 21 MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO
  22. 22. MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO Na morte encefálica ocorre uma alta pressão e, por isso, o sangue deixa de circular no cérebro e os neurónios ficam inchados e se rompem, e, não havendo qualquer transmissão de impulso entre os neurónios, as células param de funcionar. A parada é irreversível e, em mais ou menos 48 horas, todos os demais órgãos deixam de funcionar, a não ser que sejam mantidos com aparelhos. Portanto, deve-se deixar claro que, mesmo que uma pessoa tenha os batimentos cardíacos, ou seus pulmões ou rins funcionando, no estágio atual da medicina, não poderá se recuperar, se já tiver ocorrido a morte encefálica. 22
  23. 23. MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO Ao Espiritismo cabe analisar um fenómeno ligado à morte, mas que não ocorre necessariamente no mesmo momento, que é a desencarnação, já que esta se processa na dimensão espiritual. 23
  24. 24. MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO Questão 154: - “A separação da alma e do corpo é dolorosa?” “Não; o corpo, frequentemente, sofre mais durante a vida que no momento da morte; neste, a alma nem sente. Os sofrimentos que às vezes se provam no momento de morte são um prazer para o Espírito, que vê chegar o fim do seu exílio”. Questão 155: - “Como se opera a separação da alma e do corpo?” “Desligando-se os liames que a retinham, ela se desprende”. 24
  25. 25. MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO Questão 155-a: - “A separação se verifica instantaneamente, numa transição brusca? Há uma linha divisória bem marcada entre a vida e a morte?” “Não; a alma se desprende gradualmente e não escapa como um pássaro cativo que fosse libertado. Os dois estados se tocam e se confundem, de maneira que o Espírito se desprende pouco a pouco dos seus liames; estes se soltam e não se rompem”. “A observação prova que no instante da morte, o desprendimento do espírito não se completa subitamente; ele se opera gradualmente, com lentidão variável, segundo os indivíduos. 25
  26. 26. MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO Para uns, é bastante rápido e pode dizer-se que o momento da morte é também o da libertação, que se verifica logo após. Noutros, porém, sobretudo naqueles cuja vida foi toda material e sensual, o desprendimento é 26 muito mais demorado, o que não implica a existência no corpo de nenhuma vitalidade, mas a simples persistência de uma afinidade entre o corpo e o Espírito (...)
  27. 27. MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO É lógico admitir que, quanto mais o Espírito estiver identificado com a matéria, mais sofrerá para separar-se dela. Por outro lado, a atividade intelectual e moral e a elevação dos pensamentos operam um começo de desprendimento, mesmo durante a vida corpórea, e quando a morte chega é quase instantânea. Analisando a perturbação espírita no momento da morte, Kardec, na questão 164 de “O Livro dos Espíritos”, faz a seguinte indagação: - “Todos os Espíritos experimentam, num mesmo grau e pelo mesmo tempo, a perturbação que se segue à separação da alma e do corpo?” 27
  28. 28. MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO “Não, pois isso depende da sua elevação. Aquele que já está depurado se reconhece quase imediatamente, porque se desprendeu da matéria durante a vida corpórea, enquanto que o homem carnal, cuja consciência não é pura, conserva por muito mais tempo a impressão da matéria”. “A duração da perturbação de após morte é muito variável: pode ser de algumas horas, como de muitos meses e mesmo de muitos anos. 28
  29. 29. MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO Nas mortes violentas, por suicídio, acidente, ferimentos, etc., o Espírito é surpreendido, espanta-se, não acredita que esteja morto e sustenta teimosamente que não morreu. Vê o seu corpo, sabe que é dele, mas não compreende que esteja separado. Surpreendido pela morte imprevista, o espírito fica aturdido com a brusca mudança que nele se opera. Para ele, a morte é ainda sinónimo de destruição, de aniquilamento; ora, ..., como ainda vê e escuta, não se considera morto [...] 29
  30. 30. MORTE ENCEFÁLICA E DESENCARNAÇÃO Morrer não é libertar-se facilmente. Para quem varou a existência na Terra entre abstinências e sacrifícios, a arte de dizer adeus é alguma coisa da felicidade ansiosamente saboreada pelo Espírito, mas para o comum dos mortais, afeitos aos “comes e bebes” de cada dia, para os senhores da posse física, para os campeões do conforto material e para os exemplares felizes do prazer humano, na mocidade ou na madureza, a cadaverização não é serviço de algumas horas. Demanda tempo, esforço, auxílio e boa vontade. (Irmão X. Escultores de Almas. Francisco Cândido Xavier) 30
  31. 31. 31 SITUAÇÃO DO ESPÍRITO NO MOMENTO DA CREMAÇÃO
  32. 32. SITUAÇÃO DO ESPÍRITO NO MOMENTO DA CREMAÇÃO Se com a morte, como vimos, o Espírito está totalmente desconectando do corpo material, poderíamos concluir, de imediato, que tudo o que fosse feito com o cadáver, não deveria atingir o Espírito, por falta de ligações reais. Assim, poderíamos cremar o cadáver. Mas as coisas podem não ser bem assim, porque o Espírito, mesmo liberto da matéria, continua a pensar e a ter desejos e sentimentos. Para as criaturas ainda não totalmente espiritualizadas, que viveram na Terra muito apegadas aos bens materiais, a morte não impede que o pensamento do Espírito esteja concentrado no seu cadáver, por uma espécie de saudade, e por se reconhecer, daquele momento em diante, impedido de usufruir um instrumento carnal para fazer as coisas que estavam acostumadas a fazer. 32
  33. 33. SITUAÇÃO DO ESPÍRITO NO MOMENTO DA CREMAÇÃO Emmanuel, no livro “O Consolador”, psicografado por Chico Xavier, quando lhe perguntam se o Espírito desencarnado pode sofrer com a cremação dos elementos cadavéricos, a resposta é a seguinte: “Na cremação, faz-se fundamental exercer a caridade com os cadáveres, procrastinando por mais horas o ato de destruição das vísceras materiais, pois, de certo modo, existem sempre muitos ecos de sensibilidade entre o espírito desencarnado e o corpo onde se extinguiu o ‘tonus vital’, nas primeiras horas sequentes ao desenlace, em vista dos fluidos orgânicos que ainda solicitam a alma para as sensações da existência material”. 33
  34. 34. Léon Denis (“O Problema do Ser”), diz: “Em tese geral, a cremação provoca desprendimento mais rápido, mais brusco e mais violento, doloroso mesmo para a alma apegada à Terra por seus hábitos gostos e paixões. É necessário certo desapego antecipado dos laços materiais, para sofrer sem dilaceração a operação crematória. Nos países Ocidentais, em que o homem psíquico está pouco desenvolvido, pouco preparado para a morte, a inumação deve ser preferida porque permite aos indivíduos apegados à matéria que o Espírito lhes saia lenta e gradualmente do corpo; mas, precisa ser rodeada de grandes precauções”. 34 SITUAÇÃO DO ESPÍRITO NO MOMENTO DA CREMAÇÃO
  35. 35. Chico Xavier: “Já ouvimos Emmanuel a esse respeito, e ele diz que a cremação é legítima para todos aqueles que a desejem, desde que haja um período de, pelo menos, 72 horas de expectação para a ocorrência em qualquer forno crematório, o que poderá se verificar com o depósito de despojos humanos em ambiente frio”. O pesquisador Richard Simonetti, em seu trabalho “Quem tem Medo da Morte”, regista que “nos fornos crematórios de SP, espera-se o prazo legal de 24h, inobstante o regulamento permitir que o cadáver permaneça na câmara frigorífica pelo tempo que a família desejar”, observando que os “Espíritas costumam pedir três dias”, mas “há quem peça sete”. 35 SITUAÇÃO DO ESPÍRITO NO MOMENTO DA CREMAÇÃO
  36. 36. Se pudéssemos, pediríamos tempo para os mortos. Se a lei divina fornece um prazo de noves meses para que a alma possa renascer no mundo com a dignidade necessária, por que razão o morto deve ser reduzido à cinza com a carne ainda quente? Que mal poderá trazer aos vivos o defunto inofensivo, sem qualquer personalidade nos cartórios? Não seria justo conferir pelo menos três dias de preparação e refazimento ao peregrino das sombras para a desistência voluntária dos enigmas que o afligem na retaguarda? (Irmão X. Escultores de Almas. Francisco Cândido Xavier) 36 SITUAÇÃO DO ESPÍRITO NO MOMENTO DA CREMAÇÃO
  37. 37. 37 CONCLUSÃO
  38. 38. CONCLUSÃO Muito mais importante que semelhantes cuidados seria cultivarmos uma existência equilibrada, marcada pelo esforço da auto-renovação e da prática do Bem, a fim de que, em qualquer circunstância de nossa morte, libertemo- nos prontamente, sem traumas, sem preocupação com o destino de nosso corpo. Se o espírito estiver muito ligado ao corpo físico vai doer e a sensação de dor, como já vimos, é um registo arquivado no espírito. Não podemos desconsiderar, porém, a grandiosidade da misericórdia Divina, o trabalho abnegado de trabalhadores espirituais e do próprio guia do desencarnante, para que o processo seja o mais ameno possível. 38
  39. 39. CONCLUSÃO Chico Xavier informa-nos que 72 horas seria o tempo ideal, mas, 48 horas, com oração, equilíbrio emocional e fé na vida futura, com certeza, promoverão a mobilização das grandes equipes socorristas responsáveis pelo processo de desencarnação para que tudo corra bem. O medo da morte ou o temor de que o corpo sofra com o fogo não devem existir. Pelo conhecimento e o desapego às coisas materiais, descobre-se que o corpo físico é passageiro, é máquina de que se serve o Espírito para cumprir suas tarefas. 39
  40. 40. CONCLUSÃO Há, todavia, Espíritos que se apegam ao corpo, mormente, quando não têm esclarecimentos e desencarnam em processos violentos. Mas, mesmo nos países em que, com frequência, procede-se à cremação do corpo, isso não é imposto pela lei; cada pessoa o escolhe de acordo com a sua consciência. Há mais questões que podem ser respondidas pela pesquisa sobre o assunto. Mas o Espiritismo não recomenda nem proíbe a cremação. Depende da consciência de cada um. 40
  • kerolline

    Oct. 8, 2017
  • magalhaesjose

    Sep. 19, 2017
  • CamilaPrata4

    Jul. 2, 2017

Ponte de Luz ASEC

Vistas

Total de vistas

793

En Slideshare

0

De embebidos

0

Número de embebidos

1

Acciones

Descargas

29

Compartidos

0

Comentarios

0

Me gusta

3

×