Gases e
Eletrólitos
Claudio Roberto
Fred Aguiar
Lucas Carvalho
Marcos Paulo
Raqueline Marques
Ricardo Fontenele
Bioquímica...
O QUE SÃO
ELETRÓLITOS?
Eletrólito é um termo médico/científico para os sais,
especificamente os íons. O termo eletrólito s...
Na+
K+
Mg2+
Ca2+
HPO4-
CL-
HCO3-
IMPORTÂNCIA DOS
ELETRÓLITOS
• Os eletrólitos são importantes porque são o que
suas células, especialmente nervos, coração ...
FUNÇÕES DOS
ELETRÓLITOS
• Manter a pressão osmótica do plasma
• Regular a distribuição de água do organismo
• Manutenção d...
FUNÇÕES:
SÓDIO
Homeostase do
volume
sanguíneo
Equilíbrio
ácido-base
Contração
muscular
Condução do
impulso
nervoso
• O íon sódio é o principal eletrólito no líquido
extracelular do organismo. Possui função espacial na
manutenção do volum...
Cloreto
Formação
de HCl no
estômago
Condução
do impulso
nervoso
• O cloro na forma de cloreto é controlado
metabolicamente como o sódio, sua regulação é
dependente principalmente do bom ...
Potássio
Transporte de glicose
para o interior da
célula
Realiza as mesma
funções que o Na+,
só que
intracelularmente
• É responsável por várias reações no organismo,
como por exemplo: transporte de O2, facilita a
conversão de glicose em gl...
DISTRIBUIÇÃO DOS
ELETRÓLITOS
CLORO
• Regula o equilíbrio ácido-básico do sangue, além de
ajudar na eliminação dos metabólitos do organismo,
auxiliando ...
POTÁSSIO
• Associado ao sódio, regula o equilíbrio da água no
organismo e normaliza o ritmo do coração;
• Contribui para o...
SÓDIO
• É o principal eletrólito no LEC e no líquido intersticial;
• Não é produzido no organismo;
• Principal responsável...
DOENÇAS RELACIONADAS
AO EXCESSO OU CARÊNCIA
DE ELETRÓLITOS
HIPONATREMIA
• É consequência de baixos níveis de sódio no plasma
sanguíneo. < 135 mmol/L.
• Pode ser hipovolêmica, normov...
Hipovolêmica
Diurético tiazídico
Perda de líquido
hipotônico
Depleção de K
Deficiência de
aldosterona
Cetoacidose
diabétic...
HIPERNATREMIA
• É consequência de altos níveis de sódio no plasma
sanguíneo. >145 mmol/L.
• Pode ser com o sódio total dim...
Na+ total
Desidratação e
Hipovolemia.
Na+ total
Iatrogenia e
Síndrome de
Cushing.
Na+ total
Diabetes Insípido.
HIPERKALEMIA
• É uma doença potencialmente letal por ser de difícil
diagnóstico clínico e não apresentar sintomas indicati...
HIPOKALEMIA
• É decorrente de uma redução dos níveis séricos de
potássio, inferiores a 3,5 mmol/L.
• Déficit na ingestão, ...
HIPERCLOREMIA
• É caracterizado por um nível de cloreto no sangue maior
que 107mEq/L . O excesso de cloreto desregula os n...
HIPOCLOREMIA
• É caracterizado por um nível de cloreto no
sangue menor que 97mEq/L . O cloro é essencial
para manter o equ...
HIPOMAGNESEMIA
• É uma deficiência nutricional caracterizada por níveis
sanguíneos de magnésio estão abaixo de 0,75
mmol/L...
HIPERMAGNESEMIA
• O excesso de magnésio (> 2.5 mEq/L) pode estar
associado à ingestão de antiácidos que contêm
magnésio e ...
GASOMETRIA
ARTERIAL
A gasometria arterial é um exame invasivo que
mede as concentrações de oxigênio, a ventilação e
o estado ácido básico.
Exa...
GASOMETRIA ARTERIAL
Utiliza o sangue retirado de uma artéria.
Punção Arterial com agulha e seringa.
Amostra analisada com ...
A avaliação do estado acido básico do
organismo é feito na prática clínica pela análise
de quatro parâmetros principais.
•...
EXAMES PARA DETECÇÃO
DE ALTERAÇÃO DOS
ELETRÓLITOS
Para diagnóstico de hiponatremia compreende a história
do paciente.
Os exames laboratoriais são osmolalidade urinária e sé...
O diagnóstico baseia-se na concentração elevada do sódio
sérico, avaliações de eletrólitos e osmolalidade urinária
também ...
O diagnóstico baseia-se na história do paciente, análise de
medidas laboratoriais como o potássio urinário – valores
baixo...
O diagnóstico dá-se pela análise da ureia e creatina;
sódio e potássio urinário (<20 mmol/L baixa excreção);
perfil metabó...
Não exige cuidados especiais por parte do paciente, a
amostra pode ser o soro ou o plasma heparinizado sem
hemólise. A amo...
Obrigada!
Boa Noite
Próxima SlideShare
Cargando en…5
×

Gases e eletrólitos

1.767 visualizaciones

Publicado el

trabalho de bioquímica clínica, do curso de farmácia

Publicado en: Ciencias
  • Sé el primero en comentar

Gases e eletrólitos

  1. 1. Gases e Eletrólitos Claudio Roberto Fred Aguiar Lucas Carvalho Marcos Paulo Raqueline Marques Ricardo Fontenele Bioquímica Clínica Prof.: Tiago Melo
  2. 2. O QUE SÃO ELETRÓLITOS? Eletrólito é um termo médico/científico para os sais, especificamente os íons. O termo eletrólito significa que um íon é carregado eletricamente e se move para um eletrodo negativo ou positivo. São substância que dissolvidas em água resultam em soluções condutoras de eletricidade.
  3. 3. Na+ K+ Mg2+ Ca2+ HPO4- CL- HCO3-
  4. 4. IMPORTÂNCIA DOS ELETRÓLITOS • Os eletrólitos são importantes porque são o que suas células, especialmente nervos, coração e músculos, utilizam para manter as voltagens ao redor das membranas celulares e para carregarem os impulsos elétricos – impulsos dos nervos, contrações musculares – através delas e para outras células.
  5. 5. FUNÇÕES DOS ELETRÓLITOS • Manter a pressão osmótica do plasma • Regular a distribuição de água do organismo • Manutenção do pH fisiológico • Regular a função cardíaca e muscular • Participa das reações de óxido-redução • Participam como cofatores enzimáticos.
  6. 6. FUNÇÕES: SÓDIO Homeostase do volume sanguíneo Equilíbrio ácido-base Contração muscular Condução do impulso nervoso
  7. 7. • O íon sódio é o principal eletrólito no líquido extracelular do organismo. Possui função espacial na manutenção do volume circundante e é essencial para a absorção da glicose e pelo transporte de varias substancias pelo intestino. SÓDIO
  8. 8. Cloreto Formação de HCl no estômago Condução do impulso nervoso
  9. 9. • O cloro na forma de cloreto é controlado metabolicamente como o sódio, sua regulação é dependente principalmente do bom funcionamento do rim. Esse íon contribui também na regulação da pressão osmótica corporal, no transporte de gases e na regulação ácido-base do organismo. CLORO
  10. 10. Potássio Transporte de glicose para o interior da célula Realiza as mesma funções que o Na+, só que intracelularmente
  11. 11. • É responsável por várias reações no organismo, como por exemplo: transporte de O2, facilita a conversão de glicose em glicogênio pelo fígado, auxilia na contração muscular, regulação da pressão arterial e do equilíbrio hídrico POTÁSSIO
  12. 12. DISTRIBUIÇÃO DOS ELETRÓLITOS
  13. 13. CLORO • Regula o equilíbrio ácido-básico do sangue, além de ajudar na eliminação dos metabólitos do organismo, auxiliando o funcionamento do fígado. • Auxilia na digestão, ajudando na flexibilidade do organismo. Pode ser encontrado no Sal, alga e azeitona. 2,4 g/dia 135 – 145 mEq/L no plasma
  14. 14. POTÁSSIO • Associado ao sódio, regula o equilíbrio da água no organismo e normaliza o ritmo do coração; • Contribui para o raciocínio claro, enviando oxigênio ao cérebro; • Auxilia na eliminação das matérias inúteis do organismo e na redução da pressão sanguínea. 3,8 – 5,5 mEq/L no plasma 3,51g/dia
  15. 15. SÓDIO • É o principal eletrólito no LEC e no líquido intersticial; • Não é produzido no organismo; • Principal responsável pela condução de impulsos nervosos; • Sob forma ionizada, é um dos principais fatores de regulação osmótica do sangue, plasma, fluidos intercelulares e do equilíbrio ácido-base. 140 mEq/L no plasma 2 g/dia
  16. 16. DOENÇAS RELACIONADAS AO EXCESSO OU CARÊNCIA DE ELETRÓLITOS
  17. 17. HIPONATREMIA • É consequência de baixos níveis de sódio no plasma sanguíneo. < 135 mmol/L. • Pode ser hipovolêmica, normovolêmica e hipervolêmica.  Letargia  Fraqueza  Náuseas  Cãimbras  Confusão Mental  Convulsão
  18. 18. Hipovolêmica Diurético tiazídico Perda de líquido hipotônico Depleção de K Deficiência de aldosterona Cetoacidose diabética Acidose tubular renal Normovolêmica Retenção aguda ou crônica de água. Doença renal crônica Deficiência de glicocorticóides Hipervolêmica Insuficiência renal Insuficiência cardíaca congestiva Estados hipoprotéicos
  19. 19. HIPERNATREMIA • É consequência de altos níveis de sódio no plasma sanguíneo. >145 mmol/L. • Pode ser com o sódio total diminuído, normal ou aumentado. E provoca contração de todas as células.  Fraqueza  Confusão Mental  Náuseas  Oligúria  Irritabilidade  Cãimbras
  20. 20. Na+ total Desidratação e Hipovolemia. Na+ total Iatrogenia e Síndrome de Cushing. Na+ total Diabetes Insípido.
  21. 21. HIPERKALEMIA • É uma doença potencialmente letal por ser de difícil diagnóstico clínico e não apresentar sintomas indicativos. Pseudohiperpotassemia Excesso de K+ exógeno Redistribuição Redução da excreção de K+ Excesso de K+ endógeno
  22. 22. HIPOKALEMIA • É decorrente de uma redução dos níveis séricos de potássio, inferiores a 3,5 mmol/L. • Déficit na ingestão, perdas gastrintestinais, perdas renais, incorporações celulares, desordens congênitas e alcalose metabólicas são as possíveis causas. E são tratadas com beta-adrenérgicos e diuréticos.
  23. 23. HIPERCLOREMIA • É caracterizado por um nível de cloreto no sangue maior que 107mEq/L . O excesso de cloreto desregula os níveis de açúcar no sangue e o transporte de oxigênio. • Hipertensão arterial, desidratação por diarreia e vômitos, açúcar elevado no sangue, polidipsia, dispneia, astenia e edema são sintomas.  Acidose Metabólica Desidratação  Diabetes  Insuficiência Renal
  24. 24. HIPOCLOREMIA • É caracterizado por um nível de cloreto no sangue menor que 97mEq/L . O cloro é essencial para manter o equilíbrio hidroeletrolítico e útil para manter o equilíbrio ácido-básico. • Suas causas são: perda de HCO3-, nefropatia, insuficiência adrenal, alcalose metabólica. • Sintomas: hiposmolaridade, espasmos musculares, acidose metabólica, fraqueza muscular e desidratação.
  25. 25. HIPOMAGNESEMIA • É uma deficiência nutricional caracterizada por níveis sanguíneos de magnésio estão abaixo de 0,75 mmol/L. Geralmente é consequência de má-absorção ou excesso de excreção causado por medicamento, infecções ou doenças gastrointestinais. • Alcoolismo, medicamentos, diarreia, transplante renal, diabetes mellitus, perda renal de magnésio são as causas.
  26. 26. HIPERMAGNESEMIA • O excesso de magnésio (> 2.5 mEq/L) pode estar associado à ingestão de antiácidos que contêm magnésio e com a diminuição da capacidade dos rins de excretar magnésio. • Sintomas: incluem náuseas, fraqueza muscular, perda de apetite, e taquicardia.
  27. 27. GASOMETRIA ARTERIAL
  28. 28. A gasometria arterial é um exame invasivo que mede as concentrações de oxigênio, a ventilação e o estado ácido básico. Exame simples amplamente disponível e de baixo custo. GASOMETRIA ARTERIAL
  29. 29. GASOMETRIA ARTERIAL Utiliza o sangue retirado de uma artéria. Punção Arterial com agulha e seringa. Amostra analisada com gasômetro.
  30. 30. A avaliação do estado acido básico do organismo é feito na prática clínica pela análise de quatro parâmetros principais. • pH • Pco2 • Hco3 • Be GASOMETRIA ARTERIAL
  31. 31. EXAMES PARA DETECÇÃO DE ALTERAÇÃO DOS ELETRÓLITOS
  32. 32. Para diagnóstico de hiponatremia compreende a história do paciente. Os exames laboratoriais são osmolalidade urinária e sérica ( hiponatremia x pseudo-hiponatremia), concentração de Na+ urinário, para alguns paciente é recomendado testes de albumina, triglicerídeos e eletroforese proteica no soro. AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HIPONATREMIA
  33. 33. O diagnóstico baseia-se na concentração elevada do sódio sérico, avaliações de eletrólitos e osmolalidade urinária também são úteis para seu correto diagnóstico. AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HIPERNATREMIA
  34. 34. O diagnóstico baseia-se na história do paciente, análise de medidas laboratoriais como o potássio urinário – valores baixos <20 mmol/L e valores altos >40 mmol/L; sódio e osmolalidade urinários por urina aleatória, sódio baixo <20 mmol/L e osmolalidade elevada >700 mOsm/Kg; potássio urinário de 24 hr que avalia a perda de K+. AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HIPOTASSEMIA
  35. 35. O diagnóstico dá-se pela análise da ureia e creatina; sódio e potássio urinário (<20 mmol/L baixa excreção); perfil metabólico. AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HIPERPOTASSEMIA
  36. 36. Não exige cuidados especiais por parte do paciente, a amostra pode ser o soro ou o plasma heparinizado sem hemólise. A amostra deve ser separada o mais rapidamente para não haver alterações no pH. Os métodos: eletrodos íons-seletivo, enzimático (a-amilase cloreto dependente). Valores de referência: 8 – 16 mmol/L DETERMINAÇÃO DOS CLORETOS
  37. 37. Obrigada! Boa Noite

×