SlideShare una empresa de Scribd logo
FAUNA E FLORA AMAZÔNICA
@ BIO 2016
E E PROF º LUIZ GONZAGA RIGHINI
OBJETIVOS :
• ENTENDER E COMPREENDER A " FAUNA E FLORA AMAZÔNICA "
• COMO É A FAUNA E FLORA AMAZÔNICA
• ONDE SE LOCALIZA ESSE BIOMA
• MOSTRAR AS CARACTERÍSTICAS DA FAUNA E FLORA DESSE
BIOMA
• CITAR ALGUMAS ESPÉCIES DESSE BIOMA.
ONDE SE LOCALIZA A FLORESTA AMAZÔNICA ?
• A FLORESTA AMAZÔNICA ESTÁ LOCALIZADA NA REGIÃO NORTE DO BRASIL, E POSSUI
UMA ÁREA DE CERCA DE 5,5 MILHÕES DE KM². FAZENDO PARTE DE NOVE PAÍSES:
BRASIL, VENEZUELA, COLÔMBIA, PERU, BOLÍVIA, EQUADOR, SURINAME, GUIANA E
GUIANA FRANCESA, É A MAIOR FLORESTA TROPICAL ÚMIDA DO PLANETA E COM A MAIOR
BIODIVERSIDADE.
FAUNA AMAZÔNICA
• A FLORESTA AMAZÔNICA POSSUI UMA DAS MAIS RICAS BIODIVERSIDADES DO MUNDO, NESSA FLORESTA RESIDE
UMA GRANDE VARIEDADE DE SERES VIVOS, VEGETAL E ANIMAL. ALGUNS REGISTROS E PESQUISAS REVELAM QUE
NA FLORESTA AMAZÔNICA, EXISTEM APROXIMADAMENTE CERCA DE 1.800 ESPÉCIES DIFERENTES DE AVES, 2.500
DE PEIXES, 320 DE MAMÍFEROS E DEZENAS DE ESPÉCIES DE RÉPTEIS, ANFÍBIOS E INSETOS. NO ENTANTO, ESSES
NÚMEROS APRESENTADOS NÃO SÃO TOTALMENTE DEFINITIVOS, POIS POR FALTA DE PESQUISAS, MUITAS ESPÉCIES
DE ANIMAIS AINDA CONTINUAM DESCONHECIDAS PELA CLASSE CIENTÍFICA E PELO PÚBLICO EM GERAL.
• ESSE RICO ECOSSISTEMA DETÉM UMA IMENSA QUANTIDADE SERES VIVOS, DESDE MICRORGANISMOS ATÉ
ANIMAIS DE GRANDE PORTE, DE BRIÓFITAS ATÉ ÁRVORES DE GRANDE PORTE. A SEGUIR, ESTÁ UMA LISTA DE
ANIMAIS QUE NORMALMENTE SÃO ENCONTRADOS NA FLORESTA AMAZÔNICA.
JAGUATIRICA (GATO-MARACAJÁ)
PEIXE BOI DA AMAZÔNIA
PIRARUCU
ARARA DE BARRIGA AMARELA (ARARA CANINDÉ)
PAPAGAIO-VERDADEIRO
ARARAJUBA
HARPIA
ARIRANHA
ONÇA PINTADA
ONÇA PARDA
UACARI-BRANCO
MACACO-ARANHA
MACACO-PREGO
SAUIM-DE-COLEIRA
TAMANDUÁ BANDEIRA
GUARIBA-DE-MÃO-RUIVA (ALOUATTA
BELZEBUL)
TUCANO-DE-BICO-PRETO (RAMPHASTOS
VITELLINUS)
ARARA-VERMELHA (ARA MACAO)
PREGUIÇA-DE-TRÊS-DEDOS (BRADYPUS
TRIDACTYLUS)
BORBOLETA-AZUL (MORPHA MENELAUS
MENELAUS)
UIRAPURU (CYPHORHINUS ARADA)
QUATI (NASUA NASUA)
JAGUAR (PANTHERA ONÇA)
CAPIVARA (HYDROCHAERIS HYDROCAERIS)
TARTARUGA-DA-AMAZÔNIA (PADOCNEMIS
EXPANSA)
SUCURI (EUNECTES MURINUS)
JACARÉ-AÇU (MELANO SUCHISNIGER)
PEQUENO SAPO (DENDROBATES LEUCOMELOS)
INFORMACÕES EXTRAS SOBRE A FAUNA AMAZÔNICA
• MAMÍFEROS: CERCA DE 427 ESPÉCIES DE MAMÍFEROS,
SENDO 173 ENDÊMICOS MOSTRAM A DIMENSÃO DA
FAUNA AMAZÔNICA. ESSE NÚMERO AINDA PODE
CRESCER, POIS HÁ SEMPRE NOVAS ESPÉCIES SENDO
DESCOBERTAS.
• EXISTEM NA REGIÃO, 158 ESPÉCIES DE MORCEGOS,
110 DE ROEDORES;
• OS PRIMATAS TAMBÉM SÃO MUITO NUMEROSOS. HÁ
CERCA DE 81 ESPÉCIES DE MACACOS CLASSIFICADAS
PELOS CIENTISTAS;
• HÁ PELO MENOS SEIS ESPÉCIES DE FELINOS ORIGINAIS
COMO A ONÇA PINTADA (JAGUAR), PRETA (JAGUANUN),
VERMELHA (PUMA) E JAGUATIRICA (GATO MARACAJÁ). HÁ
AINDA 4 ESPÉCIES DE VEADOS.
• PRINCIPIAS MAMÍFEROS DA AMAZÓNIA: VEADO, PEIXE-
BOI, BALEIA-FRANCA, ONÇA-PINTADA, LONTRA, ONÇA-
PARDA, MACACO-ARANHA-PRETO, TATU-BOLA, SAGÜI-DA-
SERRA.
• AVES: CERCA DE 1.800 ESPÉCIES DE PÁSSAROS VIVEM
NA AMAZÔNIA, DENTRE OS QUAIS SE DESTACAM GALO-
DA-SERRA, UIRAPURU, FLAMENGO, GAVIÃO REAL, ÁGUIA,
FALCÃO, ARARA, PAPAGAIO E PERIQUITO. BOA PARTE DAS
ESPÉCIES VIVE AMEAÇADA DE EXTINÇÃO, DEVIDO À
RIQUEZA DE SUAS PLUMAGENS .
• ALÉM DAS CITADAS ACIMA PODEMOS ACRESCENTAR
COLIBRI, O SABIÁ, CARDEAL, SANHUÇU, CORRUPIA.
• PEIXES: AMAZÔNIA POSSUI MAIS DE 3000 ESPÉCIES DE
PEIXE, SENDO QUE 1.800 JÁ SE ENCONTRAM
CATALOGADOS PELO INPA. JÁ FORAM CATALOGADOS
MAIS ESPÉCIES DE PEIXES NA AMAZÔNIA DO QUE NO RIO
CONGO E MISSISSIPI JUNTOS.
• OS PEIXES MAIS CONHECIDOS SÃO : TUCUNARÉ,
PIRARUCU, TAMBAQUI, MATRINXA, CURIMATA, CARAUAÇU,
PACU, PESCADA. JARAQUI, PIRANHA, DOURADO,
SURUBIM E SARDINHA. TUCUNARÉ E O PIRARUCU SÃO OS
MAIS APRECIADOS PELA POPULAÇÃO.
INFORMACÕES EXTRAS SOBRE A FAUNA AMAZÔNICA
• ANFÍBIOS: CONHECIDO CIENTIFICAMENTE POR
BATRÁQUIOS, ESTE GRUPO É BASTANTE NUMEROSO NÃO
SÓ EM QUANTIDADE MAS PELA VARIEDADE. SÃO
IMPORTANTES NA CADEIA BIOLÓGICA NA MEDIDA EM QUE
SE ALIMENTAM DOS INSETOS DA REGIÃO, E, POR SUA
VEZ, SERVEM DE ALIMENTOS AOS OFÍDIOS.
• INSETOS: PARTICIPANTE ASSÍDUO DO SISTEMA
AMBIENTAL AMAZÔNICO ESTE GRUPO ASSUME UM PAPEL
VITAL NA CADEIA ALIMENTAR. CONHECE-SE MAIS DE 200
ESPÉCIES DE MOSQUITOS E CERCA DE 1.800 ESPÉCIES
DE BORBOLETAS. ESTAS ÚLTIMAS TEM, NA REGIÃO, A
CHAMADA TERRA DA PROMISSÃO, GAFANHOTOS, VESPAS,
FORMIGAS, PERCERVEJOS, ABELHAS E TANAJURAS, SÃO
MAIS CONHECIDOS NA REGIÃO.
• RÉPTEIS NO GRUPO DE COBRAS, FIGURAM AS
SERPENTES COMO A CORAL, A SURUCUCU E A JARARACA
QUE SÃO AS VENENOSAS. A SUCURI, A SUCURIJU E A
JIBÓIA, CONSTAM DAS NÃO VENENOSAS, PODENDO
ATINGIR MAIS DE 10 METROS DE COMPRIMENTO, O QUE
PERMITE O DOMÍNIO E MORTE DA PRESA POR
ESTRANGULAMENTO.
• JÁ NO GRUPO DOS JACARÉS, DESTACAM-SE O AÇU
(MAIOR DOS JACARÉS) E O TINGA. FECHANDO ESSE
GRUPO, TEMOS OS QUELONIOS, COMO A TARTARUGA-DO-
AMAZONAS, O TRACAJÁ , O CÁGADO E O MATÁ MATÁ.
PRINCIPAIS: TARTARUGAS, JABUTI, LARGATO E
SERPENTES.
AGORA IREMOS CITAR ALGO A MAIS DE 4 ESPÉCIES:
• RÉPTEIS: JABUTI. O JABUTI É UM RÉPTIL TERRESTRE DA
FAMÍLIA CHELONOIDIS. EM TODO O MUNDO, EXISTEM MAIS
DE 40 ESPÉCIES DE JABUTIS. ALGUMAS DESSAS ESPÉCIES
HABITAM NAS ILHAS DO ARQUIPÉLAGO DE GALÁPAGOS.
SÃO ANIMAIS PRÉ-HISTÓRICOS, RÚSTICOS E MUITO
RESISTENTES.
• OS JABUTIS SÃO ONÍVOROS, OU SEJA, ALIMENTAM-SE DE
ANIMAIS (INSETOS, LESMAS E ATÉ RATOS) E VEGETAIS
(FRUTAS, FOLHAS, LEGUMES, VERDURAS), SOBRETUDO OS
DE COR AMARELA OU VERMELHA. OS JABUTIS POSSUEM
UMA PLACA ÓSSEA PARECIDA COM UMA LÂMINA AO INVÉS DE
DENTES.
• OS JABUTIS SÃO MUITO LENTOS E DÓCEIS. ESPECULA-SE
QUE O JABUTI SEJA O ANIMAL MAIS LENTO ENTRE OS
VERTEBRADOS. SÃO TERRESTRES, CARACTERÍSTICA
PRINCIPAL QUE OS DIFERENCIA DAS TARTARUGAS. AS PATAS
DO JABUTI SÃO RETAS E RÍGIDAS, SEMELHANTES ÀS PATAS
DOS ELEFANTES, SÓ QUE MENORES. O CASCO DO JABUTI É
CONVEXO E BASTANTE ARQUEADO. QUANDO SE SENTE
AMEAÇADO, O JABUTI RECOLHE AS PATAS, A CAUDA E A
CABEÇA PARA DENTRO DO CASCO, E SE FAZ DE MORTO.
ANIMAIS DE HÁBITOS DIURNOS, OS JABUTIS VIVEM EM
BANDOS, EM FLORESTAS, BORDAS DE MATAS, CERRADOS E
CAMPOS
• PEIXES: O PIRARUCU (ARAPAIMA GIGAS) É UM PEIXE
ENCONTRADO GERALMENTE NA BACIA AMAZÔNICA, MAIS
ESPECIFICAMENTE, NAS ÁGUAS CALMAS DE SUA VÁRZEA. A
FAMÍLIA A QUAL O PIRARUCU PERTENCE É MUITO ANTIGA,
EXISTINDO SEM MODIFICAÇÕES HÁ MAIS DE 100 MILHÕES DE
ANOS, FAZENDO PARTE DELA TAMBÉM O ARUANÁ, UM PEIXE
MENOR.
• HABITAM ÁGUAS DE LAGOS E RIOS, CLARAS, BRANCAS E
ESCURAS, LEVEMENTE ALCALINAS, COM TEMPERATURA QUE
VARIAM DE 24° A 37°C, RICAS EM VEGETAÇÃO, OU SEJA,
COM BAIXO TEOR DE OXIGÊNIO. MESMO VIVENDO EM ÁGUAS
POBRE EM OXIGÊNIO, ISSO NÃO É UM PROBLEMA PARA O
PIRARUCU, POIS ELE POSSUI UMA BEXIGA NATATÓRIA QUE
PODE FUNCIONAR COMO UM PULMÃO, PERMITINDO-LHE
SUBIR Á SUPERFÍCIE E RESPIRAR DIRETAMENTE O OXIGÊNIO
DO AR. O PIRARUCU É CAPAZ DE ENGOLIR QUALQUER
COISA: CARAMUJOS, TARTARUGAS, COBRAS, SEIXOS, AREIA,
LODO. SUA DIETA É COMPOSTA BASICAMENTE POR OUTROS
PEIXES DE ÁGUA DOCE, DE MENORES DIMENSÕES. ASSIM
QUE ESSES PEIXES FORMAM CASAIS, ELES PROCURAM UM
AMBIENTE CALMO E ÁGUAS POUCO PROFUNDAS PARA
COLOCAR SEUS OVOS, SENDO QUE UMA ÚNICA FÊMEA PODE
PÔR MAIS DE 10.000 OVOS. NO ENTANTO, É FUNÇÃO DO
MACHO CUIDAR DOS OVOS E DOS FILHOTES, POR
APROXIMADAMENTE SEIS MESES.
AGORA IREMOS CITAR ALGO A MAIS DE 4 ESPÉCIES:
• MAMÍFERO: O PEIXE-BOI (TRICHECHUS SP.) É NA
VERDADE UM MAMÍFERO MARINHO PERTENCENTE À
ORDEM DOS SIRÊNIOS, QUE POSSUI UM NICHO
ECOLÓGICO MUITO DIVERSIFICADO, UTILIZANDO-SE DE
VEGETAIS PARA SUA ALIMENTAÇÃO E TENDO SUA
DISTRIBUIÇÃO RELACIONADA A AMBIENTES RASOS DE
RIOS, ESTUÁRIOS E MARES. O PEIXE-BOI É INTEGRANTE
DA FAMÍLIA TRICHECHIDAE. NO BRASIL PODEMOS
ENCONTRAR DUAS FORMAS DO PEIXE BOI, UMA DELAS É
O PEIXE-BOI MARINHO (TRICHECHUS MANATUS), TENDO
SUA DISTRIBUIÇÃO CONHECIDA DESDE A REGIÃO
COSTEIRA DA FLÓRIDA (EUA), GRANDES ANTILHAS,
MÉXICO, AMÉRICA CENTRAL E PRESENTE TAMBÉM NO
NORDESTE BRASILEIRO. A OUTRA FORMA SERIA O PEIXE-
BOI AMAZÔNICO (TRICHECHUS INUNGUIS), OCORRENDO
DENTRO DO SISTEMA FLUVIAL DO RIO AMAZONAS. OS
PEIXES-BOI PREFEREM AMBIENTES ONDE A
TEMPERATURA É SUPERIOR A 20°C, POIS
TEMPERATURAS INFERIORES PODEM CAUSAR STRESS NO
ANIMAL E LEVAR A MORTE.
• CARDEAL-DA-AMAZÔNIA É UMA AVE QUE PELO PRÓPRIO
NOME JÁ PODEMOS PERCEBER VIVE NA AMAZÔNIA,
PERTENCE A FAMÍLIA THRAUPIDAE E TEM ALGUNS OUTROS
NOMES PELOS QUAIS É CONHECIDO COMO, POR EXEMPLO,
TANGARÁ E GALO DE CAMPINA DA AMAZÔNIA. EM GERAL
ESSAS AVES MEDEM UNS 16 CM DE ALTURA E O SEU
PRINCIPAL ALIMENTO SÃO OS GRANÍVOROS.
• O CARDEAL-DA-AMAZÔNIA QUANDO ESTÁ NO SEU PERÍODO
DE REPRODUÇÃO SE TORNA MAIS TERRITORIALISTA E FAZ O
SEU NINHO DE PAREDES BEM FINAS NUMA FORMA QUE NOS
LEMBRA BASTANTE UMA XÍCARA. ESSA AVE PODE BOTAR DE
2 A 3 OVOS QUE TEM UMA COR BRANCA ESVERDEADA E QUE
AINDA TEM MANCHAS MARRONS.
• OS FILHOTES DO CARDEAL-DA-AMAZÔNIA COSTUMAM SAIR
DOS OVOS COM 13 DIAS, A CADA NOVA TEMPORADA NASCEM
DE 2 A 4 NINHADAS DESSE PÁSSARO. EM GERAL ESSA
ESPÉCIE FICA EM ÁRVORES PRÓXIMAS DE LAGOS OU RIOS.
MAS, EXISTE UMA QUESTÃO PREOCUPANTE EM RELAÇÃO A
ESSA ESPÉCIE, SE ENCONTRA NA LISTA DE ANIMAIS EM
EXTINÇÃO.
Peixe-Boi
Jabuti
Cardeal
Pirarucu
FLORA AMAZÔNICA
• A FLORA AMAZÔNICA É ABENÇOADA PELA NATUREZA. EM MEIO À FLORESTA HÁ INÚMERAS
ESPÉCIES COMESTÍVEIS, OLEAGINOSAS, MEDICINAIS E CORANTES. DAS 100 MIL ESPÉCIES
VEGETAIS PRESENTES NA AMÉRICA LATINA, CERCA DE 30 MIL ESTÃO NA AMAZÔNIA. A PLANTA
MAIS FAMOSA É A VITÓRIA-RÉGIA, A FLOR SÍMBOLO DA AMAZÔNIA. CONHECIDA COMO A "RAINHA
DOS LAGOS", A VITÓRIA RÉGIA (VITORIA REGIA LINDL) ABRE SUAS FOLHAS NAS ÁGUAS RASAS E
SEM CORRENTEZA, FORMANDO UMA BANDEJA REDONDA VERDE. CHEGA A MEDIR DE 1M A
1,80M DE DIÂMETRO. FOI BATIZADA COM ESTE NOME POR UM NATURALISTA INGLÊS PARA
HOMENAGEAR A RAINHA VICTORIA PELA SUA EXUBERÂNCIA. A FLOR MUDA DE COR COM O
TEMPO; NO PRIMEIRO DIA DE ABERTURA, OS BOTÕES SÃO BRANCOS E SE TORNAM ROSADOS
NO SEGUNDO DIA. A PARTIR DO TERCEIRO DIA COMEÇA A DESABROCHAR ÀS 17H E COMPLETA
O CICLO ÀS 21 HORAS.
FLORA AMAZÔNICA
• OS DIFERENTES GRAUS DE UMIDADE DURANTE O PERÍODO DE CHEIA DOS RIOS, DE QUALIDADE DO SOLO,
NOS VENTOS E NAS CHUVAS PROPICIARAM FORMAÇÕES VEGETAIS BEM DISTINTAS. A SOMA DELAS É QUE
FORMA UMA REGIÃO ÚNICA NO PLANETA E DÁ VIDA À GRANDE BIODIVERSIDADE AMAZÔNICA
• A VEGETAÇÃO PODE SER DIVIDIDA EM TRÊS TIPOS
• - FLORESTAS DE TERRA FIRME OCUPAM TERRAS NÃO INUNDÁVEIS. POSSUEM DE 140 A 280 ESPÉCIES
POR HECTARE, ENTRE ELAS AS GRANDES ÁRVORES DE MADEIRA DE LEI DA AMAZÔNIA. EM ALGUNS
LOCAIS AS COPAS DAS ÁRVORES SÃO TÃO GRANDES QUE IMPEDEM A PASSAGEM DE ATÉ 95% DA LUZ DO
SOL. OS PRINCIPAIS REPRESENTANTES DESSE TIPO DE VEGETAÇÃO SÃO O CEDRO, MOGNO, ANGELIM-
PEDRA, AS CASTANHEIRAS-DO-PARÁ, SERINGUEIRA, O GUARANÁ E O TIMBÓ, ÁRVORE UTILIZADA PELOS
ÍNDIOS PARA ENVENENAR OS PEIXES.
FLORA AMAZÔNICA
• :- FLORESTA DE IGAPÓ OCUPAM OS TERRENOS MAIS BAIXOS, PRÓXIMOS AOS RIOS, E ESTÃO
PERMANENTEMENTE ALAGADAS. DURANTE O PERÍODO DE CHEIA, AS ÁGUAS CHEGAM A
ALCANÇAR AS COPAS DAS ÁRVORES, FORMANDO OS "IGAPÓS". QUANDO ESSE FENÔMENO SE
DÁ NOS PEQUENOS RIOS E AFLUENTES, SÃO DENOMINADOS "IGARAPÉS". A MAIORIA DAS
ÁRVORES TEM ENTRE 2M E 3M, MAS ALGUMAS CHEGAM A ATINGIR ATÉ 20M DE ALTURA. A
ESPÉCIE MAIS FAMOSA DESSE TIPO DE FLORESTA É A VITÓRIA-RÉGIA.
•
• - FLORESTA DE VÁRZEA LOCALIZAM-SE ENTRE A TERRA FIRME E OS IGAPÓS. APRESENTAM
CERCA DE 100 ESPÉCIES VEGETAIS POR HECTARE. SÃO TRÊS AS CATEGORIAS: VÁRZEA BAIXA E
INTERMEDIÁRIA (COM PREDOMÍNIO DE PALMEIRAS E ALGUMAS ESPÉCIES CUJAS RAÍZES AUXILIAM
NA FIXAÇÃO DE OXIGÊNIO) E VÁRZEA ALTA (COM SOLO MENOS ATINGIDO PELAS ÁGUAS DAS
MARÉS E MAIOR BIOMASSA GRAÇAS A ESPÉCIES ARBÓREAS, COMO A ANDIROBA). É FORMADA
POR ÁRVORES DE GRANDE PORTE COMO A SERINGUEIRA, AS PALMEIRAS E O JATOBÁ.
ESPÉCIES DE PLANTAS:
ABIORANA-SECA – POUTERIA LAURIFÓLIA. ACAPÚ – VOUCAPOUA AMERICANA
ACARIQUARA – MINQUARTIA GUIANENSIS. AÇACU – HURA CREPTANS
AÇAÍ – EUTERPE OLERACEAE. AÇOITA-CAVALO – LUEHEA SPECIOSA
AGUAPÉS – EICHORNIA SPP. ALECRIM – HOLOCALYX BALANSAE
ALMACEGA – PROTIUM HEPTAPHYLLUM. AMAPÁ-DOCE – PARANHANCORNIA AMAPÁ
AMESCLA – PROTIUM BRASILIENSIS. ANDIROBA – CARAPA GUIANENSES
ANDIROBARANA – GUAREA CF. KUNTHII. ANGELIM – ANDIRA RETUSA
ANGELIM-PEDRA – DINIZIA EXCELSA. ANGELIM-RAJADO – PITHECOLOBIUM RACEMOSUM
ANGICO – PIPTADENIA MACROCARPA. ANGICOS – PIPTADENIA SPP.
ANINGA – MONTRICHARDIA ARBORESCENS. ARAÇÁS – PSIDIUM SPP.
ARARIBÁS – CENTROLOBIUM TOMENTOSUM/C. ROBUSTUM. ARATICUM – ANNOMA CRASSIFLORA
ARCO-DE-PIPA – ERYTHROXYLON FRANGULAEFOLIUM. AROEIRA – LITHRAEA BRASILIENSIS
ATA-BRAVA – DUGUETIUM SP.
BABAÇU – ORBIGNYA MARTIANA. BACUPARI – RHEEDIA GARDNERIANA
BACURI – PLATONIA SP.. BANANEIRINHAS-DA-MATA – HELICONIA SPP.
BICO-DE-PAPAGAIO - HELICONIA VELLOZINA. BICUÍBA – VIROLA BICUHYBA/V OLEIFERA
BRACATINGA – MIMOSA SCABRELLA. BRAÚNA – MELANOXYLON BRAUNA
BREJAÚVA – ASTROCARYUM AYRI. BREU-MANGA – TETRAGASTRIS ALTÍSSIMA
BURITI – MAURITIA FLEXUOSA. BURLANDI – VIROLA SP.
• ESPÉCIES DE PLANTAS:
CABREÚVA – MYROCARPUS FRONDOSUS
CACAUEIRO – THEOBROMA CAÇÃO
CAETÉ – THALIA GENICULATA
CAFÉ - COFFEA ARÁBICA
CAGAITEIRA – EUGENIA DYSENTERICA
CAINGÁ – SCLEROLOBIUM SPP.
CAJUAÇU – ANACARDIUM OTHONIAMUM
CAJUÍ – ANACARDIUM PUMILUM
CAMBARÁ – VOCHYSIA SESSIFOLIA
CAMBUÍ – MYRCIA SPP.
CANA-DE-AÇUCAR – SACCHARUM OFFICINARUM
CANARANAS – ECHINOA SP., PANICUM SP.
CANELAS – OCOTEA SPP./NECTANDRA SPP./ACRODICLIDUM SPP.
CANELAS-SANTAS – VOCHYSIA OPUGNATA/V. ACUMINATA
CANELINHA – OCOTEA PULCHELLA
CANGERANAS – CABRALEA EICHLERIANA/C. GLABERRIMA
CAPIM-ARROZ – ORYZA PERENNIS
CAPIM-RABO-DE-RATO – HYMENACHNE SP.
CAPIM-SERRA-PERNA – LAERCIA SP.
CARÁ-MIMOSO – CHUSQUEA MIMOSA
CARANDÁ – COPERNICIA AUSTRALIS
CORDEIRO – SCLERONEMA MICRANTHUS
CARNAÚBA – COMPERNICIA CERIFERA
CAROÁ – NEOGLAZIOVIA VARIEGATA
CARVALHO – ROUPALA ASPLENIOIDES
CASCA D’ANTA – DRIMYS BRASILIENSIS
CASTANHA-DE-MACACO – COUROPITA GUIANENSIS
CASTANHA-DO-PARÁ – BERTHOLLETIA EXCELSA
CASUARINA – CASUARINA EQUISETIFOLIA
CATINGUEIRA – CAESALPINIA PVRAMIDALIS
CATUCANHEM – ROUPALA SP.
CAXETA-PRETA – TACHIGALIA MULTIPREGA
CAÚNA – LLEX MICRODONTA
CEDROS – CEDRELA ODORATA/C. FISSILIS
CEREJEIRA – TORREZEA CEARENSIS
COCÃO – ERYTHROXYLUM AMPLIFOLIUM
COCO-DA-BAHIA – COCOS NUCIFERA
CONDURU – GUATTERIA SP.
COPAÍBA – COPAIFERA SPP.
CRAVINA-DO-CAMPO – PREPUSA HOOKERIANA
CRISCIUMAS – ARUNDINARIA SP.
CUPIUBA – GOUPIA GLABRA
• ESPÉCIES DE PLANTAS:
EMBAUBA – CECROPIA SPP.
ERVA-MATE – LLEX PARAGUAIENSIS
FAVA-BOLATA – PARKIA PENDULA
FEDEGOSO – CASSIA MULTIJUGA
FIGUEIRAS-BRAVAS – FICUS SPP.
FREIJÓ – CORDIA GOELDIANA
FRUTA-DE-LOBO – SOLANUM SP.
GAMELEIRA – FICUS SP.
GARAPA – APULEIA PRAECOX
GENIPAPO – GENIPA SP.
GERIVÁ – ARECASTRUM ROMANZOFFIANUM
GOIABEIRA-SERRANA – FEIJOA SELLOWIANA
GONÇALO-ALVES – ASTRONIUM GRAVEOLENS
GRAMIMUNHA – WEINMANNIA PAULLINIIFOLIA
GUABIROBEIRAS – CAMPOMANESIA SPP.
GUAÇATUNGA – CASEARIA PARVIFOLIA/C. SILVESTRIS
GUANANDI – CALOPHYLLUM BRASILIENSE
GUARAPERÊ – LAMANONIA SPECIOSA
GUATAMBU – ASPIDOSPERMA SP.
IMBUIA – OCOTEA POROSA
IMBURANA-DE-CHEIRO – AMBURANA CEARENSIS
INDAIÁ – ATTALEA INDAYA
INGÁS – INGÁ GRACILIFOLIA/I. SPLENDEUS/I. EDULIS/I. NOBILIS/I.
RUBIGINOSA/I.PARAENSIS/I. ALBA
IPÊS – TECOMA SPP./TABEBUIA SPP./MACROLOBIUM SPP.
IPÊ-AMARELO – TECOMA CHRYSANTHA
IPÊ-BRANCO – TECOMA ODONTODISCUS
IPÊ-ROXO – TABEBUIA CHRYSOTRICHA
ITAÚBA – MEZILAURUS ITAUBA/M. LINDAVIANA
JACARANDÁS – MACHAERIUM SPP.
JACARANDÁ-DA-BAHIA – DALBERGIA NIGRA
JACARANDÁ-PRETO – DALBERGIA SPRUCEANA
JACARATIÁ – JACARATIA HEPTAPHYLLA
JACARÉ – PIPTADENIA COMMUNIS
JATAÍ-AÇU – HYMENACEA COURBARIL
JATOBÁS – HYMENACEA SPP.
JATOBÁ-DO-CAMPO – HYMENACEA STIGONOCARPA
JATOBÁ-DA-MATA – HYMENACEA STIBOCARPA
JEQUITIBÁ – CARINIANA EXCELSA/C. ESTRELENSIS/C. LEGALIS
JERIVÁ – ARECASTRUM ROMANZOFFIANUM
JITAÍ – DIALIUM GUIANENSE
JUAZEIRO – ZIZYPHUS JOAZEIRO
JUREMAS – MIMOSA SPP.
JUREMA-PRETA – MIMOSA ACUTISTIPULA
• ESPÉCIES DE PLANTAS:
LACRE – ROUPALA CEARENSIS
LIMOEIRO-DO-MATO – ACTINOSTEMON CONCOLOR
LIXEIRA – CURATELLA AMERICANA
MACACAÚBA – PLATYMISCIUM TRINITATIS
MACAMBIRA – BROMÉLIA LACINIOSA
MAÇARANDUBAS – MANIKARA HUBERI/M. RUFULA/M. ELATA
MAMACADELA – BROSIMUM GAUDICHAUDII
MANDACARU – CEREUS JAMACARU
MANDIOQUEIRAS – QUALEA SPP.
MANGABEIRA – HANCORNIA SPECIOSA
MANGUE-BRANCO OU AMARELO – LAGUNCULARIA SP.
MANGUE-VERMELHO – RYZOPHORA MANGLE
MARACUJÁ – PASSIFLORA SP.
MARIA-MOLE – GUAPIRA OPPOSITA
MARIA-PRETA – CORDIA TRICHOTOMA
MARMELADA-DE-CACHORRO
MARMELEIRO – CRÓTON HEMIARGIREUS
MATA-OLHO – PACHYSTROMA LONGIFOLIUM
MIRINDIBA – BUCHENAVIA SP.
MOCITAIBA OU ORELHA-DE-ONÇA – ZOLLERNIA ILICIFOLIA
MOGNO – SWIETENIA MACROPHYLLA
MORORÓ – BAUHINIA MACROSTACHYA
MOROTOTÓ – DIDYMOPANAX MOROTOTONI
MUIRATAUÁ – APULEIA MOLARIS
MUIRAÚBA – MOURIRIA BREVIPES
MURICI – BYRSONIMA SP.
MURICI-ACAULE – PALICOUREA RIGIDA
MURICI-DO-CAMPO – BYRSONIMA SERICEA
MURURÉS – EICHORNIA SP./PISTIA SP./CABOMBA SP
OITI-TUTURUBA – CONEPIA OITI
ÓLEO-PARDO – MYROCARPUS FRONDOSUS
ÓLEO-VERMELHO – MYROXYLON BALSAMUM
ORELHA-DE-ONÇA – ZOLLERNIA ILICIFOLIA
PALMEIRINHA-DE-PETRÓPOLIS – SYAGRUS WEDELLIANA
PALMITO-DOCE – EUTERPE EDULIS
PAU-BRASIL – CAESALPINIA ECHINATA
PAUS-D’ARCO – TABEBUIA SPP.
PAU-D’-ARCO-AMARELO – TABEBUIA SERRATIFOLIA
PAU-D’ARCO-ROXO – TABEBUIA AVELLANEDAE
PAU-DE-COLHER – SALVERTIA CONVALLARIODORA
PAU-DE-TUCANO – VOCHYSIA THYRSOIDEA
• ESPÉCIES DE PLANTAS:
PAU-D’ÓLEO – COPAIFERA CEARENSIS/COPAIFERA TRAPEZIFOLIA/C.
LANGSDORFII
PAU-FERRO – CAESALPINA LEIOSTACHYA
PAU-LEITEIRO – SAIUM GLANDULATUM
PAU-MARFIM – BALFOURADENDRON REIDELIANUM
PAU-MULATO – CAPIRONA HUBERIANA
PAU-POMBO – TAPIRIRA GUIANENSIS
PAU-ROSA – ANIBA DUCKEI
PAU-SANTO – KIELMEYERA CORIACEA
PAUS-TERRA – QUALEA GRANDIFLORA/Q. PARVIFLORA
PEREIRO – ASPIDOSPERMA PYRITOLIUM
PEROBAS ASPIDOSPERMA SP.
PEROBA-AMARELA – PARATECOMA PEROBA
PEROBA-DE-CAMPOS – PARATECOMA PEROBA
PEROBA-ROSA – ASPIDOSPERMA SP.
PIAÇAVA – ATTALEA FUNIFERA
PINDAÍBA – XYLOPIA SPP.
PINDOBA – OENOCARPUS DISCOLOR
PINDOBINHAS – GEONOMA SPP.
PINHEIRO-DO-PARANÁ – ARAUCÁRIA ANGUSTIFÓLIA
PINHO-BRAVO – TAPIRIRA SP.
PIQUI – CARYOCAR BRASILIENSE
PIQUIARANA – CARYOCAR GLABRUM
PIRI – CYPERUS GIGANTEUS
PISTIAS – PISTIA SPP.
PODOCARPUS OU PINHEIRO-BRAVO – PODOCARPUS LAMBERTII/P. SELLOWII
PRACUÚBA – MORA PARAENSIS
PUPUNHARANA – COCOS SPECIOSA
QUARESMEIRA – TIBOUCHINA ESTRELLENSIS
QUINARANA – GEIOSSOSPERMUM SERICEUM
RANÚNCULO – ANEMONE DECAPETALA
ROXINHO – PELTOGYNE DISCOLOR/P. CONFERTIFLORA
SAMAMBAIAS OUTRAS – HYMENOPHYLLUM MAGELLANICUS/H.
MEGACHILUM/BLECHNUM ORGANENSE/POLYPODIUM TAMADAREI
SAMAMBAIA TERRESTRE – PTERIDIUM AQUILINUM
SAMAMBAIUÇUS – ALSOPHILA ELEGANS/A. GLAZIOVII/A. ARMATA/A.
PHALERATA/A.CORCOVADENSIS/A. VIRENS/A. CONTRACTA/A. LEUCOLEPIS
SAMAÚMA OU SUMAÚMA – CEIBA PENTANDRA
• ESPÉCIES DE PLANTAS:
SAPUCAIAS – LECYTHIS USITATA/L. PARAENSIS
SASSAFRÁS – OCOTEA PRETIOSA
SEMPRE-VIVA-DA-SERRA – PAEPALANTUS POLYANTHUS
SERINGUEIRAS – HEVEA BRASILIENSIS
SIRIÚBA – AVICENIA NÍTIDA
SOROCO – SOROCEA BONPLANDII
SORVA – COUMA GUIANENSE
SUCUPIRAS – DIPLOTROPIS SPP./BOWDICHIA
SPP./FERREIRA SPP.
SUCUPIRA-PRETA – ANDIRA SPECTABILIS
TACHIS – TACHIGALIA ALBA/T.
MYMECOPHYLLA/SCLEROLOBIUM MELANOCORPUM
TAQUARA – MEROSTACHYS SPP./GUADA SP.
TAQUARI – CHUSQUEA PINIFOLIA
TAQUARUÇU – BAMBUSA SP.
TENTO – ORMOSIA SP.
TIFAS OU TABOAS – TYPHA SPP
TIRIRICÃO – SCLERIA SP.
TUCUMÃ – ASTROCARYUM SP.
UCUUBAS – VIROLA MELIONII/V.
SURINAMENSIS/V.CARINATA/OSTEOPHLOEUM
PLATISPERMUM/IRYANTHERA MACROPHYLLA
UMBU – SPONDIA TUBEROSA
UMBURANA-DE-ESPINHO – BUSERA LEPTOPHLOIOS
URTIGÃO – GUNNERA MANICATA/URERA BACCIFERA
URUCURANA – HIERONIMA ALCHORNEOIDES
VASSOURÃO – PIPTOCARPHA NOTATA
VASSOURINHA-DO-CAMPO – MICROLICIA ISOPHYLLA
VINHÁTICO – PLATYMENIA RETICULATA/P.
FOLIOLOSA
VITÓRIA-RÉGIA – VICTORIA AMAZÔNICA
XAXIM – DICKSONIA SELLOWIANA
XIQUE-XIQUE – PILOCEREUS GOUNELLII
AGORA IREMOS CITAR ALGO A MAIS DE 4 ESPÉCIES:
• SAMAMBAIA-TERRESTRE: MILHÕES DE ANOS ATRÁS, SAMAMBAIAS ENORMES
DOMINARAM FLORESTAS IMENSAS, MUITO ANTES DE SURGIREM AS PLANTAS
ATUAIS. ELAS NÃO DESENVOLVEM SEMENTES, MAS PROPAGAM-SE ATRAVÉS DE
ESPOROS OU PELA DIVISÃO DE SEUS RISOMAS. A MAIOR PARTE DOS GÊNEROS
UTILIZADOS EM PAISAGISMO SÃO PROVENIENTES DOS TRÓPICOS,
DESTACANDO-SE ADIANTUM, ASPLENIUM, POLYPODIUM, PTERIS E
PLATYCCERIUM, COM DIVERSOS TAMANHOS E FORMAS. O NOME SAMAMBAIA É
PROVENIENTE DO TUPI E SIGNIFICA "AQUELE QUE SE TORCE EM ESPIRAL". SEU
HABITAT PODE SER TANTO UM VASO DE XAXIM COMO O TRONCO DE UMA
ÁRVORE, UMA PEDRA OU MESMO O PRÓPRIO SOLO OU A ÁGUA, COMO AS
SAMAMBAIAS AQUÁTICAS. O SUCESSO NO CULTIVO DESTAS PLANTAS DEPENDE
DA CAPACIDADE DE REPRODUZIRMOS EM CASA AS CONDIÇÕES NATURAIS EM
QUE ESTAS VIVEM NAS MATAS. A MAIOR PARTE DAS ESPÉCIES PREFEREM
AMBIENTES SOMBREADOS. O VENTO É UM DOS SEUS MAIORES INIMIGOS,
CAUSANDO "QUEIMA" DAS FOLHAS MAIS JOVENS E PERDA DE ÁGUA POR
EVAPORAÇÃO. SAMAMBAIAS TAMBÉM NÃO GOSTAM DE ALTERAÇÕES DE LUGAR,
POIS ELAS ACOSTUMAM-SE COM A LUMINOSIDADE, TEMPERATURA E UMIDADE
LOCAL, PODENDO DEFINHAR E ATÉ MORRER CASO SEJAM MUDADAS.
NORMALMENTE SÃO CULTIVADAS EM XAXIM, QUE RETÊM MAIS A UMIDADE E
PERMITEM QUE AS RAÍZES RESPIREM MELHOR. AS MAIS COMUNS SÃO
PULGÕES, COCHONILHAS, ÁCAROS E LAGARTAS QUE DEVEM SER RETIRADAS
MANUALMENTE OU ATRAVÉS DE UMA PINÇA, PARA EVITAR O USO DE
INSETICIDAS. PODEM TAMBÉM OCORRER ALGUMAS DOENÇAS, CAUSADAS POR
FUNGOS OU BACTÉRIAS. NESTES CASOS, AS FOLHAS APRESENTAM MANCHAS E
AS RAÍZES APODRECEM, DEVENDO-SE ELIMINAR AS PARTES DOENTES.,
SERINGUEIRA: SERINGUEIRA É O NOME POPULAR DADO À PLANTA DO GÊNERO
HEVEA, FAMÍLIA EUPHORBIACEAE. NATURAL DA REGIÃO AMAZÔNICA, A SUA
VARIEDADE HEVEA BRASILIENSIS É A MAIS IMPORTANTE DENTRE AS ONZE
ESPÉCIES DO GÊNERO E TAMBÉM A DE MAIOR CAPACIDADE PRODUTIVA,
DESTACANDO-SE POR PRODUZIR LÁTEX DE MELHOR QUALIDADE E COM UM TEOR
PROPÍCIO PARA A FABRICAÇÃO DA BORRACHA. ACREDITA-SE QUE SEU NOME TEM
ORIGEM NO TERMO “SERINGA”, UMA REFERÊNCIA À FORMA COMO É EXTRAÍDO O
LÁTEX. ALÉM DO BRASIL, A SERINGUEIRA É COMUM NA BOLÍVIA, COLÔMBIA,
PERU, VENEZUELA, EQUADOR, SURINAME E GUIANAS. A PLANTA DESENVOLVE-SE
PREFERENCIALMENTE EM MEIO A SOLOS ARGILOSOS E FÉRTEIS DA BEIRA DE RIOS
E VÁRZEAS, RECOMENDA-SE QUE O SEU PLANTIO OCORRA EM SOLOS DE TEXTURA
MÉDIA E COM BOA PROFUNDIDADE, A SERINGUEIRA FORMA UMA ÁRVORE DE
HÁBITO ERETO, QUE PODE ATINGIR ATÉ 30M DE ALTURA, E SEU TRONCO PODE
VARIAR ENTRE 30 E 60CM DE DIÂMETRO. AOS QUATRO ANOS INICIA-SE A
PRODUÇÃO DE SEMENTES, E POR VOLTA DE SEIS OU SETE ANOS, A PRODUÇÃO DE
LÁTEX A PARTIR DA CASCA DA ÁRVORE, QUE É RESPONSÁVEL AINDA PELO
TRANSPORTE A ARMAZENAMENTO DOS NUTRIENTES ABSORVIDOS PELA PLANTA. É
DE MARÇO A JUNHO QUE A SERINGUEIRA APRESENTA AS CONDIÇÕES PROPÍCIAS
PARA A EXTRAÇÃO DO LÁTEX. A PARTIR DE SEU HABITAT NATURAL, A SERINGUEIRA
PASSOU A SER EXPLORADA EM GRANDES ÁREAS, EM ESPECIAL NO SUDESTE
ASIÁTICO. NO BRASIL, O CULTIVO DA PLANTA ATINGIU AS REGIÕES SUDESTE E
CENTRO OESTE, COM DESTAQUE PARA A BAHIA E MAIS RECENTEMENTE O PARANÁ.
AGORA IREMOS CITAR ALGO A MAIS DE 4 ESPÉCIES:
• VITÓRIA-RÉGIA: É CONHECIDA PELO NOME DE VITÓRIA-RÉGIA UMA
DAS MAIORES PLANTAS AQUÁTICAS DO MUNDO. COM UM ASPECTO
EXUBERANTE E ORNAMENTAL, ELA PERTENCE À FAMÍLIA
NYMPHAECEAE E É NATIVA DA REGIÃO AMAZÔNICA. É DOTADA DE
FOLHAS CIRCULARES, ENORMES, QUE PODEM ALCANÇAR ATÉ 2,5
METROS DE DIÂMETRO. SEUS BORDOS ALCANÇAM ATÉ 10 CM E
REVELAM UMA FACE INFERIOR ESPINHENTA E AVERMELHADA.
POSSUI AINDA UMA NOTÁVEL CAPACIDADE DE FLUTUAÇÃO, DEVIDO A
UMA REDE DE GROSSAS NERVURAS E COMPARTIMENTOS DE AR EM
SUA FACE INTERIOR. A SUPERFÍCIE DA FOLHA APRESENTA UMA
INTRINCADA REDE DE CANAIS PARA O ESCOAMENTO DA ÁGUA, O
QUE TAMBÉM AUXILIA NA SUA CAPACIDADE DE FLUTUAR, ATÉ MESMO
SOB CHUVAS FORTES. A VITÓRIA-RÉGIA DEPENDE BASTANTE DAS
INUNDAÇÕES DO RIO AMAZONAS PARA A SUA SOBREVIVÊNCIA,
DEPENDENDO DA MEDIDA DA ÀGUA AS SUA HASTES CRESCEM , QUE
PODEM CHEGAR ATÈ 5 METROS DE COMPRIMENTO.O NÍVEL ALTO
DAS ÁGUAS PERMITE À PLANTE VIVER CERCA DE DOIS ANOS. CASO
AS ÁGUAS SE MANTENHAM BAIXAS, A PLANTA NÃO CONSEGUE
SOBREVIVER. OS POVOS INDÍGENAS LOCAIS CONHECEM-NA PELOS
NOMES DE UAPÉ, IAPUCACAA, AGUAPÉ-ASSÚ, JAÇANÃ, OU NAMPE.
SEU NOME MAIS POPULAR, SURGE DE UM PESQUISADOR INGLÊS
QUE LEVOU AS SEMENTES PARA SEREM PLANTADAS NOS JARDINS
DO PALÁCIO REAL EM LONDRES. LÁ, A PLANTA RECEBEU O NOME DE
VITÓRIA, EM HOMENAGEM À FAMOSA RAINHA DO FIM DO SÉCULO
XIX. A RAIZ DA VITÓRIA-RÉGIA É UM TUBÉRCULO PARECIDO COM A
MANDIOCA (INHAME), RICO EM AMIDO E SAIS MINERAIS, SEU
CULTIVO E DELICADO,SUAS FLORES BROTAM NOS MESES DE
JANEIRO E FEVEREIRO, E DURAM APENAS 48 HORAS, ABRINDO
SOMENTE À NOITE
• ERVA-CIDREIRA: SEU NOME POPULAR E CONHECIDO
COMO ERVA-CIDREIRA , MELISSA , CIDREIRA-
VERDADEIRA. SEU NOME CIENTIFICO E CONHECIDO
COMO MELISSA OFFICINALIS. SUA ORIGEM VEM : DA
EUROPA E DA ÁSIA .SUAS PROPRIEDADES SÃO :
CALMANTE, BACTERIOSTÁTICA (ANTIBIÓTICO CONTRA
BACTÉRIAS). USOS: SUAS FOLHAS E INFLORESCÊNCIAS
(FLORES) SÃO COLOCADAS NA FORMA DE CHÁ, DE
PREFERÊNCIA COM A PLANTA FRESCA, COMO CALMANTE
NO CASO DE INSÔNIA E TAMBÉM COMO MEDICAÇÃO
CONTRA DOR E INCHAÇO ABDOMINAL, GRIPE, BRONQUITE
CRÔNICA, ENXAQUECA, DORES DE ORIGEM REUMÁTICA,
PARA NORMALIZAR AS FUNÇÕES GASTRINTESTINAIS E,
EXTERNAMENTE, NO TRATAMENTO DE MANIFESTAÇÕES
VIRAIS.
Clique para adicionar
texto
Samambaia-
terrestre Vitória-Régia
Seringueira
Erva-cidreira
• UM DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS É O DESMATAMENTO ILEGAL E PREDATÓRIO. MADEIREIRAS
INSTALAM-SE NA REGIÃO PARA CORTAR E VENDER TRONCOS DE ÁRVORES NOBRES. HÁ TAMBÉM
FAZENDEIROS QUE PROVOCAM QUEIMADAS NA FLORESTA PARA AMPLIAÇÃO DE ÁREAS DE CULTIVO
(PRINCIPALMENTE DE SOJA). ESTES DOIS PROBLEMAS PREOCUPAM CIENTISTAS E AMBIENTALISTAS DO
MUNDO, POIS EM POUCO TEMPO, PODEM PROVOCAR UM DESEQUILÍBRIO NO ECOSSISTEMA DA
REGIÃO, COLOCANDO EM RISCO A FLORESTA.
•
OUTRO PROBLEMA É A BIOPIRATARIA NA FLORESTA AMAZÔNICA. CIENTISTAS ESTRANGEIROS ENTRAM
NA FLORESTA, SEM AUTORIZAÇÃO DE AUTORIDADES BRASILEIRAS, PARA OBTER AMOSTRAS DE
PLANTAS OU ESPÉCIES ANIMAIS. LEVAM ESTAS PARA SEUS PAÍSES, PESQUISAM E DESENVOLVEM
SUBSTÂNCIAS, REGISTRANDO PATENTE E DEPOIS LUCRANDO COM ISSO. O GRANDE PROBLEMA É QUE
O BRASIL TERIA QUE PAGAR, FUTURAMENTE, PARA UTILIZAR SUBSTÂNCIAS CUJAS MATÉRIAS-PRIMAS
SÃO ORIGINÁRIAS DO NOSSO TERRITÓRIO.
•
COM A DESCOBERTA DE OURO NA REGIÃO (PRINCIPALMENTE NO ESTADO DO PARÁ), MUITOS RIOS
ESTÃO SENDO CONTAMINADOS. OS GARIMPEIROS USAM O MERCÚRIO NO GARIMPO, SUBSTÂNCIA QUE
ESTÁ CONTAMINANDO OS RIOS E PEIXES DA REGIÃO. ÍNDIOS QUE HABITAM A FLORESTA AMAZÔNICA
TAMBÉM SOFREM COM A EXTRAÇÃO DE OURO NA REGIÃO, POIS A ÁGUA DOS RIOS E OS PEIXES SÃO
IMPORTANTES PARA A SOBREVIVÊNCIA DAS TRIBOS.
• SÃO INÚMEROS ANIMAIS QUE APRESENTAM RISCO DE EXTINÇÃO NA FLORESTA AMAZÔNICA, O QUE DEMOSTRA,
ESSENCIALMENTE, OS PROBLEMAS ECOLÓGICOS QUE DESESTABILIZAM O ECOSSISTEMA E INFELIZMENTE, CRESCE A
CADA ANO.
• JAGUATIRICA (GATO-MARACAJÁ) ARARAJUBA TUCANO DE BICO PRETO
• PEIXE BOI DA AMAZÔNIA PIRARUCU ARARA VERMELHA
Arara de Barriga
Amarela (Arara
Canindé)
AriranhaOnça Parda
Tamanduá bandeiraMacaco-pregoMacaco-aranha
Papagaio-verdadeiroHarpiaOnça Parda
• AS PRINCIPAIS CAUSAS DESSE DESEQUILÍBRIO
AMBIENTAL SÃO: A CAÇA E A PESCA PREDATÓRIA, A
POLUIÇÃO DO SOLO, DO AR E DA ÁGUA, A
ALTERAÇÃO CLIMÁTICA, TRÁFICO DE ANIMAIS E A
PERDA OU FRAGMENTAÇÃO DOS HABITATS
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Más contenido relacionado

La actualidad más candente

A mágoa do Chico Bento
A mágoa do Chico Bento A mágoa do Chico Bento
A mágoa do Chico Bento
BrunaFeSi
 
Caderno de Atividades de Leitura e Escrita
Caderno de Atividades de Leitura e EscritaCaderno de Atividades de Leitura e Escrita
Caderno de Atividades de Leitura e Escrita
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Elefente colorido
Elefente coloridoElefente colorido
Elefente colorido
edivaniasilva
 
Avaliação de Ciências Edite Porto 2014
Avaliação de Ciências Edite Porto 2014 Avaliação de Ciências Edite Porto 2014
Avaliação de Ciências Edite Porto 2014
Angela Maria
 
Prova nivel 2 da OBA DE 2022 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 2 da OBA DE 2022 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 2 da OBA DE 2022 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 2 da OBA DE 2022 - GABARITO POWER POINT.pptx
ssuserec0ea1
 
FEVEREIRO HISTORIA NOMADES E SEDENTARIOS JAMAL LU.docx
FEVEREIRO HISTORIA NOMADES E SEDENTARIOS JAMAL LU.docxFEVEREIRO HISTORIA NOMADES E SEDENTARIOS JAMAL LU.docx
FEVEREIRO HISTORIA NOMADES E SEDENTARIOS JAMAL LU.docx
LucianaMandarino1
 
Cultura negra3
Cultura negra3Cultura negra3
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdf
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdfATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdf
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdf
Luciene Moreira
 
Projeto meio ambiente fauna e flora
Projeto meio ambiente  fauna e floraProjeto meio ambiente  fauna e flora
Projeto meio ambiente fauna e flora
FauFlo
 
Ambientes do Planeta Terra
Ambientes do Planeta TerraAmbientes do Planeta Terra
Ambientes do Planeta Terra
adrianafae
 
Atividades de ensino religioso perseverança
Atividades de ensino religioso perseverançaAtividades de ensino religioso perseverança
Atividades de ensino religioso perseverança
Atividades Diversas Cláudia
 
Diagnóstica língua portuguesa 2º ano
Diagnóstica língua portuguesa   2º anoDiagnóstica língua portuguesa   2º ano
Diagnóstica língua portuguesa 2º ano
Amarize Rodrigues Cardoso
 
Atividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufaAtividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades Diversas Cláudia
 
Cartilha sistema de proteção escolar
Cartilha sistema de proteção escolarCartilha sistema de proteção escolar
Cartilha sistema de proteção escolar
Ulisses Ferreira do Nascimento, GSP,MBS,CES
 
Atividades para fazer nas férias
Atividades para fazer nas fériasAtividades para fazer nas férias
Atividades para fazer nas férias
Letras Mágicas
 
Arte - O Direirto das Crianças, Ruth Rocha
Arte -  O Direirto das Crianças, Ruth RochaArte -  O Direirto das Crianças, Ruth Rocha
Arte - O Direirto das Crianças, Ruth Rocha
Mary Alvarenga
 
Gênero bilhete e convite na alfabetização
Gênero bilhete e convite na alfabetizaçãoGênero bilhete e convite na alfabetização
Gênero bilhete e convite na alfabetização
Lorena Lopes
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
SimoneHelenDrumond
 
Sabe De Quem Era Aquele Rabinho
Sabe De Quem Era Aquele RabinhoSabe De Quem Era Aquele Rabinho
Sabe De Quem Era Aquele Rabinho
educacao f
 
Atividades e lenda do lobisomem
Atividades e lenda do lobisomemAtividades e lenda do lobisomem
Atividades e lenda do lobisomem
Ledson Aldrovandi
 

La actualidad más candente (20)

A mágoa do Chico Bento
A mágoa do Chico Bento A mágoa do Chico Bento
A mágoa do Chico Bento
 
Caderno de Atividades de Leitura e Escrita
Caderno de Atividades de Leitura e EscritaCaderno de Atividades de Leitura e Escrita
Caderno de Atividades de Leitura e Escrita
 
Elefente colorido
Elefente coloridoElefente colorido
Elefente colorido
 
Avaliação de Ciências Edite Porto 2014
Avaliação de Ciências Edite Porto 2014 Avaliação de Ciências Edite Porto 2014
Avaliação de Ciências Edite Porto 2014
 
Prova nivel 2 da OBA DE 2022 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 2 da OBA DE 2022 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 2 da OBA DE 2022 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 2 da OBA DE 2022 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
FEVEREIRO HISTORIA NOMADES E SEDENTARIOS JAMAL LU.docx
FEVEREIRO HISTORIA NOMADES E SEDENTARIOS JAMAL LU.docxFEVEREIRO HISTORIA NOMADES E SEDENTARIOS JAMAL LU.docx
FEVEREIRO HISTORIA NOMADES E SEDENTARIOS JAMAL LU.docx
 
Cultura negra3
Cultura negra3Cultura negra3
Cultura negra3
 
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdf
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdfATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdf
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdf
 
Projeto meio ambiente fauna e flora
Projeto meio ambiente  fauna e floraProjeto meio ambiente  fauna e flora
Projeto meio ambiente fauna e flora
 
Ambientes do Planeta Terra
Ambientes do Planeta TerraAmbientes do Planeta Terra
Ambientes do Planeta Terra
 
Atividades de ensino religioso perseverança
Atividades de ensino religioso perseverançaAtividades de ensino religioso perseverança
Atividades de ensino religioso perseverança
 
Diagnóstica língua portuguesa 2º ano
Diagnóstica língua portuguesa   2º anoDiagnóstica língua portuguesa   2º ano
Diagnóstica língua portuguesa 2º ano
 
Atividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufaAtividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufa
 
Cartilha sistema de proteção escolar
Cartilha sistema de proteção escolarCartilha sistema de proteção escolar
Cartilha sistema de proteção escolar
 
Atividades para fazer nas férias
Atividades para fazer nas fériasAtividades para fazer nas férias
Atividades para fazer nas férias
 
Arte - O Direirto das Crianças, Ruth Rocha
Arte -  O Direirto das Crianças, Ruth RochaArte -  O Direirto das Crianças, Ruth Rocha
Arte - O Direirto das Crianças, Ruth Rocha
 
Gênero bilhete e convite na alfabetização
Gênero bilhete e convite na alfabetizaçãoGênero bilhete e convite na alfabetização
Gênero bilhete e convite na alfabetização
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
 
Sabe De Quem Era Aquele Rabinho
Sabe De Quem Era Aquele RabinhoSabe De Quem Era Aquele Rabinho
Sabe De Quem Era Aquele Rabinho
 
Atividades e lenda do lobisomem
Atividades e lenda do lobisomemAtividades e lenda do lobisomem
Atividades e lenda do lobisomem
 

Destacado

Floresta amazônica
Floresta amazônicaFloresta amazônica
Floresta amazônica
KELSON DA LUZ OLIVEIRA
 
Floresta amazônica
Floresta amazônicaFloresta amazônica
Floresta amazônica
taffila
 
Ecologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma AmazôniaEcologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma Amazônia
Bruno Anacleto
 
Devastação do Cerrado
Devastação do CerradoDevastação do Cerrado
Devastação do Cerrado
Unidos Do Grauu Rio Acima
 
Apresentação amazônia
Apresentação   amazôniaApresentação   amazônia
Apresentação amazônia
Victor Ygor
 
A história da devastação da mata atlântica
A história da devastação da mata atlânticaA história da devastação da mata atlântica
A história da devastação da mata atlântica
Verde Mais Verde
 
Floresta amazônica e a mata atlântica slide do 5º ano
Floresta amazônica e a mata atlântica slide do 5º anoFloresta amazônica e a mata atlântica slide do 5º ano
Floresta amazônica e a mata atlântica slide do 5º ano
Vaniacalmeida
 
Madeiras Brasileiras para Luteria
Madeiras Brasileiras para LuteriaMadeiras Brasileiras para Luteria
Madeiras Brasileiras para Luteria
Gabriel Vandresen
 
Cartilha arvores mirante
Cartilha arvores miranteCartilha arvores mirante
Cartilha arvores mirante
neasedema
 
Arara azul
Arara azulArara azul
Arara azul
Kerolaine Santos
 
Atividade Roberta
Atividade RobertaAtividade Roberta
Atividade Roberta
Elisângela Ribas
 
Conceito de paisagismo
Conceito de paisagismoConceito de paisagismo
Conceito de paisagismo
Juliana Oliveira
 
Algumas especies nativas da mata atlantica
Algumas especies nativas da mata atlanticaAlgumas especies nativas da mata atlantica
Algumas especies nativas da mata atlantica
arboreo.net
 
Arvores do RS: Henrique
Arvores do RS: HenriqueArvores do RS: Henrique
Arvores do RS: Henrique
Elisângela Ribas
 
Meio ambiente cerrado
Meio ambiente   cerradoMeio ambiente   cerrado
Meio ambiente cerrado
Diego Santos
 
Biogeografia 16
Biogeografia 16Biogeografia 16
Biogeografia 16
Virna Salgado Barra
 
Fauna e flora Africa e Brasil
Fauna e flora Africa e BrasilFauna e flora Africa e Brasil
Fauna e flora Africa e Brasil
Mary Jeanne
 
Brasil Cerrado
Brasil CerradoBrasil Cerrado
Brasil Cerrado
janbarbosa
 
Cerrado
Cerrado Cerrado
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em LuteriaAvaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
Gabriel Vandresen
 

Destacado (20)

Floresta amazônica
Floresta amazônicaFloresta amazônica
Floresta amazônica
 
Floresta amazônica
Floresta amazônicaFloresta amazônica
Floresta amazônica
 
Ecologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma AmazôniaEcologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma Amazônia
 
Devastação do Cerrado
Devastação do CerradoDevastação do Cerrado
Devastação do Cerrado
 
Apresentação amazônia
Apresentação   amazôniaApresentação   amazônia
Apresentação amazônia
 
A história da devastação da mata atlântica
A história da devastação da mata atlânticaA história da devastação da mata atlântica
A história da devastação da mata atlântica
 
Floresta amazônica e a mata atlântica slide do 5º ano
Floresta amazônica e a mata atlântica slide do 5º anoFloresta amazônica e a mata atlântica slide do 5º ano
Floresta amazônica e a mata atlântica slide do 5º ano
 
Madeiras Brasileiras para Luteria
Madeiras Brasileiras para LuteriaMadeiras Brasileiras para Luteria
Madeiras Brasileiras para Luteria
 
Cartilha arvores mirante
Cartilha arvores miranteCartilha arvores mirante
Cartilha arvores mirante
 
Arara azul
Arara azulArara azul
Arara azul
 
Atividade Roberta
Atividade RobertaAtividade Roberta
Atividade Roberta
 
Conceito de paisagismo
Conceito de paisagismoConceito de paisagismo
Conceito de paisagismo
 
Algumas especies nativas da mata atlantica
Algumas especies nativas da mata atlanticaAlgumas especies nativas da mata atlantica
Algumas especies nativas da mata atlantica
 
Arvores do RS: Henrique
Arvores do RS: HenriqueArvores do RS: Henrique
Arvores do RS: Henrique
 
Meio ambiente cerrado
Meio ambiente   cerradoMeio ambiente   cerrado
Meio ambiente cerrado
 
Biogeografia 16
Biogeografia 16Biogeografia 16
Biogeografia 16
 
Fauna e flora Africa e Brasil
Fauna e flora Africa e BrasilFauna e flora Africa e Brasil
Fauna e flora Africa e Brasil
 
Brasil Cerrado
Brasil CerradoBrasil Cerrado
Brasil Cerrado
 
Cerrado
Cerrado Cerrado
Cerrado
 
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em LuteriaAvaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
Avaliação de Madeiras Amasônicas para uso em Luteria
 

Similar a Fauna e flora amazônica 2º B

La fauna marina
La fauna marinaLa fauna marina
La fauna marina
emanuelsandoval25
 
La 4 especies emblematicas del peru
La 4 especies emblematicas del peruLa 4 especies emblematicas del peru
La 4 especies emblematicas del peru
Valerie Christine Calancha Vilchez
 
Los anelidos
Los anelidosLos anelidos
Los anelidos
kamiloncha
 
Revista digital conociendonos primera edicion
Revista digital conociendonos primera edicionRevista digital conociendonos primera edicion
Revista digital conociendonos primera edicion
080645634
 
Tema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebradosTema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebrados
salowil
 
Animales en peligro de extinción
Animales en peligro de extinciónAnimales en peligro de extinción
Animales en peligro de extinción
mercedesc1f2
 
La flora y fauna de la amazonia 3
La flora y fauna de la amazonia 3La flora y fauna de la amazonia 3
La flora y fauna de la amazonia 3
robertocarloselmejor
 
los grandes biomas de la tierra
los grandes biomas de la tierralos grandes biomas de la tierra
los grandes biomas de la tierra
Jose Marcos Alcaraz Garcia
 
Presentación de TIC animales marinos
Presentación de TIC animales marinos Presentación de TIC animales marinos
Presentación de TIC animales marinos
Rocio Conejero
 
La flora y fauna de la amazonia 3
La flora y fauna de la amazonia 3La flora y fauna de la amazonia 3
La flora y fauna de la amazonia 3
robertocarloselmejor
 
Tema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebradosTema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebrados
salowil
 
Areas protegidas
Areas protegidasAreas protegidas
Areas protegidas
maura lapo
 
DIAPOSITIVAS DE NATURALEZA.pptx
DIAPOSITIVAS DE NATURALEZA.pptxDIAPOSITIVAS DE NATURALEZA.pptx
DIAPOSITIVAS DE NATURALEZA.pptx
franyhe
 
Tema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebradosTema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebrados
salowil
 
Laredo_intermareal
Laredo_intermarealLaredo_intermareal
Laredo_intermareal
Alavesia
 
Biodiversidad representativa de la biorregión del ecuador
Biodiversidad representativa  de la biorregión del ecuadorBiodiversidad representativa  de la biorregión del ecuador
Biodiversidad representativa de la biorregión del ecuador
valeria1veronica2
 
Cocodroloco v2
Cocodroloco v2Cocodroloco v2
Cocodroloco v2
sliderosa
 
solo quiero descargar el maldito slidshre por dios que aburrido esta pagina
solo quiero descargar el maldito slidshre por dios que aburrido esta paginasolo quiero descargar el maldito slidshre por dios que aburrido esta pagina
solo quiero descargar el maldito slidshre por dios que aburrido esta pagina
RonyRenatoLimachiQui
 
Guia adaptaciones biomas de chile
Guia adaptaciones biomas de chileGuia adaptaciones biomas de chile
Guia adaptaciones biomas de chile
vero2529
 
Tema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebradosTema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebrados
salowil
 

Similar a Fauna e flora amazônica 2º B (20)

La fauna marina
La fauna marinaLa fauna marina
La fauna marina
 
La 4 especies emblematicas del peru
La 4 especies emblematicas del peruLa 4 especies emblematicas del peru
La 4 especies emblematicas del peru
 
Los anelidos
Los anelidosLos anelidos
Los anelidos
 
Revista digital conociendonos primera edicion
Revista digital conociendonos primera edicionRevista digital conociendonos primera edicion
Revista digital conociendonos primera edicion
 
Tema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebradosTema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebrados
 
Animales en peligro de extinción
Animales en peligro de extinciónAnimales en peligro de extinción
Animales en peligro de extinción
 
La flora y fauna de la amazonia 3
La flora y fauna de la amazonia 3La flora y fauna de la amazonia 3
La flora y fauna de la amazonia 3
 
los grandes biomas de la tierra
los grandes biomas de la tierralos grandes biomas de la tierra
los grandes biomas de la tierra
 
Presentación de TIC animales marinos
Presentación de TIC animales marinos Presentación de TIC animales marinos
Presentación de TIC animales marinos
 
La flora y fauna de la amazonia 3
La flora y fauna de la amazonia 3La flora y fauna de la amazonia 3
La flora y fauna de la amazonia 3
 
Tema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebradosTema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebrados
 
Areas protegidas
Areas protegidasAreas protegidas
Areas protegidas
 
DIAPOSITIVAS DE NATURALEZA.pptx
DIAPOSITIVAS DE NATURALEZA.pptxDIAPOSITIVAS DE NATURALEZA.pptx
DIAPOSITIVAS DE NATURALEZA.pptx
 
Tema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebradosTema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebrados
 
Laredo_intermareal
Laredo_intermarealLaredo_intermareal
Laredo_intermareal
 
Biodiversidad representativa de la biorregión del ecuador
Biodiversidad representativa  de la biorregión del ecuadorBiodiversidad representativa  de la biorregión del ecuador
Biodiversidad representativa de la biorregión del ecuador
 
Cocodroloco v2
Cocodroloco v2Cocodroloco v2
Cocodroloco v2
 
solo quiero descargar el maldito slidshre por dios que aburrido esta pagina
solo quiero descargar el maldito slidshre por dios que aburrido esta paginasolo quiero descargar el maldito slidshre por dios que aburrido esta pagina
solo quiero descargar el maldito slidshre por dios que aburrido esta pagina
 
Guia adaptaciones biomas de chile
Guia adaptaciones biomas de chileGuia adaptaciones biomas de chile
Guia adaptaciones biomas de chile
 
Tema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebradosTema 6 animales invertebrados
Tema 6 animales invertebrados
 

Más de Maria Teresa Iannaco Grego

Abelha azul 2º A
Abelha azul 2º AAbelha azul 2º A
Abelha azul 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Morsa 3ºB
Morsa 3ºBMorsa 3ºB
Desastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º ADesastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Tubarão 2º c II
Tubarão 2º c IITubarão 2º c II
Tubarão 2º c II
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Foca 1º C
Foca  1º CFoca  1º C
Aquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º AAquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Baleias 3º A
Baleias 3º ABaleias 3º A
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°BEfeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Pinguins-2º C
Pinguins-2º CPinguins-2º C
A vila socó 2º c
A vila socó 2º cA vila socó 2º c
A vila socó 2º c
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Lixo nas grandes cidades 1º D
Lixo nas grandes cidades  1º DLixo nas grandes cidades  1º D
Lixo nas grandes cidades 1º D
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Plantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 CPlantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 C
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Desastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º ADesastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Desastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 ADesastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Pinguins2ºC
Pinguins2ºCPinguins2ºC
Leão 1 B
Leão 1 BLeão 1 B
Panda 1 C
Panda 1 CPanda 1 C
Girafas 1 C
Girafas  1 CGirafas  1 C
ÁGuia 1 A
ÁGuia 1 AÁGuia 1 A
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico  e meio ambiente -3ºAAgrotoxico  e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Maria Teresa Iannaco Grego
 

Más de Maria Teresa Iannaco Grego (20)

Abelha azul 2º A
Abelha azul 2º AAbelha azul 2º A
Abelha azul 2º A
 
Morsa 3ºB
Morsa 3ºBMorsa 3ºB
Morsa 3ºB
 
Desastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º ADesastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º A
 
Tubarão 2º c II
Tubarão 2º c IITubarão 2º c II
Tubarão 2º c II
 
Foca 1º C
Foca  1º CFoca  1º C
Foca 1º C
 
Aquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º AAquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º A
 
Baleias 3º A
Baleias 3º ABaleias 3º A
Baleias 3º A
 
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°BEfeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
 
Pinguins-2º C
Pinguins-2º CPinguins-2º C
Pinguins-2º C
 
A vila socó 2º c
A vila socó 2º cA vila socó 2º c
A vila socó 2º c
 
Lixo nas grandes cidades 1º D
Lixo nas grandes cidades  1º DLixo nas grandes cidades  1º D
Lixo nas grandes cidades 1º D
 
Plantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 CPlantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 C
 
Desastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º ADesastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º A
 
Desastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 ADesastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 A
 
Pinguins2ºC
Pinguins2ºCPinguins2ºC
Pinguins2ºC
 
Leão 1 B
Leão 1 BLeão 1 B
Leão 1 B
 
Panda 1 C
Panda 1 CPanda 1 C
Panda 1 C
 
Girafas 1 C
Girafas  1 CGirafas  1 C
Girafas 1 C
 
ÁGuia 1 A
ÁGuia 1 AÁGuia 1 A
ÁGuia 1 A
 
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico  e meio ambiente -3ºAAgrotoxico  e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
 

Último

REGLAMENTO DE FALTAS Y SANCIONES DEL MAGISTERIO 2024.pptx
REGLAMENTO DE FALTAS Y SANCIONES DEL MAGISTERIO 2024.pptxREGLAMENTO DE FALTAS Y SANCIONES DEL MAGISTERIO 2024.pptx
REGLAMENTO DE FALTAS Y SANCIONES DEL MAGISTERIO 2024.pptx
RiosMartin
 
DIPLOMA Teachers For Future junio2024.pdf
DIPLOMA Teachers For Future junio2024.pdfDIPLOMA Teachers For Future junio2024.pdf
DIPLOMA Teachers For Future junio2024.pdf
Alfaresbilingual
 
Papel histórico de los niños, jóvenes y adultos mayores en la historia nacional
Papel histórico de los niños, jóvenes y adultos mayores en la historia nacionalPapel histórico de los niños, jóvenes y adultos mayores en la historia nacional
Papel histórico de los niños, jóvenes y adultos mayores en la historia nacional
BrunoDiaz343346
 
Power Point: El conflicto inminente (Bosquejo)
Power Point: El conflicto inminente (Bosquejo)Power Point: El conflicto inminente (Bosquejo)
Power Point: El conflicto inminente (Bosquejo)
https://gramadal.wordpress.com/
 
APUNTES UNIDAD I ECONOMIA EMPRESARIAL .pdf
APUNTES UNIDAD I ECONOMIA EMPRESARIAL .pdfAPUNTES UNIDAD I ECONOMIA EMPRESARIAL .pdf
APUNTES UNIDAD I ECONOMIA EMPRESARIAL .pdf
VeronicaCabrera50
 
Mapa-conceptual-de-la-Evolucion-del-Hombre-3.pptx
Mapa-conceptual-de-la-Evolucion-del-Hombre-3.pptxMapa-conceptual-de-la-Evolucion-del-Hombre-3.pptx
Mapa-conceptual-de-la-Evolucion-del-Hombre-3.pptx
ElizabethLpez634570
 
c3.hu3.p3.p4.Los seres humanos y no humanos.pptx
c3.hu3.p3.p4.Los seres humanos y no humanos.pptxc3.hu3.p3.p4.Los seres humanos y no humanos.pptx
c3.hu3.p3.p4.Los seres humanos y no humanos.pptx
Martín Ramírez
 
Maikell-Victor-Quimica-2024-Volume-2.pdf
Maikell-Victor-Quimica-2024-Volume-2.pdfMaikell-Victor-Quimica-2024-Volume-2.pdf
Maikell-Victor-Quimica-2024-Volume-2.pdf
DevinsideSolutions
 
Evaluacion-Formativa-Nueva Escuela Mexicana NEM-ok.pdf
Evaluacion-Formativa-Nueva Escuela Mexicana NEM-ok.pdfEvaluacion-Formativa-Nueva Escuela Mexicana NEM-ok.pdf
Evaluacion-Formativa-Nueva Escuela Mexicana NEM-ok.pdf
EfranMartnez8
 
Mi Comunidad En El Sector Monterrey-Poste Blanco
Mi Comunidad En El Sector Monterrey-Poste BlancoMi Comunidad En El Sector Monterrey-Poste Blanco
Mi Comunidad En El Sector Monterrey-Poste Blanco
Ruth Noemí Soto Villegas
 
CALCULO DE AMORTIZACION DE UN PRESTAMO.pdf
CALCULO DE AMORTIZACION DE UN PRESTAMO.pdfCALCULO DE AMORTIZACION DE UN PRESTAMO.pdf
CALCULO DE AMORTIZACION DE UN PRESTAMO.pdf
cesareduvr95
 
los Simbolos mayores y menores de honduras.pptx
los Simbolos mayores y menores de honduras.pptxlos Simbolos mayores y menores de honduras.pptx
los Simbolos mayores y menores de honduras.pptx
EmersonJimenez13
 
Marketing responsable - Ética y Responsabilidad Social Empresarial
Marketing responsable - Ética y Responsabilidad Social EmpresarialMarketing responsable - Ética y Responsabilidad Social Empresarial
Marketing responsable - Ética y Responsabilidad Social Empresarial
JonathanCovena1
 
UrkuninaLab.pdfsadsadasddassadsadsadasdsad
UrkuninaLab.pdfsadsadasddassadsadsadasdsadUrkuninaLab.pdfsadsadasddassadsadsadasdsad
UrkuninaLab.pdfsadsadasddassadsadsadasdsad
JorgeVillota6
 
Fundamentos filosóficos de la metodología de la enseñanza
Fundamentos filosóficos de la metodología de la enseñanzaFundamentos filosóficos de la metodología de la enseñanza
Fundamentos filosóficos de la metodología de la enseñanza
iamgaby0724
 
Programación de la XI semana cultural del CEIP Alfares
Programación de la XI semana cultural del CEIP AlfaresProgramación de la XI semana cultural del CEIP Alfares
Programación de la XI semana cultural del CEIP Alfares
Alfaresbilingual
 
Lecciones 11 Esc. Sabática. El conflicto inminente docx
Lecciones 11 Esc. Sabática. El conflicto inminente docxLecciones 11 Esc. Sabática. El conflicto inminente docx
Lecciones 11 Esc. Sabática. El conflicto inminente docx
Alejandrino Halire Ccahuana
 
ELEMENTOS DE LA COMPRENSION ORAL-ESCUCHA ACTIVA.pdf
ELEMENTOS DE LA COMPRENSION ORAL-ESCUCHA ACTIVA.pdfELEMENTOS DE LA COMPRENSION ORAL-ESCUCHA ACTIVA.pdf
ELEMENTOS DE LA COMPRENSION ORAL-ESCUCHA ACTIVA.pdf
DaliaAndrade1
 
explorando los secretos de la fotosíntesis
explorando los secretos de la fotosíntesisexplorando los secretos de la fotosíntesis
explorando los secretos de la fotosíntesis
CristianRodrguez692429
 
Presentación sector la arenita_paijan pptx
Presentación sector la arenita_paijan pptxPresentación sector la arenita_paijan pptx
Presentación sector la arenita_paijan pptx
Aracely Natalia Lopez Talavera
 

Último (20)

REGLAMENTO DE FALTAS Y SANCIONES DEL MAGISTERIO 2024.pptx
REGLAMENTO DE FALTAS Y SANCIONES DEL MAGISTERIO 2024.pptxREGLAMENTO DE FALTAS Y SANCIONES DEL MAGISTERIO 2024.pptx
REGLAMENTO DE FALTAS Y SANCIONES DEL MAGISTERIO 2024.pptx
 
DIPLOMA Teachers For Future junio2024.pdf
DIPLOMA Teachers For Future junio2024.pdfDIPLOMA Teachers For Future junio2024.pdf
DIPLOMA Teachers For Future junio2024.pdf
 
Papel histórico de los niños, jóvenes y adultos mayores en la historia nacional
Papel histórico de los niños, jóvenes y adultos mayores en la historia nacionalPapel histórico de los niños, jóvenes y adultos mayores en la historia nacional
Papel histórico de los niños, jóvenes y adultos mayores en la historia nacional
 
Power Point: El conflicto inminente (Bosquejo)
Power Point: El conflicto inminente (Bosquejo)Power Point: El conflicto inminente (Bosquejo)
Power Point: El conflicto inminente (Bosquejo)
 
APUNTES UNIDAD I ECONOMIA EMPRESARIAL .pdf
APUNTES UNIDAD I ECONOMIA EMPRESARIAL .pdfAPUNTES UNIDAD I ECONOMIA EMPRESARIAL .pdf
APUNTES UNIDAD I ECONOMIA EMPRESARIAL .pdf
 
Mapa-conceptual-de-la-Evolucion-del-Hombre-3.pptx
Mapa-conceptual-de-la-Evolucion-del-Hombre-3.pptxMapa-conceptual-de-la-Evolucion-del-Hombre-3.pptx
Mapa-conceptual-de-la-Evolucion-del-Hombre-3.pptx
 
c3.hu3.p3.p4.Los seres humanos y no humanos.pptx
c3.hu3.p3.p4.Los seres humanos y no humanos.pptxc3.hu3.p3.p4.Los seres humanos y no humanos.pptx
c3.hu3.p3.p4.Los seres humanos y no humanos.pptx
 
Maikell-Victor-Quimica-2024-Volume-2.pdf
Maikell-Victor-Quimica-2024-Volume-2.pdfMaikell-Victor-Quimica-2024-Volume-2.pdf
Maikell-Victor-Quimica-2024-Volume-2.pdf
 
Evaluacion-Formativa-Nueva Escuela Mexicana NEM-ok.pdf
Evaluacion-Formativa-Nueva Escuela Mexicana NEM-ok.pdfEvaluacion-Formativa-Nueva Escuela Mexicana NEM-ok.pdf
Evaluacion-Formativa-Nueva Escuela Mexicana NEM-ok.pdf
 
Mi Comunidad En El Sector Monterrey-Poste Blanco
Mi Comunidad En El Sector Monterrey-Poste BlancoMi Comunidad En El Sector Monterrey-Poste Blanco
Mi Comunidad En El Sector Monterrey-Poste Blanco
 
CALCULO DE AMORTIZACION DE UN PRESTAMO.pdf
CALCULO DE AMORTIZACION DE UN PRESTAMO.pdfCALCULO DE AMORTIZACION DE UN PRESTAMO.pdf
CALCULO DE AMORTIZACION DE UN PRESTAMO.pdf
 
los Simbolos mayores y menores de honduras.pptx
los Simbolos mayores y menores de honduras.pptxlos Simbolos mayores y menores de honduras.pptx
los Simbolos mayores y menores de honduras.pptx
 
Marketing responsable - Ética y Responsabilidad Social Empresarial
Marketing responsable - Ética y Responsabilidad Social EmpresarialMarketing responsable - Ética y Responsabilidad Social Empresarial
Marketing responsable - Ética y Responsabilidad Social Empresarial
 
UrkuninaLab.pdfsadsadasddassadsadsadasdsad
UrkuninaLab.pdfsadsadasddassadsadsadasdsadUrkuninaLab.pdfsadsadasddassadsadsadasdsad
UrkuninaLab.pdfsadsadasddassadsadsadasdsad
 
Fundamentos filosóficos de la metodología de la enseñanza
Fundamentos filosóficos de la metodología de la enseñanzaFundamentos filosóficos de la metodología de la enseñanza
Fundamentos filosóficos de la metodología de la enseñanza
 
Programación de la XI semana cultural del CEIP Alfares
Programación de la XI semana cultural del CEIP AlfaresProgramación de la XI semana cultural del CEIP Alfares
Programación de la XI semana cultural del CEIP Alfares
 
Lecciones 11 Esc. Sabática. El conflicto inminente docx
Lecciones 11 Esc. Sabática. El conflicto inminente docxLecciones 11 Esc. Sabática. El conflicto inminente docx
Lecciones 11 Esc. Sabática. El conflicto inminente docx
 
ELEMENTOS DE LA COMPRENSION ORAL-ESCUCHA ACTIVA.pdf
ELEMENTOS DE LA COMPRENSION ORAL-ESCUCHA ACTIVA.pdfELEMENTOS DE LA COMPRENSION ORAL-ESCUCHA ACTIVA.pdf
ELEMENTOS DE LA COMPRENSION ORAL-ESCUCHA ACTIVA.pdf
 
explorando los secretos de la fotosíntesis
explorando los secretos de la fotosíntesisexplorando los secretos de la fotosíntesis
explorando los secretos de la fotosíntesis
 
Presentación sector la arenita_paijan pptx
Presentación sector la arenita_paijan pptxPresentación sector la arenita_paijan pptx
Presentación sector la arenita_paijan pptx
 

Fauna e flora amazônica 2º B

  • 1. FAUNA E FLORA AMAZÔNICA @ BIO 2016 E E PROF º LUIZ GONZAGA RIGHINI
  • 2. OBJETIVOS : • ENTENDER E COMPREENDER A " FAUNA E FLORA AMAZÔNICA " • COMO É A FAUNA E FLORA AMAZÔNICA • ONDE SE LOCALIZA ESSE BIOMA • MOSTRAR AS CARACTERÍSTICAS DA FAUNA E FLORA DESSE BIOMA • CITAR ALGUMAS ESPÉCIES DESSE BIOMA.
  • 3. ONDE SE LOCALIZA A FLORESTA AMAZÔNICA ? • A FLORESTA AMAZÔNICA ESTÁ LOCALIZADA NA REGIÃO NORTE DO BRASIL, E POSSUI UMA ÁREA DE CERCA DE 5,5 MILHÕES DE KM². FAZENDO PARTE DE NOVE PAÍSES: BRASIL, VENEZUELA, COLÔMBIA, PERU, BOLÍVIA, EQUADOR, SURINAME, GUIANA E GUIANA FRANCESA, É A MAIOR FLORESTA TROPICAL ÚMIDA DO PLANETA E COM A MAIOR BIODIVERSIDADE.
  • 4. FAUNA AMAZÔNICA • A FLORESTA AMAZÔNICA POSSUI UMA DAS MAIS RICAS BIODIVERSIDADES DO MUNDO, NESSA FLORESTA RESIDE UMA GRANDE VARIEDADE DE SERES VIVOS, VEGETAL E ANIMAL. ALGUNS REGISTROS E PESQUISAS REVELAM QUE NA FLORESTA AMAZÔNICA, EXISTEM APROXIMADAMENTE CERCA DE 1.800 ESPÉCIES DIFERENTES DE AVES, 2.500 DE PEIXES, 320 DE MAMÍFEROS E DEZENAS DE ESPÉCIES DE RÉPTEIS, ANFÍBIOS E INSETOS. NO ENTANTO, ESSES NÚMEROS APRESENTADOS NÃO SÃO TOTALMENTE DEFINITIVOS, POIS POR FALTA DE PESQUISAS, MUITAS ESPÉCIES DE ANIMAIS AINDA CONTINUAM DESCONHECIDAS PELA CLASSE CIENTÍFICA E PELO PÚBLICO EM GERAL. • ESSE RICO ECOSSISTEMA DETÉM UMA IMENSA QUANTIDADE SERES VIVOS, DESDE MICRORGANISMOS ATÉ ANIMAIS DE GRANDE PORTE, DE BRIÓFITAS ATÉ ÁRVORES DE GRANDE PORTE. A SEGUIR, ESTÁ UMA LISTA DE ANIMAIS QUE NORMALMENTE SÃO ENCONTRADOS NA FLORESTA AMAZÔNICA.
  • 5. JAGUATIRICA (GATO-MARACAJÁ) PEIXE BOI DA AMAZÔNIA PIRARUCU ARARA DE BARRIGA AMARELA (ARARA CANINDÉ) PAPAGAIO-VERDADEIRO ARARAJUBA HARPIA ARIRANHA ONÇA PINTADA ONÇA PARDA UACARI-BRANCO MACACO-ARANHA MACACO-PREGO SAUIM-DE-COLEIRA TAMANDUÁ BANDEIRA GUARIBA-DE-MÃO-RUIVA (ALOUATTA BELZEBUL) TUCANO-DE-BICO-PRETO (RAMPHASTOS VITELLINUS) ARARA-VERMELHA (ARA MACAO) PREGUIÇA-DE-TRÊS-DEDOS (BRADYPUS TRIDACTYLUS) BORBOLETA-AZUL (MORPHA MENELAUS MENELAUS) UIRAPURU (CYPHORHINUS ARADA) QUATI (NASUA NASUA) JAGUAR (PANTHERA ONÇA) CAPIVARA (HYDROCHAERIS HYDROCAERIS) TARTARUGA-DA-AMAZÔNIA (PADOCNEMIS EXPANSA) SUCURI (EUNECTES MURINUS) JACARÉ-AÇU (MELANO SUCHISNIGER) PEQUENO SAPO (DENDROBATES LEUCOMELOS)
  • 6. INFORMACÕES EXTRAS SOBRE A FAUNA AMAZÔNICA • MAMÍFEROS: CERCA DE 427 ESPÉCIES DE MAMÍFEROS, SENDO 173 ENDÊMICOS MOSTRAM A DIMENSÃO DA FAUNA AMAZÔNICA. ESSE NÚMERO AINDA PODE CRESCER, POIS HÁ SEMPRE NOVAS ESPÉCIES SENDO DESCOBERTAS. • EXISTEM NA REGIÃO, 158 ESPÉCIES DE MORCEGOS, 110 DE ROEDORES; • OS PRIMATAS TAMBÉM SÃO MUITO NUMEROSOS. HÁ CERCA DE 81 ESPÉCIES DE MACACOS CLASSIFICADAS PELOS CIENTISTAS; • HÁ PELO MENOS SEIS ESPÉCIES DE FELINOS ORIGINAIS COMO A ONÇA PINTADA (JAGUAR), PRETA (JAGUANUN), VERMELHA (PUMA) E JAGUATIRICA (GATO MARACAJÁ). HÁ AINDA 4 ESPÉCIES DE VEADOS. • PRINCIPIAS MAMÍFEROS DA AMAZÓNIA: VEADO, PEIXE- BOI, BALEIA-FRANCA, ONÇA-PINTADA, LONTRA, ONÇA- PARDA, MACACO-ARANHA-PRETO, TATU-BOLA, SAGÜI-DA- SERRA. • AVES: CERCA DE 1.800 ESPÉCIES DE PÁSSAROS VIVEM NA AMAZÔNIA, DENTRE OS QUAIS SE DESTACAM GALO- DA-SERRA, UIRAPURU, FLAMENGO, GAVIÃO REAL, ÁGUIA, FALCÃO, ARARA, PAPAGAIO E PERIQUITO. BOA PARTE DAS ESPÉCIES VIVE AMEAÇADA DE EXTINÇÃO, DEVIDO À RIQUEZA DE SUAS PLUMAGENS . • ALÉM DAS CITADAS ACIMA PODEMOS ACRESCENTAR COLIBRI, O SABIÁ, CARDEAL, SANHUÇU, CORRUPIA. • PEIXES: AMAZÔNIA POSSUI MAIS DE 3000 ESPÉCIES DE PEIXE, SENDO QUE 1.800 JÁ SE ENCONTRAM CATALOGADOS PELO INPA. JÁ FORAM CATALOGADOS MAIS ESPÉCIES DE PEIXES NA AMAZÔNIA DO QUE NO RIO CONGO E MISSISSIPI JUNTOS. • OS PEIXES MAIS CONHECIDOS SÃO : TUCUNARÉ, PIRARUCU, TAMBAQUI, MATRINXA, CURIMATA, CARAUAÇU, PACU, PESCADA. JARAQUI, PIRANHA, DOURADO, SURUBIM E SARDINHA. TUCUNARÉ E O PIRARUCU SÃO OS MAIS APRECIADOS PELA POPULAÇÃO.
  • 7. INFORMACÕES EXTRAS SOBRE A FAUNA AMAZÔNICA • ANFÍBIOS: CONHECIDO CIENTIFICAMENTE POR BATRÁQUIOS, ESTE GRUPO É BASTANTE NUMEROSO NÃO SÓ EM QUANTIDADE MAS PELA VARIEDADE. SÃO IMPORTANTES NA CADEIA BIOLÓGICA NA MEDIDA EM QUE SE ALIMENTAM DOS INSETOS DA REGIÃO, E, POR SUA VEZ, SERVEM DE ALIMENTOS AOS OFÍDIOS. • INSETOS: PARTICIPANTE ASSÍDUO DO SISTEMA AMBIENTAL AMAZÔNICO ESTE GRUPO ASSUME UM PAPEL VITAL NA CADEIA ALIMENTAR. CONHECE-SE MAIS DE 200 ESPÉCIES DE MOSQUITOS E CERCA DE 1.800 ESPÉCIES DE BORBOLETAS. ESTAS ÚLTIMAS TEM, NA REGIÃO, A CHAMADA TERRA DA PROMISSÃO, GAFANHOTOS, VESPAS, FORMIGAS, PERCERVEJOS, ABELHAS E TANAJURAS, SÃO MAIS CONHECIDOS NA REGIÃO. • RÉPTEIS NO GRUPO DE COBRAS, FIGURAM AS SERPENTES COMO A CORAL, A SURUCUCU E A JARARACA QUE SÃO AS VENENOSAS. A SUCURI, A SUCURIJU E A JIBÓIA, CONSTAM DAS NÃO VENENOSAS, PODENDO ATINGIR MAIS DE 10 METROS DE COMPRIMENTO, O QUE PERMITE O DOMÍNIO E MORTE DA PRESA POR ESTRANGULAMENTO. • JÁ NO GRUPO DOS JACARÉS, DESTACAM-SE O AÇU (MAIOR DOS JACARÉS) E O TINGA. FECHANDO ESSE GRUPO, TEMOS OS QUELONIOS, COMO A TARTARUGA-DO- AMAZONAS, O TRACAJÁ , O CÁGADO E O MATÁ MATÁ. PRINCIPAIS: TARTARUGAS, JABUTI, LARGATO E SERPENTES.
  • 8. AGORA IREMOS CITAR ALGO A MAIS DE 4 ESPÉCIES: • RÉPTEIS: JABUTI. O JABUTI É UM RÉPTIL TERRESTRE DA FAMÍLIA CHELONOIDIS. EM TODO O MUNDO, EXISTEM MAIS DE 40 ESPÉCIES DE JABUTIS. ALGUMAS DESSAS ESPÉCIES HABITAM NAS ILHAS DO ARQUIPÉLAGO DE GALÁPAGOS. SÃO ANIMAIS PRÉ-HISTÓRICOS, RÚSTICOS E MUITO RESISTENTES. • OS JABUTIS SÃO ONÍVOROS, OU SEJA, ALIMENTAM-SE DE ANIMAIS (INSETOS, LESMAS E ATÉ RATOS) E VEGETAIS (FRUTAS, FOLHAS, LEGUMES, VERDURAS), SOBRETUDO OS DE COR AMARELA OU VERMELHA. OS JABUTIS POSSUEM UMA PLACA ÓSSEA PARECIDA COM UMA LÂMINA AO INVÉS DE DENTES. • OS JABUTIS SÃO MUITO LENTOS E DÓCEIS. ESPECULA-SE QUE O JABUTI SEJA O ANIMAL MAIS LENTO ENTRE OS VERTEBRADOS. SÃO TERRESTRES, CARACTERÍSTICA PRINCIPAL QUE OS DIFERENCIA DAS TARTARUGAS. AS PATAS DO JABUTI SÃO RETAS E RÍGIDAS, SEMELHANTES ÀS PATAS DOS ELEFANTES, SÓ QUE MENORES. O CASCO DO JABUTI É CONVEXO E BASTANTE ARQUEADO. QUANDO SE SENTE AMEAÇADO, O JABUTI RECOLHE AS PATAS, A CAUDA E A CABEÇA PARA DENTRO DO CASCO, E SE FAZ DE MORTO. ANIMAIS DE HÁBITOS DIURNOS, OS JABUTIS VIVEM EM BANDOS, EM FLORESTAS, BORDAS DE MATAS, CERRADOS E CAMPOS • PEIXES: O PIRARUCU (ARAPAIMA GIGAS) É UM PEIXE ENCONTRADO GERALMENTE NA BACIA AMAZÔNICA, MAIS ESPECIFICAMENTE, NAS ÁGUAS CALMAS DE SUA VÁRZEA. A FAMÍLIA A QUAL O PIRARUCU PERTENCE É MUITO ANTIGA, EXISTINDO SEM MODIFICAÇÕES HÁ MAIS DE 100 MILHÕES DE ANOS, FAZENDO PARTE DELA TAMBÉM O ARUANÁ, UM PEIXE MENOR. • HABITAM ÁGUAS DE LAGOS E RIOS, CLARAS, BRANCAS E ESCURAS, LEVEMENTE ALCALINAS, COM TEMPERATURA QUE VARIAM DE 24° A 37°C, RICAS EM VEGETAÇÃO, OU SEJA, COM BAIXO TEOR DE OXIGÊNIO. MESMO VIVENDO EM ÁGUAS POBRE EM OXIGÊNIO, ISSO NÃO É UM PROBLEMA PARA O PIRARUCU, POIS ELE POSSUI UMA BEXIGA NATATÓRIA QUE PODE FUNCIONAR COMO UM PULMÃO, PERMITINDO-LHE SUBIR Á SUPERFÍCIE E RESPIRAR DIRETAMENTE O OXIGÊNIO DO AR. O PIRARUCU É CAPAZ DE ENGOLIR QUALQUER COISA: CARAMUJOS, TARTARUGAS, COBRAS, SEIXOS, AREIA, LODO. SUA DIETA É COMPOSTA BASICAMENTE POR OUTROS PEIXES DE ÁGUA DOCE, DE MENORES DIMENSÕES. ASSIM QUE ESSES PEIXES FORMAM CASAIS, ELES PROCURAM UM AMBIENTE CALMO E ÁGUAS POUCO PROFUNDAS PARA COLOCAR SEUS OVOS, SENDO QUE UMA ÚNICA FÊMEA PODE PÔR MAIS DE 10.000 OVOS. NO ENTANTO, É FUNÇÃO DO MACHO CUIDAR DOS OVOS E DOS FILHOTES, POR APROXIMADAMENTE SEIS MESES.
  • 9. AGORA IREMOS CITAR ALGO A MAIS DE 4 ESPÉCIES: • MAMÍFERO: O PEIXE-BOI (TRICHECHUS SP.) É NA VERDADE UM MAMÍFERO MARINHO PERTENCENTE À ORDEM DOS SIRÊNIOS, QUE POSSUI UM NICHO ECOLÓGICO MUITO DIVERSIFICADO, UTILIZANDO-SE DE VEGETAIS PARA SUA ALIMENTAÇÃO E TENDO SUA DISTRIBUIÇÃO RELACIONADA A AMBIENTES RASOS DE RIOS, ESTUÁRIOS E MARES. O PEIXE-BOI É INTEGRANTE DA FAMÍLIA TRICHECHIDAE. NO BRASIL PODEMOS ENCONTRAR DUAS FORMAS DO PEIXE BOI, UMA DELAS É O PEIXE-BOI MARINHO (TRICHECHUS MANATUS), TENDO SUA DISTRIBUIÇÃO CONHECIDA DESDE A REGIÃO COSTEIRA DA FLÓRIDA (EUA), GRANDES ANTILHAS, MÉXICO, AMÉRICA CENTRAL E PRESENTE TAMBÉM NO NORDESTE BRASILEIRO. A OUTRA FORMA SERIA O PEIXE- BOI AMAZÔNICO (TRICHECHUS INUNGUIS), OCORRENDO DENTRO DO SISTEMA FLUVIAL DO RIO AMAZONAS. OS PEIXES-BOI PREFEREM AMBIENTES ONDE A TEMPERATURA É SUPERIOR A 20°C, POIS TEMPERATURAS INFERIORES PODEM CAUSAR STRESS NO ANIMAL E LEVAR A MORTE. • CARDEAL-DA-AMAZÔNIA É UMA AVE QUE PELO PRÓPRIO NOME JÁ PODEMOS PERCEBER VIVE NA AMAZÔNIA, PERTENCE A FAMÍLIA THRAUPIDAE E TEM ALGUNS OUTROS NOMES PELOS QUAIS É CONHECIDO COMO, POR EXEMPLO, TANGARÁ E GALO DE CAMPINA DA AMAZÔNIA. EM GERAL ESSAS AVES MEDEM UNS 16 CM DE ALTURA E O SEU PRINCIPAL ALIMENTO SÃO OS GRANÍVOROS. • O CARDEAL-DA-AMAZÔNIA QUANDO ESTÁ NO SEU PERÍODO DE REPRODUÇÃO SE TORNA MAIS TERRITORIALISTA E FAZ O SEU NINHO DE PAREDES BEM FINAS NUMA FORMA QUE NOS LEMBRA BASTANTE UMA XÍCARA. ESSA AVE PODE BOTAR DE 2 A 3 OVOS QUE TEM UMA COR BRANCA ESVERDEADA E QUE AINDA TEM MANCHAS MARRONS. • OS FILHOTES DO CARDEAL-DA-AMAZÔNIA COSTUMAM SAIR DOS OVOS COM 13 DIAS, A CADA NOVA TEMPORADA NASCEM DE 2 A 4 NINHADAS DESSE PÁSSARO. EM GERAL ESSA ESPÉCIE FICA EM ÁRVORES PRÓXIMAS DE LAGOS OU RIOS. MAS, EXISTE UMA QUESTÃO PREOCUPANTE EM RELAÇÃO A ESSA ESPÉCIE, SE ENCONTRA NA LISTA DE ANIMAIS EM EXTINÇÃO.
  • 11. FLORA AMAZÔNICA • A FLORA AMAZÔNICA É ABENÇOADA PELA NATUREZA. EM MEIO À FLORESTA HÁ INÚMERAS ESPÉCIES COMESTÍVEIS, OLEAGINOSAS, MEDICINAIS E CORANTES. DAS 100 MIL ESPÉCIES VEGETAIS PRESENTES NA AMÉRICA LATINA, CERCA DE 30 MIL ESTÃO NA AMAZÔNIA. A PLANTA MAIS FAMOSA É A VITÓRIA-RÉGIA, A FLOR SÍMBOLO DA AMAZÔNIA. CONHECIDA COMO A "RAINHA DOS LAGOS", A VITÓRIA RÉGIA (VITORIA REGIA LINDL) ABRE SUAS FOLHAS NAS ÁGUAS RASAS E SEM CORRENTEZA, FORMANDO UMA BANDEJA REDONDA VERDE. CHEGA A MEDIR DE 1M A 1,80M DE DIÂMETRO. FOI BATIZADA COM ESTE NOME POR UM NATURALISTA INGLÊS PARA HOMENAGEAR A RAINHA VICTORIA PELA SUA EXUBERÂNCIA. A FLOR MUDA DE COR COM O TEMPO; NO PRIMEIRO DIA DE ABERTURA, OS BOTÕES SÃO BRANCOS E SE TORNAM ROSADOS NO SEGUNDO DIA. A PARTIR DO TERCEIRO DIA COMEÇA A DESABROCHAR ÀS 17H E COMPLETA O CICLO ÀS 21 HORAS.
  • 12. FLORA AMAZÔNICA • OS DIFERENTES GRAUS DE UMIDADE DURANTE O PERÍODO DE CHEIA DOS RIOS, DE QUALIDADE DO SOLO, NOS VENTOS E NAS CHUVAS PROPICIARAM FORMAÇÕES VEGETAIS BEM DISTINTAS. A SOMA DELAS É QUE FORMA UMA REGIÃO ÚNICA NO PLANETA E DÁ VIDA À GRANDE BIODIVERSIDADE AMAZÔNICA • A VEGETAÇÃO PODE SER DIVIDIDA EM TRÊS TIPOS • - FLORESTAS DE TERRA FIRME OCUPAM TERRAS NÃO INUNDÁVEIS. POSSUEM DE 140 A 280 ESPÉCIES POR HECTARE, ENTRE ELAS AS GRANDES ÁRVORES DE MADEIRA DE LEI DA AMAZÔNIA. EM ALGUNS LOCAIS AS COPAS DAS ÁRVORES SÃO TÃO GRANDES QUE IMPEDEM A PASSAGEM DE ATÉ 95% DA LUZ DO SOL. OS PRINCIPAIS REPRESENTANTES DESSE TIPO DE VEGETAÇÃO SÃO O CEDRO, MOGNO, ANGELIM- PEDRA, AS CASTANHEIRAS-DO-PARÁ, SERINGUEIRA, O GUARANÁ E O TIMBÓ, ÁRVORE UTILIZADA PELOS ÍNDIOS PARA ENVENENAR OS PEIXES.
  • 13. FLORA AMAZÔNICA • :- FLORESTA DE IGAPÓ OCUPAM OS TERRENOS MAIS BAIXOS, PRÓXIMOS AOS RIOS, E ESTÃO PERMANENTEMENTE ALAGADAS. DURANTE O PERÍODO DE CHEIA, AS ÁGUAS CHEGAM A ALCANÇAR AS COPAS DAS ÁRVORES, FORMANDO OS "IGAPÓS". QUANDO ESSE FENÔMENO SE DÁ NOS PEQUENOS RIOS E AFLUENTES, SÃO DENOMINADOS "IGARAPÉS". A MAIORIA DAS ÁRVORES TEM ENTRE 2M E 3M, MAS ALGUMAS CHEGAM A ATINGIR ATÉ 20M DE ALTURA. A ESPÉCIE MAIS FAMOSA DESSE TIPO DE FLORESTA É A VITÓRIA-RÉGIA. • • - FLORESTA DE VÁRZEA LOCALIZAM-SE ENTRE A TERRA FIRME E OS IGAPÓS. APRESENTAM CERCA DE 100 ESPÉCIES VEGETAIS POR HECTARE. SÃO TRÊS AS CATEGORIAS: VÁRZEA BAIXA E INTERMEDIÁRIA (COM PREDOMÍNIO DE PALMEIRAS E ALGUMAS ESPÉCIES CUJAS RAÍZES AUXILIAM NA FIXAÇÃO DE OXIGÊNIO) E VÁRZEA ALTA (COM SOLO MENOS ATINGIDO PELAS ÁGUAS DAS MARÉS E MAIOR BIOMASSA GRAÇAS A ESPÉCIES ARBÓREAS, COMO A ANDIROBA). É FORMADA POR ÁRVORES DE GRANDE PORTE COMO A SERINGUEIRA, AS PALMEIRAS E O JATOBÁ.
  • 14. ESPÉCIES DE PLANTAS: ABIORANA-SECA – POUTERIA LAURIFÓLIA. ACAPÚ – VOUCAPOUA AMERICANA ACARIQUARA – MINQUARTIA GUIANENSIS. AÇACU – HURA CREPTANS AÇAÍ – EUTERPE OLERACEAE. AÇOITA-CAVALO – LUEHEA SPECIOSA AGUAPÉS – EICHORNIA SPP. ALECRIM – HOLOCALYX BALANSAE ALMACEGA – PROTIUM HEPTAPHYLLUM. AMAPÁ-DOCE – PARANHANCORNIA AMAPÁ AMESCLA – PROTIUM BRASILIENSIS. ANDIROBA – CARAPA GUIANENSES ANDIROBARANA – GUAREA CF. KUNTHII. ANGELIM – ANDIRA RETUSA ANGELIM-PEDRA – DINIZIA EXCELSA. ANGELIM-RAJADO – PITHECOLOBIUM RACEMOSUM ANGICO – PIPTADENIA MACROCARPA. ANGICOS – PIPTADENIA SPP. ANINGA – MONTRICHARDIA ARBORESCENS. ARAÇÁS – PSIDIUM SPP. ARARIBÁS – CENTROLOBIUM TOMENTOSUM/C. ROBUSTUM. ARATICUM – ANNOMA CRASSIFLORA ARCO-DE-PIPA – ERYTHROXYLON FRANGULAEFOLIUM. AROEIRA – LITHRAEA BRASILIENSIS ATA-BRAVA – DUGUETIUM SP. BABAÇU – ORBIGNYA MARTIANA. BACUPARI – RHEEDIA GARDNERIANA BACURI – PLATONIA SP.. BANANEIRINHAS-DA-MATA – HELICONIA SPP. BICO-DE-PAPAGAIO - HELICONIA VELLOZINA. BICUÍBA – VIROLA BICUHYBA/V OLEIFERA BRACATINGA – MIMOSA SCABRELLA. BRAÚNA – MELANOXYLON BRAUNA BREJAÚVA – ASTROCARYUM AYRI. BREU-MANGA – TETRAGASTRIS ALTÍSSIMA BURITI – MAURITIA FLEXUOSA. BURLANDI – VIROLA SP.
  • 15. • ESPÉCIES DE PLANTAS: CABREÚVA – MYROCARPUS FRONDOSUS CACAUEIRO – THEOBROMA CAÇÃO CAETÉ – THALIA GENICULATA CAFÉ - COFFEA ARÁBICA CAGAITEIRA – EUGENIA DYSENTERICA CAINGÁ – SCLEROLOBIUM SPP. CAJUAÇU – ANACARDIUM OTHONIAMUM CAJUÍ – ANACARDIUM PUMILUM CAMBARÁ – VOCHYSIA SESSIFOLIA CAMBUÍ – MYRCIA SPP. CANA-DE-AÇUCAR – SACCHARUM OFFICINARUM CANARANAS – ECHINOA SP., PANICUM SP. CANELAS – OCOTEA SPP./NECTANDRA SPP./ACRODICLIDUM SPP. CANELAS-SANTAS – VOCHYSIA OPUGNATA/V. ACUMINATA CANELINHA – OCOTEA PULCHELLA CANGERANAS – CABRALEA EICHLERIANA/C. GLABERRIMA CAPIM-ARROZ – ORYZA PERENNIS CAPIM-RABO-DE-RATO – HYMENACHNE SP. CAPIM-SERRA-PERNA – LAERCIA SP. CARÁ-MIMOSO – CHUSQUEA MIMOSA CARANDÁ – COPERNICIA AUSTRALIS CORDEIRO – SCLERONEMA MICRANTHUS CARNAÚBA – COMPERNICIA CERIFERA CAROÁ – NEOGLAZIOVIA VARIEGATA CARVALHO – ROUPALA ASPLENIOIDES CASCA D’ANTA – DRIMYS BRASILIENSIS CASTANHA-DE-MACACO – COUROPITA GUIANENSIS CASTANHA-DO-PARÁ – BERTHOLLETIA EXCELSA CASUARINA – CASUARINA EQUISETIFOLIA CATINGUEIRA – CAESALPINIA PVRAMIDALIS CATUCANHEM – ROUPALA SP. CAXETA-PRETA – TACHIGALIA MULTIPREGA CAÚNA – LLEX MICRODONTA CEDROS – CEDRELA ODORATA/C. FISSILIS CEREJEIRA – TORREZEA CEARENSIS COCÃO – ERYTHROXYLUM AMPLIFOLIUM COCO-DA-BAHIA – COCOS NUCIFERA CONDURU – GUATTERIA SP. COPAÍBA – COPAIFERA SPP. CRAVINA-DO-CAMPO – PREPUSA HOOKERIANA CRISCIUMAS – ARUNDINARIA SP. CUPIUBA – GOUPIA GLABRA
  • 16. • ESPÉCIES DE PLANTAS: EMBAUBA – CECROPIA SPP. ERVA-MATE – LLEX PARAGUAIENSIS FAVA-BOLATA – PARKIA PENDULA FEDEGOSO – CASSIA MULTIJUGA FIGUEIRAS-BRAVAS – FICUS SPP. FREIJÓ – CORDIA GOELDIANA FRUTA-DE-LOBO – SOLANUM SP. GAMELEIRA – FICUS SP. GARAPA – APULEIA PRAECOX GENIPAPO – GENIPA SP. GERIVÁ – ARECASTRUM ROMANZOFFIANUM GOIABEIRA-SERRANA – FEIJOA SELLOWIANA GONÇALO-ALVES – ASTRONIUM GRAVEOLENS GRAMIMUNHA – WEINMANNIA PAULLINIIFOLIA GUABIROBEIRAS – CAMPOMANESIA SPP. GUAÇATUNGA – CASEARIA PARVIFOLIA/C. SILVESTRIS GUANANDI – CALOPHYLLUM BRASILIENSE GUARAPERÊ – LAMANONIA SPECIOSA GUATAMBU – ASPIDOSPERMA SP. IMBUIA – OCOTEA POROSA IMBURANA-DE-CHEIRO – AMBURANA CEARENSIS INDAIÁ – ATTALEA INDAYA INGÁS – INGÁ GRACILIFOLIA/I. SPLENDEUS/I. EDULIS/I. NOBILIS/I. RUBIGINOSA/I.PARAENSIS/I. ALBA IPÊS – TECOMA SPP./TABEBUIA SPP./MACROLOBIUM SPP. IPÊ-AMARELO – TECOMA CHRYSANTHA IPÊ-BRANCO – TECOMA ODONTODISCUS IPÊ-ROXO – TABEBUIA CHRYSOTRICHA ITAÚBA – MEZILAURUS ITAUBA/M. LINDAVIANA JACARANDÁS – MACHAERIUM SPP. JACARANDÁ-DA-BAHIA – DALBERGIA NIGRA JACARANDÁ-PRETO – DALBERGIA SPRUCEANA JACARATIÁ – JACARATIA HEPTAPHYLLA JACARÉ – PIPTADENIA COMMUNIS JATAÍ-AÇU – HYMENACEA COURBARIL JATOBÁS – HYMENACEA SPP. JATOBÁ-DO-CAMPO – HYMENACEA STIGONOCARPA JATOBÁ-DA-MATA – HYMENACEA STIBOCARPA JEQUITIBÁ – CARINIANA EXCELSA/C. ESTRELENSIS/C. LEGALIS JERIVÁ – ARECASTRUM ROMANZOFFIANUM JITAÍ – DIALIUM GUIANENSE JUAZEIRO – ZIZYPHUS JOAZEIRO JUREMAS – MIMOSA SPP. JUREMA-PRETA – MIMOSA ACUTISTIPULA
  • 17. • ESPÉCIES DE PLANTAS: LACRE – ROUPALA CEARENSIS LIMOEIRO-DO-MATO – ACTINOSTEMON CONCOLOR LIXEIRA – CURATELLA AMERICANA MACACAÚBA – PLATYMISCIUM TRINITATIS MACAMBIRA – BROMÉLIA LACINIOSA MAÇARANDUBAS – MANIKARA HUBERI/M. RUFULA/M. ELATA MAMACADELA – BROSIMUM GAUDICHAUDII MANDACARU – CEREUS JAMACARU MANDIOQUEIRAS – QUALEA SPP. MANGABEIRA – HANCORNIA SPECIOSA MANGUE-BRANCO OU AMARELO – LAGUNCULARIA SP. MANGUE-VERMELHO – RYZOPHORA MANGLE MARACUJÁ – PASSIFLORA SP. MARIA-MOLE – GUAPIRA OPPOSITA MARIA-PRETA – CORDIA TRICHOTOMA MARMELADA-DE-CACHORRO MARMELEIRO – CRÓTON HEMIARGIREUS MATA-OLHO – PACHYSTROMA LONGIFOLIUM MIRINDIBA – BUCHENAVIA SP. MOCITAIBA OU ORELHA-DE-ONÇA – ZOLLERNIA ILICIFOLIA MOGNO – SWIETENIA MACROPHYLLA MORORÓ – BAUHINIA MACROSTACHYA MOROTOTÓ – DIDYMOPANAX MOROTOTONI MUIRATAUÁ – APULEIA MOLARIS MUIRAÚBA – MOURIRIA BREVIPES MURICI – BYRSONIMA SP. MURICI-ACAULE – PALICOUREA RIGIDA MURICI-DO-CAMPO – BYRSONIMA SERICEA MURURÉS – EICHORNIA SP./PISTIA SP./CABOMBA SP OITI-TUTURUBA – CONEPIA OITI ÓLEO-PARDO – MYROCARPUS FRONDOSUS ÓLEO-VERMELHO – MYROXYLON BALSAMUM ORELHA-DE-ONÇA – ZOLLERNIA ILICIFOLIA PALMEIRINHA-DE-PETRÓPOLIS – SYAGRUS WEDELLIANA PALMITO-DOCE – EUTERPE EDULIS PAU-BRASIL – CAESALPINIA ECHINATA PAUS-D’ARCO – TABEBUIA SPP. PAU-D’-ARCO-AMARELO – TABEBUIA SERRATIFOLIA PAU-D’ARCO-ROXO – TABEBUIA AVELLANEDAE PAU-DE-COLHER – SALVERTIA CONVALLARIODORA PAU-DE-TUCANO – VOCHYSIA THYRSOIDEA
  • 18. • ESPÉCIES DE PLANTAS: PAU-D’ÓLEO – COPAIFERA CEARENSIS/COPAIFERA TRAPEZIFOLIA/C. LANGSDORFII PAU-FERRO – CAESALPINA LEIOSTACHYA PAU-LEITEIRO – SAIUM GLANDULATUM PAU-MARFIM – BALFOURADENDRON REIDELIANUM PAU-MULATO – CAPIRONA HUBERIANA PAU-POMBO – TAPIRIRA GUIANENSIS PAU-ROSA – ANIBA DUCKEI PAU-SANTO – KIELMEYERA CORIACEA PAUS-TERRA – QUALEA GRANDIFLORA/Q. PARVIFLORA PEREIRO – ASPIDOSPERMA PYRITOLIUM PEROBAS ASPIDOSPERMA SP. PEROBA-AMARELA – PARATECOMA PEROBA PEROBA-DE-CAMPOS – PARATECOMA PEROBA PEROBA-ROSA – ASPIDOSPERMA SP. PIAÇAVA – ATTALEA FUNIFERA PINDAÍBA – XYLOPIA SPP. PINDOBA – OENOCARPUS DISCOLOR PINDOBINHAS – GEONOMA SPP. PINHEIRO-DO-PARANÁ – ARAUCÁRIA ANGUSTIFÓLIA PINHO-BRAVO – TAPIRIRA SP. PIQUI – CARYOCAR BRASILIENSE PIQUIARANA – CARYOCAR GLABRUM PIRI – CYPERUS GIGANTEUS PISTIAS – PISTIA SPP. PODOCARPUS OU PINHEIRO-BRAVO – PODOCARPUS LAMBERTII/P. SELLOWII PRACUÚBA – MORA PARAENSIS PUPUNHARANA – COCOS SPECIOSA QUARESMEIRA – TIBOUCHINA ESTRELLENSIS QUINARANA – GEIOSSOSPERMUM SERICEUM RANÚNCULO – ANEMONE DECAPETALA ROXINHO – PELTOGYNE DISCOLOR/P. CONFERTIFLORA SAMAMBAIAS OUTRAS – HYMENOPHYLLUM MAGELLANICUS/H. MEGACHILUM/BLECHNUM ORGANENSE/POLYPODIUM TAMADAREI SAMAMBAIA TERRESTRE – PTERIDIUM AQUILINUM SAMAMBAIUÇUS – ALSOPHILA ELEGANS/A. GLAZIOVII/A. ARMATA/A. PHALERATA/A.CORCOVADENSIS/A. VIRENS/A. CONTRACTA/A. LEUCOLEPIS SAMAÚMA OU SUMAÚMA – CEIBA PENTANDRA
  • 19. • ESPÉCIES DE PLANTAS: SAPUCAIAS – LECYTHIS USITATA/L. PARAENSIS SASSAFRÁS – OCOTEA PRETIOSA SEMPRE-VIVA-DA-SERRA – PAEPALANTUS POLYANTHUS SERINGUEIRAS – HEVEA BRASILIENSIS SIRIÚBA – AVICENIA NÍTIDA SOROCO – SOROCEA BONPLANDII SORVA – COUMA GUIANENSE SUCUPIRAS – DIPLOTROPIS SPP./BOWDICHIA SPP./FERREIRA SPP. SUCUPIRA-PRETA – ANDIRA SPECTABILIS TACHIS – TACHIGALIA ALBA/T. MYMECOPHYLLA/SCLEROLOBIUM MELANOCORPUM TAQUARA – MEROSTACHYS SPP./GUADA SP. TAQUARI – CHUSQUEA PINIFOLIA TAQUARUÇU – BAMBUSA SP. TENTO – ORMOSIA SP. TIFAS OU TABOAS – TYPHA SPP TIRIRICÃO – SCLERIA SP. TUCUMÃ – ASTROCARYUM SP. UCUUBAS – VIROLA MELIONII/V. SURINAMENSIS/V.CARINATA/OSTEOPHLOEUM PLATISPERMUM/IRYANTHERA MACROPHYLLA UMBU – SPONDIA TUBEROSA UMBURANA-DE-ESPINHO – BUSERA LEPTOPHLOIOS URTIGÃO – GUNNERA MANICATA/URERA BACCIFERA URUCURANA – HIERONIMA ALCHORNEOIDES VASSOURÃO – PIPTOCARPHA NOTATA VASSOURINHA-DO-CAMPO – MICROLICIA ISOPHYLLA VINHÁTICO – PLATYMENIA RETICULATA/P. FOLIOLOSA VITÓRIA-RÉGIA – VICTORIA AMAZÔNICA XAXIM – DICKSONIA SELLOWIANA XIQUE-XIQUE – PILOCEREUS GOUNELLII
  • 20. AGORA IREMOS CITAR ALGO A MAIS DE 4 ESPÉCIES: • SAMAMBAIA-TERRESTRE: MILHÕES DE ANOS ATRÁS, SAMAMBAIAS ENORMES DOMINARAM FLORESTAS IMENSAS, MUITO ANTES DE SURGIREM AS PLANTAS ATUAIS. ELAS NÃO DESENVOLVEM SEMENTES, MAS PROPAGAM-SE ATRAVÉS DE ESPOROS OU PELA DIVISÃO DE SEUS RISOMAS. A MAIOR PARTE DOS GÊNEROS UTILIZADOS EM PAISAGISMO SÃO PROVENIENTES DOS TRÓPICOS, DESTACANDO-SE ADIANTUM, ASPLENIUM, POLYPODIUM, PTERIS E PLATYCCERIUM, COM DIVERSOS TAMANHOS E FORMAS. O NOME SAMAMBAIA É PROVENIENTE DO TUPI E SIGNIFICA "AQUELE QUE SE TORCE EM ESPIRAL". SEU HABITAT PODE SER TANTO UM VASO DE XAXIM COMO O TRONCO DE UMA ÁRVORE, UMA PEDRA OU MESMO O PRÓPRIO SOLO OU A ÁGUA, COMO AS SAMAMBAIAS AQUÁTICAS. O SUCESSO NO CULTIVO DESTAS PLANTAS DEPENDE DA CAPACIDADE DE REPRODUZIRMOS EM CASA AS CONDIÇÕES NATURAIS EM QUE ESTAS VIVEM NAS MATAS. A MAIOR PARTE DAS ESPÉCIES PREFEREM AMBIENTES SOMBREADOS. O VENTO É UM DOS SEUS MAIORES INIMIGOS, CAUSANDO "QUEIMA" DAS FOLHAS MAIS JOVENS E PERDA DE ÁGUA POR EVAPORAÇÃO. SAMAMBAIAS TAMBÉM NÃO GOSTAM DE ALTERAÇÕES DE LUGAR, POIS ELAS ACOSTUMAM-SE COM A LUMINOSIDADE, TEMPERATURA E UMIDADE LOCAL, PODENDO DEFINHAR E ATÉ MORRER CASO SEJAM MUDADAS. NORMALMENTE SÃO CULTIVADAS EM XAXIM, QUE RETÊM MAIS A UMIDADE E PERMITEM QUE AS RAÍZES RESPIREM MELHOR. AS MAIS COMUNS SÃO PULGÕES, COCHONILHAS, ÁCAROS E LAGARTAS QUE DEVEM SER RETIRADAS MANUALMENTE OU ATRAVÉS DE UMA PINÇA, PARA EVITAR O USO DE INSETICIDAS. PODEM TAMBÉM OCORRER ALGUMAS DOENÇAS, CAUSADAS POR FUNGOS OU BACTÉRIAS. NESTES CASOS, AS FOLHAS APRESENTAM MANCHAS E AS RAÍZES APODRECEM, DEVENDO-SE ELIMINAR AS PARTES DOENTES., SERINGUEIRA: SERINGUEIRA É O NOME POPULAR DADO À PLANTA DO GÊNERO HEVEA, FAMÍLIA EUPHORBIACEAE. NATURAL DA REGIÃO AMAZÔNICA, A SUA VARIEDADE HEVEA BRASILIENSIS É A MAIS IMPORTANTE DENTRE AS ONZE ESPÉCIES DO GÊNERO E TAMBÉM A DE MAIOR CAPACIDADE PRODUTIVA, DESTACANDO-SE POR PRODUZIR LÁTEX DE MELHOR QUALIDADE E COM UM TEOR PROPÍCIO PARA A FABRICAÇÃO DA BORRACHA. ACREDITA-SE QUE SEU NOME TEM ORIGEM NO TERMO “SERINGA”, UMA REFERÊNCIA À FORMA COMO É EXTRAÍDO O LÁTEX. ALÉM DO BRASIL, A SERINGUEIRA É COMUM NA BOLÍVIA, COLÔMBIA, PERU, VENEZUELA, EQUADOR, SURINAME E GUIANAS. A PLANTA DESENVOLVE-SE PREFERENCIALMENTE EM MEIO A SOLOS ARGILOSOS E FÉRTEIS DA BEIRA DE RIOS E VÁRZEAS, RECOMENDA-SE QUE O SEU PLANTIO OCORRA EM SOLOS DE TEXTURA MÉDIA E COM BOA PROFUNDIDADE, A SERINGUEIRA FORMA UMA ÁRVORE DE HÁBITO ERETO, QUE PODE ATINGIR ATÉ 30M DE ALTURA, E SEU TRONCO PODE VARIAR ENTRE 30 E 60CM DE DIÂMETRO. AOS QUATRO ANOS INICIA-SE A PRODUÇÃO DE SEMENTES, E POR VOLTA DE SEIS OU SETE ANOS, A PRODUÇÃO DE LÁTEX A PARTIR DA CASCA DA ÁRVORE, QUE É RESPONSÁVEL AINDA PELO TRANSPORTE A ARMAZENAMENTO DOS NUTRIENTES ABSORVIDOS PELA PLANTA. É DE MARÇO A JUNHO QUE A SERINGUEIRA APRESENTA AS CONDIÇÕES PROPÍCIAS PARA A EXTRAÇÃO DO LÁTEX. A PARTIR DE SEU HABITAT NATURAL, A SERINGUEIRA PASSOU A SER EXPLORADA EM GRANDES ÁREAS, EM ESPECIAL NO SUDESTE ASIÁTICO. NO BRASIL, O CULTIVO DA PLANTA ATINGIU AS REGIÕES SUDESTE E CENTRO OESTE, COM DESTAQUE PARA A BAHIA E MAIS RECENTEMENTE O PARANÁ.
  • 21. AGORA IREMOS CITAR ALGO A MAIS DE 4 ESPÉCIES: • VITÓRIA-RÉGIA: É CONHECIDA PELO NOME DE VITÓRIA-RÉGIA UMA DAS MAIORES PLANTAS AQUÁTICAS DO MUNDO. COM UM ASPECTO EXUBERANTE E ORNAMENTAL, ELA PERTENCE À FAMÍLIA NYMPHAECEAE E É NATIVA DA REGIÃO AMAZÔNICA. É DOTADA DE FOLHAS CIRCULARES, ENORMES, QUE PODEM ALCANÇAR ATÉ 2,5 METROS DE DIÂMETRO. SEUS BORDOS ALCANÇAM ATÉ 10 CM E REVELAM UMA FACE INFERIOR ESPINHENTA E AVERMELHADA. POSSUI AINDA UMA NOTÁVEL CAPACIDADE DE FLUTUAÇÃO, DEVIDO A UMA REDE DE GROSSAS NERVURAS E COMPARTIMENTOS DE AR EM SUA FACE INTERIOR. A SUPERFÍCIE DA FOLHA APRESENTA UMA INTRINCADA REDE DE CANAIS PARA O ESCOAMENTO DA ÁGUA, O QUE TAMBÉM AUXILIA NA SUA CAPACIDADE DE FLUTUAR, ATÉ MESMO SOB CHUVAS FORTES. A VITÓRIA-RÉGIA DEPENDE BASTANTE DAS INUNDAÇÕES DO RIO AMAZONAS PARA A SUA SOBREVIVÊNCIA, DEPENDENDO DA MEDIDA DA ÀGUA AS SUA HASTES CRESCEM , QUE PODEM CHEGAR ATÈ 5 METROS DE COMPRIMENTO.O NÍVEL ALTO DAS ÁGUAS PERMITE À PLANTE VIVER CERCA DE DOIS ANOS. CASO AS ÁGUAS SE MANTENHAM BAIXAS, A PLANTA NÃO CONSEGUE SOBREVIVER. OS POVOS INDÍGENAS LOCAIS CONHECEM-NA PELOS NOMES DE UAPÉ, IAPUCACAA, AGUAPÉ-ASSÚ, JAÇANÃ, OU NAMPE. SEU NOME MAIS POPULAR, SURGE DE UM PESQUISADOR INGLÊS QUE LEVOU AS SEMENTES PARA SEREM PLANTADAS NOS JARDINS DO PALÁCIO REAL EM LONDRES. LÁ, A PLANTA RECEBEU O NOME DE VITÓRIA, EM HOMENAGEM À FAMOSA RAINHA DO FIM DO SÉCULO XIX. A RAIZ DA VITÓRIA-RÉGIA É UM TUBÉRCULO PARECIDO COM A MANDIOCA (INHAME), RICO EM AMIDO E SAIS MINERAIS, SEU CULTIVO E DELICADO,SUAS FLORES BROTAM NOS MESES DE JANEIRO E FEVEREIRO, E DURAM APENAS 48 HORAS, ABRINDO SOMENTE À NOITE • ERVA-CIDREIRA: SEU NOME POPULAR E CONHECIDO COMO ERVA-CIDREIRA , MELISSA , CIDREIRA- VERDADEIRA. SEU NOME CIENTIFICO E CONHECIDO COMO MELISSA OFFICINALIS. SUA ORIGEM VEM : DA EUROPA E DA ÁSIA .SUAS PROPRIEDADES SÃO : CALMANTE, BACTERIOSTÁTICA (ANTIBIÓTICO CONTRA BACTÉRIAS). USOS: SUAS FOLHAS E INFLORESCÊNCIAS (FLORES) SÃO COLOCADAS NA FORMA DE CHÁ, DE PREFERÊNCIA COM A PLANTA FRESCA, COMO CALMANTE NO CASO DE INSÔNIA E TAMBÉM COMO MEDICAÇÃO CONTRA DOR E INCHAÇO ABDOMINAL, GRIPE, BRONQUITE CRÔNICA, ENXAQUECA, DORES DE ORIGEM REUMÁTICA, PARA NORMALIZAR AS FUNÇÕES GASTRINTESTINAIS E, EXTERNAMENTE, NO TRATAMENTO DE MANIFESTAÇÕES VIRAIS.
  • 22. Clique para adicionar texto Samambaia- terrestre Vitória-Régia Seringueira Erva-cidreira
  • 23. • UM DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS É O DESMATAMENTO ILEGAL E PREDATÓRIO. MADEIREIRAS INSTALAM-SE NA REGIÃO PARA CORTAR E VENDER TRONCOS DE ÁRVORES NOBRES. HÁ TAMBÉM FAZENDEIROS QUE PROVOCAM QUEIMADAS NA FLORESTA PARA AMPLIAÇÃO DE ÁREAS DE CULTIVO (PRINCIPALMENTE DE SOJA). ESTES DOIS PROBLEMAS PREOCUPAM CIENTISTAS E AMBIENTALISTAS DO MUNDO, POIS EM POUCO TEMPO, PODEM PROVOCAR UM DESEQUILÍBRIO NO ECOSSISTEMA DA REGIÃO, COLOCANDO EM RISCO A FLORESTA. • OUTRO PROBLEMA É A BIOPIRATARIA NA FLORESTA AMAZÔNICA. CIENTISTAS ESTRANGEIROS ENTRAM NA FLORESTA, SEM AUTORIZAÇÃO DE AUTORIDADES BRASILEIRAS, PARA OBTER AMOSTRAS DE PLANTAS OU ESPÉCIES ANIMAIS. LEVAM ESTAS PARA SEUS PAÍSES, PESQUISAM E DESENVOLVEM SUBSTÂNCIAS, REGISTRANDO PATENTE E DEPOIS LUCRANDO COM ISSO. O GRANDE PROBLEMA É QUE O BRASIL TERIA QUE PAGAR, FUTURAMENTE, PARA UTILIZAR SUBSTÂNCIAS CUJAS MATÉRIAS-PRIMAS SÃO ORIGINÁRIAS DO NOSSO TERRITÓRIO. • COM A DESCOBERTA DE OURO NA REGIÃO (PRINCIPALMENTE NO ESTADO DO PARÁ), MUITOS RIOS ESTÃO SENDO CONTAMINADOS. OS GARIMPEIROS USAM O MERCÚRIO NO GARIMPO, SUBSTÂNCIA QUE ESTÁ CONTAMINANDO OS RIOS E PEIXES DA REGIÃO. ÍNDIOS QUE HABITAM A FLORESTA AMAZÔNICA TAMBÉM SOFREM COM A EXTRAÇÃO DE OURO NA REGIÃO, POIS A ÁGUA DOS RIOS E OS PEIXES SÃO IMPORTANTES PARA A SOBREVIVÊNCIA DAS TRIBOS.
  • 24. • SÃO INÚMEROS ANIMAIS QUE APRESENTAM RISCO DE EXTINÇÃO NA FLORESTA AMAZÔNICA, O QUE DEMOSTRA, ESSENCIALMENTE, OS PROBLEMAS ECOLÓGICOS QUE DESESTABILIZAM O ECOSSISTEMA E INFELIZMENTE, CRESCE A CADA ANO. • JAGUATIRICA (GATO-MARACAJÁ) ARARAJUBA TUCANO DE BICO PRETO
  • 25. • PEIXE BOI DA AMAZÔNIA PIRARUCU ARARA VERMELHA Arara de Barriga Amarela (Arara Canindé) AriranhaOnça Parda
  • 27. • AS PRINCIPAIS CAUSAS DESSE DESEQUILÍBRIO AMBIENTAL SÃO: A CAÇA E A PESCA PREDATÓRIA, A POLUIÇÃO DO SOLO, DO AR E DA ÁGUA, A ALTERAÇÃO CLIMÁTICA, TRÁFICO DE ANIMAIS E A PERDA OU FRAGMENTAÇÃO DOS HABITATS